Analecto

29 de agosto de 2013

As pessoas ficaram perturbadas.

Estou dormindo mal pacas. Não sei exatamente o que está havendo comigo, mas o meu sono tem ficado muito mais leve. Eu não costumava me incomodar, por exemplo, com luz e pequenos ruídos. Mas agora isso faz tanta diferença que estou dormindo cada vez menos.

As aulas de filosofia da educação estão bem monótonas, mas isso porque não vou muito com a cara do Walter Benjamin. Hoje faltei aula porque perdi o ônibus, contudo. Longe de isso ser uma perda total, já que pude recuperar o sono perdido.

Hoje tinha uma faixa do grupo feminista local perto do auditório. Fiquei pasmo com aquilo, por uma variedade de razões. Tanto que deixei minha mochila cair imediatamente. Mas, de toda forma… A aula de antropologia filosófica foi legal hoje; discutimos o antidogmatismo do indivíduo moderno. Sabe, como agora as verdades absolutas estão em declínio constante e como a ciência, que é algo alienado do humano, parece reforçar isso cada vez mais, as pessoas estão mortalmente fragilizadas. O ser humano precisa de algo para lhe dar estabilidade e segurança, do contrário ficará louco. De fato, numa época em que a metafísica perdeu crédito e Deus tornou-se cada vez mais distante (o que foi escolha nossa), as pessoas ficaram perturbadas. Perturbadas! De acordo com o professor, a literatura que mais vende hoje em dia é a literatura de auto-ajuda, as pessoas que são consideradas mais importantes e dignas de repeito são, no Brasil, celebridades inúteis, nunca se foi tanto à igrejas populares que se dizem protestantes e, nos Estados Unidos, o remédio que mais vende é o antidepressivo. Num naufrágio, você se agarra à qualquer tábua.

O pior é que nenhuma dessas superstições, alentos e remédios são de boa qualidade; elas tornaram-se mercadoria também e viu-se que não é preciso muito para essa mercadoria vender bem, logo seus fabricantes não se importam em fazer algo de qualidade.

Older Posts »

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: