Analecto

25 de janeiro de 2015

O que aprendi lendo “Mênon”.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , — Yurinho @ 18:30

Mênon” foi escrito por Platão. Abaixo, o que aprendi lendo esse livro.

  1. Como adquirimos virtude?
  2. Não é possível definir virtude fazendo uma lista de virtudes disponíveis: é necessário pensar no que faz uma virtude ser virtude, que é um processo subtrativo.
  3. Por exemplo, se existe uma virtude para o homem e outra para a mulher, será que são diferentes?
  4. A saúde é a mesma em todos, por partilhar de características comuns.
  5. Justiça é uma virtude, não simplesmente “virtude”: tem também a coragem e a temperança, por exemplo.
  6. Não podemos dizer o que é uma figura dizendo que é “quadrado” ou “círculo”, nem dizer o que é a cor dizendo que é “branco” ou “azul”: uma definição passa por todos esses casos.
  7. Sócrates tenta definir a forma como “ente que sempre acompanha a cor”, só que ninguém explicou ainda o que é a cor, o que torna a definição de forma imprecisa.
  8. Você sabe o que é “término” ou “limite”, “sólido” e “superfície”?
  9. Todos procuram o bem; se procuram algo danoso é por ignorarem que é danoso.
  10. A virtude, então, parece estar não na vontade de ter coisas boas, mas na capacidade de consegui-las.
  11. Só que também não funciona dessa forma; é possível conseguir coisas boas injustamente.
  12. Como é que virtude é conseguir coisas justamente, se justiça por si já é considerada virtude?
  13. Como buscar o que se ignora, como buscar o que não conheço se nem sei o que procuro?
  14. A aporia é necessária: faz a pessoa tomar-se conta da própria ignorância.
  15. Todos parecem ter conhecimento latente que pode ser invocado através de questionamento.
  16. Se virtude for ciência, pode ser ensinada.
  17. Qualquer coisa conduzida cientificamente leva ao bem.
  18. Se virtude é ensinável, como é que não há “professores de virtude” nem gente querendo aprender virtude?
  19. Quem faz nem sempre é quem ensina e quem ensina nem sempre faz.
  20. Os sofistas não ensinam virtude.
  21. Se o homem virtuoso pudesse ensinar virtude, abriria uma escola disso!
  22. Se houvessem professores de virtude, deveriam concordar quanto ao grau de apreensão da virtude, mas se observa que pessoas virtuosas não estão de acordo quando a virtude ser ou não ensinável.
  23. Sofistas, por professarem que virtude se ensina ou não dependendo da situação, não são professores de virtude.
  24. Depois de perdida a virtude, não será a educação capaz de restaurá-la…
  25. Mesmo os que afirmam que a virtude pode ser ensinada se mostram confusos ao falar da própria virtude.
  26. Virtude não é ciência.
  27. Opinião verdadeira não produz resultado inferior à ciência.
  28. É pelo cálculo que a opinião correta torna-se ciência e, portanto, estável.
  29. Se a pessoa pode se tornar virtuosa aprendendo, então virtude não é inata.
  30. A definição de virtude é inclusiva e, como a definição, suas características são também inconclusivas.

7 Comentários »

  1. […] não é possível conhecer o que se ignora. Logicamente, mas lembrando que nem tudo o que faz sentido é verdade. Quando […]

    Curtir

    Pingback por Alcibíades I. | Analecto — 19 de outubro de 2017 @ 12:04

  2. […] A sua imortalidade é especulada. Ela fala de ressurreição dos corpos, é verdade, mas não de migração das […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre o dicionário filosófico. | Pedra, Papel e Tesoura. — 27 de setembro de 2016 @ 14:19

  3. […] se fossem inatas, as crianças saberiam. Platão dirá que elas nascem, sim, conosco, mas estão esquecidas e devem ser lembradas. Porém, Platão ressalva que a alma as aprendeu no mundo espiritual, antes […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre o ensaio sobre o entendimento humano. | Pedra, Papel e Tesoura. — 17 de julho de 2016 @ 11:29

  4. […] é o limite de um corpo. As figuras são nomeadas segundo a aparência dos […]

    Curtir

    Pingback por Regras para a condução da inteligência. | Pedra, Papel e Tesoura. — 17 de março de 2016 @ 12:11

  5. […] Se a memória pode absorver coisas que não vem através de sentido algum, de onde vieram essas coisas? Aqui, talvez haja uma referência ao inatismo. […]

    Curtir

    Pingback por As confissões. | Pedra, Papel e Tesoura. — 16 de julho de 2015 @ 19:36

  6. […] Ano passado, li Alcibíades I, Apologia de Sócrates, República, Elogio de Helena, Fédon, Fedro, Mênon, Metafísica, dois livros sobre os pré-socráticos, Banquete e Teeteto. É que literatura não é […]

    Curtir

    Pingback por Carta trocada com um amigo. | Pedra, Papel e Tesoura. — 22 de junho de 2015 @ 09:54

  7. […] deixou a definição de virtude em aberto, mas diz que ela é fruto de uma feliz opinião que vem de algum lugar. Mas Aristóteles diz que a […]

    Curtir

    Pingback por Ética a Nicômaco. | Pedra, Papel e Tesoura. — 24 de maio de 2015 @ 00:57


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: