Analecto

6 de maio de 2019

What I learned by reading “Metaphysics of Customs”.

Filed under: Livros — Tags:, , — Yurinho @ 09:22

Metaphysics of Customs” was written by Immanuel Kant. Below, what I learned from reading this book.

  1. This book is a continuation of the Critique of Practical Reason.
  2. Philosophy books are often accused of being complicated on purpose, just to seem like the author is smarter than he actually is.

  3. All authors of philosophy books should write in a way that non-philosophers can understand.

  4. Often the philosophical process can not be popularized, because it requires a language that is far from the ordinary, but this does not mean that the results of philosophical reflection or research must be offered in lay language.

  5. Popularizing a text that was not written by the person who gets the book out there gives me the opportunity to twist the book’s original meaning.

  6. If we consider philosophy as a body of different disciplines, then there are several philosophies, each giving its contribution to modern thought.

  7. But if we consider philosophy as a single discipline, then each school of thought is part of a process of purification.

  8. So we can not say that the previous school of thought has no importance: it served as a means of perfecting and purification that enables the current state of philosophical thought.

  9. A work of philosophy or science, then, is never entirely yours: it was built upon a cultural baggage that you have and that was acquired through the study of other authors, whether through teachers or books.

  10. There are laws that do not have to be promulgated.

  11. It is permissible to universalize your experience, but it is necessary to be ready when the supposed universality is refuted.

  12. An unnecessary law must cease to be law.

  13. Ethics is experimental.

  14. The path to individual happiness goes through the intimate experience of the individual.

  15. Thus, what brings happiness to one may not bring happiness to another.

  16. “Concupiscence” is the desire that can be transformed into an act, but which has not yet been transformed into an act.

  17. “Free will” is the choice made on the basis of reason alone: ​​if I do something driven by strong emotion, we can say that I did it unintentionally.

  18. Human agency is not always free, but it is never completely savage.

  19. “Moral law” refers to the use of our freedom.

  20. “Legal law” refers only to external acts.

  21. The concept of duty derives from obligation, which, in turn, derives from the categorical imperative: I am obliged, by moral feeling, to act as if everyone would see me and adopt my behavior.

  22. “Imperative” is a rule that gives status of necessity to something that did not have that status before.

  23. “Duty” is something that I am obliged to do, that is, a specific, particular action that seeks to fulfill the moral necessity enunciated by the obligation, which in turn is based on the categorical imperative.

  24. If something is not forbidden, it is automatically allowed.

  25. If something is allowed, it is morally indifferent.

  26. A “person” is a subject responsible for his actions, who is capable of free will.

  27. The opposite of “person” is “thing”.

  28. An action that contradicts duty is called “transgression.”

  29. Whoever transgresses duty is always guilty, but trangressing duty knowing that what you do is a transgression makes you a criminal.

  30. Natural law precedes positive law.

  31. The maxim (rule of personal conduct) that does not take into account universality is immoral: I must act as if the whole world were to act like me.

  32. Maxims come from choice, but laws come from another source.

  33. A categorical imperative is a command.

  34. Is it not strange that the wicked are punished, but the good are not rewarded?

  35. An ethical law makes its goal clear.

  36. If you do your duties, you are only doing what you must, which is not something to be proud of.

  37. Honoring commitments even when there is no risk of punishment for disregarding such commitments is an act of virtue.

  38. An action is fair if it does not hurt anyone’s freedom while it is in accordance with a law respected by all.

  39. A judge can not issue a decision without defined conditions: there must be data on which he can base his decision .

  40. Is it lawful to do violence to those who have done no harm ?

  41. The law can not punish those who commit a crime in order to stay alive: the law can’t give a penalty that is worse than death.

  42. Do no harm.

  43. Secure your property without taking other’s property.

  44. The only innate right is freedom, the other rights have to be acquired.

  45. To lie is to say falsehood on purpose: if you say something false without knowing the truth, you haven’t lied.

  46. “Mine” is something whose use is linked to me in such a way that its use by others, without my consent, would be harmful to me.

  47. It is possible to possess something physically (having the object) or legally (having right to the object).

  48. It is possible say that I “own” a service provided to me by others.

  49. If someone already occupies a land , invading it is a violation the occupant’s rights.

  50. An empirical knowledge is always subjugated to space and time.

  51. An external object is not a far object, but a distinct object.

  52. It is possible to own something that will never be used.

  53. To say that something is mine implies that no one can use that thing without my permission .

  54. You can not have something that already has an owner, except in case of shared possession by mutual agreement between the parties.

  55. I have no right to use a person as object.

  56. The Earth’s shape (round) makes it easy for humans to meet.

  57. The unoccupied land is owned by the first person to get in there.

  58. The definite possession is only possible thanks to the laws: in the state of nature, a possession of mine can be subtracted at any moment .

  59. One should not take the land that already belongs to its inhabitants.

  60. A land on which one can not live belongs to everyone.

  61. Every human being is responsible for humanity.

  62. A contract guarantees me a promise, not necessarily the promised thing.

  63. “Sexual union” is the reciprocal use of bodies and abilities, a kind of agreement in which the bodies will be mutually used.

  64. You can’t acquire one’s members without having the right to the entire body.

  65. A “real” marriage should be made between people of the same social class, to prevent inequality in marriage.

  66. Romance without sex is friendship.

  67. The child is a person.

  68. The son did not ask to be born: if we bring a child to a life of suffering, we are criminals.

  69. That being said, you don’t have the right to have children if you can’t raise children.

  70. The child must have dual education: pragmatic (how to survive) and moral (how to be honest).

  71. A child who can survive by themselves is no longer a child.

  72. Money ” is anything that only has value when it is given: in fact, the value of money only appears when we spend it.

  73. If we have a lot of money, but we do not spend it, it’s the same as being poor.

  74. Work force can be exchanged for money.

  75. The more work there is, the more money is put into circulation.

  76. If money is easy to make, money will also be pointless.

  77. Knowledge has a price.

  78. Only legal money can be called “currency.”

  79. The author speaks for himself, the editor speaks for the author.

  80. Publishing a book without authorization puts the publisher’s profits at risk.

  81. It is possible to have merit after death.

  82. If a person lends me something, but never comes to get it back, the thing is effectively mine.

  83. One should not denigrate the image of someone who is absent and can not defend himself unless one is completely certain of what they are talking about.

  84. Slandering a dead person should be tried by the public and not by a court.

  85. Before borrowing something you should tell the owner that you will be responsible (for loss of the object, if something happens to the borrowed object).

  86. Before you lend something, determine the terms of penalty if the borrowed object is damaged or lost.

  87. You can not get something from someone who does not own the object you want.

  88. Because of this, it is wrong to buy stolen goods.

  89. However, if you buy stolen good without knowing that they were stolen, you shouldn’t be punished.

  90. I should be able to recover what is mine even if it is far away.

  91. I can not be forced to make oath.

  92. It is possible to use religion to torture.

  93. The court is the justice of a country.

  94. If I have to live with others, I will adopt the lifestyle of the majority.

  95. A constitution represents the will of the people and holds it together.

  96. The three powers that represent, or rather, should represent the general will : the legislative power, the executive rulers, the judges of the judiciary.

  97. If the executive power also has legislative power, we have a despotic government.

  98. The executive power has no power of judgment.

  99. Whoever commits a crime unintentionally does not deserve punishment, but instruction.

  100. If people cease to be interested in religion, clerical possessions are at stake.

  101. If you do not tell the police what you are doing when they ask you, you are automatically suspect and must explain yourself to the authorities.

  102. The police can not break into my house unless they have a court order.

  103. Tax money should always go into useful things.

  104. The state can force the rich to meet the needs of the poor.

  105. If you play lottery games, you will be poor.

  106. Church is not religion: “church” is a Christian institution with the public worship of God as a goal, but religion comes from within, from the spirit, it is a personal thing, not necessarily associated with special churches, temples or places (John 4: 24).

  107. Humans have spiritual need, the state can not banish religion without causing revolt.

  108. The tithing should be used to pay taxes if the church is not exempt from taxes.

  109. Justice for sale is unfair.

  110. Punishment for crime must be aggravated by the person’s social position: the president who commits crime must be more severely punished, since he serves as national role model.

  111. If you steal, you imply that it is okay to steal, which exposes your goods to being stolen.

  112. Citizens have the right to leave the country.

  113. Nothing wrong with a landlord calling foreigners to live with him.

  114. The landlord can ban an individual from his territory, that is, deport him.

  115. A genuine republic represents the people: a republic that does not represent the people is illegitimate.

  116. The ideal republic is one in which the people are sovereign.

  117. Why do not presidents fight the war?

  118. To go to war, we must renounce peace first.

  119. Where there are weapons, the law is mute.

  120. After a war is won, public property can be looted, but not the private property, that is, the property of each subject of the conquered territory.

  121. The purpose of the law is to enable perpetual peace.

  122. If you can not prove a particular position, you can try to demonstrate that the question is meaningless.

  123. It does not matter whether peace is possible or not; you have to act as if it is.

  124. Examples are illustration, not proof.

  125. Metaphysical concepts are incorporated even in statements that aim at practical utility.

  126. Even if they work and receive wages, children who have not left their parents’ home still owe them obedience.

  127. A commonly committed injustice doesn’t become a right just because it’s repeated.

  128. It is better to have little money and some freedom than to live in a luxurious place without any freedom.

  129. The church must be subordinate to the state as well.

  130. Metaphysics encompasses a set of pure rational concepts, that is, considered correct by logic, without the need for empirical evidence.

  131. The practical philosopher is one who uses reason to find the best course of action for attainment of general goals (such as “happiness”).

  132. Kant never intended to destroy metaphysics and often affirms it’s need.

  133. Do I have the strength to do what I’m asked to do?

  134. Two goals that are also duties: neighborly love and self-improvement.

  135. Perfection is personal: I can not perfect another person (think of all bad people who have great education).

  136. That means that improvement is up to the person, I can’t really improve a person if they don’t want to improve.

  137. Happiness” is being satisfied with one’s own condition.

  138. If I want to maintain my moral integrity and I can only do that if I am happy, then happiness ceases to be a goal.

  139. Self-love implies the desire to be loved.

  140. Benevolence (goodwill) is not the same as beneficence (good deed): you can say that you “wish the best” for a certain person without moving a finger to help that person out with their own needs.

  141. When you say that a certain man “has no conscience,” you mean that he does not pay attention to the accusations his conscience makes: he prefers to ignore those accusations.

  142. Do good to humanity, even if humanity does not deserve it.

  143. Maybe, in the future, mankind may be worthy of being loved.

  144. Do good also to those who do not feel love.

  145. By practicing the mutual beneficence, love can follow as a consequence.

  146. If one proof is enough, don’t give another.

  147. Having virtue “beyond measure” is already a vice.

  148. Wisdom, strictly speaking, is practical: the philosopher whose philosophy has no practical implication may well not be interested in wisdom at all.

  149. It is possible to be more virtuous than enough.

  150. The dialogical method is an attempt to bring to consciousness something that is already known.

  151. If I come to the conclusion that I have an unavoidable responsibility, I am automatically obliging myself to it.

  152. A duty to myself is automatically a duty to all mankind.

  153. I must perfect myself beyond the point where nature put me at birth.

  154. I must preserve my life.

  155. Suicide is homicide.

  156. Getting rid of a healthy part of one’s own body is not morally justifiable.

  157. Proving that masturbation is wrong is a difficult task because masturbation does no harm to anyone.

  158. It is possible to keep something in your heart and speak something completely opposite to what you feel.

  159. Drugs should only be used in medical situations: using them for pleasure is abuse.

  160. A banquet is a formal invitation to excess.

  161. “Lie” is intentional untruth: if you said something wrong because you did not know the truth, you did not lie, but you made a mistake.

  162. One should not do good through lying.

  163. The human being lies to himself often.

  164. One lies to oneself by professing something in which one does not believe because of a possibility of gaining something from it.

  165. Another example is to say that I, as a Christian, love the laws of God, when in fact I am only afraid of punishment.

  166. “Avarice” is not to spend when necessary.

  167. There is no middle ground between truth and lies.

  168. Why would you want money if you don’t want to spend it?

  169. If you find yourself above the law, you are arrogant.

  170. It is not worthy of a human being to bow before another human being, since they are fundamentally equals.

  171. If a person makes themselves a doormat, step on them.

  172. It is possible to stop paying attention to the conscience, but you can not help but hear its voice.

  173. The first command of all duties to oneself: know thyself.

  174. Although there is no relation of rights and duties between human beings and nonhuman beings, the human being still has at least duties to nature in general, as a whole, having to watch over the natural beauties in order to exercise the human capacity to love and abstain from cruelty to animals in order to preserve the human ability to feel empathy.

  175. The animal must be rewarded for a job well done.

  176. A duty to an animal is a duty to one’s own self, for it aids in the enhancement of one’s humanity, which has repercussions on the proper treatment among fellow humans.

  177. Everyone should have a religion.

  178. Human beings have an obligation to develop their capacities.

  179. Even if you are satisfied with the number of skills you already have, it is always helpful to improve their quality more and more.

  180. Organize your skills according to your goal.

  181. Science is theoretical, wisdom is practical.

  182. Physical education is as important as the study of science; the scientist, if he does not have a body or has a body that is not healthy, to the point of not serving it’s purpose, can not put the knowledge he has in practice.

  183. Your future job should be related to what you do best.

  184. Self-improvement should be directed toward the goal you pursue.

  185. As we will never reach perfection, there is always room for improvement.

  186. There are two types of duties that we maintain with others: those that imply mutual obligation and those that do not imply.

  187. Love and respect are not the same.

  188. “Philanthropy” is love to all human beings.

  189. “Misanthropy” is the opposite: it is hatred of all human beings.

  190. “Selfishness” is a form of love that doesn’t extend to other human beings.

  191. “Shyness” is a lack of means to express the love that you feel towards someone.

  192. I have to do to others what I want done to me.

  193. The principle of love is divided into: beneficence, gratitude and solidarity.

  194. You have to take care of your own body.

  195. When you feel good about the well-being of others, you are benevolent.

  196. When you work for the welfare of others, you are beneficent.

  197. It is rare to find someone who makes the well-being of others their goal.

  198. Working for the happiness of the needy is everyone’s duty.

  199. If the other is in need, granting him a benefit should not be done by seeking something in return.

  200. The limit of beneficence is selflessness: even though you should help others, you should not do that to the point of neglecting your own needs.

  201. I can not be beneficent to the other by imposing on him my own patterns of happiness: I have to know what makes the person happy and then do it to them.

  202. A person is rich when he has an excess of power to achieve his goals.

  203. The government can be unjust to the point of making it’s citizens deliberately poor, in order to make citizens need the beneficence of state.

  204. If I cause harm to someone and then repair it, it is not beneficence.

  205. Recognition is a kind of gratitude.

  206. The ancients deserve respect, but that does not mean that the new generation is always worse.

  207. It is easier to do good if evil is affecting you, because that makes you unable to be indifferent to evil.

  208. The vices that work against love: envy , ingratitude , malice.

  209. Envy that does not manifest externally is called “jealousy”, the envy that you keep to yourself.

  210. Envy is the feeling of pain originated by seeing others having a good time.

  211. Envy only occurs in people dissatisfied with their own condition.

  212. If something happens to any human being, it is in our interest to investigate.

  213. Malice and the desire for revenge go hand in hand.

  214. Revenge is never is just, because it’s an application of my own concept of justice, while justice is supposed to be universally valid.

  215. Only God can be perfectly just.

  216. No punishment should be applied when you are angry; the anger leads us to punish in excess, that is, to commit abuse.

  217. A crime that would render human nature abhorrent is what we call an “inhuman” attitude.

  218. The human being is between the angel and the animal in the scale of perfection, but that does not make it a hybrid of the two.

  219. Everything has value, even if it is negative value.

  220. A human being should treat himself as human and other humans as humans too.

  221. It is immoral to treat a human being as if it were less than human.

  222. Honor is respect to others: if they respect you, you are honored.

  223. One should not despise a human being because of one of his faults, because a fault alone does not make anyone a bad person.

  224. A “scandal” is an offense to honor accompanied by a bad example that could be followed by others.

  225. Pride is counterproductive: the more respect you demand, the less others respect you.

  226. Respect must be earned before it is claimed.

  227. “Detraction” is to publish one’s particular defect or flaw, causing scandal (it’s gossip, in other words).

  228. If you want to know about people’s private lives, you are always wrong.

  229. “Scorn” or “mockery” is to turn one’s faults into laugh matter, differing from “joke”, which is to turn qualities into laugh matter.

  230. “Friendship” is the union of two or more persons by mutual love and respect.

  231. A person who angers you or saddens you on purpose is not your friend.

  232. It is an act of love when a friend says, tactfully, that you are wrong.

  233. The real friend is there for you when you need.

  234. There is a need to reveal our secrets because we want to be accepted.

  235. The friend will hear your secrets and will not reveal them.

  236. Good friends are rare.

  237. Do not isolate yourself.

  238. Virtue should be fashionable!

  239. Virtue is not innate.

  240. There are two ways of teaching science: lecture (expository lesson) and by questioning (building the reasoning through questions thrown to the audience).

  241. The teacher has to be a role model because children also learn by imitating.

  242. Do not tell someone to be like someone eles or you might cause envy.

  243. If you are a good role model, people will copy you if they have common sense.

  244. A “good enough” heart wants to at least share its happiness with others.

  245. If the student does not know the answer, suggest one.

9 de julho de 2018

Notes on Kant’s “Groundwork of the Metaphysics of Morals”.

Filed under: Livros — Tags:, , , — Yurinho @ 19:14

Groundwork of the Metaphysics of Morals was written by Kant. Here are some notes I made about his text.

  1. Greek philosophy could be divided between logic, ethics and physics.
  2. Knowledge can be formal or material.
  3. Logic is a formal science.
  4. Material science is divided into ethics (laws of freedom) and physics (laws of nature).
  5. Ethics is concerned with things as they should be, while physics deals with things as they are.
  6. The rational, but not empirical, part of physics is called the metaphysics of nature, while the purely rational but not empirical part of ethics is called the metaphysics of morals.
  7. Like science, philosophy should be divided into parts and promote specialization.
  8. Parts of physics: nature’s metaphysics (rational) and empirical physics.
  9. Parts of ethics: practical (empirical) and anthropology of customs (rational).
  10. A metaphysics of customs is necessary because it allows the creation of stable laws, since they would be grounded on universal moral principles (which can only be achieved by distancing oneself from experience as much as possible).
  11. Practical rules are not moral laws, because they are particular .
  12. Without pure moral principles, morality will be subject to perversions.
  13. There is only one reason, which is applied in different ways.
  14. You do not have to be a philosopher to understand moral philosophy.
  15. An easy-to-apply principle that seems sufficient to solve a problem may still be wrong.
  16. All our qualities can be employed for evil, except goodwill, which manifests itself in character.
  17. Happiness, satisfaction with yourself and your condition, can cause presumption.
  18. Even self-control can harm the very controlled person or those who are close to the self-controlled person.
  19. Goodwill is what gives assurance to our virtues, because there is no guarantee that our virtues are being used for good otherwise.
  20. It is easier to break your duties if you are unhappy.
  21. “Duty” is the need to fulfill something by respecting the law.
  22. An action is not moral by its results, but by its motivation.
  23. I must act as if everyone had to imitate me.
  24. Can not the consequences of a lie outweigh the benefit that could be derived from lying?
  25. Before you act, think: “can my action be imitated by everyone?”
  26. The fact that I have good moral principles does not guarantee that I will be able to follow such principles.
  27. The fact that I want something very much does not imply that such a thing is good.
  28. A philosophy becomes popular by vulgarisation, which is not necessarily a bad thing.
  29. When I am acting according to my reason, I am acting by “will,” but when I act in a way that my reason disapproves, I am acting by “coercion.”
  30. Prudence is the ability to choose the means to get the best welfare.
  31. The law coerces.
  32. Desiring a goal also means desiring the means of attaining that goal.
  33. It is not possible to know exactly what happiness is without having experienced it, so many fail at attaining happiness.
  34. If happiness is the best welfare, it should come without maintenance cost, otherwise I would worry about keeping my happiness, but, if I’m worried, I am not happy.
  35. I can not tell someone how she should act to be happy, if I do not even know how to be happy myself.
  36. I can give up on rigid prescriptions if I give up on the goal I intend to achieve by obeying those prescriptions (unless they are unconditional prescriptions).
  37. Categorical imperative: “Act only according to principles that could be transformed into laws to which everyone would submit.”
  38. If an action satisfies the categorical imperative, it is fair (though not necessarily beautiful, not necessarily useful, but only fair).
  39. The difference between “impulse” and “motive” is that the impulse leads to subjective end (we perform this action because I have a personal goal) while motive leads to objective end (we perform this action because this is a goal of public interest).
  40. Practical imperative: “treat yourself and others as means and ends, never just as mere means.”
  41. If you do good by interest, your action is conditioned to interest, that is, you will not do good if you do not profit from it.
  42. If something can be replaced by an equivalent, then it has a “price”, but if it is irreplaceable, then it has no price, but “dignity.”
  43. No moral virtue has a price, since there are no equivalents to moral virtues.
  44. Autonomy is the ability to give to yourself the laws that you must obey.
  45. The opposite of autonomy is the need to accept laws from other sources.
  46. Being good and being happy does not necessarily converge.
  47. We can only know the thing as it shows itself to our senses, but that does not mean that its true self is its apparent self.
  48. Nature dictates laws, which we can not break, that is, we are not totally autonomous.
  49. But that does not mean that nature controls all of our acts, so we have some autonomy.
  50. Our thinking substance , intelligence, is our true self.

Anotações sobre a “Fundamentação da Metafísica dos Costumes”, de Kant.

Filed under: Livros — Tags:, , , — Yurinho @ 17:38

Fundamentação da Metafísica dos Costumes foi escrita por Kant. Abaixo, algumas anotações que fiz sobre esse texto.

  1. A filosofia grega podia ser dividida entre lógica, ética e física.
  2. Um conhecimento pode ser formal ou material.
  3. Lógica é uma ciência formal.
  4. A ciência material divide-se em ética (leis da liberdade) e física (leis da natureza).
  5. A ética está preocupada com as coisas como deveriam ser (como o ser livre deve agir), enquanto que a física se ocupa das coisas como são (como a natureza age).
  6. A parte racional, mas não empírica, da física chama-se metafísica da natureza, enquanto que a parte meramente racional, mas não empírica, da ética chama-se metafísica dos costumes.
  7. Tal como a ciência, a filosofia deveria se dividir em partes e promover a especialização.
  8. Partes da física: metafísica da natureza (racional) e física empírica.
  9. Partes da ética: antropologia prática (empírica) e metafísica dos costumes (racional).
  10. Uma metafísica dos costumes é necessária porque permite a criação de leis estáveis, uma vez que partiriam de princípios morais universais (os quais só podem ser alcançados se distanciando da experiência tanto quanto possível).
  11. Regras práticas não são leis morais, porquanto são particulares.
  12. Sem princípios morais puros, a moralidade estará sujeita à perversões.
  13. Só há uma razão, que é aplicada de formas diversas.
  14. Não precisa ser filósofo pra entender filosofia moral.
  15. Um princípio de fácil aplicação e que parece bastar para resolver um problema pode, ainda assim, estar errado.
  16. Todas as nossas qualidades podem se prestar ao mal, exceto a boa vontade, a qual se manifesta no caráter.
  17. A felicidade, a satisfação consigo mesmo e sua condição, pode causar presunção.
  18. Até mesmo o autocontrole pode prejudicar a pessoa ou aqueles que estão próximos dela.
  19. A boa vontade é o que dá garantia a nossas virtudes, pois, sem ela, não há garantia de que nossas virtudes estão sendo usadas para o bem.
  20. É mais fácil infringir seus deveres se você está infeliz.
  21. “Dever” é a necessidade de cumprir algo pelo respeito à lei.
  22. Uma ação não é moral por seus resultados, mas pela sua motivação.
  23. Devo agir como se todos tivessem que me imitar.
  24. Será que as consequências de uma mentira não superam o bem que se pode derivar dela?
  25. Antes de agir, pense: “e se o que estou para fazer se tornasse lei?”
  26. O fato de eu ter bons princípios morais não garante que serei capaz de seguir tais princípios.
  27. O fato de eu querer muito alguma coisa não implica que tal coisa é boa.
  28. Uma filosofia se torna popular pela vulgarização, o que não é algo necessariamente ruim.
  29. Quando estou agindo conforme minha razão, estou agindo por “vontade”, mas, quando ajo de forma que minha razão desaprova, estou agindo por “coação”.
  30. Prudência é a habilidade de escolher os meios para obter o melhor bem-estar.
  31. A lei coage.
  32. Desejar um fim é desejar também os meios de obtenção do fim.
  33. Não é possível saber exatamente o que é felicidade sem tê-la experimentado, por isso muitos erram o caminho até lá.
  34. Se a felicidade é o melhor bem-estar, ela deveria vir sem custo de manutenção, do contrário, eu me preocuparia em manter minha felicidade quando, se eu me preocupo, não estou feliz.
  35. Eu não posso dizer pra alguém como ela deve agir pra ser feliz, se eu mesmo não sei como.
  36. Eu posso desistir de prescrições rígidas se eu desistir do objetivo que pretendo alcançar as obedecendo, a menos que sejam prescrições incondicionadas a fins.
  37. Imperativo categórico: “aja apenas segundo princípios que poderiam ser transformados em leis às quais todos se submeteriam.”
  38. Se uma ação satisfaz o imperativo categórico, ela é justa (se bem que não necessariamente bela, não necessariamente útil, mas apenas justa).
  39. A diferença entre “impulso” e “motivo” é que o impulso leva a fim subjetivo (eu executo esta ação porque me é agradável apenas) enquanto que motivo leva a fim objetivo (eu executo esta ação porque me é agradável, mas também é agradável a todos).
  40. Imperativo prático: “trate a si mesmo e também aos outros como meios e fins, nunca somente como meros meios.”
  41. Se você faz o bem por interesse, a sua ação é condicionada ao interesse, ou seja, você não fará o bem se não lucrar com isso.
  42. Se algo pode ser substituído por um equivalente, esse algo tem “preço”, mas, se ele é insubstituível, diz-se que ele não tem preço, mas “dignidade”.
  43. Nenhuma virtude moral tem preço, porquanto não lhes existem equivalentes.
  44. Autonomia é a capacidade de dar leis a si mesmo.
  45. O contrário da autonomia é a necessidade de aceitar leis de outras fontes.
  46. Ser bom e ser feliz não necessariamente convergem.
  47. Só podemos conhecer a coisa como ela se mostra aos nossos sentidos, mas isso não quer dizer que seu eu verdadeiro é seu eu aparente.
  48. A natureza nos dita leis, as quais não podemos quebrar, ou seja, não somos totalmente autônomos.
  49. Mas isso não quer dizer que a natureza controla todos os nossos atos, então temos alguma autonomia.
  50. Nossa substância pensante, a inteligência, é nosso verdadeiro eu.

16 de março de 2018

Kant’s “Critique of Judgment”.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , — Yurinho @ 11:52

“Critique of Judgment” was written by Kant. Below are some paraphrased thoughts found in his text.

  1. Something can be a waste of money and resources and still be nice to look at.
  2. My aesthetic taste doesn’t rely solely on beauty.
  3. Your taste for art, for example, only matters in society.
  4. “Pleasant” is subjective.
  5. Beauty can be universally recognized, but not universally liked (some people find pleasure in things deemed “ugly”, while not everyone enjoys looking at something even after admitting it’s beautiful).
  6. Whenever you say “that’s beautiful”, you are speaking for everyone.
  7. When you find something beautiful, you may want to appreciate it without adding something to it (a beautiful woman, for example, needs no makeup).
  8. If something is simple, it’s easier to be beautiful.
  9. If you use accessories to enhance your beauty, you may as well try, but enhancing beauty isn’t the same as increasing it’s level (your beauty remains the same, it’s just put in more evidence).
  10. Beauty must be judged in itself, disregarding accessories.
  11. A philosopher and a layman may use the same principles to reason about something, but a philosopher knows those principles more clearly.
  12. Beauty has nothing to do with usefulness.
  13. Music needs no lyrics.
  14. There’s no objective rule to determinate what is beautiful and what is not.
  15. There are beautiful things, but not beautiful models (beautiful things don’t often follow patterns).
  16. “Cartoon” is a work of art that exaggerates the characteristics of a model in the author’s mind.
  17. When you say that something is beautiful, you are implying that everyone else would think so (reminder: beauty is not taste, as I can find something beautiful and still not like it).
  18. Imagination isn’t “free” if it’s bound to any law.
  19. If imagination is bound to laws, then it’s a source of morals, not art, as it’s goal becomes “good”, rather than “pleasant”.
  20. Restricting imagination with rules may also make judgments based on taste impossible.
  21. If something wasn’t made with imagination and doesn’t seem to represent anything, it will be boring to look at.
  22. A work of art is good when you always go back to it.
  23. “Sublime” (which causes pleasure due to it’s strength) is different from “beautiful” (which causes pleasure due to it’s harmony).
  24. Sublime objects (volcanoes, hurricanes, detonations and other violent events) can be dangerous.
  25. While beauty can be enhanced with accessories, sublime objects can not be enhanced that way.
  26. Sublime is violent.
  27. There are two kinds of sublime: mathematical and dynamic.
  28. For something to be sublime, it needs to give an impression of being incomparable.
  29. Sublime isn’t a characteristic of the object, but a feeling that we have when looking at it, meaning that it resides in us.
  30. The sublime makes us realize how small we are in comparison with nature or universe.
  31. Something is “abnormally big” when it’s size works against it’s nature.
  32. There’s no reason to believe that the universe is finite.
  33. Sublime, as sensation, may be felt when around things that usually cause fear.
  34. Aesthetics should be used as a pedagogical tool.
  35. Enthusiasm differs from frenzy because frenzy is embarrassing.
  36. Seeking isolation in order to improve oneself is different from seeking isolation out of shyness or hate.
  37. Some people seek isolation to avoid hating their own species.
  38. Pain and delight don’t always originate from the body.
  39. You shouldn’t pretend to like something just because everyone else likes it.
  40. It’s impossible to force someone to like something.
  41. A work of art will never please everyone.
  42. Whenever you judge a sensation, you use subjective, unique criteria, that can not be used by anyone else.
  43. If I can’t force a person to feel pleasure, it’s pointless to say that someone has a “bad taste” for art or food or music or whatever else.
  44. Because of that, there is no objective criteria to judge something as “pleasant”.
  45. Art gives no concepts, but gives examples.
  46. It’s silly to say “it’s bad because I don’t like it”.
  47. You can’t please everyone.
  48. Prejudice is harmful.
  49. Prejudice is the elevation of a provisory judgment to the degree of principle.
  50. If aesthetic taste is a social attribute and humans are social animals, then all humans have aesthetic taste.
  51. We only feel the need to express our aesthetic taste if there’s people around: what’s the point of a drawing that no one is going to see?
  52. An inclination can only be admired if it becomes socially acceptable.
  53. It’s a virtue to be sensitive to beauty.
  54. A person who is fooled into thinking that a plastic flower is a real flower may still feel mesmerized by how well-executed that imitation is upon noticing it’s fake.
  55. Kant’s rainbow: sublime red, audacious orange, honest yellow, lovely green, modest blue, constant indigo, tender violet.
  56. Innocent white.
  57. “Art” is any technique that produces something that nature can not produce on it’s own.
  58. Art is free.
  59. While art is technique, rather than concept, it’s not science, even though art borrows from science.
  60. If you produce something in exchange of money, that’s your job.
  61. We can’t make a science of art.
  62. Science without art is fruitless (as it wouldn’t have concrete result, if we admit that art is any technique to produce something that is not found in nature).
  63. The foundation of art as aesthetic experience is pleasure: a drawing, a story or a song ia a good product of aesthetic art if it’s capable of causing pleasure.
  64. Some songs only serve the purpose of not letting the party fall silent.
  65. A genius doesn’t follow rules, because he makes his own.
  66. Geniuses are teachers, everyone else is a student.
  67. The genius is a force of nature.
  68. To be considered a genius, the person must be original.
  69. Learning to draw, to write or to compose music won’t make you an artist, if you lack originality.
  70. Inspiration can not be taught.
  71. Every art has a goal, even if it’s just “causing pleasure”.
  72. You don’t need to break all rules in order to be original.
  73. Art can be appreaciated by anyone.
  74. Art can give a pleasant portrait of things that are disgusting in nature.
  75. Art can portray an abstract thing (such as war) as a material thing (a red angel with a sword).
  76. Expressing concepts in a original way is part of art.
  77. An artist learns from nature and from other artists.
  78. An artist uses it’s geniality as well as it’s taste, to balance originality and pleasure.
  79. Something can be ugly and enjoyable.
  80. It’s possible to produce something pleasant without being original.
  81. Good art affects a person’s emotional state.
  82. A genius creates a style that will likely be copied.
  83. But someone who copies that style must take care to not copy it’s flaws as well.
  84. Working with fine arts requires imagination, understanding, spirit and taste.
  85. Different people will look at the same painting and draw different conclusions from it.
  86. Speaking beautifully isn’t the same as speaking truthfully.
  87. Rethoric enables us to take advantage of others, if they are ignorant.
  88. Even when well-intentioned, rethoric is still a dirty trick.
  89. Appealing to emotion makes a person more prone to accepting a point of view, because emotions keep a person from reasoning correctly.
  90. In music, the role of mathematics is to make melody, pulse and harmony agree with each other.
  91. To flee from a painting, you just have to look away, but it’s so much harder to flee from a song.
  92. Even harder is to flee from a perfume.
  93. Some pains do feel good.
  94. A good joke must be absurd.
  95. A joke can be even funnier if told in a serious tone.
  96. Sleep, hope and laughter are three things that make life tolerable.
  97. We can’t make science of our preferences.
  98. Description and demonstration are different things.
  99. Understanding, reason and judgment can arrive at different conclusions.
  100. There’s no science of beauty.
  101. Intellectuals need to communicate with laymen.
  102. “Sentimentalism” is the tendency to feel emotional more frequently or more intensely than average people, even in the absence of objective stimulation.
  103. Difference between religion and superstition is that, in religion, there’s both fear and admiration, while there’s only fear in superstition.
  104. To know if something is good, you need it’s definition, but the definition isn’t enough if you want to know if something is beautiful.
  105. “Pleasant” and “good” not always converge.
  106. To like everything is to like nothing.
  107. If you are truly hungry, you will eat whatever is in the dish.
  108. So, you can only have taste (preference) when you are not facing need.
  109. You can not willingly act without interest (if you want, you are interested).

19 de fevereiro de 2018

Kant’s “Critique of Pure Reason”.

Filed under: Livros — Tags:, , , — Yurinho @ 19:48

“Critique of Pure Reason” was written by Imanuel Kant. Below are some (paraphrased) thoughts found in his text.

  1. Every form of knowledge has the senses as starting point.
  2. But that doesn’t mean that knowledge is down to experience alone.
  3. Every information that isn’t formulated a priori must be logical, so it doesn’t need proof, but information proposed a posteriori can be experimental, rather than merely logical, which means that proof is needed.
  4. Up to Kant, metaphysics tried to understand some objects without even wondering if such things can be subject of rational analysis (God, for example).
  5. A meta-physician has less credibility if he is too detached from sensory information.
  6. If metaphysics doesn’t rely on empirical data, no meta-physician can be proved wrong.
  7. A lot of metaphysical data is fiction.
  8. Analytical statements are produced by decomposing data, while synthetic statements are produced by merging data.
  9. Empirical statements are always synthetic.
  10. Some questions are out of reason’s grasp.
  11. Metaphysics will never cease to exist.
  12. When you are between two equally persuasive premises, you may feel tempted to disregard both and conclude that there’s no correct solution.
  13. Metaphysics is inherently flawed.
  14. It’s also pretty contradictory.
  15. Kant wants to reform metaphysics, rather than destroying it.
  16. We need to question what kind of data is actually within reach, so we don’t try to make science over things that are impossible to reason about.
  17. A “transcendental” science is the study of our own methods to extract knowledge from the world.
  18. While our five senses can show us objects, understanding them is a rational effort of interpretation.
  19. “Transcendental aesthetics” is the study of our sensual procedures, while “transcendental logic” is the study of our thought and interpretation procedures.
  20. We can’t think without conceiving things in space-time constraints.
  21. There’s only one space, that our mind divides in sections (“here” and “there”, for example) because it can’t make sense out of the infinite as is.
  22. Some characteristics of an object are conditional.
  23. We also can not make sense out of eternity, that why we also divide time in sections (“before”, “now” and “after”, for example).
  24. That means that the only real time is an eternal “now” which has no actual constraint, while the only real space is an infinite “here”, also uncontrained, but our mind can only make sense of things by limiting them, implying that time and space as measures only exist in our head.
  25. Time and space are organs in our cognition system.
  26. Time and space, as channels through which we “feel” the world, as studied by transcendental aesthetics.
  27. A “thing in itself” doesn’t change according to our senses or according to surrounding conditions.
  28. An empirical statement, even if statistically secure, can never be completely generalized; there will always be exceptions.
  29. If an information can be traced back to the five senses, it’s knowledge about a “phenomenon” (something perceived by the senses).
  30. Intuition and concepts are two sources of knowledge.
  31. Intuition is sensual, while understanding is the interpretation of such intuitive data in order to achieve a concept.
  32. While there are common rules that are valid for all sciences, each science has also a set of rules that is only valid within it.
  33. If reality corresponds to what I think about it, then the idea I have about reality is “truth”.
  34. Something can make sense and still be wrong.
  35. That happens when the formula of the reasoning is correct, but the data used is wrong.
  36. “Transcendental analytics” means “act of decomposing an ‘a priori’ statement”.
  37. Transcendental analytics works only with statements that are internally logical and offered without empirical proof.
  38. When thinking about an event, I don’t need to relive it.
  39. “Synthesis” is the act of merging data from different objects into a single corpus of conclusive data.
  40. When talking about empirical things, you always need to give proof.
  41. Imagination is the ability to form an idea of something that you haven’t seen, heard or felt.
  42. Intuition and imagination are rooted in the five senses (when you imagine something, you also imagine it’s shape, how it sounds or how it feels).
  43. You can imagine things that are related to time, but not time itself.
  44. We can not fully know ourselves.
  45. You have learn common sense alone.
  46. Common sense is the ability to correctly employ something that was learned.
  47. If something exists in a given time, it’s real.
  48. A contradictory argument is automatically false.
  49. Thinking objectively is directing your thoughts towards something specific.
  50. “Perception” is conscious sensation.
  51. “Anticipation” is guessing, by logic, what is going to succeed, while having no empirical proof that the reasoning is correct.
  52. Time and space can be infinitely divided.
  53. Some metaphysical ideas are part of our lives, to the point of people acting as if they have been sufficiently proved.
  54. “Empirism” is knowing something using what I can perceive of it.
  55. If we want to understand something using time-based criteria, we must think in terms of succession, permanence and simultaneity.
  56. Nothing is created, nothing is destroyed, everything is transformed.
  57. It’s not possible to know things as they are, only as they appear to be (their phenomena).
  58. Presence of effect doesn’t mean that the cause has stopped acting.
  59. Something is possible when it meets the formal conditions of execution.
  60. Something is real when it meets the material conditions of execution.
  61. We lack senses to feel magnetic fields, which doesn’t mean that they don’t exist.
  62. If it’s real, then it’s possible, but not every possible thing is real.
  63. A “postulate” is a conclusive statement that has no proof nor demonstration.
  64. When you make a wild guess on an issue, you still need to explain why you think that way.

26 de fevereiro de 2017

Anotações sobre o para a paz perpétua.

Filed under: Livros, Notícias e política — Tags:, , , — Yurinho @ 16:23
  1. Um tratado de paz que implique condições de recomeço da guerra é inválido.

  2. Um tratado de paz que considere a possibilidade de guerra em alguma circunstância é, na verdade, um tratado de trégua.

  3. “Paz eterna”, pra Kant, é pleonasmo. Se é paz, tem que durar.

  4. Não é possível herdar um estado independente, nem trocá-lo, nem vendê-lo, nem doá-lo, nem alugá-lo.

  5. Para que haja paz é preciso que os exércitos permanentes deixem de existir. Isso não implica que a população deixe de se oferecer pra servir em caso de guerra, mas que se deveria deixar o exército permanente, que é aquele que faz profissão da guerra, isto é, as forças armadas. Assim, haveria exército somente em caso de guerra, feito por voluntários. Claro que isso só funcionaria numa configuração mundial: todos os países teriam que fazer igual, do contrário estaríamos nos vulnerabilizando.

  6. Dinheiro mata mais que exército.

  7. Aliás, dinheiro pode até comprar exército. Seria interessante que houvesse menos investimento às forças armadas. Mas, se isso não for feito por todos ao mesmo tempo, ninguém fará. Se uma nação investe em seu exército, claro que as outras quererão investir nos seus também.

  8. O estado não deve fazer algo que diminua a confiança da população na paz. Mesmo que não seja possível a paz, é preciso acreditar que seja, ou não nos esforçaremos pra obtê-la. E há mais paz tentando obtê-la do que se entregando à violência por não crer que a paz seja possível.

  9. Não se deve travar guerras de extermínio, isto é, não se deve matar também os cidadãos do país oponente. Eles não lutaram na guerra, então não devem morrer.

  10. Existem táticas de violência que podem ser empregadas por qualquer um em tempos de paz. Isso acaba trabalhando contra a paz, porque são táticas fáceis de performar ou difíceis de detectar. Entre elas, o envenenamento e a espionagem.

  11. O estado de natureza é um de constante ameaça.

  12. A lei está preocupada com o obrigatório ou o proibido. Só é dito o permitido se for necessário dizer.

  13. Uma lei geral não é uma lei universal.

  14. Para Kant, a paz só será possível se todos os países forem repúblicas.

  15. Liberdade é fazer o que se queira desde que não se prejudique ninguém. Libertinagem é fazer o que se queira sem levar os outros em consideração.

  16. Liberdade jurídica, pra Kant, é submeter-se somente às leis que o sujeito livre aceita. Isto é, só cumprir as leis com que se concorda. Igualdade jurídica é a submissão dos indivíduos a uma lei comum decidida de comum acordo.

  17. Entrar em guerra ou não deveria ser uma decisão digna de plebiscito. A população sofre com a guerra e paga por ela, então entrar em guerra não deveria ser uma decisão tomada só no governo, sem deliberação também popular.

  18. Algumas guerras não valem a pena, mesmo que tragam paz quando concluídas.

  19. Se a população não tem influência política, o território não é uma república.

  20. É possível ser uma república sem ser democrática. Democracia, aristocracia e monarquia são formas de soberania, enquanto que república e despotismo são formas pelas quais a soberania governa.

  21. A diferença entre república e despotismo está na separação de poderes. Se o governo, mesmo que seja democrático, tem um poder que funciona ao mesmo tempo como legislativo e executivo, é despótico (exemplo: Brasil, pois o nosso executivo pode redigir leis, em vez de apenas sancioná-las ou vetá-las). Se o governo separa legislativo e executivo, com cada um exercendo funções diferentes, é uma república.

  22. A democracia é despótica… a menos que seja representativa, com legislativo e executivo separados. Se for representativa, há chance de não ser despótica. Se bem que isso torna a democracia quase uma aristocracia eletiva, se não exatamente isso.

  23. Pra Kant, a democracia só pode ser republicana via revolução violenta.

  24. A forma de governo é mais importante pro povo do que a forma de soberania.

  25. Para Kant, o sistema representativo é o único que possibilita a república.

  26. Os estados estão em estado de natureza um para com o outro. É preciso que haja diálogo entre eles. Hoje, isso é feito pela Organização das Nações Unidas, cujo objetivo é evitar uma possível terceira guerra mundial.

  27. Isso é feito por leis admitidas de comum acordo entre os estados.

  28. “Hospitalidade” é não tratar hostilmente um estrangeiro. O limite da hospitalidade é a civilidade do estrangeiro, isto é, deve-se tratá-lo com hospitalidade na medida em que ele não se faz odiar.

  29. A forma esférica da Terra permite que nós nos encontremos. Não há pra onde fugir: eventualmente encontraremos outra pessoa.

  30. A América era, pros invasores europeus, uma terra sem dono, porque seus habitantes lhes eram insignificantes.

  31. Qualquer efeito é também uma causa e implica causas anteriores (exceto a primeira causa, que não tem causa).

  32. A guerra serviu para espalhar pessoas pela Terra.

  33. A guerra parece ser parte da natureza humana, pois se faz guerra até sem motivo suficiente.

  34. A guerra corrompe.

  35. Quem força demais acaba quebrando. Se aplica força demais, não quer usar, mas quebrar.

  36. O despotismo acaba virando anarquia.

  37. O despotismo é o “cemitério da liberdade”.

  38. A diferença de idioma e a diferença religiosa são frequentes causas de ódio e de guerra. Não se entendem e, quando se entendem, não se gostam.

  39. O comércio não coexiste com a guerra. Se há comércio, há paz entre os povos (não necessariamente dentro de um povo). Se há guerra, não há comércio (a menos que se conte, talvez, o comércio interno).

  40. O servo mais fiel é o dinheiro.

  41. O legislador ou o governador deveria procurar conselho na filosofia, seja nos escritos ou em filósofos vivos que estejam em seu território.

  42. Por que os filósofos não se tornam políticos? Porque se forem políticos, poderão se corromper e deixar de lado tudo o que escreveram. Ou então, se ele se recusar a se corromper, não conseguirá dar corpo a nenhuma de suas boas intenções. Numa política majoritariamente corrupta, ninguém que não se corrompe pode fazer alguma coisa, mesmo que seja boa. Dizem que o Lula roubou. Ora, mas quantas coisas boas ele fez! Tanto que querem ele de volta (se bem que nem lembraríam se o governo atual não fosse ruim).

  43. Os filósofos devem falar à vontade. Se algum dia um governante precisar de conselho, poderá procurar na produção filosófica. Para Kant, isso é confiável porque filósofos não fazem propaganda. Talvez não fizessem na época dele, mas hoje há quem faça.

  44. Ninguém está obrigado ao que excede seu poder. Como alguém pode me obrigar a fazer o que eu não posso fazer?

  45. Moral e política combinam?

  46. Se o povo se rebela por causa de leis injustas e instaura novas leis, tudo bem, desde que as novas leis sejam melhores.

  47. Mas se essa reforma for feita às pressas, muito provavelmente acabará em anarquia.

  48. Se você supõe que o ser humano é incapaz de melhorar seu comportamento, usará isso como licença pra ser um canalha.

  49. É mais fácil pedir desculpas do que permissão. Se você usurpa o poder com violência e depois faz um bom trabalho como governador, provavelmente esquecerão que você é ilegítimo.

  50. Se uma besteira que você fez é descoberta, a tendência é que você negará que a culpa é sua ou colocará a culpa em outro. Isso é feito com frequência na política.

  51. “Dividir e conquistar”: uma outra tática suja da política é colocar os superiores um contra o outro, para fazer a oportunidade de conquista aparecer. Também pode ser feito com inferiores quando posam ameaça.

  52. Alguns planos políticos só dão certo enquanto a população não descobre.

  53. Para Kant, uma máxima que não pode ser manifestada publicamente é injusta. Se eu penso algo que não posso tornar público, é melhor eu não agir segundo esse pensamento, ele diz. Eu faria ressalvas, mas é melhor não dizer quais.

  54. A conquista de um território, mesmo pequeno, nunca é algo de pouca importância.

  55. Existem pessoas que sempre assumem que as outras têm má intenção.

  56. Mesmo que você não ame alguém, deve ser justo com ele.

  57. Se uma máxima não pode ser declarada, ela é injusta; se uma máxima pode ser declarada, mas não necessariamente, é moral sem ser política; se uma máxima precisa ser declarada, é moral e política. Ou, pelo menos, é o que Kant diz.

  58. A função da política é tornar os súditos felizes. Claro que isso só pode ser feito no âmbito da vontade geral. Não dá pra agradar a todos em tudo, mas se deve agradar no que todos querem em comum: educação, saúde, segurança, essas coisas.

  59. Isso requer transparência. O governo não pode fazer nada que os súditos não possam saber.

  60. Os truques sujos da política são considerados espertos se expostos. Eles só são vistos como “ruins”, “prejudiciais” ou “imorais” quando falham. Enquanto estão dando certo, o que as pessoas dizem? “Ele foi muito é esperto!” Essa astúcia é bem vista enquanto não dá errado.

  61. Numa configuração maquiavélica, isto é, enquanto pensarmos que os fins justificam os meios, é impossível aliar ética e política.

  62. Para Kant, se todos praticassem o imperativo categório, haveria paz.

  63. Não importa o que digam, é preciso praticar a justiça.

  64. O mundo não vai acabar se os maus sumirem.

  65. Existem máximas que só podem ser efetivadas em segredo. Então, você as pratica sem falar delas. É como meu colega machista. Hoje, ser machista é errado. Então, ele não fala publicamente que é. Age de forma machista sem falar disso nem deixar que isso transpareça publicamente. E, se transparecer, dá pra desdobrar.

  66. Se os políticos falassem abertamente todos os seus planos, ia ter rebelião o tempo todo!

  67. “O melhor governo” é uma discussão infindável. Mas a “melhor forma de governo” é uma questão resolvível. Em adição, uma pessoa que governa bem em uma forma de governo ruim pode obter bons resultados. Da mesma forma, um mau governante numa boa forma de governo não garante que o governo será bom.

  68. Se os governantes fossem escolhidos pela divindade, deveriam fazer um trabalho melhor e nunca algo digno de vergonha.

21 de fevereiro de 2017

A “Crítica do Juízo”, de Kant.

Filed under: Entretenimento, Jogos, Livros, Música, Passatempos — Tags:, , , — Yurinho @ 14:19

“Crítica do Juízo” foi escrita por Kant. Abaixo, alguns pensamentos parafraseados encontrados nesse texto.

  1. Uma coisa pode ser um desperdício de bens e recursos e ainda assim ser uma coisa bela.

  2. Outros elementos além da beleza, e que trabalham com ela, influenciam no meu gosto.

  3. O gosto de alguém só se torna objeto de interesse em sociedade.

  4. O conceito de agradável é sempre pessoal.

  5. Embora beleza possa ser inconfundível, o gosto não pode ser censurado como se fosse logicamente errado e como se fosse possível se corrigir.

  6. Se alguém diz que algo é belo, está se pronunciando por todos.

  7. Uma pessoa de bom gosto aprecia a beleza sem necessitar que algo seja adicionado.

  8. É mais fácil ser belo aquilo que é simples, como as cores tomadas isoladamente.

  9. Nada de errado em utilizar atrativos pra realçar a beleza, mas tenha em mente que realçar a beleza não é aumentá-la.

  10. Se deve julgar a beleza por ela mesma, não pelos atrativos adicionados pra chamar atenção pra ela.

  11. Um filósofo e um vulgo podem se apoiar nos mesmos princípios, mas o filósofo conhece o princípio com mais clareza.

  12. A beleza de algo não tem nada a ver com sua função.

  13. É possível uma música sem letra ser bela.

  14. Não existe regra objetiva para determinar o que é belo.

  15. Não há modelo de beleza, mas há objetos belos.

  16. A imagem que exagera características de um modelo é uma caricatura.

  17. Dizer que algo é belo implica a intenção de que outros concordarão que esse algo é belo.

  18. A imaginação não pode ser “livre” e ao mesmo tempo estar em conformidade a uma lei.

  19. Se a imaginação obedece regras, então ela não está comprometida com o belo, e sim com o bom, sendo, portanto, uma fonte de moral, não de arte.

  20. Restringir a imaginação à regras coíbe o juízo com base no gosto.

  21. Se algo não foi feito pela imaginação e não parece representar nada, esse algo dá tédio de olhar.

  22. Uma boa arte é aquela para qual você sempre volta.

  23. O sublime (que causa prazer estético pela potência) é diferente do belo (que causa prazer estético pela harmonia).

  24. Os objetos sublimes (tornado, erupção vulcânica, uma detonação e outros eventos violentos) podem ser mortais.

  25. A beleza pode ser realçada por atrativos.

  26. O sublime é violento.

  27. Há dois tipos de sublime: matemático e dinâmico.

  28. O sublime é absolutamente grande, invocando a ideia de algo sem comparação.

  29. O sublime é um sentimento em nós, não é uma propriedade do objeto sublime (que é sublime no sentido de que ele causa essa sensação).

  30. O sublime nos faz perceber como somos pequenos diante de algo.

  31. Algo é anormalmente grande quando sua grandeza trabalha contra sua natureza.

  32. Não há razão pra crer que o universo é finito.

  33. A sensação de sublime pode advir de objetos que normalmente causam medo.

  34. A estética tem sua função formativa.

  35. Entusiasmo difere de exaltação porque a exaltação é doentia e embaraçosa.

  36. Se isolar por aprimoramento pessoal é diferente de se isolar por ódio ou por timidez.

  37. Algumas pessoas se isolam porque não querem odiar os outros.

  38. Deleite e dor nem sempre são corporais.

  39. Você não deveria dizer que “gosta” de algo só porque todo o mundo gosta.

  40. Não é possível forçar alguém a gostar de alguma coisa.

  41. Dizer que você escreveu um trabalho aclamado pela crítica não garante que eu vá ler e gostar.

  42. Julgar uma sensação implica critérios pessoais intransferíveis.

  43. É ridículo dizer que alguém que tem um gosto diferente do seu tem mau gosto.

  44. Não dá pra fazer uma regra objetiva do gosto.

  45. A arte não dá conceitos, mas mostra exemplos.

  46. Você não pode dizer “é ruim porque eu não gosto”.

  47. Para algo ser universalmente aceito como prazeroso, é preciso que os sentidos de todo o mundo fossem iguais e que todos estivessem em contato com o mesmo objeto ou com um objeto exatamente idêntico.

  48. Preconceito leva ao prejuízo.

  49. Preconceito é um juízo provisório tomado como princípio.

  50. Se o ser humano é um animal social e o gosto é um atributo social, então todos os seres humanos têm gosto.

  51. O gosto só se manifesta externamente se estivermos em sociedade.

  52. Uma inclinação passa a ser admirável na medida em que é publicamente aceita.

  53. As pessoas com sensibilidade à beleza são frequentemente vistas com bons olhos.

  54. Se uma pessoa admira uma flor artificial pensando que é natural e depois descobre que não é natural, pode ser que ela admire a flor de outra forma, como uma bela imitação bem executada.

  55. As cores do arco-íris: sublime vermelho, audaz laranja, franco amarelo, amável verde, modesto azul, constante anil, tenro violeta.

  56. O branco seria a inocência.

  57. Arte é qualquer técnica pra produzir algo que a natureza não produz sozinha.

  58. A arte precisa ser produto da liberdade, sendo a liberdade uma consequência da razão.

  59. Arte não é ciência.

  60. Se você produz algo por dinheiro, está desempenhando um ofício.

  61. Não se faz ciência da arte, mas crítica de arte.

  62. A ciência sem arte é inútil.

  63. A função da arte como arte estética é dar prazer estético.

  64. Algumas músicas só servem mesmo pra eliminar o silêncio das festas.

  65. “Gênio” é uma disposição do ânimo, caracterizada por grande originalidade artística, que não parece ser adquirida (talento natural).

  66. O gênio é o professor, os outros são alunos.

  67. O gênio é uma força da natureza.

  68. Para ser considerado gênio, a pessoa deve ser capaz de originalidade.

  69. Se você não tiver originalidade, aprender a desenhar, escrever ou compor não vai te tornar um bom desenhista, escritor ou músico.

  70. Não é possível ensinar a ter inspiração.

  71. Todas as artes visam um fim.

  72. Um artista genial, mesmo sendo original, não precisa prescindir de todas as regras da arte pra assegurar sua originalidade.

  73. Não é preciso ser artista pra apreciar arte.

  74. A arte pode representar de maneira agradável coisas que são horríveis na natureza.

  75. A arte pode representar coisas abstratas (a guerra, por exemplo) como se fosse físicas (um anjo de vermelho usando uma espada).

  76. Faz parte da habilidade artística exprimir conceitos (ideias) de maneira inusitada.

  77. O artista pode aprender de outros, bem como pode aprender da natureza.

  78. O artista, enquanto trabalha sua arte, utiliza seu gênio e também seu gosto, para que ele possa saber se está ficando agradável ou não.

  79. É possível gostar do que não é belo.

  80. É possível que alguém produza algo que é agradável sem ser original, bem como é possível fazer algo original e desagradável.

  81. Uma bela arte precisa de “espírito”, isto é, precisa ser capaz de incitar emoções.

  82. O gênio funda uma escola de arte, mesmo que não seja uma instituição com prédio e mensalidade.

  83. Mas o aluno precisa ter alguma originalidade.

  84. Quatro habilidades são necessárias às belas artes: imaginação, entendimento, espírito e gosto.

  85. Uma pessoa de visão perfeitamente sadia pode não ver o que o outro vê em um quadro.

  86. Continuando sua referência a Sexto Empírico, Kant diz que a oratória, como arte de convencer, não é adequada aos tribunais e nem às igrejas, porque falar bem não é sinônimo de ter razão.

  87. A oratória, como arte de convencer, nos torna aptos a tirar proveito dos outros.

  88. Mesmo quando visa bons fins, a retórica ainda é um truque sujo.

  89. A retórica pretende tornar um ponto de vista mais aceito cutucando as emoções do ouvinte, para que ele não raciocine como devia sobre o que está sendo dito.

  90. A matemática, na música, tem a função de fazer as partes (melodia, ritmo e pulso) concordarem entre si.

  91. Se você não quer ser influenciado por uma pintura, basta olhar em outra direção ou fechar os olhos, mas fugir da música é mais difícil.

  92. Mais difícil de escapar da música é escapar de um perfume.

  93. Existem prazeres que desagradam e dores que agradam.

  94. Uma boa piada é absurda.

  95. Uma piada pode ser ainda mais engraçada se não for contada como uma piada, mas com seriedade.

  96. Três coisas que tornam a vida tolerável: o sono, a esperança e o riso.

  97. Não dá pra fazer ciência do nosso próprio gosto.

  98. Descrever não é demonstrar.

  99. Há três faculdades do conhecimento: entendimento, razão e juízo, as quais podem chegar à conclusões diferentes.

  100. Não é possível fazer ciência da beleza.

  101. A sociedade perfeita só é possível se os filósofos conseguirem se comunicar com os leigos.

  102. A admiração não diminui com o tempo. Já a estupefação só ocorre enquanto há novidade.

  103. “Sentimentalismo” é a tendência a experimentar emoções ternas com mais frequência ou intensidade, mesmo quando não há realmente um objeto que as incite.

  104. O que diferencia a religião da superstição é que na religião há medo, mas também há admiração pela divindade.

  105. Pra saber se algo é bom, é preciso conceito, saber o que a coisa é, mas para saber se algo é belo, não há necessidade de conceito, basta ver, ouvir, sentir.

  106. Bom não é agradável.

  107. Gostar de todos é gostar de nenhum.

  108. Quem está faminto come qualquer coisa.

  109. Por causa disso, só é possível ter “gosto” (preferência) quando não estamos passando necessidade.

  110. Querer e estar interessado são a mesma coisa.

12 de fevereiro de 2017

O que aprendi lendo “Metafísica dos Costumes”.

Filed under: Livros, Passatempos, Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yurinho @ 14:47

Metafísica dos Costumes” foi escrita por Immanuel Kant. Abaixo, o que aprendi lendo esse livro.

  1. Este livro é uma continuação da Crítica da Razão Prática.
  2. Os livros de filosofia são frequentemente acusados de serem complicados de propósito, só pra parecer que o autor é mais inteligente do que na verdade é.

  3. Todos os autores de filosofia deveriam escrever de um jeito que os que não são filósofos possam entender.

  4. Muitas vezes, o processo filosófico não pode ser popularizado, por requerer uma linguagem que está distante do vulgo, mas isso não quer dizer que os resultados da reflexão ou da pesquisa não possam ser oferecidos em linguagem leiga na conclusão.

  5. Popularizar um texto que não foi escrito por mim abre espaço para que eu possa torcer o significado original do texto.

  6. Se considerarmos a filosofia como um corpo de conhecimentos filosóficos, então existem várias filosofias, cada uma dando sua contribuição ao pensamento moderno.

  7. Mas se consideramos a filosofia como um conhecimento só, então há um processo que se aperfeiçoa e se purifica ao longo do tempo.

  8. Então, não podemos dizer que a filosofia anterior não tem importância: ela serviu como meio de aperfeiçoamento e purificação que possibilita o estado atual do pensamento filosófico.

  9. Uma obra de filosofia ou de ciência, então, nunca é totalmente sua: ela foi construída sobre uma bagagem cultural que você tem e que foi adquirida com o estudo de outros autores, seja através de professores ou de livros.

  10. Existem leis que não precisam ser promulgadas.

  11. É lícito universalizar a experiência, mas é preciso estar pronto pra quando sua universalidade for desmentida.

  12. Uma lei desnecessária deve deixar de ser lei.

  13. A ética é experimental.

  14. O caminho pra felicidade individual passa pela experiência íntima do indivíduo.

  15. Assim, o que traz felicidade a um pode não trazer ao outro.

  16. “Concupiscência” é o desejo que pode ser transformado em ato, mas que ainda não foi transformado em ato.

  17. “Livre arbítrio” é a escolha feita com base na razão somente: se eu faço algo movido por forte emoção, podemos dizer que fiz sem querer.

  18. O arbítrio humano nem sempre é livre, mas nunca é animal.

  19. “Lei moral” diz respeito ao uso da nossa liberdade.

  20. “Lei jurídica” diz respeito somente aos atos externos.

  21. O conceito de dever deriva do de obrigação, o qual, por sua vez, deriva seguramente do imperativo categórico: eu sou obrigado, pelo sentimento moral, a agir de um jeito que beneficiaria todos, se todos adotassem meu comportamento.

  22. Obrigação é uma necessidade moral, que deve ser preenchida com um ato livre: eu posso ser obrigado a uma coisa e ainda assim recusar.

  23. “Imperativo” é uma regra que dá caráter de necessidade a algo que antes não tinha esse caráter.

  24. “Dever” é algo que sou obrigado a fazer, ou seja, uma ação específica, particular, que visa preencher a necessidade moral enunciada pela obrigação, que por sua vez se sustenta no imperativo categórico.

  25. Se algo não é proibido, é automaticamente permitido.

  26. Se algo é permitido, é moralmente indiferente.

  27. Uma “pessoa” é um sujeito responsável por suas ações, que é capaz de livre-arbítrio.

  28. O contrário de “pessoa” é “coisa”.

  29. Uma ação que contradiz o dever é chamada “transgressão”.

  30. Quem transgride é sempre culpado, mas quem transgride sabendo que o que ele faz é errado, esse é criminoso.

  31. A lei natural precede à positiva.

  32. É imoral a máxima (regra de conduta pessoal) que não leve em conta a universalidade: eu devo agir como se todo o mundo fosse agir como eu, como se eu estivesse o tempo todo dando exemplo.

  33. Máximas procedem da escolha, mas leis partem de outra fonte.

  34. Um imperativo categórico é um comando.

  35. Não é estranho que se punam os maus, mas não se recompensem os bons?

  36. A lei ética é a que deixa seu objetivo claro.

  37. Se você cumpre seus deveres, só está fazendo sua obrigação.

  38. Honrar os compromissos mesmo quando não há risco de punição por desconsiderá-los ainda é um ato de virtude.

  39. A doutrina do direito é a soma de todas as leis que podem se manifestar externamente.

  40. Uma ação é justa se não fere a liberdade de ninguém ao mesmo tempo que está de acordo com uma lei respeitada por todos.

  41. Um juiz não pode emitir uma decisão sem condições definidas: é preciso que haja dados sobre os quais ele possa pensar antes de emitir uma decisão.

  42. É lícito fazer violência a quem não me fez nada de mal?

  43. A lei não pode punir quem comete um crime a fim de se manter vivo: não há pena que a lei possa emitir que seja maior que a morte.

  44. As pessoas não são somente meio, mas sempre são também fim.

  45. Não cause prejuízo.

  46. Assegure sua propriedade sem tomar a do outro.

  47. O único direito inato é a liberdade, os outros direitos têm que ser adquiridos.

  48. Mentir é dizer falsidade de propósito.

  49. “Meu” é algo cujo uso está ligado a mim de tal forma que seu uso por outros, sem meu consentimento, me seria prejudicial.

  50. É possível possuir algo fisicamente (tendo o objeto) ou juridicamente (tendo direito ao objeto).

  51. Eu só posso dizer que algo é meu se ele permanece sendo meu (conforme nota 52) mesmo quando eu não estou em sua posse física.

  52. É possível que eu chame de “meu” um serviço prestado por outros.

  53. Se alguém já ocupa uma terra, invadi-la é lesar o ocupante.

  54. Um conhecimento empírico é sempre subjugado a espaço e tempo.

  55. Um objeto externo não é um objeto longe, mas um objeto distinto.

  56. É possível ser dono do que nunca se usará.

  57. Dizer que algo é meu implica dizer que ninguém pode usar aquele algo sem minha permissão.

  58. Você não pode ter o que já é de alguém, salvo no caso de a posse ser partilhada de comum acordo entre as partes.

  59. Mesmo que eu possua um ser humano como posse, eu não tenho direito de usá-lo como objeto, uma vez que todos os humanos que são meios precisam também ser fins.

  60. Quem adquire primeiro tem mais direito.

  61. A Terra é redonda, ainda bem; facilita os seres humanos a se encontrarem.

  62. Se a Terra fosse um plano infinito, as comunidades não se formariam.

  63. A terra desocupada é do primeiro ocupante que chegar lá.

  64. A posse definitiva só é possível graças às leis: no estado de natureza, uma posse minha pode ser subtraída a qualquer momento.

  65. Não se deve tomar a terra que já pertence a seus habitantes.

  66. Uma terra na qual não se pode viver é de todos.

  67. Cada ser humano é responsável pela humanidade.

  68. “Alienação” é a transferência de propriedade.

  69. Um contrato me garante uma promessa, não necessariamente a coisa prometida.

  70. “União sexual” é o uso recíproco dos corpos e das habilidades, uma espécie de acordo no qual um se servirá intimamente do corpo alheio.

  71. Não é possível adquirir o membro do outro sem adquirir seu corpo inteiro.

  72. Os casados têm posse dos bens materiais um do outro.

  73. Um casamento “de verdade” deve ser feito entre pessoas da mesma classe social, para evitar que a diferença de status dê ocasião à desigualdade no matrimônio.

  74. O simples romance, sem sexo, é amizade, não matrimônio.

  75. A criança é uma pessoa.

  76. O filho não pediu pra nascer: se nós trouxermos uma criança para uma vida ruim, nós somos criminosos.

  77. O filho deve ter dupla educação: pragmática (como sobreviver) e moral (como ser honesto).

  78. A maioridade só chega quando o filho é capaz de se sustentar sozinho.

  79. Dinheiro” é qualquer coisa que só tem valor quando é dada: com efeito, o valor do dinheiro só aparece quando o gastamos.

  80. Se tivermos muito dinheiro, mas não o gastarmos, é o mesmo que estarmos pobres.

  81. Toda a força de trabalho pode ser trocada por dinheiro.

  82. Quanto mais trabalho , mais dinheiro é posto em circulação.

  83. Para que o dinheiro funcione, ele deve ser difícil de obter.

  84. Um trabalho serve a outro trabalho, sendo esses trabalhos mediados pelo dinheiro.

  85. Conhecimento tem preço.

  86. Somente o dinheiro legal pode ser chamado de “moeda”.

  87. O autor fala por si, o editor fala pelo autor.

  88. Publicar um livro sem autorização põe em risco os lucros do editor legítimo.

  89. É possível ter mérito depois da morte.

  90. Se uma pessoa me empresta algo, mas não cobra seu retorno e nem vem buscar, o objeto passa a ser meu.

  91. Prove que algo é seu.

  92. Não se deve denegrir a imagem de alguém que está ausente e não pode se defender, a menos que se esteja completamente certo do que se está falando.

  93. Caluniar uma pessoa morta deve ser julgado pelo público e não por um tribunal.

  94. Antes de pedir algo emprestado você deve avisar ao dono que você será responsável (pela perda do objeto caso algo aconteça com o objeto emprestado).

  95. Antes de você emprestar algo, determine os termos de ressarcimento caso o objeto emprestado seja danificado ou perdido.

  96. Você não pode adquirir algo de alguém que não dono do objeto.

  97. Por causa disso, é errado comprar mercadoria roubada.

  98. Quem adquire mercadoria roubada sem saber não deveria ser punido.

  99. Eu deveria ser capaz de recuperar o que é meu mesmo que esteja longe.

  100. Estranho um povo jurar pelos mortos sem contudo acreditar em vida após a morte.

  101. Eu não posso ser obrigado a jurar.

  102. É possível usar a religião para torturar.

  103. O tribunal é a justiça de um país.

  104. Se eu tenho que viver junto dos outros, adotarei o estilo de vida da maioria.

  105. Uma constituição representa a vontade do povo e o mantém unido.

  106. Os três poderes que representam, ou melhor, deveriam representar a vontade geral: o soberano legislativo, os governantes executivos, os juízes do judiciário.

  107. O legislativo deve ser o próprio povo ou pessoas do povo escolhidas pelo povo.

  108. Se o poder executivo também legisla, temos um governo despótico.

  109. O executivo não tem poder de julgamento.

  110. Pra o criminoso ser justamente punido, é preciso que se assuma que ele fez aquilo de caso pensado ou que isso fique assim demonstrado: quem comete um crime sem querer não merece punição.

  111. Se o povo deixa de se interessar por religião, as posses clericais estão em risco.

  112. Se você não diz pra polícia o que você está fazendo quando esta lhe pergunta, você é automaticamente suspeito e passivo de prestar depoimento ao delegado ou juiz, sob pena de ser detido.

  113. A polícia não pode invadir minha casa, a menos que tenha ordem judicial pra isso.

  114. O dinheiro dos impostos deve sempre ir para serviços públicos.

  115. O estado pode forçar os ricos a arcar com as necessidades dos pobres.

  116. Assim nasce o imposto sobre propriedade e o imposto sobre atividade comercial.

  117. Se você jogar muito na loteria, você ficará pobre.

  118. Igreja não é religião: “igreja” é uma instituição cristã voltada para o culto público de Deus, mas religião vem de dentro, do espírito, é uma coisa pessoal, não necessariamente associada à igreja, templos ou locais especiais (João 4:20-24).

  119. Os humanos têm necessidade espiritual, o estado não pode banir uma religião sem causar revolta.

  120. Os impostos da igreja devem ser saldados com o dízimo.

  121. O senhor assume a guarda dos filhos dos servos junto com esses servos, isto é, a responsabilidade de mantê-los e educá-los.

  122. A justiça à venda é injusta.

  123. A punição pelo crime deve ser agravada pela posição social da pessoa: o presidente que comete crime deve ser mais severamente punido, já que ele está servindo de exemplo à nação o tempo todo.

  124. Se você rouba, você deixa implícito que não tem problema roubar, o que expõe você a ser roubado.

  125. Os cidadãos têm o direito de se mandar do país.

  126. Nada de errado em um senhor de terras chamar estrangeiros pra morar com ele.

  127. O senhor de terras pode banir um indivíduo de seu território, isto é, deportá-lo.

  128. Uma república genuína representa o povo: uma república que não representa o povo é ilegítima.

  129. A república ideal é aquela na qual o povo é soberano.

  130. Por que os presidentes não lutam na guerra?

  131. Para entrar em guerra, é preciso renunciar à paz primeiro.

  132. Onde há armas, a lei emudece.

  133. Num tratado de paz costuma rolar anistia.

  134. Depois de vencer uma guerra, se pode pilhar os bens públicos, mas não os bens particulares, isto é, os bens de cada súdito do governo vencido.

  135. Um adversário que falta contra o imperativo categórico é um adversário injusto. Numa guerra contra ele, não se deve usar meios injustos, mas se pode usar os meios justos em toda a sua extensão.

  136. A finalidade do direito é a paz perpétua.

  137. Colonizaram a América sob o pretexto de civilizar as pessoas do local e de mandar para lá os criminosos do país colonizador, na espera de que esses criminosos se tornassem melhores em solo americano. Isso não justifica a violência dos meios utilizados para tais objetivos.

  138. Se não consegues provar a positiva, podes tentar provar a negativa.

  139. Se não consegues provar nem a positiva e nem a negativa, podes tentar demonstrar que a pergunta é sem sentido.

  140. Não interessa se a paz é possível ou não; é preciso agir como se fosse. Trabalhar pela paz, mesmo que esta seja impossível, não vai deixar nosso mundo pior. Isto é, dependendo do meio usado pra obter a paz…

  141. Exemplos ilustram sem provar.

  142. Se incorporam conceitos metafísicos mesmo nas afirmações que visam utilidade prática. A metafísica é necessária.

  143. Mesmo que trabalhem e recebam salário, os filhos que não deixaram a casa dos pais ainda lhes devem obediência.

  144. Para Kant, os estupradores e os abusadores de menores devem ser punidos com a castração, enquanto que os que têm relações sexuais com animais devem ser punidos com banimento. E se quem abusa da criança for uma mulher? Kant cala sobre isso. Donde decorre que, em sua cabeça, abuso de menores é penetração com órgão genital. Logo, se não há penetração, não há crime de pederastia. Se a pederastia for algo além da penetração, a punição não pode ser castração, mas algo que também possa afetar uma mulher infratora.

  145. Uma injustiça que subsiste por muito tempo não se torna, por isso, direito.

  146. É melhor ter pouco dinheiro e alguma liberdade do que viver num lugar luxuoso sem liberdade nenhuma.

  147. A igreja deve ser subordinado ao estado também.

  148. A metafísica engloba um conjunto de conceitos racionais puros, isto é, tidos por corretos pela lógica, sem a necessidade de provas empíricas.

  149. O filósofo prático é aquele que usa a razão visando uma melhor ação prática, agregando a uma reflexão prática o conhecimento que for necessário.

  150. Kant nunca intencionou destruir a metafísica e frequentemente afirma sua necessidade.

  151. Será que eu tenho forças pra fazer o que me requerem?

  152. Dois objetivos que também são deveres: amor ao próximo e autoaperfeiçoamento.

  153. Aperfeiçoamento é pessoal: eu não posso aperfeiçoar outra pessoa (pense em todas as pessoas más que têm ótima educação).

  154. Felicidade é estar satisfeito com sua condição.

  155. Se eu quero manter minha integridade moral e só posso fazer isso se eu for feliz, então a felicidade deixa de ser fim, tornando-se meio.

  156. O amor-próprio implica o desejo de ser amado.

  157. Benevolência (boa vontade) não é o mesmo que beneficência (boa ação): você pode querer o bem pra uma pessoa sem fazer o bem a ela.

  158. Quando se diz que certa pessoa “não tem consciência”, se está querendo dizer que ela não presta atenção nas acusações que sua consciência faz: ela prefere ignorar essas acusações.

  159. Faça bem à humanidade, mesmo que ela não mereça, porque você tem o dever de zelar por ela.

  160. Assim, no futuro, a humanidade poderá ser digna de ser amada.

  161. Faça bem também a quem não ama.

  162. Praticando o bem mutuamente, o amor pode se seguir por consequência.

  163. Quando uma prova basta, não é necessário provar de outras maneiras.

  164. Ter virtude “além da medida” já é vício.

  165. A sabedoria, em sentido estrito, é prática: o filósofo cuja filosofia não tem implicação prática pode muito bem não estar interessado em sabedoria.

  166. É possível ser mais virtuoso do que o suficiente.

  167. O método dialogal é uma tentativa de trazer à consciência algo que já se sabe.

  168. Se eu chego à conclusão de que tenho uma responsabilidade inevitável, automaticamente estou me obrigando a ela.

  169. Um dever para comigo mesmo é automaticamente um dever para com toda a humanidade.

  170. Devo me aperfeiçoar além do ponto em que a natureza me colocou ao nascer.

  171. Eu devo preservar minha vida.

  172. Suicídio é homicídio.

  173. Eu não posso, por interesse, me livrar de uma parte saudável do meu corpo.

  174. Provar que a masturbação é errada é uma tarefa difícil, porque a masturbação não faz mal a ninguém.

  175. É possível guardar algo em seu coração e falar algo completamente oposto ao que se sente.

  176. Drogas só devem ser usadas em situação medicinal: usá-las por prazer é abuso.

  177. Um banquete é um convite formal ao excesso.

  178. “Mentira” é inverdade intencional: se você disse algo errado sem querer ou porque não sabia a verdade, você não mentiu, mas se equivocou.

  179. Não se deve fazer o bem através da mentira.

  180. O ser humano mente pra si mesmo, com frequência.

  181. A pessoa mente pra si mesmo ao professar algo em que não acredita por causa de uma possibilidade de ganhar algo com isso.

  182. Outro exemplo é eu dizer que eu, como cristão, amo as leis de Deus, quando na verdade só tenho medo de punição.

  183. “Avareza” é não gastar quando necessário.

  184. Não há meio-termo entre verdade e mentira.

  185. Ser mesquinho é ser pobre de propósito: de que serve o dinheiro se você não gasta?

  186. Se achar acima da lei é arrogância.

  187. Não é digno de um ser humano se curvar diante de outro ser humano, posto que são fundamentalmente iguais.

  188. Quem se faz de capacho deve ser pisado.

  189. A consciência é um fórum interior.

  190. É possível deixar de dar atenção à consciência, mas não se pode deixar de ouvir sua voz.

  191. O primeiro comando de todos os deveres para consigo mesmo: conhece-te a ti mesmo.

  192. Embora não haja relação de direitos e deveres entre seres humanos e seres não-humanos, o ser humano ainda tem, ao menos, deveres para com a natureza em geral, como um todo, devendo zelar pelas belezas naturais a fim de exercitar sua capacidade de amar e se abstendo da crueldade contra animais para preservar sua capacidade de sentir empatia.

  193. O animal deve ser recompensado por um trabalho bem-feito.

  194. O dever para com o animal é um dever para consigo próprio, pois auxilia no aprimoramento de sua humanidade, o qual tem repercussão no próprio trato entre humanos.

  195. Todo o mundo deveria ter uma religião.

  196. O ser humano tem obrigação de desenvolver suas capacidades.

  197. Mesmo que se esteja satisfeito com as habilidades que já se tem, é sempre útil melhorá-las ainda mais.

  198. Organize suas habilidades segundo seu objetivo.

  199. Ciência é teórica, sabedoria é prática.

  200. A educação física é tão importante quanto o estudo das ciências; o cientista, se não tiver corpo ou tiver um corpo que não é saudável, a ponto de não servir ao seu propósito, não pode colocar o conhecimento que tem em prática.

  201. Escolha como profissão aquilo em que você seria mais útil, ou seja, aquilo que você faz melhor.

  202. O aprimoramento deve ser direcionado ao objetivo que você persegue.

  203. Como nunca alcançaremos a perfeição, então sempre há como melhorar.

  204. Há dois tipos de deveres que mantemos com os outros: os que implicam obrigação mútua e os que não implicam.

  205. Amor e respeito não são a mesma coisa.

  206. “Filantropia” é amor a todos os seres humanos.

  207. “Misantropia” é o oposto, é o ódio a todos os seres humanos.

  208. “Egoísmo” é amor só a si mesmo e indiferença em relação aos outros.

  209. “Timidez” é a falta meios de expressão para o amor que se sente.

  210. Tenho que fazer aos outros o que eu quero que me seja feito.

  211. O princípio do amor se divide em: beneficência, gratidão e solidariedade.

  212. É preciso cuidar do próprio corpo.

  213. Quando você se sente bem com o bem-estar dos outros, você é benevolente.

  214. Quando você trabalha pelo bem-estar dos outros, você é beneficente.

  215. É raro encontrar alguém que faça do bem-estar dos outros o seu objetivo.

  216. Trabalhar pela felicidade dos necessitados é dever de todos.

  217. Se o outro está precisando, conceder-lhe um benefício não deve ser feito visando algo em troca.

  218. O limite da beneficência é o próprio prejuízo.

  219. Eu não posso ser beneficente ao outro impondo a ele meus próprios padrões de felicidade: eu tenho que saber o que torna a pessoa feliz e então fazer isso a ela.

  220. Uma pessoa é rica quando tem mais ou melhores meios do que necessita para alcançar seus objetivos.

  221. O governo pode ser injusto a ponto de tornar seus cidadãos pobres deliberadamente a fim de torná-los necessitados de sua beneficência.

  222. Se eu causo um prejuízo a alguém e depois o reparo, isso não é beneficência.

  223. Reconhecimento é um tipo de gratidão.

  224. Os antigos merecem respeito, mas isso não quer dizer que os novos sejam piores.

  225. É mais fácil fazer o bem se o mal incomoda.

  226. Os vícios que trabalham contra o amor: inveja, ingratidão, malícia.

  227. A inveja que não se manifesta externamente é chamada “ciúme”.

  228. A inveja é o mal-estar ao ver os outros se dando bem.

  229. Inveja só ocorre em pessoas insatisfeitas com a própria condição.

  230. Malícia é se contentar com o mal-estar dos outros.

  231. Se algo ocorre a algum ser humano, é de nosso interesse.

  232. Um tipo de malícia é o desejo de vingança.

  233. Na medida em que vingança é uma aplicação da minha própria visão do que é justo, ela não é justa, porquanto algo só pode ser justo se for para todos.

  234. No final das contas, justiça perfeita é só a de Deus.

  235. Nenhuma punição deve ser feita de cabeça quente; a raiva nos leva a punir em excesso, ou seja, a cometer abuso.

  236. Um crime que tornaria a natureza humana detestável é o que chamamos de “inumano”.

  237. O ser humano está entre o anjo e o animal, mas isso não o torna um híbrido dos dois.

  238. Tudo tem valor, mesmo que tal valor seja negativo.

  239. Um ser humano deve se tratar como humano e aos outros humanos como humanos que são.

  240. É imoral tratar um ser humano como se fosse menos que isso.

  241. Honra é respeito alheio: se te respeitam, você é honrado.

  242. Não se deve desprezar um ser humano por causa de uma de suas falhas, porque uma falha sozinha não torna ninguém uma má pessoa.

  243. Um “escândalo” é uma ofensa à honra acompanhada de mau exemplo.

  244. “Soberba” é querer que os outros se humilhem a nós.

  245. A soberba é contraprodutiva: quanto mais se exige respeito, menos os outros o respeitam.

  246. O respeito deve ser merecido antes de ser reivindicado.

  247. “Detratação” é tornar público um defeito particular, causando escândalo, isto é, fofoca.

  248. Não precisa fofocar pra estar errado, basta querer saber da vida alheia.

  249. “Escárnio” ou “zombaria” é transformar as falhas de alguém em objeto de riso, diferindo de “gracejo”, que é transformar as qualidades em objeto de riso.

  250. “Amizade” é união de duas ou mais pessoas por amor e respeito mútuos.

  251. Amigos respeitam os limites um do outro: uma pessoa que te irrita ou te rebaixa de propósito não é sua amiga.

  252. É um ato de amor um amigo dizer, com tato, onde você está errado.

  253. O amigo de verdade continua lá pra você mesmo quando você passa necessidade.

  254. É de lascar quando uma pessoa briga com a outra só pra depois ter o prazer de se reconciliar com ela.

  255. Há uma necessidade de revelar nossos segredos, porque queremos ser aceitos.

  256. O amigo ouvirá seus segredos e não os revelará.

  257. Amigos bons são raros.

  258. Não se isole.

  259. A virtude deveria ser moda!

  260. Virtude não é inata.

  261. Existem duas formas de ensinar ciência: palestra (aula expositiva) e por questionamento (construindo o raciocínio por meio de perguntas lançadas à plateia).

  262. No modo de ensino por perguntas, há uma divisão: é possível perguntar à razão do aluno ou é possível perguntar à memória dele.

  263. Se perguntamos à razão, a aula torna-se diálogo.

  264. Para que uma aula dialogada entre razões funcione, é importante que o aluno também pergunte ao professor.

  265. O professor tem que dar bom exemplo porque crianças aprendem também imitando.

  266. Não diga pra alguém seguir o exemplo de outro; se você o fizer, essa pessoa terá inveja do exemplo que deveria seguir e não quererá segui-lo.

  267. Se o exemplo é bom, a pessoa o seguirá se tiver bom senso.

  268. Um coração “suficientemente bom” quer ao menos dividir sua felicidade com outros.

  269. Se o aluno não sabe a resposta, sugira uma.

31 de janeiro de 2017

“Crítica da Razão Pura”, de Kant.

Filed under: Livros — Tags:, , , — Yurinho @ 10:58

“Crítica da Razão Pura” foi escrita por Imanuel Kant. Abaixo, alguns pensamentos (parafraseados) encontrados nesse texto.

  1. Todos os conhecimentos dependem da experiência em maior ou menor grau.
  2. Mas muitos conhecimentos são mais que simples experiência.
  3. O conhecimento “a priori” é lógico, não precisa ser provado experimentalmente (todos os corpos têm peso, eu não preciso tocar todos), mas o conhecimento que não é a priori é experimental, precisa ser provado (este corpo é pesado, só posso dizer se é pesado ou não depois de tocá-lo).
  4. Até Kant, a metafísica tentava conhecer certos aspectos da realidade sem se preocupar em saber se realmente dá para conhecer essas coisas pela razão (Deus, por exemplo).
  5. Por se afastarem demais da experiência, os metafísicos não têm credibilidade.
  6. Se a metafísica não é experimental, não pode ser provada errada.
  7. Muito do conhecimento metafísico, portanto, é ficção.
  8. O juízo analítico divide um dado, enquanto que o juízo sintético junta dados.
  9. O juízo empírico é sempre sintético.
  10. Existem questões que não dá pra responder com a razão.
  11. Metafísica nunca deixará de ser feita.
  12. Quando a pessoa se encontra entre várias afirmações igualmente prováveis, fica tentada a assumir que nenhuma está certa e que a questão é insolúvel.
  13. Metafísica é problemática.
  14. O que torna a metafísica desacreditada são suas contradições.
  15. Kant não quer destruir a metafísica, só reformá-la.
  16. É preciso uma ciência que diga o que é possível conhecer e o que não é possível conhecer.
  17. A ciência “transcendental” é aquela que estuda nossos métodos de conhecimento (que tem a razão por seu objeto).
  18. Os objetos da nossa razão nos são dados pela sensibilidade, mas só formamos ideias desses objetos pelo entendimento.
  19. “Estética transcendental” é o estudo dos princípios da sensibilidade, enquanto “lógica transcendental” é o estudo dos princípios do pensamento.
  20. Não é possível pensar sem “espaço” e “tempo”.
  21. Só há um espaço.
  22. Um ser não é definido por seus acidentes.
  23. Também não é possível pensar sem tempo.
  24. Só há um tempo (um eterno “agora”) e um espaço (o infinito “aqui”), que precisam ser divididos em “antes”, “depois”, “aqui”, “ali”, para que nossa mente possa compreender os fenômenos, o que implica que espaço e tempo, como medidas, só existem em nossa mente.
  25. Tempo e espaço existem em nós, são órgãos da cognição.
  26. O estudo do espaço e do tempo cabem à estética transcendental.
  27. Uma “coisa em si” é algo que não parece diferente para sentidos em condições diferentes.
  28. Um juízo empírico não pode ser universalizado absolutamente.
  29. Todo o conhecimento relacionado a um sentido é fenômeno.
  30. Existem duas fontes de conhecimento: intuições e conceitos.
  31. A intuição é sensível, o entendimento é a interpretação do sensível a fim de formar conceito (ideia).
  32. Existem regras comuns a todas as ciências, mas cada ciência tem também regras particulares.
  33. Se a ideia que eu faço da realidade corresponde à realidade, então minha ideia é “verdade”.
  34. É possível fazer sentido e estar errado.
  35. A forma do raciocínio pode estar certa e a conclusão pode ser lógica, mas o conteúdo pode estar errado.
  36. À decomposição do conhecimento a priori se dá o nome de “analítica transcendental”.
  37. Ela trabalha com aquilo que dispensa prova empírica.
  38. O entendimento trabalha com conceitos, abstraídos das sensações, e não com as próprias sensações presentes.
  39. “Síntese” é juntar o conhecimento de múltiplos objetos em um conhecimento único.
  40. Se o conhecimento é do fenômeno, não é a priori.
  41. Imaginação é representar um objeto intuitivamente sem a presença desse objeto.
  42. Sendo a intuição sensível, a imaginação depende dos sentidos.
  43. Não é possível imaginar o tempo puro.
  44. Não podemos conhecer a nós mesmos completamente, mas somente enquanto fenômeno.
  45. Não existe escola que ensine bom-senso.
  46. O bom-senso é a aplicação correta do conhecimento.
  47. É real o que existe em determinado tempo.
  48. Um raciocínio que se contradiz é falso.
  49. Um conhecimento é objetivo se ele se refere a alguma coisa.
  50. “Percepção” é sensação consciente.
  51. Antecipação” é determinar sem provas algo que vai acontecer, somente pela sucessão lógica.
  52. É possível dividir tempo e espaço infinitamente.
  53. Algumas ideias metafísicas estão tão arraigadas em nosso intelecto, que são usadas como se fossem provadas empiricamente.
  54. “Empirismo” é conhecer um objeto pelas percepções que tenho dele.
  55. Sucessão, permanência e simultaneidade são as três leis que determinam o conhecimento de algo segundo critério temporal.
  56. Nada se cria, nada se destrói, tudo se transforma.
  57. Não é possível conhecer as coisas em si, somente seus fenômenos.
  58. A aparição de um efeito não necessariamente marca a extinção da causa.
  59. Se algo atende às condições formais de execução, é possível.
  60. Se algo atende às condições materiais de execução, é real.
  61. Não somos capazes de sentir campos magnéticos porque não temos um sentido pra isso.
  62. Tudo o que é real é possível, mas nem tudo o que é possível é real.
  63. Um “postulado” é uma afirmação conclusiva sem provas e sem demonstração.
  64. Mesmo quando você “acha” é preciso dizer por que você “acha” aquilo.

22 de janeiro de 2017

A “Crítica da Razão Prática” de Kant.

Filed under: Livros — Tags:, , , — Yurinho @ 20:35

“Crítica da Razão Prática” foi escrita por Kant. Abaixo, algumas afirmações feitas no livro. Elas podem ou não coincidir com o que eu penso sobre o assunto.

  1. Se não existir liberdade, não há necessidade de leis.
  2. Quem tem conhecimento, quer partilhá-lo.
  3. Quem não quer partilhar conhecimento, pode muito bem não tê-lo.
  4. O conceito de liberdade é importante para empiristas.
  5. Não se deve inventar palavras novas se as velhas servem.
  6. Não é possível provar, pela razão, que a razão não existe.
  7. A matemática mostra que a matéria pode ser infinitamente dividida, mas empiricamente, isso não é possível.
  8. A diferença entre uma máxima e uma lei é que a máxima é um princípio prático que pode muito bem ser válido só pra mim, enquanto que leis têm pretensões universais.
  9. Uma regra prática é racional: visa um fim, delineia meios, visualiza efeitos.
  10. “Imperativo” é uma regra prática que visa um dever-ser.
  11. O imperativo é sempre objetivo.
  12. O imperativo hipotético é o que só vale enquanto eu tenho meios de obter o objetivo particular visado, mas imperativo categórico é o que continua valendo quer eu tenha ou não forças de chegar a um objetivo não-particular.
  13. O imperativo hipotético é admissível se eu quiser, mas o categórico me obriga.
  14. Os princípios práticos, máximas, visam a felicidade pessoal.
  15. Você é feliz se gosta da sua vida.
  16. Existem prazeres que são “delicados”, como os prazeres intelectuais.
  17. A obrigação do filósofo é ser consequente.
  18. Sempre fazemos algo a fim de fruir da felicidade, a melhor e mais intensa, a mais duradoura felicidade.
  19. A felicidade é o contentamento com sua situação.
  20. A felicidade baseia a relação entre objeto e desejo, mas o desejo pode se enganar quanto ao seu objeto.
  21. O amor-próprio não precisa ser lei.
  22. Eu não posso esperar que todos ajam exatamente como eu.
  23. A marca do imperativo categórico é sua universalidade.
  24. Não é possível que todas as pessoas queiram a mesma coisa da mesma forma.
  25. Uma vontade é livre quando só tem que prestar contas a si mesma.
  26. As leis da natureza, sua mecânica, são o oposto da liberdade.
  27. Sob o devido estímulo, uma pulsão pode ser resistida.
  28. Não é errado morrer pra fazer a coisa certa.
  29. Devemos sempre agir como se os outros fossem nos imitar.
  30. A vontade humana pode ser pura, mas não é santa.
  31. O que sustenta as leis é a autonomia da vontade.
  32. Se eu levo em conta a felicidade dos outros em minhas máximas, elas têm grau maior de universalidade.
  33. Se é sempre lícito fazer qualquer coisa mesmo às custas dos outros, desde que haja vantagem para quem faz, então as pessoas prejudicadas deveriam se conformar, mas isso é injusto.
  34. Prudência é ato de conservação de si.
  35. A máxima da prudência é conselho, mas leis são ordens.
  36. Eu não posso ordenar que o outro tenha aquilo que eu mesmo não tenho.
  37. A satisfação do desejo muitas vezes está fora do nosso alcance.
  38. É possível se sentir culpado por ter extraído benefício de uma ação imoral e desaprovar sua própria conduta.
  39. Um castigo injusto não é castigo, mas abuso.
  40. Se você assume que o crime é receber castigo, está afirmando que cometer delitos só é uma ação errada se você for pego.
  41. O criminoso que se atormenta com a culpa dos crimes cometidos é moralmente bom.
  42. Da mesma forma, o que comete atos virtuosos sem se sentir embaraçado ou envergonhado é também moralmente bom.
  43. Quando a minha vontade é determinada por motivos sensíveis, esse motivo é subjetivo.
  44. Causa e efeito são coisas diferentes.
  45. O empirismo argumenta que a causalidade, relação de causa e efeito, é um hábito mental.
  46. Isso não quer dizer que não seja possível qualquer tipo de verdade, só que as verdades de fenômeno podem encontrar exceções ou mudar.
  47. Os mais céticos são os intelectuais.
  48. A relação de causa e efeito não é absoluta.
  49. Fale palavras que significam alguma coisa quando raciocinar.
  50. Os objetos da razão pura prática são os efeitos da liberdade.
  51. A ambiguidade de um idioma prejudica a filosofia feita naquele idioma, mesmo quando traduzida.
  52. Há diferença entre ser e estar.
  53. É possível receber um bem doloroso.
  54. A inclinação de procurar o prazer e se afastar da dor não pode virar lei, porque cada um procura o prazer e foge da dor à sua maneira.
  55. Não se pode tomar como resolvido algo que ainda não foi debatido de forma conclusiva.
  56. Algumas pessoas falam do que não entendem ocultando sua ignorância atrás de palavras ambíguas.
  57. Não queira para os outros o que você não iria querer pra si.
  58. O empirismo frequentemente desconsidera a moral.
  59. Só é possível respeitar pessoas, não coisas.
  60. Não confunda respeito com admiração.
  61. O reconhecimento de superioridade é marcado por sincera reverência.
  62. É possível respeitar alguém e não demonstrar isso.
  63. Máximas e interesses são próprios de seres finitos.
  64. É possível fazer o bem sem leis.
  65. Há duas ações segundo a lei: obedecendo à letra (agindo conforme manda a lei) e obedecendo ao espírito por trás da letra (cumprindo o escopo da lei por outros meios que não os especificados pela letra da lei).
  66. Fazer a obrigação é exemplo a ser seguido.
  67. Se empregamos um humano como meio, devemos pensá-lo também como fim, nunca só como meio.
  68. O dever não tem nada a ver com o gozo da vida.
  69. Se você encontra um problema no seu raciocínio, admita-o.
  70. Não é possível conhecer a coisa em si, mas somente a coisa como me parece ser.
  71. O título de “filósofo” só pode ser usado por quem ama a sabedoria, mas a marca desse amor é o domínio de si mesmo e o interesse em dar seus conhecimentos ao público.
  72. Algo é lógico por identidade, algo é real por causalidade.
  73. Não há relação entre virtude e felicidade.
  74. Empregar a razão de forma errada é tão válido quanto não tê-la.
  75. Todos os interesses são práticos em última análise.
  76. A fé pode assentar-se na razão.
  77. Dever é diferente de temor e diferente de esperança.
  78. O respeito próprio se origina da consciência da própria liberdade.
  79. O que me dá relevância no universo é minha liberdade.
  80. Se for buscar um tesouro imaginário, pelo menos não ignore os tesouros reais.
Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: