Analecto

21 de junho de 2018

Annotations on Locke’s “Two Treaties on Government.”

Filed under: Livros, Notícias e política, Organizações, Passatempos — Tags:, , — Yurinho @ 12:31

Two Treaties on Government was written by John Locke. Below are some thoughts paraphrased from his text.

  1. If monarchical power is paternal in nature, why do kings dominate more than their families?
  2. If monarchy is the government that God has chosen for men, why is God not punishing democracies for existing (on the contrary, the richest nations in the world are often democratic)?
  3. Whenever common sense says, literal interpretation is better than metaphorical.
  4. If we want to prove something based on a textual source, we can not deviate from what the text says.
  5. If the power to start and end wars can only reside in the hands of the monarchs, then all the governments of the world are monarchical.
  6. It is possible to command without necessarily being king.
  7. Every inheritance implies rules to determine the heir.
  8. God would have left rules to determine the succession of Adam’s paternal power if that were important.
  9. If this were relevant and only Adam’s “legitimate” successors could govern something, while we do not know who these “legitimate” successors are, then no government is legitimate.
  10. Speculating on the succession of patriarchal power bestowed on Adam is irrelevant to currently stablished governments.
  11. Letting your firstborn succeed your throne may even be tradition, but it is an idiotic tradition if your firstborn child is stupid.
  12. What’s the point of saying that I should obey without telling who to obey?
  13. And if the father had no children, who would succeed him in a political system based on primogeniture?
  14. Political power is an agreement, not a natural right passed from father to son.
  15. It is possible to buy the birthright (Genesis 25:31), so that the firstborn does not inherit what he was supposed to be “destined” to inherit.
  16. If something is granted conditionally, it is not absolute, obviously.
  17. Moreover, if the kingdom belongs to the offspring of Adam, Jesus could not be king, for the Word already existed before Adam.
  18. If power can only be inherited by a descendant of Adam, then power can be inherited by any human.
  19. Who owns power?
  20. If power can be usurped, then patriarchal power is not inviolable, as it can be taken, even if illegitimately.
  21. There are people who are neither masters nor slaves.
  22. Father and mother are the ones who raise the kid, not necessarily the biological parents.
  23. “Injury” is an offense to one’s right.
  24. The right to inheritance comes from the paternal duty to support the children.
  25. The property of the father passes to the son with the death of the father because society thinks that it’s fair , not because “that is how it was and always will be”.
  26. It is not possible to speak about obedience without mentioning to whom it is due.
  27. If it is paternity that gives us absolute right, then the subject should not obey the monarch absolutely unless the monarch is his father.
  28. “New nothingness” is a novelty that does not change anything.
  29. Parents must agree on the child’s upbringing, and according to the fifth commandment, they have equal authority, so the boy can not turn against his father even on his mom’s command.
  30. Both parents deserve respect, not just the mother.
  31. To use biblical verses abstracted from context to facilitate their arbitrary use is to distort the divine word.
  32. It is a grave sin to kill, especially if it’s done as sacrifice to a pagan god and much more serious if the sacrificed object is your offspring (Psalm 106: 38).
  33. Acts committed by passion are extravagant.
  34. The desire to protect the child takes parents to extremes.
  35. God has given us reproductive power because he wants humanity to be perpetuated.
  36. Other cultures report Genesis’ flood.
  37. The father and the mother make the body of the son, but the life comes from God, therefore to kill someone is usurpation of the divine right.
  38. Affirmations without evidence can be denied even if you are wrong in doing so.
  39. Eve’s submission is a curse made against Eve, not an advantage conferred on Adam.
  40. If Adam were really a monarch, why did he have to work the ground for food?
  41. As Eve sinned first, she was submitted to Adam.
  42. When you have excess of wealth, not helping those in need is sin (James 2:16).
  43. God does not give us the right to dominate another to the point of making them starve if we wish, so it is not possible to use the Holy Bible to justify tyranny.
  44. It is easier to grow and multiply without monarchy.
  45. The Earth belongs to all human beings, as are all its resources, so we have an equal right to nature, so that we can not waste their resources (wasting resources means taking away from someone).
  46. Before considering whether the Bible is actually speaking in metaphors, make sure if the literal does or not make sense.
  47. Using the Bible to condemn philosophers is a tricky business: many philosophers know the Bible better than most religious people.
  48. Using the Bible as an argument against ignorant believers allows one to pass anything as truth.
  49. The human monarchy is a style of government unsuitable for the settlement of the entire earth (Genesis 1:28).
  50. No person can arrogate the Earth to themselves on the basis of natural law.
  51. The philosopher’s position that no human being has a natural right to rule another can be defended by David (Psalms 8: 6), which says that creation was put under our feet (of all mankind) .
  52. Adam and Noah had no authority over other human beings.
  53. Beautiful speech is not always correct.
  54. Possibilities are not things in fact.
  55. There is no monarch without people to rule over.
  56. To say that Adam had a right of sovereignty because he was created first is incorrect: the animals came before (Genesis 1: 25-26).
  57. Adam did not submit to Eve, but God subjected Eve to Adam on the occasion of original sin (Genesis 3:16).
  58. Do not shy away from the question you want to address.
  59. Prove as many assumptions as you can.
  60. There is little credit for the text that is based on an assumption.
  61. Abusing your people leads them to rebellion.
  62. When you do not define something clearly, you end up defining the term by its use throughout the speech.
  63. Laws made by the community are more effective than laws imposed by government.
  64. If you accuse someone of not defining the terms of the speech, you better be able to define your terms in your speech.
  65. If we are born under the authority of our parents, when we become free?
  66. One way of establishing a discourse is by attacking and destroying the current discourse.
  67. Destroying a speech can be done once and for all if its assumptions are destroyed.
  68. Freedom is not always absence of government.
  69. No one can rule anything on the bases of “inheriting Adam’s right to rule”.
  70. The love between people is an incentive to practice politics: if I love the other and this other has a problem that I can solve, why would not I solve his problem?
  71. There are communities still in a state of nature.
  72. Different people have different abilities, so we need each other to survive.
  73. For the philosopher, it is necessary to punish crimes, because we have the duty to watch over as many people as possible and a criminal can do damage to several people.
  74. Although the subjects are submissive to the government, the governments are not submitted to each other.
  75. Polemizing with Pascal , the philosopher points out that there are tribal societies that did not develop any religion.
  76. We only leave the natural state when we join a society.
  77. Wanting absolute power over another person implies declaring war against that person.
  78. Self-defense is a fair remedy from a legal point of view, because, on the verge of death, as life can not be restored by men, the person who was attacked has no time to appeal to the law.
  79. The essence of natural state is the absence of a judge.
  80. Natural freedom consists in not being subject to anyone.
  81. Civil liberty is to submit to state laws because you consented to it, because you saw benefit in it.
  82. Life is not ours, so we can not grant it to another person, through slavery.
  83. It is normal to fall into mistakes that you yourself condemn.
  84. My work force and my body are properly private.
  85. What gives rise to the right to property: the work, the agreement or both?
  86. If we needed permission to catch, for example, food from the ground, we will die in natural state.
  87. The water that flows in the river belongs to everyone, but the water I put in my jar is mine.
  88. Then private property begins when someone appropriates something that once belonged to everyone.
  89. One should not consume more than necessary.
  90. Failure to observe this principle leads to disputes over terrain.
  91. Land tenure is obtainable by contract.
  92. The rarity of something increases its value.
  93. In some parts of the world, the right that you have on your lands expires if you do not use them constructively.
  94. In the past, a person was entitled to what he could use, but now he is entitled to what he can afford, even if he never uses it.
  95. The work spent into manufacture increases the product’s price.
  96. Of all the things we use, only a small part comes from nature without going through human labor (the air we breathe, for example, but even the fruits we buy are harvested, cared for, transported to us, and then sold).
  97. Money has more effect as more people recognize its value.
  98. What made gold and silver measures of value among nations (as a sort of universal currency) were three things: durability, rarity, and difficulty to falsify.
  99. Giving to others what you do not use is better than accumulating unused things.
  100. Better that something be worn out by abuse than by disuse.
  101. The barter of things for gold ended up making gold a convenient currency, thanks to its durability.
  102. The invention of money stimulated the human being to want more than necessary.
  103. That’s because money allows you to buy the desirable possessions of others.
  104. In a community without money and without commerce, each one is left only with what’s enough for them, without generating surplus production.
  105. The existence of money allows you to sell what is not in use, that is, the surplus, in order to get money to buy something else that you want.
  106. The pursuit of money and power, after all, is a quest for security.
  107. Parents’ dominion over their children is temporary.
  108. If people could be happier without law, it would disappear.
  109. The purpose of the law is to give everyone a decent amount of freedom.
  110. The adult is one who has already acquired reason and judgment enough to govern his own life, ie, from this point of view, it is possible to be an adult before the age of eighteen.
  111. If the parents die leaving the child totally alone, this child should be cared by the state, until the tyke finds a new family or until he grows up.
  112. We are freer when we are subject to just laws.
  113. Anyone who does not reach the right level of reason will never be a free adult.
  114. The child should be treated with love, but not without justice.
  115. If the father respects the son, the son will respect the father.
  116. The mother who does not provide assistance to the child (food, education and safety) is a criminal.
  117. Parents should reward their child’s good behavior and punish their bad behavior.
  118. Reward and punishment are excessive when they result in harm to the child’s education, as both too much reward and too much punishment can spoil a child.
  119. If the father controls his son as a monarch controls his people, he jeopardizes his future independence, because the son will remain dependant on parents for a longer time.
  120. The father can give more inheritance to the favorite son.
  121. Parents are the best judges for sibling quarrels.
  122. The first society was between man and woman, then between parents and children, only then between boss and employee.
  123. If the parents divorce, the mother does not necessarily keep the children (it would be interesting if custody of children was decided in a registry office before the marriage, so that they would decide custody matters before marrying, in order to know which child stays with who in case of divorce).
  124. The slave is only treated as a second-class individual because he is not entitled to possessions.
  125. My property: my life, my freedom, my possessions.
  126. Assassins are enemies of the whole of humanity.
  127. In absolute monarchies, the monarch is often unjust: he can do everything with impunity.
  128. The rulers must be under the laws that they write and pass.
  129. Anyone who values ​​his or her life, liberty or property should participate in politics.
  130. Any group of people can set up small governments.
  131. The existence of a government does not affect the freedom of those outside it.
  132. Democracy: the majority decide for everyone.
  133. In a government in which the minority rules, dissensions occur .
  134. A democracy can agree to take decisions only when a certain number of votes beyond the majority is achieved, but should not accept suggestions from a minority of voters.
  135. If there is no record of something, it does not necessarily mean it did not happen.
  136. The development of intellectual abilities can only arise in societies that have already solved survival issues.
  137. The population chooses the ruler.
  138. All monarchies were electives at first.
  139. Government should be exercised by persuasion rather than by violence, for the purpose of government is the well-being of subjects.
  140. In ancient Israel, before the monarchy, there was no great difference between being a judge (governing) and being a war chief.
  141. The constitution of military chief often marks transition between natural state and monarchy.
  142. Governments that are not initiated by the consensus of the people are often initiated by violence.
  143. If we are all born under one government and therefore we are not free to start another, how can the rebellion be explained?
  144. You submit if you need to submit.
  145. Whoever travels is not necessarily a subject of the country where he travels to.
  146. The laws for visitors are reduced, but also are their rights.
  147. The function of the state is to secure property and the common good.
  148. When I become subject to a state, I abdicate my right to punish others.
  149. When I become subject of a state, I abdicate my right to do what I think necessary for my own good or that of others.
  150. What makes a law is the consensus of society, not the arbitrariness of the ruler, at least in a democratic regime.
  151. The State can not expropriate anything of the subjects, unless they consent, since the work of the State is also to guarantee the right of private property.
  152. If the state had the right to take away property when it wished, then, in practice, everything is owned by state and no one has private property.
  153. Any cause involving the expropriation of property is iffy.
  154. The payment of taxes is necessary, but there must be consensus on how much and which taxes to pay, which should be done in a democratic way.
  155. Laws should apply to rich, poor, famous, and anonymous.
  156. Laws should be for the public good.
  157. Laws should not sanction the collection of absurd taxes.
  158. The population must shape the legislature.
  159. If the State does not honor its duties towards the population, neither the population should honor its duties towards the State.
  160. The good of the people is the supreme state law.
  161. If declaring someone innocent won’t harm anyone, declare them innocent.
  162. If the monarch’s interest is not the public good, he is a tyrant.
  163. In this case, the ruler will want to treat his subjects as servants.
  164. If the ruler wants what is best for his people, the population will not about care whatever crime he comitted.
  165. If the judiciary is the defendant, who will judge the cause?
  166. If the monarch is a defendant, who will judge the cause?
  167. The father does not own the son.
  168. Political power, that is, collective power, for the good of all, is sanctioned by a pact between the members of a society.
  169. The father should teach the son how to use his property.
  170. The conquest of territory is not the beginning of government, but the end of an existing government.
  171. If a crime is committed by many it is still a crime.
  172. If the father can not get justice, the son may be able to get it, or maybe the daughter, or maybe the mother, so that the same appeal can be made by everyone in the family, one at a time, until it works out.
  173. In a war, the credit for victory is not just for the general.
  174. Children should not be blamed for their parents’ crimes.
  175. If I go to war against someone and win, I only have the right to what the other has lost.
  176. If you have less duties, you have less rights.
  177. God, being extremely righteous, will want to fulfill the promises he makes.
  178. The conquest is the taking of government by a foreigner, while the usurpation is the taking of government by a citizen.
  179. If there is no criterion of monarch’s choice, anyone can be.
  180. Tyrant is a corrupt politician.
  181. The king is not above the agreements he makes with his subjects.
  182. Corruption of government occurs not only in the monarchy, but also in the aristocracies, democracies and relations between citizens .
  183. If I receive inheritance from my father and my brother receives another part of the inheritance, I can not take my brother’s share.
  184. Abuse of power by police is as bad as abuse of power by politicians, and it’s not something less horrid just because the power of police has smaller reach.
  185. Unless it is for the good of all, the police should not have the right to invade my house.
  186. If someone tries to assassinate me, I do not have time to call the authorities, so resisting is self-defense, thus legit.
  187. The politician who attracts the suspicion of the people is already dead.
  188. There is a difference between the dissolution of government (deposing rulers) and dissolution of society (returning to the natural state).
  189. It is possible for society to dissolve without the rulers realizing it.
  190. War and unacceptable laws cause dissolution of society.
  191. If a ruler hands over the power to a foreigner, he ends the government.
  192. The population has the right to avoid tyranny and to get rid of it.
  193. Using the police, public money, or state offices to corrupt politics is something worth rebellion.
  194. Some politicians are stupid enough to let their malicious intentions show up.
  195. Voting without taking the debate seriously enough is a sign of malicious intent.
  196. The population should call a new legislature whenever they feel like it.
  197. If the people have a good reason to hate the government to which they are subjected, they may, if they wish, rebel.
  198. If the legislature changes to the taste of the people, the people have no reason to rebel: whatever goes bad is only their fault.
  199. To use force without authority is declaring war.
  200. Anyone who applies a coup against the government is guilty of all the evil that follows the coup, and those who backed the coup are guilty as well.
  201. There is difference between rebellion (attack) and resistance (defense).
  202. Resistance can not last forever; rebellion is necessary.
  203. In a war between people and ruler, one is not superior to the other.
  204. If the king wants to destroy the people, he ceases to be king.
  205. If the king happens to be submissive to another person, he ceases to be king.
  206. People should judge the ruler’s crimes.
  207. The should interpret the laws.

17 de agosto de 2016

Anotações sobre a “Carta Sobre a Tolerância”.

A “Carta Sobre a Tolerância” foi escrita por Locke. Abaixo, algumas anotações sobre essa carta. Elas não necessariamente refletem minha opinião sobre o assunto. Quaisquer perguntas podem ser feitas nos comentários.

  1. A tolerância entre cristãos é sinal distintivo de uma verdadeira igreja, em sentido tradicional da palavra como “coletivo de cristãos”.
  2. O cristão que não se comporta como cristão não é cristão, mesmo sendo batizado, por exemplo.
  3. As ações revelam o cristão, não o endereço da igreja onde se congrega.
  4. Se você não se esforça em amar o próximo, não está tão preocupado com sua salvação, quanto mais com a dos outros.
  5. Por exemplo: pastores que cometem todo o tipo de loucura claramente errada de um ponto de vista bíblico, são, propriamente, cegos guiando cegos, porque, não querendo a salvação eterna, se atrevem a guiar aqueles que querem (Mateus 15:14).
  6. Não se deve perseguir ninguém.
  7. Não se deve converter à força.
  8. No dia do julgamento, Jesus julgará um por um (Apocalipse 20:12), e não igreja por igreja, o que significa que a controvérsia sobre qual igreja é a correta não é importante..
  9. Não se deve pregar contra os católicos, contra os ortodoxos, contra os protestantes, mas contra o roubo, contra o adultério, contra o assassinato…
  10. A conversão não deve ser forçada pela força individual, pelo exército ou pelo Estado.
  11. Por causa disso, não se deve misturar Igreja e Estado.
  12. O Estado não deve, nem pode, “cuidar das almas”.
  13. Isso porque o poder estatal é coercitivo material, não tendo, portanto, nenhum poder sobre o espírito.
  14. Além do mais, Deus não deu ao Estado o direito de impor a religião, exceto no judaísmo.
  15. O Estado regula este mundo, mas não tem poder sobre o outro.
  16. Além do mais, leis mudam de país para país, o que não é compatível com a natureza eterna do divino.
  17. A Igreja é uma associação voluntária de homens livres que procuram juntos a salvação eterna através de Cristo.
  18. Não é estranho que igrejas tenham regras diferentes, como condições de exclusão, distribuição de cargos e datas de reunião, na medida em que essas regras particulares não sejam cridas como meio de salvação.
  19. Não há necessidade de bispo descendente de apóstolo para que Cristo esteja entre nós (Mateus 18:20).
  20. Há diferentes igrejas, vá pra qual você achar melhor, mas tenha em mente que não é essa escolha que te salvará.
  21. Há mais chance de se salvar lendo a Bíblia do que indo pra igreja.
  22. Eu não posso excluir da minha igreja alguém que Cristo não excluiria da vida eterna.
  23. Os cristãos não deveriam perseguir, mas pelo contrário: Jesus disse que os cristãos seriam perseguidos.
  24. Tal como o Estado deve se aparelhar para o bem-estar material do povo, a Igreja deve se aparelhar para seu bem-estar espiritual, o que significa que a igreja não deve impor aos fieis nenhuma regra que não tenha essa finalidade.
  25. Deixe a punição pra Deus.
  26. O Estado deve tratar todos de maneira igual, independente do credo.
  27. Se eu devo amar meus inimigos (Lucas 6:27), quanto mais os que não me fizeram nenhum mal.
  28. O papa não deveria ser rei e nem pastor deveria ser deputado.
  29. Se alguém não vai pra igreja ou pro culto, é problema dele; não cabe a mim punir o pecado do outro (João 8:7).
  30. Observe como a dissidência entre cristãos é sobre coisas de pouca importância.
  31. Se só houver uma igreja “certa”, ninguém sabe qual é, então a minha escolha não é condenável.
  32. Eu não sou obrigado a acreditar em ninguém em matéria de salvação, mas na revelação apenas.
  33. É muita presunção filiar todos à igreja do presidente.
  34. Se Igreja e Estado fossem a mesma coisa, isso seria um desastre em termos de culto: as práticas da religião poderiam mudar dependendo de quem está na administração estatal.
  35. Cultuar por obrigação não produz salvação.
  36. A religião só é frutífera se o fiel acredita que ela é a verdadeira.
  37. Não se deve exigir dos fieis algo que Deus não exige.
  38. Aquilo que é ilegal não deve ser parte de nenhum culto dentro do território onde tal comportamento é ilegal.
  39. Você não pode serlegitimamente roubado por motivo religioso.
  40. Se Igreja e Estado se fundem, quem não é cristão pode ter seus bens, liberdade e vida sob risco.
  41. Será que se Estado e Igreja se fundissem, os políticos corruptos seriam perseguidos por manifestarem cobiça ou será que usariam a oportunidade para aumentar ainda mais suas posses?
  42. Um ateu não pode ser obrigado a crer.
  43. A verdade pode ser descoberta sozinha, mas o engano precisa ser mantido por mais de uma pessoa ao mesmo tempo para se perpetuar.
  44. O cristão deve converter os outros, mas não deve usar a força pra isso.
  45. A vida em sociedade é mais longa.
  46. Se o Estado é democrático e a maior parte da população é cristã, ele provavelmente não entrará em conflito com a Igreja.
  47. Se o Estado prescreve algo que a Igreja condena, o fiel realmente fiel preferirá ser punido pela lei do que pecar.
  48. Se uma igreja quer ter privilégios legais sobre as outras ou sobre quem é ateu, deve ter esse interesse combatido.
  49. Uma igreja que não tolera as outras provavelmente está mais interessada em conseguir fieis pra sua denominação do que realmente salvar as almas do rebanho.
  50. A tolerância religiosa deve se tornar lei.
  51. Uma igreja não deve receber benefício estatal.
  52. O Evangelho não sanciona a exclusão social com base em religião.
  53. A existência de outras religiões não necessariamente é uma ameaça aos cristãos.
  54. Os cristãos promovem má fama ao cristianismo.
  55. Melhor ler a Bíblia Sagrada em casa do que ir à igreja.

12 de agosto de 2016

Anotações sobre os “Dois Tratados Sobre o Governo”, de Locke.

Dois Tratados sobre o Governo foi escrito por John Locke. Abaixo, alguns pensamentos parafraseados desse texto.

  1. Se o poder monárquico é de natureza paterna, por que os reis dominam mais que suas famílias?
  2. Se a monarquia é o governo que Deus escolheu para os homens, porque ele não pune as democracias (pelo contrário, as nações mais ricas do mundo frequentemente são democráticas)?
  3. A interpretação mais clara é preferível à mais obscura.
  4. Se queremos provar algo com base em uma fonte textual, não podemos nos pronunciar sobre o que o texto não diz.
  5. Se o poder de começar e terminar guerras só pode residir na mão dos monarcas, então todos os governos do mundo são monárquicos.
  6. É possível comandar sem ser necessariamente rei.
  7. Toda herança implica regras para determinar o herdeiro.
  8. Deus teria deixado regras para determinar a sucessão do poder paterno de Adão se isso fosse importante.
  9. Se isso fosse algo relevante e só os sucessores “legítimos” de Adão pudessem governar alguma coisa, ao passo que não sabemos quem são esses “legítimos” (supondo que não seja todo o mundo, o que já é errado), então nenhum governo é legítimo.
  10. Especular sobre a sucessão do poder patriarcal concedido a Adão não põe nem tira ninguém do trono.
  11. Deixar que seu primogênito suceda seu trono pode até ser tradição, mas é uma tradição idiota se seu primogênito for um babaca.
  12. Qual o sentido de dizer que eu devo obedecer sem dizer a quem obedecer?
  13. E se o pai não tivesse filhos, quem o sucederia num sistema político pautado em primogenitura?
  14. O poder político é um acordo, não um direito natural passado de pai pra filho.
  15. É possível comprar o direito de primogenitura (Génesis 25:31), de forma que o primogênito não receba o que deveria receber.
  16. Se algo é concedido condicionalmente, não é absoluto, óbvio.
  17. Além do mais, se o reino pertence à descendência de Adão, Jesus não poderia ser rei, pois o Verbo já existia antes de Adão.
  18. Se o poder só pode ser herdado por um descendente de Adão, então o poder pode ser herdado por qualquer humano.
  19. A quem pertence o poder?
  20. Se o poder pode ser usurpado, então o poder patriarcal não é inviolável, pois pode ser tomado, mesmo que ilegitimamente.
  21. Existem pessoas que não são nem senhores e nem escravos.
  22. Pai e mãe são os que criam, não necessariamente os que geram.
  23. “Injúria” é ofensa ao direito de alguém.
  24. O direito à herança vem do dever paterno de sustentar os filhos.
  25. A propriedade do pai passa para o filho com a morte do pai porque a sociedade acha isso justo, não porque “é assim que foi e sempre será”.
  26. Não é possível discorrer sobre obediência sem mencionar a quem ela é devida.
  27. Se é a paternidade que nos dá direito absoluto, então o súdito não deve obediência absoluta ao monarca a menos que este seja seu pai.
  28. “Novo nada” é uma novidade que não muda nada.
  29. Os pais devem estar de acordo na criação do filho e, segundo o quinto mandamento, eles têm igual autoridade, de forma que o filho não pode desrespeitar o pai nem se a mãe mandar.
  30. Ambos os pais merecem respeito, não somente a mãe.
  31. Usar versos bíblicos abstraídos do contexto para facilitar seu uso arbitrário é distorcer a palavra divina.
  32. É grave pecado matar, especialmente se for como sacrifício a um deus pagão e muito mais grave se o sacrifício for os filhos (Salmos 106:38).
  33. Atos cometidos pela paixão são extravagantes.
  34. O desejo de proteger o filho leva os pais a extremos.
  35. Deus nos deu capacidade reprodutiva porque ele quer que a humanidade se perpetue.
  36. Outros povos relatam o dilúvio.
  37. O pai e a mãe fazem o corpo do filho, mas quem dá a vida e a razão é Deus, portanto matar alguém é usurpação do direito divino.
  38. Afirmações sem provas podem ser negadas até sem razão.
  39. A submissão de Eva é uma maldição feita contra Eva, não uma vantagem conferida a Adão.
  40. Se Adão fosse mesmo monarca, porque ele deveria trabalhar para comer?
  41. Como Eva pecou primeiro, ela foi submetida a Adão.
  42. Tendo excesso, não ajudar quem tem falta é pecado (Tiago 2:16).
  43. Deus não nos dá o direito de dominar outro a ponto de matá-lo de fome se desejarmos, então não é possível usar a Bíblia Sagrada pra justificar a tirania.
  44. É mais fácil crescer e se multiplicar sem monarquia.
  45. A Terra é de todos os seres humanos, tal como são todos os seus recursos, então temos igual direito à natureza, de forma que não podemos desperdiçar seus recursos (desperdício é tirar de alguém).
  46. Antes de cogitar se a Bíblia está se manifestando por metáforas, verifique se o significado literal faz sentido.
  47. Usar a Bíblia para condenar filósofos é um negócio complicado: muitos filósofos conhecem a Bíblia melhor que a maioria dos religiosos.
  48. Usar a Bíblia como argumentação contra fieis ignorantes permite provar o que quer que o orador queira.
  49. A monarquia humana é um estilo de governo impróprio para o povoamento da Terra inteira (Génesis 1:28).
  50. Nenhum ser humano pode arrogar a Terra para si com base no direito natural.
  51. A posição do filósofo de que nenhum ser humano tem direito natural de governar outro pode ser defendida por Davi (Salmos 8:6), o qual diz que a criação foi posta sob nossos (da humanidade inteira) pés.
  52. Adão e Noé não tinham autoridade sobre outros seres humanos.
  53. Discurso bonito nem sempre está correto.
  54. Possibilidades não são coisas de fato.
  55. Não existe monarca sem súditos.
  56. Dizer que Adão tinha direito de soberania porque fora criado primeiro está incorreto: os animais vieram antes (Génesis 1:25-26).
  57. Adão não submeteu Eva, mas Deus submeteu Eva a Adão por ocasião do pecado original (Génesis 3:16).
  58. Não se esquive da questão que você quer tratar.
  59. Prove tantos pressupostos quanto puder.
  60. Pouco crédito merece o texto que se funda numa suposição.
  61. Abusar dos súditos os leva à rebelião.
  62. Quando você não define algo de maneira clara, acaba definindo o termo pelo seu uso ao longo do discurso.
  63. As leis baixadas pelo governo são menos eficazes do que as leis firmadas entre a própria comunidade.
  64. Se você acusa alguém de não definir os termos do discurso, é bom que você defina os seus pra não passar por hipócrita.
  65. Se nascemos sob a autoridade de nossos pais, quando nos tornamos livres?
  66. Uma das formas de estabelecer um discurso é atacando e destruindo o discurso vigente.
  67. Destruir um discurso pode ser feito de uma vez por todas se seus pressupostos forem destruídos.
  68. Liberdade nem sempre é ausência de governo.
  69. Mesmo que exista um único detentor do direito paterno de Adão, não necessariamente o detentor dessa autoridade, se existir, torna-se governante por virtude dela.
  70. O governo dos hebreus podia muito bem ser aristocrático ou democrático representativo.
  71. O poder político reside nos três poderes: legislativo (faz as leis), executivo (aprova ou rejeita as leis) e judiciário (juízes, advogados, promotores).
  72. O amor entre as pessoas é um incentivo à prática da política: se eu amo o outro e esse outro tem um problema que eu posso resolver, por que eu não resolveria o dele?
  73. Existem comunidades ainda em estado de natureza.
  74. Pessoas diferentes têm capacidades diferentes, de forma que precisamos um do outro pra sobreviver.
  75. Para o filósofo, é preciso que os crimes sejam punidos, porque temos o dever de zelar por tantas pessoas quanto for possível e um criminoso pode causar dano à várias pessoas.
  76. Embora os súditos estejam submissos ao governo, os governos não estão submetidos uns aos outros.
  77. Polemizando com Pascal, o filósofo aponta que existem sociedades tribais que não desenvolveram religião nenhuma.
  78. Só saímos do estado de natureza quando nos filiamos à alguma sociedade.
  79. Querer poder absoluto sobre outra pessoa implica entrar em guerra com ela, se ela preza sua liberdade.
  80. A legítima defesa é um recurso justo de um ponto de vista jurídico, porque, na iminência da morte, sendo a vida um bem que os humanos não podem restituir, o agredido não tem tempo para apelar à lei.
  81. A essência do estado de natureza é a ausência de juiz.
  82. A liberdade natural consiste em não estar sujeito a ninguém.
  83. A liberdade civil é se submeter às leis estatais porque você consentiu com isso, porque viu benefício nisso.
  84. A vida não é nossa, então não podemos concedê-la para outra pessoa, pela via da escravidão.
  85. É normal cair em erros que você mesmo condena.
  86. A minha força de trabalho e meu corpo são propriamente privados.
  87. O que origina o direito à propriedade: o trabalho, o acordo ou os dois?
  88. Se precisássemos de permissão pra apanhar, por exemplo, comida do chão, morreremos no estado de natureza.
  89. A água que corre no rio é de todos, mas a água que eu colocar no meu jarro é minha.
  90. Então, a propriedade privada começa quando alguém se apropria de algo a que antes todos tinham direito.
  91. Não se deve consumir mais que o necessário, ou seja, não podemos tirar, por egoísmo, algo que não vamos usar do domínio comum.
  92. Não observar esse princípio leva à disputas inclusive de terreno.
  93. A posse de terras é obtenível pelo contrato.
  94. A raridade de algo aumenta seu valor.
  95. Em alguns lugares do mundo, o direito que o senhor tem sobre suas terras expira se ele não usá-las de forma construtiva.
  96. Antigamente, a pessoa tinha direito ao que pudesse usar, mas agora, a pessoa tem direito ao que puder pagar, mesmo que nunca use.
  97. O trabalho estabelece a diferença de valor de cada coisa, de forma que algo vale mais quanto mais trabalho der pra fazer.
  98. Terra plantada vale mais que terra bruta.
  99. De todas as coisas que usamos, apenas uma pequena parte vem da natureza sem passar pelo trabalho humano (o ar que respiramos, por exemplo, mas até as frutas que compramos são colhidas, cuidadas, transportadas até nós, para então ser vendidas).
  100. O dinheiro tem mais efeito quanto mais pessoas reconhecerem seu valor.
  101. O que tornou o ouro e a prata medidas de valor entre as nações (como uma espécie de moeda universal) foram três coisas: durabilidade, raridade e dificuldade de falsificação.
  102. Dar pra outro o que você não usa é um melhor do que acumular sem usar.
  103. Melhor que algo se desgaste por abuso, do que por desuso.
  104. O escambo de coisas por ouro acabou tornando o ouro uma moeda conveniente, por sua durabilidade.
  105. A invenção do dinheiro estimulou o ser humano a querer mais que o necessário.
  106. Isso porque o dinheiro permite comprar as posses desejáveis dos outros.
  107. Numa comunidade sem moeda e sem comércio, cada um fica apenas com o que lhe basta, sem gerar excedente de produção.
  108. A existência do dinheiro permite vender o que não está em uso, isto é, o excedente, a fim de obter dinheiro para comprar outra coisa que se venha a querer.
  109. A busca por dinheiro e poder, no fim das contas, é uma busca por segurança.
  110. O domínio dos pais sobre os filhos é temporário.
  111. Se as pessoas pudessem ser mais felizes sem lei, ela desapareceria.
  112. A lei tem por função dar a todos uma quantidade decente de liberdade.
  113. O adulto é aquele que já adquiriu razão e juízo o bastantes para governar sua própria vida, ou seja, por esse ponto de vista, é possível ser adulto antes dos dezoito anos.
  114. Se os pais morrem deixando o filho totalmente só, essa criança passa a ser responsabilidade do Estado, até que este encontre uma nova família para a criança ou até que a criança adquira razão suficiente para conduzir sua vida.
  115. Somos mais livres quando submetidos a leis justas.
  116. Quem não chegar ao nível suficiente de razão nunca será um adulto livre.
  117. O filho deve ser tratado com amor, mas não sem justiça.
  118. Se o pai respeita o filho, será respeitado por ele.
  119. A mãe que não presta assistência ao filho (alimentação, educação e segurança) é uma criminosa.
  120. Os pais devem recompensar o bom comportamento do filho e punir seu mau comportamento.
  121. A recompensa e a punição são excessivas quando redundam em dano para a educação do filho, pois tanto recompensa demais quanto punição demais o estragam.
  122. Se o pai controla o filho como um monarca controla seu povo, põe em risco sua independência futura, porque o filho não saberá se virar sem os pais.
  123. Exigir servidão por serviço prestado é extorsão ou chantagem.
  124. O pai pode dar mais herança ao filho favorito.
  125. “Piedade” é respeito aos pais.
  126. Os pais são os melhores juízes para desavenças entre irmãos.
  127. A primeira sociedade foi entre homem e mulher, depois entre pais e filhos, só então entre cliente e servidor.
  128. Se os pais se divorciam, a mãe não necessariamente fica com os filhos (seria interessante se a guarda dos filhos, em caso de separação, fosse decidida em cartório antes do matrimônio).
  129. O escravo só é tratado como indivíduo de segunda classe porque não tem direito a ter posses.
  130. Minha propriedade: minha vida, minha liberdade, meus bens.
  131. O fim do estado de natureza está condicionado à eleição de um juiz.
  132. Assassinos são inimigos da humanidade inteira.
  133. Em monarquias absolutas, o monarca é frequentemente injusto: pode fazer tudo impunemente.
  134. Os governantes devem estar sob as leis que estabelecem para a população.
  135. Qualquer pessoa que preza por sua vida, liberdade ou bens deveria participar da política.
  136. Qualquer grupo de pessoas pode fundar pequenos governos.
  137. A existência de um governo não afeta a liberdade dos que estão fora dele.
  138. Democracia: a maioria decide pelos demais.
  139. Num governo em que a minoria decide, ocorrem dissensões.
  140. Uma democracia pode concordar em tomar decisões somente quando um certo número de votos além da maioria é atingido, mas não deveria aceitar sugestões de um número de indivíduos que constitui a minoria.
  141. Se não há registro de algo, isso não necessariamente significa que não aconteceu.
  142. O desenvolvimento de habilidades intelectuais só pode surgir em sociedades que já resolveram questões de sobrevivência.
  143. A população escolhe o governante.
  144. Todas as monarquias foram eletivas no começo.
  145. O governo deve ser exercido pela persuasão mais do que pela violência, porque o objetivo do governo é o bem-estar dos súditos.
  146. Em Israel, antes da monarquia, não havia grande diferença entre ser juiz (governar) e ser chefe de guerra.
  147. A constituição de chefe militar muitas vezes marca transição entre estado de natureza e monarquia.
  148. O rei, em Israel, era sobretudo general.
  149. A monarquia é campo de muitas misérias.
  150. Os governos que não se iniciam pelo consenso do povo frequentemente se iniciaram pela violência.
  151. Se nascemos todos sob um governo e por isso não temos liberdade de iniciar outro, como se explica a rebelião?
  152. Você se submete segundo sua necessidade.
  153. Quem viaja não necessariamente é súdito do país para o qual viaja.
  154. As leis para visitantes são reduzidas, mas também seus direitos.
  155. A função do Estado é assegurar a propriedade e o bem comum.
  156. Quando me torno súdito de um Estado, abdico do meu direito de punir os outros.
  157. Quando me torno súdito de um Estado, abdico do meu direito de fazer o que achar necessário para meu próprio bem ou dos outros.
  158. O que faz uma lei ser uma lei é o consenso da sociedade, não a arbitrariedade do governante, ao menos em um regime democrático.
  159. O Estado não pode expropriar nada dos súditos, a menos que estes consintam, uma vez que o trabalho do Estado é também garantir o direito de propriedade privada.
  160. Se o Estado tivesse o direito de tirar propriedades quando quisesse, então, na prática, tudo é do Estado e ninguém tem propriedade privada.
  161. Qualquer causa que envolva expropriação de bens é suspeita.
  162. O pagamento de impostos é necessário, mas deve haver consenso sobre quanto e quais impostos pagar, o que deveria ser feito de maneira democrática.
  163. As leis devem valer para ricos, pobres, famosos e anônimos.
  164. As leis devem destinar-se ao bem público.
  165. As leis não devem sancionar a cobrança de impostos absurdos.
  166. Já que só se fazem leis de tempos em tempos, não há necessidade de legislativo permanente: seria interessante se, depois que terminam de elaborar e votar determinada lei ou conjunto de leis, os legisladores voltassem às suas vidas e outro corpo legislativo, com outros integrantes, fosse convocado para decidir outra lei ou conjunto de leis no futuro.
  167. Embora o legislativo não seja permanente, o executivo precisa ser.
  168. A população deve moldar o legislativo, escolhendo quem entra e quem sai.
  169. Se o Estado não honra seus deveres para com a população, tampouco a população deve honrar seus deveres para com o Estado.
  170. O bem do povo é a suprema lei estatal.
  171. Se um crime é cometido para o bem do povo, deveria ser perdoável.
  172. Se a absolvição de alguém não causará mal a ninguém, que seja absolvido.
  173. Se o interesse do monarca não é o bem público, é um tirano.
  174. Nesse caso, o governante quererá tratar os súditos como servos.
  175. Se o governante quisesse o bem público, a população não iria se importar com o que quer que ele fizesse, mesmo que fosse criminoso.
  176. Se o judiciário é réu, quem julga?
  177. Se o monarca é réu, quem julga?
  178. O pai não é dono do filho.
  179. O poder político, isto é, coletivo, para o bem de todos, é sancionado por pacto entre os integrantes de uma sociedade..
  180. O pai deve ensinar ao filho como usar sua propriedade.
  181. A conquista de território não é início de governo, mas fim de um governo existente.
  182. Os pactos motivados pelo medo são inválidos.
  183. Se um crime é cometido por muitos ainda é um crime.
  184. Se o pai não consegue justiça, o filho talvez consiga, ou talvez a filha, ou talvez a mãe, de forma que o mesmo apelo pode ser feito por todos na família, um de cada vez, até dar certo.
  185. Numa guerra, o crédito da vitória não é só do general.
  186. Os filhos não devem ser culpados pelos crimes dos pais.
  187. Se eu entro em guerra com alguém e venço, só tenho direito àquilo que o outro perdeu.
  188. Desonrar os deveres acarreta perda de direitos.
  189. Deus, sendo sumamente justo, quererá cumprir as promessas que faz.
  190. A conquista é a tomada do governo por um estrangeiro, enquanto que a usurpação é a tomada do governo por um cidadão.
  191. Se não houver critério de escolha do monarca, qualquer um pode ser.
  192. Tirano é político corrupto.
  193. O rei não está acima dos acordos que faz com seus súditos.
  194. Corrupção de governo não ocorre somente na monarquia, mas também nas aristocracias, democracias e relações entre cidadãos.
  195. Se eu recebo herança de meu pai e meu irmão recebe outra parte da herança, eu não posso tomar a parte do meu irmão.
  196. O guarda que abusa de seu poder não é melhor que o rei que abusa do poder dele só porque seu abuso tem menor alcance.
  197. A menos que seja para o bem de todos, a polícia não deveria ter o direito de invadir minha casa.
  198. Se alguém tenta me assassinar, eu não tenho tempo de chamar as autoridades, então resistir é legítima defesa.
  199. O político que atrai a suspeita do povo está lascado.
  200. Há diferença entre dissolução do governo (depor os governantes) e dissolução da sociedade (voltar ao estado de natureza).
  201. É possível a sociedade se dissolver e os governantes não se darem conta.
  202. Guerra e leis inaceitáveis causam dissolução da sociedade.
  203. Não são os nomes ou a reputação dos governantes que faz o governo, mas sim suas ações.
  204. Se um governante entrega o poder a um estrangeiro, acabou com o governo.
  205. A população tem direito de evitar a tirania e de se livrar dela.
  206. Usar a polícia, o dinheiro público ou a concessão de cargos para corromper a política é causa de rebelião.
  207. Alguns políticos são descarados o bastante para deixar transparecer suas intenções maliciosas.
  208. Votar sem levar o debate com a devida seriedade é sinal patente de má intenção.
  209. A população deveria convocar um novo legislativo sempre que sentir vontade.
  210. Se o povo tiver uma boa razão pra odiar o governo a qual está submetido, ele pode, se quiser, se rebelar.
  211. Se o legislativo muda ao sabor do povo, o povo não tem razão de se rebelar: o que quer que saia de ruim é culpa dele apenas.
  212. Usar a força sem autoridade já é entrar em guerra.
  213. Quem aplica golpe contra o governo é culpado de todo o mal que se segue ao golpe, bem como são culpados os que apoiaram o golpe.
  214. Há diferença entre rebelião (ataque) e resistência (defesa).
  215. A resistência não pode se manter pra sempre; a rebelião se faz necessária.
  216. Numa guerra entre povo e governante, um não é superior ao outro.
  217. Se o rei, de caso pensado, quer destruir o povo, deixa de ser rei.
  218. Se o rei passa a ser submisso a outra pessoa, deixa de ser rei.
  219. O juiz do político é o povo.
  220. O povo pode interpretar as leis.

17 de julho de 2016

Anotações sobre o “Ensaio Sobre o Entendimento Humano”, de Locke.

“Ensaio Sobre o Entendimento Humano” foi escrito por John Locke. Abaixo, algumas anotações que fiz sobre o texto dele. As anotações não são citações.

  1. A grande diferença entre animal e vegetal é a percepção.
  2. Prazer e dor nos movimentam.
  3. O prazer e a dor guiam nossas ações.
  4. Se uma gota d’água estivesse compactada de tal maneira que fosse impossível mover suas partículas em qualquer direção, ela seria impenetrável.
  5. Devem existir outros seres com mais sentidos que o ser humano.
  6. Não é possível obter ideias simples de outra forma além dos sentidos e da reflexão.
  7. Existem dois tipos de ideias, para o filósofo: as simples (vinda diretamente dos sentidos ou da reflexão) e as complexas (obtidas pela combinação de ideias simples ou pela subtração de características, ideias processadas enfim).
  8. O fato de alguém me dizer que eu estou sempre pensando não prova que realmente estou.
  9. Nem sempre pensamos.
  10. A criança está interessada no que há fora de si e em seu corpo, nos dados sensoriais.
  11. Afora os sentidos, a reflexão é o único meio de obter conhecimento puro.
  12. O filósofo chama de “reflexão” o ato da mente tomar a si própria como objeto.
  13. Embora todas as ideias tenham sua raiz primordial na sensação, é possível obter ideias novas pela combinação de ideias que já juntamos ou pela subtração de suas características dessa ideias em nossas mentes.
  14. Ideia é conteúdo mental.
  15. Se seu argumento não é infalível, ao menos seja coerente consigo mesmo.
  16. Não diga que algo é inato; prove que é.
  17. Ninguém nasce tendo fé.
  18. Não formamos ideias de fome ou sede antes de sentirmos fome ou sede.
  19. Se os princípios inatos podem ser corrompidos e já há pessoas corrompidas, então esses princípios já não são mais universais.
  20. Se os princípios morais de justiça, verdade e coisas que tais fossem inatos, estando em nossas mentes o tempo todo, como é que quebramos esses princípios com tanta facilidade, de caso pensado, mesmo depois que os aceitamos?
  21. Virtudes são sancionadas por sua utilidade.
  22. Para que algo seja considerado justo, precisa ser provado justo.
  23. Os princípios de justiça variam conforme a comunidade.
  24. Também os ladrões têm compromissos a honrar.
  25. O fato de uma verdade ser evidente não a prova como inata.
  26. Se é inato tudo aquilo que é universalmente aceito, então várias ideias triviais são inatas.
  27. A razão se desenvolve pelo exercício sensorial, mnemônico, abstrato e linguístico.
  28. Processo de conhecimento para o filósofo.
    1. Os sentidos captam os objetos (lembrando que, em filosofia, objeto é tudo aquilo que é estudado por um sujeito ou com o qual ele entre em contato).
    2. Nossa mente forma conceitos a partir dos objetos.
    3. Esses conceitos vão para a memória, onde são nomeados.
    4. Quando invocados da memória, os conceitos podem ser estudados abstraídos dos objetos que os originaram.
    5. A linguagem é formada pelos conceitos nomeados, que são sofisticados conforme a memória é preenchida.
  29. Verdades obviamente lógicas são ignoradas por muita gente, que nunca se deu ao trabalho de pensar nesses assuntos.
  30. Os argumentos a favor do inatismo frequentemente discordam com o significado do termo “inatismo”.
  31. Raciocinar é deduzir uma informação nova a partir de informações já conhecidas.
  32. Se Platão estivesse certo, então já sabemos tudo, só que esquecemos, ou seja, é o mesmo que nada, já que esquecer é perder conhecimento.
  33. “Existe tudo aquilo que existe” e “aquilo que existe no dado instante não pode deixar de existir neste dado instante” não são preceitos inatos.
  34. A unanimidade não constitui prova.
  35. O conceito de ideia inata é desnecessário, á que o conteúdo de uma ideia supostamente inata pode ser ensinado.
  36. Nenhuma ideia nasce conosco.
  37. “Ideia” é conteúdo mental.
  38. Se podemos agir sobre algo, esse algo é conhecível naquilo sobre o que podemos agir.
  39. Se tivermos um critério justo de avaliação sobre o que podemos e o que não podemos conhecer, o ceticismo (a doutrina segundo a qual não existe conhecimento seguro) perderá o sentido.
  40. Se existirem mesmo coisas que não podemos conhecer, isso não justifica que não tentemos conhecer aquilo que podemos.
  41. Deus nos deu condições universais de subsistência, então, se tem alguém passando fome é porque sua comida está sendo roubada, mesmo que indiretamente, por alguém.
  42. Ele quer saber até onde vai nosso entendimento, o que implica um pressuposto de que existem coisas que a mente humana não pode conhecer.
  43. Método: investigar de onde vêm as ideias (conteúdos mentais), qual sua extensão, e o que caracteriza a fé ou opinião de que algo é verdadeiro sem provas.
  44. Objetivos: diferenciar conhecimento e opinião, obter um método de estudo, obter um meio de moderar discussões sobre coisas incertas.
  45. Saber o que é o entendimento é fundamental para delinear o caminho ao conhecimento seguro.
  46. Corrigir erros e mal-entendidos também ajuda no progresso científico.
  47. Quando se publica alguma coisa, tem que ser numa linguagem que um monte de gente entenda.
  48. As pessoas que mais aproveitarão o Ensaio são aquelas que se aproximam da condição do filósofo: estudantes que praticam filosofia como passatempo.
  49. O livro pode ser resumido.
  50. A inspiração do livro foi uma conversa entre amigos.
  51. Este livro foi escrito para que o filósofo pudesse manter registro de sua própria reflexão sobre o assunto (o entendimento humano).
  52. As memórias que são lembradas mais facilmente são as de eventos muito prazerosos ou muito dolorosos.
  53. A mente sem memória é quase completamente inútil.
  54. Esquecer é perder conhecimento.
  55. Estupidez é ser lento pra lembrar o que se aprendeu.
  56. O vivaz faz melhores julgamentos e discernimentos, por perceber mais facilmente as diferenças entre as ideias.
  57. As crianças, quando têm memória madura o suficiente, podem, embora lentamente, inventar sua própria linguagem e o fariam se não fosse o convívio com os adultos.
  58. Se cada coisa tiver um nome próprio, não lembraremos os nomes das coisas, por isso chamamos pelo mesmo nome objetos que guardam semelhança (cadeira é cadeira, quer tenha braços ou não, encosto alto ou não, quer seja de madeira, plástico ou ferro).
  59. Fazemos isso pela via da abstração.
  60. Em adição, a abstração nos permite nomear essas características comuns que há nas coisas, tornando adjetivos em substantivos.
  61. Se extensão não é solidez, fica um pouco mais difícil para Descartes afirmar que o nada é alguma coisa porque pode ser medido.
  62. Tempo é duração, tal como espaço é extensão.
  63. O tempo só é percebido enquanto estamos conscientes e pensando.
  64. Como o tempo está relacionado com a percepção, não percebemos o tempo passar se estamos muito concentrados em uma coisa específica.
  65. Se sonhamos, voltamos a perceber a passagem do tempo, embora somente no sonho.
  66. Tempo não coincide com movimento.
  67. Tempo é constatação de duração, seja de movimento ou de repouso.
  68. Medir o espaço requer uma referência, com a qual podemos criar medidas de extensão (centímetro, metro, quilômetro…), mas medir o tempo pode ser feito da mesma maneira e o movimento dos astros parece uma boa referência para conceber horas, depois minutos e, então, segundos…
  69. Itinerário do amadurecimento do órgão “tempo” em nosso aparelho mental cognitivo:
    1. Percebendo que uma coisa vem depois e outra veio antes, aprendemos que existe sucessão.
    2. Quando nos acostumamos com a sucessão, percebemos que alguns estágios dela são retidos por nós por alguns instantes, aprendendo que existe duração.
    3. Utilizando referências de durações mais ou menos iguais, chegamos a aprender as medições de duração.
    4. Pela repetição do uso das medições, passamos a usá-las sem auxílio de referências, o que nos permite medir antecipações e memórias (daqui a um dia, um ano atrás).
    5. Quando nos damos conta disso tudo, aprendemos o conceito de eternidade, que é esse presente indeterminado que dividimos, e, consequentemente, inferimos que deve haver algo que sempre existiu, pois, de outra forma, nada existiria agora (logo, que nosso conceito de sucessão é limitado e, consequentemente, toda essa capacidade até agora).
    6. Finalmente, percebemos que o tempo é coisa de nossa cabeça, uma forma que a razão encontra de apreender instantes do eterno.
  70. Para uma coisa sem existência objetiva, o tempo é bem irritante.
  71. O nosso pensamento está impregnado de números.
  72. Toda a matemática depende de uma ideia simples: unidade.
  73. A demonstração matemática é a mais exata.
  74. O movimento depende de espaço vazio.
  75. Quem supõe que algo existe agora, levando em consideração a contingência dos seres, deve, necessariamente, admitir algo de eterno.
  76. Temos a ideia do infinito apenas em potência, uma vez que sempre podemos adicionar mais uma unidade ao número que imaginarmos, mas a ideia do infinito em ato, não a temos.
  77. Também a ideia de poder depende da percepção.
  78. Existem dois tipos de poder: o que age sobre outro e o que recebe a ação.
  79. Nossas ações podem se resumir em duas categorias: pensamento e movimento.
  80. O poder é relação, mas não agente.
  81. O ser humano é livre para fazer tudo o que está a seu alcance, o que não significa que ele é livre para fazer tudo o que quer.
  82. Quando usamos palavras sem saber claramente o significado, nos expressamos de forma infantil.
  83. Substância é aquilo que faz com que algo seja o que ele é, tanto em sua essência como em suas afecções (acidentes).
  84. A ideia de substância não é simples, mas complexa: não apreendemos as substâncias das coisas pelos sentidos, mas pela decomposição de seu conceito (obtendo essência) e pela reunião de características que normalmente seguem esse conceito (obtendo acidentes).
  85. Muitas vezes, o apelo à substância é um argumento gratuito: “é assim porque é propriedade de sua substância”, é como dizer “é assim porque sim”.
  86. A ideia de espírito surge do fato de não compreendermos como as emoções e os sentimentos se originam do corpo: se não vêm do corpo, mas vêm de nós, então não somos somente corpo.
  87. A ideia de substância é tão composta, em vez de simples, que sempre que alguém fala “ferro”, nossa mente compõe uma ideia a partir de várias características encontradas no ferro.
  88. Muitas palavras implicam relação, tal como “velho”, por exemplo, que só é velho em relação a algo que possamos chamar de “novo”.
  89. Como essas relações são frequentemente subjetivas, os céticos achavam que verdades absolutas não era possíveis, porque tudo seria questão de ponto de vista: “perto” e “longe”, “grande” e “pequeno”, são relações relativas (mas se você diz “tem sessenta e cinco anos”, não é mais relativo).
  90. “Criação” é fazer algo a partir do nada.
  91. Também “certo”, “errado”, “bem”, “mal”, “justo” e “injusto” são relativos à lei: só é possível emitir julgamento moral segundo uma lei estimada pelo emissor.
  92. Ideia distinta é aquela que é perfeitamente apreendida por um órgão sensorial (ou reflexão) perfeitamente funcional.
  93. A linguagem não está na capacidade de articulação sonora: os papagaios também formam sons articulados, palavras, mas não as usam para se comunicar.
  94. A linguagem está na correspondência entre estímulo e ideia: é uma tentativa de fazer o outro entender o que eu estou pensando.
  95. Uma boa linguagem comporta negações, palavras que não servem para indicar presença, mas ausência de determinada ideia.
  96. Nomes de coisas espirituais também têm sua origem em nomes de coisas sensíveis.
  97. A razão de sermos entendidos de forma errada não vem das palavras, mas das ideias que temos, as quais não correpondem às ideias que a outra pessoa tem (por exemplo, quando eu uso o termo “abuso” e você ouve o termo “abuso“, a minha definição de abuso pode não coincidir com a sua, de forma que você não entendeu o que eu quis dizer).
  98. É possível falar palavras abstraídas de seus significados.
  99. O objetivo da linguagem é a comunicação.
  100. O fato de usarmos nomes gerais na maior parte das vezes não implica que nunca usamos nomes particulares.
  101. Embora palavras refiram-se à ideias, referem-se à coisas reais por extensão, uma vez que uma coisa real originou a ideia.
  102. As ideias complexas são definidas utilizando ideias simples, mas uma ideia simples não pode ser definida por outras ideias simples (porque isso implica que ela é composta), nem tampouco pode ser definida por ideias complexas.
  103. Quando tentamos definir uma ideia simples, corremos o risco de apenas lhe apresentar um sinônimo.
  104. Se alguém não sabe o que é a luz, dizer que ela é uma onda ou feixe de partículas rápidas e minúsculas provavelmente não explicará nada ao leigo.
  105. Ideias simples só podem ser obtidas pelos sentidos.
  106. Definir um sabor com palavras, por exemplo, nunca é suficiente.
  107. Quando concebemos a ideia de casamento, podemos, pelo processo de abstração e trabalho da ideia, conceber a noção de adultério, mesmo que o adultério nunca tenha sido concebido ali.
  108. Porque nem todos chegam às mesmas concepções pela abstração ou combinação de ideias simples, isto é, porque as ideias complexas variam segundo contexto, que existem palavras que não podem ser traduzidas para outro idioma.
  109. Um objeto pode ter essência composta: corpo é “matéria limitada, extensa e sólida”.
  110. Além disso, essas características não são exclusivas à noção de corpo.
  111. Não se surpreender não significa não ser ignorante.
  112. O filósofo diz, com Tomás, que existe uma hierarquia cósmica: o animal mais baixo está próximo, em termos de perfeição, à mais elevada planta.
  113. Tomamos forma e cor como sinais distintivos das coisas, por isso que somos capazes de ver um leão em um desenho.
  114. É mais fácil nomear uma máquina do que um animal, porque sabemos exatamente o que a máquina é, o que faz, quem fez e de que é feita.
  115. As palavras servem para duas coisas: registrar pensamentos e comunicar pensamentos.
  116. Enquanto que o uso de palavras para registro é de um só tipo, é possível comunicar pensamentos por dois meios: civil e filosófico.
  117. O uso civil das palavras numa conversa serve unicamente para comunicação cotidiana.
  118. O uso filosófico, porém, serve unicamente para argumentar, discutir, provar, demonstrar, enfim, para debater um assunto filosófico ou científico.
  119. O cachorro não se chama cachorro por nenhuma razão particular, mas porque alguém teve que chamá-lo de alguma coisa e decidiu que seria assim.
  120. É possível aprender o nome primeiro e depois o que significa, também é possível o contrário.
  121. Existem diferentes palavras cujos significados não são unânimes.
  122. Nomes referentes a comportamentos humanos não são unânimes em sua maioria.
  123. O filósofo diz que o uso de nomes gerais para comunicação é adequado para conversas civis, mas não filosóficas.
  124. Existem palavras que não significam nada.
  125. Existem palavras que são usadas levianamente, por exemplo, quando falamos de algo que não conhecemos (pergunte ao seu pastor, por exemplo, o que significa “graça”, em sentido religioso, e vejamos em quanto tempo ele responde e quantas vezes gagueja).
  126. Existem palavras que são usadas, no mesmo texto, para se referir a coisas diferentes.
  127. Palavras não são coisas.
  128. Um mal-entendido pode ser causado por supor que o que eu entendo por determinado termo é entendido do mesmo modo por outra pessoa.
  129. Às vezes, duas pessoas discordam apesar de estarem dizendo a mesma coisa.
  130. Não se deve usar palavras abstraídas de seus significados.
  131. Devemos definir as palavras-chave do discurso antes de começar o discurso.
  132. Se não é possível dizer o que significa uma ideia simples, então temos que apontar um exemplar correspondente na natureza.
  133. Se duas pessoas olham a mesma pepita de ouro e um deles corretamente a identifica como falsa só de olhar pra ela, não necessariamente ele tem olhos melhores; pode ser que apenas tenha prática.
  134. Só se pode discutir sobre aquilo a que é possível atribuir identidade, relação, coexistência ou existência.
  135. É possível, e frequentemente acontece, inclusive por razões práticas, que alguém aceite algo sem provas.
  136. “Lembrar” é invocar conhecimento adquirido.
  137. Algo é verdade pra nós na medida em que nossa memória diz que é verdade.
  138. Intuição é apontar verdadeiro ou falso logo ao entrar em contato com a questão.
  139. Raciocinar, para o filósofo, é comparar ideias a fim de concluir alguma coisa.
  140. O raciocínio precisa de provas.
  141. Quanto mais provas forem necessárias, mais difícil será demonstrar algo, mesmo que seja verdade.
  142. Demonstrações sempre incluem intuições, os elementos “óbvios” do raciocínio, coisas com as quais tanto expositor e rebatedor concordam.
  143. Demonstrações, diferente das intuições, são terrenos férteis para mentiras.
  144. Há três tipos de conhecimento: intuitivo, demonstrativo e sensitivo.
  145. É possível conhecer claramente duas ideias, mas não ser capaz de ver como elas se relacionam.
  146. Não é possível conhecer além de nossas ideias.
  147. Os preceitos morais da religião não dependem da ideia da imortalidade da alma.
  148. Ninguém sabe exatamente o que é a alma.
  149. A alma é extensa ou não?
  150. Dizer que a alma não existe porque não podemos conhecê-la de todo é recalque.
  151. Sempre que afirmamos ou negamos o fazemos com base em identidade, relação, existência ou coexistência.
  152. Um objeto pode até ter duas cores e dois odores, mas cada característica precisa ser examinada de cada vez.
  153. A moral também tem princípios evidentes, como “onde não há propriedade privada não existe roubo.”
  154. Outra: “nenhum governo permite plena liberdade.”
  155. Uma das razões pelas quais a moral não é considerada ciência demonstrativa pela época é o fato de que ela é principalmente palavra, abrindo caminho para o relativismo retórico.
  156. Distância e tamanho posam como empecilhos ao conhecimento, porque nossos sentidos não são capazes de perceber coisas muito distantes ou muito pequenas.
  157. Para o filósofo, ciência (conhecimento seguro) dos corpos e coisas físicas é impossível, porque nossas ideias são imperfeitas, óbvio: nossos sentidos são limitados tanto em número como em qualidade.
  158. A relação entre corpo e alma nos escapa.
  159. Investigar certos assuntos é trabalho perdido.
  160. Identificamos verdades pela correspondência entre ideias e não entre palavras.
  161. Usar palavras com significado manipulado é mentir.
  162. A generalização cobre muitos casos particulares, mas não todos.
  163. Se dizemos que todo o ouro é amarelo e encontramos algo que tem tudo para ser ouro, exceto sua cor característica, há dois modos de resolver a questão: pela via material, podemos dizer que é um ouro “excepcional”, uma exceção à regra de que todo o ouro é amarelo, mas, pela via nominal, podemos dizer que, se todo o ouro é amarelo, aquilo não é ouro e deve ser chamado por outro nome.
  164. A coisa vem antes do nome que lha é atribuído.
  165. “Verdades” teóricas, ainda não comprovadas, não devem ser chamadas de “verdades”.
  166. Alguns conhecimentos serão sempre probabilísticos.
  167. Existe um número de afirmações das quais não é possível duvidar (exemplo: todo solteiro é um não-casado).
  168. Verdades evidentes não são as mesmas verdades que absorvemos por hábito.
  169. Quando uma ciência não se funda em coisas óbvias ou depois as nega, passa a ser suspeita.
  170. Mas uma ciência suspeita não necessariamente está errada.
  171. É necessário ir além do óbvio para obter conhecimento novo.
  172. É possível, pela lógica, provar algo que está errado: isso se chama “mentir de maneira crível”.
  173. Quem fala palavras sem saber o que significam, age como papagaio e não como ser humano.
  174. Descartes identificava a prova de sua existência no ato de duvidar, mas o filósofo aponta outra certeza: se eu sinto alguma coisa, estou vivo, porque eu não posso sentir nada se eu não existir.
  175. A ausência de ideias inatas não inviabiliza o caminho para a prova da existência de Deus.
  176. Se o nada é estéril, é necessário que haja algo de eterno e que sempre esteve lá.
  177. É necessário que exista um ser que não foi criado.
  178. Esse criador eterno é, naturalmente, o mais poderoso dos seres.
  179. Há outros seres inteligentes no universo.
  180. Se o fato de eu poder conceber um Deus em minha mente fosse uma prova de sua existência, isto é, de que ele colocou essa ideia lá, então os deuses pagãos também existem.
  181. É necessário que exista um ser necessário.
  182. Um ser irracional não pode produzir um ser racional.
  183. O filósofo também cita indiretamente a primeira via (do movimento) de Tomás: algo não pode mover sem que algo a mova primeiro.
  184. A existência de algo não pode ser provada pela definição dada a esse algo pela minha mente.
  185. Existência deve ser assumida pela via sensual.
  186. Todo aprendizado depende de sujeito (quem estuda) e objeto (o que é estudado).
  187. Memórias não nos trazem a mesma dor ou prazer que seus eventos originários.
  188. É possível saber coisas óbvias sem que sejam colocadas em palavras.
  189. A matemática nos permite conhecimento que parece sobre-humano à primeira vista.
  190. Mas as conclusões racionais precisam de validação experimental.
  191. Um conhecimento é validado pela sua utilidade.
  192. O que o filósofo chama de “julgamento”, os leigos chamam de “faculdade de chute”: é você achar que algo dará certo ou errado, achar que algo é útil ou inútil, achar que algo é prazeroso ou doloroso, isto é, dar chutes, afirmações gratuitas feitas sobre algo incerto.
  193. Conhecimento difere de julgamento (chute) por dispor de provas ou demonstrações.
  194. Entre o chute e o conhecimento está o provável.
  195. A probabilidade, tal como chute, nos leva a assumir como verdadeiro algo que ainda não sabemos se é ou não verdade.
  196. “Fé” é uma afirmação baseada em probabilidade.
  197. Usar a probabilidade de maneira justa requer não apenas o reconhecimento de que algo é “provável”, mas verificar também a opinião contrária.
  198. É preciso admitir que coisas prováveis podem não ser verdade, mesmo que a chance seja baixa.
  199. É preciso também tolerar quem tem opiniões discordantes sobre o mesmo assunto.
  200. Quando encontrar um argumento oposto ao seu, antes de condenar o argumento do outro como errado, verifique se você realmente tem razão.
  201. Reveja seus pressupostos.
  202. “Confiança” é acreditar no testemunho de muitas pessoas.
  203. Deve-se desconfiar quando o testemunho, mesmo o de muitas pessoas, contradiz algo que parece evidente ao que julga.
  204. Tudo aquilo que excedeu nossas ideias, sendo que todas elas têm início na percepção, é automaticamente suspeito.
  205. A razão vai além dos sentidos.
  206. Muitas vezes, a prática de silogismo não é necessária.
  207. Se o silogismo fosse extremamente necessário, então todos antes de Aristóteles estavam errados em tudo.
  208. Todos os raciocínios corretos podem ser reduzidos à silogismo, provido que estejam realmente corretos (bem conduzidos e incluindo apenas afirmações verdadeiras).
  209. Por vezes, utilizar silogismos pode até atrapalhar o raciocínio.
  210. É mais fácil prosseguir um raciocínio pela via sequencial ascendente em vez do silogismo.
  211. Se o silogismo precisa de prova empírica, ele não basta por si.
  212. O silogismo serve também para mentir.
  213. As proposições precisam de provas, mas as melhores provas são as empíricas e as matemáticas.
  214. O silogismo pode até organizar o pensamento que já temos, mas não serve para nos dar conhecimento novo.
  215. Embora o conhecimento das coisas gerais traga muita felicidade, ele não é tão útil como o conhecimento das coisas particulares.
  216. Mostrar que o outro está errado não necessariamente te afirma como certo: os dois podem estar errados.
  217. Diz o filósofo que, mesmo por inspiração divina, ninguém pode fazer alguém entender algo acerca do qual não tem ideias.
  218. Se o terreno da razão e o da fé não forem delimitados, então qualquer proposição, afirmando ter a ver com fé, não pode ser racionalmente contradita.
  219. Só é possível errar em probabilidade ou chute.
  220. Quatro fontes de erros: provas insuficientes, inabilidade para interpretação da prova, ignorância deliberada, critério de probabilidade suspeito.
  221. Se há interesse em saber a verdade sobre algo, a oposição deve ser ouvida.
  222. Ignorância deliberada frequentemente tem origem na preguiça.
  223. É possível errar nas probabilidades porque algumas pessoas simplesmente, diante de opiniões discordantes, em vez de ficarem com a mais provável, automaticamente assumem que não há resposta certa.
  224. Uma verdade não contradiz a outra, mas princípios por vezes o fazem e também as autoridades por vezes o fazem.
  225. A persistência no engano pode ser ocasionada por orgulho ou medo da vergonha.
  226. Como qualquer texto, a Bíblia Sagrada pode ser interpretada de diferentes formas.
  227. É exagero dizer que a maioria está sempre errada.

%d blogueiros gostam disto: