Analecto

27 de outubro de 2011

Desisto.

A disciplina de estrutura e funcionamento do ensino fundamental e médio não tem futuro; o ano letivo termina no dia 23 de Dezembro e estamos às portas de novembro. Não tem como recuperarmos três meses de aulas perdidas em um mês então parece que todos os inscritos na disciplina dela perderam tempo.

Tá vendo? É por isso que odeio carros! Eles poluem e atropelam professoras no primeiro dia de aula. É uma reação em cadeia, sem professor, sem disciplina, sem crédito, sem diploma fácil. Se bem que tem outras formas de se obter diplomas fáceis…

Imagino como seria se eu tivesse me inscrito na disciplina de psicologia evolutiva (adolescência), que é optativa para cursantes de Filosofia e certamente me seria útil na carreira de professor. Não me entenda mal, ainda tenho problemas sérios com psicólogos. Acho que o lugar deles é em laboratórios, não consultórios, esse é lugar dos psiquiatras e psicanalistas.

Anúncios

23 de outubro de 2011

Nós criamos muitas regras ao redor da sexualidade.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yure @ 13:03

Eu tinha dezesseis anos.

Minha mãe, testemunha de Jeová, havia me dado um livro chamado “Jovens Perguntam: Respostas Práticas”. Eu até que estava gostando do livro até chegar a um capítulo relativamente delicado: masturbação. Nunca fui o tipo de indivíduo que acredita em tudo o que ouve e, levando em consideração como o livro tratava o assunto, senti que aquilo estava incompleto e fugidio dos textos bíblicos citados como referência. Resolvi buscar respostas eu mesmo.

Precisei de muita força de vontade para digitar no Google, entre aspas, “masturbação é pecado”. Eu estava com medo de descobrir algum argumento que derrubasse minha crença de que masturbação era uma prática inocente e sem riscos. Eu tinha muito mais fé naquela época, acreditava que Deus era realmente um indivíduo pessoal que me escutaria e me atenderia se eu andasse dentro de seus princípios, então eu rezava antes de pesquisar para manter minhas bases fortes e não acreditar na palavra de qualquer um.

Coletei textos e textos, chequei referências e referências, refutei refutações e, em três meses, o maior texto que eu já digitei estava pronto. Um ano mais tarde, redigi uma versão condensada em inglês, uma vez que eu já havia me tornado ávido visitante de sites estrangeiros.

Uma coisa me intriga até hoje: qualquer um com um pingo de bom senso chegaria à mesma conclusão que eu cheguei, então como tem tnta gente que acredita que a masturbação é pecado? Ou a homossexualidade? Ou parafilias (das quais eu tenho umas quatro)?

Lendo a respeito, vejo que o sexo fazia muito mais sentido antes da Idade Média, com leis sobre igualdade e punição contra abusos. Era uma prática como qualquer outra, não havia motivos para punir demonstrações de sexualidade, embora punissem abusos porque era uma forma de violência. Ou seja, era necessário consenso, seja entre homens, mulheres, casais e por aí vai. Acho que o desprezo do corpo começou na Idade Antiga também, com a crença de que o corpo era uma prisão para a alma, atrapalhando-a em suas atividades intelectuais. A razão começou a sobrepujar necessidades corporais.

Com a vinda de Jesus, fomos encorajados a deixar algumas práticas sexuais de lado. Seus discípulos, principalmente Paulo, levaram isso um pouco longe demais. Os mandamentos entregues por Jesus não deveriam ser pesados, mas, aparentemente, Paulo recebeu influências de pensadores gregos da época, como epicurismo e estoicismo. Com que autoridade digo isso? Meus professores de ética me disseram isso e, olhando bem, há vários traços dessas disciplinas nos ensinos de Paulo. E alguns não aparecem nos Evangelhos. Digo, Paulo condena a homossexualidade, sendo que Jesus, ele mesmo, nos Evangelhos, nunca disse uma palavra contra os homossexuais. De onde Paulo tirou isso?

Eu ainda tenho muitas perguntas e poucas respostas a respeito disso, mas a Igreja importou certos conceitos da filosofia grega. E aí começou a grande dicotomia sobre masturbação ser ou não pecado. Santo Tomás de Aquino, num belo dia, resolveu refletir sobre sexo. Chegou a conclusão de que, sendo sexo uma coisa feita por Deus para reprodução e povoamento da Terra, quaisquer outras formas de sexualidade vão contra o propósito deste. Assim, masturbação e sexo que não visa reprodução vira pecado. Mas note que isso é pensamento de Aquino. A Bíblia é preto no branco, você não reflete, você faz. Não tem que refletir sobre sexo, não tem que refletir em religião.

Jesus entregou os ensinamentos de Deus para serem seguidos, não para se pensar sobre eles, do contrário não seriam ordens e sim sugestões… de ação… de Deus para os homens. Ridículo. Tudo isso começou porque alguém resolveu refletir e discutir o que não pode ser refletido nem discutido. Paulo, Aquino e agora todos aqueles que levam as bases divinas ao extremo com leis que não salvam ninguém tinham ou têm boas intenções (algumas vezes), mas estão fazendo errado. Se estivessem fazendo certo, não teríamos pessoas sexualmente hipócritas que dizem não praticar parafilias, mas as praticam em segredo porque não podem evitar; se estivessem fazendo certo, não teríamos jovens ficando deprimidos e sentido-se culpados até a morte porque não conseguem parar de se masturbar, o que é natural; se estivessem fazendo certo, não teríamos preconceitos com aqueles de caminhos sexuais diferentes, o que está em total desacordo com a ordem de amar ao próximo como a si mesmo.

Regras demais e poucos seguidores de fato. Na minha opinião, estamos no caminho errado.

21 de outubro de 2011

Propaganda.

Filed under: Computadores e Internet, Passatempos — Tags:, , , , — Yure @ 13:38

Graças ao advogado, o número de visualizações do meu blog atingiu cento e vinte e dois no dia vinte de outubro. Em um e-mail, ele me disse que dois terços do tempo que eu dedico ao PPT deve ser usado para redação e um terço para divulgação.

De fato, não tem muito sentido dizer para estrangeiros que tenho um blog, sendo que eles não entendem português e a maioria das minhas contas em sites de relacionamento ou sites de arte são voltadas ao exterior. Talvez eu deva falar mais com outros falantes de português. Na verdade, se você pesquisar por “Pedra, Papel e Tesoura” no Google, mesmo sem aspas, meu blog aparece na primeira página. Eu nunca pensei que isso fosse acontecer. De algum jeito, estou me saindo bem mesmo com poucas visitas.

Talvez eu deva divulgar meu diário em mais lugares, mas uma coisa me deixa com o pé atrás: odeio anúncios. Não é chato quando você se depara com um anúncio, clica e se decepciona com o resultado? Além disso, como eu iria anunciar? O que escrever? Supondo que eu fosse fazer um banner, o que eu colocaria nele, levando em consideração que este blog não se atém a um só assunto? Devo fazê-lo mais específico? Muitas perguntas para poucas respostas.

Talvez eu deva anunciar de forma atípica, para meus amigos, e deixar a propaganda por conta deles. Não que eu os esteja usando como meio de comunicação, mas, se eles gostam do que eu escrevo, vão obviamente contar a mais pessoas. Talvez não contem a respeito do blog em si, mas talvez façam referências a textos que aqui escrevo, tipo “li em certo blog que esqueci o nome que filosofia pode ser definida de forma mais simples para propósitos didáticos”. Isso seria ótimo. Gosto de ser ouvido e de ter minhas ideias circulando por aí, mesmo que o meu blog não necessariamente receba crédito por elas.

O que você acha, isto é, se alguém estiver lendo isto?

20 de outubro de 2011

Este lugar está meio morto.

De acordo com as estatísticas, apenas vinte e cinco indivíduos leram este blog nas últimas quarenta e oito horas. Bom, isto é só um diário de um furry… que gosta de umas coisas meio estranhas…

Ainda não temos aula da professora acidentada, suspeito de que ela esteja morta, e talvez todos os que se inscreveram na disciplina dela estão ferrados; não tem como recuperar três meses de aulas não dadas em um mês, dado que o ano letivo termina em dezembro. Não é desestimulante saber que você se inscreveu numa disciplina para nada e que poderia estar praticando outra disciplina qualquer?

Segundo minhas estatísticas, quando publiquei esta entrada, meu blog recebeu cento e nove visitas. Estranho, como o medidor geral pode medir vinte e cinco. Ah, espera… eu publiquei aquilo há mais de quarenta e oito horas…

19 de outubro de 2011

Distante.

Hoje a tal da Toddlergirl publicou um jornal dizendo que ela era muito egocêntrica e que deveria começar a pensar mais nos outros. Isso machucou um colega meu, o Marcus, porque o fez percebeu que age da mesma forma. Depois de tentar consolar o Marcus e mostrá-lo que ele não precisa realmente mudar, comecei a pensar em como eu trato os outros. Quando você refletir sobre seu comportamento, é desaconselhável que você ao mesmo tempo ouça Life in the Mines.

Curso Filosofia, isto já afasta muitos de mim, começando pelos meus pais. Minha mãe não mais escuto o que eu penso porque ela acha que filosofia e religião são opostos polares, o que não é verdade. De fato, essas perspectivas divergem em vários pontos, mas não se excluem. Passo a maior parte do tempo no computador, conversando com alguém através do Empathy, compondo ou digitando histórias e linhas de comando. Isso significa que minha vida social fica restrita à Internet. Isso afasta as pessoas mais próximas de mim e aproxima quem está bem distante, já que mais da metade dos meus contatos é do exterior.

Mesmo na Internet, fico restrito a um grupinho de amigos de verdade, enquanto a maioria realmente não conversa comigo. Para eles, devo ser apenas aquele cara estranho que vez por outra quebra o silêncio de sua concha com notas de Zynaddsubfx. Devo ser aquele nerd suburbano que se esconde atrás de notas MIDI. Talvez só mais um indivíduo complicado.

O fato de eu não falar com todo o mundo na Internet leva alguns a pensar que minha vida social fora do computador é ativa e isso não é verdade. O fato de muitos verem quanto tempo passo na Internet leva esses muitos a acreditar que minha vida na Internet é muito ativa. Na verdade, eu não sei onde estou. Só sei que existo de algum jeito. Como será que as pessoas me encaram?

18 de outubro de 2011

Como explico?

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yure @ 08:58

Comprei fraldas ontem. Meu irmão suspeita da existência de algo obscuro na minha mochila e minha mãe já até as achou (invasão de privacidade absoluta). Consegui me safar porque nenhum dos dois poderia imaginar que eu na verdade sou fã de regressão. A natureza das desculpas que eu dei fica por conta da sua imaginação.

Estou nervoso até agora, por que meu irmão fica dizendo que vai olhar o que tem na minha mochila, mas acho que ele sabe, pelo tom da minha voz sempre que ele diz isso, que ele vai se arrepender muito se o fizer.

De toda forma, quero que chegue logo domingo para eu acabar com isso de vez. Até lá, tenho que pôr as fraldas num lugar seguro. Vocês não têm ideia do quão nervoso estou, mas isso é até estimulante à sua própria maneira…

13 de outubro de 2011

Meio-amargo.

Hoje sai o novo Ubuntu, pelo qual eu tanto esperava. Acham que estou feliz? Estou feliz pelo sistema, mas uma coisa me incomoda: minha mãe conseguiu vender a casa na qual morei por dezenove anos. Sem o mínimo de consideração, ela resolveu ignorar tudo o que eu disse a ela, porque ela é cega e quer se mudar para o fim do mundo. Durante os próximos dias, estarei deprimido e provavelmente não poderei aproveitar o sistema completamente.
Como o computador não é só meu, tenho que levar em consideração o que os outros pensam da formatação. Já que meu irmão rejeita a ideia, eu, como administrador democrático, resolvi atualizar pelo gerenciador de atualizações, assim a formatação não é necessária.
Enquanto espero o sistema atualizar, fico ouvindo música triste. Perdi maior parte do respeito que eu tinha pela minha mãe e agora só consigo pensar em arrumar um emprego e deixá-la para trás. Isso não estava nos meus planos. Ou eu poderia esperar ela morrer e se apossar da casa dela, além de receber o salário dela (funcionária pública) até eu me formar.

12 de outubro de 2011

O que aconteceu ontem.

O tema do Pedra, Papel e Tesoura foi alterado permanentemente para WordPress Classic. Ele vai carregar mais rápido, ficará mais suave aos olhos, e o texto ficará sob o foco o principal.

Amanhã acontecerá o lançamento da versão oficial do Ubuntu 11.10, o Oneiric Ocelot. Por incrível que pareça, Darcin não vai mudar para 11.10 porque o suporte ao navegador Opera parece ter ido para Tóquio, o que significa que Opera não é mais suportado pelo sistema. Além disso, ele se apegou ao Ubuntu Furry Remix, originalmente feito para Lucid, se não me engano, e que não é suportado pelo LightDM.

Aparentemente, a creche entrará em greve de novo, só para manter a tradição. A creche é muito conhecida por suas greves, que não seriam tão frequentes se nossos professores não se importassem com causas sociais (não que eles não devam) ou se o governo deixasse de tentar esmagar os professores, a classe que mais ataca os políticos.

Hoje é dia das crianças (que padroeira?) e me sinto meio frustrado por não ter conseguido as fraldas que eu tanto queria, mas eu tenho dinheiro e sexta-feira eu colocarei minhas patas nelas a não ser que minha mãe descubra o que está acontecendo com as sobras do dinheiro das passagens. Arriscado? Com certeza. Imprudente? Talvez.

Ontem conheci um ex-testemunha de Jeová no Sofurry. Pretendo ter algumas conversinhas com ele para entender a religião da minha mãe segundo a visão de um apóstata. Não que eu vá ficar contra minha amada mãe, mas este é um assunto que me interessa. No Inkbunny, Hatch disse que procurava por compositores para seus jogos por anos e não sabia que eu escrevia música, mesmo eu comentando nas imagens dele há um ano. Até agora, quatro designers me descobriram e estou trabalhando para dois deles.

11 de outubro de 2011

Mas todo mundo usa!

Filed under: Computadores e Internet — Tags:, , , — Yure @ 12:21

Pois é, escrevi o trabalho da minha mãe usando Broffice 3 Writer. Tive que imprimi-lo na Informar, onde eles usam Microsoft Word e, desnecessário dizer, não ficou bom. Minha mãe gritou comigo porque ela acha extremamente irritante que eu tenha decidido usar programas livres ao invés de programas proprietários.

Se ela quiser que eu use, que pague por esses programas, porque eu não vou dar “crack”. Não é porque todos na minha cidade usam software crackeado que eu deva também usar (todos os usuários de Windows e Office que eu conheço na vida real adquiriram suas versões atuais desses programas por meio de métodos ilegais). Ela sabe disso e ainda é testemunha de Jeová. Ela não deveria simplesmente me dizer para “adquirir” o Word. Além do mais, Broffice é muito melhor, mas ela não está interessada no que eu penso; ela quer que eu use o que todo o mundo usa. Não é engraçado quando seus pais tentam acabar com sua personalidade?

9 de outubro de 2011

Pinguinite.

Filed under: Computadores e Internet — Tags:, , , — Yure @ 11:41
  • Acho que é porque eu uso Linux – disse meu irmão.
    Ele estava reclamando sobre o porquê de ele não conseguir aprender como comprimir vários arquivos de vídeo num disco. Na verdade, ele é muito preguiçoso e nem sequer procurou saber como fazer e simplesmente supôs que o fato de usarmos Linux era o bastante para estragar tudo… e que os amigos dele conseguiam porque usavam Windows.
    Por algum motivo obscuro, fiquei com ódio mortal dele e repliquei:
  • Ponha uma coisa na sua cabeça, o que Windows faz, Linux faz melhor!
    Daí ele disse que tudo bem e saiu. E eu fiquei lá, me perguntando de onde aquele impulso veio. Devo estar passando tempo demais com o Darcin.
    O que importa é que agora sinto uma urgência de aprender a fazer a tal compressão (“truque do .avi”) e esfregar na cara dele.
    Eu deveria ter ouvido o meu amigo…
Older Posts »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: