Analecto

24 de outubro de 2012

Triste.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yure @ 20:59

Aah oh OMG OHSHIT! by Furrito — Fur Affinity [dot] net.

Sabe quando você tem seu propósito tirado de você? Essas aulas de história da filosofia estão ficando cada vez mais estressantes, não por causa da quantidade de trabalho, que é mínima, mas porque meus professores martelam que a filosofia morreu.

Hoje estudamos Marx e sua crítica a Feuerbach. Na sua última crítica, ele declara a morte (perda de sentido) da filosofia e que devemos fazer algo diferente de agora em diante, a práxis, a categoria magna de Marx. Os filósofos já interpretaram o mundo e agora nos cabe mudá-lo. A filosofia por acaso não pode fazer isso? Se a filosofia de fato morreu, o que eu estou fazendo na universidade?

Há duas razões pelas quais eu não desisto do curso, contudo. Primeiro, eu estaria jogando fora todos os esforços do meu amigo. Segundo, eu não tenho para onde ir.

Quando eu tinha treze anos e tive minha primeira aula de filosofia, eu sabia que era aquilo que eu queria fazer quando me tornasse adulto. Claro que, com o passar do tempo, percebi que não é um pedaço de papel que lhe faz filósofo, mas a capacidade de chegar a conclusões sozinho, a busca por saber mais, não para a simples coleção de saberes, mas para descobrir saberes implícitos, detalhes que ninguém percebeu e que poderiam mudar o rumo da humanidade, como vêm fazendo desde a Antiguidade. E para isso você não precisa de diploma. Mas eu precisava me sustentar de alguma forma e vi que a licenciatura era mais compatível com meu objetivo de vida. Longe de dizer que eu curso filosofia visando principalmente minha autopreservação, mas não seria ótimo trabalhar com aquilo que você gosta?

Estou desanimado e fraco, mas o que eu posso fazer se não aguentar firme? Se bem que a parte do “firme” ficarei devendo. Acho que estou simplesmente deixando o rio me levar em qualquer direção. As pessoas chamam isso de desespero; o que posso fazer? Nada, certo? Não posso deixar o curso de filosofia porque nenhum outro curso me desperta interesse, lutei com todas as forças para entrar na universidade e tive a ajuda de muitas pessoas para continuar nela. Agora que o sentido começa a se perder, o mundo fica cada vez mais intolerável. Esta disciplina está me fazendo mal.

Se a filosofia morreu e o curso não faz sentido, por que continuar gastando dinheiro público na faculdade de filosofia? É como investir numa faculdade de alquimia ao invés de química. Filosofia talvez seja necessária para formar o adolescente no Ensino Médio e torná-lo um indivíduo reto, mas, se for assim, filosofia poderia se tornar uma disciplina integrante do curso de pedagogia sem muitos problemas. Filosofia dos níveis um a quatro, cinco e seis sendo optativos (afinal, não faz sentido estudar filosofia além de história da filosofia nível cinco), em seguida ministrados no Ensino Médio sob o rótulo de “formação humana”.

Claro que a filosofia poderia englobar a prática e até pactuar com a práxis marxista, mas, pensando bem, que outro campo do conhecimento já não faz isso? E todos eles parecem mais capazes e úteis que a filosofia, embora nem sempre disponham de senso crítico e moral, mas teóricos da ética nem sempre são filósofos.

Há uma vantagem na tendência do jovem de não saber o que fazer da vida: várias possibilidades lhe passam pela mente. Eu nunca vi outra possibilidade, sempre vi todos os outros saberes como periféricos da filosofia e nada seria mais importante que ela. Eu estudei por anos, mesmo antes de entrar na universidade, livros e livros na biblioteca da escola, dos mais didáticos e atraentes aos mais eruditos e complicados. Eu não perdia uma página e foi assim por três anos, até a época do vestibular chegar e o furry fandom tomar grande parte da minha atenção. Quando entrei na faculdade, meu interesse se renovou. Passei por altos e baixos, claro, mas sobrevivi até este ponto. É como subir uma escada enorme e, perto do fim, alguém lhe empurra para baixo.

Como dito, não é como se eu tivesse escolha agora. Tenho que continuar com filosofia porque não há outra coisa a ser feita. Mas sinto um crescente vazio na minha mente agora, acho que minha alma ficava lá.

Anúncios

9 Comentários »

  1. […] precisem de conserto. E por pouco meu professor tirava até isso de mim. Se o tivesse feito, eu me suicidaria. Admito que sem essa razão de viver sou como qualquer outro jovem que não sabe o que fazer da […]

    Curtir

    Pingback por Na mesma semana. | Pedra, Papel e Tesoura. — 19 de maio de 2013 @ 18:28

  2. “If not this, then what am I good for?”… same thing I was asking when in Med school…
    Like Roger said, there are many people that don’t really follow their education as a job (it might surprise you to see an engineer here working as a taxi driver, no kidding)…

    But I’m sure philosophy has a secondary (or similar) career choice… maybe psychology as I have seen that you helped me out lots and kinda given me little “therapy” sessions in FA.
    Don’t feel bad about it… you might be near the top of the stairs and a sign appears saying “Go back down”, but wouldn’t you rather just finish and see what really IS at the top?? Just keep going and finish strong, and perhaps you might find out that philosophy really isn’t dead, for if it was, why on earth would there still be a university for it like you said?? Seems illogical to have a school for something that doesn’t even exist anymore…

    Continue on and finish strong is all I could recommend… finish that dream you had and then pursue other goals and that way you won’t regret anything….

    Curtir

    Comentário por 1childish1 — 25 de outubro de 2012 @ 12:13

    • But, from my experience, clinical psychology is a fraud. I don’t think that what I did to you was clinical psychology, but it surely was counseling. There are clinical philosophers, but the lessons for it are expensive and I would have to travel down to South to learn it, plus I would have no guarantee that someone would be my… well, costumer, considering how pills are popular. But there’s no way I can study that anyway. As I said to Roger, it isn’t as simple as choosing a career. I could work at anything, really, but philosophy was way more than just a job choice. Actually, there’s no such thing as “working as philosopher”, I did not pick it just because I wanted to be teacher (I could be teacher in other field), but for several other reasons. Wasn’t just a possibility of having a job that was just taken away.

      Curtir

      Comentário por Yure T. Kitten — 25 de outubro de 2012 @ 17:13

      • “Wasn’t just a possibility of having a job that was just taken away”

        Then what it is? you can always develop branch of existencialism, marxism… etc… etc… in order to get your goal in life. It isn´t the work of a phisosopher?

        Curtir

        Comentário por Roger — 25 de outubro de 2012 @ 22:31

        • It was my whole purpose in life that was taken. Usually, people only realize if they are wasting their life when they are around 40 or 50 years old and I feel like I wasted mine. I could, but it bothers me that it seems to be futile to insist into philosophy if it’s really “dead”.

          Curtir

          Comentário por Yure T. Kitten — 26 de outubro de 2012 @ 14:19

  3. You´re not alone… even before high school, I used to do the same thing you did.
    Used to read all kinds of books, but mostly the enigineering ones. Never took another science but engineering.

    However… nah! don´t worry too much about it, careers are just another step inside our education! Many people end doing something totally
    different from their studies!

    Look it at this way: If you don´t get any job as philosopher (wich is something hard to belive) you can always go a step further and study a master degree on something parallel to your studies: from psichiatrics to administration.

    However, never forgett it is always up to one to improve. (El que es gallo, en todos lados canta “Popular saying”)

    Curtir

    Comentário por Roger — 24 de outubro de 2012 @ 22:55

    • Isn’t a simple career problem, Roger; it’s the north of my life. Isn’t as simple as something like “I lost my job or my view of job, gotta get another”, because philosophy is, for me, something that transcends the field of mere survival. It’s complicated, you gotta understand the reason of my life first. Down here, there’s no such thing as “working as philosopher”. A philosopher can work in several places in different positions, but a philosopher can’t really work as “philosopher”. He can be a teacher, a writer, a technical in human resources, debater, politician, social engineer and even therapist.

      Curtir

      Comentário por Yure T. Kitten — 25 de outubro de 2012 @ 17:06

      • Neither here… I wonder if ever it had existed a “job” like that. Look man, the way the thing look like for me: Philosophy is one of the most important things of life, however, cause it´s own nature, it doesn´t have a “direct” aplicattion inside non-trascendental life.
        You´re sad for that? Guessed you already knew so!

        If I were on your shoes, I would start to look what I can do to make philosophy to help me to improve one of those jobs that meets your goals in life!

        You said that:

        “…Eu quero construir pessoas de forma que elas não precisem de conserto. Será difícil, estressante e injusto, mas eu prefiro fazer isso e ganhar uma miséria (bem-vindo ao Brasil) do que trabalhar e conseguir melhoras só para mim. Até eu conseguir minha licença, tento ajudar meus amigos com seus problemas, ouvindo-os e dando conselhos. Eu amo vê-los felizes, amo quando eles me agradecem pela ajuda, por ajudá-los a sentirem-se melhor e eu posso olhar para janeiro e me sentir satisfeito por puxar alguém para fora da depressão, fazê-lo entender-se e aceitar quem ele é. Posso olhar para trás e ver que eu estou fazendo a coisa certa e que minha existência é justificada…”

        Then, the path looks clear to me: Put your knowledege to work to meet that target!

        P.S.

        when you said: “…do que trabalhar e conseguir melhoras só para mim…”

        Well it made me feel quite unconfortable, because, as engineer, I can do a lot of things to get improvements for the others too, if put my knowledege into it… Think about it.

        Curtir

        Comentário por Roger — 25 de outubro de 2012 @ 22:23

        • When I said that, I was being altruistic. Maybe you misunderstood it. And philosophy has a pratical use. But no one seems to get it in that class, aside of me. Everytime I try to point it, my teacher say it isn’t suitable to the subject of that class. But if there’s a pratical use in philosophy and, for Marx, all philosophy is speculative, then Marx is wrong in saying that philosophy is dead for having no pratical use, when it actually has. Not that people are willing to hear me, as it seems to be me against Marx and my teachers. Seems like empirism can’t be considered philosophy, at least not in that class.

          Curtir

          Comentário por Yure T. Kitten — 26 de outubro de 2012 @ 14:16


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: