Analecto

15 de abril de 2018

Kierkegaard’s “Diary of a Seducer”.

Filed under: Livros, Passatempos, Saúde e bem-estar — Tags:, , — Yurinho @ 23:54

“Diary of a Seducer” was written by Søren Aabye Kierkegaard. Below are some notes that I made about that text.

  1. It’s always a thrill to read your friend’s personal diary.
  2. There’s always something that you don’t know about your old friends.
  3. Talent for poetry can be detected on someone’s speech.
  4. When your private life is too immersive, you don’t feel like you belong to the reality “outside”.
  5. Some people invest more time in their private lives because the reality outside is boring to them.
  6. Not feeling appalled by reality isn’t a sign of weakness, but of sick levels of strength.
  7. Noticing your lack of sensitivity may aggravate it.
  8. Sex is not the only reason why people seduce each other; some seduce for affection.
  9. Often, you can’t tell for sure who is the seducing party and who is the seduced party.
  10. You can not escape from yourself.
  11. Intellectuals also have sexuality.
  12. Secrets are seducing.
  13. A woman can steal a man’s complete attention span, even if she isn’t present.
  14. If you seduced a person and then dumps them, pray that the person hasn’t become obsessed, which might be dangerous for your safety.
  15. It’s unfair to stop loving a person when your love is all that is left for that person.
  16. Will you regret dumping that person?
  17. If you fall in love with person prone to cheating, you better be good at waiting for your turn.
  18. When you write with passion, your feelings become more obvious than your reasoning and arguments.
  19. No one is shy when no one is around.
  20. Tears are declarations of suffering: crying is the same as asking to stop.
  21. A woman is more beautiful without accessories or makeup.
  22. Beware not to become engaged with a person you do not love.
  23. Teeth are a defense mechanism against forced kisses.
  24. If you want to praise someone without using words, pretend to be shy around that person, so they can feel like they are important.
  25. Two people can be in love, enjoy that love, and still face disapproval from society.
  26. A person’s current mood can modify their current openness to an idea.
  27. When you make a new friend, don’t act as if you know everything about them already, or you may cause embarrassment.
  28. Isn’t it sad when you see someone cry because the person they were expecting didn’t show up?
  29. Take advantage of a person’s current mood.
  30. The first contact is the hardest.
  31. Love first, sex second.
  32. Maximizing pleasure requires control.
  33. Sometimes we have sex without really wanting it, just due to peer pressure or to please the other party.
  34. To keep a person’s sexual interest, you must invest in variety.
  35. Sometimes we need luck to succeed and luck often fails us.
  36. Boredom can make you insane.
  37. Falling in love without knowing if the loved person already has a lover, where they live or who are their parents… is frustrating.
  38. Commitment status is the first thing you need to know, so you don’t spend your efforts in trying to seduce a person who would never give into you.
  39. Too many responsibilities, too few certainties, can also make you insane.
  40. Don’t marry if you don’t love that person.
  41. The more you hide, the worse it will feel to be found out.
  42. If you are hiding, stay silent.
  43. If you don’t pay attention to others, you won’t notice that they pay attention to you.
  44. You can be in love and not notice it’s love.
  45. It’s hard to say what’s beautiful, but it’s easy to say what you like.
  46. If you want to conquer a person’s heart, try pretending that it’s not what you are attempting to do.
  47. Overprotecting your children is a crime with lifelong punishment.
  48. Keeping your child from building friendships is toxic to the kid.
  49. You can’t assume that all sixteen-year-old adolescents are virgins.
  50. Not using makeup makes a women more appealing to “real men”.
  51. Women should also have men as friends, not only as sexual partners or romantic partners.
  52. Conquering a person requires knowledge about that person’s beliefs.
  53. Don’t be easy.
  54. Your speech must be prepared beforehand, so you don’t improvise more than necessary.
  55. There are different kinds of smile: friendly, sarcastic, cynical, shy, polite…
  56. A woman with some mental characteristics that are usually considered “masculine” is also appealing.
  57. There are women who envy men for their commonly attributed gender role.
  58. When a person plays music, their current mood leaks into the improvisation.
  59. Your memories often lie about the intensity of an event that indeed happened.
  60. Do not invade the privacy of the person you love.
  61. You can’t truly learn about love from reading fiction.
  62. A beautiful woman who has nothing but beauty must abandon all hopes to ever find a man.
  63. Same goes to men.
  64. If you were frustrated too many times, you will likely stop trying.
  65. Conquering a person requires common interests.
  66. Apply subtle praise: doing so might make the person wish to be around you more often, because you increase their self-esteem without looking like you do it on purpose.
  67. Shy people also have feelings, but don’t know how to deal with them.
  68. Use normal clothing for normal occasions, nothing fancy.
  69. A woman who likes to be in control will prefer shy men, so pretend you are shy and, when the relationship is going, gradually leave that disguise.
  70. Feeling nervous around someone you like is a sensation that varies from person to person, with some not feeling it to the point of being unable to act.
  71. You can’t ever say that you have felt “real love”, because testing if your love for that person is the highest form of love would require falling in love with everyone to gauge how much love you feel for each person.
  72. Befriend other people who are interested in the person you love: that both allows you to anticipate their movements and also allows you to keep an image of someone who is not interested in her.
  73. You must train your speech for your future mother-in-law.
  74. Try to be useful to the mother-in-law, so you can acquire her trust.
  75. Don’t talk about the daughter in front of her mother, in order to keep the atmosphere of “I don’t want to get romantically involved with her”.
  76. A person may be younger than they look and still act older than they look.
  77. If the woman is young, even if she’s older than you, mind games are likely to work if you are good at them.
  78. Keeping your intentions concealed keeps you out of suspicion.
  79. An intelligent, beautiful and rich man who isn’t interested in women is a cause of frustration for women who desire him.
  80. The “no involvement” aura allows the lover to observe the loved person from afar, as the loved doesn’t know if they are being lusted over or not.
  81. You should never follow seduction formulas too strictly.
  82. Don’t spend too long getting dressed.
  83. You should employ the help of friends in the task of seduction, by forming a staged scene, for example.
  84. Only after you have gotten the trust of all people around the loved person you should give hints of your true intention.
  85. Making soft jokes about the loved person, without being offensive, may be useful.
  86. Don’t limit her freedom, but don’t let her limit yours either.
  87. If each person can be loved in a different way, then it’s possible to fall in love with more than one person at once.
  88. You can’t love a single person for your entire life, even if it’s possible to commit to a single person.
  89. If you have nothing to wear, ask others to lend you.
  90. When “befriending” rivals, your friendship must be convincing.
  91. Seduction is hard.
  92. Lend books to the loved person.
  93. Take advantage of other people who are interested in the person you love.
  94. When you lend books, make sure to pick one that plays in your favor.
  95. The mysterious aura of “no involvement” must be kept until the proper time.
  96. If you develop a profound “friendship” with one of the people who are interested in the loved person, you can anticipate their movements.
  97. When you reject someone, you may feel bad about it, reevaluate and then accept them.
  98. When in love, make no promises.
  99. If the loved person promises you something and you know that they won’t be able to fulfill the promise, let them do it and break the promise eventually, so that the loved person may feel like they need your forgiveness.
  100. If you give a prize someone for making a specific confession, they will confess everything that you wish them to confess.
  101. Seduction is mind manipulation and is, of course, different from naturally grown love.
  102. If we are talking about love, then seduction isn’t needed, even though it can be employed.
  103. The goal of real seduction is to make that person love you more than they love anyone else.
  104. If you make a good job, the person will remain interested in you even after you break up with her.
  105. Make that person fear that other people would be in love with them.
  106. Mention that you are in love, but don’t say who is the person of interest.
  107. Some people pay others to write love letters, so they can deliver it to a loved person and pretend that they wrote it.
  108. What’s the point of engagement anyway?
  109. Only an artist can judge another.
  110. After you confess your love to the woman, your rival will likely be extremely mad at you, so, if you managed to earn the trust of you soon-to-be mother-in-law, say that the engagement was arranged by her recommendation (blame the woman’s mother).
  111. To further soothe your rival’s anger, make use of the “friendship” that you built with him.
  112. Keep the love alive, or the woman will lose interest.
  113. If the relationship involved seduction, rather than naturally grown love, lies are to be expected.
  114. The better you hide, the more you cheat.
  115. The best seduction is done by people who don’t want sex, but control.
  116. Real love is indifferent to the person’s past, family heritage or criminal record.
  117. Love has it’s own morals.
  118. That means that some acts that are often considered “wrong” seem justified when done for love.
  119. It’s boring to seduce a person who is forced to tag along you, that is, who isn’t free.
  120. A relationship from which the lovers draw more than simple affection is harder to break.
  121. Seduction implies not being always honest.
  122. Use face-to-face conversations to stimulate the passion, while using written word to moderate it.
  123. Learn with your past romances.
  124. Teenagers are great at manipulation, you should take classes with them.
  125. Some things can not be solved without acting impulsively.
  126. Your job is a source of prejudice about you.
  127. A note is better than a letter, if you wish to cause arousal.
  128. Talking to someone isn’t a matter of words alone, but also a matter of voice tone, gestures and facial expressions.
  129. If you send a message to someone, never ask if they read it, just assume that they read it.
  130. Praise prudently.
  131. The presence of emotional control mechanisms doesn’t guarantee you will be able to make use of said mechanisms.
  132. When you love, you want others to love your beloved as well, because hating your beloved is an insult to you.
  133. Pass the impression that you belong to your lover, without actually belonging to them.
  134. If your beloved doesn’t have the desire that you want them to have, make sure to produce that desire on them.
  135. Text can be more influential than speech.
  136. Paying attention to the surroundings is the first step to philosophize.
  137. There’s no “science of kissing”.
  138. If you kiss too much, it will become a less meaningful act for your beloved, which may pose a problem when inciting or calming emotions.
  139. Don’t marry unless you have no choice.
  140. Don’t bind your hair.
  141. Is it worth it to live forever without your beloved?
  142. Women’s cruelty is the harshest kind (see Sirach 25:13).
  143. A woman can be cruel with no apparent reason or no reason at all (men too, tho).
  144. The person who moves their body is more appealing than a sedentary person.
  145. Giving birth looks so painful, that the horrors of war look more bearable.
  146. The seduction method varies according to what you want from that person (not everyone seduces for sex or romance).
  147. A repeated hug is worth more than a wedding ring.
  148. Hedonistic people don’t often think about the future.
  149. Love fears being limited.
  150. Once you are bored of the person you seduced, make them dump you, so it doens’t look like you were mean to them.

16 de agosto de 2017

Anotações sobre temor e tremor.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , — Yurinho @ 14:59
  1. Coerência é um comportamento incomum. Muitos não fazem o que dizem que outros deveriam fazer. Muitos fazem o que reprovam nos outros. A regra é ser hipócrita, ser coerente é exceção.

  2. Um filósofo pode convidar outros a duvidar com ele, mas jamais pode forçá-los a isso.

  3. O que deu certo comigo pode não dar certo contigo.

  4. O autor deste livro não é filósofo.

  5. Os sistemas filosóficos existentes estão incompletos.

  6. Os escritores mais relevantes muitas vezes são os que vendem menos cópias.

  7. Sistemas filosóficos são um excesso, diz o autor.

  8. Para afastar alguém, perca o atrativo.

  9. Pessoas célebres ainda são seres humanos.

  10. Vencer uma luta sem recorrer aos meios que outros usaram, os meios óbvios, é digno de respeito. Abraão não era erudito, não era forte, não era atlético. E, no entanto, Abraão é Abraão.

  11. Ter fé e ser otimista retarda o envelhecimento.

  12. Já imaginou se Abraão tivesse recusado a ordem divina? Talvez tivesse acontecido a mesma coisa que poderia ter acontecido se Isaac não tivesse se casado com Rebeca (que tinha dez anos).

  13. Em matérias religiosas, a fé tem valor maior do que a razão. Depende de em que você tem fé, contudo….

  14. A marca da juventude é o desejo. Quem deseja, se move. Quem se conforma, para. Parado se envelhece mais.

  15. Moisés não entrou na terra prometida, diz o autor, porque ele não acreditou que Deus iria realmente fazer água jorrar da pedra (Números 20:10-13). Eu tenho minhas dúvidas.

  16. Como a vida de Isaque valia pra Abraão mais que sua própria vida, Deus não pediu um suicídio da parte de Abraão. Um verdadeiro teste de fé requeria sacrificar o que havia de mais importante. No entanto, se Abraão tivesse se matado por ordem divina, seu impacto talvez fosse o mesmo.

  17. Abraão respondeu positivamente ao destino do qual qualquer outro fugiria.

  18. Até quem não era judeu respeitava a fama de Abraão.

  19. Quem mais trabalha não necessariamente é o que garante sua comida. Tem gente que come sem trabalhar. Então, se alguém te diz que você só pode comer se trabalhar, deveria acrescentar: “ao menos de forma lícita”.

  20. Nobreza não salva ninguém.

  21. Saber uma história não implica envolvimento emocional. Eu posso ser indiferente aos personagens dela.

  22. Inteligência se obtém na prática.

  23. O que tornou Abraão tão venerável, diz o autor, foi a angústia que ele sentiu ao escolher entre Deus e seu filho. Essa angústia está implícita no texto, para o autor. Não é uma questão de sacrificar o melhor, mas de sofrer com isso por amor a Deus.

  24. Embora Abraão seja um exemplo de fé, não vamos sair por aí matando os próprios filhos. Há outras formas de demonstrar fé, especialmente se Deus não fala diretamente com você, como o fez com Abraão. No entanto, alguém que ouve esse relato pode querer fazer um sacrifício a Deus, e de boa vontade e bom coração. Daí, ele resolve sacrificar o que há de mais importante. Já pensou se for seu filho? Por isso que ler a Bíblia Sagrada requer bom senso.

  25. Nem tudo na vida sucede como na pregação pastoral.

  26. O que passa na cabeça do fanático: “Se Abraão tentou matar o próprio filho, por que eu não posso?” É como se ele questionasse se atos santos só o são se praticados por certas pessoas e ele tem razão em pensar dessa forma. O problema é ele tentar imitar a aparência do ato, não sua motivação. O que moveu Abraão a fazer o que fez foi sua fé. Não é pra imitar o ato exterior (o sacrifício), mas o interior (a fé). Cultivando esses valores e mantendo-os como motivação, nossas ações serão todas santas (Tito 1:5). Assim, se você tem um valor que lhe motiva, esse valor não precisa se manifestar de forma socialmente inaceitável, a menos que Deus assim ordene.

  27. Pra que lembrar do que não pode acontecer de novo? Ora, pra enriquecimento moral.

  28. Abraão era santo ou homicida? Essa é a pergunta do autor.

  29. Um raciocínio deve sempre ser levado às últimas consequências.

  30. Para o autor, algumas reflexões não devem ser comunicadas. Supondo que ele conclua que Abraão era assassino, ele não diria aos outros que pensa dessa forma pra não fazer tropeçar. Além do mais, isso seria fonte de conflito pro pensador crente, pois a fé diz “santo”, ao passo que a razão diz “homicida”. No entanto, o raciocínio deve ser levado às últimas consequências não importa o quê. Se o raciocínio concluir dessa forma, seja.

  31. Se eu não teria coragem de imitar a fé de Abraão, eu não seria hipócrita por invocar seu exemplo? Falo que os outros devem ter a fé de um cara que eu não posso imitar. Como eu posso exortar alguém a imitar alguém que eu não consigo imitar ou, por vezes, nem quero imitar? Falo isso porque tem gente que não está interessado em imitar bons exemplos bíblicos e, no entanto, diz que os outros devem fazê-lo (é o caso de muito pastor por aí).

  32. Parece que o autor concluirá que a fé justifica o ato. Isso é perigoso….

  33. Faz sentido que o autor fale tanto da fé de Abraão, sendo ele protestante. Católicos preferem enfatizar a caridade cristã, isto é, o exemplo de Jesus. Ortodoxos…. Bom, não sei nada deles.

  34. Se todos fizessem o que Abraão fez, seu exemplo seria perdido na banalização. Ele deixaria de ser o que é se todos o imitassem. Donde decorre que a fé de Abraão deve ser imitada, mas sua aparência (o sacrifício do próprio filho) não deve, ou Abraão perderia sua relevância. É um “exemplo a não ser seguido”. Estranho.

  35. Não podemos imitar o sacrifício do filho sem antes imitar a fé. Querer matar o filho sem ter obtido o grau de fé que Abraão tinha não justifica o ato, diz o autor. Concentre-se na fé primeiro, depois Deus pode até falar com você e lhe propor uma prova. Enquanto ele não faz isso, solte a faca.

  36. Depois de imitar a fé, é preciso imitar o amor que Abraão tinha por Isaque.

  37. O autor endorsa falar do teste de Abraão como algo horrível e angustiante, pra que os outros percam a vontade de usar a fé pra sustentar o assassinato do filho.

  38. Falar da prova de Abraão antes de falar de sua fé e do seu amor pode colocar em risco o desejo do fiel de continuar crendo.

  39. Se alguém quiser acompanhar o exemplo de Abraão e matar o próprio filho, o autor diz que se deve desencorajar esse crente. Conduta estranha pra um protestante.

  40. Hegel é tão obscuro que até filósofos e críticos de filosofia não o compreendem. Só quem pode compreender Hegel é ele próprio e Deus. Isso, claro, na suposição de que Hegel tinha intenção de ser entendido e não estava pregando uma peça em todo o mundo. Já pensou se Hegel ressuscita e vai até uma faculdade de filosofia e vê o sofrimento dos alunos a ponto de confessar “gente, eu tava brincando!”?

  41. A filosofia não pode supor que um problema é sem importância. Todos os problemas filosóficos são importantes, mesmo que não igualmente. Se algo não tem importância, não se faz filosofia disso. Se é feita filosofia de algo, é porque esse algo tem importância.

  42. A fé dá coragem. Olha esses caras que se jogam em aviões contra prédios.

  43. Quanto mais cedo começa o sofrimento, mais cedo ele acaba. Por causa disso, começar logo o sofrimento pode ser uma prova de ansiedade. “Quanto mais cedo eu começar, mais cedo termino com isso.” A pessoa está sofrendo com a espera, talvez mais do que com o próprio ato. Está com medo.

  44. Abraão não pensou, só fez.

  45. Amar Deus sem fé é o fenômeno descrito por Feuerbach (o humano amando a si), que Kierkegaard também mostra com fatual, mas não como única expressão religiosa.

  46. É estranho que até religiosos queiram ir além da fé.

  47. Ação piedosa independe de classe social.

  48. O homem realmente crente, de fé sincera, não parece especial por fora. Ele parece tão humano como qualquer outro.

  49. O homem realmente crente participa do mundo sendo indiferente a ele. Age como uma pessoa normal, mediana.

  50. Ele não tem apego aos bens materiais. Ter ou não ter, tanto faz.

  51. É tranquilo, observa.

  52. Não se sente tentado pelos prazeres mundanos, não se sente pressionado pelos cuidados mundanos.

  53. Quando o homem religioso cessa a atividade religiosa, tem dificuldade em voltar aos afazeres mundanos.

  54. O homem religioso não vê progresso em deixar a religião.

  55. O homem religioso não gosta do que era antes.

  56. Nem tudo é possível. Dizer que tudo é possível é algo pueril…. Ou simplesmente idiota.

  57. Tente ser independente, mesmo quando ama.

  58. Resignação é parte da autossuficiência. Se você abdicar do que não pode conseguir sozinho, não precisará de ninguém.

  59. A cultura é o caminho através do qual uma pessoa conhece a si própria. Assim, conhecer a produção intelectual anterior ajuda na produção do próprio conhecimento, inclusive do autoconhecimento. Rejeitar a produção anterior é desperdício.

  60. Tudo é possível pra Deus. Isso normalmente implica consciência de que nem tudo é possível ao ser humano.

  61. Não é possível, diz o autor, ter fé sem se resignar primeiro.

  62. A fé é coisa de quem a compreende. Acreditar sem compreender é convicção, não fé, diz o autor.

  63. Se não é possível ter fé sem se resignar e a resignação é uma conclusão filosófica, não é possível ter fé verdadeira sem ser filósofo. No entanto, o autor nega ser filósofo. Estranho também.

  64. As pessoas podem “perder a fé” no momento da resignação. Para o autor, essas pessoas nunca tiveram fé em primeiro lugar, porque a fé só pode ser obtida depois da resignação. “Nem tudo está ao meu alcance. Para aquilo que não posso alcançar, deixarei que Deus decida o melhor.” Isso é resignação, admitir que nem tudo te é possível e deixar que Deus decida se o que não te é possível deve ou não te ser dado.

  65. Quem quer ter fé sem se resignar é covarde, mole ou não quer tanto assim, diz o autor.

  66. Renunciar a tudo em nome da fé é ganhar tudo de volta e muito mais, diz o autor. Isso parece guardar relação com os preceitos morais contidos em Mateus 6:33 e em Mateus 19:29.

  67. Quando o autor diz que não é possível renunciar a fé sem contradição, parece querer dizer que aqueles que deixam a fé o fazem por terem fé fraca e não porque a fé está errada.

  68. Por que algumas pessoas têm vergonha de sua fé?

  69. A fé começa onde a razão acaba.

  70. Cada indivíduo é próprio. Não seja obcecado em ser como os outros. Abdicar da sua individualidade em favor do geral é besteira.

  71. Sociedades não-cristãs não necessariamente são inferiores.

  72. Atos feitos na fé são incompreensíveis aos que não a tem. Explicar não clarificará as coisas.

  73. Porque Abraão fez o que fez? Porque Deus mandou.

  74. Para o autor, o dever é a manifestação da vontade divina.

  75. Abraão sacrifica o finito em nome do infinito.

  76. Tem gente que esquece o próprio sofrimento de tanto pensar no sofrimento dos outros. É meu caso.

  77. Já pensou se Abraão não tivesse realmente ouvido Deus e só estivesse esquizofrênico?

  78. Quando algo não é evidentemente errado nem evidentemente certo, só se pode julgá-lo por suas consequências.

  79. Se uma pessoa só faz uma coisa se o resultado dela for imediato, ela fará pouca coisa ou nada. Não devemos nos intimidar com a distância entre nosso ponto inicial e o ponto de chegada. Aliás, se vale a pena lutar por algo, não importa se é possível ou não. Lute somente. Pode até demorar demais, mas não vamos chegar a lugar nenhum pensando se vale a pena perseguir um objetivo tão distante.

  80. As pessoas, quando lembram da história de Abraão, geralmente não pensam na angústia que Abraão deve ter sentido ao saber que tinha que sacrificar Isaac.

  81. Ao relevar um ato heroico ou de grande importância, é preciso pensar nos sentimentos humanos que estão por trás do ato. O que o agente sentia quando fez o que fez? Se você tirar a humanidade, isto é, os sentimentos desses atos, eles deixam de ser grandes. São só histórias.

  82. A história de Abraão é a suspensão da moral normal por um objetivo divino. A ordem de Deus tem mais valor do que as máximas terrenas.

  83. Quando Deus me dá um dever, eu tenho um dever para com ele. Se ele me dá o dever de amar ao próximo, o faço por dever para com Deus. No entanto, Deus me deu um dever para com o próximo, então, por uma certa ótica, não é um dever para com Deus, mas para com o próximo, porque não interajo diretamente com Deus e nem ele ganha qualquer coisa com isso.

  84. A doutrina cristã é difícil de ser seguida em alguns pontos cruciais, como o abandono de tudo pelo amor a Deus. Mesmo nos Evangelhos, que enfatizam o amor, tem coisas que muitas pessoas, mesmo tendo muito amor, não estão dispostas a fazer (Mateus 19:21-22 / Lucas 10:27-37 / Lucas 14:26).

  85. Eu tenho que amar o próximo, diz 1 João 3:23, mas como posso, se eu tenho que odiar qualquer um que não é Cristo, conforme algumas traduções de Lucas 14:26? Por isso a tradução moderna de Lucas 14:26 é “quem ama […] mais que a mim”. Não é que eu tenha que odiar todo o mundo, claro que não! Mas eu devo amar Jesus mais do que aos outros e Deus acima de tudo. Assim, é proibido ao cristão odiar qualquer pessoa. Por isso não é possível um estado cristão; cairia ao primeiro sinal de guerra. Qualquer cristão que professe seu ódio, especialmente na política, é hipócrita.

  86. A igreja é um estado dentro de outro.

  87. O ódio ao mundo em nome de Cristo é perigoso ao estado. Imagine se você conhecesse um cara que segue só os quatro Evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e João. Sabe o que ele seria, em termos de ideologia política? Anarco-comunista. Não tem coisa mais ofensiva ao estado estabelecido do que a ideologia cristã pura. Claro, ele tem Jeová como Deus e Jesus como rei, mas nenhuma autoridade terrena é superior a deles. Ideais de castidade, por exemplo, de desapego aos bens materiais, de pacifismo, comunhão de bens e partilha de recursos a cada um segundo sua necessidade (Atos 2:42-45), todas essas coisas, se praticadas em larga escala, arruinam o estado.

  88. O crente de verdade é visto como mentalmente perturbado. Se alguém diz ter fé, mas não adota um comportamento peculiar pro mundano, talvez não tenha tanta fé assim.

  89. Mas como saber se o indivíduo está realmente lunático ou está agindo por ordem de Deus? Ninguém sabe! Só quem pode responder isso é a própria pessoa e, ironicamente, ela não saberá se estiver realmente lunática.

  90. As lágrimas comovem.

  91. Está escrito: o que Deus uniu, não o separe o homem (Mateus 19:6). Mas isso não exclui a possibilidade de Deus intervir pra separar. Não que eu pense que ele tenha boas razões pra isso. Parece estranho Deus intervir negativamente no casamento de alguém.

  92. O noivo calado não está gostando de casar.

  93. Nenhuma mulher é perfeita.

  94. Se todos agissem como quer a filosofia, o mundo seria uma comédia, diz o autor.

  95. Na época do autor, a dúvida sobre a imortalidade da alma estava “espalhada”. Imagine se ele vivesse hoje.

  96. Pouca gente tem a paixão necessária pra refletir criticamente e imparcialmente sobre a imortalidade da alma. Claro que isso só é possível por um viés cristão, mas nem no cristianismo essa crença é total.

  97. As pessoas riem umas das outras, mas, no final das contas, estão todos rindo de si mesmos….

  98. Ridículo alguém dizer que obteve a suprema sabedoria aos vinte anos. Nem Jesus começou seu ministério antes dos trinta.

  99. Os mais cultos são os que menos assumem o erro.

  100. Qual o sentido de assistir uma comédia cujo tema ocorre à nossa frente o tempo todo?

  101. Ter azar no amor por ter tentado é uma coisa. Ter azar no amor por destino é outra totalmente diferente. Imagine nascer com uma sexualidade gravemente condenável pela sua sociedade.

  102. É duro não obter aquele a quem nos podemos entregar, mas é indizivelmente duro não nos podermos entregar.”

  103. Qual é a função social de um poeta sem talento?

  104. Não existe gênio normal. Ser genial já é anormal.

  105. Professores universitários não necessariamente pensam. Por exemplo, meus professores de filosofia eram todos doutores, treinados em um autor específico. Assim, eles acabam devotando sua vida a repetir o pensamento desses autores em maior ou menor grau, em vez de desenvolver o próprio. Isso não quer dizer que eles não pensam, mas, como trabalham principalmente com a memória, podem até dar aulas de espírito ausente.

  106. Quando aparece um grande “sábio” de uma época, as pessoas tendem a não divergir muito dele. Assim, não se contestam verdades basilares postas em voga por grandes mentes de um tempo. Isso se chama “paradigma intelectual”, que muda conforme o nível tecnológico da campanha. Antigamente, ninguém duvidava do Aristóteles. Por muito tempo, se acreditou que Aristóteles sabia tudo o que se podia saber. Se pensava que divergir de Aristóteles era, necessariamente, errar. Depois, veio Tomás de Aquino, que, na verdade, repaginou Aristóteles. Depois, tivemos Bacon, então Descartes, então Kant, depois Hegel. Agora é a Globo. Amanhã pode ser Newgon.

  107. Subjetividade e realidade são coisas diferentes. Eu não preciso manifestar o que sinto.

  108. Considerando tudo isso, o autor não consegue entender Abraão. Só pra lembrar que esse livro é sobre ele.

  109. Abraão não falou nada a Isaac, Eliezer, nem a ninguém, porque ninguém entenderia se ele falasse. Se você tem que fazer algo que ninguém vai entender se você explicar, não explique. Só faça.

  110. Melhor lutar contra o mundo inteiro do que contra si mesmo.

  111. A moral pode ser uma tentação também. Às vezes, a coisa certa a ser feita é imoral.

  112. Para o autor, a humanidade de seu tempo já havia chegado ao ápice. Ele concluiu que tentar progredir mais, “imaginando” que havia mais para descobrir, era perda de tempo e engano de si mesmo. Já pensou se lhe tivessem dado ouvidos?

  113. Humanidade se aprende sozinho. Humanidade, para o autor, é a paixão. Não é possível ensinar a amar.

  114. Fé também é paixão. Não é possível ensinar a ter fé.

  115. Toda a brincadeira tem um nível de seriedade.

  116. É um risco constante que o progresso traga regresso.

  117. Uma pessoa não pode explicar o que não compreendeu.

  118. Somos predispostos ao mal.

  119. Na hora que eu escrevi a anotação anterior, ouvi quatro tiros lá fora. Depois ouvi uma mulher gritando. Por que será?

%d blogueiros gostam disto: