Analecto

29 de outubro de 2016

Como eu voto.

Filed under: Notícias e política, Organizações — Tags:, , — Yure @ 18:46

Eu sei que a temporada eleitoral já passou. É o quanto eu venho procastinando este texto. Com o estabelecimento do teto para gastos da união e o novo ensino médio, porém, pensei que talvez fosse interessante escrever isto para deixar o recado. Assim, o texto pode se tornar relevante na próxima temporada eleitoral.
Antes que alguém pergunte, eu não gosto nem do teto de gastos nem do novo ensino médio. Mas eu aprendi esses dias que não se deve discutir política, mas votar. Então, eu posso pelo menos falar de como votar, em vez de entrar em detalhes sobre essas coisas. Talvez eu até entre, mas noutra ocasião (afinal, é meu blog, eu escrevo o que eu quiser).

Primeiro, é necessário verificar se esta é uma condição em que a reeleição é possível. Se a reeleição é possível, é necessário verificar se o candidato eleito anterior fez um bom trabalho ou não em seu último mandato. Para avaliar isso, é necessário ter critérios, que são pessoais. É importante frisar o caráter de pessoalidade dos critérios, porque as notícias, sendo facilmente manipuláveis, não constituem critério de avaliação de um governo, senão as consequências sensíveis da administração. Isso quer dizer que eu não devo me perguntar se o governo vai bem no Brasil inteiro ou na maior parte do Brasil, o que requereria buscar informações nos noticiários, mas se o governo vai bem pra mim, tão-somente.

A pessoalidade do voto tem dupla função: afastar o indivíduo de possíveis mentiras e garantir a democracia. Como eu disse, as notícias e a opinião dos outros podem ser manipuladas, corresponder à verdade apenas parcialmente ou simplesmente não ser o que você observa. Então, se expor às opiniões dos outros e às notícias pode servir como meio de levar o indivíduo a ver coisas que não estão lá. Por outro lado, dar esse caráter de pessoalidade ao voto garante uma democracia mais justa: se a maioria das pessoas, em suas experiências pessoais, verifica, através de seus critérios pessoais, que o governo vai mal, essa maioria, pelo poder do voto, motivado por interesses pessoais, retira do governo aquilo que lhe faz mal. Muito se fala que a mídia de massa é manipuladora, mas as pessoas nem por isso encaram o noticiário de maneira crítica. Então, se a televisão tem interesses, ela usará seu aparato mediático para manipular a opinião da maioria, o que não aconteceria se o noticiário não constituísse critério de avaliação política, mas somente a experiência pessoal. A manipulação de massa constitui vantagem desleal e, por extensão, uma perversão da pureza democrática. Um julgamento democrático “puro” requer que o indivíduo vote por ele mesmo. Afinal de contas, se a maioria, por esse processo, reprova ou aprova o sistema estabelecido, a democracia é propriamente feita: é a opinião da maioria falando pela própria maioria, que vê as coisas pelos seus próprios olhos e não pelos olhos dos outros.

Os meus critérios são sempre: educação, saúde e segurança. Se a educação funciona pra mim, então ele (o último candidato eleito que procura reeleição) fez um bom trabalho na educação pra mim. Se a saúde vai bem pra mim, então ele fez um bom trabalho na saúde pra mim. Se a segurança vai bem pra mim, então ele fez um bom trabalho na segurança pra mim. Para determinar se essas coisas vão bem, eu ajo de maneira pragmática: a educação vai bem se eu aprendi satisfatoriamente o que eu queria, a saúde vai bem se eu recebi tratamento satisfatório para minhas doenças, a segurança vai bem se eu não fui vítima de violência. Se as três condições forem preenchidas, então devo reeleger o último candidato eleito. Se as três condições não forem preenchidas, então para onde foi o dinheiro público? Ou foi mal usado ou desviado. Não reeleger. Se ele for bem em apenas um ou dois critérios, devo pesar perdas e ganhos. Se os benefícios cobrirem os malefícios, devo reeleger. Caso contrário, não.

Outras pessoas têm diferentes critérios e isso é importante, pois o governo ideal pra mim não é o governo ideal para outros. Muitos têm como critério a mobilidade urbana, o meio-ambiente, a economia, os empregos, entre outros. É importante que cada um tenha seus critérios, mas ainda mais importante é que esses critérios sejam pessoais e que avaliem a experiência pessoal do cidadão com o governo. Não vote pelo Brasil inteiro; se cada um vota por si, já vota pelo Brasil inteiro, mas, procurando votar segundo a opinião do outro, pode-se acabar votando por uma minoria, o que é o contrário da democracia.

Segundo, caso o candidato que tenta se reeleger falhe nos meus critérios, caso haja vários candidatos dentre os quais escolher ou caso o último candidato eleito não procure ou não possa se reeleger, é necessário pesquisar qual dentre os candidatos disponíveis é mais qualificado. Isso também é feito segundo critérios, que devem também ser pessoais. Em páginas que catalogam candidatos na Internet, é possível ver algumas informações sobre cada candidato: idade, profissão, filiação partidária, “nome de guerra” e ficha criminal por exemplo. Além disso, um bom jeito de obter informações sobre um candidato é ouvindo o que ele tem a dizer, via propaganda política e debates, e o que os outros candidatos dizem dele. Enquanto não é lícito ouvir fontes de terceiros, mesmo quando se dizem imparciais, é lícito ouvir os que estão inseridos na competição. Pela propaganda política e sobretudo pelos debates, eu posso saber quem tem mais chances de preencher os critérios pessoais que não foram preenchidos na etapa anterior.

Antes de julgar seriamente, devemos eliminar do julgamento todos os candidatos que têm nomes políticos jocosos ou propositalmente engraçados, que tenham propagandas políticas que faltam com o decoro, com a seriedade, que façam piada ou que infundem um ar de comédia a um assunto tão sério. O último que fez isso e se deu bem se mostrou uma decepção. O primeiro critério é ficha criminal: um candidato que já cometeu crimes políticos ou que tenham relação com a política local deve ser evitado. Se ele cometeu outros crimes, não políticos e não relacionados à política, é justo lhe dar uma chance. O segundo critério, para desempate do primeiro, é a profissão. Prefiro sempre os candidatos que têm profissões públicas, não por serem melhores ou piores, mas porque, para novos candidatos, me é urgente assegurar que terão preferência pelas coisas públicas: o Estado se ocupa do que é público e apenas secundariamente do que é privado. Assim, eu não iria querer um Estado que descuida das coisas públicas, que são dele, para cuidar das coisas dos outros, embora nem por isso as deva atrapalhar ou destruir. Então, o público deve ter prioridade sobre o privado e profissionais públicos sabem das vicissitudes encontradas em seus ofícios, o que significa que têm clarividência ao menos dos problemas que devem ser enfrentados na coisa pública. Filiação partidária é o critério seguinte, o qual é usado para desempatar caso haja empate no critério anterior. Isso porque filiação partidária não diz muito hoje: com candidatos mudando de partido, às vezes como quem muda de roupa, é possível ver que “ideologia de partido” é um conceito desacreditado. Ainda acontece, é verdade, mas não com frequência a ponto de filiação partidária ser primeiro critério. Eu diria de quais partidos eu gosto se isso não contradissesse o que eu disse no começo sobre não acatar recomendações de candidato de terceiros.

Resumindo, temos o programa de dois casos. Caso 1: reeleição possível. Caso 2: reeleição impossível.

Caso 1: candidato fez bom trabalho em todos os critérios pessoais, reeleger. Se o candidato não fez um bom trabalho em todos os critérios pessoais, verificar perdas e ganhos do último mandato. Se o candidato não fez um bom trabalho em nenhum critério pessoal, não reeleger, seguir para caso 2.

Caso 2: eliminar todos os candidatos que não são sérios. Verificar quais candidatos atendem ao primeiro critério pessoal, eliminar os que não atendem e prosseguir. Verificar quais candidatos dos que sobraram atendem ao segundo critério pessoal, eliminar os que não atendem, prosseguir. Continuar testando todos os candidatos e eliminando aos que não atendem aos critérios pessoais, em ordem do mais importante ao menos importante. Caso faltem critérios e nenhum dos candidatos restou, anule seu voto. Caso faltem critérios e ainda há empate, opte por aquele dentre os restantes que causaria menos dano se eleito. Se ainda assim persistir, tanto faz dentre os que restam.

Anúncios

5 de outubro de 2016

Anotações sobre “Candido ou o Otimismo”.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , — Yure @ 16:37

“Candido ou o Otimismo” foi escrito por Voltaire. Abaixo, algumas afirmações feitas no texto. Elas não são citações, mas paráfrases, e podem não refletir o que eu penso sobre este assunto.

  1. Uma crença da época é a de que as coisas, sendo feitas para um fim, sempre visam o melhor fim possível pra elas.
  2. Se tudo vai bem, porque muitas coisas terminam mal?
  3. O metafísico muito aplicado acaba ficando ignorante das coisas deste mundo.
  4. Se o mundo é o melhor possível, porque ocorrem guerras?
  5. O filósofo treme quando participa da guerra.
  6. Se este é o melhor dos mundos possíveis, por que adoeceis?
  7. A crença de que este é o melhor mundo possível e que tudo se ordena para o melhor e que todo o mal é aparente nos leva a duvidar de que o Diabo exista.
  8. É ridículo dizer que todas as “pequenas” desgraças contribuem pra um bem maior.
  9. Deus não deu armas para os humanos destruírem uns aos outros, mas nós as fizemos porque sentimos necessidade, a qual não teria surgido sem ódio e interesse.
  10. Se tudo vai tão bem, por que os bons morrem e os maus prosperam?
  11. A crença de que tudo vai bem é uma afirmação indireta do destino, em oposição à liberdade.
  12. Se este é o melhor dos mundos possíveis então todas as mortes são necessárias.
  13. Todo o mundo é religioso quando acontece uma tragédia.
  14. A crença no melhor dos mundos possíveis só se sustenta numa mente muito ingênua.
  15. Se o otimismo metafísico estivesse pelo menos parcialmente certo e houvesse mesmo um mundo melhor possível, provavelmente não é este.
  16. Existe ódio em todos os lugares.
  17. O medo é a principal força que nos impede de cometer suicídio quando a vida deixa de dar lucro por ser vivida.
  18. Se este é o melhor dos mundos possíveis, então por que muita gente está descontente com a própria vida?
  19. Se este é o melhor dos mundos possíveis, porque muitas vezes nos vemos obrigados a cometer crimes?
  20. A natureza verdadeira não é como querem os otimistas metafísicos.
  21. Não é uma boa ideia argumentar com canibais sobre como matar outros humanos, mesmo que para saciar a fome, é pecado…
  22. Todas as culturas têm leis e estatutos.
  23. Sempre há civilização perto de rios.
  24. Se você está desesperado e anda sem rumo, mesmo que não encontre algo agradável, encontrará algo novo.
  25. Sempre que possível, junte útil e agradável.
  26. Quando um povo se relaciona com outros, perde essa inocência original.
  27. O ouro e as jóias só têm valor aonde são raros.
  28. Se você já tem certeza do necessário, por definição não há necessidade de pedir algo a Deus, então apenas agradeça.
  29. Num país onde todos conhecem bem a religião, não há necessidade da classe sacerdotal.
  30. Permanecer sempre no mesmo lugar consolida opiniões, mesmo que sejam opiniões erradas.
  31. Não há melhor cumprimento que o abraço.
  32. Quando se está bem em algum lugar, não há necessidade de mudar.
  33. Se o mundo é o melhor possível, porque podemos deixá-lo melhor?
  34. O amor pode durar mais que a riqueza.
  35. Existe um passado negro implícito em muitos bens de consumo.
  36. Se somos todos irmãos, como é que nos tratamos tão mal?
  37. Otimismo é sustentar que tudo está bem, mesmo quando não está.
  38. Não há lugar na Terra onde tudo vá bem.
  39. Com tanto mal no mundo, é escusável pensar que o Diabo é seu governante.
  40. A mágoa interior pode ser pior que a miséria pública.
  41. Do ponto de vista humano, um acontecimento pode ser diabólico ou divino dependendo de quem julga.
  42. O mundo pode ser tão cruel que há quem pense que ele só existe pra nos frustrar.
  43. Quando se é rico, todos querem ser teus amigos ou, pelo menos, te prestar serviço.
  44. Tratar doenças leves pode agravá-las.
  45. É possível rir de raiva.
  46. Existem pessoas que ganham a vida criticando outras e, como isso dá dinheiro, criticam defeitos que não existem.
  47. Uma mão ruim é um registro da má sorte que se teve ao longo do jogo.
  48. Falar mal dos outros muitas vezes é uma tentativa de obter atenção e sentir-se importante.
  49. Se este o melhor dos mundos possíveis, como até as relações familiares e fraternais podem ser insuportáveis?
  50. O dinheiro submete.
  51. Matar alguém sem necessidade serve para assustar os outros e mantê-los na linha.
  52. Algumas nações são tão ruins que não vale a pena tocar seu solo com os pés.
  53. É natural se sentir otimista quando as coisas vão bem.
  54. Se este é o melhor dos mundos possíveis, por que existem mulheres que apanham por causa de homens que não amam?
  55. É arriscado ser o marido doente de uma médica ciumenta.
  56. Prostitutas não têm vida fácil.
  57. Quando tudo parece bem com alguém, cogite a possibilidade de essa pessoa estar dissimulando sua tristeza.
  58. Existe infelicidade também nos templos religiosos, pois muitos seguem a religião forçados pelos pais ou, de alguma outra forma, à contragosto.
  59. Insatisfação profissional acontece quando pessoas escolhem uma profissão tendo o lucro que ela pode dar como único critério.
  60. Dar dinheiro a alguém não necessariamente melhora a situação dela e há casos em que dar mais dinheiro piora as coisas.
  61. Várias experiências ruins levam a pessoa a encarar a vida com todo o cinismo.
  62. Quando uma pessoa parece feliz pra nós, pode ser que o seja porque não entendemos o sofrimento dela.
  63. Mulheres orgulhosas fazem péssimas companheiras.
  64. Viver muito bem causa tédio.
  65. A música complexa, se não for bela, não presta.
  66. Há livros que são adquiridos por pessoas sem intenção de lê-los.
  67. É preciso ler ciente da possibilidade de que o escritor pode se enganar.
  68. Os céticos, que duvidam de tudo, admitem que sabem tanto quanto o vulgo, ou seja, o vulgo não deve recorrer ao cético pra aprender filosofia.
  69. É bom escrever o que se pensa.
  70. Não se importe tanto se os outros não pensam como você.
  71. Quando você tem padrões muito altos, se priva do prazer.
  72. Os melhores estômagos não são os que rejeitam os alimentos.
  73. Hoje banqueiro, amanhã desempregado.
  74. Se este é o melhor mundo possível, por que nem os governantes estão a salvo da desgraça?
  75. Ninguém está a salvo da desgraça.
  76. Como este é o melhor dos mundos possíveis se problemas vêm em sequência?
  77. Não se deve cobrar que todos sofram de igual maneira diante das mesmas causas.
  78. Sofrimento é subjetivo.
  79. O sofrimento aproxima os homens.
  80. Se este é o melhor dos mundos possíveis, por que crimes pequenos são ora punidos como grandes?
  81. Há filósofos que permanecem no engano somente para não se contradizerem.
  82. O pessimista acaba sendo mais lúcido e se frustra menos.
  83. Morrer na política é um risco de que todos os parlamentares estão cientes.
  84. O trabalho atua contra o tédio, contra o vício e contra a necessidade.
  85. Obter seus bens pelo trabalho é mais construtivo do que obtê-los sem esforço.
  86. O homem nasceu pra trabalhar.

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: