Analecto

6 de dezembro de 2019

Amor, medo e respeito.

Filed under: Livros, Notícias e política, Passatempos, Saúde e bem-estar — Tags:, , — Alma @ 15:13

O texto abaixo é uma honesta aula filosófica baseada nos 100 aforismos sobre o amor e a morte, escrito por Friedrich Nietzsche, com sugestões de como as ideias contidas em tal escrito podem ser usadas para desenvolver o país e ajudar as pessoas a se compreenderem.

Amor, cobiça e ciúme.

A bem da verdade, o amor pode ocasionar sofrimento. Os espíritos mais orgulhosos não admitem que o amor lhes faz sofrer. Por orgulho, então, uma pessoa que sofre por amor não revela esse sofrimento. É vergonhoso admitir que se sofre por amor. Tome por exemplo o amor não correspondido e a inveja por outra pessoa estar com aquele que você deseja pra si próprio. Algumas pessoas lidam com esse sofrimento desqualificando o amor entre aquelas pessoas: “ah, não é amor, é só cobiça, desejo carnal, eles não se amam de verdade.” Isso torna o sofrimento mais tolerável e talvez até te dê a sensação de que o relacionamento entre os dois terminará em breve. É só chamar aquele amor de “cobiça”.

Amor e cobiça são sentimentos muito próximos. Parece que a grande diferença entre um e outro é que um é “bom” e o outro é “mau”. O problema é que muitos podem julgar “bom” e “mau” com base nas suas próprias ambições: é amor quando eu tenho a pessoa que eu quero, mas cobiça quando outro tem a pessoa que eu queria ter. Assim, quando você quer se relacionar, vê todo o mundo se relacionando por aí, exceto você, você diz que ninguém ama de verdade, que tudo é cobiça. Mas você nem se importaria com essa “proliferação de cobiça” se você tivesse um parceiro. Aí, quando você tem, é amor e tudo tá perfeito.

Diferentes pessoas lidam com tal frustração amorosa de diferentes jeitos, porém. Tome o exemplo da mulher que não consegue se relacionar: para lidar com o sofrimento causado pela inveja, ela pode inventar pra si a ilusão de que é melhor que aquelas que têm um homem pra si. É uma recalcada. Essa palavra, “ter”, é adequada, porque muitas pessoas, na medida em que seu amor comporta também ciúme, querem o amado só pra si mesmas. Não querem partilhá-lo com mais ninguém. É como se o amado fosse sua posse mais valiosa. Isso mostra que, embora queiramos que o amor, em seu estado mais puro, seja altruísta, um monte de sentimentos que nós chamamos apressadamente de “amor” são manifestações de egoísmo: você quer o outro, às vezes até sem se importar com o que o outro pensa disso. Isso não é amor.

O ciúme leva uma pessoa a querer toda a atenção do amado pra si. Se o amado divide sua atenção entre o amante e outra atividade, o amante ciumento odiará essa atividade, a menos que tal atividade seja sua profissão, caso no qual o conforto do casal depende da atividade. Por exemplo: suponhamos que o amado gosta de jogar futebol. Se for um joguinho de futebol no final de semana com os amigos, a mulher ciumenta odiará que ele jogue futebol (e poucas coisas são mais tormentosas que o ódio feminino). Já se ele fosse um jogador profissional, ela não reclamaria.

Ao amar, é importante que a pessoa não se dê a outra, como uma posse. Você, ao amar uma pessoa incondicionalmente, isto é, sem estabelecer os termos da relação, o que pode e o que não pode, você se torna um escravo do outro. É preciso estabelecer limites com os quais você possa concordar. Se sua mulher, por exemplo, não discute esses termos com você ou te propõe termos que você vê que são injustos, não aceite (apesar de que a mulher é geralmente enérgica em sua vingança). Tem outras mulheres por aí. Uma coisa é amor, outra é exploração. Não permita que seu amor por alguém seja usado como coleira pela pessoa que você ama. Isso é especialmente grave numa situação em que a pessoa sabe que você a ama, mas não te ama de volta. É esse tipo de pessoa que explora você.

Mas existe um amor sem mescla de ciúme? Um amor “de verdade”? Sim, mas, infelizmente, raramente reconhecemos esse sentimento como amor. É a amizade. A amizade não comporta ciúme. Por causa disso, é o único amor verdadeiro entre os homens.

O casamento, sua durabilidade e seus problemas.

Amor eterno é sobrehumano, porque toda paixão acaba. Isso não quer dizer que você não possa voltar a amar alguém que deixou de amar e apenas se aplica ao amor por uma pessoa específica (pois é possível um amor duradouro pela humanidade inteira). Então, um casamento pautado somente na paixão rui quando a paixão esfria. O casamento que almeja a instituição de um amor eterno entre as partes pode degenerar em hipocrisia. Logo, não tenha em mente que o amor durará pra sempre e que o casamento, por causa disso, também durará pra sempre. Ele pode se extendido, porém.

Os casamentos que duram mais tempo são aqueles nos quais uma pessoa tira proveito próprio da outra. Se um for útil ao outro, o casamento se conserva. Mas se só um precisa do outro, o casamento rui. Os maiores amores não nascem apenas do desejo sexual, mas do reconhecimento de que você não pode ser feliz sozinho. Tem algo faltando na sua vida e você precisa dessa coisa pra se completar. Se você sente que uma pessoa que você ama pode te prover algo que te falta, você a amará mais do que se você não visse nela também um meio de completar o que te falta.

O casamento geralmente é feito entre pessoas que gostam ou afirmam gostar uma da outra. Ora, quando você passa a dividir sua casa com alguém de quem você gosta, você acaba gostando menos dessa pessoa. O casamento tem o grave problema de trazer pra mesma casa duas pessoas. E depois talvez uma terceira, o filho. Se manter muito próximo de uma pessoa desgasta a relação. Não apenas a pessoa se sente sufocada, como também você enjoa dela. O casamento, então, torna-se mais difícil de manter com o passar do tempo. Já se o casamento for pautado na utilidade mútua, ele sobrevive ao fim da paixão, porque as duas partes precisam um do outro pra outras coisas além do amor.

Decepção amorosa.

Quando amamos, é mais difícil ver as coisas como elas são. A ideia romantizada que fazemos dos relacionamentos é uma grande fonte de decepção. Nunca se deve entrar num relacionamento pensando que basta você pra fazer o outro feliz. A felicidade é um estado muito pessoal e assumir que você pode tornar alguém feliz é presunção. Você pode ajudá-lo a ser feliz, mas não pode torná-lo feliz. Se você entra num relacionamento achando que bastará sua companhia pra que o outro seja uma pessoa radiantemente alegre, você se decepcionará. “O amor tudo pode!” Eis uma frase problemática…

Outra fonte de decepção amorosa é a imagem que um dos lados deseja manter. Pra poupar o parceiro da dor de encarar aquilo que a pessoa tem de ruim, o amante esconde, ou tenta esconder, todas as suas falhas. Por exemplo: suponhamos que você esteja namorando alguém bem-sucedido, tanto quanto você, ambos têm um negócio e um quer ver o outro feliz, mas você também tem um desejo sexual muito intenso. Você quer ser o melhor pra pessoa que você ama, então você tenta se reprimir quando vocês não têm tempo pra se relacionar. Quando o homem ou a mulher se dedicam a outras atividades, especialmente construtivas, às vezes até pelo bem dos próprios filhos (é o caso do casal em que ambos os sujeitos trabalham pro sustento da família), há menos tempo pro sexo. O desejo insatisfeito pode levar qualquer das partes a adulterar. Então, se uma das partes de um casal, ou as duas partes do casal, se dedicam a coisas construtivas, uma parte deve entender se a outra adultera ou, sei lá, vê pornografia às escondidas.

Mas o fato é que você montou uma imagem de parceiro perfeito. Quando sua falha é descoberta em um momento de fraqueza, é muito provável que a pessoa fique decepcionada com você. Tristemente, muitas pessoas tentam se transformar na ideia que o amado faz delas. Mas se você tem que mudar por amor, você já não está dizendo que a pessoa não te amaria do jeito que você é, ou que você não acredita quando seu amado diz que não quer que você mude por ele?

Muitas vezes, porém, tal criação de expectativa no parceiro é involuntária. O amor verdadeiro traz pra fora comportamentos que nos são excepcionais e não normais. Então, quando o amor começa a esfriar, também essas caracaterísticas começam a desaparecer. Você está menos disposto a ajudar e a se sacrificar, por exemplo, a passar tempo com aquela pessoa. De repente, seu amado passa a se perguntar o que te fez mudar. O amor te fez mudar. É porque o amor desapareceu que você voltou ao seu normal, como era antes de amar.

Amor, medo e respeito.

Existe uma diferença ligeira entre ser amado e ser respeitado. Quando você quer ser respeitado, é importante que o outro não te destrate. A forma mais fácil de fazer isso é causando medo. Ora, onde há amor não há temor. Se esse é o caso, uma pessoa que quer ser respeitada a todo custo precisa se tornar intratável, pra não ser amado. Porque, se ele não for amado, poderá ser temido, o que aumenta o respeito que outros têm por ele. Isso não quer dizer que os amantes não se respeitam, mas que geralmente se respeitam menos do que o empregado respeita seu chefe.

Em adição, o temor nos explica mais sobre o gênero humano do que o amor. Isso porque o amor nos distrai daquilo que o gênero humano (e também a natureza) tem de ruim, enquanto que o temor reconhece o que há de bom e de ruim no outro. Afinal, é importante conhecer aqueles que podem nos fazer mal, tanto pra nos defendermos deles quanto para tirar vantagem deles. O amor, nas humanidades, produz a arte, mas é o medo que produz a ciência.

Amor e a religião cristã.

A religião cristã tem uma relação interessante com o amor. O judaísmo nos deu uma religião pautada na força, na conquista. Mas a religião cristã, ao enfatizar o amor, se torna esteticamente atraente. Quem sente falta de amor ou quem considera o amor algo importante sempre acaba vendo valor nos evangelhos. Se Deus é amor e eu me sinto feliz na prática do amor, eu quererei amar até mesmo meus inimigos. Ou, pelo menos, tentar… Se todos amassem uns aos outros indiscriminadamente, a vida na Terra já não seria um paraíso?

No entanto, é interessante que a religião também diga que somos dignos de ódio, nós, humanos. Se assim é, se não merecemos ser amados, como é que eu vou amar o próximo como a mim mesmo? Porque eu me odeio na medida em que eu digo que sou digno de ódio. Quem diz isso com convicção, já se odeia. Como então? Se o amor ao próximo é limitado pelo amor próprio (eu tenho que amar o outro como a mim mesmo, nem mais, nem menos) e eu me considero uma criatura odiável, eu vou acabar me sentindo justificado por odiar todo o mundo.

Assim, quem odeia a si mesmo acaba se tornando perigoso. Convencer a pessoa a se amar é, portanto, uma responsabilidade humanitária. Ninguém pode amar outra pessoa se estiver ocupado sentindo ódio constante de si. É pelo amor de si que a pessoa descobre quem ela realmente é (o famoso “torna-te quem tu és”) e pelo amor ao próximo que ela se aperfeiçoa.

A hora da morte.

A morte é igual pra todos. Se assim é, não faz sentido que agreguemos ao valor de uma pessoa o julgamento de suas ações logo antes de morrer. Não tem importância se a pessoa aceita sorridente a morte ou se chora ao saber que sua vida está chegando ao fim. O que importa são suas ações em vida, particularmente aquelas que foram feitas quando seu corpo estava em melhor estado. Afinal, a pessoa poucas vezes se esforça em recordar como um ente querido morreu, mas lembra até sem querer das coisas que ele fez e ensinou. São suas ações em vida que farão as pessoas sentirem saudade de você… ou alívio por você ter morrido. A verdadeira diferença que faz uma pessoa só é sentida quando a pessoa não está mais por perto. Isso só acontece por causa das ações da pessoa e do impacto delas. Ora, as ações de um moribundo têm menos impacto. Os chamados “últimos momentos” são geralmente os que menos importam. Especialmente se a pessoa tiver deixado pra trás uma produção intelectual que será imortalizada.

Apesar disso, o momento da morte é um momento de muita comoção. Todo o mundo quer dizer algo ao moribundo, quando teve a vida inteira dele pra dizer essas coisas. Todo o mundo pensa que o cara que se vai aos oitenta anos viveu pouco. Você precisa aproveitar a companhia das pessoas que estão vivas enquanto você pode. Se você fica procrastinando, pode ser que depois seja tarde demais. A morte (ou o desaparecimento, a viagem sem volta ou qualquer coisa que signifique que você não verá mais aquela pessoa) é um fato. Se você tenta esquecer a morte a todo custo, se distrair dela, você esquece que as pessoas chegam ao fim. Se você esquece isso, você passa a pensar que sempre há tempo pra conversar, sair, jogar com aquela pessoa. Pensando assim, é mais fácil procrastinar. Aí, quando seu amigo morre, você pensa: “não fizemos metade das coisas que queríamos fazer.”

Eutanásia.

O suicida quase sempre age racionalmente. Ele avalia se morrer vale a pena, e só valeria a pena se a vida lhe trouxesse mais sofrimento do que prazer. O suicida racional acredita que morrer lhe deixará no lucro, se a vida não lhe dá mais-valia. Se você deriva da vida muito mais sofrimento do que prazer, a vida vale a pena? Se esse sofrimento estiver lhe matando lentamente, você morrerá de qualquer jeito. Então, se a pessoa dispor de meios de morrer sem dor pra evitar o prolongamento do sofrimento, será que ele não tem direito a isso? Tal raciocínio levou países estrangeiros a sancionar leis que permitem a eutanásia, que é um suicídio assistido. Um médico ou equipe de médicos mata o paciente que escolhe morrer, utilizando sempre meios indolores e suaves. Isso não acontece no Brasil, porém. Aqui, isso é ilegal.

Numa situação em que você sabe que a morte é inevitável, como o caso de uma doença mortal e incurável, não seria interessante agendar a hora e o dia em que você vai morrer e, antes da ocasião, se preparar adequadamente, chamando seus familiares, dando instruções, se despedindo, jogando uma última partida de RPG de mesa só pra terminar a campanha, escrevendo mensagens em um blog ou enviando mensagens aos amigos que você só conhece online? Porque, atualmente, uma pessoa que sabe que vai morrer é mantida viva a todo custo e não tem controle sobre quando morrerá. Aí toda a família é surpreendida e os amigos, especialmente os mais distantes, só sabem que você desapareceu. Se tem uma coisa pior que saber que um ente querido morreu é não saber o que aconteceu. Então tal planejamento não pode ser uma coisa ruim.

A razão da interdição à eutanásia é moral. Nossa moral tem muito de religião também. Na verdade, a moral ocidental é uma tentativa de forçar todos a agirem de forma mais ou menos cristã. Parece injusto com o ateu que deseja se suicidar. Se bem que o ateísmo é incompreensível pra muitos em primeiro lugar.

Recomendações.

O ciúme é um dos sentimentos mais baixos que o ser humano pode sentir. Parece até que nós não fomos feitos pra tolerá-lo. O ciúme arruína qualquer relação. Uma relação humana que estimula o ciúme, portanto, deveria ser evitada. Há várias pessoas no mundo, há muitas pessoas que você poderia amar. Por questões sanitárias (ou religiosas, caso você seja adepto de uma religião que não permite ter vários parceiros sexuais), porém, é melhor se relacionar sexualmente com apenas uma pessoa. Mas isso é diferente de amor. Há uma diferença entre amor e sexualidade, seja esse sexo por prazer ou por reprodução. Se o que você quer é amor, derive esse amor de todas as pessoas que estejam dispostas a dá-lo, especialmente na forma de amizade. Somente o sexo deve ser feito responsavelmente. Pondo as coisas dessa forma, uma relação sexual monogâmica deve ser sexual e nada mais. Sua violação não deveria ser vista como uma violação moral ou um ultraje, mas apenas como uma violação, no máximo, higiênica e sinal de que o parceiro é inseguro. Nesse caso, procure outro. Se tal relação tiver uma carga moral ou sentimental acima do que é merecido, haverá ciúme, medo e outros sentimentos que tornarão o relacionamento insuportável. Separar amor e sexo, o expurgo da sensação de posse do corpo do outro, a aceitação da procura e cessão de amor de todos e para todos, o aperfeiçoamento mútuo como objetivo comum entre os amantes, esses são os primeiros passos pra erradicação completa do ciúme na raça humana. A monogamia sexual deve ser vista exclusivamente como uma questão de saúde (uma preocupação reduzida pelos métodos preventidos já disponíveis) e nada mais, enquanto que a pluraridade afetiva, o amor de todos para todos, deveria ser encorajada.

Segue-se portanto que o casamento não tem razão de existir hoje. Em tempos de liberdade sexual, o casamento como compromisso eterno perde sua relevância. Tal relevância é ferida de morte com a facilidade com que divórcios são feitos. Pra que se casar? Ninguém pode te obrigar a se casar. Alguém pode se perguntar se uma monogamia exclusivamente sexual, como questão sanitária ou religiosa, justificaria a existência do casamento. Não justifica. O casamento tem várias cláusulas legais que não são necessárias a esse tipo de relação, cláusulas que não seriam cabíveis nem mesmo pra sexo casual com múltiplos parceiros, a menos que se esteja tentando decidir questões de custódia do filho. A certidão de casamento não tem razão de existir, mas a certidão de nascimento nunca perderá sua relevância. Alguém tem que cuidar do filho. E isso não justifica a existência do casamento mesmo como entidade legal? Também não, tanto porque o mundo é cheio de métodos contraceptivos como porque é possível ser pai sem estar casado com alguém. Não há necessidade de oficializar as coisas perante a corte, exceto naquilo que for necessário à regulação da custódia.

O problema da decepção amorosa pode ser facilmente resolvido adotando a visão de que podemos amar qualquer um e receber amor de qualquer um quanto também reduzindo nossas expectativas em relação à pessoa amada. É preciso parar de pensar que um casamento, ou mesmo um namoro, é uma experiência linda, maravilhosa, romântica, porque muitas vezes não é. É preciso olhar as coisas pragmaticamente. Se você entra em um relacionamento com grandes expectativas, você tem mais chances de ser frustrado. Se você entra com baixas expectativas, você tem mais chances de ter uma boa surpresa. Se seu parceiro te decepciona, procure outro. Há várias pessoas no mundo pra você amar.

Por último, aproveite ao máximo sua vida sem se preocupar tanto com a hora da morte. Se preocupar em excesso com isso te impedirá de aproveitar a vida e fazer algo construtivo com ela. Certifique-se de viver de um jeito que sua marca fique nas pessoas que você conheceu e que seu legado fique, porque as pessoas lembrarão de você por suas ações em vida.

5 de fevereiro de 2018

Notes on “Twilight of the Idols”.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , — Alma @ 00:23

“Twilight of the Idols” was written by Friedrich Nietzsche. Below are some paraphrased (not quoted) thoughts written in that book. They may or may not reflect my opinion on any given subject.

  1. If you are going to defend a controversial cause, try to remain calm.
  2. Triumph requires petulance.
  3. Excess of power proves that you have enough power.
  4. Lies are more common than truths.
  5. Some people argue that boredom is source of vice.
  6. We often are scared to oppose to things we see as wrong.
  7. If you say that truth is simple, you are lying twice in the same sentence.
  8. If it doesn’t kill you, it will make you stronger.
  9. Help yourself, so that others will want to help you.
  10. Don’t look for followers; let they come if they think you are worthy.
  11. The truth is an offense against public morals.
  12. Virtue and social benefit don’t follow the same path.
  13. Sometimes we misbehave in secret, but in hopes of being caught.
  14. Don’t look into the past if you intend to repeat a mistake.
  15. Satisfaction improves health.
  16. A woman with male virtues can not be resisted, but a woman with no male virtues doesn’t resist to anything.
  17. Music improves the mood.
  18. Think while walking.
  19. There are people who try to solve the problem, people who just look at the problem and people who prefer to ignore the problem.
  20. You need to know what you want and if it’s worth to pursue that as a goal.
  21. Unfortunately, you need to compete and defeat others in order to progress.
  22. If you hear that life is not worth being lived, disregard the voice, or you will become sick.
  23. Consensus doesn’t equal truth: a lot of people can agree with a lie.
  24. Life is life, no point in judging it.
  25. We are part of the life too.
  26. To judge life, you need to be impartial, but can’t be impartial enough to judge life.
  27. If you want to judge life, you need to be above the life.
  28. If you want to enrage an opponent in a debate, put him in a situation in which he has to prove that he is not an idiot.
  29. If a wise person is ugly, that may very well be a reflect of poor health (specially if the person has excess of self-control), which puts his wisdom in doubt.
  30. Instincts can enslave us, but reason can enslave us too.
  31. Some people need to force themselves to be rational.
  32. Excess of reason is an illness.
  33. Instinct is not always a weakness.
  34. If you destroy a paradigm, people expect you to impose a new one, giving you power to dictate what people should do then.
  35. Asceticism is frequently sought as a path to happiness, but can a life like that really bring you happiness?
  36. In a healthy life, happiness and instinct go the same way.
  37. A concept is a construct; it changes over time, rather than remaining the same.
  38. Traditional philosophy sees change as a problem.
  39. When you believe in something without empirical foundation, you pretend that it’s existence can only be studied by higher minds and claim that the opposition is doing cognitive distortions.
  40. Our senses (hearing, sight, tact, smell and taste) are never wrong.
  41. The problem is that the senses give us an impartial information, which doesn’t mean that the mind won’t make a mistake in interpreting data coming from the senses.
  42. Traditional philosophy often uses the universal concept as starting point, to explain particular aspects of life.
  43. Something can make sense and still be wrong.
  44. We can’t demonstrate, empirically, that the world doesn’t correspond to how our senses perceive it.
  45. An idea can only be fully discarded when it’s no longer useful (which doesn’t mean “when it’s proven wrong”).
  46. Morals often go against nature.
  47. Emotions can also fight for reason.
  48. If you are against science, it’s unlikely that you will ever be able to fight anyone in an intelligent manner.
  49. Traditional morals prefer to repress sexual desire rather than thinking how can that desire be used in a constructive manner.
  50. If emotion is a manifestation of life, attacking emotion is attacking life.
  51. If you battle your own desires, that’s because you can’t use them in favor of yourself.
  52. You kill a desire because you are powerless against it’s seduction.
  53. The establishment needs opponents.
  54. If your code of conduct doesn’t have life as goal, you are sick.
  55. Any morals that do not have life as goal are traps.
  56. When someone tells you “you should be or act like that”, they actually mean “you should be or act like me!”.
  57. The biggest mishap that a sane mind can do is mistaking cause for effect and vice-versa.
  58. Moralists and religious people incur in that mistake pretty often.
  59. You can’t generalize having just a handful of samples (specially if you have just one sample).
  60. Don’t eat too much, just eat enough.
  61. If I’m virtuous, I’ll do good deeds, but doing good deeds won’t make me automatically virtuous.
  62. Vice and luxury aren’t causes of decadence, but signs that decadence is already happening.
  63. We must not assume causality where it’s absent.
  64. We must not assume causes that do not exist.
  65. We must not imagine causes that do not exist.
  66. We must not assume that we know something that has been poorly studied.
  67. If we allow pain to overwhelm us, that’s because we feel that we deserve that pain.
  68. A good digestion can be mistook for peace of spirit.
  69. Do we have a reason to exist?
  70. The human species has no goal in itself.
  71. Saying that something is “wrong” doesn’t prove it wrong.
  72. Morals do not reflect reality.
  73. Morals are an interpretation of reality, but all interpretations of reality are subjective.
  74. Morals are relative.
  75. It’s possible to say something that you don’t truly understand (“parroting”).
  76. If you don’t admit that morals are relative, you can’t use it in a way that is favorable to yourself and others.
  77. Morals are an attempt at improving the human species.
  78. Housebreaking an animal is making it ill.
  79. If you want to weaken someone, make them ill.
  80. Some eugenics programs were sanctioned by religious authorities.
  81. The Gospel is against everything that arianism was about.
  82. Educating someone may very well kill their geniality.
  83. Politics and science are different things.
  84. When we are in a political crisis, philosophy and science tend to flourish.
  85. No school can teach you think.
  86. You don’t learn logic at school either.
  87. Unfortunately, science is inserted in democracy.
  88. A moralistic atheist makes no sense.
  89. You can’t produce art without being drunk, even if you aren’t drunk with alcohol.
  90. You may be drunk with lust.
  91. You may be drunk with your dreams.
  92. The sensation of power and fullness is what makes you feel inspired when “drunk”.
  93. There are two kinds of drunkness: the one that inspires to paint and to sculpt and the one that inspires you to compose and to dance.
  94. There are atheists who hate being atheists.
  95. You can’t have spirit if you don’t need it.
  96. Sometimes, it’s arrogant to be impartial.
  97. Kant’s philosophy is not honest at all.
  98. If you always abide to the rules of society, you will end up harmed by them.
  99. If Sócrates was stimulated to leave his home to make philosophy with friends because those friends usually were handsome teenagers, then homoerotic hebephilia is the mother of philosophy.
  100. Making art having fun as a goal is an act of defiance.
  101. Excess of institutionalized education, such as college, may end up harming your self-esteem, as you will likely start to hate yourself.
  102. Once in a while, try to produce art without sticking to any rigorous method.
  103. Geniality consumes energy, an intellectual who doesn’t take a pause to do something else will likely ruin their health.
  104. A real man is better than an ideal man.
  105. Illness is a sign of decay, not cause of decay.
  106. Anarchists blame society, while the christian often blames himself.
  107. It’s impossible to act without self-interest.
  108. If you act in a 100% altruistic manner, you will die.
  109. It’s better to think that you are worthless than thinking that life is worthless.
  110. A person who is terminally ill should have the legal right to suicide.
  111. If a person lost their hope to live decently, at least allow them to die decently.
  112. Every historical period assumes that their moral codes are the best.
  113. A restrictive moral code comes from a weak nation, a nation that finds too many things “squicky”.
  114. Morals should be rated by their usefulness.
  115. Our society hates to take risks.
  116. If you advocate freedom, you can’t sell yourself.
  117. You can only be strong if you need to be.
  118. What’s the point of marriage nowadays?
  119. Kant’s morals were just a validation of his society’s beliefs.
  120. Heroic sacrifice is an act that disregards one’s own safety in favor of a goal that is higher than one’s own life.
  121. A criminal is a person who was born at the wrong time.
  122. Before gaining notoriety, a genious is usually hated by society.
  123. Educating feelings and thoughts doesn’t make you beautiful; you are supposed to educate your body.
  124. Reality escapes morals and even human thought.
  125. No change is operated without sacrifice.

27 de dezembro de 2017

Anotações sobre “Assim Falou Zaratustra”.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , — Alma @ 21:58

“Assim Falou Zaratustra” foi escrito por Friedrich Nietzsche. Abaixo, algumas afirmações feitas nesse texto. Elas podem ou não coincidir com o que eu penso sobre este assunto. Perguntas sobre minha opinião podem ser feitas nos comentários.

  1. O amor pela humanidade pode isolar você dela, por amá-la demais.
  2. Você pode acabar ajudando outros a dificultar sua vida.
  3. O solitário é visto com suspeita.
  4. Uma pessoa pode se isolar por fanatismo religioso.
  5. É possível que uma pessoa só tenha uma religião por estar desapontada com o gênero humano.
  6. O homem moderno não é o último passo na evolução.
  7. Outras pessoas não estão interessadas em melhorarem a si mesmos.
  8. Se você evoluir, talvez você olhe pra trás e veja que estava agindo tolamente.
  9. Em muitos sentidos, somos piores que macacos.
  10. Não esqueça deste mundo.
  11. A crença de que a alma é empoderada pela submissão do corpo está errada.
  12. Desdenhar do corpo em vez de usá-lo para o próprio bem e o dos outros é sinal de alma fraca.
  13. Pode ser que você se canse da sua felicidade, da sua razão e da sua moral.
  14. Pode a felicidade realmente justificar nossa existência?
  15. A razão não pode conhecer tudo.
  16. O homem é uma corda estendida sobre um abismo, entre o animal e seu próximo estágio evolutivo.
  17. O ser humano precisa ser superado; ele não é ponto de chegada.
  18. Se você não conseguir fazer essa mudança acontecer de uma vez, não deixe de ajuda assim mesmo.
  19. Aja sem esperar agradecimento.
  20. Se você fala de um futuro distante, você não será compreendido por pessoas do aqui e do agora.
  21. A estrela brilhante vem do caos interior.
  22. Trabalho também é distração.
  23. Pensar diferente da massa é se arriscar a ser chamado de lunático.
  24. A alma morre antes do corpo.
  25. Você talvez sinta que não vale a pena viver se não puder viver eternamente, mas concentre-se em viver a vida passageira plenamente.
  26. A vida humana é vazia de sentido, exceto a evolução ao estágio seguinte.
  27. Quando você defender uma ideia controversa e zombarem de você, fique feliz por não te lincharem.
  28. Mas se rirem, continue, se você vê valor nisso.
  29. É melhor falar com seus amigos em vez de falar com a multidão.
  30. Faça seus amigos pensarem diferente e os amigos dos seus amigos acabarão pensando diferente também.
  31. Que o solitário encontre outros solitários.
  32. Animais podem ser menos perigosos que pessoas.
  33. Um objetivo da vida virtuosa: o bom sono.
  34. Pessoas que se preocupam em excesso com suas horas de sono estão esquecendo de permanecer acordadas.
  35. Se você sofre, sente prazer ao esquecer o sofrimento.
  36. Acreditar em outros mundos é loucura; só existe um mundo e é este.
  37. O corpo e a terra merecem respeito.
  38. Viva no mundo real.
  39. “Curem-se, dominem-se, criem um corpo superior!”
  40. O ateu deve ter misericórdia do religioso.
  41. Não inflinja males a si mesmo; cure seu corpo.
  42. Desprezar o corpo é sinal de tendência suicida.
  43. Pode ser também sinal de inveja contra aqueles que têm melhor condição física.
  44. A evolução do ser humano perpassa a evolução do corpo humano.
  45. Virtudes nascem da paixão.
  46. A salvação do sofredor crônico é uma morte rápida.
  47. Todo o mundo tem desejos ilegais ou nojentos.
  48. Os melhores textos foram escritos com o sangue de seus autores.
  49. Só um lutador pode amar a sabedoria.
  50. Há um pouco de loucura no amor e um pouco de razão na loucura.
  51. Somos afetados por forças que não vemos.
  52. Quando você chega ao topo, provavelmente se vê sozinho lá.
  53. Fora que você pode ser atingido por um raio lá encima.
  54. Esse raio frequentemente é alguém melhor que você.
  55. A pessoa que prega que devemos nos desfazer de nossos corpos e que a verdadeira vida começa na morte, provavelmente vê a vida como puro sofrimento.
  56. É estranho que uma pessoa como essa não conclua que seria legal se suicidar ou matar os outros como ato de “misericórdia” ou “amor”.
  57. Esses indivíduos não apenas pregam contra a própria vida, mas também contra a vida dos que virão.
  58. O trabalho nos faz esquecer de nós mesmos.
  59. Não tem sentido em ter paz depois de uma derrota; a paz deve vir pela vitória.
  60. As mulheres jovens querem homens bonitos e meigos, mas nem sempre convém ao homem ser bonito ou meigo.
  61. Seja o melhor possível, mesmo que isso lhe custe a aprovação das mulheres.
  62. Todos os bons guerreiros estão prontos pra morrer.
  63. O estado pode mentir.
  64. O estado não é o povo.
  65. O estado pode ferir leis e costumes.
  66. Um ateu pode obedecer religiosamente ao estado.
  67. O estado pode se por como um ídolo e exigir adoração.
  68. O estado é mantido por pessoas que não fazem diferença na história.
  69. O estado pode matar seu povo de caso pensado.
  70. O estado pode roubar seus bens.
  71. Quanto menos se possui, menos se é possuído.
  72. Humanos precisam evoluir de forma a não precisar de governo.
  73. A pessoa que não sabe debater usará a violência e não aceitará imparcialidade.
  74. Os grandes produtos do espírito humano não são devidamente percebidos pelas pessoas comuns.
  75. Covardes são astutos.
  76. Se algo estimula demais o pensamento, é visto com suspeita.
  77. Uma pessoa pode perdoar seus erros e não perdoar suas qualidades.
  78. Te tratam como vítima pra que você veja suas qualidades como defeitos e seus defeitos como qualidades.
  79. Quando você é bom, acaba cercado de invejosos.
  80. Vá aonde os fracos não vão.
  81. Castidade pode se tornar vício.
  82. Ser casto é uma questão de aptidão, não pode ser imposto aos outros.
  83. O amigo impede o monólogo interminável do solitário.
  84. Formamos amizade com semelhantes, com que temos relação de igualdade.
  85. As variações entre nossos conceitos de bem e mal são um recurso de sobrevivência.
  86. O que é aceitável em outros lugares pode ser tido como repugante aqui.
  87. Uma comunidade já é decadente quando um de seus membros se torna egoísta.
  88. O amor e o ódio estão por trás de todas as virtudes.
  89. Pode ser que você se sinta bem depois de chamar uma pessoa só pra falar bem de você.
  90. Sua autoestima aumenta quando você faz com que outros pensem bem de você.
  91. A solidão é insuportável àqueles que pensam mal de si mesmos.
  92. Um grupo grande pode se sentir tentado a matar pessoas de outros grupos.
  93. Deixe o futuro ser a causa do presente.
  94. Não importe de que se é livre, mas pra quê.
  95. Quanto mais você se dá bem, mais eles te odeiam.
  96. Se o homem é uma criança, então muitas crianças fazem a mulher de brinquedo.
  97. Melhor que humilhar seu inimigo é fazê-lo ver que o ódio dele te fortalece.
  98. Condenar é melhor do que fazer o outro reconhecer o erro quando ele não quer reconhecê-lo.
  99. Antes de ter filhos, se pergunte se pode criá-los.
  100. Se você não pode ser bom pai, você não tem direito de ter filhos.
  101. Um pai fez um bom trabalho quando seu filho o supera.
  102. Casamento deveria ser um acordo feito entre os pais pra criar um filho que superasse os pais, mas o casamento raramente é visto dessa forma.
  103. Alguns casamentos são tão hediondos que alguém pode se perguntar se Deus realmente abençoa o casamento.
  104. Um mau casamento prejudica o filho.
  105. Você nunca sabe com quem está se casando.
  106. Um monte de sentimentos são confudidos com amor.
  107. Depois de casadas, algumas pessoas descobrem que não se amavam.
  108. Às vezes o coração envelhece mais rápido que o cérebro, mas outras vezes é o contrário.
  109. O ouro é tão valioso quanto inútil, como algumas virtudes.
  110. O bem da espécie vem antes do bem do indivíduo.
  111. É difícil a quem ama fechar a mão ao amado quando é preciso fazê-lo.
  112. Quando você recebe uma boa ação de alguém e depois descobre que a boa ação era socialmente inaceitável, você pode passar a sentir vergonha do presente que recebeu, mesmo que dele tenha usufruído.
  113. Nada é imutável.
  114. Não é justo se divertir pouco.
  115. Uma pessoa pode ficar magoada por receber ajuda.
  116. Não poder calar a boca torna difícil a convivência.
  117. Se você não domar seu coração, perderá a cabeça.
  118. Alguém que causa sofrimento pode estar procurando compensação para o próprio sofrimento.
  119. Não queira ser virtuoso esperando pagamento por isso.
  120. Uma pessoa “virtuosa” pode estar agindo por interesse.
  121. A mãe não busca pagamento por amar o filho.
  122. A virtude deve estar em você, não na sua imagem.
  123. Agir virtuosamente pode também ser uma forma dissimulada de obter aprovação pisando nos outros (Lucas 18:9-14).
  124. Agir virtuosamente permite esconder intenções reprováveis que prejudicam sua aceitação por um grupo.
  125. Para alguns, virtude é julgar os outros.
  126. Não há consenso sobre o que “virtude” é.
  127. Não existe boa ação sem algum interesse, se bem que pode ser um bom interesse.
  128. É possível torcer o significado de uma palavra através de constante uso indevido.
  129. Não somos iguais, mas devemos ser tratados com justiça.
  130. Existem intelectuais que só estão lá pra dizer “amém” à ordem social, mesmo quando sabem que a ordem está errada.
  131. Os intelectuais mais honrados em seu tempo são aqueles que validam os preconceitos de um contexto histórico-geográfico, como Kant.
  132. Uma pessoa que pensa diferente irrita a multidão.
  133. A multidão amaldiçoa os homens que acabam sendo os únicos responsáveis por seu avanço, como Galileu foi amaldiçoado por mostrar que todos estavam errados, fora ele.
  134. O povo pensa que sua voz é a de Deus (basta lembrar que o povo queria que Jesus morresse).
  135. A política pode comprar a ciência a fim de validar a moral do governo.
  136. Se a ciência quer progredir, precisa ser amoral, não pode ter medo de rejeição.
  137. Se você tiver que se submeter a alguém, se submeta àquele a quem você seria mais útil.
  138. Filosofia não é poesia, muito menos poesia de má qualidade.
  139. Há crimes mais graves que o assassinato.
  140. Todos os dias são sagrados, não espere “o momento certo” pra fazer qualquer coisa.
  141. Você não poder “querer existir”.
  142. É possível amar algo mais do que a própria vida.
  143. Nossos conceitos de bem e mal não são absolutos.
  144. A vida é guerra de preferências.
  145. Beleza é poder em forma visível.
  146. Você é capaz de todo o tipo de maldade, mas você é exigido a praticar o bem.
  147. É possível rir de medo.
  148. Não repita com seus filhos os erros que seus pais cometeram com você.
  149. Uma pessoa pode estar convicta de que deve ignorar prazeres terrenos, mas suas vísceras nunca serão convencidas disso.
  150. O asceta com pouca força de vontade ficará envergonhado mais vezes.
  151. Desejar algo, mas dizer que a coisa virtuosa a ser feita é não saciar o desejo, pode ser entendido como hipocrisia: você diz que é “virtuoso” só porque sabe que não pode fazer o que deseja, então glorifica sua incapacidade como sendo “a coisa certa” (uvas azedas, implicando que eles não transformariam sua incapacidade em virtude se pudessem ter o que desejam).
  152. Você tem que dizer a verdade aos hipócritas.
  153. Se adultos não te acham sábio, tente a sorte com crianças.
  154. Uma pessoa que fala compliado não necessariamente é um pensador profundo.
  155. Os grandes acontecimentos começam em silêncio.
  156. Igreja é um tipo de estado.
  157. O estado é hipócrita.
  158. O estado se julga a coisa mais importante do mundo.
  159. Quando você diz algo e a pessoa reage violentamente, pode ser porque ela sabe que você tem razão.
  160. Uma pessoa pode estar tão cansada e desmotivada que não tem forças sequer pra sair da cama, pegar uma faca e se matar.
  161. Um vício pode não se desenvolver numa pessoa a menos que ela antes aprenda a correr.
  162. Punição é vingança, frequentemente chamada “justiça”.
  163. Uma pessoa pode falar consigo de um jeito e de outro jeito com os outros.
  164. Não é a altura que assusta, é a possibilidade de queda.
  165. Permanecer puro na multidão é como sair limpo da água suja.
  166. Você não pode dar um veredito absoluto sobre alguém quando você não é capaz de dar um veredito absoluto sobre si próprio.
  167. Ordenar outros a um objetivo pode ser mais difícil do que alcançá-lo sozinho.
  168. Os melhores líderes tem o pudor de uma criança.
  169. Uma pessoa pode ter ideias maduras, mas isso não significa que ela tem maturidade para empregar essas ideias.
  170. Adivinhar (instinto) não é concluir (lógica).
  171. Por vezes você escuta a doutrina do Diabo na boca de um pastor.
  172. O benefício da solidão só pode ser sentido quando você para de chorar a perda dos amigos.
  173. Não corra atrás das mulheres e a felicidade correrá atrás de você.
  174. Nossos conceitos de bem e mal são núvens passageiras.
  175. As pessoas não perdoam quem não sente inveja dos que vivem o modo de vida padrão.
  176. Alguém pode falar de você sem pensar em você.
  177. Se uma pessoa não tem tempo pra você, não perca seu tempo com ela.
  178. Todo o elogio é uma cobrança por mais.
  179. Os que andam devagar podem se tornar um problema aos que querem ir rápido.
  180. Humildade motivada por medo de ser atacado é covardia.
  181. Homens se domesticam entre si, como humanos domesticam cães.
  182. A mediocridade é, por vezes, erroneamente chamada de “moderação”.
  183. Para amar o outro, é preciso ser capaz de amar a si mesmo.
  184. Melhor sofrer do que idolatrar.
  185. Alguns mentem por amor.
  186. O desprezo de alguém pode ser desprezível.
  187. Mude para um lugar onde seu amor seja aceitável.
  188. Há quem reze para se eximir da responsabilidade de agir.
  189. Existem comunidades secretas em todos os lugares, mesmo que não sejam sociedades humanas.
  190. Não dá pra fingir que algo inútil é “profundo”.
  191. Tem diferença entre solidão e abandono.
  192. A voluptuosidade e o desejo de domínio não necessariamente são ruins.
  193. A voluptiosidade só é um mal para ascetas, celibatários e outras pessoas que fogem do prazer.
  194. Para todos os outros, a voluptuosidade é como o vinho: gostasa, saudável, pode ser tomada com parcimônia.
  195. O desejo de dominar está ligado à insatisfação com o aqui e o agora, à rejeição de respostas apressadas.
  196. Não se curve, como um escravo, às opiniões dos outros.
  197. Não tenha vergonha de si mesmo.
  198. A sociedade não quer que as crianças se amem pelo que são.
  199. A vida é difícil porque o ser humano evoluiu nessa direção; estamos pagando o preço de escolhas que nossos ancestrais fizeram (o que não nos escusa da responsabilidade de deixá-lo melhor).
  200. Não aceite tudo, não rejeite tudo.
  201. Os que amam sem dar amor de volta são parasitas em forma humana.
  202. Não é sábio aceitar como presente algo que você pode conseguir sozinho.
  203. Quem não é capaz de mandar a si mesmo deve obedecer.
  204. E há aqueles que sabem mandar, mas não obedecer.
  205. Se você não diz a verdade, não é bom.
  206. A verdade dói.
  207. Bem e mal não são conceitos sólidos para humanos.
  208. A humanidade não trabalha bem com meio-termos; historicamente, ela pende de um extremo a outro.
  209. Se algo deve ser comprado, tem pouco valor.
  210. Não importa de onde você veio, mas pra onde você olha.
  211. Os melhores não são insuperáveis.
  212. Se você está insatisfeito com o mundo, não está escusado de mudá-lo.
  213. Você vive neste mundo.
  214. Novos valores podem estar tão errados quanto os anteriores.
  215. Como pode alguém dizer “estou cansado deste mundo” e ter medo da morte?
  216. Estar “cansado deste mundo” é um estilo de vida na moda.
  217. Não tenha inimigos que não são dignos de ódio.
  218. Hoje em dia, xeretar a vida dos outros faz parte do trabalho do vizinho.
  219. Casamento não deve ser uma decisão tomada às pressas.
  220. Se você não gosta mais da sua mulher, se divorcie, em vez de traí-la em segredo.
  221. Casamento pode ser um inferno.
  222. Admita quando o casamento não dá certo.
  223. Casamento é uma decisão que precisa ser planejada e pensada antes de ser tomada.
  224. Se não puder ter filhos que te superem, é melhor não tê-los.
  225. O ser humano é o animal mais cruel que existe.
  226. Uma pessoa pode ser cruel com outros humanos, mas também consigo própria, como se sentisse prazer em sofrimento autoimposto, vendo uma fonte de orgulho no próprio sofrimento.
  227. A alma não é imortal.
  228. Se eu tiver que viver sozinho com outra pessoa, tenho que aprender a amá-la.
  229. Se uma pessoa te ama por tua sabedoria, ela deixará de te amar se tu ficares burro.
  230. Fazer uma loucura pode ser melhor do que fazer nada.
  231. Coisas aleatórias acontecem.
  232. Se você não vive em sociedade, obviamente não aprenderá normas sociais, das quais muitos querem se livrar.
  233. Nobreza é uma variante dourada dos mesmos arquétipos já existentes na plebe.
  234. A saúde do trabalhador pode ser melhor que a do nobre sedentário.
  235. A classe trabalhadora, se é realmente a melhor, deveria ser soberana.
  236. Classe trabalhadora (camponês) não é o mesmo que classe média.
  237. Um rei pode ainda ser bem visto por causa de sua família.
  238. É uma calamidade quando os homens mais sábios não são os governantes.
  239. Existem pessoas que precisam mentir para continuar vivendo.
  240. Privar um religioso de sua divindade não o liberta.
  241. Os fracos não deveriam ser os únicos a ditar o certo e o errado.
  242. A riqueza não é indicativo de maldade; um rico e um pobre podem ser igualmente perversos.
  243. É possível estar mais seguro na cadeia.
  244. Uma pessoa pode ser tida por sábia sem ser inteligente.
  245. É perigoso ao solitário ir à praça pública sem se preparar antes.
  246. Não adianta falar pra todos se ninguém quer escutar.
  247. O homem normal não acredita que o ser humano possa evoluir.
  248. “Somos todos iguais” se tornou desculpa para o conformismo.
  249. Não se deve pensar meramente na sobrevivência do homem, mas também em como nos tornarmos algo melhor do que somos.
  250. Para alguns, o necessário não é o bastante.
  251. Ser humano não é o ápice; devemos ser mais que humanos.
  252. Existem causas mais valiosas do que a sobrevivência.
  253. É melhor viver do seu jeito do que do jeito que os outros querem que você viva.
  254. Se você tem coração, domine seu medo.
  255. Se você sofre por si mesmo, é um fraco, mas esse não é o caso quando você sofre pela humanidade.
  256. Subjugue o raio que poderia te matar.
  257. Discernimento não é uma virtude popular.
  258. A crença infundada não pode ser destruída pela razão, então apele à emoção.
  259. Pessoas comuns desconfiam da razão.
  260. Não mentir não é o mesmo que amar a verdade.
  261. A fonte da sua virtude é aquilo que você ama.
  262. Não tente ser virtuoso além das suas forças.
  263. Não tente algo que você sabe que dará errado.
  264. Se você não acha motivo de riso na vida, está procurando mal.
  265. Melhor enlouquecer de felicidade do que de tristeza.
  266. Algumas pessoas elogiam a castidade porque castidade lhes dá tesão.
  267. Temos medo de animais, inclusive daquele que vive em nós.
  268. Também é inocência não saber o que é inocência.
  269. A sabedoria pode levar alguém a assumir comportamento anormal.
  270. Aceitar o que a vida tem de bom implica aceitar também a dor que a mesma vida pode te infligir; você não pode escolher ficar só com a parte boa.

Notes on “Thus Spoke Zarathustra”.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , — Alma @ 21:58
  1. Love for humanity can isolate you from it, if you love it too much.
  2. You may end up helping others to make your life harder.
  3. The loner is seen with suspicion.
  4. A person can be isolated due to religious fanaticism.
  5. A person may turn to religion after being disappointed with humanity.
  6. The modern human isn’t the final step in evolution.
  7. Other people are not interested in improving themselves.
  8. If we evolve, maybe we look back and notice that we were acting foolish.
  9. In many ways, we are worse than monkeys.
  10. Do not forget about this world.
  11. The belief that the soul is empowered by weakening and submitting the body is wrong.
  12. Neglecting the body, rather than using it for good purposes, is a sign of a weak soul.
  13. Maybe you become bored of your reason, your happiness or your morals.
  14. Can happiness really justify our existence?
  15. We can’t have knowledge about everything.
  16. A man is a rope stretched over an abyss, between animal and his next evolutionary step.
  17. The human being must be surpassed; it’s not the last evolutionary step.
  18. If it’s not possible for you to make that change happen all at once, at least help out.
  19. It’s better to act without expecting gratitude.
  20. If you speak about the far future, it’s unlikely that you will be understood by people who live here and now.
  21. The shining star comes from the chaos inside.
  22. Work is also distraction.
  23. If you think differently from others in your community, you may be called a lunatic.
  24. The soul dies before the body.
  25. Maybe you feel that life is not worth living if it doesn’t continue after death, but focus on living your life in a fulfilling manner.
  26. Human life is devoid of meaning, except for the evolution to the next step.
  27. When you defend a controversial idea and people laugh at you, feel glad for being laughed at, rather than killed off.
  28. But if they laugh, you should continue despite it, if you feel that what you have to say has any value.
  29. It’s better to talk to friends, rather than to the general population.
  30. Make your friends think differently and maybe your friends make others think differently.
  31. The loner must find other loners.
  32. Animals can be less dangerous than people.
  33. A good night of sleep is one of the goals of a virtuous life.
  34. Those who are excessively worried with their hours of sleep are forgetting to stay awake.
  35. If you are suffering, you feel pleasure upon forgetting the suffering.
  36. Beliving in other worlds is madness; there’s only one world and it’s this one.
  37. The body and the earth, both deserve respect.
  38. Live in the real world.
  39. “Heal yourselves, dominate yourselves, build a more powerful body!”
  40. The atheist should have mercy on the religious person.
  41. Do not harm yourself; heal your body.
  42. To neglect one’s own body is a sign of suicidal tendency.
  43. It can also be a sign of envy towards those who have better bodies.
  44. Evolving yourself also means evolving your body.
  45. Virtues are born from passion.
  46. A chronic sufferer finds salvation in a quick death.
  47. Everyone wants to do something illegal or disgusting.
  48. Fantasize, act on the fantasy and being caught acting on a fantasy are three different things.
  49. The best texts were the ones written with the author’s blood.
  50. Only a fighter can love the wisdom.
  51. There’s a hint of madness in love and bit of reason in madness.
  52. We can be affected by forces that we don’t see, but that are felt, nonetheless.
  53. When you reach the top, you are likely alone in there.
  54. Plus, a lightning may strike you while you are at the top.
  55. That lightning often is a person who happens to be better than you.
  56. A person who preaches against the body and says that true life is afterlife, probably sees this life as a constant temptation, thus experimenting life in a limited manner.
  57. It’s weird that a person like that doesn’t conclude that it would be nice to suicide or to kill others as an act of “mercy” or “love”.
  58. Those people not only preach against their own lives, but also against the lives of those who aren’t even born yet.
  59. Work allows us to forget about ourselves.
  60. No sense in having peace after being crushed; peace must come from victory.
  61. Young women like beautiful, nice guys, but it’s not always a good idea to be beautiful or nice.
  62. Be the best possible, even if it costs you women’s approval.
  63. All good warriors are ready to die.
  64. The state can lie.
  65. The state isn’t the people.
  66. The state can offend laws and customs.
  67. An atheist can religiously obey the state.
  68. The state can pose as an idol and demand worshiping.
  69. The state is maintained by people that make no historical difference.
  70. The state can willingly kill it’s people.
  71. The state can steal your belongings.
  72. The less one has, the less one is possessed.
  73. Humans must evolve in a way to not need government.
  74. A person who can not debate will resort on violence and won’t accept impartiality.
  75. The greatest products of human spirit aren’t always noticed by ordinary people.
  76. Cowards are cunning.
  77. If something stimulates too much thinking, it is viewed with suspicion.
  78. A person may forgive your mistakes, but it doesn’t mean they will forgive your qualities.
  79. They treat you like a victim, so you can see your flaws as qualities and your qualities as flaws.
  80. When you are good at something, you end up surrounded by envious people.
  81. Go where the weak can not go.
  82. Chastity may become a vice.
  83. Being chaste is a matter of personal aptitude and shouldn’t be forced onto someone.
  84. The friend ensures that a loner won’t waste his life talking to himself.
  85. We build friendships with people like us, who have a relationship of equality with us.
  86. The variation in our concepts of good and bad are also a survival resource.
  87. What’s acceptable in other cultures may be repugnant here.
  88. A community is already dying when one of it’s members becomes selfish.
  89. Love and hate are the driving force behind every virtue.
  90. You may feel better about yourself after calling someone just to hear them say good things about you.
  91. Your self-esteem increases when other people think good things about you.
  92. Solitude is intolerable for people with low self-esteem.
  93. A large group may feel tempted to kill people from other groups.
  94. Allow the future to be your present cause.
  95. It doesn’t matter what you are free from, but what you are free to do.
  96. The more you succeed, the more they hate you.
  97. If men are children, then many children have women as favorite toys.
  98. Better than humiliating your foe, make them see that their hate is actually making you stronger.
  99. Disapproval is better than insisting in making the other see his mistake, when he doesn’t want to see it.
  100. Before having children, ask yourself if you can raise them.
  101. If you can’t be a good father, you have no right to have children.
  102. A father did a good job when the child becomes better than himself.
  103. Marriage was supposed to be an agreement to make a child who surpasses the parents, but marriage is seldom seen as such.
  104. Some marriages end so badly that one can wonder if marriage is really a blessing from God.
  105. A bad marriage hurts the child.
  106. You never know who you are marrying.
  107. A lot of feelings are mistaken for love.
  108. Some people don’t really love each other, but only find out after marrying.
  109. Sometimes, the heart ages faster than the brain, but other times it’s the opposite.
  110. Gold is as useless as it’s valuable, just like some virtues.
  111. The future of the species is priority.
  112. It’s hard for a loving person to not tend to a loved one, when such is needed.
  113. When you are told that the good deeds that you received from someone are socially unacceptable, you may feel ashamed of having received those good deeds.
  114. Nothing is immune to change.
  115. It’s unfair to have just a little fun.
  116. A person can feel hurt for receiving help.
  117. It’s hard to shut the yap, that’s why it’s hard to live in community.
  118. If you don’t tame your heart, you will lose your head.
  119. A person who causes suffering may very well be seeking compensation for their own suffering.
  120. Don’t try to be virtuous expecting payment for that.
  121. A “virtuous” person may be acting on self-interest, such as desire for approval, even if that means losing contact with reality.
  122. A mother doesn’t seek payment for loving her son.
  123. Virtue must be in yourself, not in your image.
  124. Acting virtuously can also be a dissimulate way to receive approval by bashing others.
  125. Virtuous behavior can be used as cover to hide true feelings, in order to achieve acceptance.
  126. For some, virtue is a license to judge others.
  127. There’s no consensus on what “virtue” is.
  128. There’s no such thing as “uninterested good deed”.
  129. It’s possible to twist a word’s meaning by repeated misuse.
  130. We aren’t equal, but should be treated with justice.
  131. There are intellectuals who are there just to say “amen” to the status quo, even when they know that the status quo is problematic.
  132. The most praised intellectuals are those who work to validate the prejudices of their historical context.
  133. A person who thinks differently enrages the mob.
  134. The mob hates the men that are, in the end, the only responsible for human evolution, like Galileo was hated for showing that everyone, but him, was wrong.
  135. People’s voice isn’t God’s voice (you just need to remember that the people wanted Jesus to die).
  136. Politicians may manipulate science to validate their own morals.
  137. If science wants to progress, it needs to be ammoral, rather than being scared of public outrage.
  138. If you need to submit to someone, submit to the person who finds you useful.
  139. Philosophy isn’t poetry, let alone poorly-written poetry.
  140. Some crimes are worse than murder.
  141. Every day is sacred, don’t wait for the “proper time” to do anything.
  142. You can not “want to exist”.
  143. You can love something more than you love your own life.
  144. Our concepts of “good” and “evil” aren’t absolute.
  145. Life is a war between preferences.
  146. Beauty is power in it’s visible form.
  147. You can be capable of all sorts of evil things, but you are demanded to act correctly.
  148. One can laugh out of fear.
  149. Do not repeat with your children the mistakes that your parents did to you.
  150. A person may be convinced that he should ignore earthly pleasures, but his guts will never be convinced of it.
  151. An ascetic person with short willpower will very often feel ashamed.
  152. Desiring something, but saying that the virtuous thing to do is to not do it, can be understood as hipocrisy: you say it’s “virtuous”, but only because you know that satisfaction is impossible, so you glorify your incapacity, saying it’s “the right thing to do” (sour grapes, implying that they wouldn’t think about virtue if they could have what they wanted).
  153. You need to tell the truth to hipocrites.
  154. If adults don’t think you are wise, try your luck with children.
  155. A person who speaks in complex words isn’t necessary a deep thinker.
  156. The huge revolutions start silently.
  157. Church is a kind of state.
  158. State is hipocrite.
  159. State regards itself as the most important thing in the world.
  160. When you say something and the person reacts violently, that might be because they know you are right.
  161. A person may be so tired and unenthusiatic to the point of not having enough motivation to leave the bed, grab a knife and kill themselves.
  162. A vice may not develop on a person if that person didn’t learn to run.
  163. Punishment is revenge, often named “justice”.
  164. A person may speak to themselves in one way, but speak to others in a different way.
  165. It’s not the height that scares you, but the possibility of falling from there.
  166. To remain pure in a crowd is like coming out clean from dirty water.
  167. You can’t give a definite judgement on someone if you can’t give a definite judgement about yourself.
  168. Trying to reach a goal alone may be easier than ordering others towards that same goal.
  169. The best leaders have no shame over their decisions, just like children.
  170. A person can have mature ideas, but that doesn’t mean they have maturity to apply those ideas.
  171. Guessing (instinct) isn’t the same as concluding (logic).
  172. Sometimes you hear the Devil’s doctrine from the mouth of a pastor.
  173. The benefit of solitude can only be felt once you are done mourning over the friends you abandoned.
  174. Don’t run after women and happiness will run after you.
  175. Our concepts of good and evil are fading clouds in the skies of mankind.
  176. People do not forgive those who are not envious of those who live the standard way of life.
  177. People may talk about you without thinking about you.
  178. If a person doesn’t have time for you, don’t waste your time with them.
  179. Every praise is a demand for more.
  180. Those who walk slowly can become a problem to those who want to go fast.
  181. Humility, for as long as motivated by fear of being harmed by others, is cowardice.
  182. Men train each other like humans train dogs.
  183. Mediocrity is sometimes mistakenly called “moderation”.
  184. Can a person who doesn’t love himself truly love someone else?
  185. It’s better to suffer than to idolize.
  186. Some people lie for sake of love.
  187. Someone’s contempt can be despicable.
  188. Move to a place where your love is acceptable.
  189. There are people who pray to flee from the responsibility to act.
  190. There are secret communities everywhere, even if those communities aren’t made of humans.
  191. You can’t pretend that it’s “wise” to do something that you know is useless.
  192. There’s a difference between solitude and abandonment.
  193. Voluptuousness and the desire for dominance are not necessarily bad.
  194. Voluptuousness is only bad for ascetics, celibates and people who like to flee from pleasure.
  195. For all others, voluptuousness is like a wine: tastes good, is healthy and can be taken in decent amount.
  196. Desire for dominance is linked to dissatisfaction with reality, to rejection of half-baked answers.
  197. Do not bow, like a slave, to the opinions of others.
  198. Don’t be ashamed of yourself.
  199. Society doesn’t want children to love themselves for what they are.
  200. Life is hard because humans evolved that way; we are paying the price of poor choices made by our ancestors (which aren’t an excuse to accept things the way they are, rather than changing it).
  201. Do not accept everything, do not reject everything.
  202. Those who want to be loved without giving love back are human-shaped parasites.
  203. It’s not wise to accept as gift something you can get by yourself.
  204. Those who can not give orders to themselves must accept orders from others.
  205. And there are those who can order, but don’t know how to obey.
  206. If you don’t tell the truth, you aren’t really being “nice” at all.
  207. Truth hurts.
  208. Good and evil aren’t solid concepts for humans.
  209. Humanity doesn’t work well with concepts between two extremes; historically, it goes back and forth from an extreme to another.
  210. If something needs to be bought, it doesn’t have a lot of value.
  211. It doesn’t matter where you come from, but where you are looking at.
  212. The best people aren’t invincible.
  213. If you are unsatisfied with the world, you aren’t excused of changing it.
  214. You live in this world.
  215. New moral values can be just as wrong as the old moral values.
  216. How can someone say “I’m tired of this world” and still feel scared of the death?
  217. Being “tired of this world” is a cool lifestyle.
  218. You don’t need to declare war to someone who is meaningless.
  219. Nowadays, spying on someone’s life is part of living in a “good neighborhood”.
  220. Marriage shouldn’t be a rushed decision.
  221. If you no longer love your wife, get a divorce, as it’s better than cheating on her secretely.
  222. Marriage can be hell.
  223. Nothing wrong in admitting it when your marriage is going downhill.
  224. Marriage is a decision that should be planned and thought out before being taken.
  225. If you can’t have children that can surpass you, it’s better to not have children at all.
  226. The human being is the most cruel animal in existence.
  227. A person can be cruel to other humans, but also to their very selves, as if finding pleasure through self-imposed suffering, seeing the suffering as a source of pride.
  228. The soul isn’t immortal.
  229. If I were to live in a desert island and share the place with another person, just us two, I would need to learn to love that person.
  230. If a person loves you because of your wisdom, they will stop loving you if you turn dumb.
  231. Doing something crazy may be better than doing nothing at all.
  232. Random things happen.
  233. If you don’t live in society, of course you won’t know social norms, and many people would rather live without having to care about social norms.
  234. High society is just a polished, golden variation of the same old archetypes found in working class.
  235. The working class is healthier than the “golden”, sedentary class in many senses.
  236. The working class, if it’s really better, should rule the nation.
  237. Working class isn’t the same as medium class.
  238. A bad king can still be taken in high regard because of the family he descends from.
  239. It’s a tragedy when the wisest men aren’t the nation’s rulers.

  240. There are people who need to lie in order to keep their life style.
  241. Depriving a religous person from their deity doesn’t free that person.
  242. The weak is not supposed to be the only one to give moral judgement.
  243. Wealth was never a reliable sign of evil; a rich person and a poor person can be equally perverse.
  244. Sometimes it’s safer in jail.
  245. A person can be taken for wise without being intelligent.
  246. It’s dangerous for the loner to go to a public place without being prepared.
  247. It’s useless to speak to everyone when no one wants to listen.
  248. The normal, everyday man doesn’t believe that people can evolve.
  249. “We are all equal” has become an excuse for conformism.
  250. We shouldn’t restrict ourselves to thinking how to survive as men, but also how to become something better than what we currently are.
  251. The essential isn’t enough for some people.
  252. Being human isn’t the top of evolution scale; we should become super-human.
  253. There are causes that are more valuable than survival.
  254. It’s better to live your life the way you please than living your life the way people tell you to.
  255. If you have a heart, tame your fear.
  256. If you suffer for yourself, you are weak, but that’s not the case when you suffer for the whole mankind.
  257. Submit the lightning that could kill you.
  258. Discernment is not a popular virtue.
  259. Unfounded belief can not be destroyed by reason, so resort on emotion.
  260. Ordinary people are suspicious of reason.
  261. Not lying isn’t the same as loving the truth.
  262. What you love most, that’s where your virtue comes from.
  263. Don’t try to be virtuous beyond your capacity.
  264. Don’t try something knowing it will go wrong.
  265. If you aren’t finding a reason to laugh, you are not looking in the right spots.
  266. It’s better to become mad from happiness than mad from sadness.
  267. Some people praise chastity because chastity can be sexy.
  268. We are scared of animals, even that one animal that lives within.
  269. It’s also innocence when you don’t know what innocence even is.
  270. Wisdom can lead someone to behave abnormally.
  271. Accepting the good things that life has to offer implies accepting the pain that life can also inflict.

25 de outubro de 2017

Anotações sobre “Além do bem e do mal ou prelúdio de uma filosofia do futuro”.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , — Alma @ 16:13

Além do bem e do mal ou prelúdio de uma filosofia do futuro” foi escrito por Nietzsche. Abaixo, o que aprendi lendo esse livro.

O bem e o mal.

Nem tudo é “bom” ou “ruim”: há áreas cinzentas entre os valores. Antinomia de valores pode muito bem ser só um ponto de vista. Pensadores tradicionais pensam no “sim” e no “não”, esquecendo do “talvez”. Pode até ser que duas coisas aparentemente contrárias sejam duas manifestações da mesma coisa. O fato é que é infantil olhar as coisas usando critérios morais absolutos, porque “moral” é a interpretação subjetiva de um mundo objetivamente amoral. Toda moral é, portanto, uma escolha e não tem existência fora na pessoa, na natureza. Morais universalmente aceitas não existem na Terra. Isso é válido também para além da moral: há graus entre verdadeiro e falso. Uma afirmação pode ser “mais verdadeira” que outra, sem ser totalmente verdadeira, seja porque há mescla de falsidade, seja porque é uma verdade incompleta.

Fazer ciência da moral não é possível, porque moral muda conforme tempo e espaço. Cada tempo pensa que sua moral é melhor do que as anteriores. O modo atual de pensar é melhor que o anterior ou somos levados a pensar assim? Veja o caso dos moralistas: eles odeiam povos indígenas, porque estes mostram uma sociedade que funciona com princípios morais diferentes, considerados “menos refinados”. Seu ódio reflete apenas seu orgulho ferido. A mudança da moral segundo tempo, lugar e pessoa é fatual. Segue-se que não há fundamento seguro para a construção de uma ciência chamada “ética”.

Hipocrisia e moralismo.

O ser humano tem as coisas mais fúteis como as mais importantes. Por causa disso, várias coisas fúteis são tidas como “boas”, mesmo que num nível individual. Um exemplo é o desprezo: quem se despreza ainda se orgulha do desprezo que tem de si mesmo. Quando esse desprezo toma forma de autonegação (o desprezo por si próprio), ele pode adquirir contornos hipócritas. Por exemplo: a pessoa que se esforça pra não sentir emoções. Ora, o desejo de superar uma emoção já é causado por outras emoções.

Um outro exemplo de “futilidade importante” é a ignorância. Para alguns, a ignorância é uma condição de manutenção da vida. É pela ignorância que a sociedade encontra estabilidade e não muda. A ignorância conserva, mesmo que conserve em um estado negativo. É perfeita para aqueles que temem mudar seus hábitos, mesmo que para melhor. Outro exemplo é o desinteresse. Por que uma ação tem que ser desinteressada pra ser boa? Eu não posso agir corretamente motivado por interesse próprio? Nem todas as ações feitas com interesse são erradas. O amor não é desinteressado, mas nem por isso inválido.

Outro exemplo é a mentira. Para algumas pessoas, a mentira é melhor do que a incerteza. Uma informação que te deixa feliz ou que te torna virtuoso pode ainda assim ser falsa. Da mesma forma, uma verdade pode ser desagradável. Então, podemos amar a mentira porque a mentira nos deixa alegres. O peso da realidade faz o sonho nos dominar. A mentira é, portanto, importante para aqueles que constroem suas vidas sobre a mentira. É o caso daqueles que querem dar uma forma de verdade incontestável à sua moral pessoal. Muitos julgamentos morais são arbitrários, mas argumentados de forma a parecerem científicos. É possível justificar um vício transformando-o numa virtude ou incluindo-o numa virtude. Assim, temos a sensação de que certas atitudes são sempre erradas ou “más”, mesmo que tal leitura da realidade não subsista ao escrutínio e tudo seja manipulação da linguagem. Apesar de tudo isso, a verdade se impõe. Felicidade pessoal não é argumento que sustente uma moral que se pretenda universal.

Tais futilidades podem ser usadas contra você. Tome como exemplo a obediência e a abstinência. Todo o mundo quer que você obedeça, mas os mais ricos são os que mais mandam e os que menos obedeceram. A abstinência nos leva a desejar e esse desejo pode ser usado a favor de alguém. Suponhamos, por exemplo, que a mulher de quem você gosta exige que você mude por ela ou ela deixará você. Mudar por amor é provar que a pessoa por quem você muda não te ama pelo que você é, mas pelo que ela pode te tornar. Ela usa a abstinência como arma para explorar você. Então, um lugar em que a “moral vigente” valoriza a obediência e a abstinência pode ser um ambiente que facilite o controle e a exploração de uns pelos outros.

Aceitando a moral como escolha pessoal.

De tanto você se esforçar em ver as coisas de forma distorcida, você não pode mais ver as coisas como são. A realidade moral, dos nossos conceitos de bem e de mal, passa a ser tida como absoluta quando, na realidade, ela varia de cultura pra cultura e até de pessoa pra pessoa. Uma moral pode ser imoral pra outra moral. Há mais morais do que é possível contar nos dedos de duas mãos. Como então superar isso? Se algo tem que morrer, ignore-o: abdique da ideia de que a moral proposta por alguém é universalmente aceita e viva dessa forma. Não deixe que ninguém te diga como ser feliz. Agir dessa forma, porém, não é algo que se faz somente com a própria força de vontade, mas é algo próprio dos fortes. “Basta querer pra conseguir” é um enunciado errado.

Quem pretende superar a moral absoluta tem que estar pronto pra se colocar em grande risco. Quando você começar a agir dessa forma, pode ser que te olhem diferente. Aquilo que você é pode não corresponder à ideia que fazem de você: viver com uma moral própria, pessoal, pode ser visto por aqueles que acreditam em morais absolutas como uma demonstração de desumanidade. Quem age segundo princípios, especialmente os próprios princípios, acaba se distanciando do agir comum, o que faz com que outras pessoas queiram puni-lo. E é aí que entra um dos desafios de mudar de comportamento: a quebra do pertencimento. Se você mudou para melhor e seus amigos não aprovam a mudança, rompa a amizade. Falar é fácil.

No entanto, mesmo depois de aceitar que não há moral objetiva e que toda moral é uma escolha, você não se tornará blindado contra as consequências de seus atos. Mesmo que você mude de comportamento, ainda sofrerá as consequências de um erro passado. Seja capaz de aceitar isso. A dor constrói, o prazer conforma. Quem não tem coração duro na adolescência não o terá na idade adulta. A pessoa amadurece ao enfrentar dificuldades. Quem sofre e sobrevive ao sofrimento acaba se tornando alguém melhor em termos de experiência.

A natureza filosófica.

Um ato consciente não é 100% feito sem instinto: nós pensamos porque queremos ou o pensamento nos vem de súbito? A filosofia, que se propõe a ser racional, por exemplo, se origina também do instinto e o mesmo pode ser dito das ciências, como a física, a qual é um meio de apreender o mundo que nos estimula. Tal instinto é a curiosidade: nos interessamos por fenômenos raros. Logo, praticar filosofia é uma manifestação dos instintos humanos. A marca da filosofia é a dúvida. Mas não é possível duvidar de tudo. Duvidar de tudo nos leva a duvidar de nosso pensamento. O filósofo pode dizer que quer duvidar de “tudo”, mas salvaguardar certas coisas da dúvida, como os princípios de raciocínio com os quais trabalha, uma vez que não é possível conduzir um raciocínio sem pressupostos. Um pressuposto comum é a religião. Tem muito pensamento sério baseado em crenças religiosas, mesmo que o pensador não perceba isso.

Há diferença entre descobrir e inventar, a descoberta sendo a constatação de algo que nos é mostrado pelo mundo e a invenção sendo a realização de uma ideia. Também há diferença entre criar e desenvolver. Existem pessoas que têm boas ideias e existem pessoas que desenvolvem bem as ideias que outros tiveram. Também é assim na filosofia.

Crítica à filosofia.

A filosofia se guia por perguntas. Algumas aberrações filosóficas são produzidas não quando a filosofia conclui de forma errada, mas quando ela pergunta de forma errada. Tais aberrações podem estar gestando antes da pergunta ser feita, quando o filósofo decide colocar coisas claras em dúvida. Então, antes de fazer uma pergunta qualquer, faça uma outra pergunta antes: “eu preciso perguntar isso?” Complicar o óbvio pode ser desejo de chamar atenção. Um filósofo que põe em dúvida o óbvio, então, pode estar sendo motivado pelo desejo por fama. E aí outros caem em sua armadilha e logo o pensamento de muitos se desvirtua. Ainda se crédito à ideias que nunca foram demonstradas e contra as quais se acumulam evidências contrárias.

Além disso, a filosofia muitas vezes trabalha com termos que não foram definidos. Como posso dizer “penso, logo existo” se eu não sei o que é pensar? O que é filosofia? Saber o que é filosofia requer prática de filosofia. Mas como eu vou praticar filosofia sem saber o que ela é? Assim a filosofia precisa ter conceitos claros como instrumentos de sua atividade, ou suas conclusões, mesmo quando não monstruosas, serão vazias. É grave construir algo novo sobre um erro antigo. Então uma filosofia nova que se funda em uma filosofia anterior, que incorre nesse erro conceitual (como é o caso das tradições metafísicas), pode facilmente ser questionada.

Outro problema da filosofia é que, por se fundar em conceitos, ela está invariavelmente sujeita à linguagem e, consequentemente, à gramática. A gramática de um povo influencia a filosofia a ponto de pessoas que raciocinam com gramáticas semelhantes chegarem à conclusões semelhantes. Isso permite que as filosofias de diferentes povos sejam diferentes entre si. Isso prejudica o caráter supostamente universal da filosofia. Claro que isso não significa que todos em um território sempre agem igual: mesmo que tenham princípios iguais, não terão objetivos iguais.

Embora a filosofia seja “amor pela sabedoria”, um filósofo pode ser amigo da sua verdade, que não necessariamente é a verdade de fato. Existem filósofos empenhados em mostrar que não estão errados, mesmo que estejam, porque são vaidosos. Já outros não estão tão a fim de provar a sua verdade, mas a verdade de quem os paga. O filósofo deve sê-lo por predisposição, talento, não por dinheiro (até porque paga muito mal e o campo é restrito) e nem por fama (porque compromisso com a verdade requer defender verdades desagradáveis).

O filósofo por vezes teme a si mesmo. A filosofia que apenas repete os valores de seu tempo e só está interessada em justificá-los é uma filosofia de coleira, digna de pena. Uma pessoa pode ser inteligente e esconder isso, pra pertencer à sociedade. Algumas pessoas sabem que estão certas, mas, temendo as consequências da verdade, se veem desejando que outros não pensem como elas. Assim, mesmo que alguém faça filosofia, pode ser que a faça de forma mais “suave” porque teme as consequências de ideias radicais nas quais acredita. A filosofia feita por alguém revela também seu caráter. Portanto examine-a.

Além disso, a filosofia produz uma multitude de resultados, devido a multitude de métodos, já que a filosofia, não sendo ciência, não tem método unificado. Alguns resultados se contradizem mutuamente. Isso causa ceticismo. O ceticismo, na medida em que tem dúvidas sem propor nada novo, é conservador. Há filósofos que já não mais creem na capacidade da filosofia de explicar o que quer que seja, já que é difícil filósofos entrarem em acordo entre si. Quando os filósofos se desesperam da filosofia, ela perde seu crédito. Já outros usam a filosofia apenas para destruir verdades estabelecidas sem propor nenhum novo entendimento da vida. Destruir uma certeza sem propor novas certezas é doentio. É preciso ter certeza, pelo menos, de si mesmo.

Por último, existem verdades que são percebidas por pessoas comuns, antes de ser percebidas pelos intelectuais, porque fazem parte do contexto comum. Se a filosofia se eximir do contexto comum, será inútil e a sabedoria popular lhe será superior. Apesar disso, mesmo que a filosofia se ocupe da vida comum, pode ser que ela não seja compreendida e seja tida por loucura. As pessoas negam as ideias que não têm maturidade pra compreender, como negam a existência de estrelas cuja luz não nos chegou. Por causa disso, pode ser que suas ideias não sejam entendidas neste século.

A ação correta.

No período helenístico, se costumava dizer que a vida feliz é aquela que se vive segundo a natureza. Se agir segundo a natureza é agir segundo a vida, ninguém precisa dizer a você pra fazer isso; você já está fazendo.

O valor de algo deve ser medido segundo suas consequências. Quando o valor de algo é medido segundo a intenção, em vez de segundo as consequências, então é lícito fazer atrocidades se for “por uma boa causa”. Se algo deve ser motivado pelas consequências que se quer obter, então procurar a verdade sem razão (o chamado “saber pelo saber”) te faz não encontrá-la. Você só procura a verdade se a mentira te incomoda ou porque você espera que sua vida melhore com isso. Além disso, mais que encontrar a verdade, é preciso que a verdade seja útil: atingir um ideal é ultrapassá-lo. Descobrir uma verdade que não serve pra nada é como morrer de sede no meio do mar, água que não se pode beber.

Cada um deve agir visando a felicidade, essa é a consequência que se procura. No entanto, o erro da pessoa feliz é pensar que não perderá a felicidade.

Na busca pela felicidade, nos deparamos com outros que fazem o mesmo por seus próprios meios (já que toda moral é uma escolha pessoal), o que pode causar conflitos e, portanto, ódio. Só é possível sentir ódio de alguém igual ou superior a nós. Por outro lado, algumas pessoas superiores a nós não estão interessadas em nossa destruição. Isso pode ser motivo de desconforto para alguns. Algumas pessoas sentem desconforto ao ser bem tratadas por alguém superior, porque sentem que não podem retribuir.

Crítica à religião.

O catolicismo domina em locais onde a prática tem mais valor do que o puro pensamento, porque o catolicismo condiciona a salvação às boas obras. Na verdade, uma pessoa pode agir mais como católico do que como brasileiro, tal é a ênfase nas obras. É diferente do protestantismo, que condiciona a salvação à fé somente. Se o catolicismo condiciona a salvação às boas obras, você não pode ser salvo somente crendo. O processo pode ser árduo. Ninguém é santo por diversão. Mas aí surge um problema: o mais difícil de fazer não necessariamente é o melhor a se fazer. Imagine se, depois de uma vida de austeridade e ascetismo, você descobre, depois da morte, que a forma que você pensava ser a correta de buscar a salvação era, na verdade, errada. Infelizmente, a crença na vinda vindoura pode tornar uma pessoa mais propensa a não aproveitar a vida presente. E se essa abnegação não compensar no final?

Nenhuma religião é totalmente santa. Existem pastores que estão apenas interessados em ganhar dinheiro e fiéis que vão pra igreja apenas porque não têm o que fazer em casa. Qualquer instituição composta de seres humanos que afirme ser santa, isto é, sem pecado, é automaticamente hipócrita, porque não há quem não peque. Seja no clero, seja entre os leigos, não é possível que todos sejam santos o tempo todo.

Há que se lembrar que a fé varia de pessoa pra pessoa. Se a religião for obrigatória, nem por isso todos crerão. Tem pessoas que são religiosas por “estilo” somente, como se fosse um adorno. Essas pessoas não estão interessadas na salvação, mas em status. Outro problema da religião é o fanatismo. Alguns são tão fanáticos que, no exercício do amor à divindade, se esquecem de amar o próximo. Não se deve amar um só ser em detrimento de todos os outros. Deus mesmo nunca mandou que se fizesse isso. Quem luta contra monstros deve tomar cuidado pra não se tornar também um monstro.

A moral dos senhores e a moral dos escravos.

Há dois tipos de moral: a dos senhores e a dos escravos. Antigamente, uma pessoa bem-sucedida era considerada virtuosa e ela era quem ditava o que era virtude e o que não era, através de seu comportamento. Assim, antigamente, na época da moral dos senhores, virtuoso era o comportamento do vencedor, qualquer que ele fosse. Aquele que luta por uma causa a ponto de os oprimidos se refugiarem sob sua sombra, por proteção, já nasceu senhor. Na moral do senhor, o mau é a insignificância, a necessidade de aprovação dos outros, a impotência, mas é o contrário na moral do dominado. Na moral dos dominados, ou dos escravos, que por inveja criam uma moral oposta à dos senhores, tudo o que é “opressivo”, como a desigualdade, é mau. Provam isso apontando as falhas de seus senhores, mas também sistematicamente negando as qualidades de tais senhores, tais como coragem, sagacidade, compaixão (porque também dominadores são capazes dela) e solidão, esta última sendo a virtude que limpa a pessoa da sujeira contraída pelo convívio com os outros.

Se você estivesse por cima, você pensaria em igualdade? Por isso a igualdade é reivindicada pelos oprimidos: se os oprimidos fossem opressores, não pensariam em igualdade. Mas para que haja essa mudança de paradigma, é preciso que o escravo tome o lugar do senhor ou tenha esse lugar concedido a ele. A emancipação feminina, por exemplo, só foi possível porque as assembleias políticas compostas totalmente por homens deram a elas o direito de votar.

Educação e família.

Se você acredita que o filho repete os erros do pai porque isso é genético, que utilidade você vê na educação? O filho não necessariamente agirá como seu pai. O pai pode ser a pessoa mais virtuosa e, ainda assim, estragar seu filho mimando-o. A criança mimada é viciosa. Tem-se então um pai virtuoso e um filho vicioso. A educação é importante, talvez mais que a genética. Mas a educação precisa ser boa. Uma educação qualquer, por exemplo, também ensina a dissimular e isso não é bom.

21 de setembro de 2017

Anotações sobre o “Crepúsculo dos Ídolos”.

Crepúsculo dos Ídolos foi escrito por Friedrich Nietzsche. Abaixo estão algumas afirmações feitas no livro. Uma afirmação pode ou não coincidir com o que eu penso sobre o assunto.

  1. Defender uma causa controversa requer que o indivíduo se mantenha sereno.

  2. O triunfo requer petulância.

  3. Força em excesso prova força suficiente.

  4. A mentira é mais comum do que a verdade.

  5. Dizem que a falta do que fazer é mãe de todos os vícios.

  6. Às vezes sabemos que algo não é verdade, mas temos medo de nos opor.

  7. Dizer que a verdade é sempre simples é mentir duas vezes.

  8. O que não mata, fortalece.

  9. Se ajude para receber ajuda dos outros.

  10. Não procure adeptos.

  11. A verdade é um atentado ao pudor.

  12. Ou se tem virtude ou se tem vantagens.

  13. Tem coisas que fazemos escondido, mas querendo que outros encontrem.

  14. Não se deve olhar o passado a fim de repetir os erros lá contidos.

  15. Satisfação aumenta a imunidade.

  16. Uma mulher com virtudes masculinas é irresistível, mas uma mulher sem essas virtudes não resiste a nada.

  17. A música nos deixa alegres.

  18. Pense andando.

  19. Existem os que se movem pra resolver o problema, existem os que só olham o problema e existem os que preferem não ver o problema.

  20. É preciso saber o que desejamos e se vale a pena desejar isso.

  21. Passar por cima dos outros é necessário pra progredir.

  22. A filosofia grega, que dizia que viver não vale a pena, mais especificamente a filosofia socrática, era doentia.

  23. Um consenso pode estar errado: pode ser que muitos concordem com uma coisa errada.

  24. Julgar a vida é idiotice; a vida é a vida.

  25. Somos parte da vida.

  26. Quando alguém emite um juízo de valor sobre a vida, sendo que ele próprio faz parte da vida, está pirado.

  27. Um sábio que julga a vida está se pondo acima dela, como juiz, o que prova que ele não é assim tão sábio.

  28. Para enfurecer um adversário e colocá-lo contra a parede, ponha-o numa situação em que ele tem que provar que não é um idiota.

  29. A feiúra de Sócrates podia muito bem ser um reflexo de sua má saúde, ajudada pelo excesso de controle sobre os próprios instintos.

  30. Se os instintos podem nos tiranizar, a razão pode nos tiranizar também.

  31. Uma pessoa pode ter que se forçar a ser racional.

  32. A doença do grego: excesso de razão.

  33. Por causa desse excesso de razão, o ato de satisfazer os instintos passou a ser visto como demonstração de fraqueza e não necessariamente o é.

  34. Quando a dialética abala a autoridade vigente, as pessoas esperam do dialético uma solução para o problema que ele próprio criou, o que lhe dá autoridade pra dizer o que a massa deve fazer.

  35. O ascetismo dessas morais é procurado como meio de salvação, mas essa vida clara, comedida, fria, prudente… nem sempre traz a felicidade que promete.

  36. Numa vida saudável, felicidade e instinto são a mesma coisa.

  37. Filósofos erram, pois não consideram o conceito como construção, como submisso às vicissitudes da história.

  38. A filosofia tradicional vê o devir como problemático.

  39. O ser imutável não encontra fundamento empírico mas os filósofos (falando aqui apenas dos platônicos, penso) querem que ele exista, o que os leva a admitir que o devir é ilusório e que o ser imutável é objeto de especulação.

  40. Os sentidos não mentem.

  41. O que acontece é que os sentidos nos dão uma informação imparcial, mas nossa interpretação dessa informação que pode estar errada.

  42. A filosofia tradicional parte do universal pra explicar o singular.

  43. Lógica não é sinal irrefutável de razão: algo pode fazer sentido e estar errado.

  44. Não é possível demonstrar que o mundo não é como parece ser, isto é, como nossos sentidos o captam.

  45. Uma ideia pode levar milênios para ser superada, mas ela é superada quando acaba não servindo mais pra nada.

  46. A moral pode se manifestar contra a natureza.

  47. As paixões podem trabalhar a favor da razão.

  48. Alguém que combate a ciência não luta inteligentemente contra nenhum inimigo.

  49. A moral tradicional prefere suprimir o desejo sexual, por exemplo, em vez de se perguntar como esse desejo poderia ser usado de forma construtiva.

  50. Se a paixão é uma expressão da vida, atacá-la é atacar a vida.

  51. Quem faz guerra contra os próprios desejos é quem não é capaz de usá-los a seu favor.

  52. Guerrear contra os desejos revela fraqueza de espírito: você mata o desejo porque não tolera sua sedução.

  53. O estabelecido precisa de oponentes.

  54. Uma moral que não tem como objetivo a preservação da vida é doentia.

  55. Qualquer moral que não tenha a vida como objetivo é decadente.

  56. Um humano não pode dizer como o ser humano deve ser.

  57. Quando uma pessoa diz “seja assim”, normalmente está dizendo, mesmo que não saiba, “seja como eu”.

  58. O maior vacilo que a razão pode cometer é confundir causa e efeito.

  59. A moral e a religião cometem esse vacilo constantemente.

  60. Não se pode fazer generalizações com base em um só exemplo.

  61. Não coma muito, nem coma pouco; coma o suficiente.

  62. Se eu sou virtuoso, farei o bem, mas fazer o bem não me torna virtuoso.

  63. Vício e luxo não são a causa da decadência humana, mas sinais dessa decadência.

  64. Outro vacilo: assumir causalidade onde ela não existe.

  65. Outro vacilo: imaginar causas que não existem.

  66. Outro vacilo: fingir que já se conhece o que é, na verdade, desconhecido.

  67. Se permitimos uma dor se apoderar de nós, é porque reconhecemos que a merecemos, mesmo quando não a merecemos de fato.

  68. Movimento peristáltico, como uma bela digestão, pode ser confundido com tranquilidade de espírito.

  69. Não temos razão de existir.

  70. Não há “fim”, isto é, objetivo.

  71. Moral não prova nada.

  72. O juízo moral crê numa realidade que não existe.

  73. Moral é interpretação e interpretações são pessoais.

  74. Moral é relativa.

  75. É possível falar uma coisa sem compreender as próprias palavras.

  76. Uma pessoa que não sabe o que a moral realmente é não pode tirar fruto dela.

  77. “Moral” é uma tentativa de melhorar o ser humano.

  78. Mais fácil melhorar o gênero humano pela ciência.

  79. Domesticar um animal é adoecê-lo, ao fazê-lo agir de uma forma não estipulada pela natureza.

  80. Quando se quer enfraquecer alguém, adoeça-o.

  81. Um número de processos de eugenia foram religiosamente sancionados.

  82. O Evangelho é contra o arianismo, é contra os valores de raça pura e dominante.

  83. A educação pode matar o gênio.

  84. Política e ciência são coisas diferentes.

  85. As épocas de maior avanço em termos filosóficos e científicos foram épocas de crise política.

  86. Nenhuma escola ensina a pensar.

  87. Não há mais disciplina que ensine lógica.

  88. Infelizmente, a ciência faz parte da democracia.

  89. Faz sentido um ateu moralista?

  90. Não se faz arte sem estar embriagado, mesmo que não de álcool.

  91. É possível estar embriagado de tesão.

  92. É possível estar embriagado de sonho.

  93. A sensação de força e de plenitude é o que torna a embriaguez uma fonte de inspiração artística.

  94. A embriaguez de Apolo nos leva a pintar, esculpir e descrever, mas embriaguez dionisíaca nos leva a compor, tocar e dançar.

  95. Existem ateus que querem deixar de ser ateus.

  96. Só é possível ter espírito (circunspeção, paciência, astúcia, mentira e domínio) na necessidade dele.

  97. Algumas vezes, imparcialidade é manifestação de arrogância.

  98. A filosofia de Kant é desonesta.

  99. As maiores tragédias só acontecem com as pessoas mais ilustres.

  100. Sempre seguir as regras da sociedade acaba comprometendo a pessoa.

  101. A mãe da filosofia é a atração por menores.

  102. Praticar arte só por fazer é lutar contra a moral.

  103. O objetivo do ensino superior é transformar um homem numa máquina estatal kantiana, ensinando-o, através da moral, a ter ódio de si próprio.

  104. De vez em quando, faça arte sem método.

  105. O gênio consome energia e trabalha sob pressão e arruinará sua saúde se não der uma pausa pra mexer o corpo.

  106. Mais vale um homem real do que um ideal.

  107. Doenças são sinal de decadência não causas de decadência.

  108. O anarquista culpa a sociedade e o cristão culpa a si mesmo.

  109. O socialista faz da revolução sua vingança e o cristão, muitas vezes, faz do juízo final sua vingança.

  110. Não é possível agir sem interesse.

  111. Ser totalmente altruísta, isto é, nunca pensar em si, é fórmula de suicídio.

  112. Melhor você negar seu valor do que o valor da vida.

  113. O doente terminal deveria ter direito de se matar, se quisesse.

  114. Se a pessoa perdeu a dignidade de viver, permita-a morrer dignamente.

  115. Todas as épocas se julgam no ápice da realização moral.

  116. Uma moral muito restritiva vem de um povo mais fraco e delicado, que “não suporta” certas coisas.

  117. O valor de uma moral vem de sua serventia.

  118. Nossa sociedade detesta correr riscos.

  119. Alguém que zela pela liberdade não pode se vender.

  120. Você só pode ser forte se precisar sê-lo.

  121. Pra quê serve o casamento hoje?

  122. A moral kantiana nada mais foi do que a validação dos costumes de sua época.

  123. O sacrifício heróico é o ato que desconsidera a sobrevivência do praticante em nome de uma causa maior que sua própria vida.

  124. O criminoso é um homem forte que nasceu numa época que não compreende sua força.

  125. Antes de ganhar notoriedade, todos os gênios são odiados por seu tempo.

  126. Educar sentimentos e pensamentos não te torna belo, mas educar o corpo torna.

  127. A realidade está nos acontecimentos verdadeiros do mundo, não na nossa cabeça e nem na nossa moral.

  128. Não existe mudança sem sacrifício.

6 de setembro de 2017

Anotações sobre o nascimento da tragédia.

Filed under: Livros, Música, Passatempos — Tags:, , , — Alma @ 16:15
  1. A tragédia nasce do espírito da música, diz o autor.

  2. Por que os gregos tinham necessidade do gênero trágico, eles que eram tão felizes?

  3. Pessimismo não é sinal seguro de declínio.

  4. Foi Sócrates quem matou a tragédia grega. A razão descreditou a tragédia.

  5. A racionalidade pode ser sinal mais seguro de declínio do que o pessimismo.

  6. A ciência é questionável. Infelizmente, ela pode ser questionada erroneamente também.

  7. A ciência não pode pensar a si mesma. Esse é o trabalho pra arte ou pra filosofia. Nietzsche prefere a arte.

  8. A tarefa do livro é ver a ciência sob a ótica do artista.

  9. É possível ser tão lúcido a ponto de ficar louco? Sim, é possível.

  10. O cristianismo, pelo ódio ao mundo, leva o cristão a fechar os olhos aos prazeres desta vida em prol de vagas promessas, diz o autor. Importante lembrar que se trata do cristianismo mais tradicional. O judaísmo não tem, por exemplo, um “céu” pra onde as almas vão. Para os judeus, só há um mundo onde humanos podem viver: este. É o mesmo com as testemunhas de Jeová. Essa crítica de Nietzsche só se sustenta no cristianismo que afirma a existência de dois mundos.

  11. Para o cristão, esta vida é sem sentido. Nietzsche vê nisso um sintoma de grave doença.

  12. A moral, diz Nietzsche, é o começo do fim.

  13. Uma filosofia que afirma o valor deste mundo em detrimento do outro mundo cristão é uma filosofia anticristã. Só que hoje, com o movimento cristão alternativo ganhando força, existe um cristianismo que afirma só um mundo. Então, Nietzsche já não é mais tão anticristão como costumava ser no seu século.

  14. O espírito trágico, diz Schopenhauer, não vê neste mundo nenhuma razão de apego. Assim, ele conduz o indivíduo à resignação. Nietzsche discorda. Pra Nietzsche, o espírito trágico não traz nenhuma resignação.

  15. Pra alguns, é melhor que nada seja verdade do que o inimigo ter razão de alguma coisa. Esse pessoal frequentemente se dirige e seduz os jovens.

  16. Não adianta ouvir de ouvidos tampados.

  17. O consolo do cristão é a vida futura. O consolo do ateu é o riso mundano, diz o autor. No entanto, o cristão pode se consolar de ambas as formas, já que essa vida futura pode estar bem longe. Ou não (Mateus 24:36).

  18. A arte plástica e a arte musical nascem desse confronto entre o dionisíaco e o apolíneo. O impulso dionisíaco produz a música e, no seu combate com o apolíneo, é estimulado a produzir mais música. O impulso apolíneo produz artes plásticas, como a escultura, da mesma forma que Dionísio produz música. Mas a tragédia ocorre quando os dois estão juntos, lado a lado, o que não necessariamente quer dizer que eles estão em concórdia.

  19. Apolo e Dionísio são relacionados aos dois estados de inspiração do artista: Apolo é o sonho, Dionísio é a embriaguez. Isso porque Dionísio é também o deus grego do porre.

  20. Dizem os antigos que os deuses apareciam em sonhos, nos dando uma ideia de como eles eram em aparência. Aí o pessoal esculpia eles. E é quando estamos bêbados que mais dançamos. Festa sem álcool não existe.

  21. Para alguns poetas, a poesia é a arte de interpretar sonhos.

  22. Não é possível praticar artes plásticas sem imaginar a cena a ser representada antes de começar, diz o autor. Isso não é verdade; eu sei, por experiência própria, quando desenho, que a cena pode ser imaginada conforme a representação progride. Não há necessidade de ter uma cena completa em mente antes de começar. É como desenhar por associação livre, um jogo de perguntas e respostas entre você e o papel.

  23. A sensação de que o mundo físico é falso é sinal de aptidão para a filosofia. Porque a filosofia diz que as coisas não são como parecem.

  24. Tem sonhos mais reais que a realidade. Se você não acordasse, nunca iria saber.

  25. Para desespero de Descartes, sim, existem casos em que um sonho continua o outro. Como saber se estou acordado agora, então? Porque, pra Descartes, a única diferença entre sonho e vigília é que um sonho não continua o outro, mas um dia no mundo real continua o dia anterior. Se um sonho pode continuar o sonho da noite anterior, como é que eu vou poder diferenciar com segurança?

  26. Viver sóbrio, mesmo que torne a vida mais longa, torna a vida mais chata. A pessoa que não se permite um excesso, que é excessivamente controlada e comedida (tipo eu), tem uma longa vida chata, em comparação com a curta vida louca do bêbado festeiro, que ao menos o faz feliz.

  27. Tomar um porre de vez em quando não necessariamente é ruim.

  28. O porre é a concretização da instrumentalidade humana.

  29. Nem todas as festas são dionisíacas. Nem todo o sátiro é Dionísio. Existem festas em que a pessoa se embebeda e produz arte. Mas existem festas em que a pessoa se embebeda e vira um animal.

  30. Tem gente que preferia não ter nascido.

  31. O sofrimento é necessário à arte, porque nos permite imaginar como as coisas poderiam ser diferentes. Assim, a arte que consola vem da realidade opressiva.

  32. Às vezes é preciso estar bêbado pra dizer a verdade.

  33. A música representa, à sua maneira, os mesmos objetos que a arte plástica, mas sem mostrá-los. É como quando você nomina um tema: “Ambiente Aquático”, “Louco Dançarino”, “Exodia”, são todas músicas sem letra, mas que representam alguma coisa por similitude, isto é, sem mostrar o objeto a que se reportam. Existem exceções, como músicas com letra e músicas cujo nome tão somente se refere às técnicas usadas (“Prelúdio e Fuga em A-Menor”, pra dizer que a música usou a técnica de prelúdio, a técnica de fuga e é tocada em a-menor).

  34. A poesia imita a música. Mas palavras não podem imitar o simbolismo universal da música, que se dirige ao coração, em um nível mais penetrante que o da palavra.

  35. Ninguém sabe exatamente como a tragédia grega começou, mas porque ninguém se importou em sequer fazer a pergunta com seriedade.

  36. Para que a arte funcione, precisa ser reconhecida como arte e não como realidade. É o que Kant diz do sublime, de certa forma, quando afirma que o sublime só pode ser apreciado sem perigo real.

  37. Não existe plateia sem show.

  38. A comédia é a “descarga artística da náusea do absurdo”. É tão doido que chega a ser engraçado. E porque é engraçado que é tolerável.

  39. Para Nietzsche, o sátiro é superior ao ser humano, por viver a realidade inteira com toda a sua intensidade. A civilidade impede o ser humano de fazer o mesmo.

  40. O poeta quer retratar a realidade, mas como, se ele não a viver?

  41. Na tragédia, Dionísio é representado pelo coro, enquanto que Apolo é representado pela cena. Som e imagem se juntam, embora não se misturem, num espetáculo com todos os elementos de um e de outro.

  42. Uma pessoa sábia ainda pode errar e se tornar miserável. Paralelo com Salomão.

  43. Alguém escreveu: “um sábio mago só pode nascer de um incesto.” Isso porque magos não são seres naturais, mas que resistem à natureza, ao passo que o parecer da época era de que incesto é algo antinatural.

  44. A sabedoria humana foi um acidente. Para o autor, ela não é natural. Pra mim, se ela é acidental, é um feliz acidente.

  45. O princípio do mal é a individuação. Não poderíamos fazer mal um ao outro se fôssemos um só.

  46. A música atinge todo o seu potencial na tragédia. Caso você ainda não tenha percebido, “tragédia”, aqui, é o gênero de teatro.

  47. Para Nietzsche, as religiões começam a morrer com a ortodoxia. Quando você faz um cânon oficial, descartando tudo o mais como mito, você impede a depuração e revitalização da religião. Então, como o cristianismo subsiste? Porque, verdade seja dita, não existe ortodoxia no crisitianismo… Existe uma Bíblia Sagrada, é verdade, mas não há interpretação oficial fora da Igreja Católica. Por exemplo, o Protestantismo encoraja cada cristão a ter sua interpretação da Bíblia. Como é possível uma ortodoxia assim? Nietzsche, contudo, fala de cânon histórico, mas o fenômeno cristão mostra que é possível que uma religião subsista com cânon histórico, desde que não haja cânon doutrinário. Se houvesse uma só interpreação da Bíblia, o cristianismo seria destruído quando essa interpreação fosse descreditada, mas o que se observa é que, quando uma interpretação cai, duas aparecem no lugar.

  48. A tragédia grega morreu de suicídio. Trágico.

  49. O suicídio da tragédia ocorreu quando Eurípides começou a escrever tragédias em que o destino poderia ter sido evitado. Isso fez com que a população, que antes encarava o destino com indiferença (“qualquer coisa pode acontecer a qualquer momento, então é inútil me preocupar”), passou viver em estado de alerta (“qualquer coisa pode acontecer a qualquer momento, mas eu posso evitar, então devo me preocupar o tempo todo”). A tragédia, que antes promovia a aceitação da vida, passou a promover a sua negação. Não é a vida como é que importa, mas como ela deveria ser.

  50. A tragédia foi sucedida por outro gênero que melhor atendia às pessoas que agora pensavam dessa forma: a nova comédia.

  51. O valor formativo do trabalho de Eurípides o tornava requisitado. Não se ia mais ao teatro pra sofrer com os personagens, mas pra aprender.

  52. Antes, era possível encarar a miséria humana com indiferença, mas agora ela era temida.

  53. A única crítica que o arrogante escuta é a dele próprio.

  54. Derrotar um gênero artístico requer a prática desse gênero.

  55. Eurípedes arruinou o gênero trágico por causa de Sócrates! Parece que foram contemporâneos. Como Eurípedes não gostava da atual forma da tragédia grega, ele começou a conversar com Sócrates, que também não assitia as tragédias. Foi pela influência socrática que Eurípedes concebeu sua interpretação da tragédia, a qual ele levou a efeito.

  56. Quando Eurípedes percebeu que estava destruindo o gênero trágico, ele tentou fazer uma peça nos moldes da tragédia tradicional, mas já era tarde demais. Destruir e depois pedir desculpas não conserta o que foi destruído. Além do mais, considerando que Eurípedes não entendia a tragédia tradicional e passou sua vida discordando dos mestres, não duvido que sua retratação tenha sido uma porcaria de peça.

  57. Eurípedes removeu o elemento dionisíaco das suas tragédias, ao passo que nunca conseguiu chegar totalmente ao apolíneo. Havia um vazio em suas peças que precisava ser preenchido. Ele preencheu com ajuda de Sócrates. Com filosofia.

  58. A tragédia euripidiana conta o final da peça já no prólogo.

  59. Uma peça que estimula a pensar é uma peça que desencoraja a sentir. Tudo bem você refletir depois sobre a peça, mas é contraprodutivo estimular essa reflexão durante a peça. Durante a peça, você deveria assistir.

  60. Se Sócrates não era artista, como é que Eurípides deixava Sócrates ajudar?

  61. A poesia é a verdade para idiotas. Porque algumas pessoas só entendem a verdade através da arte, não pelo discurso científico.

  62. Platão ia ser poeta, se não tivesse se encontrado com Sócrates e virado filósofo.

  63. O romance é uma fábula intensa.

  64. A influência socrática sobre Eurípedes deu à luz “tragédias” que enfatizavam a ligação entre felicidade e virtude. Só que essa é uma ligação que não é necessária: muitos bons sofrem. A tragédia anterior, que mostrava o sofrimento como ato do destino, algo que poderia sobrevir a qualquer um, não é mais realista, ao menos nesse ponto?

  65. A tragédia encontra seu elemento dionisíaco (musical) no coro. Remover o coro da tragédia é remover Dionísio. Sem Dionísio, não há mais tragédia, uma vez que a tragédia é Apolo e Dionísio.

  66. Sócrates não começou a batalha contra Dionísio, mas apenas ajudou a terminá-la, transformando, por meio de Eurípides, a expulsão de Dionísio em uma moda a ser seguida.

  67. Os gregos eram tão originais que alguns artistas preferem não estudá-los, pra não verem que algumas de suas ideias, aparentemente tão originais, já foram tentadas e desenvolvidas antes. É por isso que um dos meus amigos não lê TV Tropes.

  68. Alguém contente consigo próprio não pode ser derrotado por simples inveja ou mentira. Por isso as pessoas temem ou se envergonham perto dele.

  69. A busca pela verdade dá sentido às pessoas. Querem procurar a verdade, mas não necessariamente encontrá-la. Porque, se encontrarem, o que farão da vida depois disso? Já pensou como seria nossa vida se não houvesse mais nada pra aprender? Se soubéssemos tudo? Talvez ela até fosse melhor, mas nem todos a levariam numa boa, porque não iriam saber o que fazer com a vida. A busca pela verdade inalcançável, esquecendo que é inalcançável, é uma autoajuda, um meio de dar significado a uma vida que, de outra forma, não teria sentido.

  70. Uma luta intelectual não pode ser somente assistida. Quem assite, tem que lutar também.

  71. A filosofia e a ciência não podem se sustentar sozinhas. O ser humano precisa da arte. E o grego que havia começado a curtir a tragédia de Eurípedes percebeu também, em algum tempo, que o conhecimento humano tem limites. A frustração de se deparar com esses limites criou uma nova demanda pela tragédia, mas como voltar a ela agora, uma vez que o grego havia aprendido a detestar Dionísio?

  72. O comentário mais fiel de uma cena é feito pela trilha sonora que toca junto com ela.

  73. Se a música combinar com a cena, o entendimento da plateia é melhorado.

  74. É por isso que se canta, em vez de simplesmente declamar poesia.

  75. A cientifização da arte faz com que encaremos gênios que não pactuam com essa cientifização como incompreensíveis. E no entanto são os melhores.

  76. Uma classe de escravos que percebe que está sendo tratada injustamente e passa a desejar vingança é algo perigoso ao estabelecido. Quando um escravo começa a querer se vingar e a vingar até as gerações futuras, não há religião que o pare (“se Deus existe e é bom, deve ser contra a opressão!”).

  77. Tem muito pastor ateu.

  78. Não é possível saber tudo.

  79. Causalidade, tempo e espaço são coisa da nossa cabeça.

  80. Uma sociedade científica deve deixar de existir quando começa a ser ilógica. Uma cultura científica ilógica está caduca.

  81. Para Nietzsche, a ópera não é uma criação de artistas, mas de leigos.

  82. O problema da ópera (e de muitas músicas por aí) é priorizar a letra sobre a melodia, a harmonia e o pulso.

  83. Nem todas as pessoas sensíveis são artistas. Sensibilidade não é o mesmo que aptidão artística.

  84. Não existe estado sem indivíduos.

  85. A educação e as notícias predispõem uma pessoa a julgar um trabalho de arte de determinada forma.

  86. Um crítico de arte pode julgar uma obra com critérios que não têm nada a ver com arte.

  87. Um pouco de dissonância ajuda a música.

21 de abril de 2013

Educação secular, “educação” não-secular.

Filed under: Organizações, Passatempos, Saúde e bem-estar — Tags:, , , , — Alma @ 18:14

Olhe ao redor, por favor. Pelo menos na minha tela, na minha garrafa d’água, nos meus livros, nas minhas roupas… a letra cursiva está ausente. Por que ensinar letra cursiva para crianças pequenas se a letra cursiva não aparece em lugar algum? Por que não ensinar apenas a letra de forma?

Veja, quando se ensina letra cursiva, a leitura torna-se algo feito dentro da escola e que lá fica, porque o aluno em fase de alfabetização não pode ler as coisas que acontecem no mundo ao redor dele, onde tudo é escrito em letra de forma. Ele não pode ler anúncios, não pode ler legendas, não pode ler páginas na Internet e nem mesmo os próprios livros didáticos. A letra de forma é a que você vê agora. Não estou me referindo àquilo que as pessoas normalmente pensam que é “escrever com letra de forma”, ou seja, não estou dizendo para ensinar às crianças apenas letras maiúsculas. Existem letras de forma minúsculas.

Tive uma conversa com meu coleguinha sobre isso e ele me disse que a razão pela qual a letra cursiva é ensinada nas escolas é que não se pode escrever redações no Exame Nacional do Ensino Médio, por exemplo, em letra de forma. Isso me lembra de uma coisa que ouvi no passado muitas vezes e que me mortificava sempre que era dita: “vocês precisam aprender isto para passar no Vestibular”. Quem me dizia isso eram meus próprios professores. Aí eu ficava pensando onde está o ideal da educação de formar pessoas para a vida e não para o sistema. Porque sempre que eu ouvia aquilo eu pensava que a educação servia apenas para o sistema. Então por que não abandonar a escola e começar o curso preparatório meses antes do Vestibular, já que só precisaremos daquele conhecimento por aquele tempinho? Afinal, o pessoal do curso preparatório sabe o que cai no Vestibular e pode te ensinar a essência em pouquíssimo tempo, aí você pode esquecer quando tiver passado.

Quando você diz que está aprendendo algo apenas por causa do sistema, você tira o propósito da escola. Não era à toa que a maioria dos meus colegas queria desistir da escola. Seria melhor para os habitantes uma mudança negativa no ensino em prol do sistema ou o abandono de um aspecto do sistema em prol de uma educação melhor?

Aí meu coleguinha disse que “nos Estados Unidos” e em tantos outros países se ensina letra cursiva, não que isso faça o ensino de letra cursiva necessário. É melhor que o aluno aprenda a letra de forma como prioridade para que ele possa ler tanto quanto seja possível, dentro e fora da escola.

Hoje encontrei um amigo no ônibus, amigo que eu não via há muito tempo. Falei com ele e ele disse que leu este diário… inclusive o que diz respeito à fraldas e patadas. Devo ter ficado vermelho de vergonha, mas ele não fez nenhum alarde. Bom saber que ele é capaz de ver que isso não faz de mim uma má pessoa. Falei pra ele dos meus colegas fetichistas e de como fraldas são algo sexual para muitos dos meus amigos. Ele fez piada, achou estranho, mas nem por isso ficou com raiva ou parou de falar comigo. Fiquei muito satisfeito com o quanto ele melhorou desde a última vez que falamos, pois a sua mente está mais aberta e ele parece ter melhorado no quesito bom senso.

Daí falamos do estudo bíblico sobre a masturbação que escrevi. Ele disse que viu uma incoerência ou duas (ou três), mas que gostou no fim das contas, especialmente porque denunciei como os líderes religiosos podem cair na falácia de mostrar versículos bíblicos fora do contexto aos fiéis para justificar suas afirmações. Você não pode ler um pedacinho de um texto e esperar entender do que ele se trata se você não lê o resto do texto no qual ele está inserido. O significado de um versículo isolado é facilmente manipulável.

E aí conversamos sobre religião. Peguei pesado falando mal das instituições e garanto que chamei a atenção de todos ao nosso redor no ônibus, não que achasse isso ruim. Eu e ele concordamos que a servidão à instituições religiosas sem a devida reflexão sobre suas bases é uma manifestação do medo de errar e da preguiça de pensar. Você teme interpretar as Escrituras de forma falha, quando não tem preguiça de dar-se ao esforço em primeiro lugar. Óbvio que nem todos os fiéis são assim. É muito cômodo simplesmente acreditar no que o líder religioso diz, o que me lembra do que li na revista Conhecimento Prático: Filosofia (Número 30, página 50-51) e cito aqui pro senhor:

O problema para Nietzsche está no administrador do perdão, o sacerdote. Para Nietzsche, a lei, falando pela boca do sacerdote, transforma-se em moral vigente. Há uma máscara sobre “Deus”, porque o sacerdote ganha para si o poder da lei, personificando “Deus”. E, como a lei vem de um “Deus” que precisa de intérpretes (pois os textos bíblicos são a única manifestação que o crente aceita como tal), os homens elegem o sacerdote como intérprete de “Deus”. Mas aí surge outro problema, diz Nietzsche: se “Deus” é juiz dos homens e o sacerdote (padre ou pastor cristão) é seu porta-voz, então, na realidade, é o sacerdote quem julga os homens? Sim, diz ele, porque mesmo que “Deus” exista quem dá a última palavra é o sacerdote.

– Gerson Lemos.

Só que aí o cara supõe que nenhum cristão pega a Bíblia pra ler e interpretar ele mesmo, sendo seu próprio sacerdote, que todos os cristãos são ou medrosos ou preguiçosos. Uma pena que muitos de fato o são.

Fico muitíssimo feliz por meu amigo ser tão receptivo ao que penso e ser capaz de não me julgar por meras idiossincrasias. Que bom que tenho amigos em quem confiar, mesmo quando o tempo e o espaço nos separam.

Falando nisso, peguei meu sobrinho lendo minhas revistas de filosofia. Ele tem sete anos e minha mãe “diz que ele é” testemunha de Jeová, embora o menino tenha mostrada severa resistência à tudo o que ela lhe ensina. Hoje ele lha disse que não acredita que Deus é imortal (naturalmente, a ideia de eternidade não entra na cabeça de alguém de sete anos). Garanto que minha mãe acha que é minha culpa.

10 de dezembro de 2012

Tragédia grega e decadência.

O semestre está para acabar e, provavelmente, esta é a última semana de aula. Só o que falta é a depressiva disciplina de história da filosofia nível cinco, que trata da morte de Deus, isto é, da eliminação de um fundamento supersensível absoluto da filosofia.

Sabe, na Grécia Antiga, tinha a tal da tragédia. Tratava-se de uma festa em que as pessoas se reuniam para sacrificar um bode e aí um dos participantes encarnava Dionísio, o deus do porre, para receber o bode e contar a história do dito deus, este deus bárbaro que foi esquartejado e ressuscitado. Com o passar do tempo, a história mudava e os protagonistas também. Não era mais Dionísio, mas Édipo, por exemplo, entre outros heróis, deuses e semideuses, todos esses personagens começando bem e terminando muito mal na história. Por causa do destino, que permeava a trama constantemente. A tragédia então era a celebração do destino, a celebração do fato de que até os deuses e os filhos de família se ferram e que se lascar é parte inalienável da vida, não há sabedoria ou virtude que lhe salve disso. E, como não é nossa culpa, que seja assim! É, como disse meu professor, a existência humana imperfeita dizendo “sim” a si própria, porque as coisas não podiam ser de outro jeito.

Aí veio Sócrates e a decadência, de acordo com Nietzsche, começou. Sócrates, com seu humanismo, colocava o ser humano como centro de sua existência. O destino pode ser mudado, as coisas podiam ser de outro jeito e tudo dependia do indivíduo. Eurípedes foi influenciado por isso. E sabe o que Eurípedes fazia? Escrevia tragédias! Assim, a tragédia grega começou a se destruir por dentro, porque a possibilidade de o indivíduo comandar seu próprio destino por meio da razão e do acúmulo de sabedoria havia sido posta em evidência e estava virando moda (a tragédia era um evento que reunia várias pessoas então muitos foram atingidos). As tragédias de Eurípedes, se bem que muitos não gostam de chamá-las de “tragédias”, carregavam consigo um elemento humanista perigosamente desestabilizador. Depois que a moda pegou e o pessoal, ao invés de sorrir e aceitar o destino, franzia a testa e pensava no que fazer para melhorar sua própria existência, Eurípedes percebeu que havia feito algo horrível. O povo que antes dizia “sim” ao destino e o aceitava felizmente agora estava triste, sentido e ontologicamente melancólico. Com o destino deles em suas mãos, não havia mais como culpar ninguém além de si mesmo pelas desgraças que lhe aconteciam e é muito mais fácil você dizer que nada é sua culpa e que há uma força maior que lhe torna simples espectador da vida, quando não uma marionete. Como dizem: quanto menos você sabe, mais feliz você é.

Quando Eurípedes percebeu o que estava acontecendo, escreveu uma tragédia ao estilo clássico, sem elementos humanistas, chamada As Bacantes. Mas já era tarde demais; a decadência estava em execução.

%d blogueiros gostam disto: