Analecto

3 de outubro de 2013

Foi aí que chorei.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , — Yure @ 23:39

Hegel, destruidor de papel, de tempo e de mentes! Na Alemanha, Hegel, um charlatão repugnante, estúpido e escrevinhador de disparates sem igual, conseguiu ser aclamado como o maior filósofo de todos os tempos … Enquanto outros sofistas, charlatães e obscurantistas falsificam e arruínam apenas o conhecimento, Hegel destruiu até mesmo o órgão do conhecimento, a própria inteligência.

Arthur Schopenhauer – Wikiquote.

Pena que a Semana Filosófica está chegando ao seu fim. Os dois primeiros dias foram um saco, admito, mas os dois últimos dias de minicursos foram magistrais, porque foram apresentados por alunos seguros do que estavam fazendo e por um doutor em Schopenhauer. Refleti feito um espelho, involuntariamente, participei das discussões, ri, chorei, foi maravilhoso.

Ontem estudamos os elementos do antissemitismo do ponto de vista de Adorno e Horkheimer. Foi-nos apresentado um pedaço do filme O Pianista e foi aí que chorei. Credo, o Nazismo foi mesmo um verdadeiro absurdo e ver aquelas imagens do filme foi muito mais tocante que simplesmente ler um livro de história. Deus do céu, onde esteves quando aquilo aconteceu? Depois falamos do tal eclipse da razão. Todo o esclarecimento que ocorreu na Europa e particularmente na Alemanha deu naquilo, quando a razão alemã foi avidamente exaltada pelo Idealismo Alemão (aquele Fichte é um canalha; onde já se viu dizer que os alemães são melhores que as outras ração simplesmente porque seu idioma não se misturou a nenhum outro?). Foi-nos explicado os métodos que Hitler usou para manipular a população e só lembrei de um colega meu do Ensino Médio que era apaixonado pelo Nazismo (não o bastante pra ser nazista, mas o bastante para estudá-lo como quem tem fome de saber). Quem dera ele estivesse lá; iria adorar.

Depois teve o minicurso de Schopenhauer e foi aí que ri. O doutor foi categórico, Schopenhauer está errado, você não deveria ler Schopenhauer procurando por verdades filosóficas porque Schopenhauer é contraditório, insustentável e simplesmente incorreto em muitas coisas cruciais. Você deveria ler Schopenhauer, contudo, para aprender a arte de desconfiar das coisas, para entrar em contato com o único filósofo até o momento que disse que o corpo é a porta para a verdadeira metafísica… ou pra dar risada, visto que ele escreve de forma relativamente clara, em contraste com os outros filósofos alemães de seu tempo, e é morbidamente engraçado.

%d blogueiros gostam disto: