Analecto

8 de novembro de 2017

A “Carta a Einstein, 1932” de Freud.

“Carta a Einstein, 1932” foi escrita por Freud. Abaixo, algumas afirmações feitas no texto. Elas podem ou não corresponder ao que eu penso sobre o assunto. Perguntas sobre minha opinião podem ser feitas nos comentários.

  1. Um problema de época: é possível um futuro sem guerra?
  2. O avanço tecnológico não é capaz de parar a guerra.
  3. Um físico não tem estudo o bastante sobre o sentimento humano, geralmente, então ele deve procurar um entendido no assunto antes de formar sua opinião.
  4. Einstein escreveu uma carta a Freud pra saber se ele teria uma resposta ao problema, já que Freud estava ganhando fama de especialista em instintos humanos.
  5. Uma resposta imparcial a um problema precisa depender o mínimo possível da política.
  6. Pelo menos para propósitos de paz mundial, deveria haver um legislativo e um judiciário internacionais, compostos pelos líderes de cada nação, mas Einstein admite que isso é superficial: não adianta uma regra perfeita que não será seguida.
  7. Um tribunal pode ter suas decisões anuladas por pressões não relacionadas ao direito.
  8. Um tribunal internacional teria que ser superior às nações que o constituem e, portanto, incontestável.
  9. Um dos obstáculos à ideia é o desejo de poder.
  10. O desejo de poder leva uma nação a se intrometer nos negócios da outra.
  11. Guerra é um negócio, existem empresas disso.
  12. Por que a população não resiste à decisão de entrar em guerra com outra?
  13. Soldados fazem profissão da guerra, mas também apenas acatam as ordens sem pensar se a guerra é necessária.
  14. As pessoas são levadas a crer que a guerra é necessária (mesmo quando não é) porque escolas, mídia e por vezes a igreja são controlados por uma minoria que lucra com a guerra.
  15. É assim que uma minoria manipula pensamentos e emoções.
  16. Como, ainda assim, uma pessoa chega a um grau de furor capaz de morrer por uma causa que não existe?
  17. Ódio e desejo de destruição são inatos ao ser humano, o qual sente prazer em odiar.
  18. Quando uma pessoa descobre como incitar o ódio de alguém, já obteve uma parcela de controle sobre esse alguém.
  19. Será que é possível evoluir de forma a superar permanentemente o ódio? Haverá um tempo em que o ser humano será incapaz de odiar sua própria espécie ou seus conterrâneos?
  20. Os intelectuais também podem ser manipulados pela mídia.
  21. Guerra não é a única forma de ódio. O ódio pode aparecer sob diferentes formas. Mas a guerra ainda é sua manifestação mais drástica e mais cruel.
  22. Einstein estava completamente convicto de que Freud podia responder suas perguntas.
  23. Um mesmo objeto pode ser analisado por mais de uma ciência.
  24. Um cientista pode não saber lidar com questões políticas.
  25. Direito e violência apenas parecem antagônicos; não é possível fazer uma lei valer sem armas.
  26. Humanos são animais.
  27. Quando as armas foram inventadas, a inteligência começou a tomar o lugar da força bruta na resolução de conflito.
  28. A forma mais segura de acabar com a violação do direito é matando os infratores, o que não significa que essa é a melhor forma de lidar com o crime.
  29. Matar um “inimigo” traz prazer ao assassino, por satisfazer seu impulso animal para a morte.
  30. Mas as pessoas por vezes pensam: “melhor torná-lo útil a nós do que matá-lo.”
  31. Pode ser que você poupe um inimigo ao torná-lo útil, mas talvez você sinta medo de uma possível vingança.
  32. Evolução modificou as formas de opressão, mas o mais forte ainda oprime o mais fraco até hoje.
  33. Mais vários fracos podem se juntar pra eliminar um forte.
  34. Quando vários fracos depõem um forte, estabelecem um novo direito em conjunto.
  35. Mas isso também é violência.
  36. Se a comunidade é quebrada, outro forte aparecerá para oprimir.
  37. A fonte de poder de uma comunidade são os sentimentos comuns em cada membro.
  38. Para que uma comunidade possa subsistir, cada indivíduo deve abrir mão de um pouco de sua liberdade pessoal.
  39. Uma comunidade perfeitamente equilibrada é uma ideia apenas.
  40. A comunidade, para ser perfeitamente equilibrada, precisaria eliminar a hierarquia em todas as suas formas.
  41. A menos que a hierarquia deixe de existir, os mais altos nessa hierarquia continuarão ditando leis para os que estão mais abaixo nela.
  42. Além disso, os mais altos na hierarquia podem querer se colocar acima das leis, de forma que as leis que valem para o povo não possam valer para os governantes.
  43. E também tem a justa violência da população que se sente oprimida e que tenta obter sua dignidade de volta.
  44. Nada disso impede a busca por soluções pacíficas.
  45. De um ponto de vista realista, algumas guerras tiveram boas consequências, mas algumas trouxeram só prejuízo à ambas as partes.
  46. A multitude de governos facilita a guerra, de forma que poucos governantes para grandes quantidades de território, obtidas pela anexação, diminuiria a chance de guerra.
  47. Ironicamente, isso quer dizer que paz pode ser trazida depois de uma guerra, na qual o vencedor conquista o território e o povo inimigos.
  48. Difícil é manter o território unido.
  49. Guerras são raras, mas destrutivas.
  50. Se houver uma autoridade central para arbitrar os conflitos entre as nações, pode ser que a guerra seja evitada.
  51. Uma organização do tipo “Nações Unidas” é inútil se ninguém a escutar.
  52. As duas forças que mantém a sociedade unida: violência (lei) e vínculos emocionais.
  53. No entanto, se não houver violência, uma comunidade pode permanecer unida pelos vínculos emocionais.
  54. Nações cristãs podem guerrear entre si, fazendo alianças com nações de outras religiões.
  55. O nacionalismo opera contra a paz entre as nações.
  56. Paz seria mais fácil de obter se o mundo fosse comunista.
  57. Mas estabelecer um comunismo mundial é um objetivo tão distante quanto difícil de alcançar.
  58. Pondo as coisas dessa forma, parece que paz mundial jamais será uma possibilidade.
  59. Só existem dois tipos de impulso: união e agressão.
  60. Nenhum dos dois é fundamentalmente ruim, ambos são necessários à sobrevivência.
  61. Um instinto, como sobrevivência, pode ter uma parcela de cada impulso.
  62. Uma pessoa pode declarar guerra por várias razões, as quais nem sempre são declaradas.
  63. É possível agir agressivamente por causas “nobres”, mas também é possível fingir que se está destruindo por uma boa causa.
  64. O impulso destrutivo é também suicida.
  65. Pelo menos em nossa sociedade, não é possível eliminar a agressividade humana.
  66. Trazer a paz pela violência já é manifestação de agressividade.
  67. Embora não seja possível eliminar a agressividade, é possível controlar suas formas de expressão.
  68. Evitar a guerra requer prática sistemática do amor e o estabelecimento de interesses comuns.
  69. Os governantes devem ser educados sem censura.
  70. Os instintos devem se submeter à razão, o que não implica eliminá-los, mas procurar formas aceitáveis de expressão.
  71. Mas esperar que todos submetam seus instintos à razão é esperar uma utopia; nem todos podem fazer isso.
  72. É mais fácil evitar a guerra pelo exercício do amor e do companheirismo, porque esperar que todos se tornem racionais é loucura.
  73. A guerra pode até se tornar comum, mas não se tornará aceitável.
  74. Isso porque a guerra mata, humilha, nos força a lutar uns contra os outros, destrói nossos bens e nos causa miséria.
  75. Conforme o poder destrutivo cresce, a guerra se torna uma ameaça a todos os seres vivos.
  76. Não vale a pena fazer guerra, mas muitos ainda a vêem como aceitável.
  77. Com o tanto que haja ao menos uma nação que pose um risco às outras, nenhuma nação parará de investir em forças armadas.
  78. Civilização trouxe tanto males quanto benefícios.
  79. Não é possível dizer aonde o processo de civilização nos levará.
  80. A civilização favorece a repressão sexual.
  81. O processo de evolução cultural (civilização) pode muito bem levar o ser humano à extinção.
  82. Sensações agradáveis aos nossos ancestrais são agora intoleráveis ao homem moderno.
  83. Direcionar agressividade para dentro tem consequências boas (você não está machucando ninguém) e ruins (você provavelmente ficará doente).
  84. Apesar de o processo de condicionamento cultural trazer consequências negativas, ao menos ele serve para nos afastar do desejo por guerra.

Freud’s “Letter to Einstein, 1932”.

“Letter to Einstein, 1932” was written by Freud. Below are some annotations I made about that text. They may or may not reflect what I think about this subject. Questions about my personal opinion can be asked in the comments.

  1. Is it possible a future without war?
  2. Technological progress isn’t enough to stop war.
  3. A physicist, usually, does not have enough study about human feeling, so he should seek an expert before forming his opinion.
  4. Einstein wrote a letter to Freud to see if he had an answer to the problem, since Freud had the reputation of expert in human instincts.
  5. An impartial answer for a given problem needs to depend as little as possible on politics.
  6. At least for world peace purposes, there should be an international legislature and judiciary system composed by leaders of each nation, but Einstein admits that it’s a superficial fix: it’s pointless to have a perfect solution that wouldn’t be adopted.
  7. A court may have its decisions undone by pressures that are unrelated to the law.
  8. An international court would have to be superior to the nations that participate in it, in a way that one couldn’t argue against it’s decisions.
  9.  One of the obstacles to the idea is the desire for power.
  10. The desire for power leads one nation to meddle in the affairs of another nation.
  11. War is a business.
  12. Why is the population so passive when the government decides that it’s time for war?
  13. Soldiers have a job in the war, but they just act accordingly, rather than thinking if war really is necessary.
  14. People are led to believe that war is necessary (even when it is not) because schools, media, and sometimes church are controlled by a minority that profits from war.
  15. That’s how the minority manipulates thoughts and feelings.
  16. How, however, can a person reach such a degree of fury to the point of dying for a cause that does not even exist?
  17. Hate and desire for destruction are innate to the human being, who takes pleasure in hating.
  18. When a person discovers how to incite someone’s hatred, he or she has already gained some control over that person.
  19. Is it possible to evolve and leave hate behind? Will humanity ever be hate-free?
  20. Intellectuals can also be manipulated by the media.
  21. War isn’t the only form of hate. It can show itself under several forms. But war is still it’s most drastic and cruel manifestation.
  22. Einstein was fully conviced that Freud could answer to his questions.
  23. The same object can be analyzed by more than one science.
  24. A scientist may very well be unprepared to deal with politics.
  25. Law and violence only seem antagonistic; it is not possible to enforce a law without weapons.
  26. Humans are animals.
  27. When weapons were invented, intelligence began to replace brute force in the task of solving conflicts.
  28. The safest way to end law infringement is by killing offenders, but that doesn’t make it the best solution for crime.
  29. Killing an “enemy” causes pleasure on the assassin, by satisfying it’s instinct to kill.
  30. But people sometimes think: “Better to make him useful to us, instead of killing him.”
  31. You can spare an enemy’s life by making him useful, but you may still dread the possibility of revenge.
  32. Evolution has modified the forms of oppression, but the strong still oppresses the weak to this day, be it with sheer brutality or cunning.
  33. But several weak people can work together to destroy the oppressing party.
  34. When several weak ones manage to destroy a strong one, they establish a new right together.
  35. But that’s also violence.
  36. If the community is broken, they will return to the original state: a new strong one will raise and oppress the weak.
  37. A community’s source of power are the common feelings in each community member.
  38. To keep the community alive and in shape, each individual must give up some of his personal freedom.
  39. A completely balanced community is an idea without empirical examples.
  40. The community, to be perfectly balanced, would have to eliminate hierarchy in all of its forms.
  41. Unless hierarchy ceases to exist, the dominant classes will impose the laws with little participation of the submitted classes.
  42. Plus, those who are high in the hierarchy may want to put themselves above the laws, so that the laws that are valid for the people are not valid for the rulers.
  43. And there’s the pretty fair violence exercised by the oppressed people who want it’s dignity back.
  44. None of this nullifies the possibility of peaceful solutions.
  45. From a realistic point of view, many wars brought good consequences, but some brought only harm to both parties.
  46. The multitude of governments makes war easier to happen, meaning that a world with just a few rulers for large amounts of territory, obtained by annexation, would lessen the chance of war.
  47. Ironically, that means that peace can be established after a war, if the nation that won claims the enemy territory and it’s people.
  48. It is difficult to keep an unified territory if the people have striking differences.
  49. War is rare, but destructive.
  50. If we make a central authority to arbitrate conflicts between nations, war may be avoided.
  51. An organization like the United Nations is pointless if people don’t listen to it.
  52. The two forces that guarantee a society’s exitence: violence (law enforcement) and emotional attachments.
  53. However, if there is no violence, a community can continue existing by emotional bonds alone.
  54. Christian nations can have wars between each other, while making allies with other religions.
  55. Nationalism poses a problem in the quest for world peace.
  56. Peace would be easier if the world was communist.
  57. But establishing worldwide communism is a goal as distant as it is difficult to achieve.
  58. Putting things that way, it looks like world peace won’t ever come.
  59. There are only two kinds of impulse: Eros (love) and Thanatos (hate), union and aggression
  60. Neither is fundamentally bad, both are needed for survival.
  61. An instinct, such as self-preservation, can have a bit of both.
  62. A person can declare war for several reasons, which are not always declared.
  63. It’s possible to act in a destructive manner for reasons that are deemed “noble”, but it’s also possible to pretend to act in a “noble” manner when all that you want is destruction.
  64. The destructive impulse is also suicidal.
  65. At least in our society, it is not possible to eliminate human aggressiveness.
  66. Bringing peace through violence is already a manifestation of aggressiveness.
  67. Even if we can’t eliminate aggresiveness, it’s possible to control it’s manifestations.
  68. To avoid war, we must exercise love and the establish common interests.
  69. The rulers must be educated free from censorship.
  70. Instincts must submit to reason, which does not mean that we have to eliminate them, but rather seek acceptable forms of expression for them.
  71. But expecting everyone to submit their instincts to reason is to expect an utopia; not everyone is fit for doing that.
  72. It’s easier to avoid war by exercising love and companionship, because expecting everyone to be rational is madness.
  73. War may become common, but it will not become acceptable.
  74. That’s because war kills, humiliates, forces us to fight against each other, destroys our property and causes us misery.
  75. As the destructive power grows, war is threat to all human beings.
  76. War is not worth it, but many still see it as acceptable.
  77. For as long as there’s one nation that poses a threat to others, no nation will drop military power.
  78. The process of cultural evolution had good and bad consequences.
  79. We can not predict where that “evolution” (civilization) will take us.
  80. Civilization encourages sexual repression.
  81. The process of cultural conditioning may very well cause human extinction.
  82. Sensations that were considered pleasurable by our ancestors are now intolerable to modern men.
  83. Turning aggression to the inside has consequences, both good (you aren’t hurting others) and bad (you will likely hurt yourself).
  84. Although the process of cultural conditioning has negative consequences, at least it serves to drive us away from the desire for war.

%d blogueiros gostam disto: