Analecto

30 de outubro de 2017

Annotations about “A Cidade do Sol”.

Filed under: Livros, Notícias e política — Tags:, — Yure @ 13:40

A Cidade do Sol was written by Tommaso Campanella. Below are some annotations I made about his work. An annotation reflects what the author thinks about the subject and may or may not reflect what I think about the same subject. Any questions about my personal opinion can be asked in the comments.
1. Astrology doesn’t work with people who think.
2. Divine presence doesn’t nullify free will, so much that we can say any blasphemy whenever we want to.
3. The number’s power resides on what it represents, not in the abstract number.
4. Tomás seem to confirm that astrology only foresees irrational behavior, not rational, meaning that I can resist to the influence of celestial bodies.
5. To defend astrology, Campanella claims that it’s not a necessary science, that is, that astrology can’t always predict something correctly, but is rather a source of advice.
6. Campanella admits that Tomás already thought like that.
7. God made an universal causality (physics) which represents his will, in a way that he doesn’t need to personally interfere in anything.
8. The amount of knowledge produced in this century is bigger than the amount produced in the previous thousand years.
9. According to Campanella, the Christian religion must dominate the entire universe.
10. Campanella says that Jesus was a philosopher.
11. The universe isn’t ruled by randomness.
12. Campanella says that the transmission of original sin is a transmission of guilt, in the sense that we are paying for what Adam and Eve did, but that doesn’t mean that we all sinned like them, literally.
13. According to the Campanella, the Trinity is a single God, with Father, Son and Holy Spirit being like “organs” of said God.
14. A person who knows what is good and can act accordingly can not do anything evil, implying that one is only evil due to either ignorance or impotence.
15. Evil is absence of good.
16. Campanella says that the world is a huge animal.
17. Only God can be worshiped.
18. The Earth gets closer to the Sun at every passing year.
19. Every prayer must end in “according to God’s wishes”.
20. Campanella proposes a religion with offerings and sin expiation, not unlike Judaism.
21. Laws must be simple, short, clear and shown in public.
22. If someone receives death penalty, says Campanella, the mob should have the right to kill them.
23. Campanella says that food must be eaten at the season they can be naturally harvested.
24. Campanella also says that no one should consume wine before age 19, except in cases of medical excuse.
25. If we stopped consuming animal-derived food, why should not we also stop consuming vegetables or fruit, as both animals and plants are equally alive?
26. Campanella says that God made the causes of a phenomenon available for us so that we could make use of those causes.
27. You should only fight back, not start a fight.
28. For Campanella, fertilizing the ground is like applying make-up and should be avoided.
29. Campanella says that the tract with foreigners should be done at the harbors, as foreigners shouldn’t be allowed in the city to avoid corruption of customs.
30. Whatever is not needed should be sold or exchanged.
31. Money should only be used in the tract with capitalistic societies, says Campanella, and should have no role within the community.
32. If you can win a war without annihilating the enemy, do so.
33. Campanella says that those who show fear in war must be thrown in a cove with lions, while having just a stick to defend themselves.
34. Campanella also defends death penalty for the first person to flee from the war, unless everyone in the army disagrees with the decision to kill him.
35. After the battle, the wives and the children take care of the wounded husbands and fathers.
36. He also says that children should watch the war while mounted on horses.
37. The opponent must be given a chance to surrender before the war actually starts.
38. While this is actually anti-Christian, Campanella says that warriors should pray for victory in the war.
39. A good way to learn about war strategy is judging the strategies used in history.
40. Campanella defends starting a war with a nation that poses a threat to all other nations, meaning that he would probably approve an attack on North Korea if he was alive today.
41. If you wonder why some people mix religion and war, that’s because religion soothes the fear of death, which hinders progress in war.
42. Women, says Campanella, should also participate in war.
43. Campanella says that only elders are excused from work, meaning that there should be jobs for disabled people.
44. Campanella says that women aren’t a particular possession, but part of public wealth, meaning that there’s no marriage, which doesn’t mean freedom to rape.
45. Poverty, as well as excess of wealth, is cause of moral decadence.
46. If everyone worked, that is, if no one was unemployed, then no one would need to work more than four hours a day, filling free time with studies or sports.
47. If everyone could produce their own food, for example, there would be no need of slavery, argues Campanella, but we know, nowadays, that this is not true: many people keep slaves despite having territory and means to produce grains, vegetables and means to raise animals for food.
48. All physiological acts are honored, so. no need to feel shame for going to the bathroom, says Campanella.
49. Campanella says that a woman who exercises doesn’t need make-up to look beautiful and be desired.
50. Campanella says that women who hide their true look by using makeup, long dresses or high heels must receive death penalty.
51. State, he says, should interfere in sexual activity.
52. The interference of the state in sexual activity is to ensure that the next generation will be better than the previous.
53. The kid is named by the state according to his characteristics and the kid earns a second name that reflects his life achievements.
54. As a defendant of astrology, Campanella says that the state should give sincere effort into ensuring that all children are born under the same astrological configuration, in order to be more fraternal and empathetic to each other.
55. A woman who has given birth can only rest for fifteen days.
56. A man, says Campanella, can only have intercourse with a woman with characteristics that are the opposite of his own (fat man with slim woman, emotive man with stoic woman, for example) to increase the chance of balanced children, but we know that it makes no sense today.
57. People who didn’t expiate their sins can’t have intercourse, says Campanella, and the man must retain his seed for at least three days before the act.
58. The state decides who can have intercourse and with which people, as well as when the intercourse will take place.
59. Anal sex, says Campanella, should be crime.
60. Age of consent (for intercourse only) should be 21 for men and 19 for women, but there should be none for people who can’t reproduce.
61. Food must be prepared under the guidance of medics.
62. Real knowledge comes from the relationship between sciences, not from dominating a single one.
63. Government must last forever, unless the people find someone who is better suited for the task.
64. The king must be an intellectual.
65. All jobs are worth being honored, says Campenella, and one shouldn’t treat another person with disdain because of the function they exercise.
66. Those who have the best performance in school become ministers.
67. Physical education should be taught in all levels of school.
68. From age 3 to age 7, says Campanella, physical education should be the only content to be taught.
69. The school curriculum is the same for everyone; no such thing as education “for the rich”.
70. Criminal penalties work by depriving a person from the use of some public services, rather than arresting her. 71. A person who is old enough can be called “father” or “mother” by an youngster, who can be called “son” by anyone who is old enough (Campanella is against nuclear family).
72. Private property gives room for selfishness, which ruins character, meaning that Campanella advocates a form of “theocratic communism”.
73. There should be no classrooms; kids should learn outdoors, guided by the teacher, even while walking together.
74. Campanella says that there should be a book with all knowledge in the world in it, which is impossible today.
75. If a society has too many laws, no one would be able to remember them all, let alone follow them dutifully.
76. Evil, in a republic, comes from poverty or excess of wealth, says Campanella.
77. Every vice is a lack or excess.
78. Private property is against nature.
79. Private property began because someone noticed that he could restrict access to public lands or nature, claiming it “his” territory, meaning that private property has roots in stealing things from the weak or ignorant.
80. Paying taxes is needed to grant minimal survival conditions for the poor.
81. The state should distribute the jobs according to affinity; each person works at what she does best.
82. There are no natural gender roles.
83. Sinning against nature means doing something that harms one’s own survival or the survival of the species.
84. No sense in worrying about fornication if your partner is sterile.
85. “Becoming a single flesh” means having a child.

25 de outubro de 2017

Anotações sobre “Além do bem e do mal ou prelúdio de uma filosofia do futuro”.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , — Yure @ 16:13

Além do bem e do mal ou prelúdio de uma filosofia do futuro” foi escrito por Nietzsche. Abaixo, o que aprendi lendo esse livro.

O bem e o mal.

Nem tudo é “bom” ou “ruim”: há áreas cinzentas entre os valores. Antinomia de valores pode muito bem ser só um ponto de vista. Pensadores tradicionais pensam no “sim” e no “não”, esquecendo do “talvez”. Pode até ser que duas coisas aparentemente contrárias sejam duas manifestações da mesma coisa. O fato é que é infantil olhar as coisas usando critérios morais absolutos, porque “moral” é a interpretação subjetiva de um mundo objetivamente amoral. Toda moral é, portanto, uma escolha e não tem existência fora na pessoa, na natureza. Morais universalmente aceitas não existem na Terra. Isso é válido também para além da moral: há graus entre verdadeiro e falso. Uma afirmação pode ser “mais verdadeira” que outra, sem ser totalmente verdadeira, seja porque há mescla de falsidade, seja porque é uma verdade incompleta.

Fazer ciência da moral não é possível, porque moral muda conforme tempo e espaço. Cada tempo pensa que sua moral é melhor do que as anteriores. O modo atual de pensar é melhor que o anterior ou somos levados a pensar assim? Veja o caso dos moralistas: eles odeiam povos indígenas, porque estes mostram uma sociedade que funciona com princípios morais diferentes, considerados “menos refinados”. Seu ódio reflete apenas seu orgulho ferido. A mudança da moral segundo tempo, lugar e pessoa é fatual. Segue-se que não há fundamento seguro para a construção de uma ciência chamada “ética”.

Hipocrisia e moralismo.

O ser humano tem as coisas mais fúteis como as mais importantes. Por causa disso, várias coisas fúteis são tidas como “boas”, mesmo que num nível individual. Um exemplo é o desprezo: quem se despreza ainda se orgulha do desprezo que tem de si mesmo. Quando esse desprezo toma forma de autonegação (o desprezo por si próprio), ele pode adquirir contornos hipócritas. Por exemplo: a pessoa que se esforça pra não sentir emoções. Ora, o desejo de superar uma emoção já é causado por outras emoções.

Um outro exemplo de “futilidade importante” é a ignorância. Para alguns, a ignorância é uma condição de manutenção da vida. É pela ignorância que a sociedade encontra estabilidade e não muda. A ignorância conserva, mesmo que conserve em um estado negativo. É perfeita para aqueles que temem mudar seus hábitos, mesmo que para melhor. Outro exemplo é o desinteresse. Por que uma ação tem que ser desinteressada pra ser boa? Eu não posso agir corretamente motivado por interesse próprio? Nem todas as ações feitas com interesse são erradas. O amor não é desinteressado, mas nem por isso inválido.

Outro exemplo é a mentira. Para algumas pessoas, a mentira é melhor do que a incerteza. Uma informação que te deixa feliz ou que te torna virtuoso pode ainda assim ser falsa. Da mesma forma, uma verdade pode ser desagradável. Então, podemos amar a mentira porque a mentira nos deixa alegres. O peso da realidade faz o sonho nos dominar. A mentira é, portanto, importante para aqueles que constroem suas vidas sobre a mentira. É o caso daqueles que querem dar uma forma de verdade incontestável à sua moral pessoal. Muitos julgamentos morais são arbitrários, mas argumentados de forma a parecerem científicos. É possível justificar um vício transformando-o numa virtude ou incluindo-o numa virtude. Assim, temos a sensação de que certas atitudes são sempre erradas ou “más”, mesmo que tal leitura da realidade não subsista ao escrutínio e tudo seja manipulação da linguagem. Apesar de tudo isso, a verdade se impõe. Felicidade pessoal não é argumento que sustente uma moral que se pretenda universal.

Tais futilidades podem ser usadas contra você. Tome como exemplo a obediência e a abstinência. Todo o mundo quer que você obedeça, mas os mais ricos são os que mais mandam e os que menos obedeceram. A abstinência nos leva a desejar e esse desejo pode ser usado a favor de alguém. Suponhamos, por exemplo, que a mulher de quem você gosta exige que você mude por ela ou ela deixará você. Mudar por amor é provar que a pessoa por quem você muda não te ama pelo que você é, mas pelo que ela pode te tornar. Ela usa a abstinência como arma para explorar você. Então, um lugar em que a “moral vigente” valoriza a obediência e a abstinência pode ser um ambiente que facilite o controle e a exploração de uns pelos outros.

Aceitando a moral como escolha pessoal.

De tanto você se esforçar em ver as coisas de forma distorcida, você não pode mais ver as coisas como são. A realidade moral, dos nossos conceitos de bem e de mal, passa a ser tida como absoluta quando, na realidade, ela varia de cultura pra cultura e até de pessoa pra pessoa. Uma moral pode ser imoral pra outra moral. Há mais morais do que é possível contar nos dedos de duas mãos. Como então superar isso? Se algo tem que morrer, ignore-o: abdique da ideia de que a moral proposta por alguém é universalmente aceita e viva dessa forma. Não deixe que ninguém te diga como ser feliz. Agir dessa forma, porém, não é algo que se faz somente com a própria força de vontade, mas é algo próprio dos fortes. “Basta querer pra conseguir” é um enunciado errado.

Quem pretende superar a moral absoluta tem que estar pronto pra se colocar em grande risco. Quando você começar a agir dessa forma, pode ser que te olhem diferente. Aquilo que você é pode não corresponder à ideia que fazem de você: viver com uma moral própria, pessoal, pode ser visto por aqueles que acreditam em morais absolutas como uma demonstração de desumanidade. Quem age segundo princípios, especialmente os próprios princípios, acaba se distanciando do agir comum, o que faz com que outras pessoas queiram puni-lo. E é aí que entra um dos desafios de mudar de comportamento: a quebra do pertencimento. Se você mudou para melhor e seus amigos não aprovam a mudança, rompa a amizade. Falar é fácil.

No entanto, mesmo depois de aceitar que não há moral objetiva e que toda moral é uma escolha, você não se tornará blindado contra as consequências de seus atos. Mesmo que você mude de comportamento, ainda sofrerá as consequências de um erro passado. Seja capaz de aceitar isso. A dor constrói, o prazer conforma. Quem não tem coração duro na adolescência não o terá na idade adulta. A pessoa amadurece ao enfrentar dificuldades. Quem sofre e sobrevive ao sofrimento acaba se tornando alguém melhor em termos de experiência.

A natureza filosófica.

Um ato consciente não é 100% feito sem instinto: nós pensamos porque queremos ou o pensamento nos vem de súbito? A filosofia, que se propõe a ser racional, por exemplo, se origina também do instinto e o mesmo pode ser dito das ciências, como a física, a qual é um meio de apreender o mundo que nos estimula. Tal instinto é a curiosidade: nos interessamos por fenômenos raros. Logo, praticar filosofia é uma manifestação dos instintos humanos. A marca da filosofia é a dúvida. Mas não é possível duvidar de tudo. Duvidar de tudo nos leva a duvidar de nosso pensamento. O filósofo pode dizer que quer duvidar de “tudo”, mas salvaguardar certas coisas da dúvida, como os princípios de raciocínio com os quais trabalha, uma vez que não é possível conduzir um raciocínio sem pressupostos. Um pressuposto comum é a religião. Tem muito pensamento sério baseado em crenças religiosas, mesmo que o pensador não perceba isso.

Há diferença entre descobrir e inventar, a descoberta sendo a constatação de algo que nos é mostrado pelo mundo e a invenção sendo a realização de uma ideia. Também há diferença entre criar e desenvolver. Existem pessoas que têm boas ideias e existem pessoas que desenvolvem bem as ideias que outros tiveram. Também é assim na filosofia.

Crítica à filosofia.

A filosofia se guia por perguntas. Algumas aberrações filosóficas são produzidas não quando a filosofia conclui de forma errada, mas quando ela pergunta de forma errada. Tais aberrações podem estar gestando antes da pergunta ser feita, quando o filósofo decide colocar coisas claras em dúvida. Então, antes de fazer uma pergunta qualquer, faça uma outra pergunta antes: “eu preciso perguntar isso?” Complicar o óbvio pode ser desejo de chamar atenção. Um filósofo que põe em dúvida o óbvio, então, pode estar sendo motivado pelo desejo por fama. E aí outros caem em sua armadilha e logo o pensamento de muitos se desvirtua. Ainda se crédito à ideias que nunca foram demonstradas e contra as quais se acumulam evidências contrárias.

Além disso, a filosofia muitas vezes trabalha com termos que não foram definidos. Como posso dizer “penso, logo existo” se eu não sei o que é pensar? O que é filosofia? Saber o que é filosofia requer prática de filosofia. Mas como eu vou praticar filosofia sem saber o que ela é? Assim a filosofia precisa ter conceitos claros como instrumentos de sua atividade, ou suas conclusões, mesmo quando não monstruosas, serão vazias. É grave construir algo novo sobre um erro antigo. Então uma filosofia nova que se funda em uma filosofia anterior, que incorre nesse erro conceitual (como é o caso das tradições metafísicas), pode facilmente ser questionada.

Outro problema da filosofia é que, por se fundar em conceitos, ela está invariavelmente sujeita à linguagem e, consequentemente, à gramática. A gramática de um povo influencia a filosofia a ponto de pessoas que raciocinam com gramáticas semelhantes chegarem à conclusões semelhantes. Isso permite que as filosofias de diferentes povos sejam diferentes entre si. Isso prejudica o caráter supostamente universal da filosofia. Claro que isso não significa que todos em um território sempre agem igual: mesmo que tenham princípios iguais, não terão objetivos iguais.

Embora a filosofia seja “amor pela sabedoria”, um filósofo pode ser amigo da sua verdade, que não necessariamente é a verdade de fato. Existem filósofos empenhados em mostrar que não estão errados, mesmo que estejam, porque são vaidosos. Já outros não estão tão a fim de provar a sua verdade, mas a verdade de quem os paga. O filósofo deve sê-lo por predisposição, talento, não por dinheiro (até porque paga muito mal e o campo é restrito) e nem por fama (porque compromisso com a verdade requer defender verdades desagradáveis).

O filósofo por vezes teme a si mesmo. A filosofia que apenas repete os valores de seu tempo e só está interessada em justificá-los é uma filosofia de coleira, digna de pena. Uma pessoa pode ser inteligente e esconder isso, pra pertencer à sociedade. Algumas pessoas sabem que estão certas, mas, temendo as consequências da verdade, se veem desejando que outros não pensem como elas. Assim, mesmo que alguém faça filosofia, pode ser que a faça de forma mais “suave” porque teme as consequências de ideias radicais nas quais acredita. A filosofia feita por alguém revela também seu caráter. Portanto examine-a.

Além disso, a filosofia produz uma multitude de resultados, devido a multitude de métodos, já que a filosofia, não sendo ciência, não tem método unificado. Alguns resultados se contradizem mutuamente. Isso causa ceticismo. O ceticismo, na medida em que tem dúvidas sem propor nada novo, é conservador. Há filósofos que já não mais creem na capacidade da filosofia de explicar o que quer que seja, já que é difícil filósofos entrarem em acordo entre si. Quando os filósofos se desesperam da filosofia, ela perde seu crédito. Já outros usam a filosofia apenas para destruir verdades estabelecidas sem propor nenhum novo entendimento da vida. Destruir uma certeza sem propor novas certezas é doentio. É preciso ter certeza, pelo menos, de si mesmo.

Por último, existem verdades que são percebidas por pessoas comuns, antes de ser percebidas pelos intelectuais, porque fazem parte do contexto comum. Se a filosofia se eximir do contexto comum, será inútil e a sabedoria popular lhe será superior. Apesar disso, mesmo que a filosofia se ocupe da vida comum, pode ser que ela não seja compreendida e seja tida por loucura. As pessoas negam as ideias que não têm maturidade pra compreender, como negam a existência de estrelas cuja luz não nos chegou. Por causa disso, pode ser que suas ideias não sejam entendidas neste século.

A ação correta.

No período helenístico, se costumava dizer que a vida feliz é aquela que se vive segundo a natureza. Se agir segundo a natureza é agir segundo a vida, ninguém precisa dizer a você pra fazer isso; você já está fazendo.

O valor de algo deve ser medido segundo suas consequências. Quando o valor de algo é medido segundo a intenção, em vez de segundo as consequências, então é lícito fazer atrocidades se for “por uma boa causa”. Se algo deve ser motivado pelas consequências que se quer obter, então procurar a verdade sem razão (o chamado “saber pelo saber”) te faz não encontrá-la. Você só procura a verdade se a mentira te incomoda ou porque você espera que sua vida melhore com isso. Além disso, mais que encontrar a verdade, é preciso que a verdade seja útil: atingir um ideal é ultrapassá-lo. Descobrir uma verdade que não serve pra nada é como morrer de sede no meio do mar, água que não se pode beber.

Cada um deve agir visando a felicidade, essa é a consequência que se procura. No entanto, o erro da pessoa feliz é pensar que não perderá a felicidade.

Na busca pela felicidade, nos deparamos com outros que fazem o mesmo por seus próprios meios (já que toda moral é uma escolha pessoal), o que pode causar conflitos e, portanto, ódio. Só é possível sentir ódio de alguém igual ou superior a nós. Por outro lado, algumas pessoas superiores a nós não estão interessadas em nossa destruição. Isso pode ser motivo de desconforto para alguns. Algumas pessoas sentem desconforto ao ser bem tratadas por alguém superior, porque sentem que não podem retribuir.

Crítica à religião.

O catolicismo domina em locais onde a prática tem mais valor do que o puro pensamento, porque o catolicismo condiciona a salvação às boas obras. Na verdade, uma pessoa pode agir mais como católico do que como brasileiro, tal é a ênfase nas obras. É diferente do protestantismo, que condiciona a salvação à fé somente. Se o catolicismo condiciona a salvação às boas obras, você não pode ser salvo somente crendo. O processo pode ser árduo. Ninguém é santo por diversão. Mas aí surge um problema: o mais difícil de fazer não necessariamente é o melhor a se fazer. Imagine se, depois de uma vida de austeridade e ascetismo, você descobre, depois da morte, que a forma que você pensava ser a correta de buscar a salvação era, na verdade, errada. Infelizmente, a crença na vinda vindoura pode tornar uma pessoa mais propensa a não aproveitar a vida presente. E se essa abnegação não compensar no final?

Nenhuma religião é totalmente santa. Existem pastores que estão apenas interessados em ganhar dinheiro e fiéis que vão pra igreja apenas porque não têm o que fazer em casa. Qualquer instituição composta de seres humanos que afirme ser santa, isto é, sem pecado, é automaticamente hipócrita, porque não há quem não peque. Seja no clero, seja entre os leigos, não é possível que todos sejam santos o tempo todo.

Há que se lembrar que a fé varia de pessoa pra pessoa. Se a religião for obrigatória, nem por isso todos crerão. Tem pessoas que são religiosas por “estilo” somente, como se fosse um adorno. Essas pessoas não estão interessadas na salvação, mas em status. Outro problema da religião é o fanatismo. Alguns são tão fanáticos que, no exercício do amor à divindade, se esquecem de amar o próximo. Não se deve amar um só ser em detrimento de todos os outros. Deus mesmo nunca mandou que se fizesse isso. Quem luta contra monstros deve tomar cuidado pra não se tornar também um monstro.

A moral dos senhores e a moral dos escravos.

Há dois tipos de moral: a dos senhores e a dos escravos. Antigamente, uma pessoa bem-sucedida era considerada virtuosa e ela era quem ditava o que era virtude e o que não era, através de seu comportamento. Assim, antigamente, na época da moral dos senhores, virtuoso era o comportamento do vencedor, qualquer que ele fosse. Aquele que luta por uma causa a ponto de os oprimidos se refugiarem sob sua sombra, por proteção, já nasceu senhor. Na moral do senhor, o mau é a insignificância, a necessidade de aprovação dos outros, a impotência, mas é o contrário na moral do dominado. Na moral dos dominados, ou dos escravos, que por inveja criam uma moral oposta à dos senhores, tudo o que é “opressivo”, como a desigualdade, é mau. Provam isso apontando as falhas de seus senhores, mas também sistematicamente negando as qualidades de tais senhores, tais como coragem, sagacidade, compaixão (porque também dominadores são capazes dela) e solidão, esta última sendo a virtude que limpa a pessoa da sujeira contraída pelo convívio com os outros.

Se você estivesse por cima, você pensaria em igualdade? Por isso a igualdade é reivindicada pelos oprimidos: se os oprimidos fossem opressores, não pensariam em igualdade. Mas para que haja essa mudança de paradigma, é preciso que o escravo tome o lugar do senhor ou tenha esse lugar concedido a ele. A emancipação feminina, por exemplo, só foi possível porque as assembleias políticas compostas totalmente por homens deram a elas o direito de votar.

Educação e família.

Se você acredita que o filho repete os erros do pai porque isso é genético, que utilidade você vê na educação? O filho não necessariamente agirá como seu pai. O pai pode ser a pessoa mais virtuosa e, ainda assim, estragar seu filho mimando-o. A criança mimada é viciosa. Tem-se então um pai virtuoso e um filho vicioso. A educação é importante, talvez mais que a genética. Mas a educação precisa ser boa. Uma educação qualquer, por exemplo, também ensina a dissimular e isso não é bom.

Sobre as anotações (“about the annotations”).

English version after the Portuguese version.

Quando eu comecei a fazer anotações sobre o Relatório Rind, eu pensei que seria uma boa ideia fazer anotações concomitantes em português e em inglês. Fiz isso porque, como o texto original estava em inglês, haveria menos impacto se eu não fizesse anotações em inglês. Isso foi confirmado quando o próprio Rivas comentou minhas anotações sobre Positive Memories e eu talvez não teria recebido um comentário tão construtivo se eu tivesse feito minhas anotações somente em português. Eu domino ambos os idiomas com alguma decência, então por que não?

Mas a forma como estive fazendo isso, colocando a anotação em inglês abaixo de cada anotação em português, prejudica o fluxo do texto. Então eu estive pensando em fazer duas entradas separadas para cada livro anotado: uma em português e uma em inglês. Ambas as entradas seriam colocadas no Índice, que seria reformado. A ideia me pareceu boa, mas eu senti vontade de traduzir pro inglês as anotações que eu já tenho e que estão somente em português. Afinal, inglês é o idioma mais popular do mundo, não tem um território que não tenha uma academia de inglês. Quando eu comecei a fazer anotações sobre livros de filosofia, a minha intenção era popularizar a filosofia entre leitores brasileiros, mas ignorância existe em todos os lugares, não só no Brasil. Se eu domino outro idioma, porque confinar o que escreveo ao meu idioma nativo apenas?

Então, eu resolvi que vou traduzir pro inglês as anotações que eu já tenho, o que não implica apagar as anotações em português. Quando eu ler um livro em português, eu publicarei as anotações em português primeiro, só depois traduzirei. Se eu estiver lendo um livro em inglês, as anotações sairão primeiro em inglês. Esse sistema será adotado quando eu acabar de ler Além do Bem e do Mal e o Radical Case do Tom O’Carroll.

English version starts here.

When I began to write annotations on the Rind Report, I thought that it would be a good idea to write annotation in both Portuguese and English at same time. I did it because, as the original text was in English, there would be less impact if I didn’t make annotations in English. That was confirmed when Rivas himself commented on my annotations about Positive Memories and it would be unlikely to receive a comment by him if I did those annotations in Portuguese only. I have a decent grasp of both languages, so why not?

But the way I was doing it, attaching an English annotation right under each annotation in Portuguese, harms the reading flow. So I was thinking about making two separate posts for each book I read: one for annotations in Portuguese and another for annotations in English. Both entries would be put in the Index, which would need to be rebuilt. The idea seemed good, but I started wanting to translate to English the annotations that I have, but that are only available in Portuguese. In fact, English is the most popular language in the world; there’s not a single territory without a stablished English course. When I began to make annotations about philosophy books, my intention was to popularize philosophy among Brazilian readers, but ignorance exists everywhere, not just in Brazil. If I can write in another language, why confine my writing to my native language only?

So, I decided to translate to English the annotations that I already have, which doesn’t imply deleting the Portuguese ones. Upon reading a book written in Portuguese, the annotations would be published in Portuguese at first, with the English translation coming only later on. If I read a book in English, the annotations will be published in English at first. That system will be adopted when I finish Além do Bem e do Mal and Tom O’Carroll’s Radical Case.

10 de outubro de 2017

Controle (“control”).

English version after the Portuguese version.

Então, hoje eu li este conto abaixo.

Era uma vez um brother

Meu comentário.

Não vou dizer que o amor só pode se dar entre iguais porque ninguém é igual ao outro: um fisiculturista pode ficar com uma modelo e ainda assim tudo dar certo. Mas essa moça da sua história provavelmente leu o Diário de um Sedutor, do Søren Kierkegaard. A técnica é parecida, os jogos mentais e tudo o mais. Até as esperas estratégicas. O ciúme e o desejo de controle são características incompatíveis com o amor. Quem ama não quer machucar. Daonde que uma mulher dessa ama alguém? Não ama. É mais fácil dizer que odeia. Um número de pessoas procura razões pra odiar, porque odiar os faz se sentir bem, e veem no romance um campo fértil para o ódio, pois o ciúme é corriqueiro no romance.
Masturbação é natural e desejável. Mas é também um impulso por vezes forte e difícil de resistir. É também uma atividade muito prazerosa. Assim, impedir uma pessoa de se masturbar quando a vontade surge é uma vitória e tanto pra uma pessoa controladora. Ela quer ser a única fonte de prazer do cara, uma fonte que pode fechar ao capricho, porque negar assegura a ela que ela tem controle. Ela o controlará pelo cansaço, pela raiva e por outros artifícios e depois se aproveitará de sua boa vontade pra exercer chantagem emocional.
Eu gosto muito de dizer isso: não mude por amor. Se por você tem que mudar por amor, está dando uma prova patente de que a pessoa não gosta de você do jeito que você é, mas do jeito que essa pessoa quer. O que ela quer com isso, te fazendo mudar por ela? Isso já não basta pra fazer você ver que ela já se sente mais importante? Isso não é uma tendência perigosa?
As mulheres hoje estão empoderadas. Mas não deveriam usar esse poder para inverter o pólo de opressão entre homens e mulheres. Igualdade de direitos não deveria ser uma brecha para vingança e vê-la dessa forma já mostra que você é tão ruim como os que antes lhe oprimiram. Por causa de mulheres como essa do texto, há movimentos como o Men Going Their Own Way e o Marriage Strike, homens que recusam compromisso, porque o compromisso, ao ver deles, dá ocasião a casos como o descrito acima, não obstante qual é o polo de opressão, se masculino ou feminino. A mulher ganhou mais proteções, isso é bom, mas a aplicação é desproporcional: se ela partisse pra violência e eu a denunciasse, o delegado riria da minha cara. Mas alguns aceitam a denúncia da moça com provas insuficientes. Não é a lei que está errada, ao menos nesse caso, mas sua aplicação. Isso torna fácil a uma mulher abusiva usar a lei como dispositivo de controle.
Eu me abstenho totalmente de relacionamentos com qualquer pessoa. Prefiro ter muitos amigos do que um parceiro romântico. Isso não é uma decisão que muitos podem fazer e eu só a tomei porque eu quis assim e pude me comprometer a isso. Mas o ideal é não tomar decisões com base na paixão. Toda a emoção deve ser moderada pelo bom senso e esse cara é um babaca.

English version starts here.

So, I read the following tale today.

Era uma vez um brother

My comment.

I won’t say that love can only exist between equals, because no one is just like the other: a bodybuilder can date a model and everything still go alright. But that girl from the tale probably read Diário de um Sedutor, by Søren Kierkegaard. The technique is alike, the mind games and all that. Even the strategic suspense. Jealousy and desire for control are traits that are incompatible with love. When you love, you don’t want to hurt. Since when a woman like that can love? She does not love. It’s easier to say that she hates him. A number of people look for reasons to hate, because hating makes them feel good, and they see a fertile field for hate in romance, because jealousy is common in romance.
Masturbation is natural and desired. But it’s also an impulse that is sometimes hard to resist. It’s also a very pleasurable activity. So, to keep someone from masturbating when the urge arises is a victory for a manipulative person. She wants to be his only source of pleasure, a source that can close at whim, because denying assures her that she is in power. She will also control him by making him tired, making him angry and several other tricks and then will exploit his good will to exercise emotional blackmail.
I love to say this: never change for love. If you have to change for love, you are giving a clear proof that the person doesn’t want you the way you are, but way they want you to be. What does she want by making you change for her? Isn’t that enough to make you see that she already feels more important than you? Isn’t that a dangerous character trait?
Women are empowered nowadays. But they shouldn’t use that power to invert the oppression pole. Equal rights shouldn’t be seen as an excuse for revenge and doing so only shows that you are as evil as those who once oppressed you. Because of women like that one in the tale, movements like Men Going Their Own Way and Marriage Strike exist, men who refuse commitment, because commitment, in their view, makes occasion for that kind of exploitation, no matter which side, if male of female, exercises said exploitation. Women got more protection, that’s good, but the application is not proportional: if she decided to be violent and I reported her, the judge would laugh at my face. But some accept violence reports from women without enough proof. Isn’t that the law is wrong, at least in that case, but it’s application is. That makes it easy for an abusive woman to use the law as control device.
I completely abstain from relationships with any person. I prefer to have lots of friends, rather than a lover. That’s not a decision that many can make and I only made it because I wanted to and felt that I could commit to it. But the ideal should be to not take decisions based on passion. Every emotion should be moderated by common sense and that dude in the tale is a dummy.

6 de outubro de 2017

Anotações sobre “Positive Memories”.

“Positive Memories: cases of positive memories of erotic and platonic relationships and contacts of children with adults, as seen from the perspective of the former minor” foi escrito por Rivas. Abaixo, algumas anotações que eu fiz sobre esse texto.

  1. “Ipce” é um fórum de estudiosos, doutores ou não, interessados em compreender relações, especialmente sexuais, entre adultos e crianças ou adolescentes.

  2. O autor contatou o Ipce a fim de publicar seu livro através desse fórum. Sobre o que é o livro, além do óbvio? Sobre relações positivas. Lá vem a polêmica.

  3. O consenso atual é de que pedofilia é imoral.

  4. No entanto, evidência científica mostra que relações entre adultos e menores não necessariamente resultam em dano e, portanto, o consenso pode ser desafiado. Relações positivas não devem ser agrupadas com relações forçadas ou prejudiciais.

  5. O pânico moral em relação a pedofilia faz com que as pessoas achem ultrajante conversar sobre relações positivas. Isso atesta que as discussões atuais sobre pedofilia raramente são imparciais.

  6. Mas o livro traz, simplesmente, cento e cinquenta e cinco histórias encontradas em literatura médica, periódicos e na Internet sobre encontros positivos entre adultos e menores. Considerando que cerca de três quartos dessas relações nunca são descobertas, o número de relações positivas pode ser consideravelmente maior, especialmente porque não há razão para denunciá-las. Apesar de esse parecer um livro que eu gostarei de ler, tenho que ressalvar que histórias online não são lá muito confiáveis. Espero que o livro não tenha um monte delas…

  7. Como o consenso de que pedofilia é ruim tomou proporções de pânico moral, as pessoas preferem esquecer que relações positivas acontecem.

  8. Putz, tem referências bibliográficas! Lista de outras coisas pra ler.

  9. O autor não é o primeiro a fazer esse tipo de trabalho e provavelmente não foi o último. Eu conheço outros, é verdade, mas esse é o maior.

  10. Pedófilos não são só homens. Há mulheres também. E nem sempre são heterossexuais. Há encontros entre homem e menino, homem e menina, mulher e menino, mulher e menina.

  11. O livro traz um pequeno número de histórias em que há elemento erótico, mas não romântico. Também um pequeno número de histórias em que há elemento romântico, mas não erótico, o que significa que pedófilos podem se apaixonar por crianças e não lhes fazer nada de sexual. Mas maior parte das histórias tem ambos os elementos.

  12. O autor aponta que relações onde o elemento erótico está ausente são infrequentes na literatura profissional e que ele não sabe como interpretar esse fato. Meu chute é que as pessoas, em geral, pensam que pedofilia é uma atração somente sexual, um fetiche, o que revela viés de pesquisa. Em adição, você nunca tem certeza se um adulto que se apaixona por você quando você é criança é realmente um pedófilo ou só um cara legal, especialmente porque ele não precisa vocalizar os sentimentos. Esse problema só vem sendo remediado agora.

  13. A existência de relações positivas implica que o abuso de poder não é um elemento necessário.

  14. Menores podem querer esses envolvimentos.

  15. O público-alvo do livro é o público geral. Jogada ousada. Mas ele também está mirando pedófilos anti-contato.

  16. A tese do livro: relações entre adultos e menores devem ser julgadas segundo mérito individual, em vez de ser todas ilegalizadas. Se devemos crédito ao trabalho de outros, isto é, de que maior parte das relações entre adultos e menores não prejudica o menor, tanto que não são denunciadas, isso certamente reduziria gastos públicos no processo, julgamento e encarceramento de pessoas envolvidas em caso de “estupro” de vulnerável sem violência real. Lembrando que nosso sistema prisional é uma tragédia.

  17. Não foi qualquer relação que entrou no livro. O autor tem seus critérios:

    1. A relação não foi forçada.

    2. O menor não derivou sentimentos negativos da relação em si (embora possa ter derivado sentimentos negativos da intervenção médica ou legal). Se o menor for prepúbere, isso implica envolvimento não-penetrativo.

    3. O trabalho é baseado em memórias, o que significa que crianças reais não foram entrevistadas, mas adultos, os quais tiveram essas relações na infância ou adolescência.

    4. A história não pode se referir a um evento ocorrido depois dos quinze anos de idade e o adulto da relação precisa ter, ao menos, dezoito anos.

    5. A história não pode incluir incesto.

    6. O menor não pode ter desenvolvido, ele próprio, relações com menores em sua idade adulta.

    7. O menor não pode ter desenvolvido desvios criminosos de conduta sexual.

    8. As histórias não podem incluir prostituição.

  18. Essas relações mostram três coisas: existem relações entre adultos e menores que não envolvem dor ou abuso de poder, que um adulto pode se apaixonar por um menor e que relações positivas podem ocorrer mesmo antes do menor completar doze anos. Já posso ouvir os gritos de raiva da plateia.

  19. O fato de haver relações positivas não implica que abuso sexual de menores não existe.

  20. O corajoso autor nos dá seu e-mail.

  21. A primeira história do livro também apareceu no site esquedista Salon.

  22. Alguns jovens, aos quinze anos, já estão planejando ter sexo na primeira oportunidade que aparecer. A primeira história é sobre um garçom de quinze anos e seu chefe de vinte e nove.

  23. A relação entre eles dois não foi apenas sexual e, conforme os sentimentos cresciam entre eles, o menor aprendia coisas do maior em outras áreas fora a sexualidade, como vida profissional.

  24. Um adulto que aceita um menor pelo que ele é lhe aumenta a autoconfiança.

  25. Homens homossexuais podem descobrir que são homossexuais já aos oito anos. Alguém me disse que dá pra saber só de olhar pro menino já aos três anos. Olha o Príncipe George.

  26. Alguns menores que se relacionaram com adultos afirmam que foram as melhores relações que tiveram. Provavelmente porque o adulto, se realmente se apaixona e ama o menor, lhe passará a sensação de segurança e também sua sabedoria. Isso não acontece em relações entre adultos. Lhes falta o aspecto pedagógico. Neste caso, estou me referindo já a segunda história, entre um menino de doze um adulto de vinte e sete.

  27. O menor pode se apaixonar pelo adulto primeiro.

  28. Se o menor entende que está colocando o adulto em apuros, ao passo que ele ama o adulto, guardará segredo. Se ele odiasse o adulto, contaria aos pais.

  29. Os menores que não se sentem vitimados têm para si que a sociedade quer se manter cega.

  30. Relações com menores são punidas desproporcionalmente.

  31. Alguns desses menores que tiveram boas relações com adultos ficam revoltados depois que crescem, porque percebem que a relação poderia ter sido mais longa se a sociedade não fosse tão… besta.

  32. Esses menores não se sentem “molestados”.

  33. Esses envolvimentos deixam os pais desconfortáveis. Mas o desconforto dos pais em relação a esses envolvimentos frustra o menor.

  34. Homossexuais não têm o direito de odiar pedófilos, pois também os homossexuais eram um grupo marginalizado quarenta anos atrás. Cá, entre nós, o movimento homossexual e o movimento pedófilo eram, sim, quase a mesma coisa antes dos anos oitenta. Os homossexuais da época não pensavam que atração por menores era antiética.

  35. Homossexuais oprimindo pessoas atraídas por menores são uma minoria odiando uma minoria menor. Eles não escutam, tal como a sociedade não os escutava. Que é isso, se não hipocrisia?

  36. O homossexual que oprime não pode lutar contra a opressão.

  37. Um menor pode se sentir melhor na companhia de outros adultos, em vez de na companhia de seus pais.

  38. Explorações entre dois menores também ocorrem.

  39. Relações sexuais não necessariamente envolvem penetração, especialmente se com menores antes da puberdade. Evidência científica mostra que penetração é um fator comum em relações negativas.

  40. Muitas vezes o menor está a procura de outra coisa fora prazer sexual, como apoio emocional e ternura.

  41. Mesmo nessas relações que não têm como objetivo prazer sexual, ele não é rejeitado se ocorre e pode inclusive ser bem-vindo.

  42. Existem crimes que não são punidos, mas nem tudo o que é punível deve ser crime.

  43. Experiências sexuais precoces podem ser objeto de orgulho pro menor. Isso me lembra dos meus colegas que perdiam a virgindade entre si aos treze ou até dez anos. Eram tempos selvagens. E eu aqui virgem aos vinte e quatro.

  44. Crianças pequenas, se deixadas sozinhas, podem perder a virgindade entre si… e nem se dar conta.

  45. Alguns relacionamentos entre menor e adulto perduram até depois de o menor se tornar adulto.

  46. A criança pode fazer avanços sobre o adulto, se bem que ela própria não vê o valor erótico desses avanços.

  47. Crianças não se opõem a adultos que amam. Há uma chance maior de a criança desenvolver essas relações se ela não se sente amada por seus pais.

  48. A criança, ao perceber que o que está fazendo é proibido (mesmo sem saber a razão exata), não quererá revelar nada por medo de perder a amizade que tem com o adulto. Isso quer dizer o segredo da parte do menor não necessariamente envolve ameaça.

  49. Um adulto pode esperar que a criança faça o primeiro avanço antes que ele próprio tenha certeza de que ele pode avançar também.

  50. O aspecto sexual da relação pode ser encerrado pelo próprio menor. Quando este cresce, passa a se interessar por outros de sua idade.

  51. Inclinações homossexuais podem ser ocorrências únicas na vida de uma pessoa. Por exemplo: você tem um interesse constante em mulheres, mas, ao menos naquela única vez, você se sentiu atraído por um homem. Se levarmos em consideração que orientação sexual é uma preferência ou exclusividade, será que uma pessoa de noventa anos que só se sentiu interessada no mesmo sexo uma vez na vida, por um curto período de tempo, pode ser chamada de homossexual ou mesmo bissexual? Uma vez em noventa anos?

  52. Sedução pode levar anos. Especialmente se você for mais novo que seu amado.

  53. Alguns jovens que descobrem sentimentos homossexuais se perguntam se eles parecem homossexuais, como se a sexualidade de uma pessoa necessariamente refletisse em sua aparência ou tratos. Isso ocorre, é verdade, mas não sempre.

  54. Um adulto que se apaixona por um menor ainda pode respeitar sua orientação sexual e limites físicos. Se ele realmente fosse um estuprador, não se importaria com isso.

  55. Uma relação amorosa pode tomar forma de amizade.

  56. Um número de relações entre adulto e menor não são traumáticas.

  57. Se alguém descobrir, as consequências, porém, podem ser traumáticas.

  58. Expressão sexual saudável ajuda a pessoa a se desenvolver com melhor estabilidade emocional.

  59. Na maioria das relações nas quais expressão sexual ocorre, ela não é o ponto principal, mas um elemento como os outros, talvez menos importante que outras demonstrações de afeto.

  60. Algumas denúncias são forçadas pelos pais.

  61. O menor geralmente não é ouvido no julgamento do adulto com o qual se relacionou. A palavra do menor, por mais sincera que seja, é atropelada pela presunção de violência (“você é jovem demais, ele manipulou você”).

  62. Alguns adultos que se relacionaram com menores continuam amigos desses menores mesmo depois que estes atingem a idade adulta, mesmo que os contatos sexuais diminuam. Isso não é diferente de pessoas que permanecem casadas apesar de ambos perderem os atributos físicos atraentes.

  63. Até opinião política entra no jogo de sedução. “Você é esquerda? Que pensa de homossexuais?”

  64. Um menor pode voluntariamente seduzir um adulto.

  65. Interesse sexual pode acontecer ainda na infância, embora na forma de curiosidade.

  66. Relações sinceras entre adulto e menor normalmente são precedidas por meses de amizade entre os dois.

  67. Algumas pessoas descobrem muito cedo que gostam dos mais velhos.

  68. Alguns jovens têm mais medo de serem homossexuais do que de se envolverem com adultos.

  69. As leis são injustas com os menores que deveriam proteger.

  70. Um menor pode chegar ao consultório com uma experiência neutra ou positiva e tê-la transformada em negativa pelo terapêuta, que “interpreta” o ocorrido.

  71. Em casos como esse, o terapêuta não escuta realmente o menor.

  72. Alguns menores se arrependem da denúncia.

  73. Uma confissão pode muito bem ser forçada.

  74. As consequências sociais do ato podem ser devastadoras à socialização do menor. Ele é estigmatizado.

  75. O efeito trágico proporcionado pela reação dos pais ou da sociedade pode ter um grave impacto sobre o desenvolvimento sexual do menor.

  76. Durante o processo, o menor é levado a situações perturbadoras e desconfortáveis.

  77. Psicólogos podem vazar os segredos do paciente menor de idade.

  78. A “ajuda” e “proteção” oferecidas pelas autoridades podem ser rejeitadas pelo menor. Como eu pensei, este é um livro altamente polêmico.

  79. A reação da sociedade pode traumatizar o menor, o qual pode não ter visto nada de errado no que aconteceu.

  80. Menores amadurecem em diferentes velocidades, alguns amadurecem mais rápido (“precoces”).

  81. Educação sexual que ensina somente sexo e somente a forma normativa de praticá-lo não informa o aluno em questões cruciais. Ele ainda sente curiosidade e quer respostas pra certas perguntas. Se a educação sexual não as der, ele procurará essas respostas em outro lugar.

  82. O estigma em relação à homossexualidade ainda existe e ainda prejudica menores que percebem esses sentimentos.

  83. Alguém escreveu que a homossexualidade pode ser percebida numa criança ainda na primeira infância. Bom, aqui tem uma história de um cara que descobriu que “gostava de garotos” aos sete anos.

  84. Seu filho pode não ser mais virgem, só que você não sabe.

  85. Só há uma forma de obter experiência…

  86. É possível se interessar por atividade sexual sem se interessar por um gênero específico.

  87. Pais que se relacionaram quando menores tendem a ser mais tolerantes quando seus filhos se relacionam ainda menores.

  88. O elemento sexual pode estar presente em amizades.

  89. Relações como essas, por causa do elemento pedagógico, podem levar o menor a abandonar hábitos nocivos. Afinal, um menor tende a ouvir o adulto do qual ele gosta.

  90. Desequilíbrio familiar leva à delinquência. E que ato mais deliquente do que procurar um adulto com o qual se relacionar? Por causa disso, ambiente familiar facilita relações entre menores e adultos, porque o menor deliquente, procurando esse tipo de relação, mostra que vem de uma família negligente.

  91. O problema de psicólogos, jornalistas e leigos é pensar que todas as relações entre adulto e menor são negativas. Isso não é verdade. Evidência estatística mostra que relações positivas ocorrem tanto quanto negativas. Portanto, ambos os tipos de relação devem ser levados em consideração. A falta de atenção a relações positivas nos leva a pensar (e eu também pensava assim) que elas são raras demais pra serem levadas em consideração, perpetuando o preconceito contra elas: se pensarmos que são raras, não lhes daremos atenção e continuaremos pensando que são raras.

  92. Ignorar envolvimentos positivos é distorcer a realidade.

  93. Se tanto existem relações positivas quanto negativas, devemos pensar no que torna uma relação negativa. Daí, poderíamos proibir esses elementos que tornam uma relação negativa, em vez de proibir todas.

  94. O elemento sexual não é a única coisa em uma relação entre adulto e menor.

  95. Se uma relação dessas aumentar a autoestima do menor, ele será mais independente a um passo mais rápido.

  96. Putz, até o Gavin Lambert tá no meio. Em sua autobiografia, ele diz que teve relações com seu professor de música aos dez anos. E que ele começou a curtir cinema graças a esse professor.

  97. Alguns menores que tiveram experiências sexuais antes da idade de consentimento se sentem ofendidos ao serem chamados de “vítimas”.

  98. Há adultos que o menor ama mais do que seus pais.

  99. Sexo pode ser feito por razões não relacionadas à luxúria.

  100. Interessante como a maioria dos adultos citados neste livro tem menos de trinta anos.

  101. Interessante como um terço dos menores citados neste livro são crianças pré-púberes.

  102. Há menores insatisfeitos com leis de idade de consentimento.

  103. Um menor pode se afeiçoar a um adulto por solidão.

  104. O mais importante é o amor e quem ama não machuca.

  105. Alguns menores se sentem mais atraídos por adultos do que por pessoas da mesma idade. Na verdade, um estudo recente mostra que a idade do “parceiro perfeito” de muitos adolescentes é, em média, quatro anos mais velho. Quantos de nós, quando meninos, não reparamos nos seios, traseiro, coxas das professoras “gostosas” e das mulheres do comercial de cerveja? Quantas vezes esses desejos não refletiram nos desenhos que fazíamos em nossos cadernos?

  106. Um menor pode insistir na relação mesmo sabendo que é ilegal, mesmo que seja o adulto com o qual ele se relaciona a avisá-lo disso.

  107. E, no entanto, o menor não conta com medo da reação dos pais.

  108. Pode ser que o menor peça pra outros adultos não interferirem.

  109. Um menor em relação sexual não necessariamente está se prostituindo. Eles podem até presentear os adultos com os quais se relacionam.

  110. Mesmo sabendo que o adulto é pedófilo, há registros de menores que não os temem e gostam dessas relações.

  111. O fato de existirem menores que são contra leis de idade de consentimento mostra que essas leis foram feitas pra eles sem consultá-los. São, portanto, “adultistas”.

  112. Essas relações podem durar décadas. Cadê os pais dessas crianças? Será que elas não estão melhores com os adultos com os quais se relacionam, se seus pais são capazes de tamanha negligência?

  113. A diferença de idade pode atiçar a curiosidade do menor.

  114. Alguns menores têm seus primeiros orgasmos com pessoas mais velhas.

  115. Relações entre menores e adultos responsáveis são análogas a relações entre dois adultos. Um melhora o outro. Mas, como eu disse, graças ao elemento pedagógico, o menor se beneficia mais dessa relação.

  116. Muitas dessas relações são não-penetrativas. O adulto pode deixar que o menor tome o controle.

  117. Sexo é secundário, não o elemento principal. É um elemento secundário importante, contudo.

  118. O menor pode sentir que a relação está progredindo naturalmente. Não passa pela cabeça dele que outros a achariam anormal.

  119. A sensação de “infância perdida” nem sempre acontece. Claro, porque “infância” não é um conceito que a criança sente, uma vez que é um construto social.

  120. A relação do menor com um adulto pode não ter sido sua primeira.

  121. O menor por vezes não quer que o adulto seja preso. Prendê-lo seria justo?

  122. Experiência prévia com outros menores pode predispor o menor a relações com adultos. Nesses casos, o menor pode se orgulhar por seduzir um adulto.

  123. Aos oito anos, você já sabe como esconder um segredo dos pais.

  124. Relações positivas entre adultos e menores não são objeto de interesse da mídia somente porque esse ponto de vista contradiz a opinião dominante, dizem alguns adultos que se relacionaram com adultos durante suas infâncias.

  125. Putz, só agora apareceu um velho. A história número trinta e quatro é entre um menino de treze anos e um homem de sessenta e sete. Até agora, a maioria dos adultos estava abaixo dos trinta anos.

  126. Tem criança que gosta de estudar. Estranho, né?

  127. Pureza é uma coisa que interessa pessoas atraídas por menores. Interessante como na história trinta e quatro, o adulto entrevistado está evitando, de todas as formas, chamar o homem que se relacionou com ele na infância de pedófilo.

  128. Um pedófilo que se interessa por uma criança raramente se interessa somente por causa de seu corpo. Ele não vê a criança somente como um objeto de desejo sexual.

  129. Alguns pais não tem amor o bastante pra serem pais.

  130. Quando uma pessoa discute com você sobre relações positivas na menoridade, essa pessoa pode usar toda sorte de argumento pra forçar você a admitir que essas relações não foram positivas.

  131. O menor gosta de aprender algo de um adulto de quem gosta.

  132. Qualquer relação pode ter um elemento de manipulação. Manipulação não é exclusividade das relações entre adulto e menor. Se a proibição de contato intergeracional com crianças é a possibilidade de manipulação, então nenhuma relação deveria ser permitida: manipulação passional entre dois adultos também acontece e está nas notícias com mais frequência. Tem até gente concluindo que o menor só é forçado (manipulação sendo um tipo de força) em cinco por cento das vezes.

  133. O menor pode manipular o adulto. “Faça isso, ou conto pra polícia.”

  134. Artigos positivos sobre o assunto são barrados da mídia.

  135. Depois de um tempo, atração física passa a independer da aparência.

  136. O professor que ama o aluno se dedica mais em ensinar. O aluno que ama o professor se dedica mais em aprender. As regras institucionais que impedem a formação de vínculos afetivos entre alunos e professores prejudicam o aprendizado. O contato entre uma geração e outra se torna “frio” e “estéril”.

  137. Esse tipo de relação não interfere na formação de amizades entre o menor e outros menores.

  138. Um bom números desses adultos é inofensivo. No caso do cara de quase setenta anos, quanto risco pode um velho posar?

  139. Sim, ambos podem se beneficiar.

  140. Por vezes, a única preocupação do menor é não ser pêgo.

  141. A doutrina do consentimento diz que consentimento só pode ser válido se ambos os lados entendem o ato e ambos os lados estão livres para dizer “não”. Mas menores em geral não veem as coisas dessas forma; pra muitos, consentimento é “ambos queremos, então vale.” Os maiores ofensores de leis de idade de consentimento são os próprios menores.

  142. Os pais têm o direito de saber se a criança tem quaisquer amigos adultos.

  143. Alguns menores interessados em adultos se aproveitam de seu físico precoce pra mentir sobre sua idade, a fim de obterem aprovação do adulto de interesse.

  144. Hipersexualidade ocorre em crianças também.

  145. Tome nota: “How I Learned to Snap”. Trata-se da biografia de um jornalista homossexual que lembra das relações que ele teve com adultos aos treze anos como parte do que definiu sua identidade adulta.

  146. Menores que se apaixonam por adultos podem se sentir sufocados por não agir segundo o impulso.

  147. Se era pro Rivas não usar testemunhos de pedófilos neste livro, ele teria maiores chances de aceitação se não tivesse usado relatos obtidos do Boychat. Assim fica difícil a defesa, Rivas!

  148. Nem todas essas relações, quando encontradas, acabam em cadeia.

  149. Essas relações frequentemente começam com desejo de afeição mútua.

  150. O estado de ilegalidade dessas relações nem sempre as impede. É como baixar MP3. É errado, mas acontece.

  151. Alguns pais deixam!

  152. Alguns pais apoiam!

  153. Talvez os problemas de comportamento que as crianças de hoje têm derivem da falta de expressão de sua sexualidade infantil. Alguns exemplos são impulso suicida, enurese e depressão.

  154. Existem adultos que concordam que a cobertura da mídia sobre pedofilia é injustamente negativa.

  155. Dá pra aumentar as notas assim.

  156. Muitos menores que tiveram relações não procuram ajuda médica porque simplesmente não estão doentes e não sofreram trauma. Uma criança que tem uma relação positiva pode funcionar tão bem como qualquer outra, a ponto de os pais não perceberem. É por isso que terapêutas em geral têm uma visão negativa de relações entre adulto e menor, porque só recebem casos graves no consultório. Por causa disso, amostras clínicas não são uma fonte confiável pra pesquisas sobre o impacto de relações envolvendo menores. É como ir pro hospital pra saber a porcentagem de gente doente.

  157. Menores que tiveram experiências positivas não desejam que sua vida tivesse sido diferente nesse aspecto.

  158. Relações abaixo da idade de consentimento não são automaticamente abusivas. Uma lei não torna algo abusivo se quebrada. Basta lembrar da homossexualidade, que já foi ilegal. Só pra lembrar: tô fazendo anotações sobre um livro. Eu não estou dizendo pra você quebrar as leis.

  159. Alguns adultos dizem que suas experiências na menoridade com adultos foram melhores do que experiências com outros menores. Novamente, não vá andar fora da lei.

  160. Numa relação sexual, as duas partes podem procurar objetivos diferentes. Eles não precisam se relacionar pela mesma razão. Assim, o fato de um querer prazer e o outro querer proteção não invalida a relação, na medida em que ambos obtém da relação aquilo que procuravam.

  161. A sexualidade infantil é “menos egoista, brincalhona, orientada ao prazer e menos temente de rejeição.”

  162. Menores podem premeditar a sedução e o que farão quando a sedução se efetivar.

  163. Esse tipo de relação amadurece mais rapidamente o menor.

  164. Parece que a criança, embora tenha sexualidade, não desenvolve sentimentos mais maduros de amor antes de determinada idade. Claro que ela ama, mas seu amor e sua sexualidade não necessariamente estão conectados, com a sexualidade servindo ao único propósito de obtenção de prazer. Parece algo que eu leria do Freud.

  165. É possível educar politicamente uma criança. Talvez a palavra correta seja “doutrinar”, contudo.

  166. A diferença em força física não anula a relação. Uma relação entre um fisiculturista e uma modelo de roupa íntima feminina não é inválida. A menos que queiramos proibir relações com base no peso. Quando você ama, não quer machucar. É por isso que relações “desiguais” funcionam.

  167. Um menor precoce provavelmente não será violentado.

  168. Uma criança pode aprender dos pais que sexo é pecado. Isso, tipo, não tem base bíblica…

  169. Mas a criança também pode aprender que confessar o pecado o “lava”. Ela então liga os pontos: “se eu posso me confessar, que importa eu fazer?”

  170. Crescer numa família religiosa não garante castidade. Isso porque crianças pequenas muitas vezes não entendem o conceito de vergonha. São amorais e utilitaristas. Se algo faz bem e não faz mal aparente, mas mamãe diz que errado, o menino fará escondido.

  171. O adulto nem sempre pede segredo ao menor.

  172. Quando a criança é precoce e não encontra uma pessoa com a qual se relacionar, ela encontrará prazer em outra fonte. Não é algo que dá pra apagar.

  173. Parece que essas coisas acontecem mais em âmbitos religiosos. Estranho.

  174. “Também na minha cabeça eu comecei a perceber que sexo era proibido pela igreja, mas todo o mundo fazia de qualquer jeito.” Bem-vindo ao mundo, garoto.

  175. A melhor forma de incitar a curiosidade de uma criança é proibindo ela de fazer algo.

  176. Falta de sexo pode arruinar um noivado.

  177. A igreja só parece pura.

  178. Alguns indivíduos que se sentiram atraídas por pessoas mais velhas ainda na infância crescem e continuam atraídos por pessoas mais velhas. Repare que temos casais de adultos com idades muito distintas. Não há muita atenção sobre eles porque, mesmo não sendo ilegal se ambos são adultos, ainda é uma relação que foge do normal. Aliás, do que é considerado normal.

  179. Numa relação entre adulto e menor, é frequente que o menor peça mais atenção ao adulto do que o contrário.

  180. Esta geração é mais sexualmente infomada do que a anterior.

  181. Tal como relações sexuais entre adultos e menores fazem o adulto ser visto como doente, comportamento sexual precoce em crianças faz a criança ser vista como doente.

  182. Cercar um impulso natural com ideas de culpa prejudica o desenvolvimento normal.

  183. Não falar sobre o assunto faz com a criança que experimenta sua sexualidade se sinta isolada. Ela se pergunta se seu comportamento não seria anormal, apesar de não ser.

  184. Quando uma criança faz amizade com um adulto responsável, os pais percebem que o comportamento da criança melhora.

  185. Interessante como em alguns casos narrados neste livro, as relações acontecem antes da criança perceber se é heterossexual ou homossexual. Quando a criança percebe qual é sua orientação e percebe que ela é incompatível com a relação que tem com o adulto… ela simplesmente para.

  186. Essas relações não necessariamente indicam que a criança não gosta dos pais.

  187. Se o adulto é preso pela relação, ele continuará amigo do menor depois de solto.

  188. Uma rodada de sexo não necessariamente envolve penetração. No entanto, sendo eu brasileiro, é difícil pra mim ver intimidade não-penetrativa como “sexo”, porque essa palavra sempre me entrega a ideia de que trata-se de algo penetrativo.

  189. Da pra esquecer da raiva na cama. Novamente, e eu tenho que dizer isso sempre que eu fico com medo da reação popular a estas anotações: estou fazendo anotações sobre um livro, não dizendo pra você quebrar a lei.

  190. É possível que uma criança se envolva com adultos, mas com nenhuma criança de sua idade.

  191. Esses pivetes são muito “vida louca.”

  192. Pedófilos raramente entram no esteriótipo que as pessoas têm deles.

  193. Relações como essas podem melhorar o controle emocional do menor.

  194. Mais fácil um menor aceitar o conselho de um amante do que dos pais.

  195. Dependendo da dinâmica familiar, é melhor o menor ser adotado pelo amante.

  196. As leis de idade de consentimento podem muito bem impedir o desenvolvimento sexual normal do menor.

  197. É a opinião do menor contra a do juiz, do pedagogo e do carinha do serviço social.

  198. Tem menor que insiste com um adulto até conseguir.

  199. Estranho como alguns desses adultos deste livro não são exatamente “pedófilos”, isto é, não parecem ter preferência por menores. Isso significa que há pessoas que não são pedófilas e que, no entanto, podem eventualmente se relacionar com um menor.

  200. Defender a pedofilia não te torna pedófilo, tal como defender a homossexualidade não te torna homossexual.

  201. O menor pode ter sua experiência positiva transformada em negativa quando alguém o convence disso. No entanto, se você teve que ser convencido de que sua experiência foi negativa, será que isso não é culpa de quem te convenceu? É por isso que crianças saem loucas do consultório. Se um doutor do serviço social não tivesse dito “você foi abusado, manipulado e usado”, talvez a criança não se sentisse mal pelo que aconteceu, supondo que o ato não foi forçado, abusivo ou manipulativo. Aí ela cresce com problemas crônicos em relação ao “abuso” sofrido, como culpa e vergonha, problemas que não teriam aparecido se ninguém tivesse dito a ela que a sua experiência positiva fora “na verdade” negativa.

  202. Se manifestar positivamente sobre relações entre adultos e menores pode te fazer perder votos.

  203. Tem um monte de gente no registo de ofensores sexuais que não precisa estar ali.

  204. Tem menores que fariam de novo mesmo sabendo que é crime.

  205. Jardim de infância vida louca.

  206. Parecem que relações entre adulto e menor são mais aceitáveis se o maior é uma mulher. Há menores que se sentem mal quando os adultos são presos.

  207. Quando o menor fala do que aconteceu com um terapeuta, ele não identifica o discurso do terapeuta com sua experiência.

  208. Cadê a vítima?

  209. A professora que você pega nem precisa ser sua professora.

  210. Ao crescerem, alguns menores pedem ao juiz pra que o adulto saia da cadeia.

  211. Também ao crescerem, alguns menores se casam e têm filhos com o adulto.

  212. Tem um monte de menor a fim de mulher mais velha.

  213. Como esses menores sentem que suas experiências positivas são uma minoria, eles não apoiam que essas relações devam ser permitidas. O problema é que os traumas é que são minoria

  214. Até mesmo menores que tem relações positivas com pedófilos podem ainda nutrir ódio contra todos os outros pedófilos fora aquele único que se relacionou com ele. A razão disso é a crença de que essas relações positivas são excepcionais e que a maioria dos adultos que se envolve com uma criança quer só estuprá-la. Pessoas como essa, contudo, podem ainda pensar que o ato não é estupro ou molestamento se não for forçado, logo abrindo uma exceção.

  215. Quando dois menores se relacionam, a relação tende a ser rala, porque o nível intelectual é igual. Mas com um adulto, há o aspecto pedagógico.

  216. Mulheres também são capazes de violência sexual.

  217. Uma mesma pessoa pode ter tanto experiências sexuais positivas quanto negativas na infância ou adolescência e tem autoridade para compará-las.

  218. Amor nunca está errado. Se você ama, não irá machucar.

  219. Menores que tiveram boas relações com adultos podem reter o preconceito de que pedofilia só existe onde existe abuso. Então, pra esses menores, o adulto que tem uma relação com um menor que não é forçada ou dolorosa não é pedófilo. Só que isso está errado: pedofilia é atração sexual por crianças. É um termo médico, indiferente à moral. Isso não quer dizer que as relações são ruins, mas que pedofilia nem sempre é. Aliás, pedofilia é uma atração, não um ato consumado. Uma pessoa pode ser pedófila e nunca fazer nada sexual com uma criança por qualquer razão.

  220. Tem menores que chegam a dizer que há problemas únicos daqueles que não tiveram relações na adolescência. Dado curioso.

  221. Quando homossexualidade era inaceitável, um número de homossexuais dizia abertamente que sexo anal era errado. Agora temos anti-contatos.

  222. Este livro tem um link abreviado. Ele espera que eu clique na página? É por isso que um livro disponível em formato HTML não pode ser impresso sem edição.

  223. Por que crianças falam com estranhos apesar de serem avisadas a não fazê-lo? Porque estranhos nem sempre parecem perigosos.

  224. Há pais que têm a sensação de que há um adulto fazendo algo com sua criança, mas fica na dúvida sobre intervir ou não, pois vê que a criança está genuinamente feliz com o que quer que esteja acontecendo entre ela e seu adulto.

  225. Um pai pode continuar deixando seu filho se relacionar com o adulto por medo de prejudicar a criança ao forçar um rompimento.

  226. O livro traz o caso de um adulto que chegou a mostrar pro menor sua coleção de pornografia infantil. A quantidade de crianças sorridentes nesse tipo de pornografia é… surpreendente. Basta lembrar que há menores que tiram fotos e gravam vídeos de si mesmos. Isso é produção e posse de pornografia infantil, mesmo que quem produza seja o próprio menor, sem intervenção de um adulto, e mesmo que ele não compartilhe (mesmo que já possa consentir, mas não tenha dezoito anos). Donde decorre que a criança não precisa ser forçada ou torturada pra que esse tipo de pornografia possa existir.

  227. Quando alguém é pêgo com pornô infantil, qualquer tablóide pode dizer o que quiser dele, inclusive mentiras. Afinal, é um pedófilo maldito, certo? Quem se importa com sua dignidade?

  228. Se por um lado existem relações entre adulto e menor que são traumáticas, por outro a reação popular também traumatiza o menor.

  229. É mais comum do que você pensa.

  230. Alguns menores procuram adultos porque parceiros de sua idade simplesmente não atendem às expectativas.

  231. Existem mulheres que brigam pelo prazer de reatar.

  232. Por que histórias com menininhas são mais detalhadas?

  233. A estratégia do “ombro amigo” funciona bem. Talvez você devesse usar isso com um adulto de quem você é a fim. Novamente, estou anotando um livro… Não estou dizendo pra você ter romances com crianças.

  234. Até pouco tempo, eu tinha medo de mulheres por causa de repetidas más experiências e preconceitos que me foram passados pelo meu ambiente. Mas há mulheres que temem homens pela mesma razão, porque foram ensinadas a isso.

  235. Alguns pais que descobrem essas relações preferem resolver sozinhos sem envolver a polícia.

  236. O esforço de convencer o povo de que essas relações são sempre negativas só funciona com quem não teve relações positivas. Sou imune, então.

  237. Há pessoas que ficam de luto por toda a vida após a morte do amado.

  238. Ter sentimentos por pessoas mais velhas pode confundir o menor.

  239. O fato de muitas dessas relações ocorrerem aos catorze anos valida nossa idade de consentimento no Brasil. Não há necessidade de aumentá-la. O fato de muitas dessas relações ocorrem aos doze anos valida a proposta de reduzi-la para doze. O fato de muitas dessas relações ocorrerem antes da puberdade nos faz pensar se idade de consentimento é necessária.

  240. Às vezes é preciso que um adulto ensine um menor a levar contracepção a sério.

  241. Aos catorze anos, um adolescente de hoje já sabe o bastante sobre seu corpo e funções sexuais, mesmo que não tenha aulas de educação sexual, pois tem fácil acesso à Internet, pode aprender por experiência própria e pode se informar com amigos. Claro, educação sexual seria melhor…

  242. Aprender responsabilidade sexual com um adulto poupa o menor de aprender sozinho. Novamente, estou anotando um livro aqui. Não sou eu quem está dizendo. Não vá quebrar as leis.

  243. Tem menores que crescem e dizem aos pedófilos pra, sim, quebrarem a lei “responsavelmente.” Rapaz, será que eu continuo esse livro ou paro aqui?

  244. Há pedófilos que se contentam em abraçar a criança ou sentá-la em seu colo.

  245. Uma relação pode acabar porque o menor sente que o adulto ama o menor mais do que o contrário. A sensação de que o menor não pode equilibrar o carinho o faz sentir que é injusto continuar com um adulto que ama tanto quando você não é capaz de amar na mesma quantidade. Isso é natural, acho, em relações na qual o menor é simplesmente muito jovem pra expressar sentimentos de amor (o qual não é simples afeição). Além disso, não há garantia de que ambos se amam na mesma quantidade também em relações entre adultos.

  246. Olha, lésbicas.

  247. Interessante como alguns ativistas de direitos dos homossexuais acreditam que jovens homossexuais podem se beneficiar de aprender com adultos.

  248. Os relatos GW-03 e GW-04 são estranhamente parecidos. Erro de edição? Ou duas histórias da mesma pessoa?

  249. Uma das coisas que torna esse tipo de relação atraente para o menor é que ele não é tratado como alguém inferior ao adulto. O adulto não se impõe como alguém superior.

  250. É mais fácil um menor se sentir mal por estar numa relação com alguém do mesmo sexo do que estar numa relação com um adulto.

  251. Menores podem ter essas relações, sabendo que são erradas, sem sentir culpa.

  252. Abuso doméstico, como chineladas, abuso sexual e golpes de cinturão, se ministrados pelo pai, podem fazer uma menina odiar homens.

  253. Julgar alguém por sua sexualidade apenas é injustiça.

  254. Menores podem se apaixonar por adultos e ter seus sentimentos correspondidos. Isso é, na verdade, natural.

  255. Aí vem um “expert” dizer que o menor foi abusado.

  256. Tem um monte de pessoas atraídas por menores que não admite em público.

  257. É hipócrita que uma pessoa que teve boas relações na infância queira negar essas relações à juventude atual.

  258. Quem realmente está controlando quem: o adulto com quem o menor se relaciona ou o adulto que diz que a relação é errada, mesmo não oferecendo dano ou risco?

  259. Assumir que o menor não sabe de nada não o fará aprender. Se ele realmente não sabe, por que você não ensina? Por que a sociedade é tão avessa à educação sexual (que inclusive não compreende)?

  260. A sexualidade infantil não deve ser ignorada como problema de menor ordem. Nem sequer é um problema, em primeiro lugar.

  261. Dois menores por vezes ajudam um ao outro a conseguir parceiros adultos.

  262. Sentindo que a relação pode acabar em desastre, o adulto pode se afastar. Mas esse adulto também pode se sentir mal quando a criança resolve também se afastar.

  263. Sexo pode não ocorrer.

  264. O adulto deve se responsabilizar pelo que ocorre com o menor.

  265. Uma pessoa pode ter sentimentos homossexuais na vida adulta e ainda assim ter dúvidas.

  266. Outra história que apareceu no Salon. Tudo bem, eles tem uma agenda afinal.

  267. Alguns menores não têm sexo somente com quem amam (“ficantes”).

  268. Alguns fiéis vão à igreja porque acham bonitas as celebrações. Isso me lembra que eu li em algum lugar que quarenta por cento dos católicos da França são ateus.

  269. Chamar todas as relações com menores de idade de “abusivas” revela preguiça de pensar.

  270. É simples, é a política que torna complicado.

  271. O argumento contra o consentimento do menor é, principalmente, sua desinformação. Essa desinformação é teórica ou prática? Se teórica, há aulas de educação sexual, há fácil acesso à pornografia (que os menores não deveriam assistir, mas o fazem de qualquer forma), há experiências trocadas, entre outras formas de obtenção de informação, como artigos científicos na Internet. Se prática, só há um jeito de saber. Então, se o menor não pode ter relações porque nunca teve prática, ele nunca poderá tê-las: precisa de prática pra ter acesso à prática. E completar catorze anos não é substituto pra prática. A menos que você receba uma orgia de presente de aniversário.

  272. Essa restrição revela superproteção. Em nome dessa superproteção, outras liberdades são vetadas aos menores. Para conseguir isso, é importante que o menor se sinta uma vítima, mesmo em atos que não lhe prejudicaram.

  273. Outra do Salon, arre, égua!

  274. Edmund White também foi selvagem.

  275. Tem menores que tiveram tanto sexo antes dos catorze que não conseguem lembrar todas as vezes. Chocante.

  276. Há um número de menores acessando sítios adultos e tendo conversas sexuais com adultos.

  277. Os pais de antigamente eram mais permissivos sexualmente. Antigamente quer dizer “por volta da primeira guerra.”

  278. Parece que é norma para os homossexuais ser contra a pedofilia. Muito bem, mas, só pra ter certeza, pegue um homossexual de uns trinta anos e pergunte pra ele com que idade ele perdeu a virgindade e qual era a idade do parceiro.

  279. “Se tem crianças que gostam, porque é sempre ilegal?”, perguntam alguns adultos que viveram nos anos cinquenta.

  280. A primeira experiência sexual de Pim Fortuyn foi quando ele tinha cinco anos. Tá no seu livro Babyboomers.

  281. Fazemos um alarde por causa de uma coisa que a criança nem acha significante. Novamente, falando aqui de relações positivas, não de abuso real.

  282. Por vezes é mais seguro com um adulto. Não vão quebrar as leis, menores.

  283. Não existem crianças inocentes.

  284. Mesmo que haja criança inocente, a presença de um adulto, mesmo que sexual, que faça bem as vezes de pai ainda é melhor do que não ter pai, se o que a criança quer é afeto na falta de um pai presente. Isso é especialmente verdadeiro em sociedades capitalistas, nas quais ambos os pais trabalham e a criança perde contato com eles. Porém, o fato de algumas crianças explorarem com adultos e outras crianças sugere que o objetivo não é achar um pai substituto.

  285. A existência de relatos positivos provavelmente não convecerá quem já acredita que todos esses contatos são ruins (“antis”).

  286. Mas a falta de ênfase nesses encontros produz mais preconceito.

  287. O menor pode parar se souber que é ilegal e que o ato tem consequências.

  288. O fato de uma pessoa nunca se envolver sexualmente com uma criança e se interessar também por adultos não a desqualifica como pedófila, se ela se sente excitada mais facilmente por crianças.

  289. Se o Lewis Carroll tivesse levado Alice pra cama, supondo que ela quisesse e confiasse nele, será que ela sairia traumatizada do quarto?

  290. “Antis estão só desesperados por uma desculpa pra odiar.” É, também eu acho que tem muita gente que gosta de odiar.

  291. Alguns pedófilos assumidos recusam sexo com crianças apesar de a criança pedir, por razões éticas ou legais.

  292. Ambos podem querer e nada acontecer.

  293. Michael Jackson era amigo do menino do Esqueceram de Mim. Esse menino, inclusive, defendeu Jackson das acusações de abuso de menores, das quais ele foi absolvido.

  294. O número de relações positivas é provavelmente bem maior, porque esse é um assunto sobre o qual a maioria das pessoas prefere calar. É importante lembrar dos “três quartos” do Relatório Rind.

  295. Considerando que essas relações foram voluntárias, a hipótese de síndrome de Estocolmo não se aplica.

  296. E se esses casos forem invenção? Cheque as referências!

  297. Todos os pedófilos que estão saindo do armário nesta década, bem como todos os outros das décadas passadas envolvidos com o movimento, estão preocupados com a ética dessas relações. Nenhum deles quer “licença pra estuprar”.

  298. Se você acredita que eventos positivos são falsos, por que você não duvida dos eventos negativos? Eu posso questioná-los também.

  299. Rejeitar a possibilidade de experiências positivas parece ser uma prática escusável somente ao analisar relações entre adultos e menores. Em qualquer outro contexto, isso seria visto como falta contra a imparcialidade.

  300. Se pergunte: como eu poderia ser convencido de que uma relação foi positiva? Se nada puder te convencer, é você que tem um problema. Você está disposto a ignorar a opinião da pessoa que teve a experiência, enquanto você não a teve. Você não sabe o que eles sentiram. E, no entanto, se sente livre pra concluir de forma totalmente oposta a eles.

  301. É possível falar de consentimento em relações entre adulto e menor. Elas não são não-consentidas a priori, diz o autor.

  302. Essas relações, como relações entre dois adultos, não são somente sexuais. Há outros elementos, como afeição, proximidade emocional, apoio mútuo, entre outros. Em adição, o elemento sexual pode até estar completamente ausente.

  303. O fato de um terço das relações no livro envolverem menores pré-púberes evidencia a existência de sexualidade infantil. Ela não é como a sexualidade adulta, mas existe. Veja como bebês manipulam os genitais por vários minutos, sem razão aparente. Por que fazem isso? Porque é gostoso. É prazer sexual, mas o bebê, claro, não sabe que é. Ainda assim, é prazer sexual. Donde decorre que a puberdade apenas muda a forma de uma sexualidade que já existe.

  304. Não há base científica para leis de idade de consentimento.

  305. Uma relação inofensiva que é aprovada pelo menor e por seus pais não precisa ser proibida. Era assim no Brasil antes de 2009, quando passou a vigorar o 217-A do Código Penal.

  306. Se essas relações fossem totalmente sexuais, deveriam cessar quando o menor cresce. Mas grande parte continua.

  307. É possível que o menor seja traumatizado após uma relação dessas devido à intervenção do serviço social ou da justiça. Isso, porém, não significa que todas as relações são naturalmente boas; abuso “de verdade” existe, tal como existem adultos que estupram adultos (e, diga-se de passagem, crianças que estupram crianças).

  308. Uma criança capaz de fazer amizade com outra criança e tirar proveito disso pode também fazer amizade com um adulto e tirar proveito disso.

  309. Uma relação entre adulto e menor deve julgada segundo mérito individual, de forma que cada relação seja um caso em si. Não há necessidade de condenar todas as relações entre adulto e menor, na medida em que, ao fazer isso, a justiça pune crimes sem vítima ao mesmo tempo que se arrisca a vitimar o menor. Não é pra isso que a justiça serve. Aliás, isso não é justo, ponto.

  310. Mas, por razões morais, os pais devem ter o direito de proibir uma relação que julguem prejudicial. O que o Rivas quer é que voltemos à lei antiga que vigorava no Brasil antes de 2009.

  311. A pergunta que se deve fazer não é com que idade alguém pode se relacionar, mas quais os critérios éticos que devem ser levados em consideração nesse tipo específico de relacionamento. Em vez de proibir todas as relações com menores de catorze anos (porque é imoral privar alguém de um benefício sem custo, na medida em que é possível que o menor se beneficie), proibir relacionamentos violentos, dolorosos, não aprovados pelos pais, não aprovados pelo menor…

  312. O menor deve ter direito de se retirar da relação e não pode ser ordenado segredo.

  313. Sexualidade não deve ser forçada. Alguém pode perguntar “um adulto numa relação com um menor não iria sempre forçar o sexo?”, mas o fato é que adultos éticos, em relações com outros adultos, não insistem em contato sexual se o parceiro não o quiser. Algumas relações são até castas. É como dizer que um adulto, quando excitado, não parará por nada, como uma besta sedenta de sexo. Mas você realmente machucaria uma criança por sexo, especialmente se você a ama?

  314. A relação não pode causar dor e não pode ter consequências indesejadas.

  315. Se o menor diz não ou talvez ou mais tarde ou qualquer coisa que não um “sim”, não cruze a linha.

  316. Esses critérios éticos devem orientar novas leis no futuro, mas, enquanto esse futuro não chega, não devemos quebrar leis já existentes.

  317. Se essas relações fossem liberadas e o menor não tivesse vergonha de falar delas, abuso de verdade seria mais fácil de descobrir, porque muitos menores não falam por vergonha.

  318. Uma relação forçada, dolorosa, não aprovada pelos pais ou não aprovada pelo próprio menor ainda deve ser criminosa. Mas uma relação pacífica, saudável, aprovada pelo menor e por seus pais não precisa ser perseguida criminalmente.

  319. Leis de idade de consentimento não apenas proíbem relações entre adulto e menor, mas também entre dois menores.

  320. Se o menor for muito pequeno, isto é, criança, não deve haver qualquer penetração. Esses toques que nossos pais nos deram quando éramos crianças, por exemplo, não deveriam ser proibidos (e, no entanto, são proibidos desde 2009, se o juiz os considerar “atos libidinosos”, podendo colocar um pai na cadeia por até quinze anos por um ato cuja violência presumida a criança nem sentiu). Esses atos eram tão comuns, que passavam na televisão, se bem que superficialmente, como os indiozinhos no Castelo Rá-Tim-Bum ou a cena do Menino Maluquinho original em que a mãe dá banho no Maluquinho e tenta agarrar o “pirulito” dele. Isso nem era visto como escândalo e um monte de carícias aconteciam em casa. Mas a ONU achou que seria bom pra paz mundial proibir esses contatos no Brasil. Aliás, diga-se de passagem, a ONU faz um péssimo trabalho em manter a paz mundial. O que ela realmente é: um dispositivo de imperialismo cultural.

  321. Se uma amizade tomar um aspecto sexual, os pais do menor devem saber.

  322. Em nenhuma relação, não importando a idade dos envolvidos, uma parte deve ver a outra como objeto.

  323. Se o adulto percerber que tudo o que o menor quer é envolvimento emocional, é isso que ele deve dar.

  324. Se essas relações fossem egoistas, os menores não deveriam se beneficiar. Se eles se beneficiam da relação com o adulto, é porque o adulto não é egoista.

  325. Não é “sua” criança. Ela é livre.

  326. Elementos sociais devem ser levados em consideração. Se alguém souber, o menor seria prejudicado? Se uma relação tiver que ser mantida em segredo, talvez seja melhor não tê-la.

  327. Pode levar décadas pra que essas mudanças ocorram. Então, por enquanto, vamos ficar só na amizade, tá bom?

  328. Por mais que o adulto ame o menor, ele não deve mimá-lo. O menor não pode desenvolver dependência pelo adulto.

  329. O adulto deve informar o menor sobre abuso sexual infantil “de verdade” e instrui-lo a denunciar.

  330. Os pais são os únicos que devem obrigatoriamente saber da relação. Não precisa ser segredo, mas você não sai por aí contando isso pra qualquer um.

  331. Essas relações não podem acabar subitamente, para evitar dor emocional.

  332. Apesar de decididamente pró-contato, Rivas diz que, pelo menos no presente, é melhor ser “virtuoso”, isto é, celibatário em relação a menores.

  333. Dizer que um pedófilo não compreende o amor ou é incapaz de senti-lo é preconceito.

  334. Uma relação prazerosa, indolor, aprovada pelo menor e aprovada pelos pais não é imoral.

  335. Uma relação que não entra nesses padrões deve ainda ser considerada ilegal, diz o autor.

  336. Preconceito é imoral. Demonização de alguém por algo que você não compreende é imoral.

  337. Não se deve operar essas mudanças sem que o estigma social seja removido.

  338. Valores morais desse “Código de Honra do Pedófilo” devem ser revisados periodicamente de acordo com novas descobertas científicas, acompanhando a reflexão filosófica do tempo. Tal código deve ser usado como fundação para leis de regulação.

  339. Alguns críticos dizem: “mesmo que essas leis sirvam para impedir abuso real, nenhum adulto as quereria seguir.” Falam como se o desejo sexual sobrepujasse a razão em todos os adultos atraídos por menores. Se isso fosse verdade, como se explica que há um número enorme de pedófilos que nunca tem relações com menores, nem nunca consome pornô infantil? Esse preconceito, diz o autor, é herdado pelos virpeds (pedófilos anti-contato), mas eu posso dizer, por minha experiência, que há um número de virpeds que não pensa dessa forma. Pelo que eu pude observar, há várias razões pra alguém ser anti-contato e a habilidade de um adulto em seguir um código de conduta sexual (coisa que, aliás, todos os adultos normais fazem em relações já permitidas) não é uma razão boa pra um punhado de anti-contatos. Eles são prova viva de que uma pessoa pode ter uma atração e seguir um código de ética, mesmo que seu código de ética seja abstinência total.

  340. Pedofilia é atração por menores pré-púberes, ponto. Ela não implica egoismo, psicopatia, vontade de sequestrar, tendência pra estuprar e matar, nem nada disso. Se uma pessoa chega a fazer isso, ou é um caso de comorbidade ou a pessoa não era pedófila (pois a pedofilia, como atração sexual, implica sentimentos de amor).

  341. Se é o contato erótico que causa o dano, como é que crianças que tocam umas as outras não sofrem com isso?

  342. Se assumirmos que pedófilos têm pouco autocontrole, virpeds automaticamente perdem todo seu crédito. Como eles querem acabar com o estigma desse jeito? Assim, o anti-contato que diz que adultos atraídos por menores têm pouco autocontrole está implicando que pedófilos não podem ficar perto de crianças, logo, não podem participar da sociedade. O discurso de celibato completo se torna nulo. Mas é como eu disse, eu não vejo muitos virpeds dizendo que nosso autocontrole é precário.

  343. Se a criança não fala muito com os pais sobre seu amigo adulto, os pais devem perguntar.

  344. É o estigma social que faz com que a emancipação dessas relações seja vista como uma utopia. Basta lembrar que um monte de adolescentes de catorze anos tinha vida sexual ativa e saudável antes de 2009 no Brasil. Mas como? Isso não deveria ser utópico? É que, na época, havia mais tolerância. E nada de valor foi perdido.

  345. Relações entre adultos e menores devem ser, de alguma forma, monitoradas pelos pais. O autor não advoga que as crianças ou adolescentes devam tomar decisões como essa a despeito do posicionamento dos pais.

  346. A evidência de que o cérebro humano só chega à maturidade aos vinte e três anos não serve contra a emancipação desses relacionamentos: primeiro, porque essa evidência sugere que a idade de consentimento deveria ser vinte e três e, segundo, porque ela indica que dois menores não devem namorar ou ter relações antes dos vinte e três. Isso é ruim tanto pra menores quanto pra adultos. Ou se usa a evidência toda ou não se usa, em vez de usá-la seletivamente. Além do mais, há evidência contrária também. Supondo que o cérebro humano já tenha capacidade cognitiva madura o bastante antes dos vinte e três, menores só agem de forma errática porque adultos não lhes ensinam a se comportar de forma madura. E como vão ensinar, se o pânico moral em relação à pedofilia desencoraja adultos que poderiam mostrar afeição? A criança e o adolescente ficam presos ao aprendizado entre si, em vez de aprender de alguém mais experiente (o que explica porque gravidez adolescente acontece mais entre casais de jovens).

  347. Além do mais, esse argumento pressupõe que pessoas abaixo de vinte e três anos são sexualmente ignorantes.

  348. Se adultos não são capazes de agir eticamente em um relacionamento com um menor, supondo que tal fosse legalizado, por que então se espera que dois menores em relação entre si ajam eticamente, se o menor supostamente é menos mentalmente capaz?

  349. Como dito, alguns pais deixam porque veem que a criança não está sendo prejudicada e quer continuar.

  350. As crianças e os adolescentes devem conhecer seus direitos. O problema é que ninguém quer falar disso, pra não perder o controle sobre os menores.

  351. O debate atual sobre a pedofilia foca no indivíduo e não na relação. Querem que o adulto seja feliz apesar de abstinente, o que já é o começo, mas se recusam a pensar sobre o que torna uma relação positiva ou negativa. Ou assumem que é sempre negativa, o que não é verdade, ou não querem debater pra não perder fundos estatais. Pensam “como evitar?” em vez de “é necessário evitar?”

  352. Para o autor, é necessária uma nova leva de intelectuais que sejam mais abertos a direções radicais de pesquisa, porque a leva atual não quer falar sobre isso. Então, é preciso que os ventos mudem na ciência e na filosofia antes que possamos fazer quaisquer mudanças mais liberais nas leis de idade de consentimento. Eu não penso dessa forma. Concordo que é preciso diminuir o estigma até sua erradicação, mas creio que será necessária também uma nova leva de políticos e um aumento da aceitação por parte da população leiga. Isso porque pesquisadores têm carreiras pra manter e não querem causar ultraje público. O público precisa mudar primeiro.

  353. A homossexualidade ainda não é aceita o bastante, já que há menores com medo de se assumirem.

  354. E se o menor gostar tanto que acabe nunca encontrando, na idade adulta, um parceiro tão bom como o adulto com quem se relacionou na infância? Isso acontece também entre adultos. Quem nunca rompeu e se arrependeu, e depois viu que não podia voltar?

  355. O pânico moral é tamanho que, na falta de argumento, se inventam razões contra.

  356. Há esforço midiático sincero em fazer relações positivas e negativas parecerem a mesma coisa. Vitimização secundária é também exposta como intrínseca.

  357. Um número de pesquisadores rejeita dados positivos de caso pensado.

  358. Relações humanas positivas merecem proteção, não perseguição.

  359. A disparidade quantitativa entre estudos sobre consequências negativas e estudos sobre consequências positivas mostra como esse debate é viciado. Se a existência de relações positivas se tornar de conhecimento público, será uma questão de tempo até que pessoas descubram que sua qualidade é quase tão boa quanto a de relações entre adultos. Se pessoas pensarem dessa forma, podem também pensar que é injusto manter relações positivas ilegais, o que poderia se somar à crescente rejeição a leis de idade de consentimento (especialmente em locais onde é dezesseis ou mais). Daí, a sociedade mudaria e por aí vai. Manter as pessoas ignorantes sobre relações positivas é essencial para manter a sociedade como está. E isso é lucrativo.

  360. O excesso de proteção pode impedir a criança de amadurecer a um passo natural.

  361. A afirmação de que “relações com menores são violentas por definição e que qualquer que diga o contrário é um estuprador potencial” carece de provas. É duplo preconceito.

  362. Esse preconceito é reforçado pelo uso de amostras forenses na pesquisa sobre pedofilia. Esse problema começou a ser remediado na década passada.

  363. O fato de o consenso atual não ser imparcial já basta pra que o rejeitemos.

  364. O fato de que o preconceito das pessoas ainda existiria após a legalização não basta pra mantê-las ilegais. Existe preconceito contra homossexuais até hoje e esse preconceito diminui. Acho até que o preconceito contra relações intergeracionais seria superado mais cedo, porque o menor em relação positiva com um adulto amadurece mais rápido, inclusive intelectualmente, se devemos crédito aos casos do livro. Assim, haveria utilidade. Não seria uma coisa feita por puro prazer. Uma das razões pra homossexualidade ainda ser rejeitada pelos mais conservadores é de que a homossexualidade “não serve pra outra coisa além de prazer.” É assim que eu penso, mas não Rivas.

  365. A forma padrão de pesquisar a pedofilia é humilhante e desumanizante.

  366. O tratamento atualmente recebido pela pedofilia é o tratamento antes recebido pela homosexualidade. E agora homossexuais têm preconceito contra pedófilos.

  367. Existem pedófilos perfeitamente sãos.

  368. Pedófilos não devem pensar que estão doentes.

  369. Alguns (leia-se, Finkelhor) acreditam que o fato de haver relações positivas não invalida o fato de relações entre adulto e menor ainda serem imorais. Algumas pessoas que mantém essa visão argumentam que existem escravos felizes com sua condição. Mas comparar pedofilia e escravidão é descabido: a essência da escravidão é a falta da liberdade, que é um mal, ao passo que a essência de relações positivas entre adulto e menor é o amor entre os dois e o prazer sexual. Assim, um é essencialmente errado, o outro não é. Então, não dá pra concluir que pedofilia é sempre errado porque escravidão é sempre errado, mesmo existindo escravos felizes.

  370. Aliás, o fato de existirem menores que querem essas relações mostra como as leis de idade de consentimento se mostram como uma forma de controle e, portanto, de redução da liberdade.

  371. Rejeitar essas relações sem conhecer os dois lados revela preconceito, em vez de bom senso.

%d blogueiros gostam disto: