Analecto

14 de julho de 2018

Um e-mail que eu mandei pro Gay Star News.

Então, visto que tem um monte de gente falando da tal “bandeira” da pedofilia esses dias, eu resolvi, como bom estudante do assunto, clarificar as coisas com o pessoal do Gay Star News. Como é improvável que eles postem meu e-mail, eu resolvi colá-lo aqui também.

Acerca de “pessoas atraídas por menores”.

Eu li seu artigo sobre o negócio da bandeira e eu tenho alguns pensamentos sobre essa história. Primeiro, “pessoa atraída por menor” é um termo empurrado pela B4U-ACT, um círculo terapêutico que visa ajudar pedófilos e hebéfilos a permanecer dentro da lei, apesar de terem sentimentos voltados a menores. A ideia por trás do termo não é normalizar a pedofilia, mas permitir que pedófilos se sintam mais à vontade com seus terapêutas, já que a palavra “pedófilo” virou insulto.

Segundo, essas pessoas em geral não querem nada a ver com LGBT. É fútil se anexar a um movimento que rejeita você. Dizer que você é parte desse movimento não muda o fato de que você não é. Ambos os grupos estão separados. Importante notar que, enquanto há indivíduos interessados na legalização, há também os que não estão (os tais “virtuosos”). Então, MAPs não podem fazer quaisquer esforços em direção a grandes mudanças sociais, porque não há consenso dentro dessas comunidades sobre a legalização. De fato, esse é um problema que divide uma minoria em minorias menores ainda, reduzindo, portanto, seu potencial político pra qualquer coisa.

Terceiro, você pode ser diagnosticado com pedofilia já aos dezesseis anos, se você tem sentimentos por menores por pelo menos seis meses e tal menor desejado tem menos de treze anos. Assim, é possível ser um menor atraído por menores. Isso torna confusa a afirmação do artigo de que “menores têm que se afastar de MAPs”, porque existem menores que se identificam como MAPs (novamente, isso não implica nem ação e nem mesmo interesse em legalização).

Finalmente, considerando todas essas coisas, a gente lembra do trote que foi o Heart Progress. O consenso em comunidades de MAPs ao redor da Internet, tanto os favoráveis quanto os infavoráveis à legalização, é de que Heart Progress era um grupo “troll”. A ideia era anexar o estigma da pedofilia à ideologia da esquerda. Eu já vi MAPs dizerem que Heart Progress foi fundado pela direita alternativa, numa tentativa de descreditar a esquerda. Então, se MAPs não querem associação com LGBT (nem LGBT quer associação com MAPs), qualquer tentativa de juntar os dois, ao menos no Ocidente, deve ser vista como uma piada ou um golpe. Outro incidente que me vem à mente é o daqueles cinco caras carregando uma faixa da NAMBLA durante uma marcha de esquerda. Acabou que esses caras não eram esquerda, mas estavam ali pra sabotar a marcha.

Entenda que, em tempos de conservadorismo, a esquerda em geral e os gays em particular estão sob pressão. Grupos sem escrúpulos usarão táticas extremas para descreditar a ideologia de esquerda e reduzir os liberais em número. Eu também acho que você deveria olhar mais fundo no fenômeno das pessoas atraídas por menores, porque, pelo que eu li no seu texto, você tá muito mal informado.

Eu escrevi um texto sobre atração por menores, que pode ser lido neste sítio aqui.

22 de maio de 2014

Maio, segunda parte.

Achei que nunca fosse acontecer, mas enjoei de tanto ler e reler a Antologia Ilustrada de Filosofia. Arrumei o Textos Básicos de Filosofia pra me distrair agora, enquanto eu espero algo emocionante acontecer na universidade. Alguém me disse que o professor de metafísica mandou todos os alunos refazerem o trabalho sobre a Ciência Nova, mas com outros parâmetros. Agora estaria mais claro o que ele quer e acredito que poderei trazer para você um texto menos confuso. Mas, quando cheguei lá, ele disse que eu não precisava ter refeito, porque já tirei sete. Enviei um e-mail para um dos professores de filosofia que entrevistei, para ver se consigo mais algumas respostas.

Foi difícil me concentrar nas últimas aulas. Tem outro gorducho que atraiu minha atenção e vez por outra meu olhar perdia-se sobre ele. É uma sensação horrorosa: minha cabeça fica leve, meu coração dispara e sinto um negócio inexplicável no peito. Mas é difícil parar de olhar. Tive de me forçar a voltar minha atenção ao professor três vezes, com considerável sucesso, até eu ter de olhá-lo de novo. Sou péssimo em resistir à tentações. Não posso dizer que estou amando ele, mas posso dizer que há um certo grau de luxúria por ele em mim (duplo sentido). É uma ideia reprovável, contudo, e estou ficando melhor em me conter, só acho que estou para criar algum tipo de recalque. Minha professora de psicologia poderia até dar uma ajuda ou luz. Não que eu lute contra mim mesmo para mudar quem eu sou, só acho que agir conforme certos comportamentos não é possível agora; ele é heterossexual em primeiro lugar, depois eu tenho que estudar, depois ele vive em outra cidade. A maioria das pessoas me aconselharia “seguir o coração”, mas eu prefiro pensar com o cérebro mesmo e uma relação desse tipo é impossível agora, a menos, claro, que eu queira me ferrar.

Você sabe que estou desesperado por crédito extra quando você lê que atendi a um evento sobre Hegel. Me inscrevi na Semana Hegeliana e passei três tardes inteiras na universidade, além da manhã. Isso acabou com meu tempo online e nem pude dar patadas! Uma pena, porque tenho trabalho acadêmico pra fazer. Já tenho que escrever uma dissertação sobre Parmênides. Para juntar útil e agradável, Hegel é um único filósofo que eu não gosto. Talvez porque meus últimos professores de Hegel eram todos medíocres, eu nunca fui capaz de abstrair algo de bom da filosofia dele. Atender ao evento também foi um ato de dar “outra chance” ao hegelianismo, porque todo o mundo diz que Hegel foi um filósofo muitíssimo importante e influente. Talvez, se eu entendê-lo melhor, eu possa me enriquecer mais, além de que, dada sua influência, não posso repeli-lo para sempre. Mas o evento não foi sobre Hegel. Falou-se de Marx, Weil, Fukuyama, Marcuse, Feuerbach e até Vico! Mas Hegel que é bom…

9 de novembro de 2012

Chocante?

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yurinho @ 01:59

Possibilities. Kids, I might be gay. Have been recently feeling palpitations and recurring fantasies that aren’t very fetishy towards classmates. I used to believe I was attracted to my kinks and not by people themselves, but I have been getting an urge to cuddle with some classmates and fantasizing about it makes my heart beat faster and my breath get shorter. It could be a manifestation of my attraction to pudgyness, however, since I don’t think on things that are explicitly sexual; I still feel nothing towards sex, even if I go nuts without pawing and I could paw someone else just fine. But I much prefer the idea of pawing a male. I thought I wasn’t gay because these were extremely kinky attractions, I couldn’t define if I was attracted to the kink or to the person and I still can’t. But if I feel my body [is] reacting this way (nothing from waist down, but arousal doesn’t manifestate only below the waist), I think I could be gay, as I surely never felt this way towards girls, even if the girl plays the fetish. Though I like cuddly parts of the female body, it isn’t in the same intensity, but the idea of cuddling with a girl (without the boring perfume some use and without a lot of words) is attracting nonetheless. While I don’t think it’s bad at all, I like to keep my emotions in check and being in a relationship brings a lot of responsabilities I’m not willing to take, ever. But having these feelings, that are new for me, I feel my reason being suspended for a while. I don’t want to do something I might regret and I hope these feelings don’t get out of paw. And I think the fandom played a big role developing my fetishes. Now I see someone who seems to meet the requeriments that fantasy characters meet when I fantasize about them. Viewed: 23 times Added: 1 day, 5 hours ago Friends Only: yes

Relutei em falar sobre isto. É uma possibilidade, de fato. Mas isso não é o que me preocupa mais. Achei que mencionar minha sexualidade neste jornal seria relevante, contudo. O que realmente me angustia é o fato de que uma parte de mim finalmente acordou para os relacionamentos, aos vinte anos. Mas eu não posso, em nenhuma hipótese, me permitir entrar numa relação desse tipo com alguém. “Desse tipo?”, alguém pode pensar. É, do tipo que você é mais que amigo. Eu não posso, nem com mulheres, nem com homens. “Por quê?”

  1. Limitação da liberdade.
  2. Mudança de hábitos.
  3. Esforço.
  4. Possibilidade de não-aceitação por parte do parceiro.
  5. Possibilidade de fracasso absoluto.
  6. Possibilidade de resfriamento.
  7. Ciúme.

Estas e outras são as razões que me impedem de me relacionar dessa forma com alguém, responsabilidades que eu não quero tomar e riscos que não quero correr. Não posso dizer que estou totalmente feliz com minha situação no momento porque parte de mim quer alguém como companhia e estou negando isso, mas acredito que estou mais feliz assim do que eu possivelmente estaria se eu namorasse. A raposa me disse que eu deveria tentar e tentou minar todos os meus argumentos. No final, fingi que aceitei sua sugestão, mas, sendo ela cinco anos mais nova que eu, provavelmente é o tipo de jovem que se deixa levar pelo momento e faz decisões do tipo “faça o que seu coração mandar”. Disse que eu não devo me preocupar com possibilidades, que possibilidades nada significam. Se nada significassem, Kierkgaard não teria escrito Aut-Aut.

Eu me preocupo, sim, com possibilidades e não posso, como uma pessoa dotada do mínimo de bom-senso, fazer o que meu coração mandar, pelo menos não o tempo todo. Não estou dizendo que todos estão errados em serem felizes com seus relacionamentos, mas eu não vejo benefício nisso, nem à curto prazo, nem à longo prazo. A palavra “benefício” na frase anterior significa “aspectos positivos que superam os negativos”. O que estou dizendo é que, pelo menos para mim, uma relação amorosa me traria mais males que bens e que, no final, não valeria a pena e eu estaria numa situação pior depois que eu saísse do que quando entrei, porque sou sensível e já falhei dessa forma no passado.

Talvez o leitor me ache um egoísta por pensar nos benefícios que uma relação amorosa me traria, mas (a) todos pensam nisso e (b) o que mais me preocupa são os malefícios.

Eu teria de sair da rotina, não poderia deixar o relacionamento esfriar e eu tenho quase certeza de que a maioria das pessoas do mundo jamais me aceitaria em minha totalidade. Claro que existem as pessoas que mudam por amor, com maior ou menor grau de sacrifício, mas a mudança seria em vão se o relacionamento acabasse e mudanças em aspectos-chave da sua pessoa poderiam lhe deixar infeliz na relação que você tanto queria, uma vez que você, mesmo estando com quem você gosta, é uma coisa que você não gosta.

Ainda não estou completamente seguro da minha sexualidade, mas essas sensações estão vindo com cada vez mais frequência e intensidade. Poderia ser, como o lobo disse, apenas solidão e falta de contato físico. Mas, independente da minha sexualidade, relacionamentos não são, pelo menos neste momento, uma opção.

Yes, really. It’s shocking and all, but isn’t like I changed greatly. I just discovered a possible new part of me. I still love myself as much as I used to.

%d blogueiros gostam disto: