Analecto

3 de janeiro de 2012

Auto-aceitação.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yure @ 09:19

Ao passo que eu consegui resolver o problema do meu colega, outro cara apareceu sofrendo de um problema similar.

Há um ano, ele tenta resistir à sua parafilia, bondage, por medo de que seus amigos pensem que ele é uma aberração. Ele só se rende à sua parafilia quando realmente não consegue tirá-la da mente, certifica-se de que pode controlar o tempo da exposição e depois tenta esquecê-la fazendo outra coisa. Segundo ele, sua parafilia é aceita em seu aspecto individual, mas ele tenta manter isso no menor nível possível por medo de que isso possa afetar os outros. Porém, periodicamente, ele sente vontade de desenhar coisas relacionadas à bondage, mas, por razões já explicadas, ele resiste à vontade, embora ela sempre volte. Mais de uma vez, ele perguntou para nós se nós deixaríamos de ser amigos dele por causa de sua parafilia. Droga, isso é o furry fandom, bondage é provavelmente a mais comum das especialidades. Isso não assusta ninguém, talvez nem novatos. Mesmo que digamos que tudo bem, ele ainda teme perder nossa amizade e sofrer rejeição. Depois de pensar bastante a respeito, ele começou a se perguntar se ele deveria realmente resistir à sua parafilia e ponderou a possibilidade de ceder a vontade, mas não para seus amigos. Ele pensou nos caminhos que isso abriria (novos amigos com interesses similares aos dele, porém diferentes dos interesses de seus amigos atuais) e resolveu sair um pouco de sua zona de conforto, abrir uma nova conta e começar a enviar arte relacionada ao que ele realmente gosta. Isso trará comentários diferentes, mais autoestima e uma nova direção para melhorar sua arte. Afinal, se ele teme rejeição por parte de seus amigos, é só manter contas diferentes, de forma que só aqueles que realmente gostem de bondage o assistam em sua outra conta, permitindo que seus vigias atuais vejam apenas o seu trabalho corriqueiro (babyfur). Ele deixou claro no seu jornal que “algum dia” ele dará uma pausa no babyfur para explorar seu outro “fetiche”, contra o qual ele tem resistido há um ano (no sentido de resistir a vontade de exteriorizá-lo, já que ele aceita sua parafilia no âmbito individual, mesmo que com tempo controlado). Me soa como uma tentativa de fuga da pressão causada pelos amigos, uma tentativa de mentir para eles por razões imaginárias. Mas isso não ocorrerá num futuro tão próximo, já que ele ainda não se sente seguro o bastante para “sair da zona de conforto” e explorar esse lado dele.

Isso me faz suspirar de preocupação. Por que as pessoas precisam da aceitação dos outros para ser elas mesmas quando não há necessidade disso? Não é como se ele estivesse praticando algum crime ou coisa do tipo. Se não faz mal a você, não faz mal aos outros e seus amigos lhe asseguram que não tem problema, por que ficar com tanto medo de ser rejeitado? Será que só eu percebi que ser normal é impossível?

%d blogueiros gostam disto: