Analecto

26 de setembro de 2018

Is social justice a legitimate movement?

So these days, the Linux Foundation decided to adopt the Contributor Covenant , which caused great anger in the developer community. The news seem optimistic about it, while the community itself is furious. As the news seem to offer only one side of the story, I would like to offer a Brazilian insight into what is happening in a country that is not my own but that produces a lot of software that I use.

For developers, the code of conduct adopted by the foundation, based on a document produced elsewhere, represents a political intrusion into fully objective and functionality-driven business, in this case programming. The code would, a priori, be unnecessary, since many of its policies are already adopted without its presence. Finally, the code is highly relative and vague, allowing virtually anyone to expel another person from the Linux project with allegations of harassment or discrimination, which may have hurt only feelings. This is aggravated by the fact that the people who contribute most to the code are not minorities, so that people who contribute less can eliminate those who contribute the most. The community argues that this has happened in other large projects that have adopted similar policies, which they summarize as “diversity over skill”, causing deterioration of services provided. The response from the most active developers was threatening to remove the parts of the Linux code that were contributed by them from the project, which would hurt both clients (like me, as I use Manjaro, and Android users) and servers (since most of the popular sites today, even pornographic ones, are powered by Linux).

That is an extreme attitude, but, in my opinion, understandable. I have been thinking about this for some time and I published a short comment elsewhere in English about what is happening and I decided to put these ideas here for my six or so readers. But before going into detail, I have three trans friends and I go as far as referring to them using desired pronouns (although they themselves do not mind being referred to by their biological sex), and although I do not consider myself left, I am not right-leaning either. In fact, still lean left. And that is why I worry about social justice, but not because I think it is good: social justice does not cease to shame the left.

Let me explain: Contributor Covenant allows minority groups to attack major groups for small or even hypocritical reasons, which actually increases the majority’s hatred towards the minorities. This is because social justice has an original sin inherited from feminism, which is the quest for equality by the consideration of just one side of the scale. That is why it is called “feminism”: only women’s problems are taken into account. Everything for feminism is a women’s issue. Men and boys only enter these discourses as oppressive entities, even if real men and boys you meet on the streets are not oppressors. But to make an analogy, can we balance a scale without knowing the contents in the other side, especially when all we do is put more and more weight on the side we priorize? No, the tendency is that the side we pay attention to will become increasingly heavy, eventually tipping the scale to it’s side, rather than balancing it. Social justice is, perhaps inadvertently, the application of the same principle to all minorities. That is why there is no social justice for men, for example.

The point I want to make is that the social justice movement is ruining more and more things because it is not assessing the costs of its actions. Evergreen University lost three teachers, had a 40 percent drop in enrollment, and lost millions of dollars in funds because enraged students expelled a white teacher from the classroom during a special protest day in which no white people could enter the campus. This, of course, is just an example. But does not it seem strange that a movement that preaches equality and justice has approved and perhaps suggested a “special day” in the academic calendar in which no white person, whether student or teacher, could enter the campus? For me, this is hypocrisy, but it is also injustice . Thus, a movement that speaks of social justice gains hypocritical outlines. This legitimizes the reaction of the majority groups. But now comes the key question: How many people who are against these attitudes blame the movement as a political entity and how many people blame the minorities that such a movement claims to protect?

Again, the example of feminism: this movement claims to represent the best interest of all women, although most women are not feminist. Thus, an attack on feminism can be interpreted as an attack on women and is readily labeled as misogyny. The problem is that the use of such language and meanings reinforces the connection between feminism and women in general, giving rise to the emergence of true misogyny. The same is true for social justice. With a movement that behaves this way, the tendency is for more and more people to blame blacks, women, immigrants, trangenders and other minority groups for all the bad things that happen. They do not blame the movement or ideology, but their visible material causes, which are the ones that make up the movement, whose attitudes are generalized, because they claim to act in the best interest of the groups they represent. To check my theory, just look at voting intentions surveys in Brazil: Bolsonaro, leader of the far right, has a serious chance of winning. Thus, the social justice movement strengthens the right wing, because, by acting in a fundamentally unjust and hypocritical way, it feeds reactionary attitudes. And yes, the social justice movement was imported by the Brazilian media and inoculated into the general population, so much so that citizens in a nation where everyone is mixed are able to point out who is “black” and who is “white” when our very genes, which descend from Europeans, Africans and indigenous people, betray these labels. There are no “pure races” in Brazil. Yet, there has never been so much racism here.

Suppose that the protest of the developers takes place and a lot of lines of code are removed from the Linux kernel, we can prepare ourselves for the falency of the Internet. Linux is the safest kernel today, which is why many servers use it. Removing Linux code represents the removal of security from various sectors of the Internet. To illustrate how serious this is, do you remember shellshock ? Well, shellshock was a bug in the GNU Bourne Again Shell , better known as bash , which allowed arbitrary code execution from remote sources by using environment variables. In layman’s language, this means that anyone who discovers a way to pass environment variables to a server would take control of it. This would not have caused the panic it caused if most Internet servers did not run Linux, after all bash is shipped in distributions of that kernel. Imagine if the developers who solved this problem took back the solution they implemented. The vulnerability would return. Thus, with the damage caused by social justice and the rage accumulated against this movement, the population would stand on the side of developers. I would stand by their side, because one should not mix politics and science, politics and programming: that the most skilled be able to contribute, this does not harm diversity, but prioritizing diversity may exclude the skilled. This is meritocracy, but I am forced to admit that it is the meritocracy that made Linux suitable to power Tumblr.

To sum up: social justice as a radical movement acts against the interests of minorities that it claims to represent and, by claiming to act in the best interest of all these minorities, it increases hatred against those minorities at every clearly unjust or hypocritical act, fueling reactionary discourses and giving power to right wing, all because its fundamental premise, of considering only one side without assessing the costs of its actions, harms everyone. So the question I wanted to ask is: Is social justice a legitimate movement? I don’t think so. The social justice movement is likely to be a “false flag” operation. I know this sounds like a conspiracy theory, but just imagine: what if key people in social justice movements are actually proponents of the right, who instrumentalize people from the left to achieve their goals? Maybe I am wrong, but the fact is that social justice has been the right wing’s greatest ally in this decade.

I urge that minorities who stand against the extreme acts of the social justice movement to vocalize their displeasure at these actions, to publicly repudiate what is happening. Again, the example of feminism: more and more women and girls are leaving feminism upon realizing that it is unfair to men and boys, as well as harmful for their desires to build relationships (as more and more men are avoiding women ) . After all, if the public sees that not all minorities are in favor of extremism, the tendency to attack the ideology, not those that are “protected” by such ideology, will be greater, and there will be bilateral pressure against such ideology. It doesn’t mean that minorities should abandon hopes of acceptance, but that no attitude in that direction should be taken without regard to the other side of the scale or without considering the social damage that could be caused as consequence of such attitude (in this case, the implementation of Contributor Covenant by the Linux Foundation may put Linux users at risk with or without the developers’ protest). Second, I humbly ask to the Linux Foundation to create its own code of conduct, rather than adopting one that comes from outside, and that the creation of the code itself should be done in a democratic way, with the voices of the developers being heard in the process, aiming at the best interests of those who use the kernel. In the worst case scenario, fork the kernel. Finally, we all should appraise the consequences of our acts and also of the acts of others, so that we know which brands of activism are worth supporting and which are not. After all, if the consequence of an attitude is harmful even to the one who proposes the attitude, the person is either a fool… or a troll.

É a justiça social um movimento legítimo?

Então, esses dias, a Fundação Linux resolveu adotar o Contributor Covenant, o que causou grande ira na comunidade de desenvolvedores. As notícias parecem otimistas em relação a isso, enquanto que a comunidade em si parece furiosa. Como as notícias parecem oferecer apenas um lado da história, eu gostaria de oferecer uma visão brasileira sobre o que está acontecendo num país que não é o meu, mas que produz um monte de software que eu uso.

Para os desenvolvedores, o código de conduta adotado pela fundação, baseado num documento produzido fora de seu âmbito, representa uma intrusão política em negócios totalmente objetivos e orientados por funcionalidade, no caso, a programação. O código seria, a priori, desnecessário, porquanto muitas de suas políticas já são adotadas sem sua presença. Por último, o código é altamente relativo e vago, permitindo que virtualmente qualquer pessoa possa expulsar outra do projeto com alegações de assédio ou discriminação, as quais podem ter ferido apenas sentimentos. Isso é agravado pelo fato de que as pessoas que mais contribuem com o código não são minorias, de forma que pessoas que contribuem menos poderão eliminar do projeto aqueles que contribuem mais. A comunidade argumenta que isso aconteceu em outros grandes projetos que adotaram políticas parecidas, as quais eles sumarizam como “diversidade sobre habilidade”, causando deterioramento dos serviços prestados e retardamento no andar do desenvolvimento. A resposta dos desenvolvedores mais ativos foi ameaçar remover as partes do código Linux que foram contribuídas por eles do projeto, o que prejudicaria tanto clientes (como eu, que uso Manjaro, e usuários de Android) e servidores (porquanto a maioria dos sites mais usados hoje, mesmo os pornográficos, são hospedados em máquinas com Linux).

Essa é uma atitude extrema, mas, na minha opinião, compreensível. Eu venho pensando nisso faz algum tempo e eu publiquei um pequeno comentário em outro lugar, em inglês, sobre o que está acontecendo e resolvi colocar essas ideias aqui para leitores brasileiros. Mas antes de entrar em detalhes, tenho três amigos trans aos quais eu me refiro com os pronomes que eles desejam (embora eles mesmos não se importem em ser referidos por seu sexo biológico) e, embora eu não me considere mais esquerda, não sou direita também. De fato, ainda tendo à esquerda. E é por isso que me preocupo com a justiça social, mas não porque acho que ela é boa: a justiça social não cessa de envergonhar a esquerda.

Deixa eu explicar: o Contributor Covenant permite que grupos minoritários ataquem grupos majoritários por razões pequenas, ou mesmo hipócritas, o que, na verdade, aumenta o ódio que a maioria tem da minoria. Isso acontece porque a justiça social tem um pecado original herdado do feminismo, que é a busca pela igualdade pela consideração de apenas de um lado da balança. É por isso que se chama “feminismo”: somente os problemas da mulher são levados em consideração. Tudo para o feminismo é problema da mulher. O homem e o menino só entram nesses discursos como entidades opressoras, mesmo que homens e meninos particulares não sejam opressores. Mas, para fazer uma analogia, podemos equilibrar uma balança sem saber o conteúdo do outro lado, especialmente quando tudo o que fazemos é colocar cada vez mais peso no lado para o qual olhamos? Não, a tendência é que o lado sobre o qual prestamos atenção fique cada vez mais pesado. A justiça social é, talvez inadvertidamente, a aplicação do mesmo princípio para todas as minorias. É por isso que não existe (ou parece não existir) justiça social para homens, por exemplo.

O ponto em que quero chegar é que o movimento da justiça social está arruinando cada vez mais coisas, porque ele não está avaliando os custos de seus atos. A universidade Evergreen perdeu três professores, teve uma queda de 40% no número de matrículas e perdeu milhões de dólares em fundos porque alunos enfurecidos expulsaram um professor branco da sala, durante um dia especial, aprovado pela direção, em que brancos não poderiam entrar no campus. Esse, claro, é apenas um exemplo. Mas não parece estranho que um movimento que pregue a igualdade e a justiça tenha aprovado e talvez sugerido um “dia especial” no calendário acadêmico no qual nenhum branco, seja aluno ou professor, poderia entrar no campus? Para mim, isso é hipocrisia, mas também é injustiça. Assim, um movimento que fala de justiça social ganha contornos hipócritas. Isso legitima a reação dos grupos majoritários. Mas agora vem a pergunta-chave: quantas pessoas que são contra essas atitudes culpam o movimento como entidade política e quantas pessoas culpam as minorias que tal movimento afirma proteger?

Novamente, o exemplo do feminismo: esse movimento afirma representar o melhor interesse de todas as mulheres, apesar a maioria das mulheres não ser feminista. Assim, um ataque ao feminismo pode ser interpretado como um ataque à mulher e é prontamente rotulado como misoginia. O problema é que o uso dessa linguagem e desse significado reforça a ligação entre feminismo e mulheres em geral, dando oportunidade ao surgimento de misoginia verdadeira. O mesmo ocorre com a justiça social. Com um movimento que se comporta dessa forma, a tendência é que cada vez mais pessoas culpem negros, mulheres, imigrantes, trangêneros e outros grupos minoritários por tudo de ruim que acontece. Não culpam o movimento ou a ideologia, mas suas causa materiais visíveis, que são os que compõem o movimento, cujas atitudes são generalizadas por estes afirmarem agir no melhor interesse dos grupos que representam. Para verificar minha teoria, basta olhar para as pesquisas de intenção de voto no Brasil: Bolsonaro, líder da extrema direita, tem chances sérias de ganhar. Assim, o movimento da justiça social fortalece a direita, porquanto, ao agir de forma fundamentalmente injusta e hipócrita, fomenta atitudes reacionárias. E sim, o movimento da justiça social foi importado pela mídia brasileira e inoculado na população geral, a ponto de uma nação de mestiços ser capaz de apontar quem é “negro” e quem é “branco”, quando nossos genes descendentes de europeus, africanos e indígenas traem essas denições. Nunca houve tanto racismo aqui.

Suponhamos que o protesto dos desenvolvedores se efetue e um monte de linhas de código sejam removidas do núcleo Linux, podemos nos preparar para a falência da Internet. Linux é o núcleo mais seguro da atualidade, razão pela qual vários servidores o usam. Remover código do Linux representa a remoção da segurança de vários setores da Internet. Para ilustrar como isso é grave, você lembra do shellshock? Bom, o shellshock foi uma falha no GNU Bourne Again Shell, mais conhecido como bash, que permitia a execução de código arbitrário de fonte remota utilizando variáveis de ambiente. Em língua de leigos, isso significa que qualquer pessoa que descobrisse um meio de passar variáveis de ambiente para um servidor tomaria controle dele. Isso não teria causado o pânico que causou se a maioria dos servidores da Internet não executasse Linux, afinal o bash é incorporado em distribuições desse núcleo. Imagine se os desenvolvedores que resolveram esse problema tirassem dali a solução que eles implementaram. A vulnerabilidade voltaria. Assim, com os danos causados pela justiça social e a raiva acumulada contra esse movimento, a população que soubesse do ocorrido daria razão ao desenvolvedor. Eu daria razão ao desenvolvedor, porquanto não se deve misturar política e ciência, política e programação: que o mais habilidoso seja capaz de contribuir, isso não prejudica a diversidade, mas priorizar a diversidade pode excluir o habilidoso. Isso é meritocracia, mas sou forçado a admitir que é a meritocracia que sustenta o núcleo sobre o qual se assenta o Tumblr.

Resumindo: a justiça social como movimento radical age contra os interesses das minorias que afirma representar e, por afirmar agir no melhor interesse de todas essas minorias, aumenta o ódio por essas minorias a cada ato claramente injusto ou hipócrita, alimentando discursos reacionários e favorecendo a direita, tudo isso porque sua premissa fundamental, de considerar apenas um lado sem avaliar custos de suas ações, prejudica a todos. Assim, a pergunta à qual eu queria chegar: a justiça social é um movimento legítimo? Cuido que não. É provável que o movimento da justiça social seja uma operação de “bandeira falsa”. Eu sei que isso soa como uma teoria da conspiração, mas imagine só: e se pessoas-chave da justiça social forem, na verdade, proponentes da direita, que instrumentalizam pessoas da esquerda para agir contra seus interesses? Talvez eu esteja errado, mas o fato é que a justiça social tem sido o maior aliado da direita nesta década.

Para encerrar, peço que as minorias que se posicionam contra os atos extremos do movimento da justiça social se juntem e vocalizem seu desgosto por essas ações, que publicamente repudiem o que está acontecendo. Novamente, o exemplo do feminismo: cada vez mais mulheres e meninas estão deixando o feminismo ao perceber que ele é injusto com os homens e com os meninos, além de impedi-las de construir relacionamentos desejados (já que cada vez mais homens evitam mulheres). Afinal, se o público ver que não são todas as minorias a favor do extremismo, a tendência a atacar a ideologia, não aqueles a quem a ideologia afirma proteger, será maior, e haverá pressão bilateral contra a ideologia. Isso não quer dizer abandonar as esperanças de aceitação ou de igualdade, mas que nenhuma atitude nessas direções pode ser tomada sem considerar o outro lado da balança ou sem considerar os danos sociais causados pela atitude (no caso, a implementação do Contributor Covenant pela Fundação Linux pode colocar usuários de Linux em risco com ou sem o protesto dos desenvolvedores). Segundo, peço que a Fundação Linux crie seu próprio código de conduta, em vez de adotar um que venha de fora, e que a criação do código próprio seja democrática, com as vozes dos desenvolvedores sendo ouvidas no processo, visando o melhor interesse daqueles que usam o núcleo. Se isso não for acatado, que se derive (fork) o núcleo. Por último, que todos verifiquem as consequências de seus atos e também dos atos dos outros, para que saibamos quais ativismos são lícitos e quais não são. Afinal, se a consequência de uma atitude é prejudicial até mesmo para aquele que toma a atitude, essa é uma atitude tola… ou trollagem.

7 de abril de 2015

Altas esperanças e escolhas diferentes.

Filed under: Computadores e Internet, Passatempos — Tags:, , , — Yurinho @ 00:13

Why Linux is still not ready for desktop.

Existe um ditado que diz o seguinte: “Se você quer facilidade de uso e personalização, use Windows; se você quer estabilidade e personalização, use GNU/Linux; se você quer facilidade de uso e estabilidade, use Mac OS”. Eu não sei quem escreveu isso nem qual o grau de precisão dessa afirmação, porque nunca usei Mac OS, mas isso resume bem um fato que muitas pessoas parecem se esquecer: sistemas operacionais são diferentes, cada um com suas fraquezas e vantagens, nenhum é igual ao outro e é ingênuo querer um sistema operacional perfeito. Muitas pessoas, quando ouvem falar de Linux, não lhe prestam a devida expectativa. É sempre uma expectativa muito alta ou muito baixa. Quando muito alta, o usuário espera que Linux seja melhor em tudo, o que o desapontará. Quando muito baixa, ele reprova o sistema antes mesmo de usá-lo ou quando encontra o primeiro problema.

No artigo acima, o senhor Nick Farrell explica suas razões para crer que Linux não está pronto ainda para o uso em computadores pessoais. Mas qual o quê? Eu uso GNU/Linux há cinco anos e sempre o achei melhor que Windows em vários sentidos. E eu não sou o único a pensar dessa forma; muitas pessoas estão felizes e satisfeitas usando Ubuntu, Debian, Tails ou Linux Mint, por exemplo, então parece que GNU/Linux está, sim, pronto e dando resultado. Então como é que Nick chegou a uma conclusão tão díspar das experiências de vários usários ao redor do mundo? Simples: ele concluiu segundo sua experiência. Nem todos gostam de Linux e nem todos deveriam usá-lo se há sistemas que melhor suprem suas necessidades. Outro problema que ocorreu ao senhor Nick, é um que acomete a muitos, que é o de usar o Ubuntu como representante universal de todas as distribuições Linux. Assim, para a pessoa que pensa dessa forma, reprovar Ubuntu é reprovar Linux, o que é generalista e desnecessário.

Um problema com essa perspectiva se manifesta logo no começo de seu artigo, quando ele diz que juntar Linux e Adobe Flash Player é uma dor. Juntar Ubuntu e Flash, da última vez que eu tentei, foi mais uma coceirinha (tive que baixar e manualmente colocar o plugin Flash no Firefox), mas isso não é verdade em Linux Mint, o qual vem com Flash e outras tecnologias proprietarias por padrão. Então, ele se apressou demais ao dizer que Linux e Flash são um casal desfuncional, porque existem outros “Linuxes” que fazem o trabalho muito bem.

O resto do artigo cai inteiramente sobre sua experiência própria. Ele diz que o Libreoffice não é capaz de reter corretamente a formatação do Microsoft Office, o que é entendível, mas para pessoas que preferem não piratear ou pagar por software e que usam o Libreoffice em lugar do MS Office isso não é, de forma alguma, um problema. Então, esse não é um julgamento que manifesta uma falha no Libreoffice que é tão grave que o torna inapto para o terreno dos computadores pessoais, mas uma falha que o deixa menos amigável a usuários de MS Office. Libreoffice faz um bom trabalho, mas não se deve esperar que código aberto e código fechado sejam 100% compatíveis logo de cara. Então, se esse não é um problema que afeta a todos, mas um grupo específico de usuários (os de MS Office que precisam reter a formatação entre um programa e outro), não há necessidade de dizer que Libreoffice não é apto para uso em computadores pessoais, por exemplo. O mesmo argumento é válido para sua comparação entre o Photoshop e o Gimp, porque é claro que ele reprovará o Gimp se o que ele estiver tentando fazer realmente só é possível no Photoshop (ou, pelo menos, é mais fácil no Photoshop).

Ubuntu é bom para máquinas normais, tal como a maioria dos sistemas GNU/Linux que se seguiram ao Ubuntu, o qual, apesar de não ter contribuído tanto com o código do Linux, contribuiu e muito para a sua popularização (o que, por sinal, contribuiu para agregar mais contribuidores potenciais à comunidade). Mas Ubuntu ou Linux em geral não é, de forma alguma, perfeito e devemos nos abster de altas esperanças ao tentar algo novo, encarando as mudanças como coisas diferentes, não como melhor ou pior, um julgamento que só deveria ser emitido após devidamente pensado e fundamentado. Julgar algo segundo sua experiência apenas é chamado “opinião” e uma opinião que diz que um sistema operacional não está pronto para uso em computadores caseiros, sendo que vários computadores caseiros o executam e há vários administradores e usuários comuns satisfeitos com ele, não deveria ser levada a sério.

Existem testes online (antes de usar Linux, eu respondi um questionário numa revista que seu propunha a dizer que sistema era melhor para pessoas com minha personalidade) que podem lhe indicar qual sistema é melhor para você. O importante é ficar com aquele com que você se identifica mais e te permite ser mais produtivo, seja ele qual for. Mas deixe em paz os outros que fizeram escolhas diferentes.

3 de janeiro de 2014

Linux Mint Debian Edition 64-bit Cinnamon Edition.

Eu percebi uma coisa: eu não conseguiria passar dez minutos ao lado do meu eu adolescente sem me sentir incomodado; eu falava muito mesmo de religião, mesmo em situações onde isso não cabia. Além do mais, muitas coisas que eu costumava pensar não mais fazem parte do meu sistema atual, então resolvi marcar as opiniões que eu descartei com a palavra-chave “adolescência”. Se você ver essa palavra-chave numa entrada aqui, saiba que já não penso mais da forma como a entrada descreve.

Hoje baixei o Linux Mint e resolvi que mudarei de sistema uma vez por ano, para não ficar muito tempo parado. No dia trinta e um de dezembro de cada ano, dou uma olhada no Distrowatch pra saber qual distribuição é mais popular e então a “testo” por um ano. Hoje não resisti à tentação e brinquei um pouco com o Mint na live session. É muito rápido e suave. Eu achei que Ubuntu era rápido, mas Mint vai muito mais além, especialmente porque estou usando a Debian Edition. Isso mesmo, a versão rolling-release. A principal razão pela qual eu optei pela Debian Edition foi o fato de que eu não preciso reinstalar o sistema a cada semestre porque a versão perderá o suporte; rolling-release é suportado até o projeto morrer. Eu não preciso esperar o novo lançamento da distribuição para obter as versões mais recentes dos programas que eu uso; as versões mais novas são constantemente enviadas. Bom, quase, já que o repositório do Linux Mint Debian Edition só é clonado do Debian Testing uma vez por mês, para que os desenvolvedores tenham tempo de testar tudo. Outra razão é que a versão padrão do Mint é baseada em Ubuntu, o que não é exatamente ruim, mas, no meu caso, é melhor eu evitar; os problemas de lentidão que experimento são muito específicos e podem ter sido herdados pela versão mais recente, Petra.

Mas me foi avisado que o Debian Edition não é tão fácil como o Petra. E de fato as primeiras atualizações quebraram o sistema. Mas isso é fácil de resolver. Se você ficou preso fora da sua conta de usuário porque o Cinnamon não quer mais iniciar depois das atualizações, faça o seguinte:

  1. Na tela em que você digita nome de usuário e senha, aperte Ctrl+Alt+F1 (isso te levará ao tty1, que é uma shell não-gráfica).
  2. Entre nome de usuário e, em seguida, senha do administrador.
  3. Digite sudo apt-get update, acerte enter e digite a senha (se necessário), em seguida enter.
  4. Digite sudo apt-get -f install, acerte enter e digite a senha (se necessário), em seguida enter (isso instalará as dependências faltantes).
  5. As atualizações provavelmente abortaram e não instalaram completamente antes do problema ocorrer, então conserte isso com sudo apt-get upgrade (acerte enter e digite a senha se necessário, em seguida enter).
  6. Finalize com sudo apt-get dist-upgrade, acerte enter e digite a senha (se necessário), em seguida enter.
  7. Limpe o sistema com sudo apt-get clean, sudo apt-get autoclean, sudo apt-get autoremove, que funcionam da mesma forma que as palavras mágicas supracitadas.
  8. sudo reboot.

Eu quebrei o sistema hoje quando ignorei o aviso de que o Linux Mint Debian Edition não é compatível com programas de Ubuntu. A instalação do Xdiagnose removeu um pacote chamado sysvinit, o que me trancou fora do sistema. Tive que formatar. Então, não instale programas para Ubuntu no LMDE, embora seja seguro instalar programas de Debian.

21 de fevereiro de 2012

Quase esqueço o título.

Filed under: Passatempos, Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yurinho @ 19:02

Perfil de gagagliscor’s | SoFurry.

Minhas aulas começam na segunda. Estou ansioso! Até sonho com isso quando durmo.

Finalmente, livre da gaiola do tédio. Ah, sim: tenho jogado Rocket Knight Adventures. Muito bom aquele joguinho, tanto em diversão como eu beleza, música e história simples, porém cativante.

Eu tenho notado uma coisa sobre mim que me incomoda um pouco: eu sou muito diferente dos outros. Por muito tempo eu achei que eu era só um pouco diferente, o que era aceitável, mas agora vejo que estou sempre metido em minorias, estou sempre indo na contra-mão dos grandes grupos.

  • Arte: tradicional, quando todos fazem digital.
  • Sistema operacional: Linux, quando todos usam Windows.
  • Faculdade: filosofia, quando todos fazem qualquer outra coisa.
  • Escolha de profissão: professor, quando todos querem fazer algo lucrativo.
  • Música: eletrônica, embora todos os que se interessam em compor procuram aprender instrumentos físicos ao invés de programas. Mesmo minha música eletrônica vai na contra-mão do que é esperado da música eletrônica; não faço “música de festa”.
  • Religião: nenhuma, quando todo o mundo ao meu redor é católico, protestante, ateu ou testemunha de Jeová.
  • Patada é melhor que yiff.

Pensando a respeito, parece que sempre faço as escolhas erradas ou, no mínimo, inesperadas. As pessoas têm dificuldade entendendo minhas ações. Mas, pondo esses pontos na tela e lendo eles, vejo que não há nada de errado nas escolhas que fiz, mas o fato de ter poucas pessoas que tomam as mesmas direções que eu me faz pensar que talvez eu tenha sido insensato… e me sinto tentado a ser como todo o mundo. Me sinto sozinho e é meio difícil manter-se firme em seus princípios quando não há quem partilhe desses princípios. Você tem que aguentar tudo sozinho.

Mas aí eu lembro por que eu tomei essas decisões e vejo que eu tomei a decisão certa. Mas nem sempre o certo é o mais confortável a ser feito. É como aquele cara do Matrix. Ele havia sido libertado da Matrix para liberar os humanos de uma escravidão exercida pelas máquinas. Mas ele eventualmente traiu seus companheiros; quando ele estava na Matrix, ele vivia de ilusões que o fazia sentir-se bem: comida boa, sexo, água mineral, cama aconchegante e todas essas coisas da sociedade atual. Eram apenas ilusões e, na verdade, ele e o resto da humanidade estavam adormecidos e tendo o mesmo sonho, enquanto as máquinas usavam os humanos como fonte de energia. A coisa certa a ser feita era acordar os humanos para que eles se rebelassem contra as máquinas e as destruíssem, acabando com a guerra em Sião. Mas será que tomar tal tarefa árdua, mesmo sendo a coisa certa, é a melhor escolha a ser feita, considerando que a ilusão parece melhor que o desespero?

Obviamente, não voltarei atrás nas coisas que eu disse. Continuarei fazendo arte tradicional, usando Linux e cursando filosofia porque são decisões que tomei após longa reflexão e que combinam com meus ideais… ou orgulho, no caso da arte. Mas admito que, por enquanto, ser íntegro não me faz bem.

3 de dezembro de 2011

Sutilidade não é necessário.

Filed under: Computadores e Internet, Organizações — Tags:, , , — Yurinho @ 22:16

Debunking Wine Myths – The Official Wine Wiki.

Enquanto eu lia sobre o Wine na Internet, encontrei esta página que pretende desmascarar os mitos a respeito da tal aplicação. Quando você lê esse tipo de artigo, você espera uma aproximação amigável, que propõe paz e flores, mas aí eu li uma coisa que me rachou de rir:

No. The goal of Wine is a full reimplementation of the Windows API which will make Windows unnecessary.

Enquanto a maioria dos sites tenta usar sutilidade, eufemismos e todas as estratégias possíveis para parecerem amigáveis, o pessoal do Wine deixa claro que eles querem matar o Windows. Não que eu ache isso ridículo, o desejo de matar o Windows reside no fundo do coração de todo o ávido usuário de Linux (mesmo que disfarcemos isso embaixo de sutilidade, ha), mas eles não precisavam jogar assim na cara. Fez o meu dia.

6 de outubro de 2011

Steve Jobs está morto.

O fundador da Apple, Steve Jobs, encontrou seu fim. Durante todo esse tempo, eu o odiei com cada fibra do meu ser. Eu detestava a Apple, não porque gosto de Linux, mas porque Steve Jobs mostrava-se (quando mostrava-se) um sem vergonha, um manipulador de interesses, uma entidade sedutora que só queria lhe levar ao fundo da falência, um ladrão de ideias.
Quando fiquei sabendo, não pude evitar: fiquei extremamente feliz. Mas eu fui ensinado que ficar feliz com a morte dos outros é terrível.
Quando a felicidade baixou e a culpa subiu, comecei a me perguntar por que Jobs era daquele jeito. Talvez ele tivesse problemas além da minha compreensão, aflições pessoais perenes, coisas que talvez nunca saberemos devido ao sigilo que ele mantinha sobre sua própria vida. A vida de Jobs era tão misteriosa quanto o próprio UNIX.
Depois de ficar pensando o quão ruim eu sou como pessoa, comecei a imaginar o que Jobs fez de bom. Ele, sem dúvida, ajudou na popularização de sistemas operacionais semelhantes ao UNIX, num tempo em que Linux era extremamente chato e complicado.
Ele está morto, então pedir desculpas agora não vai adiantar. Acho que há uma lição a ser aprendida.

%d blogueiros gostam disto: