Analecto

30 de setembro de 2011

Perdido.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yure @ 15:11

Passei a noite e parte da madrugada meio sem sono, trabalhando em umas imagens. Acordei às cinco. Não me sentia cansado, então resolvi sair cedo para escola assim que vi gente na rua, por volta de cinco e meia. Quando cheguei ao ônibus me deu um soninho tão bom… foi como se eu tivesse cheirado erva de gato… e adormeci. Até sonhei, só não o lembro o quê. Acordei com o indivíduo ao meu lado pedindo que eu me movesse para que ele saísse. Olhei pela janela.

“Onde estou?”, pensei. Por sorte, não era muito longe da escola. Eu estava perto da catedral que tem por aquelas bandas. Vocês devem estar pensando: “ele não vai para a Capital quase todos os dias desde que passou no vestibular?” É, eu vou, mas seguindo um caminho estrito, sempre igual, por dois anos. A única modificação que minha mãe fez no meu caminho foi encurtá-lo me dizendo para pegar o ônibus de volta no mesmo lugar onde desço.

Sem pânico, pedindo informação a transeuntes e dando dinheiro a pedintes, consegui chegar à creche sem atraso (saí muito cedo).

Após isso, tive minhas aulas normais.

Oneiric: faltam duas semanas para o lançamento da versão estável do Ubuntu 11.10.

Anúncios

29 de setembro de 2011

Alienação.

Suponhamos que você esteja numa daquelas cadeiras de escritório. Tem vinte objetos de seu interesse ao redor de você. Você não pode sair da cadeira, mas pode apenas girá-la, mudando o foco de sua atenção para outros objetos. Se você escolhe observar certo grupo de objetos, você invariavelmente esquece o que está atrás de você.

Sinceramente, não acredito em alienação. Acredito que o indivíduo tem poder de escolha sobre o que quer ou não prestar atenção. Acredito em distrações, mas não acredito que elas podem nos ser forçadas.

Você pode ignorar o que não achar importante. Eu fico olhando o mundo dos adultos de fora e, realmente, não tenho intenção de ir fundo nele sem necessidade. Por que eu iria? Se eu me preocupar com um mundo do qual não faço parte e de onde eu nada posso tirar, onde eu nada posso acrescentar, por que me preocupar?

Muitos indivíduos chamados “alienados” na verdade são pessoas que resolveram prestar atenção em outros aspectos da vida que eles julgam ser importantes. A arte, por exemplo, sem finalidade em si é importante para os artistas, da mesma forma que a economia é importante para os economistas.

Claro que o indivíduo deve ter suas razões para prestar atenção naquilo que ele presta atenção, do contrário será apenas um distraído. Ainda não o chamaria de alienado, porque ele ele não foi “expelido” do mundo por alguma coisa, mas por conta própria, podendo voltar se assim quiser, portanto não perdendo completamente a ligação que tem com o mundo em que estava antes.

As pessoas falam muito da mídia alienadora, mas quer saber? Eu não assisto televisão nem ouço rádio. Sou alienado? No seu conceito, sim. Mas e se eu ouvisse rádio e vesse televisão? Também, porque a mídia aliena o indivíduo?

A mídia não nos é forçada, a mídia não fecha nossos olhos. Ela de fato distrai, mas, se isso for do nosso agrado, podemos prestar atenção em outras coisas que não a mídia ou até ir mais fundo no que a mídia diz para encontrar as verdadeiras informações por trás do que é manipulado. É muito fácil culpar a mídia quando metade da culpa dessa “alienação” é culpa do indivíduo que se deixa distrair por preguiça.

Eu girei a cadeira e tenho minhas razões para prestar atenção naquilo que presto atenção. Mas eu estou sozinho, quem gira a cadeira sou eu. Não existe alienação, o que existe é a liberdade de ver ou não ver, de ceder às distrações ou não, de emitir juízo de valor sobre o que lhe é oferecido.

Oneiric: Thunderbird agora se conecta ao Ubuntu One.

27 de setembro de 2011

Hoje tem médico.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yure @ 10:10

Infelizmente, tenho que ver um médico hoje à noite com minha mãe. Sinto que terei de tomar remédios aleatórios mais uma vez e não gosto disso, ninguém gosta de tomar uma coisa que na verdade não sabe o que é.

Minha mãe provavelmente vai falar dos meus enjoos e do meu antecedente de problemas psicológicos. Espero não ter de voltar para a terapia; não vou engolir outro antidepressivo ou anti ansiolítico. O que acontece na minha mente é problema meu e de quem eu deixar saber.

Já passei por muita fuleiragem por causa de psicólogos que jamais puderam me ajudar e psiquiatras que me enfiavam pílula após pílula. Minha mãe não olha por esse lado, embora eu entenda a preocupação dela. Eu prefiro ser hipnotizado e, se eu tivesse privacidade, já teria pedido ao Pilou para me hipnotizar.

Amanhã contarei como foi.

Oneiric: Kubuntu não mudou muita coisa com o lançamento do beta, Xubuntu teve a tela de login refeita usando LightDM, Lubuntu continua o mesmo por enquanto.

26 de setembro de 2011

Emetofobia de novo.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yure @ 12:51

Ontem, passei mal. Depois de um tempo, fui dormir, sentindo algum líquido no meu estômago. Sonhei que eu estava enjoado e acordei enjoado. Não pude ir para aula, nem tomar café da manhã. Implorei que minha mãe arrumasse Dramin B6. Tomei um. Acordei bem às dez da manhã.

Estou bem agora, mas minha mãe ficou muito preocupada. Verei o médico na noite de amanhã.

Provavelmente, vou se mandado novamente para a terapia.

Oneiric: suspender/hibernar ainda não foi implementado.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: