Analecto

17 de outubro de 2015

Nem acredito.

Filed under: Organizações — Tags:, , , , , — Yurinho @ 22:48

Este é o último semestre do meu curso de filosofia. Me custa acreditar que estou para terminar. Quando eu fiz os pedidos, orei para que eles fossem atendidos e foram, de fato, atendidos. Obrigado, Senhor, pela resposta! Quem dera eu poder pronunciar seu nome direito, espero que não se importe em eu usar Iavé ou Jeová.

Bom, eu preciso de cento e oitenta e oito créditos para terminar o curso, além de defender minha monografia, obter retorno dos estágios e, claro, juntar doze créditos em atividades extracurriculares, que é o que me preocupa no momento. Porém, em dois anos, juntei quase a quantidade de créditos necessários nesse ponto (equivale a duzentas e quatro horas, das quais tenho umas cento e oitenta). Dá para obter o resto das horas até o mês que vem, espero.

Para me ajudar a obter mais créditos, inclui também uma optativa, apesar de eu já ter dezesseis créditos de optativas.

21 de fevereiro de 2012

Quase esqueço o título.

Filed under: Passatempos, Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yurinho @ 19:02

Perfil de gagagliscor’s | SoFurry.

Minhas aulas começam na segunda. Estou ansioso! Até sonho com isso quando durmo.

Finalmente, livre da gaiola do tédio. Ah, sim: tenho jogado Rocket Knight Adventures. Muito bom aquele joguinho, tanto em diversão como eu beleza, música e história simples, porém cativante.

Eu tenho notado uma coisa sobre mim que me incomoda um pouco: eu sou muito diferente dos outros. Por muito tempo eu achei que eu era só um pouco diferente, o que era aceitável, mas agora vejo que estou sempre metido em minorias, estou sempre indo na contra-mão dos grandes grupos.

  • Arte: tradicional, quando todos fazem digital.
  • Sistema operacional: Linux, quando todos usam Windows.
  • Faculdade: filosofia, quando todos fazem qualquer outra coisa.
  • Escolha de profissão: professor, quando todos querem fazer algo lucrativo.
  • Música: eletrônica, embora todos os que se interessam em compor procuram aprender instrumentos físicos ao invés de programas. Mesmo minha música eletrônica vai na contra-mão do que é esperado da música eletrônica; não faço “música de festa”.
  • Religião: nenhuma, quando todo o mundo ao meu redor é católico, protestante, ateu ou testemunha de Jeová.
  • Patada é melhor que yiff.

Pensando a respeito, parece que sempre faço as escolhas erradas ou, no mínimo, inesperadas. As pessoas têm dificuldade entendendo minhas ações. Mas, pondo esses pontos na tela e lendo eles, vejo que não há nada de errado nas escolhas que fiz, mas o fato de ter poucas pessoas que tomam as mesmas direções que eu me faz pensar que talvez eu tenha sido insensato… e me sinto tentado a ser como todo o mundo. Me sinto sozinho e é meio difícil manter-se firme em seus princípios quando não há quem partilhe desses princípios. Você tem que aguentar tudo sozinho.

Mas aí eu lembro por que eu tomei essas decisões e vejo que eu tomei a decisão certa. Mas nem sempre o certo é o mais confortável a ser feito. É como aquele cara do Matrix. Ele havia sido libertado da Matrix para liberar os humanos de uma escravidão exercida pelas máquinas. Mas ele eventualmente traiu seus companheiros; quando ele estava na Matrix, ele vivia de ilusões que o fazia sentir-se bem: comida boa, sexo, água mineral, cama aconchegante e todas essas coisas da sociedade atual. Eram apenas ilusões e, na verdade, ele e o resto da humanidade estavam adormecidos e tendo o mesmo sonho, enquanto as máquinas usavam os humanos como fonte de energia. A coisa certa a ser feita era acordar os humanos para que eles se rebelassem contra as máquinas e as destruíssem, acabando com a guerra em Sião. Mas será que tomar tal tarefa árdua, mesmo sendo a coisa certa, é a melhor escolha a ser feita, considerando que a ilusão parece melhor que o desespero?

Obviamente, não voltarei atrás nas coisas que eu disse. Continuarei fazendo arte tradicional, usando Linux e cursando filosofia porque são decisões que tomei após longa reflexão e que combinam com meus ideais… ou orgulho, no caso da arte. Mas admito que, por enquanto, ser íntegro não me faz bem.

10 de novembro de 2011

Eu ri muito quando ela disse isso.

Filed under: Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yurinho @ 14:49

Minha mãe estava discutindo comigo, como usual quando o assunto é religião. Ela disse que eu não devo dar minhas opiniões espirituais aos meus irmãos porque ela os quer no “caminho de Jeová”. Porém, ao fazer isso, você limita a liberdade de escolha do indivíduo e minha mãe talvez não entenda que a crença deve ser uma escolha, não uma obrigação ou ritual. Se não me engano, crer por opressão é até antibíblico. Mas aí ela disse:
– Yure, você é totalmente do mundo. Você só não é um fornicador porque você ainda não acordou pra isso.
Eu ri extremamente alto. Primeiro: valeu pelo voto de confiança. Segundo: caramba, eu tô no Inkbunny. Minha mãe talvez não acreditasse se eu confessasse minha sexualidade à ela. Talvez ela não acreditasse que eu tenho nojo de sexo e que é uma coisa que eu jamais farei por vontade própria. Na verdade, sexo nunca me impressionou tanto. Quando eu era criança, entrei no quarto para pegar um lençol, surpreendendo meus pais em seu momento mais íntimo. Mesmo que eu soubesse o que estava acontecendo lá, ignorei eles, peguei o lençol e saí. Eu tinha cerca de sete anos.
Essa opressão ao sexo não é natural, do contrário crianças e animais a teriam de forma inata. Mas eu já acordei pra isso. Sei o que me interessa sexualmente e, ironicamente, sexo não é uma dessas coisas. É repulsivo, convenhamos, quem nunca achou isso? Acho que todos aqui, em algum momento de suas vidas, devem ter se perguntado por que sexo é tão falado e comentado se é na verdade algo tão simples e até nojento, se você parar para pensar em todos os microrganismos que são trocados e em todos os líquidos derramados. É bom, caramba, deve ser ótimo! Mas refrigerante também é. Super Nintendo também. Droga, até dormir é muito bom.
Ela fala como se a religião fosse a única coisa que impede você de ter sexo antes casar. Não é a Bíblia que vai impedir um homem cuja genitália foi decepada de ter relações.
Além disso, forçar a religião sobre os outros não resolve. Meu sobrinho está tão saturado disso que disse na cara da minha mãe que é ateu, e eu não tive nada a ver com isso.

%d blogueiros gostam disto: