Analecto

25 de dezembro de 2018

Concerns.

Filed under: Notícias e política — Tags:, — Yurinho @ 18:34

After some time dedicating myself to real life, I decided to go back to studying and writing. But I have a lot of material on obscure topics that I still need to read and also a lot of philosophy stuff that I have to read. For example, I started reading German Ideology . Despite the name, it is not a commentary on Hitler’s work, but a book by Engels and Marx (great political climate for reading communist works). So I decided to balance things: for each book of philosophy I read, I will publish notes about other texts that I read. I do this to avoid the monopoly of certain contents.

Well, it’s December twenty-fifth. Bolsonaro will be our president soon. That worries me. For example, these days, Toffoli denied the release of second-instance prisoners, although this is the constitutional thing to do (no one can be arrested without running out of court appeals first). Those who can appeal to higher courts should not be arrested, according to our Constitution. Why did he deny a constitutional right to someone (specially Lula, who was arrested on those terms)? It is speculated that this has to do with a meeting of the Armed Forces that took place all that day and with pressures via Twitter . Suppose that such events are connected. If Toffoli has caved to the pressure from the Armed Forces (assuming such pressure has taken place), then the democratic republic is already over and a military coup has already taken place. It would not be a question of thinking if the democratic republic is going bad or is in crisis, but thinking about how to reestablish it. If this is proven, Brazil died for me. We have to resurrect it.

Another thing that worries me is the possible removal of the philosophy discipline from high school. That is a far more remote possibility, it seems to me, since the next government has more pertinent concerns and it seems that Bolsonaro always goes back on his word when he says something unpopular. In addition, with the new high school, state education networks will have autonomy to manage the diverse parts of the curriculum. My state has someone of the Worker’s Party heading the government, so maybe he hears the clamor of state teachers and includes philosophy in the diversified curriculum.

Maybe I’m worrying too much. The fact is that I already see that I will not like this government, that it has serious chances of harming me in particular. That, of course, if Bolsonaro indeed rules anything, not someone else who could come to take his place. I would not know what to expect from a second (or third, maybe fourth) coup in such a short time.

Preocupações.

Filed under: Notícias e política, Passatempos — Tags:, — Yurinho @ 18:13

Depois de um tempo me dedicando à vida real, eu resolvi voltar a estudar e escrever. Mas eu tenho um monte de material sobre temas obscuros que ainda faltam ser lidos e também um monte de material de filosofia que eu tenho que ler. Por exemplo, eu comecei a ler Ideologia Alemã. Apesar do nome, não é nenhum comentário à obra de Hitler, mas um livro do Engels e do Marx (ótimo clima político pra ler obras comunistas). Então eu resolvi equilibrar as coisas: para cada livro de filosofia lido, eu publicarei anotações sobre outros textos lidos, que ficarão aguardando o momento de ser postadas. Faço isso pra evitar o monopólio de alguns conteúdos.

Bom, é vinte e cinco de dezembro. Bolsonaro assumirá em breve. Isso me preocupa. Por exemplo: esses dias o Toffoli negou a soltura de prisioneiros em segunda instância, apesar de essa ser a coisa constitucional a ser feita (ninguém pode ser preso sem que seus recursos legais tenham se esgotado, algo conhecidos como “trânsito em julgado”). Quem podia apelar para instâncias superiores não deveria estar preso. Por que ele negou? Se especula que isso tenha a ver com uma reunião das Forças Armadas que tomou todo aquele dia e com pressões via Twitter. Suponhamos que os acontecimentos estejam conectados. Se o Toffoli tiver cedido à pressão dos militares (supondo que tal pressão tenha ocorrido), então a república democrática já acabou e um golpe militar já aconteceu. Não seria questão de pensar se a república democrática vai mal ou está em crise, mas de pensar em como restabelecê-la. Se isso for comprovado, o Brasil morreu pra mim. Temos que ressuscitá-lo.

Outra coisa que me preocupa é a possível remoção da disciplina de filosofia do ensino médio. Essa é uma possibilidade mais remota, me parece, já que o governo que vem tem outras preocupações mais pertinentes e parece que ele sempre volta atrás quando diz algo impopular. Além disso, com o novo ensino médio, as redes estaduais de ensino terão autonomia para gerenciar as partes diversificadas do currículo. Meu estado tem governo petista, então talvez ele ouça o clamor dos professores do estado e inclua filosofia na parte diversificada.

Talvez eu esteja me preocupando demais. O fato é que eu já vejo que eu não vou gostar desse governo, que ele tem chances sérias de prejudicar a mim em particular. Isso, claro, se o Bolsonaro governar, não outro que possa vir a tomar o lugar dele. Eu não saberia o que esperar de um segundo (ou terceiro, talvez quarto) golpe em tão pouco tempo.

18 de outubro de 2018

Evangelicals and Bolsonaro.

Filed under: Livros, Notícias e política, Organizações — Tags:, — Yurinho @ 12:37

With the connection between Bolsonaro and the military dictatorship, I’m a bit surprised that evangelicals want to vote for him, when there are biblical reasons not to do so. Most of these reasons gravitate to the principle of loveing your neighbor, which first appears in Leviticus and is developed throughout the New Testament from Matthew. Those who watched Haddad’s electoral segment on television saw recordings of Bolsonaro praising Ustra and lamenting that the military dictatorship did not kill “some thirty thousand” people of whom some would be innocent. The following text is aimed at those evangelicals who want to vote for Bolsonaro. If you aren’t Brazilian or religious, you may want to do something else.

Before going any further, Haddad really wants to legalize marijuana and abortion. However, neither can be done without the will of the doer. You do not have to abort or use marijuana. Besides, although abortion might become a legal possibility, I would be very happy if you did not abort. After all, according to the Statute of the Child and Adolescent , the mother who can not raise the child can place the kid for adoption without major problems. She does not need to keep the child, so in theory, abortion would be unnecessary: ​​if you can not raise your child, someone else will. Thus, you would only abort, for example, if you wanted to. The evangelical church-goer does not have to abort. The evangelical does not need to smoke anything either. If others do so, it’s not your business.

Suppose Bolsonaro decides to govern with the military dictatorship as a government model (remembering that there is a possibility of a military coup under his government), would that be a biblically acceptable situation? The return of torture? Removal of rights? Censorship? Above all, hate?

It is understandable that, in the face of such insecurity, we turn to hatred and defend drastic measures, but human wrath does not equate divine justice (James 1:20). Whoever hates is in darkness (1 John 2:11) and does not know God, because God is love (1 John 4: 8). That means I can’t hate homosexuals, for example? You can not: there is no person who does not sin and that is why we can receive forgiveness. For example, Rahab was a prostitute, but by working with the spies of Joshua, she was justified (James 2: 24-25). When a certain woman was caught in adultery and taken to Jesus, he said that only those without sin could throw a stone at her. There is no one who does not sin, so we are unfit to punish others for their sins (John 8: 1-11). Why do you want guns? Why does the removal of the Disarmament Statute looks attractive to you? Do you want to do justice with your own hands? Have you not heard that revenge belongs to God (Romans 12:19)? If you hate murder, do not become a murderer.

The commandment in which the whole law is summed up is “thou shalt love thy neighbor as thyself” or, put another way, “do to others what you would like to have done to you” (Matthew 7:12). He who does not love his brother (and God is the father of us all) does not walk with God (1 John 3: 10-11). Thus, the homosexual who does not hate is more likely to be saved than the liar or murderer who accuses him for being homosexual, because the accuser sins three times: once for being a liar or a murderer, twice for nurturing hatred towards another person and a third time for being a sinner who judges another sinner, casting himself as hypocrite. If God only looked at our mistakes, no one would be saved. But that would be unfair. In not God also a God of justice? The homosexual who has done many good deeds is more likely to be saved than the murderer who accuses him and then goes to church. And that’s because the first is more worth being forgiven. I do not even have to touch the subject of racism.

Do you think you can save yourself by going to church and listening to the words? That’s is self-deception: faith alone does not save, because not even Abraham was saved by faith alone (James 1:22). Had Abraham heard and believed, but not acted, would he not have been rejected? In fact, what kind of faith does not bear fruit (James 2:14)? If faith was enough to save, the devil would be saved, because the demons also believe in God (James 2:19). True religion is charity toward the oppressed, as orphans and widows (James 1:27). Bolsonaro wants to take the rights of the working classes, many of whom have children and a wife, and who, in spite of their work, sometimes need help from the government to stay alive. One may say that the worker is worthy of his wages and that those who do not work should not eat (2 Thessalonians 3:10), but the problem here is to take minimum working conditions from those who work. So, despite working, sometimes the worker lacks resources to buy food. We could also argue that receiving government help is like receiving “alms.” So what? Is it a sin to give alms? The prayers and alms of Cornelius Italian were accepted before God as a memorial offering (Acts 10: 1-4). So what does it matter if this is the case?

Finally, a word to those who intend to not vote: not doing a good deed when you can do it is sinning by omission (James 4:17). If you are, for example, a Jehovah’s Witness and can not vote for religious reasons, at least spread this text to others. A hate government is an anti-Christian government and the hatred has begun even before the elections are over. Evangelicals should be ashamed of supporting an overtly aggressive person with their vote.

Evangélicos e Bolsonaro.

Filed under: Livros, Notícias e política, Saúde e bem-estar — Tags:, — Yurinho @ 12:15

Com a conexão entre Bolsonaro e a ditadura militar, fico um pouco surpreso que os evangélicos queiram votar nele, quando há razões bíblicas para não fazer isso. A maioria dessas razões gravitam o princípio de amor ao próximo, que aparece pela primeira vez em Levítico e é desenvolvido ao longo do Novo Testamento a partir de Mateus. Quem assistiu o programa eleitoral do Haddad viu que há gravações do Bolsonaro exaltando Ustra e censurando a ditadura militar por não ter matado “uns trinta mil” dentre os quais alguns seriam inocentes.

Antes de ir adiante, Haddad quer mesmo legalizar a maconha e o aborto. No entanto, nenhuma das duas coisas pode ser feita sem a vontade de quem faz. Você não precisa abortar nem usar maconha. Além do mais, apesar de o aborto poder se tornar uma possibilidade legal, eu ficaria muito feliz se você não abortasse. Afinal, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, a mãe que não tem condições de criar o filho pode dá-lo à adoção sem maiores problemas. Ela não precisa ficar com o filho, então, em teoria, o aborto seria desnecessário: se você não tem condições de criar seu filho, outro fará isso. Assim, você só abortaria, por exemplo, se você quisesse. A evangélica não precisa abortar. O evangélico não precisa fumar nada também. Deixe que os outros façam e se entendam com Deus depois.

Suponhamos que Bolsonaro resolva governar nos moldes da ditadura militar (lembrando que há a possibilidade de um golpe militar acontecer sob seu governo caso ele mude de ideia quanto a isso), essa seria uma situação biblicamente aceitável? A volta da tortura? Remoção de direitos? Censura? Sobretudo, ódio?

É compreensível que, diante de tanta insegurança, nos voltemos ao ódio e defendamos medidas drásticas, mas a ira humana não opera justiça divina (Tiago 1:20). Quem odeia está em trevas (1 João 2:11) e não conhece a Deus, porque Deus é amor (1 João 4:8). E se o ódio for aos homossexuais? Também não se justifica: não há uma pessoa que não peque e é por isso que podemos receber perdão. Por exemplo: Raabe era prostituta, mas, por colaborar com os espiões de Josué, foi justificada (Tiago 2:24-25). Quando uma determinada mulher foi apanhada em adultério e levada a Jesus, o mesmo disse que lhe atirasse a primeira pedra quem estava sem pecado. Ora, não há ninguém que não peque, então não cabe a nós punirmos os outros pelos pecados deles (João 8:1-11). Ora, para quê você quer armas? Por que a revogação do Estatuto do Desarmamento te atrai? Você quer fazer justiçacom as próprias mãos? Não ouviste dizer que a vingança a Deus pertence (Romanos 12:19)? Se você odeia o assassinato, não se faça assassino.

O mandamento no qual toda a lei se resume é “amarás ao próximo como a ti mesmo” ou, colocado de outro modo, “faça ao próximo o que gostaria que lhe fosse feito” (Mateus 7:12). Quem não ama a seu irmão (e Deus é pai de nós todos) não anda com Deus (1 João 3:10-11). Assim, o homossexual que não odeia tem mais chances de ser salvo do que o mentiroso, embriagado ou assassino que o acusa, porquanto este peca três vezes: uma vez por ser mentiroso, assassino ou beberrão, outra vez por praticar o ódio contra outra pessoa e ainda outra vez por, sendo pecador, fazer-se juiz de outro pecador. Se Deus olhasse somente para nossos erros, ninguém se salvaria. Mas isso seria injusto. Ora, nosso Deus é Deus de justiça. O homossexual que tem muitas boas obras tem mais chances de ser salvo do que o assassino que o acusa e depois vai pra igreja, porquanto é mais digno de perdão. Nem preciso tocar no assunto do racismo.

Você acha que pode se salvar somente indo pra igreja e ouvindo as palavras? Isso é autoengano: a fé sozinha não salva, porquanto nem Abraão foi salvo somente pela fé que ele tinha (Tiago 1:22). Se Abraão tivesse ouvido e crido, mas não feito, não teria sido rejeitado? Aliás, que tipo de fé não dá frutos (Tiago 2:14)? Se a fé bastasse pra salvar, o diabo seria salvo, porquanto também os demônios acreditam em Deus (Tiago 2:19). A verdadeira religião é a caridade para com os oprimidos, como órfãos e viúvas (Tiago 1:27). Ora, Bolsonaro pretende tirar direitos das classes trabalhadoras, dentre as quais estão muitos que têm filhos e esposa e que, às vezes apesar de trabalharem, precisam de ajuda do governo, como o bolsa-família, pra se manterem vivos. Alguém pode dizer que o trabalhador é digno de seu salário e que quem não trabalha não deve comer (2 Tessalonicenses 3:10), mas o problema aqui é tirar condições mínimas de trabalho daqueles que trabalham. Assim, apesar de trabalhar, às vezes falta pão ao trabalhador. Trabalhando, não pode se sustentar. Poderíamos também argumentar que o bolsa-família é “esmola”. Seja; por acaso dar esmola é pecado? As orações e as esmolas de Cornélio Italiano foram aceitas diante de Deus como oferta memorial (Atos 10:1-4). Então, que importa se esse for o caso?

Por último, uma palavra aos que intencionam votar em branco ou nulo: não fazer o bem quando se pode fazê-lo é pecar por omissão (Tiago 4:17). Se você for, por exemplo, uma testemunha de Jeová e não puder votar por razões religiosas, ao menos passe este texto a outras pessoas. Um governo de ódio é um governo anticristão e esse é um ódio que começa antes mesmo das eleições acabarem. Os evangélicos deveriam se envergonhar de dar apoio a alguém abertamente agressivo, especialmente se tal pessoa se edifica na mentira. Não perca a sua chance de se arrepender e se redimir. Deus está vendo. Essa é a igreja de Cristo.

%d blogueiros gostam disto: