Analecto

7 de maio de 2021

Então, masturbação…

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , — Yure @ 17:35

Meu post mais visto é sobre como a masturbação não é um pecado em si mesma e eu discuto esse tema de tempos em tempos neste blog. Recentemente eu observei uma onda de pessoas argumentando que um homem não deve se masturbar, geralmente argumentando que a masturbação rouba você da motivação para o sexo. Bem, já que sou completamente desinteressado em sexo e não acho que seja grande coisa em primeiro lugar, acho que esse argumento não funciona para mim (ou para quem não quer fazer sexo ou é fisicamente ou legalmente incapaz de procurar sexo, como é o caso de pessoas que não atingiram a idade do consentimento).

Não é da minha conta se as pessoas estão ou não brincando consigo mesmas, mas vendo tantas pessoas falando contra essa prática, acho que eu deveria ser uma voz dissidente oferecer algum contraponto.

Aspecto físico.

Enquanto a maioria das pessoas argumenta contra a masturbação usando o argumento que acabei de apresentar (elimina a motivação para o sexo), algumas pessoas argumentam que a masturbação é fisicamente insalubre. Mas é mesmo? Pense nisso: qual é a diferença entre masturbação e sexo? Ambas as práticas envolvem atrito genital para alcançar o orgasmo. A diferença é o instrumento utilizado: na masturbação, a mão é usada; no sexo, você tem outra pessoa. Do ponto de vista físico, se a masturbação não é saudável, o sexo também não é. Se você quer parar de se masturbar porque tem medo de se machucar ou poluir seu corpo, por que você não para de fazer sexo também? Agora, estamos falando de aspectos físicos. Se for esse o caso, você deve argumentar que sexo é mais seguro que masturbação.

Na verdade, é o contrário: no sexo, você está exposto aos fluidos de outra pessoa, o que é o mesmo que se expor ao risco de doença sexualmente transmissível. A menos que você tenha certeza absoluta de que seu parceiro está limpo ou se você está usando contramedidas (como um preservativo), é um risco. Além disso, há o risco de gravidez indesejada, mesmo que tal risco seja muito diminuído pela combinação de preservativos e pelo uso correto de pílulas anticoncepcionais.

Dadas essas coisas, masturbação é menos fisicamente arriscada que sexo. Se masturbação é ruim, sexo deveria ser pior. Mas nenhum homem concordaria com isso.

Aspecto mental.

Outros argumentam que a masturbação não deve ser praticada porque é viciante. Claro, sexo também. Você provavelmente percebeu que eu vou fazer isso durante todo o texto. Lembro-me de ler que a masturbação ativa o sistema de recompensa do seu cérebro, o que pode torná-la viciante depois de um tempo. O problema é: tudo o que causa prazer ativa o sistema de recompensa. A masturbação teria que causar um prazer intenso para ativá-lo de forma preocupante, como o crack ou a cocaína fazem.

Um amigo da faculdade confiou a mim que ele é um viciado em sexo. Ele precisa fazer sexo uma vez por dia para funcionar corretamente no dia seguinte. Mas, uma semana, ele ficou doente com um caso muito ruim de gripe. Ele ficou de cama por três dias. Quando ele voltou para a faculdade, ele me contou sobre suas tribulações nesses três dias de abstinência e eu perguntei a ele: “Por que você não se masturbou?” Ao que ele respondeu: “É insatisfatório.”

Sexo é melhor do que masturbação, na verdade. Se a masturbação é ruim porque ativa seu sistema de recompensa de uma forma supostamente intensa, por que as pessoas ainda fazem sexo, que faz o mesmo em maior medida? Além disso, como eu disse, muitas coisas nos causam prazer e muitas coisas podem se tornar viciantes por causa disso, mas depende mais da pessoa do que do ato, a menos que estejamos falando de substâncias objetivamente viciantes, como drogas. As pessoas podem se tornar viciadas em açúcar, exercícios, jogos, internet, trabalho e muitas outras coisas. Mas ninguém reclama dessas coisas. Porque elas não são objetivamente ruins. Se uma pessoa se torna viciada em qualquer uma dessas coisas, é mais um problema pessoal do que um problema de objeto ao qual a pessoa é viciada.

Para dissipar dúvidas sobre este tema: vício é qualquer mau hábito que você formou. Um hábito é ruim quando te prejudica de alguma forma (física, mental ou socialmente). Se você realmente quer saber se você é viciado em masturbação ou qualquer outra coisa, você só tem que avaliar se esse hábito está prejudicando seu corpo (algumas pessoas se masturbam ao ponto da dor), prejudicando seu bem-estar mental (na maioria das vezes, os males atribuídos à masturbação são melhor atribuídos à abstinência sexual, tanto que eles só começam a aparecer quando a pessoa tenta parar) ou prejudicando sua imagem (muitas pessoas gostam de misturar masturbação com comportamentos de risco, como fazê-loem locais públicos). Se for esse o caso, então é um vício.

Aspecto social.

Outro argumento contra a masturbação é que largá-la dá mais tempo para trabalhar, para se divertir e dormir melhor. Isso se resume a gerenciar seu tempo. Na verdade, se você levar uma hora para chegar ao orgasmo através da masturbação, você vai ganhar mais uma hora no seu dia se você parar de se masturbar. Mas, novamente: se você parar de se masturbar para ganhar mais horas do dia para se dedicar a outras coisas, por que você não para de fazer sexo, pois sexo rouba mais tempo do que masturbação? Pense nisso: uma hora para chegar ao orgasmo é um exagero e a maioria das pessoas gasta muito menos tempo do que isso para chegar ao orgasmo sozinho. Mas, para fazer sexo pelo mesmo tempo, você terá que passar um bom tempo esperando até que seu parceiro também esteja a fim ou criando o clima para que o casal aproveite o ato. Você tem que estar atento às necessidades e desejos do parceiro e garantir que ninguém seja preso após o evento. No final, fazer sexo duas vezes por semana pode levar tanto tempo quanto se masturbar cinco vezes por semana, se você contar os preparativos que vêm antes do sexo para construir o clima. Durante toda a espera, você permanece sexualmente frustrado.

Finalmente, depois de ter um orgasmo, você para de pensar em sexo até que você anseie por outro orgasmo. Portanto, para cada orgasmo alcançado sozinho, um contato sexual é evitado. Isso é útil para pessoas que têm sentimentos sexuais ilegais ou impossíveis de praticar e para pessoas que não podem fazer sexo legalmente.

Retenção de sêmen?

Depois de toda essa discussão, você provavelmente percebeu que a razão deste texto pode ser resumida em: “Se a masturbação é ruim, como não é que o sexo não é considerado ruim também, se a única diferença entre eles é o método usado para alcançar o orgasmo?” Se é assim, a estranha comunidade de retenção de sêmen parece mais lógica do que a comunidade nofap. O problema é que a retenção de sêmen está relacionada ao aumento das chances de câncer de próstata, enquanto os benefícios parecem ser pequenos, se não inacreditáveis… Por outro lado, os benefícios do orgasmo estão bem documentados.

Mas eu não recomendo nem o nofap e nem a retenção de sêmen. Só queria dizer por que acho que não há razão para a maioria das pessoas parar de se masturbar. A menos que se torne um problema, deve ficar tudo bem.

5 de maio de 2021

Entonces, masturbación…

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , — Yure @ 19:39

Mi publicación más vista es sobre cómo la masturbación no es un pecado en sí misma y yo discuto este tema de vez en cuando en este blog. Recientemente tengo observado una oleada de personas argumentando que un hombre no debe masturbarse, por lo general argumentando que la masturbación te roba la motivación para el sexo. Bueno, ya que estoy completamente desinteresado en el sexo y no creo que sea una gran cosa en primer lugar, supongo que este argumento no funciona para mí (o para cualquier persona que no quiere tener relaciones sexuales o es física o legalmente incapaz de buscar sexo, tal es el caso de las personas que no alcanzarón la edad de consentimiento).

No es asunto mío si la gente está o no jugando consigo misma, pero viendo a tanta gente hablando en contra de esta práctica, supongo que debería ser una voz disidente para ofrecer algún contrapunto.

Aspecto físico.

Mientras que la mayoría de la gente discute en contra de la masturbación usando el argumento que acabo de presentar (elimina la motivación para el sexo), un puñado de personas argumentan que la masturbación es físicamente insalubre. ¿Pero es realmente? Piénsalo: ¿cuál es la diferencia entre la masturbación y el sexo? Ambas prácticas implican fricción genital para alcanzar el orgasmo. La diferencia es el instrumento utilizado: en la masturbación, se utiliza la mano; en el sexo, tienes otra persona. Desde el punto de vista físico, si la masturbación no es saludable, también no lo es el sexo. Si quieres dejar de masturbarte porque tienes miedo de lastimarte o contaminar tu cuerpo, ¿por qué no dejas de tener relaciones sexuales también? Ahora, estamos hablando de aspectos físicos. Si ese es el caso, deberías presentarme un argumento según lo cual el sexo es más seguro que la masturbación.

En realidad es al revés: en el sexo, te expones a los fluidos de una otra persona, que es lo mismo que exponerte al riesgo de enfermedad de transmisión sexual. A menos que esté completamente seguro de que su pareja está limpia o si está utilizando contramedidas (como un condón), es un riesgo. Además, existe el riesgo de embarazo no deseado, incluso si tal riesgo se ve muy disminuido por la combinación de condones y el uso correcto de píldoras anticonceptivas.

Teniendo en cuenta esas cosas, la masturbación es menos riesgosa físicamente que el sexo. Si la masturbación es mala, se supone que el sexo es peor. Pero ningún hombre estaría de acuerdo con eso.

Aspecto mental.

Otros argumentan que la masturbación no debe practicarse porque es adictiva. Claro, sexo también. Probablemente te habrás dado cuenta de que voy a hacer esto en todo el texto. Recuerdo haber leído que la masturbación activa el sistema de recompensas de tu cerebro, lo que puede hacer que se vuelva adictivo después de un tiempo. El problema es: todo lo que causa placer activa el sistema de recompensas. La masturbación tendría que causar un placer intenso para activarla de una manera preocupante, como lo hace el crack o la cocaína.

Un amigo en la universidad me confió que es un adicto al sexo. Necesita tener relaciones sexuales una vez al día para funcionar correctamente al día siguiente. Pero, una semana, enfermó con un caso muy malo de gripe. Él estuvo postrado en cama durante tres días. Cuando regresó a la universidad, me dijo sus tribulaciones en esos tres días de abstinencia y le pregunté: “¿por qué no te masturbaste?”. A lo que él respondió: “Es insatisfactorio”.

El sexo se siente mejor que la masturbación, de hecho. Si la masturbación es mala porque activa tu sistema de recompensas de una manera supuestamente demasiado intensa, ¿por qué la gente sigue teniendo relaciones sexuales, que hace lo mismo en mayor medida? Además, como dije, muchas cosas nos causan placer y muchas cosas pueden llegar a ser adictivas debido a esto, pero depende más de la persona que del acto, a menos que estemos hablando de sustancias objetivamente adictivas, como las drogas. La gente puede volverse adicta al azúcar, al ejercicio, a los juegos, a Internet, al trabajo y a muchas otras cosas. Pero nadie se queja de esas cosas. Porque no son objetivamente malos. Si una persona se vuelve adicta a cualquiera de esas cosas, es más un problema personal que un problema del objeto al que la persona es adicta.

Para disipar dudas sobre este tema: la adicción es cualquier mal hábito que hayas formado. Un hábito es malo cuando te daña de alguna manera (física, mental o socialmente). Si realmente quieres saber si eres adicto a la masturbación o cualquier otra cosa, sólo tienes que evaluar si ese hábito está lastimando tu cuerpo (algunas personas se masturban hasta el punto del dolor), lastimando tu bienestar mental (la mayoría de las veces, los males atribuidos a la masturbación se atribuyen mejor a la abstinencia sexual, tanto que sólo empiezan a aparecer cuando la persona intenta parar) o lastimando tu imagen (a muchas personas les gusta mezclar la masturbación con conductas de riesgo, como hacerlo en público o en lugares publicos). Si ese es el caso, entonces es una adicción.

Aspecto social.

Otro argumento en contra de la masturbación es que parar te da más tiempo para trabajar, para divertirte y para dormir mejor. Esto se reduce a la gestión de su tiempo. De hecho, si tardas una hora en alcanzar el orgasmo a través de la masturbación, ganarás una hora más en tu día si dejas de masturbarte. Pero, de nuevo: si dejas de masturbarse para ganar más horas en el día para dedicarte a otras cosas, ¿por qué no dejas de tener sexo, ya que el sexo roba más tiempo que la masturbación? Piénsalo: una hora para alcanzar el orgasmo es una exageración y la mayoría de la gente pasa mucho menos tiempo que eso para alcanzar el orgasmo solo. Pero, con el fin de tener relaciones sexuales durante la misma cantidad de tiempo, tendrás que pasar un buen tiempo esperando hasta que su pareja también esté caliente o creando el estado de ánimo para que dicha pareja disfrute del acto. Tienes que estar atento a las necesidades y deseos del compañero y asegurarte de que nadie sea detenido después de el acto. Al final, tener relaciones sexuales dos veces a la semana puede consumir tanto tiempo como masturbarse cinco veces a la semana, si cuentas los preparativos que vienen antes del sexo para construir el estado de ánimo. Durante toda la espera, permaneces sexualmente frustrado.

Finalmente, después de tener un orgasmo, dejas de pensar en el sexo o desearlo hasta que anhelas otro orgasmo. Por lo tanto, por cada orgasmo logrado solo, se evita un contacto sexual. Esto es útil para las personas que tienen sentimientos sexuales que son ilegales o son imposibles de practicar y para las personas que legalmente no pueden tener relaciones sexuales.

¿Retención de semen?

Después de toda esta discusión, probablemente te diste cuenta de que el motivo de este texto se puede resumir en: “Si la masturbación es mala, ¿cómo es que el sexo consigue no es, si la única diferencia entre uno y otro es el método utilizado para lograr el orgasmo?”. Al poner las cosas de esta manera, la extraña comunidad de retención de semen en realidad parece más lógica que la comunidad nofap. El problema es que la retención del semen está relacionada con el aumento de las posibilidades de cáncer de próstata, mientras que los beneficios parecen ser pequeños, si no increíbles… Por otro lado, los beneficios del orgasmo están bien documentados.

Pero no recomiendo ninguna de las dos cosas. Sólo quería decir por qué creo que no hay razón para que la mayoría de la gente deje de masturbarse. A menos que se convierta en un problema, debería estar bien.

4 de maio de 2021

So, masturbation…

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , — Yure @ 14:00

My most viewed post is about how masturbation is not a sin in itself and I have discussed this topic every once in a while in this blog. I have recently observed a surge of people arguing that a man should not masturbate, usually arguing that masturbation robs you from motivation for sex. Well, since I’m completely uninterested in sex and don’t think it’s a great thing to begin with, I guess this argument does not work for me (or for anyone who doesn’t want to have sex or are physically or legally unable to seek sex, such is the case of people under the age of consent).

It’s none of my business if people are or not playing with themselves, but seeing so many people speaking against this practice, I guess I should be a dissident voice to offer some counterpoint.

Physical aspect.

While most people argue against masturbation using the argument I just presented (removes motivation for sex), a handful of people argue that masturbation is physically unhealthy. But is it really? Think about it: what is the difference between masturbation and sex? Both practices involve genital friction to achieve orgasm. The difference is the instrument used: in masturbation, you use your hand; in sex, you have a partner. From a physical point of view, if masturbation is unhealthy, so is sex. If you want to stop masturbating because you are afraid of hurting or contaminating your body, why don’t you stop having sex as well? Now, we are talking about physical aspects. If that is the case, you should present me an argument according to which sex is safer than masturbation.

It actually is the other way around: in sex, you expose yourself to the fluids of the partner, which is the same as exposing yourself to the risk of sexually transmitted disease. Unless you are completely sure that your partner is clean or if you are using countermeasures (such as a condom), it is a risk. Furthermore, there’s the risk of unwanted pregnancy, even if such risk is greatly diminished by the combination of condoms and the correct use of contraceptive pills.

Considering those things, masturbation is less physically risky than sex is. If masturbation is bad, sex is supposed to be worse. But no sane man would agree with that.

Mental aspect.

Others argue that masturbation should not be practiced because it is addictive. Right, sex too. You probably have noticed that I’ll do this the entire text. I remember reading that masturbation activates your brain’s reward system, which can cause it to become addictive after a while. Problem is: every thing that causes pleasure activates the reward system. Masturbation would need to cause an intense pleasure in order to activate it in a concerning manner, as crack or cocaine does.

I had a friend in college who confided to me that he is a sex addict. He needs to have sex once a day in order to function correctly in the following day. He accepted it and it indeed caused him to become quite skilled in getting in relationships. But, one week, he caught a very bad case of the flu. He was bedridden for three days. He was going insane. When he was back to college, he told me his tribulations in those three days of abstinence and I asked him: “why did you not masturbate?”. To which he replied: “it’s unfulfilling.”

Sex feels better than masturbation, for a fact. If masturbation is bad because it activates your reward system in a supposedly too-intense manner, why are people still having sex, which does the same thing to greater extent? Plus, like I said, many things cause us pleasure and a lot of things can become addictive because of it, but it depends more on the person than on the act, unless we are talking about substances that are objectively addictive, such as drugs. People can become addicted to sugar, to exercise, to gaming, to the Internet, to work and many other things. But nobody complains about those things. Because they are not objectively bad. If a person becomes addicted to any of those things, it’s more of a personal problem than a problem of the object that the person is addicted to.

To dispel doubts about this subject: addiction is any bad habit that you have formed. A habit is bad when it harms you in any way (physical, mental or social). If you really want to know if you are addicted to masturbation or any other thing, you just gotta evaluate if that habit is hurting your body (some people masturbate to the point of pain), hurting your mental well-being (most of the times, the ills attributed to masturbation are better attributed to sexual abstinence, so much that they only start appearing when the person tries to stop) or hurting your image (many people like to mix masturbation with risky behavior, such as doing so in public or in places where one can be caught). If that’s the case, only then it has become a bad habit, therefore an addiction.

Social aspect.

Another argument against masturbation is that letting go of it gives you more time to work on your job, to have other kinds of fun and to have a better sleep. This boils down to management of your time. Indeed, if you take one hour to achieve orgasm through masturbation, you will earn one more hour in your day if you stop masturbating. But, again: if you stop masturbating to gain more hours in the day to dedicate to other things, why don’t you also stop having sex, since sex takes a longer time than masturbation does? Think about it: one hour to achieve orgasm is an exaggeration and most people spend much less time than that to achieve orgasm alone. But, in order to have sex for the same amount of time, you have spend a good time waiting until your partner is also in the mood or creating the mood for such partner to enjoy the act. You have to be attentive to the partner’s needs and wants and make sure nobody gets sued afterwards. In the end, having sex two times a week may consume as much time as masturbating five times a week, if you count the preparations that come before sex to build the mood. During all the waiting, you remain sexually frustrated.

Finally, after you have an orgasm, you stop thinking about sex or desiring it until you yearn for another orgasm. So, for each orgasm achieved alone, one sexual contact is avoided. This is useful for people who have sexual feelings that are illegal to satisfy outside of fantasy and to people who are legally unable to have sex.

Semen retention?

After all this discussion, you probably noticed that the motif of this text can be summed into: “if masturbation is bad, how come sex gets a pass, if the only difference between one and the other is the method used to achieve orgasm?”. Putting things in this way, the strange semen retention community actually seems more logical than the nofap community. The problem is that semen retention is linked with increase of chances of prostate cancer, while the benefits seem to be small, if not unbelievable… On the other hand, benefits of orgasm are well-documented.

I don’t recommend either thing, though. I just wanted to say why I think that there’s no reason for most people to stop masturbating. Unless it becomes a problem, it should be fine.

2 de abril de 2021

Garoto de 7 anos está sendo acusado de estupro.

Filed under: Notícias e política — Tags:, , — Yure @ 15:21

Hoje descobri, graças aos meus parentes, que uma criança de 7 anos está sendo acusada de estupro em terceiro grau nos Estados Unidos, de onde coisas como esta normal vêm. Fico feliz em viver no Brasil (ou quase, já que meu povo está morrendo de COVID-19), onde uma criança tão jovem não sofre consequências na esfera criminal. No máximo, os pais seriam responsabilizados, mas não a criança. Tal evento nos faz perguntar: o que está sendo chamado de “estupro”, o ato foi feito voluntariamente, houve algum risco implícito, qualquer das partes sabia o que estava fazendo (de acordo com as normas da sociedade) ou as partes acreditavam que tal ato era um mero “jogo”? Alguém considerou a possibilidade de uma falsa acusação?

Se considerarmos “estupro” como penetração forçada, é extremamente improvável que um garoto tão jovem possa penetrar uma garota. Na verdade, seria mais provável que colocar seu “negocinho” dentro de uma garota seja uma ideia nojenta para a criança. É mais provável, assumindo que algo aconteceu, que as partes se engajaram em algum tipo de jogo, não diferente de outros jogos que as crianças fazem quando estão curiosas. Mas não podemos dizer com certeza. Penetração e agressão teriam que ser provadas.

Infelizmente, não posso presumir que meu país é muito melhor do que os Estados Unidos a esse respeito, pois a definição de “estupro” no Código Penal brasileiro é terrivelmente frouxa, incluindo tanto a penetração (conjunção carnal) quanto qualquer tipo de ato que o juiz considere libidinoso. Portanto, um ato pode ser considerado estupro mesmo sem penetração, sem agressão, sem danos efetivos ou implícitos, sem risco e com consentimento. Se você tiver menos de 14 anos e beijar sua namorada que também tem menos de 14 anos, com consentimento mútuo, será acusado na esfera da juventude por um ato semelhante ao crime de estupro se o juiz considerar o beijo “libidinoso”. Na legislação brasileira, não chamamos nenhum delito cometido por pessoa menor de 18 anos de crime, mas um ato análogo a um crime. A pena também é mais branda, variando entre uma advertência até 3 anos em um centro correcional. Se a pessoa tem menos de 12 anos, não há penalidade para a criança. Dito isto, mesmo que a definição brasileira de estupro seja frouxa, criminalizando até o namoro adolescente, se tal namoro acontecer entre crianças ou adolescentes que não tenham 14 anos, a pena não é nada como o que se esperaria da América do Norte. Eu temo por esse garoto, se ele for condenado.

Outra coisa que me chama a atenção é que o processo começou este mês, mas o ato supostamente ocorreu no Dia de Ação de Graças do ano passado. Se você tivesse 7 anos, se lembraria do que aconteceu no último Dia de Ação de Graças? Como adulto, você se lembra daquele dia em detalhes? Teríamos que descobrir se aquele garoto é propenso a fazer esse tipo de coisa com frequência. Porque, se foi uma ocorrência única e da qual a criança não consegue se lembrar, ele provavelmente não fez!

Agora, o garoto provavelmente está sendo mastigado pelo sistema de justiça por algo que ele provavelmente não se lembra ou que certamente não é tão sério, a ponto de ser considerado “estupro”. Tal estupro certamente não aconteceu. Espero que o juiz descubra que a denúncia foi falsa e que a família da criança possa processar o engraçadinho que fez a acusação por calúnia e difamação.

1 de abril de 2021

Un niño de 7 años está siendo acusado de violación sexual.

Filed under: Notícias e política — Tags:, , — Yure @ 13:28

Hoy, me enteré, gracias a mis parientes, de que un niño de 7 años está siendo acusado de violación sexual en tercer grado en los Estados Unidos, donde cosas como esta normalmiente vienen. Me alegro de vivir en Brasil (o casi, ya que mi pueblo esta muriendo de covid), donde un niño tan pequeño no sufre consecuencias en el ámbito penal. A lo sumo, los padres serían considerados responsables, pero no el niño. Un acontecimiento de tal naturaleza nos hace preguntar: ¿o qué está siendo llamado de “violación”, el acto se hacía voluntariamente, había algún riesgo implícito, cualquiera de las partes sabía lo que estaban haciendo (de acuerdo con las normas de la sociedad) o las partes creían que tal acto era un mero “juego”? ¿Alguien ha considerado la posibilidad de una acusación falsa?

Si consideramos que “violación” es penetración forzada, es extremadamente improbable que un niño tan joven pueda penetrar una niña. De hecho, es más probable que poner su “pipí” dentro de una chica sería una idea repugnante para el niño. Es más probable, suponiendo que algo sucedió, que las partes se dedicaran a algún tipo de juego, no distinto de otros juegos que niños juegan cuando sienten curiosidad. Pero no podemos decir con seguridad. La penetración y la agresión tendrían que ser probadas.

Desafortunadamente, no puedo presumir de que mi país sea mucho mejor que Estados Unidos en ese sentido, porque la definición de “violación” en el Código Penal brasileño es terriblemente floja, incluyendo tanto la penetración (conjunción carnal) como cualquier tipo de acto que el juez considere libidinoso. Por lo tanto, un acto puede considerarse violación incluso sin penetración, sin agresión, sin daño efectivo o implícito, sin riesgo y con consentimiento. Si eres menor de 14 años y besas a tu novia que también es menor de 14 años, con consentimiento mutuo, serás acusado en la esfera juvenil por un acto análogo al delito de violación si el juez considere el beso “libidinoso”. En la ley brasileña, no llamamos a ninguna infracción hecha por una persona menor de 18 años un crimen, sino un acto análogo a un crimen. La sanción también es más suave, desde una advertencia hasta 3 años en un centro correccional. Si la persona es menor de 12 años, no hay ninguna sanción para el niño. Dicho esto, a pesar de que la definición brasileña de violación es floja, criminalizando citas adolescentes, si la cita ocurrió antes que los niños cumplieron 14 años, la pena no es nada como esperaría de América del Norte. Y temo por este chico, si fuera condenado.

Otra cosa que me llama la atención es que la acusación comenzó este mes, pero el acto supuestamente tuvo lugar durante el día de acción de gracias del año pasado. Si tuvieras 7 años, ¿recordarías lo que pasó en el último día de acción de gracias? Como adulto, ¿recuerdas ese día en detalle? Tendríamos que averiguar si ese chico es propenso a hacer ese tipo de cosas a menudo. Porque, si fue una ocurrencia única que el niño puede recordar, ¡probablemente no lo hizo!

Ahora, el chico probablemente está siendo masticado por el sistema de justicia por algo que probablemente no puede recordar o que ciertamente no es tan serio, hasta el punto de ser considerado “violación sexual”. Tal violación ciertamente no ocurrió. Espero que el juez encuentre que el informe era falso y que la familia del niño pueda acusar a quien haya empezado esta tontería por acusación falsa.

31 de março de 2021

Madness goes on: 7-year-old boy is being charged for rape.

Filed under: Notícias e política, Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yure @ 16:09

Today, I found out, thanks to my kin, that a 7-year-old boy is being charged for third degree rape. Only in the United States you see stuff like this. I’m glad I live in Brazil, where children that young would not be charged for anything in the penal sphere. At most, parents would be held accountable, but not the child. Several questions arise from this kind of thing: what did that “rape” amount to, was it done willingly, was there any risks implied, did either party know what they were doing (according to society standards) or was it seen a mere “play” between the parties? Has anyone considered the possibility of false accusation, by the way?

If we consider “rape” to be forced penetration, it’s extremely unlikely that a child that young could penetrate anything. In fact, it’s more likely that putting his dingy inside a girl would be a disgusting idea for the tyke. It’s more likely, assuming that something did happen, that the parties engaged in some sort of fondling or curious play. But we can’t say for sure. The penetration and the aggression would have to be proven.

Unfortunately, I can’t boast about my country being much better than United States in that regard, for the definition of “rape” in the Brazilian Penal Code is awfully loose, including both penetration (carnal conjunction) and any sort of act that the judge deems libidinous. So, an act can be considered rape even without penetration, without aggression, without effective or implied harm, without risk and with consent. If you are under the age of 14 and you kiss your girlfriend who is also under the age of 14, with mutual consent, you will be charged in the juvenile sphere for an act analogous to the crime of rape as long as the judge deems the kiss “libidinous”. In the Brazilian law, we don’t call any infraction done by a person under the age of 18 a crime, but an act analogous to a crime. The penalty is also softer, ranging from a warning to 3 years in a correctional facility. If the person is under the age of 12, there’s no penalty to the child. That being said, even though the Brazilian definition of rape is loose enough to include teenage dating, provided it’s happening before the age of 14, the penalty is nothing like you would expect in North America. And I fear for this boy, were he to be convicted.

Another thing that strikes me is that the charge began this month, but the act supposedly took place during last year’s thanksgiving. If you were 7, would you remember what happened in the last thanksgiving? As an adult, do you remember that day in detail? We would need to find out if that boy is prone to doing that kind of thing often. Because, if it was an one-time occurrence that he can’t recall, he probably did not do it!

Now, the boy is probably being chewed by the justice system for something he probably can’t remember doing and, if he did, would most certainly not be as serious as it is being painted to be. I’m not saying that rape is cool. I’m saying that such rape most certainly did not happen. I hope the judge finds that the report was false and the boy’s family can charge whoever started this nonsense for false accusation. That would be a blast.

24 de março de 2021

Python.

Filed under: Computadores e Internet, Passatempos — Tags:, , — Yure @ 13:34

Ano passado aprendi um pouco de Python para uso em novelas visuais feitos em Ren’Py. É muito fácil e eu gostei de aprender. Eu poderia ter completado minha novela visual usando Python, mas acabei mordendo mais do que eu poderia mastigar. Mesmo que python seja uma linguagem de programação fácil, fazer uma novela visual pode ser bastante difícil: você tem que escrever o texto e as cenas, adicionar a arte e adicionar a música. Depois de escrever meu projeto, pensei “é possível, posso fazê-lo em alguns meses”, mas eu estava muito errado. Eu provavelmente terminaria de escrever a história em dezoito meses, precisaria de mais seis para desenhar as imagens que incluiria e mais três meses para compor a música. Certamente não é algo para um só homem e seu primeiro projeto.

Eu ainda vou escrever uma novela visual, um dia, provavelmente relevante para meus parentes, mas agora eu estou tentando aprender outra linguagem de programação: C. Agora que eu dominei o básico do Python, eu queria aprender outra coisa. Python é o inglês das linguagens de programação; todo mundo usa. Mas algumas pessoas específicas falam outra língua e aprender outra língua pode iluminar aspectos da sua primeira língua que você não conseguiu entender no início. Escolhi C porque está intimamente conectado aos sistemas Unix ou que são semelhantes ao Unix. Eu uso ubuntu aqui. Mas fiquei bastante surpreso ao descobrir que a versão atual de suporte a longo prazo do Ubuntu não inclui o GCC. Todas as outras distribuições Linux que conheço, até mesmo outras versões do Ubuntu, incluem GCC. Mas consegui instalá-lo. Um pequeno incômodo, talvez eu esteja sendo hiperbólico…

C é muito difícil e o manual que estou usando não explica muito bem as coisas. Alguns exercícios são quase impossíveis de completar, e são exercícios que posso completar em Python com menos linhas de código. Então, eu decidi que uma boa ideia para aprender C seria completar os exercícios em Python,e então construir código equivalente em C. Eu posso usar a Internet para descobrir como fazer em C as coisas que meu código faz em Python. Eu poderia fazer o mesmo quando eu começar a aprender Bash.

Mas por que aprender programação nesta fase da vida? Jogos! Eu quero fazer alguns. Além disso, um romance bem escrito pode ter mais impacto na sociedade do que um artigo científico. Que impacto teria, então, um jogo?

23 de março de 2021

Python.

El año pasado aprendí un poco de Python para uso en novelas visuales hechas en Ren’Py. Es bastante fácil y me gustó aprenderlo. Podría haber completado mi novela visual usándo Pyton, pero terminé mordiendo más de lo que podía masticar. A pesar de que Python es un lenguaje de programación fácil, hacer una novela visual puede ser bastante difícil: tienes que escribir el texto y las escenas, añadir el arte y añadir la música. Después de escribir mi proyecto, pensé “es posible, puedo hacerlo en unos meses”, pero me equivoqué mucho. Probablemente terminaría de escribir la novela en dieciocho meses, necesitaría otros seis para dibujar las imágenes que incluiría y otros tres meses para componer la musica. Ciertamente no es algo para un solo hombre y su primer proyecto.

Todavía escribiré una novela visual, algun día, probablemente relevante para mis parientes, pero ahora estoy tentando aprender otro lenguaje de programación: C. Ahora que he dominado los conceptos básicos de Python,quería aprender otra cosa. Python es el inglés de los lenguajes de programación, todo el mundo lo usa. Pero algunas personas específicas hablan otro idioma y aprender otro idioma puede iluminar aspectos de tu primer idioma que al principio no podías averiguar. Elegí C porque está íntimamente conectado con sistemas Unix o que son similares a Unix. Yo uso Ubuntu aquí. Pero me sorprendió bastante descubrir que la actual versión de soporte a largo plazo de Ubuntu no se incluye el GCC. Todas las demás distribuciones de Linux que conozco, incluso otras versiones de Ubuntu, incluyen GCC. Pero pude instalarlo. Una molestia menor, quizá estoy siendo hiperbólico…

C es muy difícil y el manual que estoy usando no explica las cosas muy bien. Algunos ejercicios son casi imposibles de completar para mí, y son ejercicios que puedo completar en Python con menos líneas de código. Por lo tanto, decidí que una buena idea para aprender C sería completar los ejercicios en Python, y entonces construir código equivalente en C. Puedo utilizar Internet para averiguar cómo hacer en C las cosas que mi código hace en Python. Podría hacer lo mismo cuando empiezar a aprender Bash.

Pero, ¿por qué aprender programación en esta etapa de la vida? Juegos! Quiero hacer algunos. Además, una novela bien escrita puede tener más impacto en la sociedad que un artículo científico. ¿Cuál sería el impacto de un juego, en comparación con las novelas regulares?

22 de março de 2021

Python.

Filed under: Computadores e Internet, Jogos, Passatempos — Tags:, , — Yure @ 14:13

Last year, I learned some Python for use in visual novels made in Ren’Py. It’s quite easy and I liked learning it. I could have completed my visual novel using it, but I ended up biting more than I could chew. Even though Python is an easy programming language, making a visual novel can be quite difficult: you have to actually write the text and the scenes, then add the art and then add the music. After writing my sketch, I thought “it’s possible, I can do it in a few months”, but I was really wrong. I would probably finish writing the novel in eighteen months, then would need another six to draw the images I would include and another three months to compose the score. Certainly not something for a single man and his first project.

I’ll still write a visual novel, probably relevant to my kin, but now I’m caught up in learning another programming language: C. Now that I have mostly mastered the basics of Python, I wanted to learn something else. Python is the English of programming languages, everyone uses it. But some specific people speak another language and learning another language can illuminate aspects of your first language that you could not figure out at first.  I picked C because it’s intimately connected with Unix systems and systems that are similar to Unix. I use Ubuntu here, so it’s close enough. But I was quite startled to find out that the current long-term support version of Ubuntu does not ship with GCC. All other Linux distributions I know, even other versions of Ubuntu, had GCC by default. I had to install it. A minor hassle, perhaps I’m being hyperbolic…

I’m getting my tush gently whipped purple by C. It’s really difficult and the manual I’m using doesn’t explain things very well. Some exercises are nearly impossible to complete for me, and are exercises I can complete in Python with less lines of code. So, I decided that a good idea to learn C would be completing the exercises in Python, then build equivalent code in C. I can use the Internet to find out how to do in C the things my code does in Python. I might do the same thing when I start learning Bash, which I know some stuff about, but never made very serious use of.

But why learn programming at this stage of life? Well, games. I wanna make some. Plus, a well-written novel can have more impact in society than a scientific article. What would be the impact of a game, compared to regular novels?

26 de fevereiro de 2021

“Positive Memories”, 4ª edição.

Filed under: Livros, Saúde e bem-estar — Tags:, — Yure @ 11:09

Bom dia, caro leitor. Estou escrevendo para que saibas que, em 2020, Rivas lançou a 4ª e última edição de suas Positive Memories: cases of erotic and platonic relationships and contacts of children with adults, as seen from the perspective of the former minor. Eu comentei sobre esse livro anteriormente e pensei que a terceira edição, que remonta a 2016, seria a última. Mas Rivas me surpreendeu com uma quarta edição. No entanto, o fato de Rivas ter nos assegurado que a 4ª edição é a última me faz pensar que não virão mais surpresas.

O número de histórias no livro aumentou para 180 e agora contém uma reflexão do autor sobre as coisas reveladas em Leaving Neverland. Spoilers: embora Rivas reconheça a existência de experiências sexuais positivas antes da idade do consentimento, Rivas também escreve que não concorda com a ideia de violar leis apenas para fazer tais experiências acontecerem, uma vez que as consequências negativas de tal atitude podem ser devastadoras tanto para adultos quanto para crianças. Tais consequências podem ocorrer em nível físico, mental e social. Então, mesmo que você não queira machucar ninguém, por favor respeite as leis. Mas, como essas experiências ocorrem de qualquer jeito, mesmo que Rivas não aprove, não haveria problema no uso dessas histórias em estudos de caso.

Você pode comprar o livro no Lulu ou simplesmente baixá-lo no Ipce, já que o autor permite downloads digitais gratuitos de suas obras.

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: