Analecto

14 de julho de 2018

An e-mail that I sent to Gay Star News.

So, since everyone is talking about the so called “pedophile pride flag” these days, I decided, as a good student on the subject, to clarify things to the tykes at Gay Star News. Since it’s unlikely that they would post my e-mail, I decided to paste it here for the public.

Regarding “minor-attracted people”.

I read your post on the flag thing and I have some thoughts on that story. First of all, “minor-attracted person” is a term pushed by B4U-ACT, a therapeutic circle that aims to help pedophiles and hebephiles to stay law-abiding despite having feelings for minors. The idea behind the term isn’t to normalize pedophilia, but to make pedophiles feel more at an ease with their therapists, as the word “pedophile” has become an insult. It’s an euphemism at most.

Second, MAPs in general want nothing to do with LGBT. It’s futile to attach yourself to a movement that doesn’t want your presence and rejects you. Saying that you are part of it doesn’t change anything. Both groups are separated. Worth noting is that, while there are MAPs interested in legalization, there are also MAPs who just are not. So, MAPs can not make any efforts towards any big societal change because there’s no consensus in the MAP communities regarding legalization. In fact, that’s an issue that divides that minority into smaller minorities, thus reducing their political potential for pretty much anything.

Third, you can be diagnosed with pedophilia at the age of sixteen, if you have feelings for minors for at least six months and said minors are under the age of thirteen. That being said, you can be a MAP and a minor at same time. So, it’s confusing that the article says that “minors should steer away from MAPs” because there are minors who identify as MAPs (again, that doesn’t imply that they act illegally and doesn’t even imply interest in legalization).

Finally, considering all those things, one is reminded of the Heart Progress scam. The consensus among the MAP communities around the Internet, both for legalization and against legalization, is that Heart Progress was a huge troll. The idea was to attach the stigma of pedophilia to leftist ideology. I came across MAPs saying that Heart Progress was founded by the alt-right, in an attempt to discredit the left. So, if MAPs don’t want association with LGBT (nor LGBT wants association with MAPs), all attempts at bringing the two together, at least in the West, should be seen as trollish behavior. Another incident that comes to mind was those five or so people carrying a NAMBLA banner during a leftist march. Turns out they weren’t really left, but were there to sabotage the march.

Understand that, in times of conservativism, the left in general and gays in particular are under a storm. They will try all sorts of extreme things to discredit leftist ideology and reduce liberals in number. I also think you should look deeper into the issue of attraction to minors, because, from the text that I read, you are very ill-informed.

I wrote a text on attraction to minors and it can be read in this site, here.

Um e-mail que eu mandei pro Gay Star News.

Então, visto que tem um monte de gente falando da tal “bandeira” da pedofilia esses dias, eu resolvi, como bom estudante do assunto, clarificar as coisas com o pessoal do Gay Star News. Como é improvável que eles postem meu e-mail, eu resolvi colá-lo aqui também.

Acerca de “pessoas atraídas por menores”.

Eu li seu artigo sobre o negócio da bandeira e eu tenho alguns pensamentos sobre essa história. Primeiro, “pessoa atraída por menor” é um termo empurrado pela B4U-ACT, um círculo terapêutico que visa ajudar pedófilos e hebéfilos a permanecer dentro da lei, apesar de terem sentimentos voltados a menores. A ideia por trás do termo não é normalizar a pedofilia, mas permitir que pedófilos se sintam mais à vontade com seus terapêutas, já que a palavra “pedófilo” virou insulto.

Segundo, essas pessoas em geral não querem nada a ver com LGBT. É fútil se anexar a um movimento que rejeita você. Dizer que você é parte desse movimento não muda o fato de que você não é. Ambos os grupos estão separados. Importante notar que, enquanto há indivíduos interessados na legalização, há também os que não estão (os tais “virtuosos”). Então, MAPs não podem fazer quaisquer esforços em direção a grandes mudanças sociais, porque não há consenso dentro dessas comunidades sobre a legalização. De fato, esse é um problema que divide uma minoria em minorias menores ainda, reduzindo, portanto, seu potencial político pra qualquer coisa.

Terceiro, você pode ser diagnosticado com pedofilia já aos dezesseis anos, se você tem sentimentos por menores por pelo menos seis meses e tal menor desejado tem menos de treze anos. Assim, é possível ser um menor atraído por menores. Isso torna confusa a afirmação do artigo de que “menores têm que se afastar de MAPs”, porque existem menores que se identificam como MAPs (novamente, isso não implica nem ação e nem mesmo interesse em legalização).

Finalmente, considerando todas essas coisas, a gente lembra do trote que foi o Heart Progress. O consenso em comunidades de MAPs ao redor da Internet, tanto os favoráveis quanto os infavoráveis à legalização, é de que Heart Progress era um grupo “troll”. A ideia era anexar o estigma da pedofilia à ideologia da esquerda. Eu já vi MAPs dizerem que Heart Progress foi fundado pela direita alternativa, numa tentativa de descreditar a esquerda. Então, se MAPs não querem associação com LGBT (nem LGBT quer associação com MAPs), qualquer tentativa de juntar os dois, ao menos no Ocidente, deve ser vista como uma piada ou um golpe. Outro incidente que me vem à mente é o daqueles cinco caras carregando uma faixa da NAMBLA durante uma marcha de esquerda. Acabou que esses caras não eram esquerda, mas estavam ali pra sabotar a marcha.

Entenda que, em tempos de conservadorismo, a esquerda em geral e os gays em particular estão sob pressão. Grupos sem escrúpulos usarão táticas extremas para descreditar a ideologia de esquerda e reduzir os liberais em número. Eu também acho que você deveria olhar mais fundo no fenômeno das pessoas atraídas por menores, porque, pelo que eu li no seu texto, você tá muito mal informado.

Eu escrevi um texto sobre atração por menores, que pode ser lido neste sítio aqui.

13 de julho de 2018

Annotations on “Gay and Bisexual Adolescent Boys’ Sexual Experiences With Men,” by Bruce Rind.

“Gay and Bisexual Adolescent Boys’ Sexual Experiences With Men: An Empirical Examination of Psychological Correlates in a Nonclinical Sample” was written by Bruce Rind. Below, some notes I made about his text. They do not necessarely reflect my views on a given subject.

  1. People only began to see relationships between adults and minors as always abusive and traumatic around thirty years ago.
  2. In fact, even today, even relationships in which there is no evidence of psychological or physical harm are viewed from an always negative point of view, even when both parties show an interest in continuing the relationship.
  3. The purpose of the study is to verify if this change in the way these relationships are viewed , a recent change, is justified, at least in the case of homosexual relationships between generations.
  4. The study uses mostly non-clinical, university samples .
  5. Among the one hundred and twenty nine men who participated in the study, twenty-six reported having had sexual experiences in adolescence with an adult male.
  6. These twenty-six do not differ from others in terms of mental adjustment.
  7. Most of these relationships were voluntary: the minor was not forced to participate.
  8. Also, most interviewees who have had these relationships consider them positive.
  9. The study did not identify age difference in degrees of consent (the younger does not necessarily oppose more resistance than the older one).
  10. Negative attention to relationships between adults and minors began to appear because of the women’s rights movement, which was interested in eradicating rape and soon turned its attention to incest.
  11. Rape became the standard model through which society understood incest.
  12. Over time, incest and, therefore, rape became the standard model through which society understood relationships between adults and girls (whether children or adolescents).
  13. Now, if relationships between adults and girls “are” rape, by logic they must be extremely damaging to the person.
  14. It follows that the idea that “relationships between adults and minors is never consensual” is a feminist idea : there is no equality between adult men and women, how could there be between men and girls?
  15. Thus, in feminist reasoning, inequality of force (which can be physical, mental or social) makes these relationships abusive by definition.
  16. Over time, in the early eighties, the relationship between man and boy began to enter into this model, and finally, relationships between boy and adult woman.
  17. The incest model, which did not serve to interpret all intergenerational relationships, became the lens through which even science saw these relationships, so that science could no longer be impartial in relation to such relationships: the damage was taken for granted, it was only a matter of measuring such damage.
  18. Even if the alleged victim denied that there was harm or coercion, she was considered to be harmed anyway.
  19. For some researchers, the child who claims that there was no harm or coercion or that the experience was positive is lying (if I am not mistaken, assuming the child is lying without proof is illegal ).
  20. Of course, this would be reflected in the media , which would say that all adult-minor relationships involve abuse of power and exploitation, despite the minor’s testimony (when such testimony is included in the news).
  21. The presence of informed consent does not guarantee that the relationship is safe, and it’s absence does not guarantee that the relationship is unsafe.
  22. Voluntary and innocuous sexual experiences are irrelevant in terms of psychological damage .
  23. At least in the case of boys, most early sexual experiences are voluntary .
  24. The fact that most sexual experiences between adult and girl are forced and therefore harmful does not guarantee that the same proportion of forced sexual contact occurs with boys.
  25. Sexual contact between boy and woman usually ends well, especially if the boy is a teenager .
  26. The homosexual boy who is the victim of forced or harmful sexual contact will obviously suffer from it and, moreover, may even become homophobic.
  27. But the use of force does not always occur.
  28. There is homosexual incest as well.
  29. If the contact is forced, it is almost certain that the experience will be negative and perhaps traumatic.
  30. If the contact is voluntary and pleasurable, it will probably be repeated.
  31. However, if a boy is homosexual, he is not gay because of the experience.
  32. It seems that it is common for a homosexual boy to be attracted to older men or adolescents.
  33. A homosexual boy can initiate sexual contact with the adult, so the adult may not need to seduce him.
  34. It is unlikely, in a male sample of the general population, that voluntary sexual contact between man and boy would end in any harm, with some boys, after they grow up, reporting that the experience was beneficial.
  35. In such cases, the person would question the “victim” label.
  36. In some indigenous tribes , this kind of contact begins before puberty.
  37. In other cultures, parents allow that, as long as the child is not injured, disrespected or humiliated.
  38. Part of the damage comes from the social reaction and the family structure.
  39. Non-clinical data and cross-cultural references do not conform to the feminist model.
  40. For purposes of study, any genital contacts are considered to be sexual, that is, the act does not have to be penetrative to be included.
  41. The researchers obtained the data from another, who interviewed men about their early sexual experiences, asking them to tell how it felt.
  42. A person who is between twelve and seventeen is considered a “teenager” for the purposes of the study, so only interviews with people who had sexual contacts around that age will be taken into account in the test group (the other interviewees go the control group).
  43. For young homosexuals or bisexuals, acceptance of sexuality is the most important factor in developing normal mental functioning: to repudiate a sexuality that can not be changed will have a negative effect on your mental life.
  44. The base study, from which the samples were obtained, classified sexual experiences into five outcome levels (where 1 would be “very negative experience” and 5 would be “very positive experience”) and five levels of consent (where 1 would be “forced” on the other and 5 would be “asked for the contact to the other”).
  45. The base study also classified the experiences into three levels of familiarity (where 1 would be “with stranger” and 3 would be “with friend”), in two types of repetition (where 1 would be “happened only once” and 2 would be “happened several times “), four types of duration (where 1 would be “relationship lasted less than one month”and 4 would be “relationship lasted more than one year”) and three types of contact (where 1 would be “masturbation” and 3 would be “intercourse”).
  46. No differences were found between test group and control group in regards to self-esteem.
  47. At least in the homosexual and bisexual male population, adolescent relationships, even if with adults, do not result in harm if the act is not forced or physically negative (painful, for example).
  48. Strangely, some of these individuals had a positive sexual identity earlier than the individuals in the control group.
  49. This contradicts the father-daughter incest model that started to base all relationships between adult and minor.
  50. Of these twenty-six individuals, the age of the first experience is, on average, fifteen years, with the partner having, on average, twenty-eight years, with an average age disparity of thirteen years.
  51. Of these twenty-six individuals, 42% had their first time with strangers, 35% with acquaintances and 23% with friends (a guy did with his older brother).
  52. 68% repeated the act.
  53. 42% maintained the relationship for less than a month, but only 25% maintained the relationship for another year.
  54. Nineteen of these individuals reported their sexual contact with the adult, of which 21% practiced only masturbation, 42% practiced oral and 37% practiced intercourse.
  55. 96% of the adolescents had already noticed that they are homosexuals before the experience.
  56. In these twenty-six cases, this discovery occurred, on average, at the age of seven, with the youngest realizing that he liked boys at age three and the oldest only at seventeen.
  57. Those men reached puberty, on average, at age eleven.
  58. If the discovery of homosexuality occurs early, labelling yourself as gay happens later (average age among participants was twelve years).
  59. It follows that early sexual experiences do not turn you gay: homosexuality is not learned.
  60. Among these twenty-six individuals, 92% were voluntary participants during the relationship, with 38.5% claiming that the experience was “very positive”, 38.5% claiming that the experience was “positive”, 7.7% claiming that it was “neutral” or “both positive and negative”, 3.8% claiming that the experience was “negative” and 11.7% claiming that the experience was “very negative” (remembering that the base study interviewed adults who were speaking out about their sexual experiences in adolescence with adults).
  61. Thus, 77% of these experiments were positive, 8% were neutral and 15% were negative.
  62. Of the twenty-six individuals, none was forced.
  63. 23.1% asked for sexual contact with the adult, 69.2% were of “mutually consenting” (both wanted) and 7.7% were not doing it because they wanted to, but only because the adult had asked for it.
  64. It follows that “total consent” (mutual or encouraging, excluding the ones who did it by request without really wanting to) occurred in 92% of cases.
  65. The level of outcome was not affected by the age difference or the age of the younger participant.
  66. But consent did: consent was closer to 5 if the adult participant was older, so that respondents were more willing to engage with adults much older than themselves when they were adolescents.
  67. The level of outcome increases as the level of familiarity increases.
  68. For some of these boys, that early sexual experience was the best they had.
  69. But this contradicts feminist activists, contradicts practitioners who work using the child abuse paradigm and contradicts the media.
  70. Incest is not always traumatic (to remember: incest is not a crime in Brazil, if both individuals are at least fourteen).
  71. The “mark of abuse”, the age disparity, had no negative effect either on the level of consent or on the level of harm or benefit, but on the contrary: the greater the age disparity, the more those precocious boys were interested (similar thing happens with girls).
  72. The fact that the adolescent is very young, at least in the sample studied, had no impact on his level of consent or negative effect on his level of achievement.
  73. If “innocence” is “asexuality,” then none of the subjects studied were innocent, since they were already aware of their sexual feelings before puberty.
  74. At least in the sample studied, boys rarely nurtured fantasies about same-age peers, usually having fantasies about older adults or adolescents.
  75. Their fantasy was inhabited by actors, singers, icons of popular culture, both real and fictional.
  76. Some tykes are addicted to underwear catalogs.
  77. Again, the earliest fantasies occur before puberty, although the first experience occurred in adolescence.
  78. The subjects studied, when telling their early fantasies, did not see adult men as possible abusers.
  79. Probably, this early curiosity explains why the boys did not offer opposition to the act and why some actively sought contact.
  80. If an adult can positively recall early sexual experiences, then the child or adolescent who denies that the contact was abusive can not be taken as an automatic liar.
  81. The model of incest between father and daughter can only be used to explain incest between father and daughter and should not be extrapolated to the other types of relationship between adult and minor.
  82. Many scholars, in coming in contact with such data, would still conclude that the experience was harmful.
  83. The boy who is not forced does not feel like a victim and will deny this label.
  84. The media can hear the denial of abuse coming from the child’s mouth and still document abuse .
  85. This can cause secondary damage .
  86. The media can also lie deliberately to turn a small occurrence into something of great proportions in order to generate great revenue.
  87. It should not be assumed that all relationships between adult and minor are forced.
  88. When a psychologist is disturbed by the boy who says that the experience was positive and that he is not a victim, the psychologist will give sincere effort into changing the boy’s opinion, so that he sees himself as a victim.
  89. The adult does not have to bribe or threaten the child or adolescent to consent to the relationship, but authorities may threaten or bribe him or her to admit the harm, even when it has not happened.
  90. Authorities may pressure the teenager to “admit” that he has been victimized.
  91. This is humiliating and also traumatic .
  92. Thus, the boy who has to go through this is a victim of the state, not a victim of the adult, insofar as he was not victimized by the adult (absence of damage and force).
  93. The social reaction against juvenile homosexual experiences may very well be a manifestation of homophobia, an attempt to teach these boys to “man up.”
  94. The application of the incest model (between father and daughter), a model that is so dear to feminism, to all relations between adults and minors, is unjust and unhappy, since it ignores the fact that incest between father and daughter is a very peculiar situation that occurs in completely different circumstances than those observed in other relationships between generations.
  95. The study sample can not be extended to all economic or ethnic groups, because the majority of the subjects studied were middle class, attended to university and were white.
  96. In addition, the findings of the study concern adolescents, not children (under 12).
  97. In addition, most of the cases studied involve voluntary relationships, so the findings do not extend to cases of rape (here defined as forced sexual intercourse, which are almost always harmful and frequently traumatic).
  98. Finally, all the subjects studied were either homosexual or bisexual, so that the research findings do not (obviously) extend to heterosexual boys who, for some reason, became involved with men.
  99. Rape and incest models have been developed since the 1970s to describe unwanted experiences between women and girls, that’s why those models describe other types of involvement so poorly.
  100. The study concludes that victim models should not be used to interpret voluntary relationships between adults and minors with compatible sexual orientations.
  101. One of the subjects did it with the teacher when he was twelve.
  102. Another man admitted that the age difference had aroused his curiosity, and that he had had his first orgasm when he was twelve with a man who was thirty-five.
  103. Yes, there are teenagers who lie about their age to get involved in such adventures (like the boy who walked into a gay movie theater using a fake ID card).
  104. One of the boys did it with his father’s best friend to take revenge on his father.
  105. One of the boys disliked the experience because the partner was a stranger, there being no emotional attraction between the two.

9 de julho de 2018

Notes on Kant’s “Groundwork of the Metaphysics of Morals”.

Filed under: Livros — Tags:, , , — Yure @ 19:14

Groundwork of the Metaphysics of Morals was written by Kant. Here are some notes I made about his text.

  1. Greek philosophy could be divided between logic, ethics and physics.
  2. Knowledge can be formal or material.
  3. Logic is a formal science.
  4. Material science is divided into ethics (laws of freedom) and physics (laws of nature).
  5. Ethics is concerned with things as they should be, while physics deals with things as they are.
  6. The rational, but not empirical, part of physics is called the metaphysics of nature, while the purely rational but not empirical part of ethics is called the metaphysics of morals.
  7. Like science, philosophy should be divided into parts and promote specialization.
  8. Parts of physics: nature’s metaphysics (rational) and empirical physics.
  9. Parts of ethics: practical (empirical) and anthropology of customs (rational).
  10. A metaphysics of customs is necessary because it allows the creation of stable laws, since they would be grounded on universal moral principles (which can only be achieved by distancing oneself from experience as much as possible).
  11. Practical rules are not moral laws, because they are particular .
  12. Without pure moral principles, morality will be subject to perversions.
  13. There is only one reason, which is applied in different ways.
  14. You do not have to be a philosopher to understand moral philosophy.
  15. An easy-to-apply principle that seems sufficient to solve a problem may still be wrong.
  16. All our qualities can be employed for evil, except goodwill, which manifests itself in character.
  17. Happiness, satisfaction with yourself and your condition, can cause presumption.
  18. Even self-control can harm the very controlled person or those who are close to the self-controlled person.
  19. Goodwill is what gives assurance to our virtues, because there is no guarantee that our virtues are being used for good otherwise.
  20. It is easier to break your duties if you are unhappy.
  21. “Duty” is the need to fulfill something by respecting the law.
  22. An action is not moral by its results, but by its motivation.
  23. I must act as if everyone had to imitate me.
  24. Can not the consequences of a lie outweigh the benefit that could be derived from lying?
  25. Before you act, think: “can my action be imitated by everyone?”
  26. The fact that I have good moral principles does not guarantee that I will be able to follow such principles.
  27. The fact that I want something very much does not imply that such a thing is good.
  28. A philosophy becomes popular by vulgarisation, which is not necessarily a bad thing.
  29. When I am acting according to my reason, I am acting by “will,” but when I act in a way that my reason disapproves, I am acting by “coercion.”
  30. Prudence is the ability to choose the means to get the best welfare.
  31. The law coerces.
  32. Desiring a goal also means desiring the means of attaining that goal.
  33. It is not possible to know exactly what happiness is without having experienced it, so many fail at attaining happiness.
  34. If happiness is the best welfare, it should come without maintenance cost, otherwise I would worry about keeping my happiness, but, if I’m worried, I am not happy.
  35. I can not tell someone how she should act to be happy, if I do not even know how to be happy myself.
  36. I can give up on rigid prescriptions if I give up on the goal I intend to achieve by obeying those prescriptions (unless they are unconditional prescriptions).
  37. Categorical imperative: “Act only according to principles that could be transformed into laws to which everyone would submit.”
  38. If an action satisfies the categorical imperative, it is fair (though not necessarily beautiful, not necessarily useful, but only fair).
  39. The difference between “impulse” and “motive” is that the impulse leads to subjective end (we perform this action because I have a personal goal) while motive leads to objective end (we perform this action because this is a goal of public interest).
  40. Practical imperative: “treat yourself and others as means and ends, never just as mere means.”
  41. If you do good by interest, your action is conditioned to interest, that is, you will not do good if you do not profit from it.
  42. If something can be replaced by an equivalent, then it has a “price”, but if it is irreplaceable, then it has no price, but “dignity.”
  43. No moral virtue has a price, since there are no equivalents to moral virtues.
  44. Autonomy is the ability to give to yourself the laws that you must obey.
  45. The opposite of autonomy is the need to accept laws from other sources.
  46. Being good and being happy does not necessarily converge.
  47. We can only know the thing as it shows itself to our senses, but that does not mean that its true self is its apparent self.
  48. Nature dictates laws, which we can not break, that is, we are not totally autonomous.
  49. But that does not mean that nature controls all of our acts, so we have some autonomy.
  50. Our thinking substance , intelligence, is our true self.

Anotações sobre a “Fundamentação da Metafísica dos Costumes”, de Kant.

Filed under: Livros — Tags:, , , — Yure @ 17:38

Fundamentação da Metafísica dos Costumes foi escrita por Kant. Abaixo, algumas anotações que fiz sobre esse texto.

  1. A filosofia grega podia ser dividida entre lógica, ética e física.
  2. Um conhecimento pode ser formal ou material.
  3. Lógica é uma ciência formal.
  4. A ciência material divide-se em ética (leis da liberdade) e física (leis da natureza).
  5. A ética está preocupada com as coisas como deveriam ser (como o ser livre deve agir), enquanto que a física se ocupa das coisas como são (como a natureza age).
  6. A parte racional, mas não empírica, da física chama-se metafísica da natureza, enquanto que a parte meramente racional, mas não empírica, da ética chama-se metafísica dos costumes.
  7. Tal como a ciência, a filosofia deveria se dividir em partes e promover a especialização.
  8. Partes da física: metafísica da natureza (racional) e física empírica.
  9. Partes da ética: antropologia prática (empírica) e metafísica dos costumes (racional).
  10. Uma metafísica dos costumes é necessária porque permite a criação de leis estáveis, uma vez que partiriam de princípios morais universais (os quais só podem ser alcançados se distanciando da experiência tanto quanto possível).
  11. Regras práticas não são leis morais, porquanto são particulares.
  12. Sem princípios morais puros, a moralidade estará sujeita à perversões.
  13. Só há uma razão, que é aplicada de formas diversas.
  14. Não precisa ser filósofo pra entender filosofia moral.
  15. Um princípio de fácil aplicação e que parece bastar para resolver um problema pode, ainda assim, estar errado.
  16. Todas as nossas qualidades podem se prestar ao mal, exceto a boa vontade, a qual se manifesta no caráter.
  17. A felicidade, a satisfação consigo mesmo e sua condição, pode causar presunção.
  18. Até mesmo o autocontrole pode prejudicar a pessoa ou aqueles que estão próximos dela.
  19. A boa vontade é o que dá garantia a nossas virtudes, pois, sem ela, não há garantia de que nossas virtudes estão sendo usadas para o bem.
  20. É mais fácil infringir seus deveres se você está infeliz.
  21. “Dever” é a necessidade de cumprir algo pelo respeito à lei.
  22. Uma ação não é moral por seus resultados, mas pela sua motivação.
  23. Devo agir como se todos tivessem que me imitar.
  24. Será que as consequências de uma mentira não superam o bem que se pode derivar dela?
  25. Antes de agir, pense: “e se o que estou para fazer se tornasse lei?”
  26. O fato de eu ter bons princípios morais não garante que serei capaz de seguir tais princípios.
  27. O fato de eu querer muito alguma coisa não implica que tal coisa é boa.
  28. Uma filosofia se torna popular pela vulgarização, o que não é algo necessariamente ruim.
  29. Quando estou agindo conforme minha razão, estou agindo por “vontade”, mas, quando ajo de forma que minha razão desaprova, estou agindo por “coação”.
  30. Prudência é a habilidade de escolher os meios para obter o melhor bem-estar.
  31. A lei coage.
  32. Desejar um fim é desejar também os meios de obtenção do fim.
  33. Não é possível saber exatamente o que é felicidade sem tê-la experimentado, por isso muitos erram o caminho até lá.
  34. Se a felicidade é o melhor bem-estar, ela deveria vir sem custo de manutenção, do contrário, eu me preocuparia em manter minha felicidade quando, se eu me preocupo, não estou feliz.
  35. Eu não posso dizer pra alguém como ela deve agir pra ser feliz, se eu mesmo não sei como.
  36. Eu posso desistir de prescrições rígidas se eu desistir do objetivo que pretendo alcançar as obedecendo, a menos que sejam prescrições incondicionadas a fins.
  37. Imperativo categórico: “aja apenas segundo princípios que poderiam ser transformados em leis às quais todos se submeteriam.”
  38. Se uma ação satisfaz o imperativo categórico, ela é justa (se bem que não necessariamente bela, não necessariamente útil, mas apenas justa).
  39. A diferença entre “impulso” e “motivo” é que o impulso leva a fim subjetivo (eu executo esta ação porque me é agradável apenas) enquanto que motivo leva a fim objetivo (eu executo esta ação porque me é agradável, mas também é agradável a todos).
  40. Imperativo prático: “trate a si mesmo e também aos outros como meios e fins, nunca somente como meros meios.”
  41. Se você faz o bem por interesse, a sua ação é condicionada ao interesse, ou seja, você não fará o bem se não lucrar com isso.
  42. Se algo pode ser substituído por um equivalente, esse algo tem “preço”, mas, se ele é insubstituível, diz-se que ele não tem preço, mas “dignidade”.
  43. Nenhuma virtude moral tem preço, porquanto não lhes existem equivalentes.
  44. Autonomia é a capacidade de dar leis a si mesmo.
  45. O contrário da autonomia é a necessidade de aceitar leis de outras fontes.
  46. Ser bom e ser feliz não necessariamente convergem.
  47. Só podemos conhecer a coisa como ela se mostra aos nossos sentidos, mas isso não quer dizer que seu eu verdadeiro é seu eu aparente.
  48. A natureza nos dita leis, as quais não podemos quebrar, ou seja, não somos totalmente autônomos.
  49. Mas isso não quer dizer que a natureza controla todos os nossos atos, então temos alguma autonomia.
  50. Nossa substância pensante, a inteligência, é nosso verdadeiro eu.

2 de julho de 2018

Anotações sobre “A Evolução Criadora”, de Henri Bergson.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , — Yure @ 14:38

“A Evolução Criadora” foi escrito por Henri Bergson. Abaixo, algumas anotações que fiz sobre o texto dele.

  1. Pra quê evoluímos?
  2. É possível entender a vida em todas as suas manifestações quando nós mesmos somos manifestações da vida que nos circunda?
  3. Nossas teorias não descrevem a vida em exatos detalhes.
  4. Há poucas descobertas no campo da biologia que foram alcançadas sem esforço empírico, se é que existe alguma.
  5. Procedimentos que explicam a matéria bruta não podem explicar coisas vivas.
  6. Não podemos generalizar com dados insuficientes, nem fingir que uma explicação parcial é uma teoria completa.
  7. De um ponto de vista evolutivo, nossa inteligência pode muito bem ter origem acidental.
  8. Se você tem uma teoria incompleta ou limitada, não nutra altas esperanças sobre ela.
  9. Existem pessoas que acham que é possível conhecer tudo e existem pessoas que acham que o desconhecido é necessariamente insondável.
  10. São ambas posições tão extremas quanto erradas.
  11. Não devemos desistir de conhecer aquilo que nos é desconhecido, porque não sabemos até onde nosso intelecto é capaz de ir.
  12. Só poderíamos desistir se soubéssemos quais são os limites do nosso conhecimento.
  13. Assim, uma teoria da vida (entendimento do mundo) não pode ser abstraída de uma teoria do conhecimento (entendimento da inteligência).
  14. A vida ajuda a entender o conhecimento e o conhecimento ajuda a entender a vida.
  15. Uma teoria evolutiva completa não é tarefa para um só homem, nem para uma só era.
  16. A vida transcende tanto o mecanismo quanto o finalismo, enquanto sistemas de compreensão.
  17. Tudo está em constante mudança.
  18. Todas coisas acumulam pequenas mudanças e dizemos que algo passou de um estado a outro quando o acúmulo de mudanças torna-se perceptível.
  19. Se é assim, passar de um estado a outro e permanecer no mesmo estado são a mesma coisa: ambos são mudança, só que, no segundo caso, as mudanças não se acumularam o bastante para serem percebidas.
  20. A divisão do tempo em momentos é artificial.
  21. Só o presente existe.
  22. Só lembramos daquilo que tem relevância presente.
  23. Mesmo que uma mesma condição ocorra sobre uma pessoa, ela ocorre em um instante diferente de sua história, o que significa que não é possível que passemos duas vezes pela mesma situação, pois ela será diferente em condições ou tempo.
  24. Não é possível reviver algo em seus mínimos detalhes, especialmente porque isso requereria que a memória do evento fosse apagada.
  25. Você não pode resolver os problemas da vida dos outros.
  26. Somos impacientes porque não temos controle sobre a duração do tempo, inclusive da nossa própria duração.
  27. Se pudéssemos encurtar ou extender a duração de um evento, não seríamos impacientes.
  28. Seccionar a natureza em entidades isoladas, que podem ser estudadas separadamente, é uma necessidade de estudo e, portanto, artificial.
  29. Na natureza, biologia, física e química, por exemplo, não estão separadas uma da outra, mas nós as separamos pra estudá-las melhor.
  30. Categorizar seres vivos em conceitos separados (como espécie) não é fácil, porque nem sempre sabemos exatamente quando dois seres muito parecidos devem ser classificados como espécies diferentes ou ser classificados como seres de mesma espécie (por isso nossa classificação das espécies é sujeita a revisões).
  31. Se cada individualidade é impelida por sua natureza à reprodução, ela logo não será mais individualidade.
  32. Não existe, no mundo sensível, nada imune à passagem do tempo.
  33. A puberdade e a menopausa são comparáveis a metamorfoses.
  34. Maturidade sexual e desgaste sexual são coisas que se originam no indivíduo, elas não são impostas por uma entidade estranha a ele, como o estado, que diz que você só pode ter desejo sexual a partir dos catorze anos.
  35. A puberdade é apenas o ponto alto de uma séria de preparações biológicas que acontecem o tempo todo e que a antecipam, ela não é um fenômeno cronologicamente isolado, do tipo “bum, virou adolescente agora”.
  36. Algumas ideias são tão tentadoras que são aceitas sem provas.
  37. O mais complexo pode vir do mais simples.
  38. Como provar que algo é impossível?
  39. Uma explicação mecânica usa o presente para calcular o passado e o futuro.
  40. Não podemos ignorar dados empíricos relevantes só porque não entram no sistema vigente (nesse caso, é o sistema que tem que ser revisto).
  41. Nem totalmente mecanicista, nem totalmente finalista.
  42. Cada ser vivo se organiza para si mesmo.
  43. Normalmente, pensamos para agir, tudo o mais é luxo.
  44. A causalidade é um hábito mental que facilita a execução de nossos planos.
  45. Será que nossa mente realmente tem todos os elementos necessários ao conhecimento da verdade?
  46. Uma explicação finalista geralmente é improvável.
  47. Causas parecidas geram efeitos parecidos.
  48. “Adaptação” é um conceito importante no evolucionismo, mas ele pode ser aplicado de formas diferentes dependendo de quem raciocina.
  49. Os que não se adaptam, morrem, mas os que vivem derivam um efeito positivo da adaptação.
  50. Assim, a “seleção natural” não tem papel meramente negativo, ela não significa simplesmente que os menos adaptados morrem, mas que os que se adaptam tornam-se mais aptos a sobreviver.
  51. Uma metáfora não é uma explicação, mas uma clarificação, e não deve ser tomada como explicação.
  52. Repetir (mesma causa, mesmo método, mesmo efeito) não é replicar (causa diferente, método diferente, efeito parecido).
  53. A existência de seres com diferentes escalas de “perfeição” depõe contra o finalismo.
  54. É possível criar novas espécies pela intervenção humana.
  55. Se uma mesma palavra pode ser tomada em mais de um sentido, especifique qual o sentido usado sempre que a usar, para que o leitor não te entenda errado.
  56. Existem dois tipos de adaptação: passiva (o ambiente modifica o sujeito ou o órgão) e ativa (o sujeito muda a si mesmo de acordo com o ambiente).
  57. Uma causa pode agir por impulsão (o efeito é proporcional em quantidade e qualidade), desencadeamento (o efeito não guarda proporção quantitativa nem qualitativa com a causa), desenrolamento (a quantidade de efeito depende da causa, mas não sua qualidade) ou de forma intermediária entre esses três.
  58. Um animal diferente pode ter órgãos equivalentes aos nossos, que são formados por processos embriológicos completamente distintos.
  59. Um órgão pode regenerar outro.
  60. Se características adquiridas forem hereditárias, então o evolucionismo passaria a fazer ainda mais sentido.
  61. A toupeira se refugia sob o solo porque sua visão é sensível ou sua visão é sensível porque ela se refugia sob o solo?
  62. Dizer que há uma forma correta de evoluir implica a existência de uma mente que ordene a evolução, do contrário não se pode falar que a evolução errou, como se a natureza visasse qualquer fim particular.
  63. Um embrião não se desenvolve por adição de elementos, mas por desenrolamento de elementos já existentes nele.
  64. A percepção de um fenômeno altera a teoria que se faz sobre ele.
  65. A evolução é imprevisível porque ela não é linear, mas ramificada.
  66. Na infância, nossa personalidade adota vários papéis, mas acaba escolhendo um, com o qual ficará a vida toda.
  67. Nem todas as espécies sobrevivem.
  68. Com o passar do tempo, disciplina e progresso tornam-se incompatíveis.
  69. As espécies se completam.
  70. A evolução começa com a necessidade de adaptação.
  71. Quem não se adapta, morre.
  72. Isso explica porque algumas espécies não evoluem e existem até hoje: seu modo de ser ainda lhes serve.
  73. Fazemos escolhas a todo instante e, com elas, sacrificamos possibilidades.
  74. Existem coisas que ocorrem por acidente, mas isso não quer dizer que tudo é acidental.
  75. Um plano é um termo idealizado para um trabalho.
  76. A inteligência é parte da vida.
  77. Compreender uma coisa qualquer requer conhecer suas tendências, não somente seu estado.
  78. Nossa evolução segue o rumo de nossas preferências e comodidades, ou seja, nossas escolhas influem na evolução de nossa espécie.
  79. A evolução não converge, as ramificações evolutivas não estão indo na mesma direção.
  80. O cérebro de pessoas que morreram de fome geralmente está em bom estado, se bem que a fome arruína quase todos os outros órgãos, o que sugere que, em situações de fome, o corpo desvia nutrientes que seria aplicados em outros órgãos para aplicá-los no cérebro.
  81. Todo o corpo age em função do sistema sensório-motor (hoje, nervoso).
  82. Trabalho e resultado não são proporcionais na evolução da vida.
  83. Trocar a defesa por agilidade implica correr riscos, mas também aceitar um alto potencial de ataque e de evasão, o que pode ser melhor do que uma defesa que limita os movimentos.
  84. Instinto e inteligência são diferentes e complementares.
  85. Um elefante, tal como o macaco, pode se servir de ferramentas artificiais, se estas lhe forem dadas.
  86. Há animais que reconhecem coisas artificiais, animais que usam coisas artificiais e animais que fazem coisas artificiais.
  87. O verdadeiro impacto de algo é sentido quando esse algo deixa de ser novidade.
  88. O ser humano não pode contar com suas habilidades naturais para sobreviver, por isso cria instrumentos e transforma o ambiente.
  89. O instinto dá soluções imediatas, mas limitadas, enquanto que a inteligência dá soluções mais lentas, com mais potencial.
  90. A aplicação de um adjetivo pode facilitar a compreensão de um substantivo.
  91. A forma pode ser conhecida sem sua matéria, pela via de abstração.
  92. Se você é inteligente, pode sempre se superar.
  93. Existem coisas que somente o instinto pode encontrar, mas o instinto não as procura por conta própria.
  94. Podemos tomar o senso comum como ponto de partida para resolver questões filosóficas, sem recorrer a sistemas filosóficos preventivamente.
  95. Os sólidos são os primeiros objetos da inteligência.
  96. Existe um modo de pensar para a especulação e um modo de pensar para a ação.
  97. Antes de procurar a matéria para construir algo, você precisa formar esse algo em sua mente, de forma que, no processo inventivo, a forma precede a matéria em importância.
  98. Porque o ser humano é social, sua inteligência se associa à inteligência alheia a fim de perseguirem juntas um objetivo comum.
  99. Isso é possível graças à linguagem.
  100. Mas, para que a linguagem comunique inteligências, é preciso que as inteligências envolvidas falem a mesma linguagem ou, de alguma outra forma, sejam capazes de se entender.
  101. Numa colônia de formigas ou de abelhas, as funções de cada indivíduo variam segundo suas características físicas, de forma que, na medida em que não é possível mudar de corpo, não é possível mudar de função.
  102. Isso não acontece com seres humanos, os quais não têm papeis sociais ligados a estrutura física.
  103. Talvez seja por isso que nosso papel tem que ser aprendido.
  104. Existem coisas que só a inteligência pode procurar.
  105. Porque o objeto primário da inteligência são os sólidos, nossa inteligência se sente à vontade na geometria, a qual nunca está errada.
  106. Lógica e geometria são inseparáveis.
  107. Só podemos estudar o todo se o seccionarmos.
  108. É preciso separar o infinito em espaços e a eternidade em tempos.
  109. A inteligência conhece o novo ao compará-lo com o velho.
  110. Como a vida é infinita, eterna, original e em movimento, a inteligência não pode conhecê-la tal como ela é.
  111. Para compreender a vida tal como ela é, precisamos vivê-la e isso se faz pelo instinto, o qual é ação.
  112. Também o ser humano tem instinto, o qual é totalmente visível na primeira infância, pois o bebê já nasce sabendo sugar.
  113. Animais gregários podem ser tão organizados que sua comunidade pode ser considerada uma entidade orgânica, especialmente quando seus indivíduos morrem se separados do todo, mesmo na presença de abrigo e comida, como é o caso das abelhas.
  114. Nesses casos, o instinto leva à organização.
  115. Há instintos melhores (mais necessários ou mais precisos) que outros.
  116. Nem tudo na evolução é operado por acaso, com os sujeitos que evoluem tendo também papel ativo no curso de sua evolução, ao menos no caso dos animais.
  117. Tal como a inteligência, o instinto também pode errar.
  118. Filosofia e ciência são complementares.
  119. Inteligência e intuição são paralelos, mas não a mesma coisa.
  120. Estado cerebral não é o mesmo que estado psicológico.
  121. As consequências de uma invenção não são proporcionais a invenção.
  122. A influência de uma invenção sobre a humanidade depende do uso que se faz dela, mais do que o produto da operação da invenção.
  123. Quanto mais se é inteligente, mais se reflecte sobre os meios para se alcançar um objetivo.
  124. Tentar ir mais longe que a inteligência requereria inteligência.
  125. Às vezes pensamos que algo é impossível só porque nunca vimos acontecer.
  126. Eu não vou saber se não tentar.
  127. Se superar a inteligência requer inteligência, então não é possível superar a inteligência.
  128. É possível falar das coisas conhecidas e falar do conhecimento.
  129. Não é necessário dividir os conhecimentos entre humanidades e ciências naturais.
  130. A ciência e a filosofia devem se voltar sobre os mesmos objetos, para examiná-los por diferentes pontos de vista, o ponto de vista da vida e o ponto de vista da matéria.
  131. É natural que a ciência e a filosofia discordem entre si, uma vez que divergem de método.
  132. Optar somente pela ciência ou somente pela filosofia é sacrificar um ponto de vista sem que o outro ponto de vista ganhe qualquer coisa com isso.
  133. Não somos totalmente livres, mas temos algum grau de liberdade.
  134. Se Kant diz que não podemos conhecer a coisa em si, ele não tem autoridade pra afirmar que a coisa em si existe.
  135. A ciência só fala da realidade quando discorre sobre a matéria, mas não mais que aproximadamente quando fala da vida.
  136. O conhecimento científico cresce, e a teoria do conhecimento só fica mais difícil.
  137. As duas funções essenciais da inteligência: dedução e indução.
  138. Premissas duvidosas levam à conclusões duvidosas, mesmo que o processo seja perfeito.
  139. É possível aprender geometria sem estudar geometria.
  140. A dedução é problemática como método na psicologia e na moral.
  141. A dedução é um método mais adequado à interpretação da natureza, menos adequado à interpretação do homem.
  142. Repetidas as condições, repete-se o fato.
  143. “Leis da física” são formas de expressar matematicamente um fenômeno condicionado, não tendo, portanto, existência objetiva.
  144. É muito difícil pensar em algo definido como uma ausência (o “nada” ou a “desordem”).
  145. Palavras que definem ausência não se referem à coisas objetivas.
  146. A expressão negativa é definida em função do que procuro (“não tem nada neste balde”, porque o balde está cheio de alimento e estou procurando produto de limpeza).
  147. Raciocinar sobre palavras negativas, isto é, que designam ausências, cria problemas falsos, os quais estão fadados a resultar em respostas absurdas.
  148. É preciso saber formular a pergunta antes de procurar uma resposta.
  149. É possível que a “desordem” seja uma ordem de outra natureza.
  150. Dizemos que algo é ordenado quando satisfaz nosso pensamento.
  151. Ordem e desordem são relações entre sujeito e objeto.
  152. Uma ordem pode comportar certo grau de imprevisibilidade.
  153. Generalizamos por repetição.
  154. O Aristóteles da filosofia do século vinte é Galileu.
  155. A vida progride graças aos vivos.
  156. Cada exemplar de uma espécie é diferente dos outros exemplares, e tem em si os meios para diferenciar-se dos outros.
  157. O problema principal da teoria do conhecimento: como a ciência é possível?
  158. É a desordem pior que a ordem?
  159. Existe uma ordem automática e uma ordem voluntária.
  160. Existe aleatoriedade programada.
  161. Acaso não é desordem.
  162. Desordem é relativa.
  163. É difícil entender a criação do universo, porque queremos que ela tenha acontecido de uma vez, quando poderia ter se dado gradualmente.
  164. Tratamos o sistema solar como um local separado do resto da galáxia porque há um nível de “solidariedade” entre suas partes que vai se tornando mais “frouxo” quanto mais longe se está do Sol, até que esse nível seja baixo o bastante para não ser mais considerado relevante: é aí onde o sistema solar acaba.
  165. Dependemos do Sol e da Terra, bem como de todos os recursos implícitos nessas coisas.
  166. Se o universo é infinito, as nossas leis da física podem não funcionar em alguns lugares do universo.
  167. A lei da conservação de energia pode ser relativa, um efeito aparente de nossas formas de medição, especialmente se o sistema não for fechado.
  168. Existem diferentes tipos de energia.
  169. Isso quer dizer que a lei da conservação de energia teria, nesse caso, um forte caráter convencional.
  170. É verdade, a lei da conservação de energia funciona neste universo.
  171. Se seguirmos literalmente o princípio da degradação, então, eventualmente, o universo parará de mudar.
  172. Algumas questões relativas à entropia, à energia e à degradação escapam do domínio da física.
  173. Dependemos mais das plantas e, consequentemente, da luz solar do que comumente pensamos.
  174. A existência da morte não significa que, um dia, não haverá mais seres vivos no universo.
  175. Uma realidade que se desfaz pode originar outra.
  176. Cada “corte” espacial ou temporal feito sobre o infinito ou sobre o eterno pode ser decomposto ulteriormente.
  177. Essencialmente, a vida animal é obtenção e gasto de energia.
  178. Nossa vida se faz com carbono, mas como seria a vida criada substituindo o carbono por outro elemento?
  179. Seres vivos que não dependessem de carbono não seriam análogos às criaturas com as quais estamos acostumados.
  180. É possível que haja vida em outros planetas, então.
  181. Nossas escolhas são limitadas também por nossa consciência e por nosso cérebro.
  182. O ser humano é a ponta de uma das múltiplas linhas evolutivas, não o ápice da evolução inteira, na medida em que a evolução não é uma linha só.
  183. Podemos ir da intuição para a inteligência, mas nunca o contrário.
  184. As espécies novas surgem quando as espécies se tornam muito diferentes do que antes eram (transformação gradual).
  185. Se você tentar imaginar o nada, acabará ainda imaginando o espaço em que as coisas deveriam estar, ou seja, você estaria ainda pensando em algo, que é o espaço.
  186. Conceber palavras para designar ausências só é possível em criaturas capazes de lembrança e expectativa.
  187. O nada é absurdo, tal como um círculo quadrado.
  188. Enunciados negativos só existem na mente, não tendo realidade objetiva, servindo apenas para fins discursivos.
  189. O não-ser não é.
  190. A ideia de nada é a ideia do tudo com o acréscimo da negação (não-tudo = nada).
  191. “Por que algo existe, em vez de nada?” é uma pergunta idiota.
  192. Apesar de falsa, essa pergunta se impõe como pertinente, como um fantasma que assombra.
  193. Pensamos para agir e toda ação se origina de uma insatisfação.
  194. Uma realidade necessária não precisa estar alheia à duração para ser considerada necessária.
  195. Entendemos o movimento ao entender seus instantâneos.
  196. Isso não quer dizer que o movimento é feito da sucessão de instantâneos, ou seja, a divisão do movimento em instantâneos é coisa da nossa mente.
  197. Se algo está em movimento, ele nunca está em um ponto de seu trajeto, na medida em que ponto (posição) é algo imóvel, a menos que o ponto seja relativo.
  198. O movimento não é como a linha, divisível em ato; só se pode dividir o movimento na mente.
  199. Não existem “infância” ou “adolescência” como estados estáticos da vida, mas somente a “vida”.
  200. Não sacrifique a realidade no altar da linguagem, como quiseram os carinhas de Eleia.
  201. As três categorias essenciais da linguagem: substantivo, adjetivo, verbo.
  202. A evolução ou abandono de uma ciência requer uma mudança de modo de pensar, no caso, entre o modo de pensar “cinematográfico” e o modo de pensar fluido.
  203. Podemos derivar o conceito de imutabilidade do conceito de mudança, mas não o contrário.
  204. A ciência sempre visa utilidade prática.
  205. Se a divisão da eternidade em tempos é sempre artificial, então, por padrão, todos os instantes são igualmente importantes e nenhum deles pode, sozinho, determinar todo o movimento.
  206. Modificar o tempo despendido modificará o resultado.
  207. Quando uma ciência restringe seu método, qual ciência fica com o que aquela rejeitou?
  208. É mais fácil que diferentes frases digam a mesma coisa se elas estiverem em línguas diferentes.
  209. A ciência do fluxo vital é menos objetiva, mas não tão pouco objetiva quanto a ciência dos fenômenos psíquicos.
  210. Diferentes ciências têm diferentes graus de objetividade.
  211. Há um fator de relatividade.
  212. Se existem diferentes realidades, a ciência não pode ser uma só.
  213. Se formos analisar somente um aspecto da realidade, é mais seguro concluir sem levar em consideração o todo, mas, quando mais aspectos estudamos, menos seguras ficam nossas conclusões.

1 de julho de 2018

Górgias’ “Praise of Helena”.

Filed under: Livros, Passatempos, Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yure @ 13:11

Praise of Helena was written by Górgias. Below are some notes that I took about his text.

  1. Order is truth, beauty, wisdom, justice, and whatever opposes to it is disorder.
  2. Good reputation is worth praise.
  3. The truth frees you from ignorance.
  4. Did Helena go to Troy on her own?
  5. If Helen went there because she needed to, it’s excusable.
  6. If she was kidnapped, too.
  7. Speech is like magic: it incites or calms emotions, subtly manipulates behavior.
  8. Speeches can take advantage of a soul’s mistakes, manipulating it through it’s weaknesses.
  9. Lies only work with ignorant people.
  10. You are ignorant when you accept opinions without questioning them first.
  11. What if Helena had been convinced?
  12. If she was convinced to leave to Troy, it is also excusable; she was manipulated.
  13. Convincing those who have scientific knowledge also requires scientific knowledge and perhaps a good speech, but that doesn’t mean you are supposed to say the truth to convince.
  14. A powerful speech can be like poison or even medicine.
  15. If Helena was seduced by Alexander, it is excusable, since love is capable of distorting behavior and thinking.
  16. This book also is an opinion-shaping speech.

%d blogueiros gostam disto: