Analecto

10 de outubro de 2018

Why do I need another blog?

Filed under: Computadores e Internet, Passatempos — Tags:, , — Yure @ 11:48

I received an anonymous comment these days. In it, the author said that Epifania had liked my idea of ​​making a second blog for things related to child sexuality. I had already cooled off the idea because taking care of a blog is already difficult for me, especially now that I’m getting ready for a test. So since I’m corrupting the five or six people in my audience by posting a lot of things about child sexuality, why would another blog be needed? Just send the texts and I’ll publish them if I think it’s worth publishing them.

I need to establish some rules before doing this. Any suggestions? If I were to do things like O’Carroll does and allow other people to send me texts to post them in this blog, what kind of rule would be a helpful in keeping quality assurance of sorts? Fact is that I gave up the idea of making another blog, since nobody is able to manage it, and I decided that it would be easier for me and also for us all if this already existing blog was used for that purpose.

Thanks to the two guys who give Portuguese comments to the stuff I post here. I really appreciate that.

Anúncios

Pra que outro blog?

Filed under: Computadores e Internet, Passatempos — Tags:, , , — Yure @ 11:31

Eu recebi um comentário anônimo esses dias. Nele, o autor dizia que o Epifania tinha gostado da minha ideia de fazer um segundo blog pra coisas relacionadas a sexualidade infantil. Eu já tinha esfriado em relação à ideia porque cuidar de um blog já estava sendo difícil pra mim, especialmente agora que eu estou me preparando pro concurso. Então, já que eu estou corrompendo as cinco ou seis pessoas na minha audiência postando um monte de coisas sobre sexualidade infantil, por que outro blog seria necessário? Só mandem os textos e eu os publicarei, se achar que vale a pena publicá-los.

Eu preciso estabelecer algumas regras antes de fazer isso. Alguma sugestão? Se eu fosse fazer que nem o O’Carroll e permitisse que outras pessoas me enviassem textos e eu os postasse neste blog, que regras seriam boas pra evitar que eu recebesse textos que eu acabaria com receio de postar? Fato é que eu desisti da ideia do outro blog, já que ninguém se habilita a administrá-lo, e resolvi que seria mais fácil pra mim e também pra nós todos se este blog já existente fosse usado com essa finalidade.

Obrigado aos dois caras que comentam em português por aqui. Aprecio muito isso.

26 de setembro de 2018

Is social justice a legitimate movement?

So these days, the Linux Foundation decided to adopt the Contributor Covenant , which caused great anger in the developer community. The news seem optimistic about it, while the community itself is furious. As the news seem to offer only one side of the story, I would like to offer a Brazilian insight into what is happening in a country that is not my own but that produces a lot of software that I use.

For developers, the code of conduct adopted by the foundation, based on a document produced elsewhere, represents a political intrusion into fully objective and functionality-driven business, in this case programming. The code would, a priori, be unnecessary, since many of its policies are already adopted without its presence. Finally, the code is highly relative and vague, allowing virtually anyone to expel another person from the Linux project with allegations of harassment or discrimination, which may have hurt only feelings. This is aggravated by the fact that the people who contribute most to the code are not minorities, so that people who contribute less can eliminate those who contribute the most. The community argues that this has happened in other large projects that have adopted similar policies, which they summarize as “diversity over skill”, causing deterioration of services provided. The response from the most active developers was threatening to remove the parts of the Linux code that were contributed by them from the project, which would hurt both clients (like me, as I use Manjaro, and Android users) and servers (since most of the popular sites today, even pornographic ones, are powered by Linux).

That is an extreme attitude, but, in my opinion, understandable. I have been thinking about this for some time and I published a short comment elsewhere in English about what is happening and I decided to put these ideas here for my six or so readers. But before going into detail, I have three trans friends and I go as far as referring to them using desired pronouns (although they themselves do not mind being referred to by their biological sex), and although I do not consider myself left, I am not right-leaning either. In fact, still lean left. And that is why I worry about social justice, but not because I think it is good: social justice does not cease to shame the left.

Let me explain: Contributor Covenant allows minority groups to attack major groups for small or even hypocritical reasons, which actually increases the majority’s hatred towards the minorities. This is because social justice has an original sin inherited from feminism, which is the quest for equality by the consideration of just one side of the scale. That is why it is called “feminism”: only women’s problems are taken into account. Everything for feminism is a women’s issue. Men and boys only enter these discourses as oppressive entities, even if real men and boys you meet on the streets are not oppressors. But to make an analogy, can we balance a scale without knowing the contents in the other side, especially when all we do is put more and more weight on the side we priorize? No, the tendency is that the side we pay attention to will become increasingly heavy, eventually tipping the scale to it’s side, rather than balancing it. Social justice is, perhaps inadvertently, the application of the same principle to all minorities. That is why there is no social justice for men, for example.

The point I want to make is that the social justice movement is ruining more and more things because it is not assessing the costs of its actions. Evergreen University lost three teachers, had a 40 percent drop in enrollment, and lost millions of dollars in funds because enraged students expelled a white teacher from the classroom during a special protest day in which no white people could enter the campus. This, of course, is just an example. But does not it seem strange that a movement that preaches equality and justice has approved and perhaps suggested a “special day” in the academic calendar in which no white person, whether student or teacher, could enter the campus? For me, this is hypocrisy, but it is also injustice . Thus, a movement that speaks of social justice gains hypocritical outlines. This legitimizes the reaction of the majority groups. But now comes the key question: How many people who are against these attitudes blame the movement as a political entity and how many people blame the minorities that such a movement claims to protect?

Again, the example of feminism: this movement claims to represent the best interest of all women, although most women are not feminist. Thus, an attack on feminism can be interpreted as an attack on women and is readily labeled as misogyny. The problem is that the use of such language and meanings reinforces the connection between feminism and women in general, giving rise to the emergence of true misogyny. The same is true for social justice. With a movement that behaves this way, the tendency is for more and more people to blame blacks, women, immigrants, trangenders and other minority groups for all the bad things that happen. They do not blame the movement or ideology, but their visible material causes, which are the ones that make up the movement, whose attitudes are generalized, because they claim to act in the best interest of the groups they represent. To check my theory, just look at voting intentions surveys in Brazil: Bolsonaro, leader of the far right, has a serious chance of winning. Thus, the social justice movement strengthens the right wing, because, by acting in a fundamentally unjust and hypocritical way, it feeds reactionary attitudes. And yes, the social justice movement was imported by the Brazilian media and inoculated into the general population, so much so that citizens in a nation where everyone is mixed are able to point out who is “black” and who is “white” when our very genes, which descend from Europeans, Africans and indigenous people, betray these labels. There are no “pure races” in Brazil. Yet, there has never been so much racism here.

Suppose that the protest of the developers takes place and a lot of lines of code are removed from the Linux kernel, we can prepare ourselves for the falency of the Internet. Linux is the safest kernel today, which is why many servers use it. Removing Linux code represents the removal of security from various sectors of the Internet. To illustrate how serious this is, do you remember shellshock ? Well, shellshock was a bug in the GNU Bourne Again Shell , better known as bash , which allowed arbitrary code execution from remote sources by using environment variables. In layman’s language, this means that anyone who discovers a way to pass environment variables to a server would take control of it. This would not have caused the panic it caused if most Internet servers did not run Linux, after all bash is shipped in distributions of that kernel. Imagine if the developers who solved this problem took back the solution they implemented. The vulnerability would return. Thus, with the damage caused by social justice and the rage accumulated against this movement, the population would stand on the side of developers. I would stand by their side, because one should not mix politics and science, politics and programming: that the most skilled be able to contribute, this does not harm diversity, but prioritizing diversity may exclude the skilled. This is meritocracy, but I am forced to admit that it is the meritocracy that made Linux suitable to power Tumblr.

To sum up: social justice as a radical movement acts against the interests of minorities that it claims to represent and, by claiming to act in the best interest of all these minorities, it increases hatred against those minorities at every clearly unjust or hypocritical act, fueling reactionary discourses and giving power to right wing, all because its fundamental premise, of considering only one side without assessing the costs of its actions, harms everyone. So the question I wanted to ask is: Is social justice a legitimate movement? I don’t think so. The social justice movement is likely to be a “false flag” operation. I know this sounds like a conspiracy theory, but just imagine: what if key people in social justice movements are actually proponents of the right, who instrumentalize people from the left to achieve their goals? Maybe I am wrong, but the fact is that social justice has been the right wing’s greatest ally in this decade.

I urge that minorities who stand against the extreme acts of the social justice movement to vocalize their displeasure at these actions, to publicly repudiate what is happening. Again, the example of feminism: more and more women and girls are leaving feminism upon realizing that it is unfair to men and boys, as well as harmful for their desires to build relationships (as more and more men are avoiding women ) . After all, if the public sees that not all minorities are in favor of extremism, the tendency to attack the ideology, not those that are “protected” by such ideology, will be greater, and there will be bilateral pressure against such ideology. It doesn’t mean that minorities should abandon hopes of acceptance, but that no attitude in that direction should be taken without regard to the other side of the scale or without considering the social damage that could be caused as consequence of such attitude (in this case, the implementation of Contributor Covenant by the Linux Foundation may put Linux users at risk with or without the developers’ protest). Second, I humbly ask to the Linux Foundation to create its own code of conduct, rather than adopting one that comes from outside, and that the creation of the code itself should be done in a democratic way, with the voices of the developers being heard in the process, aiming at the best interests of those who use the kernel. In the worst case scenario, fork the kernel. Finally, we all should appraise the consequences of our acts and also of the acts of others, so that we know which brands of activism are worth supporting and which are not. After all, if the consequence of an attitude is harmful even to the one who proposes the attitude, the person is either a fool… or a troll.

É a justiça social um movimento legítimo?

Então, esses dias, a Fundação Linux resolveu adotar o Contributor Covenant, o que causou grande ira na comunidade de desenvolvedores. As notícias parecem otimistas em relação a isso, enquanto que a comunidade em si parece furiosa. Como as notícias parecem oferecer apenas um lado da história, eu gostaria de oferecer uma visão brasileira sobre o que está acontecendo num país que não é o meu, mas que produz um monte de software que eu uso.

Para os desenvolvedores, o código de conduta adotado pela fundação, baseado num documento produzido fora de seu âmbito, representa uma intrusão política em negócios totalmente objetivos e orientados por funcionalidade, no caso, a programação. O código seria, a priori, desnecessário, porquanto muitas de suas políticas já são adotadas sem sua presença. Por último, o código é altamente relativo e vago, permitindo que virtualmente qualquer pessoa possa expulsar outra do projeto com alegações de assédio ou discriminação, as quais podem ter ferido apenas sentimentos. Isso é agravado pelo fato de que as pessoas que mais contribuem com o código não são minorias, de forma que pessoas que contribuem menos poderão eliminar do projeto aqueles que contribuem mais. A comunidade argumenta que isso aconteceu em outros grandes projetos que adotaram políticas parecidas, as quais eles sumarizam como “diversidade sobre habilidade”, causando deterioramento dos serviços prestados e retardamento no andar do desenvolvimento. A resposta dos desenvolvedores mais ativos foi ameaçar remover as partes do código Linux que foram contribuídas por eles do projeto, o que prejudicaria tanto clientes (como eu, que uso Manjaro, e usuários de Android) e servidores (porquanto a maioria dos sites mais usados hoje, mesmo os pornográficos, são hospedados em máquinas com Linux).

Essa é uma atitude extrema, mas, na minha opinião, compreensível. Eu venho pensando nisso faz algum tempo e eu publiquei um pequeno comentário em outro lugar, em inglês, sobre o que está acontecendo e resolvi colocar essas ideias aqui para leitores brasileiros. Mas antes de entrar em detalhes, tenho três amigos trans aos quais eu me refiro com os pronomes que eles desejam (embora eles mesmos não se importem em ser referidos por seu sexo biológico) e, embora eu não me considere mais esquerda, não sou direita também. De fato, ainda tendo à esquerda. E é por isso que me preocupo com a justiça social, mas não porque acho que ela é boa: a justiça social não cessa de envergonhar a esquerda.

Deixa eu explicar: o Contributor Covenant permite que grupos minoritários ataquem grupos majoritários por razões pequenas, ou mesmo hipócritas, o que, na verdade, aumenta o ódio que a maioria tem da minoria. Isso acontece porque a justiça social tem um pecado original herdado do feminismo, que é a busca pela igualdade pela consideração de apenas de um lado da balança. É por isso que se chama “feminismo”: somente os problemas da mulher são levados em consideração. Tudo para o feminismo é problema da mulher. O homem e o menino só entram nesses discursos como entidades opressoras, mesmo que homens e meninos particulares não sejam opressores. Mas, para fazer uma analogia, podemos equilibrar uma balança sem saber o conteúdo do outro lado, especialmente quando tudo o que fazemos é colocar cada vez mais peso no lado para o qual olhamos? Não, a tendência é que o lado sobre o qual prestamos atenção fique cada vez mais pesado. A justiça social é, talvez inadvertidamente, a aplicação do mesmo princípio para todas as minorias. É por isso que não existe (ou parece não existir) justiça social para homens, por exemplo.

O ponto em que quero chegar é que o movimento da justiça social está arruinando cada vez mais coisas, porque ele não está avaliando os custos de seus atos. A universidade Evergreen perdeu três professores, teve uma queda de 40% no número de matrículas e perdeu milhões de dólares em fundos porque alunos enfurecidos expulsaram um professor branco da sala, durante um dia especial, aprovado pela direção, em que brancos não poderiam entrar no campus. Esse, claro, é apenas um exemplo. Mas não parece estranho que um movimento que pregue a igualdade e a justiça tenha aprovado e talvez sugerido um “dia especial” no calendário acadêmico no qual nenhum branco, seja aluno ou professor, poderia entrar no campus? Para mim, isso é hipocrisia, mas também é injustiça. Assim, um movimento que fala de justiça social ganha contornos hipócritas. Isso legitima a reação dos grupos majoritários. Mas agora vem a pergunta-chave: quantas pessoas que são contra essas atitudes culpam o movimento como entidade política e quantas pessoas culpam as minorias que tal movimento afirma proteger?

Novamente, o exemplo do feminismo: esse movimento afirma representar o melhor interesse de todas as mulheres, apesar a maioria das mulheres não ser feminista. Assim, um ataque ao feminismo pode ser interpretado como um ataque à mulher e é prontamente rotulado como misoginia. O problema é que o uso dessa linguagem e desse significado reforça a ligação entre feminismo e mulheres em geral, dando oportunidade ao surgimento de misoginia verdadeira. O mesmo ocorre com a justiça social. Com um movimento que se comporta dessa forma, a tendência é que cada vez mais pessoas culpem negros, mulheres, imigrantes, trangêneros e outros grupos minoritários por tudo de ruim que acontece. Não culpam o movimento ou a ideologia, mas suas causa materiais visíveis, que são os que compõem o movimento, cujas atitudes são generalizadas por estes afirmarem agir no melhor interesse dos grupos que representam. Para verificar minha teoria, basta olhar para as pesquisas de intenção de voto no Brasil: Bolsonaro, líder da extrema direita, tem chances sérias de ganhar. Assim, o movimento da justiça social fortalece a direita, porquanto, ao agir de forma fundamentalmente injusta e hipócrita, fomenta atitudes reacionárias. E sim, o movimento da justiça social foi importado pela mídia brasileira e inoculado na população geral, a ponto de uma nação de mestiços ser capaz de apontar quem é “negro” e quem é “branco”, quando nossos genes descendentes de europeus, africanos e indígenas traem essas denições. Nunca houve tanto racismo aqui.

Suponhamos que o protesto dos desenvolvedores se efetue e um monte de linhas de código sejam removidas do núcleo Linux, podemos nos preparar para a falência da Internet. Linux é o núcleo mais seguro da atualidade, razão pela qual vários servidores o usam. Remover código do Linux representa a remoção da segurança de vários setores da Internet. Para ilustrar como isso é grave, você lembra do shellshock? Bom, o shellshock foi uma falha no GNU Bourne Again Shell, mais conhecido como bash, que permitia a execução de código arbitrário de fonte remota utilizando variáveis de ambiente. Em língua de leigos, isso significa que qualquer pessoa que descobrisse um meio de passar variáveis de ambiente para um servidor tomaria controle dele. Isso não teria causado o pânico que causou se a maioria dos servidores da Internet não executasse Linux, afinal o bash é incorporado em distribuições desse núcleo. Imagine se os desenvolvedores que resolveram esse problema tirassem dali a solução que eles implementaram. A vulnerabilidade voltaria. Assim, com os danos causados pela justiça social e a raiva acumulada contra esse movimento, a população que soubesse do ocorrido daria razão ao desenvolvedor. Eu daria razão ao desenvolvedor, porquanto não se deve misturar política e ciência, política e programação: que o mais habilidoso seja capaz de contribuir, isso não prejudica a diversidade, mas priorizar a diversidade pode excluir o habilidoso. Isso é meritocracia, mas sou forçado a admitir que é a meritocracia que sustenta o núcleo sobre o qual se assenta o Tumblr.

Resumindo: a justiça social como movimento radical age contra os interesses das minorias que afirma representar e, por afirmar agir no melhor interesse de todas essas minorias, aumenta o ódio por essas minorias a cada ato claramente injusto ou hipócrita, alimentando discursos reacionários e favorecendo a direita, tudo isso porque sua premissa fundamental, de considerar apenas um lado sem avaliar custos de suas ações, prejudica a todos. Assim, a pergunta à qual eu queria chegar: a justiça social é um movimento legítimo? Cuido que não. É provável que o movimento da justiça social seja uma operação de “bandeira falsa”. Eu sei que isso soa como uma teoria da conspiração, mas imagine só: e se pessoas-chave da justiça social forem, na verdade, proponentes da direita, que instrumentalizam pessoas da esquerda para agir contra seus interesses? Talvez eu esteja errado, mas o fato é que a justiça social tem sido o maior aliado da direita nesta década.

Para encerrar, peço que as minorias que se posicionam contra os atos extremos do movimento da justiça social se juntem e vocalizem seu desgosto por essas ações, que publicamente repudiem o que está acontecendo. Novamente, o exemplo do feminismo: cada vez mais mulheres e meninas estão deixando o feminismo ao perceber que ele é injusto com os homens e com os meninos, além de impedi-las de construir relacionamentos desejados (já que cada vez mais homens evitam mulheres). Afinal, se o público ver que não são todas as minorias a favor do extremismo, a tendência a atacar a ideologia, não aqueles a quem a ideologia afirma proteger, será maior, e haverá pressão bilateral contra a ideologia. Isso não quer dizer abandonar as esperanças de aceitação ou de igualdade, mas que nenhuma atitude nessas direções pode ser tomada sem considerar o outro lado da balança ou sem considerar os danos sociais causados pela atitude (no caso, a implementação do Contributor Covenant pela Fundação Linux pode colocar usuários de Linux em risco com ou sem o protesto dos desenvolvedores). Segundo, peço que a Fundação Linux crie seu próprio código de conduta, em vez de adotar um que venha de fora, e que a criação do código próprio seja democrática, com as vozes dos desenvolvedores sendo ouvidas no processo, visando o melhor interesse daqueles que usam o núcleo. Se isso não for acatado, que se derive (fork) o núcleo. Por último, que todos verifiquem as consequências de seus atos e também dos atos dos outros, para que saibamos quais ativismos são lícitos e quais não são. Afinal, se a consequência de uma atitude é prejudicial até mesmo para aquele que toma a atitude, essa é uma atitude tola… ou trollagem.

21 de junho de 2018

About the removal of a TEDx Talk about pedophilia.

So, this week a TEDx talk about pedophilia appeared on YouTube. The name was something like “Why our perception of pedophilia should change.” Dude, what happened within four days after the talk was posted has both positive and negative consequences. There is a good side to what happened.

First, let’s talk about the video. The video showed a woman giving a lecture on how the social stigma related to pedophilia prevents sincere pedophiles from seeking treatment. There are several reasons for this: fear of mandatory reporting, fear of repercussion within the family, fear of losing a job, fear of losing friends, fear of violence, fear in general. Because of this highly justified fear, a lot of pedophiles remain in the closet, dealing with their problems alone, including sexual abstinence. They can not seek professional support, either for legal or social reasons. So, unless people understand that pedophiles are human beings and that many of them want help, treatment for pedophiles who want treatment can not be effectively applied. It is true, pedophilia has no cure, but there are several problems related to it, a great majority of social nature, that transform a harmless attraction, that can be satisfied by mere fantasies, into a huge problem. The treatment would not be aimed at curing the pedophile, because that is impossible, but to help him to remain law-abiding, while improving the quality of his life. This will never happen if society’s perception of pedophilia does not change. Therefore, the stigma of pedophilia, by amplifying the problems that the pedophile has to deal with, interfering with his mental balance, while preventing him from seeking help, fertilizes the fields of adult/child sex.

I bet that most people who disliked the video only paid attention to the title. Soon, there were angry cries that the TEDx channel was normalizing pedophilia and, consequently, working for its legalization. Firstly, pedophilia is not a crime. The opinion of the scientific community is that pedophilia, when it causes mental maladjustment or when it finds illegal expression, is a psychiatric disorder. Pedophilia is different from adult/child sex, as the first is a feeling and the second is an act. Because TEDx is a scientific community, it has nothing to do with laws. Their job is to provide a space for people to speak their minds. The people who decide about the laws are the politicized population, while science, if it is really science, can not act with political intention. So the TEDx channel has never intended to legalize anything. Secondly, this shows that a lot of people who raise their voices against pedophilia do not care about children’s safety! The reaction to the video was so bad that the channel took the video offline in the same week it was posted and another talk on the same channel, on the same subject, that is, on the treatment of pedophiles’ problems so that they do not break the law, already is under attack. Do you understand what I’m saying? These people are braindead. It is clear that the antipedophile movement has nothing to do with child welfare, otherwise they would not attack therapeutic ideas!

The good side of this is that the anti-pedophile movement will lose credit among smart people. These people will see the situation, nod their heads, and say “a bunch of guys who have not seen the video lobbied to censor therapeutic content of public relevance in an academic channel.” This is an attack on freedom of research and expression, a great display of ignorance that, on top of all this madness, can be harmful to children. And I’m not just talking about sexually active children or molested children, I’m talking about people who discover, as a child, that they are pedophiles themselves. Yes, there are pedophile teens who hide the feeling but absorb that stigma that comes from all sides, which worsens their self-control, their self-esteem and, of course, serves as a background for the suicide of young people. So the good thing is that this disastrous reaction works against anti-pedophiles. They are not in this because they want the safety of their children or the safety of future generation. Then why?

Simple: pedophiles are the last group we are allowed to hate. You can no longer discriminate against Jews, Muslims, homosexuals, blacks, immigrants, women, you can only discriminate pedophiles. So make no mistake: the goal of these people is not, and now this is proven enough, to protect children, but to make pedophiles’ lives hell, which goes against the ideal of protecting children. What moves those people is hatred. They want excuses to hate, because hate makes them feel good. Who’s sick now?

Sobre a remoção da TEDx Talk sobre pedofilia.

Então, nesta semana apareceu uma conversa TEDx no Youtube sobre pedofilia. O nome traduzido era algo como “Por que nossa percepção sobre a pedofilia deve mudar”. Cara, o que aconteceu em quatro dias tem consequências tanto positivas quanto negativas. Existe um lado bom no que aconteceu.

Primeiramente, vamos ao vídeo. O vídeo mostrava uma mulher dando uma palestra sobre como o estigma social relacionado à pedofilia impede pedófilos sinceros de procurar tratamento. Há várias razões pra isso: medo de denúncia obrigatória, medo da repercussão dentro da família, medo de perder o trabalho, medo de perder os amigos, medo de violência, medo. Então, por causa desse medo, altamente justificado, um monte de pedófilos continua no armário, lidando sozinho com seus problemas, inclusive com a abstinência sexual. Eles não têm como procurar apoio profissional, tanto por razões legais quanto por razões sociais. Não tem condições. Então, a menos que as pessoas entendam que pedófilos são seres humanos e que muitos deles querem ajuda, o tratamento pra pedófilos que desejam tratamento não poderá ser aplicado efetivamente. É verdade, pedofilia não tem cura, mas existem vários problemas relacionados a ela, grande maioria de ordem social, que transformam uma atração inofensiva por si, que pode ser satisfeita por meio de meras fantasias, em um problema enorme, difícil de resolver por meio das forças meramente humanas. O tratamento não seria voltado a curar o pedófilo, porque isso é impossível, mas a ajudá-lo a permanecer dentro da lei, ao mesmo tempo que melhora sua qualidade de vida. Isso nunca vai acontecer se a percepção que a sociedade tem da pedofilia não mudar. Portanto, o estigma da pedofilia, ao ampliar os problemas do pedófilo, interferindo em seu equilíbrio mental, ao mesmo tempo que o impede de procurar ajuda, fertiliza, sim, os campos do sexo com menor.

Eu aposto que a maioria das pessoas que deu dislike no vídeo não viu mais que o título. Logo surgiram gritos irados de que o canal TEDx estava normalizando a pedofilia e, consequentemente, trabalhando para sua legalização. Primeiramente, pedofilia não é crime. O parecer da comunidade científica é que pedofilia, quando causa desajuste mental ou quando encontra expressões ilegais, é distúrbio psiquiátrico. O nome do crime é estupro de vulnerável, o qual, diga-se de passagem, não precisa ser estupro pra ser tipificado como tal. Como o TEDx é uma comunidade científica, eles nada tem a ver com as leis. Seu trabalho é fornecer um espaço para que as pessoas falem o que pensam. Quem decide sobre as leis é a população politizada e a ciência, se é realmente ciência, não pode agir com intenção política. Então nunca o canal TEDx teve a intenção de legalizar nada. Em segundo lugar, isso mostra que um monte de gente que levanta a voz contra a pedofilia não está nem aí pra segurança das crianças! Cara, naquela palestra, só faltou falar em corrente. A reação ao vídeo foi tão ruim, que o canal tirou o vídeo do ar na mesma semana e outra palestra no mesmo canal, sobre o mesmo assunto, isto é, sobre o tratamento dos problemas dos pedófilos pra que eles não quebrem a lei, já está sob ataque. Tá entendo o que eu tô dizendo? Esse pessoal não raciocina. Está patente que o movimento antipedófilo não tem nada a ver com o bem-estar das crianças, do contrário eles não atacariam iniciativas terapêuticas!

O lado bom disso é que o movimento antipedófilo perderá crédito entre pessoas de bom senso. Essas pessoas verão a situação, assentirão e dirão “um bando de caras que não viram o vídeo fizeram pressão pra censurar conteúdo terapêutico de relevância pública de um canal universitário.” Isso é um ataque à liberdade de pesquisa e divulgação, um ataque à liberdade de expressão, uma grande ignorância que, ainda por cima, pode ser prejudicial às crianças. E não estou falando somente das crianças sexualmente ativas ou das crianças molestadas, estou falando de pessoas que descobrem, ainda na infância, que são pedófilas. Sim, existem adolescentes pedófilos, que escondem o sentimento, mas que absorvem esse estigma que vem de todos os lados, o que piora seu autocontrole, sua autoestima e, claro, serve de plano de fundo para o suicídio de pessoas jovens. Então, o lado bom é que essa reação desastrosa descredita o esforço dos antipedófilos. Eles não estão nessa porque querem a segurança de seus filhos ou da geração futura. Então por quê?

Simples: pedófilos são o último grupo que somos permitidos odiar. Você não pode mais discriminar judeus, muçulmanos, homossexuais, negros, imigrantes, mulheres, só resta discriminar pedófilo mesmo. Então, não se engane: o objetivo dessas pessoas não é, e agora isto está suficientemente provado, proteger crianças, mas tornar a vida dos pedófilos um inferno, o que vai contra o ideal de proteger crianças. A razão de existir dessas pessoas é o ódio. Querem desculpas pra odiar, porque odiar as faz se sentir bem. Quem é o doente agora?

2 de junho de 2018

There’s a good side on America’s Internet censorship.

SoFurry is one of the largest and longest running furry art, fiction, chat and community sites. Serving the furry community since 2002 and home to over 400,000 registered users. Your furry home on the web!

On March 31, 2018, almost eight years after Fur Affinity did the same thing, Sofurry banned cub porn . Toumal did not give us exact details of what happened but only said that a new interpretation of the law allowed the site to be charged for drawings. Okay, I understand the fear. So, for those who do not remember, on November 24, 2010, I was very annoyed when the same ban occurred at Fur Affinity . So why I’m not upset right now?

What we see happening in the United States is the growth of censorship over content on the Internet. For example, with the new laws against sex trafficking, a lot of sites used by people to find partners went offline (completely or partly) for fear of prosecution. So, like, this sex-based ban, this real systematic sexual repression will one day burst, obviously. But the upside of all this is that the United States still can not fully censor access to overseas-hosted websites . This is the chance for other nations with healthier laws to offer the same services that the United States is trying to ruin. It is an economic advantage. Americans will look for sites hosted elsewhere to meet their needs. In the case of the ban on Sofurry, there is still Pixiv (Japan) and Hiccears (China, if I’m not mistaken). Unless the United States censors American access to such sites , which would be unacceptable in the so-called “land of the free,” a lot of artists will migrate to those places.

What I’m saying is that censoring the Internet is a bad move in economic terms. Every site is a business. Closing sites is closing businesses. If I’m right and a lot of Americans migrate to these places, you may even be spared of learning their language to interact (both Pixiv and Hiccears have interfaces in English). They are ready to welcome artists who are disappointed by the growing censorship in their nations. So there’s that. Sooner or later, United States will notice their mistake, unless they are brain dead. The more they censor, the more the foreign alternatives impose themselves as the only way. Add to the mix that some of those sites have premium services or other ways to make users spend money, and America is helping those non-American sites to grow.

Tem um lado positivo na censura que os Estados Unidos vêm fazendo.

SoFurry is one of the largest and longest-running furry art, ficton, chat and community sites. Serving the furry community since 2002 and home to over 400.000 registered users. Your furry home on the web!

Em 31 de março de 2018, quase oito anos após o Fur Affinity fazer a mesma coisa, Sofurry baniu cub porn. Toumal não nos deu detalhes exatos do ocorrido, mas apenas disse que uma nova interpretação da lei permitia que o site pudesse ser processado por desenhos. Muito bem, eu compreendo o medo. Então, pra quem não se lembra, em 24 de novembro de 2010, eu fiquei muito chateado quando o mesmo banimento ocorreu no Fur Affinity. Então, por que eu não fiquei chateado agora?

O que vemos acontecer nos Estados Unidos é o crescimento da censura sobre conteúdo na Internet. Por exemplo, com a aprovação das novas leis contra tráfico sexual, um monte de sites usados por pessoas pra encontrar parceiros saíram do ar, com medo de processo. Então, tipo, esse banimento com bases sexuais, essa verdadeira repressão sexual sistemática, um dia vai estourar, óbvio. Mas o lado positivo disso tudo é que os Estados Unidos ainda não podem censurar completamente o acesso a sites hospedados no exterior. Esta é a chance de outras nações com leis mais sadias oferecer os mesmos serviços que os Estados Unidos tentam proibir. É uma vantagem econômica. Americanos procurarão sites hospedados em outros lugares para atender suas necessidades. No caso do banimento no Sofurry, ainda existe o Pixiv (Japão) e o Hiccears (China, se não me engano). A menos que os Estados Unidos censurem o acesso de americanos a esses sites, o que seria algo inaceitável na suposta “terra dos livres”, um monte de artistas migrará pra esses lugares.

O que estou dizendo é que censurar a Internet é um péssimo movimento, em termos econômicos. Cada site é um negócio. Fechar sites é fechar negócios. Se isso for verdade e um monte de americanos migrar pra esses lugares, talvez você acabe nem tendo que aprender o idioma deles pra interagir (tanto o Pixiv quanto o Hiccears têm interfaces em inglês). Eles estão prontos pra receber artistas desapontados com a crescente censura em suas nações. E sabe? Eles receberão.

13 de maio de 2018

Involuntary celibacy and masturbation: response to Eivind Berge.

If I do not write this, I will not be able to sleep, so I will write with the virtual keyboard. Eivind Berge published a text in his blog in which he says that the reason why involuntary celibates exist, at least in cases without comorbidity, is masturbation. He defines masturbation as unhealthy, as it goes against the three elements of sex: attraction, motivation, and performance. Thus, excluding cases where there are multiple causes, masturbation, seen as harmful, would be the core of involuntary celibacy.
This is a position that is incompatible with Berge’s profile, where he defines himself as sex-positive. First, I want to say why masturbation is not a disease, then how Berge’s position is sexually negative, and then why the presence or absence of masturbation is indifferent to involuntary celibacy (defne here as the inability to start desired sexual relationships).
Illness is something that hurts your chances of surviving or the chances of others surviving. Because paraphilias do not necessarily harm your life, a symposium held in Baltimore in 2011 partially removed them from the DSM. Is masturbation harmful to your life? Think about the number of individuals using pornographic sites. How many people use that kind of site on a daily basis? But how many people do you know who have developed physical, mental or social masturbation-rooted problems that have harmed their lives (assuming most of these users masturbate while using those sites)? There are no evils attributable to masturbation itself, although there are evils attributable to excess. But there is scientific evidence about the benefits of orgasm, while masturbation is just a way of achieving orgasms without worrying about sexually transmitted diseases, and almost without effort. Therefore, masturbation is not unhealthy, although its excess is. But I believe that excess masturbation is a symptom of a bigger problem. In that case, stopping masturbating would not solve the problem and would perhaps aggravate it.
Moreover, saying that masturbation is harmful by not conforming to the three elements mentioned above is a sexually negative position, because, by creating criteria for “good sex,” you automatically create a hierarchy of sexual practices, according to which a practice is good as long as it conforms to the criteria that support it. Religion and traditions already do that. It would not be a sexually positive attitude to apply new rules that demonize aspects of sexuality. How many sexual practices conform to these criteria and to what degree? What if I like masturbation more than sex, do I have a second-class sexuality? Berge has also attacked laws against child pornography, but what would be the use of any kind of pornography in a world without masturbation? How do the two positions reconcile? Perhaps by limiting pornography to foreplay. Thus, criteria for good sex devalue the sexuality of those who do not conform to the criteria and establish unnecessary standards, which might ruin the fun of recreative sex. If there is a need for rules, a sexually positive rule would be “the more pleasure all participants feel, the better it is.”
My father is almost sixty years old and is a porno consumer. However, he has a different woman every week, which made my mother ask for a divorce. The fact that he (presumably) masturbates does not prevent him from having a sexually active life. Ask active men if the presence or absence of masturbation makes or would make a difference in their activity. Where did you get the idea that not masturbating would make it easier to find a partner? What is the necessary link, where is the causality? Are you able to prove that it happens? Lets suppose that you are an involuntary celibate, you should check what causes it and act upon those causes. Is it your appearance? Exercise. Is it your talk? Study. The laws? Move to where the laws are better. Do you have no physical, mental or social problem? Then try to break celibacy and you will likely have good results. The lack of masturbation does not help you in any of this (how could it?). It’s more a “what can I do?” kind of problem, rather than “what I shouldn’t do?”.
It is understandable that Berge has concluded so poorly: he generalized his own experience, so it is natural to conclude something 100% subjective. But other than that, I like his work, I like his ideas and I believe in the ideals of the men’s rights movement. It’s only this point that I can not concede.

12 de maio de 2018

Celibato involuntário e masturbação: resposta a Eivind Berge.

Se eu não escrever isto, não poderei dormir, então vou escrever com o teclado virtual mesmo. Eivind Berge publicou um texto em seu blog no qual ele diz que a razão de haver celibatários involuntários, ao menos em casos sem comorbidade, é a masturbação. Ele define a masturbação como doentia por ir contra os três elementos do sexo: atração, motivação e performance. Assim, exclusos os casos em que há múltiplas causas, a masturbação, tida por prejudicial, seria o núcleo do celibato involuntário.
Essa é uma posição incompatível com o perfil de Berge, o qual se define como sexualmente positivo. Primeiro, eu quero dizer por que masturbação não é doença, depois como essa posição é sexualmente negativa, e depois por que a presença ou ausência da masturbação é indiferente ao celibato involuntário (incapacidade de entrar em relações sexuais desejadas).
Doentio é algo que prejudica suas chances de sobreviver ou as chances de outros sobreviverem. Como parafilias não necessariamente prejudicam sua vida, um simpósio realizado em Baltimore, em 2011, as removeu parcialmente do DSM. A masturbação, por um acaso, prejudica sua vida? Pense no número de indivíduos usando sites pornográficos. Quantas pessoas você acha que acessam esse tipo de site diariamente? Mas quantas pessoas você conhece que desenvolveram problemas físicos, mentais ou sociais que prejudicaram suas vidas, tudo por causa da masturbação (assumindo que maior parte desses usuários se masturba enquanto usa o site)? Não existem males atribuíveis a masturbação em si, embora haja males atribuíveis ao excesso. Mas existe evidencia científica sobre os benefícios do orgasmo, ao passo que a masturbação é um meio de obter orgasmos sem se preocupar com doenças sexualmente transmissíveis e quase sem esforço. Logo, a masturbação não é doentia, embora seu excesso seja. Mas acredito que o excesso de masturbação seja um sintoma de um problema maior. Nesse caso, parar de se masturbar não resolveria o problema e talvez o agravasse.
Além disso, chamar a masturbação de doentia por não se conformar aos três elementos supracitados é uma posição sexualmente negativa. Isso porque, ao criar critérios para “o bom sexo”, você automaticamente cria uma hierarquia de praticas sexuais, segundo a qual uma prática é boa na medida em que se conforma aos critérios que a embasam. Isso a religião e as tradições já fazem. Não seria uma atitude sexualmente positiva aplicar novas regras que demonizassem mais praticas. Quantas práticas sexuais se conformam com esses critérios e em qual grau? E se eu gostar mais de masturbação do que de sexo, tenho uma sexualidade de segunda classe? Berge também já se manifestou contrário a leis contra pornografia infantil, mas qual seria a utilidade de qualquer tipo de pornografia num mundo sem masturbação? Como as duas posições se conciliam? Talvez limitando a pornografia às preliminares. Assim, critérios para o bom sexo desvalorizam a sexualidade dos que não se conformam aos critérios e instaura padrões desnecessários. Se há necessidade de regras, uma regra sexualmente positiva seria “quanto mais gostoso para todos os envolvidos, melhor.”
Meu pai tem quase sessenta anos e é consumidor de pornô. No entanto, ele está com uma mulher diferente a cada semana, razão pela qual minha mãe pediu divórcio. O fato de ele (presumivelmente) se masturbar não o impede de levar uma vida sexualmente ativa. Pergunte a homens ativos se a presença ou ausência da masturbação faz ou faria diferença em sua atividade. De onde você tirou que não se masturbar tornaria mais fácil arrumar uma parceira? Qual o nexo necessário, onde está a causalidade? Você é capaz de provar que isso acontece? Será que nenhum homem sexualmente ativo se masturba? Suponhamos que você seja celibatário involuntário, você deveria verificar quais as causas disso e agir sobre essas causas. É sua aparência? Se exercite. É seu papo? Estude. São as leis? Se mude pra onde as leis sejam melhores. Não é nenhum problema físico, mental ou social? Então experimente quebrar o celibato e terá bons resultados. A falta de masturbação não ajudará você em nada disso, bem como sua presença não atrapalhará (como poderia?). É muito mais uma questão do que fazer, não do que não fazer.
É escusável que Berge tenha concluído tão mal: ele generalizou a sua própria experiência e seus próprios critérios de “bom sexo”, então é natural concluir algo tão subjetivo. Mas, fora isso, gosto do seu trabalho, gosto de suas ideias e acredito nos ideais do movimento dos direitos dos homens. É só esse ponto que não posso conceder.

Older Posts »

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: