Analecto

4 de março de 2015

É, foi um dia terrível…

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yurinho @ 22:21

Vergonha – Wikipédia, a enciclopédia livre.

Acordei doente. A fumaça da capital, combinada com o tempo frio e seco, acabaram com minha garganta. Tive febre e meu nariz escorre até agora. Ao menos fiz meu cadastro biométrico eleitoral.

Mas, como se não bastasse estar doente, eu tinha uma apresentação para fazer hoje. Então, apesar de estar febril e com dor de cabeça, fui. A apresentação do grupo anterior foi irritante: eles tentaram fazer uma peça, na qual eles sentavam ao redor de umas mesas e fingiam estar num bar falando sobre coisas filosóficas enquanto tomavam vinho. Mas, como eu detesto gente alegre, logo me senti incomodado com o grau de descontração deles, porque eles eram muito barulhentos e a sala era fechada, favorecendo o eco. Pessoalmente, eu não entendi o tema tratado por eles (o conceito de experiência como descrito pelo senhor Bondía). O pior é que eu fui o único a não gostar. Claro que uma “aula” daquela forma casa bem com a atitude dos outros alunos, que são baderneiros e “contemporâneos”.

Então, eu tive de apresentar o mesmo tema. Certo… Comecei minha apresentação criticando a equipe anterior e propondo esclarecer o que eles não conseguiram, dizendo que eu não tinha entendido nada. Uma das moças que apresentou na equipe anterior disse:

Parabéns.

Como se eu tivesse conseguido algo muito difícil. E, de fato, eu fui o único a dizer que não entendi a apresentação deles. Aquilo foi um insulto, mas resolvi esquecer.

A princípio, faríamos também uma peça, mas, como dois membros da equipe não chegaram a tempo e um faltou, a peça não daria certo. Então, tivemos de fazer as coisas à moda dos romanos. Enquanto eu fazia minha exposição sobre o texto, eu me certificava de estar deixando tudo bem claro, ao mesmo tempo que eu deixava tempo para os outros dois integrantes que chegaram na hora falarem. Ou seja, foi uma aula tradicional. Óbvio que ninguém gostou, apesar de que, julgando pelas cabeças que moviam positivamente conforme eu falava, todos estavam entendendo.

No meio da minha exposição, os dois atrasados chegaram. Logo os encaixei na rotina e eles começaram a falar. Daí, o altão cento e sessenta e seis assumiu. Embora ele estivesse na mesma equipe que eu, ele desceu o cacete na minha apresentação, fazendo a dele no processo. Eu só achei que o método tradicional deixaria as coisas claras… mas ele rapidamente juntou argumentos que mostram como ele é pobre, blá, blá, e emendou com um discurso comunista que muito agrada todos os hipócritas que tenho como colegas, pois eles se dizem comunistas e ainda assim aderem cem por cento ao capitalismo.

Aos poucos, conforme os outros falavam, eu vi que minha apresentação estava servindo de bode expiatório. Como eu estava doente e já tinha mesmo planos de sair cedo, resolvi sair dali, justificando que eu não me sentia bem. À porta, o professor disse:

Coitado.

Odeio este mundo.

31 de março de 2012

Estou… clinicamente abaixo do peso.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yurinho @ 17:06

That Looks Nice | SoFurry.

Minha mãe não aguentava mais o fato de eu ser tão magro. Além disso, ela disse que aquela gripe só me deixou no chão porque eu não tenho forças para resistir à doenças. Desde aquele dia, ela planejou algumas visitas a clínicos gerais e hoje o médico me confirmou algo que eu, no fundo, já sabia: estou abaixo do peso ideal. Na verdade, estou abaixo do peso mínimo, seis quilogramas para ser exato.

Tenho 1,71m e peso 52kg. Meu peso mínimo deveria ser 58kg e meu peso ideal seria 66kg. O médico me passou estimulantes de apetite e polivitamínicos. Honestamente, acho que isso vai falhar, como falhou todas as outras vezes. Meu peso é 52kg há dois anos. Bom, pois bem… Admito que estou trapaceando no polivitamínico. É um comprimido tão obscenamente grande que, quando eu o vi, me perguntei se eu tinha mesmo que tomá-lo por vias orais. Senti medo de me engasgar. Daí, tive a ideia miraculosa de mastigar o comprimido e engolir o conteúdo. Quase ponho meu almoço para fora. Por dentro, o comprimido é uma pasta oriunda da síntese de Panax ginseng e adições pesadonas, como quantidades de vitaminas que lhe permitem dispensar todas as refeições e você não sentir nada além de fome. O estimulante de apetite tem funcionado contudo.

Além disso, tenho que tomar um xarope que, de acordo com a bula, pode causar náusea em alguns pacientes. Ah, meu Pai… esta é a palavra mágica. Se você quiser me deixar com medo, fale de náusea. Mas eu tomei porque supus que era um efeito raro. Esperemos que meu corpo não seja tão fraco assim a ponto de passar mal com um expectorante.

A verdadeira razão da minha condição é minha fobia. Sou extremamente criterioso com o que eu como e em que quantidade, para minimizar a possibilidade de vômito. Além disso, comer pouco prolonga a vida. Por outro lado, não posso ser considerado saudável em nenhum sentido com um peso tão baixo e uma mente tão conturbada. Ainda assim, não vou voltar para a terapia.

21 de março de 2012

Ainda meio doente.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yurinho @ 22:25

Ill wind blows… | SoFurry.

Apesar da maioria dos sintomas ter desaparecido, continuo tossindo como se não houvesse amanhã. Estou tossindo tanto que minha garganta começa a doer e, apesar de querer muito, não consigo parar de tossir. Aliás, ninguém consegue; aparentemente, contaminei o resto da família. Fui ao hospital hoje e a doutora me passou um remédio que se dissolve quando eu o mastigo com água (não engulo pílulas de uma vez, eu as mastigo para ter certeza de que não me engasgarei) e que tem um gosto, no mínimo, singular. Enquanto digito isto, já tossi mais de sete vezes. Minha garganta coça por causa de uma secreção maldita que vaza de algum lugar, irritando minhas vias aéreas e me forçando a tossir, o que só faz minha garganta doer e não para a secreção… nem a coceira. Tive muita dificuldade para dormir ontem; passei três horas na cama sem conseguir colar as pálpebras (moderando as gírias por causa do Roger). Eu não aguento mais. Começo a relevar a possibilidade de cortar meu pescoço. Maldição. Minha mãe disse para eu tossir com menos força, mas ela não deve saber o quanto isso é difícil considerando o quanto esta porcaria coça.

%d blogueiros gostam disto: