Analecto

25 de novembro de 2020

Some advice from Augustine, part 7.

Filed under: Livros, Notícias e política, Saúde e bem-estar — Tags:, — Yure @ 09:46

Still on the subject of Confessions and De Magistro, here’s some more advice that Augustine gives in these books. Note that these are not quotes, but just ideas that appear in those texts and on which I comment. They are more of a hook for the reader to go search for the original text, if possible. Also, I like to apply some advice I find to MAPs. So, reader, beware.

The child’s desire for dominance must be repressed, but one should not laugh at the punishment imposed on the child. It is necessary to educate children thinking about their adult life.

Rousseau, if I’m not mistaken, wrote that children only obey their parents and can only be educated because they are weaker. Because the kid is dependent on his parents, he must be taught to put himself in his place. It is necessary for the child to be humble, because he depends on everyone’s help for almost everything he is going to do. It is not fair that you do everything for your child only to get disrespect back. On the other hand, when punishing the child, one should never laugh at the punishment administered (such punishment, by the way, should not be physical). Because that too is unfair. You make your child suffer beyond measure. And he, realizing that this is unfair, will feel justified in seeking revenge. The family environment will deteriorate like that.

Although the child owes us respect for tending to him, this does not mean that the good child is always dependent and accommodated with such dependence. The problem in our modern world is that we seem to want to keep children as children, forgetting that they will be adults one day. This is done through the “age-appropriate” attitude. If the child has a desire to learn something usually reserved to adults, has the ability to learn such thing and has an adult to guide him in such learning, then the child can learn that thing. If the child can only learn “child’s stuff”, the child’s potential will be wasted. In addition, such an “age-appropriate” policy, when applied also to adolescents, delays the acquisition of skills that adults should have. At eighteen, the teenager will not be able to behave as an adult, because he never learned to and had his chances of learning removed. How will a person behave as an adult if he has never learned to do so? This generates adults who stay dependent on their parents.

The human condition is such that we practice evil things without sufficient reason.

There is no need for financial gain or any kind of gain for us to do evil. I remember having a childhood girlfriend when I was 5 years old. We kissed each other on the cheeks, held hands together and spent the break together at school. One day, while we waited for our parents to take us home, I felt a morbid urge … to hit her. I didn’t know the reason for that. No one had taught me that you should hit the people you love and I didn’t have any reason to. I disapproved that impulse myself, since I loved her. Despite that, I punched her weakly in the arm when she wasn’t looking. She said “ouch” and massaged the spot where I hit her. I was so ashamed that I decided to stop seeing her. What happened? I don’t know what happened. I was curious to see what would happen, and I felt like my curiosity was proportional to my love for her. I wanted to know what consequences would occur to me for doing something that I knew was seriously wrong. That is not enough reason. It was a gratuitous punch, like the robbery of pears, narrated by Augustine.

A lie can kill.

Although Augustine, in saying that lying kills, refers to Manichaeanism, I chose this advice because it is not just violent heresies that kill. Zöe Quinn, in making a false rape accusation against the author of Night in the Woods, drove her victim to suicide. She then ran away. To say that masks do not slow the spread of covid-19 is also a lie that costs lives. Several lies can kill.

Do not love a man as if he were immortal.

A mistake of lovers is not to prepare for the death of the beloved. This can be a literal or symbolic death, when the loved one loses his attractive features, when the loved one changes his behavior or when the loved one decides to abandon you in exchange for another. It is necessary to be ready for all this, so that one can love without being surprised by the negative consequences of a breakup. And that is just rational.

When debating, don’t defend something you have doubts about, nor attack something you don’t understand. You can’t say that something is wrong just because you don’t understand it.

You should only defend ideas with which you agree and fully understand . You must not agree with what you do not fully understand, nor defend something you are not 100% in agreement with. In addition, you should refrain from attacking positions that you do not know well, first because an attack made without real substance is weak and, secondly, because you may be attacking something that you could agree with, even if only partially .

When you don’t understand a position, you need to be honest and admit that you need to abstain from giving a definite response. If you say something is wrong without understanding what is being said, you are being a clown. It’s like the folks at Twitter , who change their terms of service without considering this first.

Don’t accuse anyone without a good reason and never believe the accusation made without evidence.

When you see in the news a report of  an accusation, remember that accusations and reports are not sentences. As long as there is no evidence (documents, photos, audio, video), the accused person must continue to be treated as a human being worthy of respect. You should suspect is the accuser, if he makes his accusation without showing evidence first.

Evil is not a substance, but a lack of it.

If God made the world and God is good, what is the source of evil? Just as darkness is the absence of light and silence is the absence of sound, evil is the absence of good. We push the good away from ourselves or our surroundings with our actions. Thus, to do evil is to vandalize what was already good, while to do good is to restore good to its rightful place.

Great joys follow great pains.

When you go through very difficult times for lack of something, you feel great when you get what you would like to have. But in obtaining such a thing, the pleasure of obtaining it is enhanced because you also get rid of the pain you felt before. Have you ever heard that the best seasoning is hunger? It is because food is always more pleasurable for those who are hungry, than for those who eat unnecessarily. Part of the pleasure comes from the end of the discomfort caused by the pain. Thus, if you are in a situation of extreme poverty and win the lottery, the pleasure you feel is greater than if you had won the lottery being already rich. Because, in addition to the pleasure of obtaining the money, you derive pleasure from not being poor anymore.

It is possible to love a person who has done what you disapprove of.

Augustine says that Christians are tolerant of each other’s sins because they focus on what unites them, which is their love for God. It reminded me of a text I read last week, in Heretic TOC . It was a review of the book The Feminist and The Sex Offender . If we apply the precept that we should focus on what unites us, loving our peers despite their faults, to “MAPs” ( minor-attracted people), we will have an interesting movement. MAPs are divided into four groups related to the law: offending / pro-consent, offending / anti-contact, non-offending / pro-consent, non-offending / anti-contact. The first group is the most hated even among the MAPs themselves, as it is the group of those who have already committed some crime related to their attraction and probably do not regret it. But is it fair to hate them, even when the offense is mild?

One of the founders of B4U-ACT broke the law. And one of its historical contributors, Paul Christiano, was registered . What anti-contact is not grateful for the existence of B4U-ACT? And yet, they preach hatred without exception to those who broke the law at some point. No, friends. When a MAP bleeds, it bleeds just like the MAP standing beside him. The fact of having broken the law does not indicate that the person should be dehumanized. If you are a MAP and know a MAP that is going to be prosecuted, show this to his lawyer. If he is convicted, help him to appeal to the higher courts. If resources are exhausted, visit him in jail. When he leaves jail, help him find a place to live and work. And help him to not re-offend. And life goes on. All this support is legal. You don’t have to break the law as he did, but that doesn’t allow you to stand on a pedestal as someone superior, unscathed, without contamination. The MAP that fails to stay within the law is still human. Even if MAPs have to face the law, they need not to suffer beyond lawful measure. MAPs need to focus on what unites them, recognize themselves in each other and have love for each other. Otherwise, the fragmentation between them will slow down the movement for acceptance that is already going very slowly. However, considering that 80% of people arrested for sex with minors are not pedophiles, this help should only be extended to those you know, so that you do not end up supporting someone who is not a MAP, but just a rapist.

Food should be used as a remedy against hunger and not as a source of free pleasure.

Overeating causes health problems, but eating too little causes health problems too. To eat in the right measure is to eat in the measure of hunger. Eat when you are hungry and only what is necessary for the hunger to go away.

Boasting your own humility is already pride, so lack of humility.

If you hate pride, you shouldn’t say that unless you are asked. That’s because, when you boast that you are humble, that is already pride. You cannot be proud of your own humility, or it ceases to be humility.

It is okay to use inaccurate words, as long as they convey the idea you want to convey correctly. When we hear a word, our attention turns to the meaning we have of it … which can cause a misunderstanding.

Unlike the written language, the spoken language has only one rule: if I speak and you understand, everything is fine. When a person uses “wrong” or imprecise language, but you understand what is being said and your understanding mirrors what the subject is trying to say, then that language is appropriate. It does not have to be formally correct. No one needs to speak as if they are reading a text.

The problem with this approach, of course, is that the meaning a person has of a particular word may not be the meaning I have. So when we use a word that we both think we are familiar with, but that we define differently, we just think that we are talking about the same thing. For example: the common definition of rape is forced sex, but legally, non-penetrative and even consensual sexual contacts can be called rape, if one of the participants is not yet fourteen (age of consent in my country), even if the act is considered positive by the “victim ”. Thus, when hearing the word “rape” in the news, it is necessary to check what is being called rape, so that we do not assume the worst.

It is necessary to be tolerant of different interpretations of a given text, if it is not possible to ask the author of the text directly what he meant.

If two people have different interpretations of the same text, such as the Holy Bible , whose writers have already left this world, it is necessary to tolerate it. No one can directly ask Moses for a modern interpretation of Genesis .

The man imitates the people he loves.

In his Philosophical Dictionary , Voltaire states that the few Christians who managed to create ministries in China could only do so because they proved useful to the Chinese. This enabled a modest conversion of small Chinese groups to Christianity. When you are useful, you become loved. When you are loved, you are heard. When they hear you, they may want to be like you. Therefore, MAPs should try to be useful, so they can be loved and heard. It worked for women …

Asking questions also serves to teach.

When you want to make a person see that their opinion is wrong, ask about the weak points of their belief. Questions are also a good way to teach a person who has no opinion on a certain subject yet.

There are people who only believe what you say if it is also said by an authority.

In De Magistro, Augustine states that right thinking does not need to be supported by authorities, but that some listeners demand that you show that your thinking is also the thinking of some authority. Otherwise, it “is not a worthy opinion”. That authority can be a philosopher, scientist or even the Holy Bible . If what you say is not supported by an intellectual (or by God, in certain cases), it is not a valuable thought. Fortunately, when it comes to landing criticism on age of consent laws, authority definitely is not lacking ( Tindall, 1978 ; Sandfort, 1984 ; Sandfort, 1987 ; Condy et al, 1987 ; Kilpatrick, 1987 ; Leahy, 1996 ; Bauserman & Rind, 1997 ; Rind & Tromovitch, 1997 ; Rind et al, 1998 ; Rind, 2001 ; Ulrich et al, 2005-2006 ; Arreola et al, 2008 ; Arreola et al, 2009 ; Carballo-Diéguez et al, 2011 ; Rind & Welter, 2013 ; Dolezal et al, 2014 ; Rind, 2016 ; Rind & Welter, 2016 ; Lahtinen et al, 2018 ; Mulya, 2018 ; Wet et al, 2018 ; Rind, 2020; Vasilenko et al, 2020 ; Daly, 2021 ).

No human government lasts forever.

Finally, a piece of advice that I found interesting because it reflects what is happening in the United States. I am of the opinion that the American empire has its days numbered and that the United States will give way to China, even if they do not want to. The United States’ “world government” may even end without an external war. After all, with escalating tensions over election results, Trump has until January 20 to cause a civil war. In a civil war, resources are wasted in internal conflicts, creating a situation conducive to the success of external threats.

Alguns conselhos de Agostinho, parte 7.

Filed under: Livros, Notícias e política, Saúde e bem-estar — Tags:, — Yure @ 09:13

Ainda no assunto das Confissões e do De Magistro, escolhi alguns conselhos que Agostinho dá nesses livros. Observe que estes conselhos não são citações, mas apenas ideias que aparecem nesses textos e sobre as quais eu faço um comentário. Elas servem mais de gancho pra que o leitor vá atrás do texto original, se possível.

O desejo de domínio que a criança tem deve ser reprimido, mas jamais se deve rir do castigo imposto ao filho. É preciso educar as crianças pensando em sua vida adulta.

Rousseau, se não me engano, escreveu que a criança só obedece os pais e só é passível de ser educada porque é mais fraca. Enquanto ela é dependente dos pais, é preciso ensiná-la a se colocar no seu devido lugar. É preciso que a criança seja humilde, porque ela depende do auxílio de todos pra quase tudo o que ela for fazer. Não é justo que você faça tudo por seu filho e ele seja incapaz de retribuir ao menos com sua obediência, dentro de suas forças. Por outro lado, ao castigar o filho, jamais se deve rir do castigo ministrado. Porque também isso é injusto. Você faz seu filho sofrer além da medida certa. E ele, entendendo que isso é injusto, se sentirá justificado ao buscar vingança. Aí o ambiente familiar se deteriora.

Embora a criança nos deva obediência por ser dependente, isso não quer dizer que a criança boa é a criança dependente e acomodada com tal dependência. O problema do nosso mundo moderno é querer manter as crianças como crianças, esquecendo que elas serão adultas um dia, através da política do “apropriado à idade”. Se a criança tiver desejo de aprender algo adulto, tiver capacidade de aprender tal coisa e tiver um adulto que a guie em tal aprendizado, ela deve aprender. Se a criança só puder aprender “coisas de criança”, seu potencial será estragado. Além disso, tal política do “apropriado à idade”, quando aplicada também aos adolescentes, retarda a aquirição de habilidades que adultos deveriam ter. Aos dezoito anos, o adolescente não terá condições de se comportar como adulto, porque nunca aprendeu e teve suas chances de aprender removidas. Como que a pessoa vai se comportar como adulto se nunca aprendeu a fazer isso? Isso gera adultos dependentes dos pais.

A condição humana é tal que sentimos vontade de fazer o mal sem razão suficiente.

Não há nenhuma necessidade de ganho financeiro ou de qualquer natureza pra que façamos o mal. Eu lembro, quando eu tinha cinco anos, de minha namorada de infância. Beijávamos um ao outro no rosto, vivíamos de mãos dadas e passávamos o recreio juntos. Um dia, enquanto esperávamos nossos pais nos levarem pra casa, eu senti uma vontade mórbida… de bater nela. Eu não sabia a razão daquilo. Ninguém havia me ensinado que se deve bater nas pessoas que ama por qualquer razão. Eu mesmo reprovava esse impulso, já que eu a amava. Apesar disso, eu lha dei um murro, fraco, no braço quando ela não estava olhando. Ela disse “ai” e massageou o local onde bati. Eu fiquei tão envergonhado que resolvi parar de vê-la. O que aconteceu? Não sei o que e deu. Eu estava curioso pra ver o que iria acontecer, e sentia como se minha curiosidade fosse proporcional ao meu amor por ela. Eu queria saber que consequências iriam me ocorrer por fazer algo que eu sabia ser gravemente errado. Isso não é razão suficiente. Foi um soco gratuito, como o roubo das pêras, relatado por Agostinho.

A mentira mata.

Embora Agostinho, ao dizer que a mentira mata, se refira ao maniqueismo, eu escolhi este conselho porque não são somente heresias violentas que matam. Zöe Quinn, ao fazer uma acusação falsa de estupro contra o autor de Night in the Woods, levou o sujeito ao suicídio. Ela, depois, fugiu. Dizer que máscaras não retardam o avanço da covid-19 também é uma mentira que custa vidas. Várias mentiras podem matar. Por isso a mentira deve ser combatida.

Não ame a um homem como se ele fosse imortal.

Um erro dos amantes é não se preparar pra morte do amado. Essa pode ser uma morte literal ou simbólica, quando o amado perde suas características atraentes, quando o amado muda de comportamento ou quando o amado decide abandonar você em troca de outro. É preciso estar pronto pra tudo isso, pra que se possa amar sem ser surpreendido pelas consequências negativas do rompimento. E isso é simplesmente racional.

Ao debater, não defenda algo sobre o que você tem dúvidas, nem ataque algo que você não entende. Você não pode dizer que algo está errado só porque não entende.

Você só deve defender ideias com as quais você concorda e entende plenamente. Você não deve concordar com aquilo que você não entende totalmente e nem defender algo com que você não está 100% de acordo. Além disso, você deve se abster de atacar posições que você não conhece bem, primeiramente porque um ataque feito sem subsídios reais é fraco e, em segundo lugar, porque pode ser que você esteja atacando algo com que você poderia concordar, mesmo que só parcialmente.

Ao não compreender determinada posição, você precisa ser honesto e admitir que precisa se abster. Se você disser que algo está errado sem compreender o que está sendo dito, você se faz de palhaço. É como o pessoal do Twitter, que muda seus termos de serviço sem considerar isto antes.

Não acuse ninguém levianamente e nunca acredite na acusação feita sem provas.

Quando você ver nas notícias uma denúncia do que quer que seja, uma acusação, lembre que acusações não são condenações e denúncias não são sentenças. Enquanto não houver provas (documentos, fotos, áudio, vídeo), a pessoa acusada deve continuar sendo tratada como ser humano digno de respeito. Devemos suspeitar é de quem faz a acusação sem mostrar as provas antes.

O mal não é uma substância, mas a falta dela.

Se Deus fez o mundo e Deus é bom, qual é a origem do mal? Tal como a escuridão é ausência de luz e o silêncio é ausência de som, o mal é a ausência de bem. Afastamos o bem de nós mesmos ou dos nossos arredores com nossas ações. Assim, praticar o mal é o mesmo que depredar o que já era bom, enquanto que praticar o bem é restituir o bem a seu devido lugar.

Grandes alegrias sucedem grandes dores.

Quando você passa por momentos muito difíceis pela falta de algo, você se sente muito bem quando obtém aquilo que você gostaria de ter. Mas, ao obter tal coisa, o prazer de obtê-la é potencializado porque você também se livra da dor que sentia antes. Já ouviu falar que o melhor tempero é a fome? É porque a comida é sempre mais prazerosa pra quem está com fome, do que pra quem come sem necessidade. É que parte do prazer vem do fim do desconforto causado pela dor. Assim, se você tá em situação de probreza extrema e ganha na loteria, o prazer sentido é maior do que se você tivesse ganho na loteria sendo já rico. Porque, além do prazer de obter o dinheiro, você deriva prazer de não ser mais pobre.

É possível amar uma pessoa que fez o que você reprova.

Agostinho afirma que cristãos são tolerantes com os pecados uns dos outros porque focam naquilo que os une, que é o amor a Deus. Isso me lembrou de um texto que eu li semana passada, no Heretic TOC. Trata-se de uma resenha do livro The Feminist and The Sex Offender. Se aplicarmos o preceito de que devemos focar naquilo que nos une, amando nossos semelhantes apesar de suas falhas, aos “pacas” (pessoas atraídas por crianças ou adolescentes) ou “MAPs” (minor-attracted people), teremos um movimento interessante. MAPs são divididos em quatro grupos relativos à lei: ofensivo/pró-consentimento, ofensivo/anti-contato, inofensivo/pró-consentimento, inofensivo/anti-contato. O primeiro grupo é o mais odiado mesmo entre os próprios MAPs, pois é o grupo dos que já cometeram algum crime relacionado à sua atração e provavelmente não se arrependem. Mas é justo odiá-los, mesmo quando a ofensa é leve?

Um dos fundadores da B4U-ACT quebrou a lei. E um de seus contribuidores históricos, Paul Christiano, era registrado. Qual é o anti-contato que não está grato pela existência da B4U-ACT? E, no entanto, eles pregam um ódio sem exceções aos que quebraram a lei em algum momento. Não, amigos. Quando um MAP sangra, ele sangra igualzinho ao MAP ao lado. O fato de ter quebrado a lei não indica que a pessoa deve ser desumanizada. Se você é MAP e conhece um MAP que vai ser processado, mostra isto pro advogado dele. Se ele for condenado, ajude-o a apelar pras instâncias superiories. Se os recursos forem esgotados, visite-o na cadeia. Quando ele sair, ajude-o a achar um lugar onde viver e onde trabalhar. E a vida segue. Todo esse apoio é legal. Você não precisa quebrar a lei como ele quebrou, mas isso não te permite se colocar num pedestal como alguém superior, incólume, sem contaminação. O MAP que fracassa em se manter dentro da lei ainda é humano. Mesmo que MAPs tenham que enfrentar a lei, não precisam sofrer além da justa medida. MAPs precisam se focar naquilo que os une, se reconhecerem um no outro e terem amor um pelo outro. Do contrário, a fragmentação entre eles retardará o movimento por aceitação que já caminha muito devagar. No entanto, considerando que 80% das pessoas presas por sexo com menor não são pedófilas, essa ajuda só deve se extender a quem você conhece, pra que você não acabe apoiando alguém que não é MAP, mas somente um estuprador.

O alimento deve ser usado como remédio contra a fome e não como fonte de prazer gratuito.

Comer demais provoca problemas de saúde, mas também comer de menos causa problemas de saúde. Comer na medida certa é comer na medida da fome. Coma quando sentir fome e somente o necessário pra que a fome passe.

Se gabar da própria humildade já é orgulho, logo falta de humildade.

Se você odeia orgulho, você não deve dizer isso a menos que te perguntem. Isso porque, quando você diz aos quatro ventos que você não é orgulhoso, isso já é orgulho. Você não pode ser orgulhar da própria humildade, ou ela deixa de ser humildade.

Tudo bem usar palavras inexatas, desde que elas passem corretamente a ideia que se quer passar. Quando ouvimos uma palavra, nossa atenção se volta ao significado que temos dela… o que pode causar um mal entendido.

Diferente da língua escrita, a língua falada só tem uma regra: se eu falar e você entender, tá tudo certo. Quando uma pessoa usa uma linguagem “errada” ou imprecisa, mas você entende o que está sendo dito e sua compreensão espelha o que o sujeito está tentando dizer, então tal linguagem é adequada. Ela não precisa ser formalmente correta. Ninguém precisa falar como se estivesse lendo um texto.

O problema dessa abordagem, claro, é que o significado que a pessoa tem de determinada palavra pode não ser o significado que eu tenho. Assim, quando usamos uma palavra com a qual ambos nos julgamos familiares, mas que definimos de forma diferente, apenas pensamos que estamos falando da mesma coisa. Por exemplo: a definição comum de estupro é sexo forçado, mas, legalmente, um contato sexual não penetrativo e também consensual pode ser chamado de estupro, se um dos participantes não tiver ainda catorze anos, mesmo que o ato seja considerado positivo pela “vítima”. Assim, ao ouvir a palavra “estupro” nas notícias, é preciso verificar o que se está chamando de estupro, pra que não presumamos o pior.

É preciso ter tolerância com interpretações diferentes de determinado texto, se não é possível perguntar diretamente ao autor do texto o que ele quis dizer.

Se duas pessoas têm interpretações diferentes de um mesmo texto, como a Bíblia Sagrada, cujos escritores já deixaram este mundo, é preciso tolerar. Ninguém pode pedir diretamente a Moisés uma interpretação moderna do Gênesis.

O homem imita a quem ama.

Em seu Dicionário Filosófico, Voltaire afirma que os poucos cristãos que conseguiram criar ministérios na China só o puderam por terem se mostrado úteis aos chineses. Isso possibilitou uma modesta conversão de pequenos grupos chineses ao cristianismo. Quando você é útil, você se torna amado. Quando você é amado, você é ouvido. Quando ouvem você, talvez queiram ser como você. Portanto, MAPs, sejam úteis pra que sejam amados e ouvidos. Deu certo com as mulheres…

Fazer perguntas também serve pra ensinar.

Quando você quer fazer uma pessoa ver que a opinião dela está errada, pergunte sobre os pontos frágeis de sua crença. Perguntas também são uma boa forma de ensinar uma pessoa que não tem opinião formada.

Existem pessoas que só acreditam no que você diz se tal coisa também for dita por uma autoridade.

No De Magistro, Agostinho afirma que o pensamento correto não precisa ser apoiado por autoridades, mas que alguns ouvintes exigem que você mostre que seu pensamento é também o pensamento de alguma autoridade. Do contrário, ele “não vale”. Essa autoridade pode ser um filósofo, cientista ou mesmo a Bíblia Sagrada. Se o que você diz não é apoiado por um intelectual ou por Deus, não é um pensamento de valor. Felizmente, quando se fala de críticas à presunção absoluta de violência em violações do 217-A, autoridade é algo que não falta (Tindall, 1978; Sandfort, 1984; Sandfort, 1987; Condy et al, 1987; Kilpatrick, 1987; Leahy, 1996; Bauserman & Rind, 1997; Rind & Tromovitch, 1997; Rind et al, 1998; Rind, 2001; Ulrich et al, 2005-2006; Arreola et al, 2008; Arreola et al, 2009; Carballo-Diéguez et al, 2011; Rind & Welter, 2013; Dolezal et al, 2014; Rind, 2016; Rind & Welter, 2016; Lahtinen et al, 2018; Mulya, 2018; Wet et al, 2018; Rind, 2020; Vasilenko et al, 2020; Daly, 2021).

Nenhum governo humano dura pra sempre.

Por último, um conselho que eu achei interessante porque reflete o que está acontecendo nos Estados Unidos. Sou da opinião que o império americano está com seus dias contados e que os Estados Unidos cederão lugar à China, mesmo que não queiram. O “governo mundial” dos Estados Unidos pode até acabar sem uma guerra externa. Afinal, com a escalada das tensões em torno dos resultados eleitorais, Trump tem até vinte de janeiro pra causar uma guerra civil. Numa guerra civil, recursos são desperdiçados em conflitos internos, criando uma situação propícia ao sucesso de ameaças externas.

4 de novembro de 2020

Some advice from Augustine, part 6.

Filed under: Livros — Tags:, — Yure @ 18:19

Continuing my reading of Augustine’s work, I now deal with some advice that I found in the Confessions and in De Magistro. I already talked about the latter in a text about rape. Confessions is an autobiographical philosophical reflection of Augustine. He remembers his life and reflects on it philosophically. But De Magistro is a dialogue between Augustine and his son, Adeodatus, on the relationship between words and the things to which the words refer.

No child is innocent.

Reflecting on his childhood and looking at the childhood of others, Augustine questions the idea that children are innocent. Children are jealous, yearning for dominance, aggressive and, I would add, prototypical pervs. This is because no one is innocent and no one is innocent because of original sin. Nobody is perfect. Therefore, the so-called “child purity” is a myth. The child does not learn to do things that we adults think are wrong because children are born predisposed to these things. Isn’t that kids learn to be naughty, but they learn not to be naughty, with the education they receive from environment. From a scriptural point of view, it is not possible to support childhood innocence with the doctrine of original sin. Either the child is a sinner from birth or is innocent at birth. It is not possible to agree with both.

As adults place a high value on useless things, a lot of useless stuff is taught at school.

School, in fact, is an ideological device at the service of the state. This is not abnormal. We use public education to teach current values ​​to future generations. The problem is that this opens up the possibility that the school will teach a lot of nonsense, that is not worth teaching, simply because adults value such nonsense. You can probably think of some examples from your youth.

When an intelligent person engages in the study of lies, you do not need to correct him.

Let’s assume that someone you consider to be very wise or intelligent begins to study the idea that the Earth is flat or is getting into anti-vaccine activism. You start to worry about the possibility that he will become an anti-science bastard. Now, calm down; if he is really as wise and intelligent as you think, he will see inconsistencies in such a positions by himself and will drop them. It is like Bolsonarism. Many people were led, in good faith, to vote for Bolsonaro. Most have already regretted it.

A theory does not increase its value if it is presented in a more beautiful way. Whoever falls into the hands of a bad doctor, begins to avoid all doctors, including good ones, for fear of repeating the trauma.

A trick that is widely used by fake news spreaders is to make a person who looks professional say the bullshit “scientifically”. That’s because we have a tendency to judge people by their appearance and an argument by the person who utters it. So, if you show up in a lab coat, saying in a scientific tone that “covid-19 is a system”, a lot of people will believe you. But that does not make what you are saying true. You are still lying, but you’re lying in a beautiful way. This is also true when it comes to weak scientific theories.

Unfortunately, when a person is deceived in many ways by different people, he falls into deep skepticism. Fearing being tricked again, he no longer believes in anything. Like the person who has undergone treatments with several doctors and remains ill soon stops seeking treatment altogether.

The joy of the drunk who bought his drink with clean money is better than the joy of the corrupt sober.

The drunkard who legally bought his drink is overwhelmed by a lawful joy and a hangover that goes away rather quickly. But the person who acquires his money through immoral or even illegal means has a lot to worry about. Such joy is inferior to the joy of the drunk who worked honestly to buy the beer that makes him drunk.

Women make it difficult for men to appreciate religion.

It is not so much the woman that hinders the man’s ascension to the divine, but the desire for her. Christianity has very strict sexual rules. Devoting yourself completely to religion requires sacrifices of a sexual nature, which many are unwilling to do. For this reason, Augustine, before converting, was always leaving his conversion for later, procrastinating it, because he did not want to stop enjoying his babes.

One of the forces that makes many convert to religion is the meaninglessness of life.

Not much is said about this, but I think that every Christian and even all atheists should ask themselves this question once in their lives: what makes a particular person convert? In the days of Augustine, and even today, one of these reasons is the lack of meaning in life. Why be healthy, wise, rich, happy, if we are going to die eventually? The person who thinks this way will give little value to material life. He will seek a spiritual life, an eternal hope, and will only be able to find it in a mystical way. It is a legitimate reason to convert. Unfortunately, not much of it is seen today. It seems that today many people go to church hoping to become rich. I just wonder how can someone hope to get rich by giving money to a pastor, instead of investing said money in a business.

Instead of fueling strife among men, you should cool them down.

Any common cause must be guided by this principle. Let us set aside our differences and focus on how to achieve our common goal in the best possible way. If disputes arise, we must suppress them until we have peace again. If that is not possible, at least do not feed the strife, or they will spread and involve larger portions of the movement, weakening it.

Memory retains information about things that reach our minds, even if they didn’t get there through the senses.

There are things stored in our memory without being first seen, heard or felt. This is the case with the idea we make of thought. It is not possible to apprehend our thoughts through the senses. The same can be said of other metaphysical concepts, such as justice. Nobody sees justice. We see acts of justice, but not justice itself. And yet, we have the concept of justice in our memory. Where did it enter through? That’s because, in addition to material things, there are intelligible things, which are captured by reason, instead of the senses.

Moderating food is more difficult than moderating sex.

To avoid having too much sex, just avoid hot people or other triggers of this nature. But, unlike sex, food is necessary to live. You have no choice but to expose yourself to food. And by exposing yourself to food, you are tempted to eat what you should not or to overeat. Also, in sex, you have to seduce a person and get them interested in you. In the case of food, you just gotta prepare it or pay someone to prepare it for you. Thus, there are fewer impediments to eating than to sex. Therefore, it is more difficult to get rid of bad eating habits than bad sexual habits.

Better to be ostracized for telling the truth than to be praised thanks to a lie.

A lie always ends up turning against us. The well-being of humanity is very much tied to the truth. When we believe in a lie or participate in it to have praise among those who believe it, sooner or later we pay for it. And when that happens, those who stood in the side of the truth will rub in our faces that we were wrong. And they will then say “you deserved it.”

Past and future have no objective existence, but only subjective, as memory and hope.

This is the most interesting reflection of the Confessions, the one that talks about the passage of time. The present has no fixed duration and we only know of its existence because of instant perception. The past, if it has passed, is no more. The future, if it has not yet come, does not yet exist. But we can access both in the present: the past as memory and the future as anticipation. With reference to present perception, memory and expectation, it is possible to measure time, calculating the “distance” between one moment and another. It is as if the perception of time was a mental ruler, which we use to measure the distance between two events (points in time), just as we use spatial measurements to calculate the distance between two points in space.

When there are two distinct, but equally plausible, interpretations of the Mosaic law, preference should be given to the interpretation that best achieves the goal of charity, as love of God and love of neighbor are the goal of every law in the Mosaic code.

Jesus said that the purpose of the law of Moses is to ensure that each person will do to others what they would like to be done to themselves. If so, then, when interpreting the law of Moses, we have to give preference to interpretations that best adapt to this principle, whenever the text opens the possibility for different interpretations.

Two interpretations for the same text can both be correct, being complementary.

If two people conclude different things about the same text, it is possible to keep both interpretations if they are not antagonistic. In fact, if they are not antagonistic, they can be complementary. Treating them this way can help to clarify other obscure points in the text.

It is easier to love a peaceful person. Just as the doctor tolerates undisciplined patients, so we must tolerate those who hear the truth and revolt against it.

I selected this advice because of “MAPs” ( minor-attracted people ). If MAPs maintain a calm, non-combative stance, but without giving up what they are or what they believe in, it will be easier to achieve the long-awaited tolerance. Because it’s easier to love a person who doesn’t go out armed chasing you. This is not a position of submission, but of active defense: avoid insults, ignore those who are not open to dialogue and politely counter-argue when the opportunity arises. But don’t go down to their level by being rude, attacking the antis cowardly or making threats.

You should not be angry with the antis. Rather, you should pity on them. Keep that in mind and you may even have more peace with yourself. You may even seem more civilized than your opponent, which encourages people to see you under a more positive light.

It is possible to communicate ideas without using words, using other signs or showing the very thing represented by the idea we want to communicate.

If words were necessary to communicate ideas, how would deaf people communicate? They communicate by gestures. Also, when asked about something, you can show the person what they are asking about. Words are not always necessary.

Words are signs of the things they mean, not necessarily the things they mean. The knowledge of things is superior to the knowledge of the words used to mean them, among other things because the person who uses the word is not always honest or is always aware of what he says.

The word must not be confused with the thing to which the word refers. This reflection found in De Magistro aroused my interest because of the judicial term rape of vulnerable victim. In law, we use this term to describe any libidinous act involving at least one participant who is not yet fourteen-years-old, with or without his consent. But it is just a term. It’s not because we use that term (“rape” with vulnerable victim) that we must assume that there was violence, since the crime can occur even with consent between the parties. Again, the word is not the thing. It is just a legal term and, if you read the definition of the term, you see that there is no need for force, damage, or penetration for something to be legally considered rape of vulnerable victim.

Because of this, knowledge of the concrete case is more valuable than knowledge of the term used to describe it. When two twelve-year-olds experience sexual play without penetration, in mutual agreement, they are committing an offense analogous to the crime of rape of vulnerable victim. If you only had the technical term of what they did (“offense analogous to the crime of rape of vulnerable victim”), you would think that one of the two was violently forced to participate, which did not happen. Of course, Augustine just said that words are not things and that the knowledge of things is superior than the knowledge of words. The judicial example I used is by me, and is not found in the book, to make it more clear what it means to differentiate thing and word.

Alguns conselhos de Agostinho, parte 6.

Filed under: Livros — Tags:, — Yure @ 17:43

Continuando minha leitura da obra de Agostinho, trato agora de alguns conselhos que eu achei nas Confissões e no De Magistro. Eu já falei do que se trata este último num texto sobre estupro. Confissões é uma reflexão filosófica autobiográfica do Agostinho. Ele lembra sua vida e reflete filosoficamente sobre ela. Já o De Magistro é um diálogo entre Agostinho e seu filho, Adeodato, sobre a relação entre as palavras e as coisas às quais as palavras se referem.

Nenhuma criança é inocente.

Refletindo sobre sua infância e olhando pra infância de outros, Agostinho questiona a ideia de que crianças são inocentes. Crianças sentem inveja, têm ânsia de domínio, são agressivas e, eu adicionaria, até taradas. Isso acontece porque ninguém é inocente e ninguém é inocente por causa do pecado original. Ninguém é perfeito. Logo, a chamada “pureza infantil” é um mito. A criança não aprende a fazer coisas que nós, adultos, consideramos erradas porque ela já nasce predisposta a essas coisas. Ela aprende a não fazer, com a educação que recebe do seu meio. De um ponto de vista escritural, não é possível sustentar a inocência infantil com a doutrina do pecado original. Ou a criança é pecadora desde o nascimento ou ela é inocente. Não é possível dizer as duas coisas.

Como os adultos dão muito valor às inutilidades, acaba que muita coisa inútil é ensinada na escola.

A escola, a bem da verdade, é um dispositivo ideológico a serviço do estado. Isso não é anormal. Usamos a educação pública pra ensinar os valores vigentes às gerações seguintes. O problema é que isso abre a possibilidade de que a escola ensine muita besteira que não vale a pena ensinar simplesmente porque essas são besteiras que os adultos valorizam.

Quando uma pessoa inteligente se entrega ao estudo de coisas falsas, você não precisa corrigi-la.

Vamos supor que alguém que você considere muito sábio ou inteligente comece a estudar terraplanismo ou ativismo antivacina. Você começa a ficar preocupado com a possibilidade de ele se tornar um negacionista. Ora, se acalme; se ele for realmente uma pessoa de bom senso, ele próprio verá as incoerências em tal posição e se ajeitará no futuro. É como o bolsonarismo. Muitas pessoas de boa fé foram levadas a votar no Bolsonaro. A maioria já se arrependeu.

Uma teoria não aumenta seu valor se for exposta de maneira mais bonita. Quem cai nas mãos de um mau médico, passa a evitar todos os médicos, inclusive os bons, por medo de repetir o trauma.

Um truque muito utilizado por propagadores de notícias falsas é fazer uma pessoa que parece profissional dizer as besteiras com ar científico. Isso porque temos a tendência a julgar as pessoas pela sua aparência e um argumento pela pessoa que o profere. Assim, se você aparece de jaleco, falando em tom científico que “covid-19 é um sistema”, muita gente vai acreditar em você. Mas isso não torna verdade o que você está dizendo. Você continua mentindo, só que você tá mentindo de um jeito bonito. Isso também é válido pra teorias científicas fracas.

Infelizmente, quando uma pessoa é enganada de muitos jeitos por diferentes pessoas, ela cai num ceticismo profundo. Temendo ser enganada de novo, passa a não acreditar mais em nada. Como a pessoa que já passou por tratamentos com diversos médicos e continua doente logo se desespera da medicina.

A alegria do bêbado que comprou sua bebida com dinheiro limpo é melhor que a alegria do sóbrio corrupto.

O bêbado que comprou legalmente sua bebida é sobrepujado por uma lícita alegria e uma ressaca que depois passa. Mas a pessoa que adquire seu dinheiro por meios imorais ou mesmo ilegais tem muito com o que se preocupar. Essa alegria é inferior à alegria do bêbado que trabalhou honestamente pra comprar a cerveja que o embriaga.

A mulher dificulta a ida do homem a Deus.

Não é tanto a mulher que prejudica a ascenção do homem ao divino, mas o desejo por ela. O cristianismo tem regras sexuais bem rígidas. Se devotar completamente à religião requer sacrifícios de natureza sexual, os quais muitos não estão dispostos a fazer. Por isso, Agostinho, antes de se converter, ficava sempre deixando sua conversão pra depois, procrastinando-a, porque não queria parar de curtir as comadres.

Uma das forças que faz muitos se converterem à religião é a falta de sentido da vida.

Não se fala muito disso, mas acho que todo cristão e até mesmo todos os ateus deveriam se perguntar isso uma vez na vida: o que leva este ou aquele sujeito a se converter? Na época de Agostinho, e até hoje, uma dessas razões é a falta de sentido da vida. Pra quê ser saudável, sábio, rico, feliz, se a gente eventualmente vai morrer? A pessoa que pensa dessa forma terá em pouca monta a vida material. Ela procurará uma vida espiritual, uma esperança eterna, e só poderá encontrá-la de maneira mística. É uma razão legítima pra se converter. Infelizmente, não se muito disso hoje. Parece que hoje muita gente vai pra igreja esperando ficar rico. Só me pergunto como ficar rico dando dinheiro a um sacerdote, em vez de investir o dinheiro num negócio.

Em vez de alimentar contendas entre os homens, você deveria abrandá-las.

Qualquer causa comum deve ser orientada por este princípio. Deixemos nossas diferenças de lado e vamos nos focar em como alcançar nosso objetivo comum da melhor maneira possível. Se surgirem contendas, é preciso suprimi-las até que tenhamos paz novamente. Se isso não for possível, pelo menos não alimente as contendas, pra que elas não se espalhem e mantenham-se em nível pessoal.

A memória retém informação sobre coisas que nos chegam ao espírito, mesmo que não tenham chegado lá através dos sentidos.

Existem coisas armazenadas em nossa memória sem que as tenhamos visto, ouvido ou sentido. É o caso da ideia que fazemos do pensamento. Não é possível apreender sensorialmente nossos pensamentos. O mesmo pode ser dito de outros conceitos metafísicos, como a justiça. Ninguém vê a justiça. Vemos atos justos, mas não a justiça em si. E, no entanto, temos em nossa memória o conceito de justiça. Por onde entrou? É que, além das coisas materiais, existem as inteligíveis, que são captadas pela razão, em vez dos sentidos.

É mais difícil moderar a alimentação do que moderar o sexo.

Pra evitar fazer sexo demais, basta evitar gente gostosa ou outros gatilhos dessa natureza. Mas, diferente do sexo, a comida é necessária pra viver. Você não tem escolha, senão se expor à comida. E, ao se expor à comida, você é tentado a comer o que não deve ou a comer demais. Além disso, no sexo, você tem que cortejar a pessoa e fazê-la se interessar por você. No caso da comida, basta preparar ou pagar alguém pra prepará-la pra você. Assim, há menos impedimentos à alimentação do que ao sexo. Por isso, é mais difícil se livrar de maus hábitos alimentares do que de maus hábitos sexuais.

Melhor ser escarnecido por causa da verdade do que louvado por causa da mentira.

A mentira sempre acaba se voltando contra nós. O bem-estar da humanidade está muito atrelado à verdade. Quando acreditamos numa mentira ou participamos dela pra termos louvor entre os que nela acreditam, cedo ou tarde pagamos por isso. E, quando isso acontece, os que estiveram do lado da verdade esfregarão na nossa cara que estávamos errados. E ainda dirão “bem feito.”

Passado e futuro não têm existência objetiva, mas apenas subjetiva, como memória e esperança.

Esta é a reflexão mais interessante das Confissões, que fala sobre a passagem do tempo. O presente não tem duração determinada e só sabemos de sua existência por causa da percepção instantânea. O passado, se já passou, não existe mais. Já o futuro, se ainda não veio, não existe ainda. Mas podemos acessar ambos no presente: o passado como memória e o futuro como antecipação. Tendo como referência a percepção presente, a memória e a expectativa, é possível medir o tempo, calculando a “distância” entre um momento e outro. É como se a percepção do tempo fosse uma régua mental, que usamos pra medir a distância entre dois acontecimentos (pontos no tempo), tal como usamos medições espaciais pra calcular a distância entre dois pontos no espaço.

Quando houver duas interpretações distintas, mas igualmente plausíveis, da lei mosaica, deve-se dar preferência à interpretação que melhor atinge o objetivo da caridade, pois o amor a Deus e o amor ao próximo são o objetivo de toda lei.

Jesus disse que o objetivo da lei de Moisés é assegurar que cada pessoa fará aos outros aquilo que gostaria que fosse feito a si. Se assim é, então, ao interpretarmos a lei de Moisés, temos que dar preferência a interpretações que melhor se adaptam a esse princípio, na medida em que o texto abre possibilidade a interpretações diferentes.

Duas interpretações para um mesmo texto podem estar ambas corretas, sendo complementares.

Se duas pessoas concluem coisas diferentes em relação ao mesmo texto, é possível ficar com ambas as interpretações se elas não forem antagônicas. Aliás, se elas não forem antagônicas, podem ser complementares. Tratá-las dessa forma pode ajudar a esclarecer outros pontos obscuros do texto.

É mais fácil amar uma pessoa tranquila. Tal como o médico tolera os pacientes indisciplinados, também nós temos que tolerar os que ouvem a verdade e se revoltam contra ela.

Eu peguei este conselho por causa dos “pacas” (pessoas atraídas por crianças ou adolescentes) ou “MAPs” (minor-attracted people). Se os MAPs mantiverem uma postura tranquila, não combativa, mas sem abrir mão daquilo que são ou no que acreditam, será mais fácil conseguir atingir a tolerância tão sonhada. Porque é mais fácil amar uma pessoa que não sai armada atrás de você. Isso não é uma postura de submissão, mas de defesa ativa: esquive-se dos insultos, ignore os que não estão abertos ao diálogo e contra-argumente educadamente quando a oportunidade surgir. Mas não desça ao nível deles, sendo rude, atacando os antis covardemente ou fazendo ameaças.

Você não deve sentir raiva dos antis, mas pena, compaixão. Tenha isso em mente e talvez você até tenha mais paz consigo próprio, além de parecer mais civilizado que seu oponente.

É possível comunicar ideias sem o uso de palavras, usando outros sinais ou mostrando a própria coisa cuja ideia queremos comunicar.

Se palavras fossem necessárias pra comunicar ideias, como os surdos se comunicariam? Eles se comunicam por gestos. Além disso, quando perguntado sobre algo, você pode mostrar à pessoa aquilo sobre que ela pergunta. Palavras nem sempre são necessárias.

As palavras são sinais das coisas que significam, não necessariamente as próprias coisas significadas. O conhecimento das coisas é superior ao conhecimento das palavras usadas pra significá-las, entre outras coisas porque nem sempre a pessoa que usa a palavra é honesta ou sabe o que diz.

Não se deve confundir a palavra com a coisa a que a palavra se refere. Esta reflexão do De Magistro me suscitou interesse por causa do termo estupro de vulnerável. Em direito, usamos este termo pra descrever qualquer ato libidinoso envolvendo, pelo menos, um participante que não tenha ainda catorze anos, com ou sem o consentimento dele. Mas é apenas um termo. Não é porque usamos tal termo (“estupro” de vulnerável) que devemos presumir que houve violência, já que o crime pode ocorrer mesmo com consentimento entre as partes. Novamente, a palavra não é a coisa. É apenas um termo jurídico e, se você ler a definição do termo, você vê que não há necessidade nem de força, nem de dano, nem de penetração pra que algo seja juridicamente considerado estupro de vulnerável.

Por causa disso, o conhecimento do caso concreto é mais valioso do que o conhecimento do termo usado pra descrevê-lo. Quando dois adolescentes de doze anos experimentam sexualmente de mútuo acordo, sem penetração, estão cometendo ato infracional análogo ao crime de estupro de vulnerável. Se você só tivesse em mãos o termo técnico do que eles fizeram (“ato infracional análogo ao crime de estupro de vulnerável”), você pensaria que um dos dois foi violentamente forçado a participar, o que não aconteceu.

2 de novembro de 2020

Since when?

Filed under: Notícias e política — Tags:, , — Yure @ 15:22

Did I miss something? Because the São Paulo court of justice said today that certain libidinous acts involving children under 14 are not rape.

Here’s what happened: a guy was reported for putting a girl on his lap and feeling her breasts. Okay, for me, it is a libidinous act and, according to article 217-A of the Penal Code , it is rape with vulnerable victim. But here comes the interpretation of the judge, so pay attention: the act is not serious enough to deserve such name. Therefore, he will not be convicted of rape with vulnerable victim, but sexual harassment, a crime that I didn’t even know existed in our Penal Code. Then again, I am not a lawyer.

Today, I was reading Saint Augustine’s De Magistro , a discussion of signs and words. In this book, Augustine states, in discussion with his son, Adeodato, that the study of things is better than the study of the words used to refer to things. This is for several reasons, of which I mention two: sometimes the person who uses a certain word does not know what he is saying and it may also be that the use of some words is dishonest. Although I think that the natural thing is to comply with the law as it is in article 217-A, I agree with the judge when he says that the act, as it is not penetrative, should not be called rape. And because of that, the judge may have been genuinely confused at the sentence writing step.

That term, “rape with vulnerable victim,” sucks. 217-A says that any carnal conjunction or libidinous act involving a person who is not 14 years old is rape with vulnerable victim, even with a consenting victim . Notice this: the act does not even have to be forced to be considered “rape” with vulnerable victim. So can even the consensual, non-penetrative relationship be considered rape? What has become of the original meaning of the word “rape”, which is “forced penetration”? Of course, the judge would be hesitant to call rape what the guy did.

Article 217-A is very poorly written. The label used in the United States, “statutory rape”, is much better, because it makes it clear that it is rape only from the legal point of view, not from the literal point of view. But “rape with vulnerable victim” is an absolute term, which implies inherent harm . But how? Two five-year-olds doing “naughty play” with each other, in mutual agreement, while their parents are away, are two minors who are not fourteen years old practicing libidinous acts, therefore minor offenders who committed an offense analogous to rape with vulnerable victim (“analogous”, because no child or adolescent in Brazil can be tried as an adult under any circumstances, meaning that they are exempt from the punishments found in the Penal Code). But can you call this “naughty game” an act that is “analogous” to rape?

It is necessary, for the sake of fidelity to the language, that the term “rape” be reserved for forced penetration and that libidinous acts different from forced penetration have another name, with a neutral charge. Because such language gets in the way of sane reason. I’m not saying that the guy shouldn’t be punished for what he did, since I assume the girl wasn’t even a consenting participant (and even if she were, the guy wouldn’t escape law enforcement). But we need to go back to sanity and change the name of this crime, because it is difficult to call “rape” or “analogous to rape” all libidinous acts, penetrative or not, consented or not, with an adult partner or a minor partner, as long as one of the participants is not yet 14 years old.

Furthermore, this term biases the interpretation of the act by people who come into contact with the story. In one study from the nineties , Biased Terminology Effects and Biased Information Processing in Research of Adult-Nonadult Sexual Interactions, the authors took an account of a consensual relationship between an adult and an adolescent and rewrote it, changing the terms “minor” to “victim”, “adult” to “perpetrator” and “sexual contact” to “sexual abuse”. Then, they gave the original text to one group and the modified text to another group. The group that received the forgery evaluated the report more negatively than the group that received the original, even though both texts reported the same experience, making it clear that the adolescent in question wanted the relationship. Why did the groups evaluate the same story differently? What was different? The language of the text. A biased language leads reason to conclude different things from those that would be concluded when the language used is neutral. Even I, reading the report on Brazil 247, tend to think that the act took place without consent, although the report does not say whether consent existed or not (although this is not legally relevant).

The higher court judge who puts hands a sentence that says “rape with vulnerable victim” will be predisposed to assume that coercion or damage took place, even if both things are absent, as neither is necessary to classify the act as “rape with vulnerable victim”. Unless the act is detailed in the sentence, the judge will be predisposed to give a disproportionate penalty to the act, even if such an act has been consented or non-penetrative. Now it occurs to me that maybe that was what the São Paulo judge thought. He probably imagined that someone is going to appeal to the higher court and used his sentence to avoid a disproportionate penalty to the defendant.

In short: although I do think the guy should receive penalty for rape with vulnerable victim, I admit that the use of this term gets in the way of sane thinking and that the term should be changed, reserving the “rape” tag for forced penetrative acts and using another term for others libidinous acts. This, of course, until consensual, harmless sex is not fully decriminalized.

Fonte: Google Translate

Desde quando?

Filed under: Notícias e política — Tags:, , — Yure @ 14:56

Eu perdi alguma coisa? Porque o tribunal de justiça de São Paulo disse hoje que certos atos libidinosos envolvendo menores de 14 anos não são estupro.

Foi assim: um cara foi denunciado por colocar uma menina no colo e sentir seus seios. Certo, pra mim, é um ato libidinoso e, de acordo com o artigo 217-A do Código Penal, é estupro de vulnerável. Mas aí vem a interpretação do juiz, veja só: o ato não é suficientemente grave pra merecer esse nome. Por isso, ele não será condenado por estupro de vulnerável, mas importunação sexual, crime que eu nem sabia que existia no nosso Código Penal. Mas também, eu não sou jurista.

Hoje, eu estava lendo o De Magistro, de Santo Agostinho, uma discussão sobre sinais e palavras. Nesse livro, Agostinho afirma, em discussão com seu filho, Adeodato, que o estudo das coisas é melhor que o estudo das palavras usadas pra se referir às coisas. Isso por várias razões, das quais cito duas: por vezes a pessoa que usa determinada palavra não sabe o que está dizendo e pode também ser que o uso de algum sinal seja desonesto. Embora eu pense que o natural seja cumprir a lei como está no 217-A do CP, eu concordo com o juiz quando ele diz que o ato, por não ser penetrativo, não deve ser chamado de estupro. E, por causa disso, o juiz pode ter genuinamente ficado confuso no passo da sentença.

Esse termo, “estupro de vulnerável”, é uma porcaria. O 217-A diz que qualquer conjução carnal ou ato libidinoso envolvendo pessoa que não tenha 14 anos é estupro de vulnerável, mesmo com vítima consentida. Olha só: o ato não precisa nem ser forçado pra ser considerado “estupro” de vulnerável. Então, pode ser considerado estupro até mesmo a relação não-penetrativa consentida? Que foi feito do significado original da palavra “estupro”, que é “penetração forçada”? Claro que o juiz ficaria hesitante em chamar o que o sujeito fez de estupro.

O 217-A é muito mal escrito. O rótulo usado nos Estados Unidos, “estupro estatutário”, é muito melhor, porque deixa claro que é um estupro apenas do ponto de vista legal, não do ponto de vista literal. Mas “estupro de vulnerável” é um termo absoluto, que implica dano inerente. Mas como? Duas crianças de cinco anos fazendo “besteiras” uma com a outra, de mútuo acordo, na ausência dos pais são dois menores que não têm catorze anos completos praticando atos libidinosos, logo menores infratores que cometeram uma falta análoga ao estupro de vulnerável. Mas você pode chamar essa brincadeira saliente um ato “análogo” ao estupro?

É preciso, por amor à fidelidade à linguagem, que se reserve o termo “estupro” pra penetração forçada e que atos libidinosos diversos da penetração forçada tenham um outro nome, de carga neutra. Porque essa linguagem atrapalha. Não estou dizendo que o cara não deve ser punido pelo que fez, já que eu presumo que a menina nem era participante consentida (e, mesmo que fosse, ele não escaparia à aplicação da lei). Mas precisamos voltar à sanidade e mudar o nome desse crime, porque fica difícil chamar de “estupro” ou “análogo ao estupro” todos os atos libidinosos, penetrativos ou não, consentidos ou não, com parceiro adulto ou parceiro menor, desde que um dos participantes não tenha 14 anos ainda.

Além disso, tal termo vicia a interpretação do ato por pessoas que entrem em contato com a história. Em um estudo dos anos 90, Biased Terminology Effects and Biased Information Processing in Research of Adult-Nonadult Sexual Interactions, os autores pegaram um relato de relação consentida entre adulto e adolescente e o reescreveram, trocando os termos “menor” por “vítima”, “adulto” por “criminoso” e “contato sexual” por “abuso sexual”. Daí, deram o texto original pra um grupo e o texto modificado pra outro grupo. O grupo que recebeu a falsificação avaliou mais negativamente o relato do que o grupo que recebeu o original, mesmo que ambos os textos relatassem a mesma experiência, deixando claro que o adolescente em questão desejava a relação. Por que avaliaram negativamente? O que havia de diferente? A linguagem do texto. Uma linguagem enviesada conduz o pensamento a concluir coisas diferentes daquelas que seriam concluídas quando a linguagem usada é neutra. Eu mesmo, lendo a reportagem no Brasil 247, tendo a pensar que o ato ocorreu sem consentimento, embora a reportagem não diga se consentimento existiu ou não (embora isso não seja legalmente relevante, de um ponto de vista legalmente positivo).

O juiz de instância superior que pega uma sentença onde tá escrito “estupro de vulnerável” ficará predisposto a presumir que houve coação ou dano à vítima, mesmo que ambas as coisas estejam ausentes, porquanto nenhuma das duas é necessária à tipificação do crime. A menos que o ato seja descrito, o juiz vai ficar predisposto a dar uma pena desproporcional ao ato, se tal ato tiver sido consentido ou não-penetrativo. Agora me ocorre que talvez foi isso que passou pela cabeça do juiz do TJ-SP. Ele provavelmente imagina que alguém vai apelar à instância superior e usou sua sentença pra evitar pena que ele jugaria desproporcional.

Resumindo: embora eu ache que o cara deveria responder, sim, por estupro de vulnerável, admito que o uso desse termo atrapalha e que o termo deveria ser mudado, reservando a pecha de “estupro” aos atos penetrativos forçados e usando outro termo pra outros atos libidinosos. Isso, claro, enquando relações sexuais consentidas e inofensivas não sejam totalmente descriminalizadas.

29 de outubro de 2020

“Twitter MAPs”: how did we get here?

Twitter recently made a rule against propagating attraction to minors as a sexual orientation or identity, which is no longer allowed on the platform. This is after a couple of years of tolerance to MAPs ( minor-attracted people ). For many, it is impressive that such tolerance happened in the first place. A day or two after I heard this, I saw the interview given by Gilberto Gil to Estação Sabiá, in which he says that no movement in a progressive direction is irreversible, because the reactionary forces are permanent. As long as they do not cease to exist, such forces will eventually find an environment conducive to their growth and propagation. I’m not saying that the Twitter MAPs are reactionary, but such an observation by Gil is interesting because the movement for the acceptance of attraction to minors is permanent, dating back to the fifties at least.

So, maybe I can explain how this amount of acceptance came about and why I think it cannot be easily reversed.

Boychat.

Boychat is one of the oldest communities of the Internet. In it, boylovers (adults with a preferential attraction to boys) get together to have legal discussions. No illegal activity takes place on Boychat , so it continues to exist over the decades. When the Internet was young, Boychat was there. It is not a recent creation. This is visible because Boychat is a bulletin board system in the 21st century.

In that place, there was a guy who, although wanting to stay within the law, felt he couldn’t do it without help. This is Michael Melsheimer. He sought such help, without finding it. One day, he gave in and did something he shouldn’t have done, ending up at court because of it. There, he argued that he only gave in to his impulses because he had not found effective treatment that would allow him to live within the law. This man would later open B4U-ACT .

B4U-ACT.

The B4U-ACT project is a collective effort between MAPs, scientists and therapists in the pursuit of two goals:

  1. Enable the well-being and quality of life of MAPs and
  2. Help MAPs in the task of staying law-abiding.

It is not known where the term “MAP” came from, but it was this organization that popularized the term, which has been used by them since its founding in 2003. To achieve these goals, B4U-ACT uses three ways:

  • Serving as bridge between MAPs and psychologists certified by the group, so that those who want medical help can receive it;
  • Serving as bridge between MAPs and scientists, so that scholars can conduct research with affiliated MAPs and
  • Encouraging projects to reduce social stigma related to a taboo attraction.

So far, so good. They also have a mutual help forum, like Alcoholics Anonymous, but for pedophiles and hebephiles, which operates at another address. They also point to other aid groups, if the MAP is interested, such as Lifeline .

But its founder died. He was succeeded by Richard Kramer. And this is where things get very interesting.

DSM Symposium.

In 2011, it was agreed that the Diagnostic and Statistic Manual of Mental Disorders , then in its fourth revised edition, had to be updated. Kramer then sent a letter to the group that would do the review, arguing that the scientific criteria that underlie the entire manual are strangely “overlooked” when it comes to the chapter on paraphilias. Scientists who knew about Kramer’s initiative began an effort to use this update as a means of making the future DSM-V more scientific. With regard to paraphilias, B4U-ACT took slides , summaries and articles relevant to the attraction to minors and which would be presented at the review event, the DSM Symposium. All that material is still on the B4U-ACT website today.

It was concluded that something can only be considered a disease if it harms the person or others. But B4U-ACT and other subjects who worked with or were interested in the matter drew attention to the existence of pedophiles who both remain within the law and see their attraction as an innocuous part of their personality, without suffering because of it. With that, pedophilia left the manual. Exactly: pedophilia is no longer considered a disease, since pedophilia is a mere attraction that does not necessarily bring harm to the person or those around him. But the diagnosis of pedophilic disorder was also created: the person is ill if his pedophilia is a cause of discomfort or if he is led to commit an illegal act as a result of his attraction. Only then he can be considered mentally ill. If the pedophile is not necessarily sick, it follows that he is normal and must be included in society, enjoying all the rights inherent to the human person, as long as he can remain law-abiding and at peace with himself.

Sexual orientation.

Due to an error in writing the text of the DSM-V, people who read the new version of the manual were shocked to see that the text suggested that pedophilia is a “sexual orientation”. They probably wanted to type “sexual attraction”. Although the American Psychological Association has retracted and corrected its error, many MAPs had clung to the idea that their attraction is an “orientation”. That’s because liberal laws protect people from discrimination based on sexual orientation.

Despite the error, some researchers actually asked themselves: “but what if?”. One of them was Michael Seto. In an article published in 2012, he states that sexual orientation is more complex than commonly conceived. To keep things simple, think it as a Cartesian plane, with the X axis representing gender and the Y axis representing age. Other researchers followed Seto’s observations and came to the same conclusions. Gradually, the idea that the age of attraction is a component of sexual orientation has become increasingly popular in academia. Associated with this is the idea that there are MAPs who fall in love with children or adolescents, which shows that the only difference between MAPs and the “normal” subject is the age considered attractive. If so, such attraction does not necessarily involve feelings of hatred, domination or sadism, just how such desires are not inherent in heterosexuality or homosexuality. Also because of such love, many MAPs prefer to abstain from relationships with children and adolescents, fearing that something could go wrong or that the loved one could suffer any negative consequences. The creation of Virtuous Pedophiles, a collective of MAPs that pledges to remain within the law, but also resists changes in the law (considering such laws necessary) makes it easier to accept this fact.

Twitter.

And it is only now that we arrive at Twitter. MAPs started to log into Twitter and use it like anyone else, as a platform for expressing their own ideas. Since such MAPs denied involvement in illegal activities, even when advocating changes in the law, there was no evidence against them that could ban them.

And so it was. Until recently, when Twitter gave in to pressure from other users and edited a new rule, according to which arguing that attraction to minors is an identity or sexual orientation will not be tolerated. The problem is that this jeopardizes the accounts of scientists and philosophers who use Twitter to comment on their research and conclusions, many of which involve conceptualizing attraction to minors as sexual orientation or identity. It seems that there are already articulations for an open letter to Twitter to be written, hopefully with the signature of academics, against the change in the site’s policy .

What can we learn from what happened?

We can draw three conclusions from what is happening on Twitter and the Internet in general. The first is that there is already an understanding in the academic community that attraction to minors is a sexual orientation, even if it should not find full satisfaction as with other orientations (since protecting children and adolescents is still a concern) and even if such understanding is probably not majoritary. To deny this possibility is to make selective use of scientific research, as do flat-earthers, anti-vax moms and people who believe that masks do not prevent the new coronavirus from spreading or that hydroxychloroquine is a valid drug against covid-19. For all these people, science is only good when it agrees with them. The second is that such a concept insinuates itself to civil society, but society still does not accept it, which cannot be solved with simple science, but with the mobilization of MAPs, as individuals or as associations, permanently.

The third is that the Internet makes this whole process much faster. For good or bad, the Internet allows any speech to gain traction very quickly. With the idea that attraction to minors is not a disease, but an identity, MAPs can organize themselves as a contingent of political and social relevance. Considering only the time between the creation of B4U-ACT and today, 17 years have passed. While the original movement had an increasing visibility between the fifties and seventies, waning in the eighties and obscuring in the nineties, without ceasing to exist (the creator of B4U-ACT himself didn’t like the laws as they are). MAPs reached a moment almost analogous to the peak experienced between the fifties and seventies, although just online, but in less time, thanks to the Internet. This is because the MAP movement is permanent, even under different names and labels. Sooner or later, a permanent cause finds a favorable environment for its growth. They just got to keep going.

Fonte: Google Translate

“MAPs do Twitter”: como chegamos aqui?

Recentemente, o Twitter baixou uma regra segundo a qual propagar a atração por menores como uma orientação ou identidade sexual não é mais permitido na plataforma. Isso após uns dois anos de tolerância aos PACAs (pessoas atraídas por crianças ou adolescentes) ou MAPs (minor-attracted people). Pra muitos, é impressionante que tal tolerância tenha acontecido em primeiro lugar. Um ou dois dias depois de eu saber disso, eu vi a entrevista concedida por Gilberto Gil à Estação Sabiá, na qual ele diz que nenhum movimento numa direção progressista é irreversível, porque as forças reacionárias são permanentes. Desde que não deixem de existir, tais forças eventualmente encontrarão um ambiente propício ao seu crescimento e propagação. Não estou dizendo que os MAPs do Twitter são reacionários, mas tal observação do Gil é interessante porque o movimento pela aceitação da atração por menores é permanente, datando dos anos cinquenta pelo menos.

Então, talvez eu possa explicar como essa aceitação aconteceu e por que eu acho que ela não pode ser facilmente revertida.

Boychat.

O Boychat é uma das comunidades mais antigas da Internet. Nele, boylovers (adultos com atração preferencial por meninos) se reúnem pra ter discussões lícitas. Nenhuma atividade ilegal ocorre no Boychat, por isso ele continua existindo ao longo das décadas. Quando a Internet era jovem, o Boychat já estava lá. Ele não é uma criação recente. Isso é visível pelo fato de o Boychat ser um sistema de quadro de mensagens (bulletin board system) em pleno século 21.

Nesse lugar, existia um cara que, embora quisesse permanecer dentro da lei, ele sentia que não conseguiria sem ajuda. Trata-se de Michael Melsheimer. Ele procurava essa ajuda, sem encontrá-la. Um dia, ele cedeu e fez algo que não devia, indo parar na corte por causa disso. Lá, ele argumentou que só cedeu aos seus impulsos porque não havia encontrado tratamento efetivo que o permitisse viver dentro da lei. Esse homem iria depois fundar a B4U-ACT.

B4U-ACT.

O projeto B4U-ACT é um esforço coletivo entre pessoas atraídas por menores, cientistas e terapêutas na busca de dois objetivos:

  1. Favorecer o bem-estar e a qualidade de vida do MAP e
  2. Ajudá-lo a se manter dentro da lei.

Trata-se de uma organização sem fins lucrativos. Não se sabe de onde o termo “MAP” surgiu, mas foi esta organização que popularizou o termo, o qual é usado por eles desde sua fundação, em 2003. Pra alcançar esses objetivos, a B4U-ACT usa de três vias:

  • Fazer uma ponte entre MAPs e psicólogos certificados pelo grupo, para que aqueles que desejam ajuda médica a recebam;
  • Fazer uma ponte entre MAPs e cientistas, pra que estudiosos possam conduzir pesquisa com MAPs afiliados e
  • Estimular projetos de redução do estigma social relacionado a uma atração tabu.

Até aqui, tudo bem. Eles também dispõem de um fórum de ajuda mútua, tipo os Alcoólicos Anônimos, que opera em outro endereço. Eles também apontam pra outros grupos de ajuda, caso o MAP esteja interessado, como o Lifeline.

Mas o seu fundador morreu. Ele foi sucedido por Richard Kramer, um cientista. E é agora que as coisas ficam muito interessantes.

Baltimore, 2011.

Em 2011, ficou acertado que o Diagnostic and Statistic Manual of Mental Disorders, então em sua quarta edição revisada, tinha que ser atualizado. Kramer então enviou uma carta ao grupo que faria a revisão, argumentando que os critérios científicos que embasam todo o manual são estranhamente “esquecidos” quando chega no capítulo sobre parafilias. Os cientistas que sabiam da iniciativa de Kramer começaram um esforço pra usar essa revisão como um meio de tornar o futuro DSM-V mais científico. No que diz respeito às parafilias, a B4U-ACT pegou slides, resumos e artigos relevantes à atração por menores e que seriam apresentados no evento de revisão, o Simpósio do DSM. Todo o material está no site da B4U-ACT até hoje.

Concluiu-se que algo só pode ser considerado doença se fizer mal à pessoa ou aos outros. Mas a B4U-ACT e outros sujeitos que com ela trabalharam ou tinham interesse na matéria chamaram a atenção pra existência de pedófilos que tanto se mantém dentro da lei quanto veem sua atração como uma parte inócua de sua personalidade, logo sem sofrer por causa dela. Com isso, a pedofilia saiu do manual. Exatamente: pedofilia não é mais considerada doença, pois a pedofilia é uma mera atração que não necessariamente traz males à pessoa ou aos que estão ao redor dele. Mas também foi criado o diagnóstico de desordem pedofílica: a pessoa está doente se sua pedofilia for causa de desconforto ou se ela for levada a cometer algum ato ilegal em consequência de sua atração. Se o pedófilo não está necessariamente doente, segue-se que ele é normal e deve ser incluído na sociedade, gozando de todos os direitos inerentes à pessoa humana, desde que ele possa se manter dentro da lei e em paz consigo próprio.

Orientação sexual.

Devido a um erro na escrita do texto do DSM-V, as pessoas que leram a nova versão do manual ficaram chocadas ao ver que o texto sugeria que a pedofilia é uma “orientação sexual”. Quiseram digitar “atração sexual”. Embora a Associação Americana de Psicologia tenha se retratado e corrigido seu erro, muitos MAPs haviam se agarrado à ideia de que sua atração é uma “orientação”. Isso porque as leis liberais protegem pessoas de discriminação com base em orientação sexual.

Apesar do erro, alguns pesquisadores realmente se perguntaram: “mas será que é?”. Um deles foi Michael Seto. Em um artigo publicado em 2012, ele afirma que a a orientação sexual é mais complexa do que comumente concebido, como que um plano cartesiano, com o eixo X representando o sexo que atrai e o eixo Y representando a idade que atrai. Outros pesquisadores seguiram as observações de Seto e chegaram às mesmas conclusões. Aos poucos, foi se acimentando no meio acadêmico a ideia de que a idade de atração é componente da orientação sexual. Associa-se a isso a ideia de que há MAPs que se apaixonam por crianças ou adolescentes, o que mostra que a única diferença entre o MAP e o sujeito “normal” é a idade considerada atraente. Se assim é, tal atração não necessariamente envolve sentimentos de ódio, dominação ou sadismo, tanto quanto tais desejos não são inerentes à heterossexualidade ou à homossexulidade. Também por causa desse amor, muitos MAPs preferem se abster de relações com crianças e adolescentes, temendo que algo saia errado e o amado sofra quaisquer consequências negativas. A criação do Virtuous Pedophiles, um coletivo de MAPs que se compromete a se manter dentro da lei, mas também resiste à mudanças na lei (considerando tais leis necessárias) torna a aceitação desse fato mais fácil.

Twitter.

E é só agora que entra o Twitter. MAPs começaram a entrar no Twitter e a usá-lo como qualquer outra pessoa, como uma plataforma de expressão das próprias ideias. Como tais MAPs negavam envolvimento em atividades ilegais, mesmo quando defendiam mudanças na lei, não havia evidência contra eles que pudesse bani-los.

E assim foi. Até recentemente, quando o Twitter cedeu à pressão feita por outros usuários e baixou uma regra nova, dizendo que propagar a atração por menores como identidade ou orientação sexual não será tolerado. O problema é que isso põe em risco as contas de cientistas e filósofos que usam o Twitter pra se pronunciar sobre suas pesquisas e conclusões, muitas das quais envolvem a conceitualização da atração por menores como orientação ou identidade sexual. Parece que já há articulações pra que uma carta aberta ao Twitter seja escrita, provavelmente contando com a assinatura de acadêmicos, contra a mudança na política do site.

O que podemos aprender do que aconteceu?

Podemos tirar três conclusões do que aconteceu e está acontecendo no Twitter e na Internet em geral. A primeira é que já há um entendimento na comunidade acadêmica de que a atração por menores é uma orientação sexual, mesmo que ela não deva encontrar satisfação plena como ocorre com outras orientações (já que a proteção à infância e à adolescência ainda é uma preocupação). Negar essa possibilidade é fazer uso seletivo da pesquisa científica, como fazem os terraplanistas, as mães anti-vacina e pessoas que acreditam que máscaras não impedem o novo coronavírus de se espalhar ou que a hidroxicloroquina é um medicamento válido contra covid-19. Pra todas essas pessoas, a ciência só é boa quando concorda com eles. A segunda é que tal concepção se insinua à sociedade civil, mas esta ainda não a aceita, o que não poderá ser resolvido com simples ciência, mas com a mobilização dos MAPs, como indivíduos ou como associações, de forma permanente.

A terceira é que a Internet torna esse processo todo muito mais rápido. Pra bem ou pra mal, a Internet permite que qualquer discurso ganhe tração muito rapidamente. Com a ideia de que a atração por menores não é uma doença, mas uma identidade, os MAPs podem se organizar como contingente de relevância política e social. Considerando apenas o tempo entre a criação da B4U-ACT e hoje, se passaram 17 anos. Enquanto que o movimento original teve uma visibilidade crescente entre os anos cinquenta e setenta, minguando nos oitenta e obscurecendo nos noventa, sem deixar de existir (o próprio criador da B4U-ACT não gostava das leis como elas estão). Os MAPs chegaram a um momento quase análogo ao ápice vivido entre os anos cinquenta e setenta, mas em menos tempo, graças à Internet. Isso porque o movimento dos MAPs é permanente, mesmo que sob diferentes nomes e rótulos. Cedo ou tarde, uma causa permanente encontra ambiente propício pra seu crescimento.

20 de outubro de 2020

Circumcision.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , — Yure @ 13:44

A friend of mine was watching a live broadcast by a Filipino artist whom he likes. During the broadcast, the artist mentioned that he was circumcised at age seven and had not liked it at all. Other Filipinos on the live chat shared the same sentiment. At seven, your memory has been working for a long time already and this would be an unforgettable experience, not in a good way. The part that disturbed my friend was when the artist and the other Filipinos in the chat mentioned that their circumcision was not motivated by religious or medical reasons, but by a custom prevalent in the Philippines, such as the little holes that are punched on the ears of little girls in the Brazil, so that they can wear earrings.

My friend, who is circumcised, was so disgusted by that story that he got sick. He started researching the subject and decided to become an intactivist . “Intactivism” is the idea that circumcision, as a cultural phenomenon, should be abolished. The only fair reason for circumcising a boy would be for severe penile deformity. So my friend decided to use his YouTube channel to defend this cause.

In an attempt to help him to feel better, I decided to show some arguments against circumcision here as well. Not that it makes any sense to my main audience, which is Brazilian, since circumcision here does not occur by “tradition”. But, if it’s to make the guy happier, why not?

Physical reasons.

The foreskin is very sensitive to pleasure . Because of this, sex is more pleasurable for people who have it. Without the foreskin, the man needs to make more intense movements to reach orgasm. One of my friend’s friends circumcised his son so that the boy “would last longer in bed”. True, the circumcised person actually lasts longer in bed because he is less sensitive to pleasure. For this reason too, the subject needs to move more quickly and with more intensity during sex, which makes him more “wild”. Women like that. But think about it: would you make a permanent change in your child’s body so that he can give more pleasure to the woman, at the expense of his own pleasure? Don’t you find that a bit humiliating? In addition, such a decision, that of circumcising the child, is made by the parents, who will not live the boy’s sexual life for him. This sounds like an unnecessary intrusion into the child’s future sex life when he is still a baby.

It is true that the foreskin makes a man more vulnerable to some sexually transmitted diseases. So, in biblical times, it was an advantage to circumcise a boy, since medicine was very limited and there was no condoms. Today, it is possible to prevent sexually transmitted diseases through good hygiene, good body care and the use of condoms. Therefore, the physical advantage of circumcision can be obtained through safe sex and good hygiene.

Furthermore, in biblical times, there were no diapers. Diapers are used by parents to contain the child’s excrement while the child does not learn the conventions of using the bathroom. A newly circumcised child who is put in a diaper exposes the marks of the surgery to the bacteria that infest his stools. This causes inflammation, burning and delayed recovery from surgery. To be fair, however, there are methods to avoid this.

Finally, circumcision is removal surgery. Even though it is quite safe, it is not free from the possibility of mistakes, either due to the doctor’s lack of skill, an unexpected reaction in the patient’s body, or even for reasons beyond their control. It is possible to die as a result of poorly performed circumcision. The chance is very low, but if it happened to your child, would statistics matter?

Reflection on the morality of circumcision.

To circumcise a boy is to have him go through a procedure that is not completely reversible (a restored foreskin is not exactly the same as a natural foreskin). This is usually done without the boy’s consent. What if, in the future, he concludes that his life would have been better if circumcision had not occurred? Parents act immorally when circumcising their child, insofar as they do it unnecessarily, because they impose a change on their child’s body that cannot be undone when the child reaches the age of reason. If there is no medical need, leave it as is. He will decide, as an adult, whether or not to undergo the procedure. To ignore this precept is abuse (or should be considered abuse). Yet, people point to certain groups, saying that they are the monsters, when child physical abuse occurs more frequently and is more harmful.

To circumcise without need is to circumcise for luxury, for “looks”. It is absurd to have a child undergo an invasive procedure for reasons of appearance, a procedure that he would probably not choose if offered to him. It is like piercing the girl’s ear when she is still a baby, so that she is introduced to wearing earrings. I’m not even a feminist and I’ve always been against it. Frivolous changes in the body must be chosen, not forced.

What about religion?

I make an exception to religion because, really, faith is a feeling. Like every feeling, there is no argument that affects faith, if the believer has a strong faith. But, from a strictly Christian point of view, circumcision is not necessary. It is true, Jesus said that the Law is forever, but the Law was given to the Jews (so much so that Jesus, being a Jew, was circumcised), not to the “Gentiles”, as those who were not Jews  were called at the time. Because of this, the Jerusalem church, formed shortly after Jesus’ ascension to the Father, issued a decree exonerating the Gentiles from observing the Law of Moses, although it also recommended abstaining from blood consumption, from the consumption of animals killed by suffocation, from fornication and from idolatry (Acts 15: 1-20).

Concluding.

I really like that my friend has become an intactivist, and a passionate one. I don’t know if I can consider myself an intactivist since I never did activism because of that. This text is the only one I have produced on this subject. But it is a good cause to fight for. I hope to see more about this in the future, in Brazil and abroad. What I have just written concerns circumcision without medical or religious reasons, tho. Of course, if you have phimosis or recurrent inflammation, you will have to remove the foreskin. But these are rare conditions. In such cases, it is worth it to be circumcised.

Circuncisão.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , — Yure @ 13:23

Um amigo meu estava assistindo uma transmissão ao vivo de um artista filipino de quem ele gosta. Durante a transmissão, o artista mencionou que foi circuncidado aos sete anos e não tinha gostado nada. Outros filipinos do chat da transmissão partilharam o mesmo sentimento. Aos sete anos, você é capaz de memória faz tempo e essa seria uma experiência inesquecível, não no bom sentido. A parte que deixou meu amigo perturbado foi quando o artista e os outros filipinos do chat mencionaram que a circuncisão deles não foi motivada por razões religiosas ou médicas, mas por um costume prevalente nas Filipinas, como os furos que se fazem nas orelhas das meninas no Brasil, a fim de que elas possam usar brincos.

Meu amigo, que é circuncidado, ficou com tanto nojo daquela história que passou mal. Ele começou a pesquisar sobre o assunto e resolveu virar um intactivista. O “intactivismo” é a ideia de que a circuncisão, como fenômeno cultural, deve ser abolida. A única razão lícita pra circuncidar um menino seria por grave deformidade peniana. Então meu amigo resolveu usar seu canal no Youtube pra defender essa causa.

Na tentativa de ajudá-lo, eu resolvi mostrar alguns argumentos contra a circuncisão por aqui também. Não que isso faça algum sentido pra minha audiência principal, que é brasileira, visto que a circuncisão por aqui não ocorre por “tradição”. Mas, pra deixar o cara mais feliz, por que não?

Razões físicas.

O prepúcio é bastante sensível ao prazer. Por causa disso, o sexo é mais prazeroso pra pessoas que o têm. Sem o prepúcio, o homem precisa fazer movimentos mais intensos pra chegar ao orgasmo. Um dos amigos do meu amigo circuncidou o filho dele pra que o garoto “durasse mais tempo na cama”. É verdade, a pessoa circuncidada realmente dura mais tempo na cama porque é menos sensível ao prazer. Também por essa razão, o sujeito precisa se mexer mais rapidamente e com mais intensidade durante o sexo, o que o torna mais “selvagem”. As mulheres curtem isso. Mas pense um pouco: você faria uma mudança permanente no corpo do seu filho pra que ele possa dar mais prazer à mulher, às custas do próprio prazer? Você não acha isso nem um pouco humilhante? Além disso, tal decisão, a de circuncidar o filho, é tomada pelos pais, que não viverão a vida sexual do filho em lugar dele. Isso me soa uma desnecessária intrusão na vida sexual do filho, quando ele ainda é um bebê.

É certo que o prepúcio torna o homem mais vulnerável a algumas doenças sexualmente transmissíveis. Então, nos tempos bíblicos, era uma vantagem circuncidar um menino, já que a medicina era muito limitada e não existia camisinha. Hoje, é possível evitar doenças sexualmente transmissíveis através da boa higiene, do bom cuidado com o corpo e do uso de preservativos. Logo, a vantagem física da circuncisão pode ser obtida pela prática segura do sexo e de uma higiene em dia.

Ademais, nos tempos bíblicos, não havia fraldas. As fraldas são usadas pelos pais pra conter os excrementos da criança enquanto ela não aprende as convenções do uso do banheiro. Uma criança recém-circuncidada que é posta numa fralda expõe as marcas da cirurgia às bacterias que lhe infestam as fezes. Isso provoca inflamação, ardência e retardo na recuperação da cirurgia. Pra ser justo, porém, existem métodos pra evitar isso.

Por último, a circuncisão é uma cirurgia de remoção. Mesmo que ela seja bastante segura, ela não é livre de possibilidade de erro, seja pela perícia do médico, seja por uma reação inesperada no corpo do paciente, ou até por razões fora do controle dos dois. É possível morrer em decorrência de uma circuncisão mal feita. A chance é muito baixa, mas, se acontecesse com seu filho, de que valeriam as estatísticas?

Reflexão sobre a moralidade da circuncisão.

Circuncidar um menino é fazê-lo passar por um procedimento que não é completamente reversível (um prepúcio restaurado não é exatamente igual ao prepúcio natural). Isso é normalmente feito sem o consentimento do menino. E se, no futuro, ele concluir que a vida dele teria sido melhor se a circuncisão não tivesse ocorrido? Os pais agem imoralmente ao fazer a circuncisão no filho, na medida em que o fazem sem necessidade, porque impõem ao corpo do filho uma modificação que ele não poderá desfazer ao chegar à idade da razão. Se não houver necessidade médica, deixe como está. Ele decidirá, na idade adulta, se quer ou não passar pelo procedimento. Passar por cima desse preceito é abuso (ou deveria ser considerado abuso). Depois apontam pra certos grupos, dizendo que os monstros são eles, quando abuso físico infantil ocorre com mais frequência e é mais pernicioso.

Circuncidar sem necessidade é circuncidar pelo luxo, pela “aparência”. É um absurdo fazer uma criança passar por um procedimento invasivo por questões de aparência, procedimento que ela provavelmente não escolheria se fosse oferecido a ela. É como furar a orelha da menina quando ela ainda é um bebê, pra que ela seja introduzida ao uso dos brincos. Eu nem sou feminista e sempre fui contra isso. Modificações frívolas no corpo devem ser uma escolha da criança, não dos pais dela.

E quanto à religião?

Eu abro uma exceção à religião porque, enfim, a fé é um sentimento. Como todo sentimento, não há argumento que afete a fé, na medida em que o fiel tem uma fé forte. Mas, de um ponto de vista estritamente cristão, a circuncisão não é necessária. É verdade, Jesus disse que a Lei é pra sempre, mas a Lei foi dada aos judeus (tanto que Jesus, sendo judeu, foi circuncidado), não aos “gentios”, como se chamava na época os que não eram judeus. Por causa disso, a igreja de Jerusalém, formada logo após a subida de Jesus ao Pai, emitiu um decreto exonerando os gentios da observação da Lei de Moisés, embora também deixasse recomendado a abstenção do consumo de sangue, do consumo de animais mortos por sufocamento, da fornicação e da idolatria (Atos 15:1-20).

Concluindo.

Gosto bastante do meu amigo ter se tornado intactivista e ter se apaixonado por tal causa. Eu não sei se eu posso me considerar um intactivista já que eu nunca fiz ativismo por causa disso. Este texto é o único que produzi sobre este assunto. Mas é uma boa causa pela qual lutar. Espero ver mais sobre este assunto no futuro, no Brasil e fora dele. Lembrando que o que acabo de escrever diz respeito à circuncisão sem razões médicas ou religiosas. Claro que, se você tiver fimose ou uma inflamação recorrente, você vai ter que remover o prepúcio. Mas essas são condições raras. Nesses casos, compensa circuncidar.

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: