Analecto

21 de fevereiro de 2012

Quase esqueço o título.

Filed under: Passatempos, Saúde e bem-estar — Tags:, , , — Yurinho @ 19:02

Perfil de gagagliscor’s | SoFurry.

Minhas aulas começam na segunda. Estou ansioso! Até sonho com isso quando durmo.

Finalmente, livre da gaiola do tédio. Ah, sim: tenho jogado Rocket Knight Adventures. Muito bom aquele joguinho, tanto em diversão como eu beleza, música e história simples, porém cativante.

Eu tenho notado uma coisa sobre mim que me incomoda um pouco: eu sou muito diferente dos outros. Por muito tempo eu achei que eu era só um pouco diferente, o que era aceitável, mas agora vejo que estou sempre metido em minorias, estou sempre indo na contra-mão dos grandes grupos.

  • Arte: tradicional, quando todos fazem digital.
  • Sistema operacional: Linux, quando todos usam Windows.
  • Faculdade: filosofia, quando todos fazem qualquer outra coisa.
  • Escolha de profissão: professor, quando todos querem fazer algo lucrativo.
  • Música: eletrônica, embora todos os que se interessam em compor procuram aprender instrumentos físicos ao invés de programas. Mesmo minha música eletrônica vai na contra-mão do que é esperado da música eletrônica; não faço “música de festa”.
  • Religião: nenhuma, quando todo o mundo ao meu redor é católico, protestante, ateu ou testemunha de Jeová.
  • Patada é melhor que yiff.

Pensando a respeito, parece que sempre faço as escolhas erradas ou, no mínimo, inesperadas. As pessoas têm dificuldade entendendo minhas ações. Mas, pondo esses pontos na tela e lendo eles, vejo que não há nada de errado nas escolhas que fiz, mas o fato de ter poucas pessoas que tomam as mesmas direções que eu me faz pensar que talvez eu tenha sido insensato… e me sinto tentado a ser como todo o mundo. Me sinto sozinho e é meio difícil manter-se firme em seus princípios quando não há quem partilhe desses princípios. Você tem que aguentar tudo sozinho.

Mas aí eu lembro por que eu tomei essas decisões e vejo que eu tomei a decisão certa. Mas nem sempre o certo é o mais confortável a ser feito. É como aquele cara do Matrix. Ele havia sido libertado da Matrix para liberar os humanos de uma escravidão exercida pelas máquinas. Mas ele eventualmente traiu seus companheiros; quando ele estava na Matrix, ele vivia de ilusões que o fazia sentir-se bem: comida boa, sexo, água mineral, cama aconchegante e todas essas coisas da sociedade atual. Eram apenas ilusões e, na verdade, ele e o resto da humanidade estavam adormecidos e tendo o mesmo sonho, enquanto as máquinas usavam os humanos como fonte de energia. A coisa certa a ser feita era acordar os humanos para que eles se rebelassem contra as máquinas e as destruíssem, acabando com a guerra em Sião. Mas será que tomar tal tarefa árdua, mesmo sendo a coisa certa, é a melhor escolha a ser feita, considerando que a ilusão parece melhor que o desespero?

Obviamente, não voltarei atrás nas coisas que eu disse. Continuarei fazendo arte tradicional, usando Linux e cursando filosofia porque são decisões que tomei após longa reflexão e que combinam com meus ideais… ou orgulho, no caso da arte. Mas admito que, por enquanto, ser íntegro não me faz bem.

%d blogueiros gostam disto: