Analecto

24 de novembro de 2015

O que o texto diz.

Filed under: Não categorizado — Yurinho @ 15:56

O texto abaixo é uma honesta aula filosófica baseada em 9 Dicas para Melhorar a Interpretação de Textos, com sugestões de como as ideias contidas em tal escrito podem ser usadas para desenvolver o país e ajudar as pessoas a se compreenderem.

O que o texto diz.

Um texto tem dois níveis de compreensão: o nível explícito e o implícito. O nível explícito é o nível literal. Trata-se do que o texto está dizendo, literalmente. O nível implícito contém as informações que estão latentes no texto, mas que não estão explicitamente escritas. Por exemplo, quando eu digo “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, em nível literal, eu estou dizendo que a água, apesar de mole, pode furar uma pedra se houver uma goteira sempre gotejando água sobre a mesma área da pedra. Mas, em sentido implícito, eu estou dizendo que qualquer um pode ceder à pressão regularmente exercida, seja física, mental ou social. Pra usar uma metáfora da informática: o nível explícito é o arquivo, mas o nível implícito são seus metadados. Mesmo que o texto não diga, muitas vezes é possível dizer qual é seu público-alvo, em que ano foi escrito e onde, por qual tipo de pessoa, além de quais informações o texto quer passar, mas sem mostrá-las explicitamente.

Para sermos capazes de interpretar um texto, isto é, chegar ao seu nível implícito, é preciso lê-lo todo, às vezes mais de uma vez. Ao fazer isso, tente compreender um parágrafo ou uma página de cada vez, tentando extrair do pedaço que você está lendo a ideia que o autor está defendendo. Veja bem: interpretar um texto é trabalhar com as ideias do autor e não com as suas. Então, se o autor diz algo com que você discorda ou que te deixa desconfortável ou ofendido, é importante não cessar a leitura e apreender esse ponto controverso. Se você ignorar todos os pontos de discordância entre você e o autor, você não compreenderá o texto. Então, não passe por cima do que você discorda

Depois que tiver lido todos os parágrafos e tiver compreendido cada parágrafo em separado, você deverá ser capaz de juntar a informação objetiva em um todo orgânico, juntando o que você aprendeu de cada seção. Com isso, é possível dizer qual é a ideia central do texto e os argumentos usados em sua defesa. A partir disso e da linguagem do texto, é possível também que o especialista diga quem escreveu, onde, quando e pra quem. Se bem que isso nem sempre é possível ao mero estudante.

Recomendações.

Para ler e compreender um texto, é preciso lê-lo todo. Mas tal leitura pode ser feita analiticamente, isto é, pedaço por pedaço. Há outro truque bem interessante, que é fazer anotações pra fixar o que está sendo lido. Sempre que você ler algo que você considera útil ou construtivo, anote aquilo, mas não tal como está no texto e, sim, com suas próprias palavras. Ao anotar um trabalho, não reescreva o conteúdo, mas escreva o que você aprendeu ao ler aquele conteúdo. Isso ajuda você a guardar o que você está aprendendo apesar da memória que você tem do texto. Afinal, o texto você pode esquecer, mas fazer anotações sobre o texto ajuda você a não esquecer o que você aprendeu do texto.

Tal habilidade pode ser útil também fora do âmbito acadêmico ou escolar. Muita gente não é capaz de interpretar um texto noticiário e isso é muito grave em tempos de instabilidade política e econômica. Nos dão informação de todas as partes, mas, se ficamos apenas no nível literal do texto, a manipulação se dá facilmente. Por exemplo, suponhamos que você veja um texto noticiário comemorando que algo em torno de 60% da população brasileira prefere a democracia em relação a uma ditadura. Isso é algo que se comemore? Por que, se 60% preferem uma democracia, então 40% não preferem ou não sabem. 40% é muito! Isso é preocupante. Como dissemos, existe um nível implícito em cada texto e explorar esse nível é necessário também para compreendê-lo.

Por causa disso, técnicas de interpretação de texto não são úteis apenas pra passar em provas ou pra ler livros, mas também são úteis pra ler qualquer tipo de texto de forma a tirar dele também informações ocultas. Num país onde muita gente não entende o que lê, a falta desta perícia permite a fácil manipulação das massas pela mídia vigarista que explora sua ignorância. Portanto, pratique sua interpretação textual e exerça-a na vida cotidiana, não somente na escola.

28 Comentários »

  1. […] preciso “visar” um aqui ou um agora, fazer um recorte do eterno ou do infinito pra que eu possa dizer […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre a fenomenologia do espírito. | Analecto — 16 de novembro de 2018 @ 21:28

  2. […] As causas não podem regredir infinitamente. […]

    Curtir

    Pingback por O que aprendi lendo “Fedro”. | Analecto — 3 de outubro de 2018 @ 14:06

  3. […] is this indeterminate present that we constantly divide, and consequently infer that there must be something that has always existed, otherwise nothing would exist now (hence our concept of succession is […]

    Curtir

    Pingback por Notes on Locke’s “Essay on Human Understanding.” | Analecto — 4 de setembro de 2018 @ 15:49

  4. […] Nothing comes from nothing. […]

    Curtir

    Pingback por Notes on the “Emile”, by Rousseau. | Analecto — 4 de agosto de 2018 @ 16:23

  5. […] Só podemos estudar o todo se o seccionarmos. […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre “A Evolução Criadora”, de Henri Bergson. | Analecto — 2 de julho de 2018 @ 14:39

  6. […] pressupostos e executa sobre eles. Se você for religioso e está se sentindo mal lendo, vá ler a Suma Contra os Gentios, tá certo? Ou os Pensamentos. Não precisa continuar se não quiser, […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre a essência do cristianismo. | Analecto — 4 de setembro de 2017 @ 14:08

  7. […] de Sócrates. Isso dá a impressão, pro leigo que não sabe o que é filosofia nem o quanto a religião deve a esta, de que filosofia é coisa de ateu e que a filosofia te tornará ateu se você deixar. […]

    Curtir

    Pingback por Eu assiti “Deus Não Está Morto.” | Pedra, Papel e Tesoura. — 25 de fevereiro de 2017 @ 12:37

  8. […] imortal, ainda precisa de um começo. Eventualmente, algo teria que vir do nada através de um ato criativo. Do contrário, todas as almas seriam co-eternas a […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre a crítica da razão pura. | Pedra, Papel e Tesoura. — 31 de janeiro de 2017 @ 10:58

  9. […] violência feita às inclinações do subjugado. Isso é contraditório. Ou é voluntário ou é violento. Não posso sofrer violência voluntária, mesmo quando essa violência é consequência […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre a crítica da razão prática. | Pedra, Papel e Tesoura. — 22 de janeiro de 2017 @ 20:35

  10. […] natureza, obra divina, é perfeita. O ser humano, imperfeito, muitas vezes arruína o trabalho divino. Não se falava tanto de […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre o Emílio. | Pedra, Papel e Tesoura. — 6 de janeiro de 2017 @ 20:25

  11. […] isso não é possível: Deus fez o mundo fazendo escolhas e fez as melhores escolhas porque é sumamente sábio. Então, por “mundo”, Leibniz entende toda a criação. Seu argumento é belíssimo, […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre o Candido ou o otimismo. | Pedra, Papel e Tesoura. — 5 de outubro de 2016 @ 16:38

  12. […] de efeitos, eventualmente, se extingue, porque sabemos que, depois de iniciado, a menos que seja mantido, o movimento […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre o dicionário filosófico. | Pedra, Papel e Tesoura. — 27 de setembro de 2016 @ 14:19

  13. […] pra longe do pai e criá-lo sozinha, nem o pai deveria se afastar da mãe depois que o filho nasce. Tomás chega a conclusões […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre os dois tratados sobre o governo. | Pedra, Papel e Tesoura. — 12 de agosto de 2016 @ 21:20

  14. […] que é esse presente indeterminado que dividimos, e, consequentemente, inferimos que deve haver algo que sempre existiu, pois, de outra forma, nada existiria agora (logo, que nosso conceito de […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre o ensaio sobre o entendimento humano. | Pedra, Papel e Tesoura. — 17 de julho de 2016 @ 11:29

  15. […] põe isso em palavras claras. Eu não posso derivar a existência de algo pela sua definição. Tomás […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre o proslogion. | Pedra, Papel e Tesoura. — 9 de julho de 2016 @ 11:30

  16. […] Deus existe. […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre a monadologia. | Pedra, Papel e Tesoura. — 26 de junho de 2016 @ 09:17

  17. […] a alma só pode ser criada por um milagre criativo e destruídas por um milagre destrutivo, não há outra coisa que possa matar a alma além […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre o novo sistema da natureza. | Pedra, Papel e Tesoura. — 23 de junho de 2016 @ 09:15

  18. […] é par ou ímpar? Deve ser um dos dois, já que é um número. Então, não é possível conhecer o infinito […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre os pensamentos. | Pedra, Papel e Tesoura. — 21 de junho de 2016 @ 08:52

  19. […] criaturas são as máquinas. Se alma é princípio de movimento, o autômato tem alma em certo […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre o leviatã. | Pedra, Papel e Tesoura. — 6 de junho de 2016 @ 20:53

  20. […] fato de Deus ser sumamente sábio não põe todos os seres humanos no mesmo nível de sabedoria. Existem, sim, pessoas mais […]

    Curtir

    Pingback por Anotações sobre os princípios da filosofia. | Pedra, Papel e Tesoura. — 8 de maio de 2016 @ 11:48

  21. […] admitimos que a escala de graus de perfeição opera de forma invertida, então admitimos que todas as coisas vieram do nada. Com efeito, segundo […]

    Curtir

    Pingback por Discurso sobre o método. | Pedra, Papel e Tesoura. — 29 de março de 2016 @ 17:20

  22. […] aos graus de perfeição. Deus é sumamente perfeito, então ele cria outros seres menos perfeitos que ele; não haveria […]

    Curtir

    Pingback por Meditações metafísicas. | Pedra, Papel e Tesoura. — 24 de março de 2016 @ 08:04

  23. […] diz: se eu existo, Deus também existe. Isso porque só Deus cria. Então, a existência de criaturas supõe […]

    Curtir

    Pingback por Regras para a condução da inteligência. | Pedra, Papel e Tesoura. — 17 de março de 2016 @ 12:11

  24. […] polêmica com Tomás, Bacon diz que os movimentos violentos também são […]

    Curtir

    Pingback por Novum organum. | Pedra, Papel e Tesoura. — 11 de março de 2016 @ 20:23

  25. […] justo iria permitir que o roubo fosse punido com a morte, quando não era antes, naquilo que Tomás chama de Lei do […]

    Curtir

    Pingback por Utopia. | Pedra, Papel e Tesoura. — 6 de fevereiro de 2016 @ 13:23

  26. […] ele fazer. Outros governantes sem inspiração divina fizeram coisas parecidas. Isso me lembra de Tomás, para quem um raciocínio secular bem conduzido se aproxima do que é ensinado pela revelação […]

    Curtir

    Pingback por O príncipe. | Pedra, Papel e Tesoura. — 13 de janeiro de 2016 @ 18:10

  27. […] o filósofo, Deus proveu as causas das coisas para que o ser humano delas fizesse uso. Tomás talvez […]

    Curtir

    Pingback por A cidade do sol. | Pedra, Papel e Tesoura. — 24 de dezembro de 2015 @ 22:12

  28. […] imagens de santos às quais são atribuídos poderes mágicos. Tomás de Aquino já dizia que não se deve adorar imagens, mesmo as de santos, porque são só imagens. Então, a adoração de […]

    Curtir

    Pingback por Elogio da loucura. | Pedra, Papel e Tesoura. — 6 de dezembro de 2015 @ 17:36


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: