Analecto

22 de agosto de 2019

What I learned by reading “The Social Contract”.

Filed under: Livros, Notícias e política, Saúde e bem-estar — Tags:, , — Yurinho @ 15:28

The Social Contract” was written by Jean-Jacques Rousseau. Below, what I learned by reading his text.

  1. It is not politicians who write about politics: being in office, they validate their thinking with their actions, not words.
  2. If I were a politician, I would not write about politics; I would do politics.
  3. Everyone who participates in a society should reflect on politics.
  4. Dependence on family members is, at first, natural.
  5. The family may continue to exist when there is no longer dependence on each other, but in this case the family exists only by convention and not by necessity.
  6. No one gives up his freedom unless he gains something in return.
  7. If you have been a slave for a long time, you stop desiring freedom.
  8. The first slaves were enslaved by force, but the slaves who came later were enslaved by custom.
  9. Everyone has the right to rule, if they wanna compete and think they can do it.
  10. Any monarch who wants to avoid conspiracies, rebellions, or civil wars should get rid of his people.
  11. Obeying to force is not an act of morals, but of prudence.
  12. If disobedience is not an option, there is no morality.
  13. If the strongest is always right in his actions, then I have to be strong.
  14. I can only disobey the strong being stronger than him.
  15. You only sell yourself if you think you will profit from it.
  16. The king derives his subsistence from the people; we are the ones who keep the government alive.
  17. No one works for free.
  18. A war is always between governments, not between nations, as the people often don’t want war to happen.
  19. There is no such thing as full slavery.
  20. People came first, government came second.
  21. The social contract is the renunciation of natural freedom for the sake of a conventional freedom established by mutual agreement to obtain the benefits of life in society.
  22. There is a “general will,” manifest in the laws and enforced by the contract.
  23. It is unfair to have several rights and no duties.
  24. If you refuse to obey the general will of people, you will end up being dragged into doing só anyway.
  25. Society sets humans apart from other animals.
  26. There are two types of freedom: natural and civil.
  27. Civil liberties are characterized by private property.
  28. Obeying one’s own rules is freedom too.
  29. The first monarchs were not landlords, but lords of people.
  30. Nature has made everyone different, but the social contract implies making everyone equal, not by nature, but by law.
  31. The general will alone drives a society towards its common end, which is the welfare of all.
  32. If there is one thing everyone wants, the government must guarantee that thing to keep the people together.
  33. By pursuing satisfaction of these points of convergence of the will of the subjects, the general will, the government can pursue equality, for it will be literally attending to all.
  34. If you don’t fight something that is happening upon you, then you are consenting.
  35. The truth alone does not bring wealth.
  36. The general will can go the wrong way when people are led to desire what is bad for themselves.
  37. This can be done by lying to the people.
  38. General will is the sum of all wills, excluding those that contradict each other; this allows us to see what everyone wants.
  39. The government can’t order from a particular person an action that doesn’t serve everyone.
  40. Political decision implies the use of your own criteria of what makes a decision “good”.
  41. When deciding your vote, use only personal criteria.
  42. The general will always concerns the whole.
  43. To save our lives, we sometimes have to risk it.
  44. Lack of information can kill.
  45. If you violate the laws of your government, you are subject to punishment.
  46. On the other hand, if you don’t like the laws in your country, you can look for another country with laws that you like more.
  47. A government that kills many is a bad government.
  48. The more crimes committed, the more impunity; the more impunity, the more crimes committed.
  49. There is no country where there is no crime.
  50. Everyone has a sense of justice, but justice only happens if there is reciprocity.
  51. There are laws that favor the bad and harm the good.
  52. Natural laws are not civil laws.
  53. You cannot legislate for only one person.
  54. The act of governing implies making the human being act in an unnatural way.
  55. The wise will not be understood by the vulgar without adopting their language.
  56. There are too complex ideas to translate into colloquial language.
  57. Legislating is a very serious activity.
  58. Legislating is so serious that the first laws were inseparable from religion.
  59. One should not make laws that the people cannot accept.
  60. There are vicious nations with good laws that the subjects do not submit to.
  61. There are nations that thrive despite having horrible laws.
  62. The more people, the harder it is to keep everyone together.
  63. Big governments require levels of power: the president cannot rule the entire country alone if the country is huge.
  64. Countries that do not have enough resources are forced to conquer the territory of others.
  65. If the people are desperate, they will accept any law.
  66. The challenge of the law is not to establish a new good thing, but to destroy a known evil.
  67. Freedom cannot stand without equality: if everyone starts on equal terms, they are able to exercise their freedom in equal measure and no one can complain that they were at a disadvantage.
  68. No one should be so rich as to be able to buy another person or so poor to the point of selling themselves.
  69. Laws must ensure equality.
  70. If the country cannot produce its own wealth through agriculture, it should invest in other means of making money.
  71. Impunity allows criminals to legislate.
  72. The people can, by their desire, destroy good laws: if the people desire their destruction, who can stop them?
  73. All action depends on two elements: will and power.
  74. The will of the government is the legislative and the power of the government is the executive.
  75. When one power tries to act as the other (when the legislature tries to act as executive or vice versa) or when the people refuse to obey the laws, either despotism or anarchy occurs.
  76. The larger the people, the less political power each person has.
  77. The stronger the government, the less freedom people will have.
  78. Mathematics is not meant to measure political action.
  79. It is not the number of people that makes the revolution, but the action of that number, meaning that an intelligent minority can work great political changes.
  80. The ruler must watch over the interest of the people.
  81. If either the people or the government have to sacrifice themselves, let it be the government, not the people.
  82. The general will is sovereign.
  83. A desire is stronger the more it is personal.
  84. Because of this the general will imposes itself less than the private interest.
  85. If the government is handled by only one person, the temptation will be too great, the potential for corruption will be very high.
  86. A monarchy would be highly active.
  87. Each member of the government has political power in itself, but the people, while sovereign in a democratic government, have no political power unless they unite.
  88. If you divide the power into different people, not completely separate but dependent on each other, as in the democratic regime, there’s less risk of despotism.
  89. Even in a democratic government, not everyone participates in democracy.
  90. It is not good for the enforcer to be the legislator.
  91. People who can govern themselves don’t need a president, a monarch or a congress.
  92. Perfect democracy has never existed because of a variety of obstacles that make representative (not perfect) democracy more fitting.
  93. Luxury corrupts rich and poor.
  94. Democratic governments are always changing.
  95. Democracy is a perfect model and that is why it cannot be perfectly managed by imperfect beings, such as us, humans.
  96. In an aristocracy there are two general wills: that of the people and that of the rulers.
  97. Aristocracies can exist in three flavors: natural, elective and hereditary.
  98. The best man is not necessarily the richest, since wealth does not buy virtue.
  99. In politics, you have to make things change, but also give the impression that things aren’t changing.
  100. Monarchs rely on weak people: if the people came to not depend on a monarch anymore, they would overthrow him.
  101. Machiavelli’s work should be read by lay people to let them know how the rulers operate in order to defend themselves, as people, from political abuse perpetrated by the government.
  102. Those who strive to come to power by dubious means attest that they cannot rule by legitimate means.
  103. It is easier to conquer a territory than to manage it.
  104. The example of parents can be abandoned by the child depending on which way he wants to go.
  105. The best kings were not educated to be kings.
  106. If the government is bad and nothing can be done, the best you can do is to suffer until the end of the government’s term.
  107. The three forms of government do not always work in all territories: the monarchy will never work in certain countries, just as there are some who reject democracy.
  108. A country needs to accept the form of government that suits it best.
  109. The worker must make a profit from his work, or the country will be poor.
  110. When the government begins to fail, a revolution can put it back on track.
  111. The production surplus of a difficult task is smaller.
  112. Vegetarian diet is superior.
  113. It is possible to live better by eating less.
  114. The food from the hot places is more delicious.
  115. You can’t tell which type of government is the best, but you can tell when people are being well or badly governed.
  116. It is not possible to know which type of government is the best because one’s concept of “good governance” varies.
  117. Power tends to corrupt.
  118. Because of this phenomenon, there is no human government that lasts forever.
  119. This “natural death” of government can occur in two ways: when government is restricted (that is, when a democracy becomes an aristocracy or an aristocracy becomes a monarchy) or when government dissolves.
  120. When the government makes decisions outside the law or without consulting the people or when a member of the government usurps power for himself, a window for state overthrowing is open.
  121. In situations like this, the people are forced to obey, but they are not obliged, because no one can take from them the right to revolt.
  122. If the government dissolves, we go into anarchy.
  123. “Tyrant” is an illegitimate governor.
  124. The typical behavior of the despot (a tyrant who governs a democracy) is to act as if he were above the law.
  125. To do something well you must not try the impossible.
  126. Each political body has the causes of its own destruction embedded in itself.
  127. To make something stable, you have to give up your intentions of making it last forever.
  128. The human body is the work of nature, but the political body is the work of humans.

  129. It is possible to make the government last longer and longer, but it will eventually fall.

  130. Legislative power is the heart of government, while executive power is its brain.

  131. Not believing in freedom is the ideological slave certificate.

  132. One should not consider the future before considering the present.

  133. Freedom and tranquility do not always go together.

  134. If people are too busy in private business, it is because the government cannot provide enough for the people.

  135. Plenty of public services work against private businesses.

  136. If the government is bad, we may feel discouraged to vote.

  137. Good laws lead to better laws.

  138. Bad laws lead to worse laws.

  139. When people no longer care about the government, politics has died.

  140. If the people could speak for themselves, there would be no need to elect representatives to create laws.

  141. It is only a law if people follow it: it is no use making a law that everyone will break.

  142. Submitting to an unfair government is cowardice.

  143. Do not demand from others what you cannot do.

  144. No particular act should constitute law.

  145. Democratic government is the easiest to establish if none is in place.

  146. It would be interesting if any member of the executive power could be removed from there by the will of the people.

  147. To attack popular assemblies is to declare war against the people.

  148. It is possible to mask private interests under a mask of fighting for the public good.

  149. Freedom is inalienable to the human being.

  150. If there is doubt about what the general will wants, a poll should be enough.

  151. A bad government will last long, unless it encounters opposition.

  152. The ostentation of wealth can become a cause of poverty.

  153. When a government becomes corrupt, it can only subsist in two ways: either corruption is removed (purification) or corrupt laws are enacted (total decay).

  154. Too many crimes reveal useless laws.

  155. The problems of Rome did not come from Rome itself, but from its army.

  156. The first governments were theocratic.

  157. This is because, in the government of nature, it seemed inconceivable that a man could become lord over fellow men; only a superhuman being should rule the men.

  158. Although there are similar gods among different peoples, they are not the same god manifesting to different peoples.

  159. The reason Christians are persecuted is that Jesus separated religion and government.

  160. But over time Christianity has become corrupted.

  161. In Europe, after Christianity, religion and politics are different things.

  162. The fusion of church and government creates a situation in which it is effectively the church that rules, because it is worse to go to Hell than to jail.

  163. Religion is dangerous to government: neighborly love, humility, detachment from material goods, reluctance to kill, chastity, government has an interest in the opposite of all these things.

  164. Jesus’ precepts, for example, work against the economy, population growth, and the army.

  165. By merging religion and government, the believer comes to see other nations, which have different laws, as enemies of God.

  166. Christianity is not the religion preached by Jesus.

  167. A society of true Christians would not last long, because neighboring nations would take advantage of their military weakness (a Christian cannot kill).

  168. “Republic” and “Christian” are mutually exclusive terms: it is not possible to imagine that a government based on the teachings of Jesus can survive, especially in a war situation.

  169. Forming an army to kill in a war is to violate the Christian precept “thou shall not kill”.

  170. A citizen’s soul isn’t the government’s business.

  171. The government needs to make laws that encourage sociability among citizens.

  172. Government cannot compel anyone to believe in a religion because faith is a personal thing.

  173. If there is religious intolerance in the country, the priests of the religions with most followers become rulers, because in a situation where religions are fighting, the priests have increased credit.

  174. The priest who says that only those in his church will be saved is putting himself above the local political ruler (such as the president or the congress).

6 de agosto de 2018

Rousseau’s “Essay on the Origin of Languages”.

Filed under: Livros, Música, Passatempos — Tags:, , — Yurinho @ 21:15

The “Essay on the Origin of Languages” was written by Jean-Jacques Rousseau. Below, some notes I made about his text. Annotations are paraphrases and not quotations.

  1. The human is different from other animals also thanks to it’s ability to use words, but a human nation differs from another by language (vocabulary and grammar).
  2. It is possible to know where a person is from by listening to them.
  3. Why do we speak our language?
  4. Language could only be based on voluntary, sensitive signals: sounds and gestures.
  5. The gesture speaks more with less, in the primitive state of language.
  6. Show, don’t tell.
  7. It is possible to be eloquent without words, if you know non-verbal means of communication.
  8. The language of gestures and signs is great for communicating objective things, but words are great for communicating subjective things .
  9. The fact that animals always communicate in the same way according to their species seems to suggest that animals are born knowing that language.
  10. The first words communicated emotions (strong feelings make us scream, laugh, cry or moan), while gestures communicated concrete things.
  11. Interjections have little articulation because they are immediate.
  12. If there is tonality (accents) in the vowels, there’s less needs for consonants.
  13. The language that gains in clarity loses in beauty.
  14. The same word can be pronounced differently by people of different languages ​​or accents.
  15. The spoken language has to be spontaneous to be good, so there’s no need to speak as if reading a book.
  16. Those who do not write, but sing, tend to be better at poetry.
  17. The erudite language has no energy, compared to common, everyday speech.
  18. For some people, learning a written language is different from learning how to speak it.
  19. Cruelty is born of fear and weakness.
  20. The knowledge of the new comes from comparison with the old.
  21. Social feelings, such as revenge and pity, do not occur to the isolated people.
  22. You can forget your own language.
  23. War is a hunt with people as prey.
  24. We only progress because we perceive problems, face them and overcome them.
  25. Whoever is born in a bad country, escapes for a better one.
  26. A disaster of great proportions unites humans.
  27. The stronger people survive in times of need, while the weaker ones die.
  28. Idleness feeds emotions, but work controls them.
  29. The sonority of the voice, the articulation, the volume, finally, the way one speaks contributes to transform the listener into a religious fanatic.
  30. To be a fanatic, you have to be convinced.
  31. The earliest stories and laws were said in rhymed verses to facilitate memorization.
  32. Music was born from voice modulation, when one recited said verses.
  33. Speaking in a ” singing ” manner, that is, using voice intonations, is beautiful and helps to deliver the idea you want to deliver.
  34. Eloquence incorporates poetic techniques as well.
  35. The Greek also spoke in a “singing” way to show emotions.
  36. There is a spiritual relationship between person and work of art, which explains why different people react differently to the same work of art .
  37. Composing melody is drawing with sounds.
  38. The melody incites emotions by imitating the inflections of the human voice.
  39. A certain emotion produces a sound in the human voice, so try to produce analogous impulse with an instrument and you will speak to the soul of the listener.
  40. Harmony should not disturb the melody.
  41. Music that does not please and does not thrill is trash.
  42. Music has an effect only on those who recognize something familiar in song.
  43. The beauty of color is its permanence and the beauty of sound is its succession.
  44. There is no relationship between color and sound.
  45. Painting relates to space, music relates to time.
  46. Painting reflects nature, but music reflects the human.
  47. The problem with some musicians is that they treat music as mere harmony and something merely mechanical, often expelling the feeling.
  48. It is possible to make science of harmony, but those who worry too much about harmony and forget the melody end up making boring music.
  49. We do dubious thing when everyone else does them too.
  50. Preventing people to form associations helps government to keep the status quo.
  51. Causing emotion with monotonous language requires shouting, but in melodic languages, it is easier to excite emotions without tiring the voice.
  52. If a language is not able to speak to the crowds efficiently, then we can’t get people together to work towards a cause.

5 de fevereiro de 2017

Rousseau encontra Temer.

O Contrato Social: como Rousseau veria a crise política brasileira se ele estivesse vivo e tivesse acesso à Internet.

RESUMO.

Através da leitura do Contrato Social de Rousseau, é possível fazer uma reflexão política sobre o governo Temer e sua relação com o conceito de vontade geral como soberana no estado político democrático. Levando em consideração as medidas antipopulares às quais Temer submeteu o Brasil, como a limitação dos gastos públicos e a reforma do ensino médio, chegamos à conclusão de que este governo se esforça para enganar a vontade geral para seguramente trabalhar contra ela. Mas a população responde, pois deve responder, embora ainda não tenha respondido à altura.

Palavras-chave: Rousseau. Contrato Social. Política. Brasil. Temer.

ABSTRACT.

Through a reading of Rousseau’s Social Contract, it’s possible to make reflection about Temer’s government and it’s relationship with the general will as sovereign in a democratic political state Taking in consideration the unpopular measures to which Temer submitted Brazil, such as limitation of public expenses and the high school reform, we arrive at the conclusion that this government gives effort to trick the general will to safely work against it. But the population responds, as it has to respond, even if it couldn’t respond with enough strength yet.

Keywords: Rousseau. Social Contract. Politics. Brazil. Temer.

1 INTRODUÇÃO.

Observando o desenvolvimento da obra O Contrato Social, de Jean Jacques Rousseau, é impossível não fazer paralelos entre o que lá está posto e a situação atual da política brasileira. Este governo vai mal, até para quem viveu fora do Brasil e que já está morto. Isso é especialmente grave porque, se estamos cometendo erros apontados por Rousseau na época dele, séculos antes do que acontece agora, então houve um retrocesso. Estamos cometendo erros que já foram cometidos há muito tempo e para os quais já se atentou. Em outras palavras, cometer erros que já foram anunciados por alguém que morreu faz mais de duzentos anos é irresponsabilidade.

2 A VONTADE GERAL COMO SOBERANA.

Para Rousseau, a vontade geral é a senhora do Estado. “Vontade geral” é um termo um tanto ambíguo, sendo frequentemente definido como aquilo que todos querem, excluindo os desejos conflitantes.1 Assim, o povo é senhor do Estado apenas naquilo em que todos concordam, uma vez que o povo, como um todo, incorpora também vontades que se contradizem. Estas são deixadas de fora.

Assim, o Estado deve ser guiado por aquilo que todos os membros do povo querem, como educação, saúde e segurança. Mas, quando não é possível obter consenso de todos sobre determinada questão, a vontade geral pode por vezes se manifestar na vontade majoritária.2 Assim, se aparentemente não há unanimidade sobre algo, é porque alguns particulares estão confundindo a vontade particular com a geral.

Dessa forma, verificamos que, para Rousseau, a vontade geral é soberana e o governo deveria se ordenar para obedecê-la. Se a vontade geral não se extrai fácil, ela pode se manifestar na vontade majoritária. É mais fácil obter consenso absoluto sobre objetivos (todos querem corte de gastos públicos), mas a decisão sobre os meios, sobre os quais o consenso é mais difícil obter, deveria ser tomada com base na decisão majoritária (a maioria não quer que esses cortes sejam feitos na educação e na saúde).3

2. 1 SE O GOVERNO NÃO HONRA OS COMPROMISSOS QUE TEM COM O POVO…

Assim como um grande arquiteto, antes de construir, observa e sonda o solo, para ver se este tem condições de sustentar o peso, o sábio instituidor não começa por redigir boas leis em si mesmas; mas examina anteriormente se o povo, ao qual são destinadas, está apto para as aceitar.4

O governo Temer tem se mostrado muito antipopular. Existe uma pesquisa do IBOPE que mostra que a maioria das pessoas realmente quer que os gastos públicos diminuam, mas a pergunta feita pela pesquisa não diz que esses cortes serão feitos através do congelamento de gastos com setores públicos cruciais.5 Portanto, a pesquisa não pode ser associada à atitude do governo de congelar gastos com educação e saúde, especialmente por um período que muito excede aquele que Temer passará no poder. Além do mais, um olhar sobre o sítio eletrônico e-Cidadania, no qual o texto da proposta de emenda constitucional está disponível na íntegra, mostra a rejeição da maioria.6 Logo, há uma pressão para corte de gastos, mas não pelo congelamento nesses setores.

Uma lei deveria levar em consideração a vontade geral. Porque a vontade geral, quando aprova uma lei, tem a si mesma em consideração, é uma lei que ela quer e que seguirá.7 Do contrário, o governo, que deveria zelar pela vontade geral (ou da maioria), se manifesta contra ela ao promulgar uma lei impopular. Para Rousseau, isso é clara prevalência de interesses particulares8 e sua marca é a alteração da Constituição.9 Isso nos leva ao impasse seguinte.

2.2 …O POVO NÃO PRECISA HONRAR SEUS COMPROMISSOS COM O GOVERNO.

Quando o governo se rebela contra seu soberano, isto é, a vontade geral, é preciso que o povo reprima o governo. Num Estado democrático como o nosso, isso é feito pela negação de serviço, ou seja, pela greve. Negando serviços ao Estado, fazemos nossa voz ser ouvida, infelizmente não como devia ser. Exemplos de greve são as de professores, servidores ligados à polícia, alunos, banqueiros e consumidores.10

Outra forma de protesto são as depredações e os atentados, atos claramente ilegais, mas justificáveis em Rousseau. Com efeito, se o governo se mostra contra o povo, que apreço posso ter por suas leis?

2.2.1 Manifestações violentas.

Tão logo se encontre a multidão reunida num corpo, não se pode ofender um dos membros sem atacar o corpo, menos ainda ofender o corpo sem que os membros disso se ressintam.11

Sendo assim, manifestações violentas estão fadadas a acontecer, é um reflexo natural quando a população reconhece o governo como seu inimigo. Esse tipo de manifestação é um extremo, ela só acontece quando a relação entre população e governo está prestes a tornar-se insustentável. Então, quando elas começam a acontecer, a pauta reivindicada deveria ser tratada como urgente.

Antigamente, as revoluções começavam assim. No Brasil, isso seria difícil, porque uma revolução implica armas e nossa população é majoritariamente desarmada. Mas isso não significa que a população não possa confeccionar armas caseiras.12 Numa configuração democrática, o diálogo seria o caminho perfeito, mas a situação pode degenerar à tirania se o governo responde com mais violência ou dissolução se o governo perde o controle da situação.13

3 SOBRE GOVERNOS ILEGÍTIMOS.

Rousseau enumera algumas ocasiões em que a tomada de poder pode acontecer. Para ele, é tirano qualquer um que usurpa o poder existente e ignora a vontade geral, mas é tirano e déspota quem faz isso e se põe acima das leis.14 Suponhamos que o que aconteceu com Dilma foi um golpe branco, executivo e midiático.15 Se assim o fosse, Temer, que teria assumido por via ilegítima, seria ao mesmo tempo tirano e déspota, pois o golpe teria ocorrido numa situação democrática fora da lei. Alguém pode argumentar que a vontade geral, sendo soberana, faz bem não importa o que decida, e o povo apoiou a saída de Dilma. Mas Rousseau adverte que a vontade geral não é infalível.16 Na verdade, o povo, se fosse enganado, quereria o seu mal pensando ser o bem.17 Para que a vontade geral se equivoque menos, é preciso não tomar partido de um grupo. Se você, ao se tornar parte de um grupo, vota por esse grupo, em vez de por si mesmo, seu voto está condicionado à visão de um grupo, que pode estar contra a vontade geral (aquilo que todos querem) e a favor de uma vontade particular (aquilo que o grupo quer).

Logo, cada um deve votar tendo sua vida como critério de votação e não o ponto de vista de outra pessoa que não vive o que você vive.18 Por exemplo, suponhamos que você use como critério de voto o noticiário. Ora, mas o noticiário tem uma visão carioca do Brasil, ele não fala do seu estado se não por uma visão carioca. Ele não fala especificamente da sua vida e pode muito bem estar manipulando informação. Logo, você, ao usar o noticiário carioca como critério, é levado a votar segundo interesses cariocas. Mas se você votasse usando somente sua vida como critério, a vontade geral apareceria mais facilmente. Quando um grupo (a mídia, neste caso) consegue adquirir um grande número de partidários, ela pode fazer valer o seu interesse particular, pois quem decide numa democracia é a maioria e ela está conseguindo fazer a maioria concordar com ela. Você passa a votar não pelo Brasil que você quer, mas pelo que a mídia quer.

A usurpação de poder não necessariamente é ruim, mas passa a ser se a vontade geral é ignorada pelo governante ilegítimo. Assim, se assumimos que a saída de Dilma foi golpe, este governo, o qual tem se mostrado fechado ao diálogo, aprovando medidas antipopulares, é tirano e déspota.

4 OS PROBLEMAS DO GOVERNO DEMOCRÁTICO REPRESENTATIVO.

Numa cidade, bem dirigida, todos votam nas assembleias; sob um mau governo, ninguém aprecia dar um passo para isso fazer, porque ninguém se toma de interesse pelo que se faz, prevendo que a vontade geral não prevalecerá, e porque, enfim, os cuidados particulares tudo absorvem.19

Rousseau também vê problemas no sistema democrático como ele está, principalmente no que diz respeito à classe dos deputados. Numa Europa majoritariamente monárquica, o assunto da democracia era tratado enfaticamente, porque o ganho de força dessa forma de governo era novidade.

No Contrato Social, a classe dos deputados é definida como o conjunto dos representantes do povo nas deliberações políticas. Mas ele aponta logo a contradição que aí existe: o deputado quase nunca representa o povo. Aliás, o deputado sempre representa a si mesmo.20 Se ele diz representar o povo, age segundo a ideia que ele faz de povo, que não é a mesma ideia que o povo faz de si mesmo, uma vez que o deputado está a salvo de muitas vicissitudes que afligem a população.

Para Rousseau, o povo pode representar a si mesmo. A classe dos deputados deve ser extinta. Numa configuração brasileira, talvez fosse possível permitir que o povo votasse leis, fazendo parte do executivo, pela Internet, como se participasse daquelas votações que ocorrem no sítio do Senado, nas quais os visitantes se posicionam favoráveis ou contra as medidas e leis que são disponibilizadas para leitura.21 Como isso só seria possível se a Câmara dos Deputados aprovasse, o sistema democrático nunca se recuperará dela. Pois, se a classe dos deputados é nefasta para Rousseau e se ela teria que aprovar sua própria extinção, então Rousseau concluiria que o sistema democrático está quebrado além do ponto em que se pode ter qualquer esperança de reparo.

5 COMO SABER SE O GOVERNO VAI BEM.

Na suposição de um golpe, Temer é um déspota. Mas será que o governo vai bem apesar disso? Para Rousseau, como essa é uma questão altamente subjetiva, precisamos juntar, dentre todos os critérios, alguns elementos que perpassam todos ou a maioria. Rousseau identifica elementos como multiplicação populacional e prosperidade (tranquilidade). Se o povo cresce e cresce tranquilamente, então vai bem.22

Mas por que esses critérios? Levando em consideração que, na época de Rousseau, havia um grande interesse em multiplicação, porque se vivia menos tempo, faz sentido que a multiplicação do povo seja uma prioridade estatal. Hoje, com os recursos desaparecendo rapidamente, há uma pressão contrária: controle de natalidade. Por causa disso, nós avaliaremos o governo com base apenas no outro critério, que é o de tranquilidade.

A inadimplência é a maior em décadas.23 Tanto particulares quanto empresas estão em dívida e fechando. Isso é agravado pelo crescente desemprego24 e pela tensão entre facções criminosas que operam com tribunais próprios nos presídios, o que requer posicionamento imediato.25 Se um governo é medido pelo seu grau de tranquilidade, este é o pior em muito tempo. As manifestações sociais são unânimes ao pedir a saída de Temer.

6 CONCLUSÃO.

Levando em consideração a prosperidade, a desaprovação pública, a mudança forçada em setores cruciais e, se admitimos que houve um golpe, a forma como Temer subiu ao poder, Rousseau reprovaria este governo. Na verdade, pondo as coisas nestes termos, até parece um governo ridículo.

Para não ser injusto, o governo Temer até que fez algumas coisas boas em meio à confusão e à bagunça, mas elas não saldam o prejuízo causado em termos humanos. Um país não se faz só de economia, que parece ser a prioridade de Temer, e mesmo na economia as coisas não vão muito bem.

REFERÊNCIAS.

ABDALA, V. Taxa de desemprego fica em 11,8% em outubro com 12 milhões de desocupados. Disponível em: <https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2016/11/29/taxa-de-desemprego-fica-em-118-em-outubro-com-12-milhoes-de-desocupados.htm>. Acessado em: 22/01/17.

AGÊNCIA BRASIL. Ibope: 72% aprovam reforma do ensino médio e 59% são a favor da PEC do Teto. Disponível em: <http://www.blogdobrother.com/2016/11/ibope-72-aprovam-reforma-do-ensino.html>. Acessado em: 22/01/17.

AZEVEDO, G. ; RAMALHOSO, W. UOL Confere: Governo Temer distorce dados econômicos em propaganda de 120 dias. Disponível em: <https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2017/01/05/uol-confere-governo-temer-distorce-dados-economicos-em-propaganda.htm>. Acessado em: 22/01/17.

EL PAÍS. PEC 55: só 33% dizem conhecer texto, aprovado pelo Senado. Disponível em: <http://brasil.elpais.com/brasil/2016/12/12/politica/1481569650_222836.html>. Acessado em: 22/01/17.

ESTADÃO. Temer: Organizações criminosas promovem ‘pavorosa matança’ com ‘códigos próprios’. Disponível em: <https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2017/01/11/temer-organizacoes-criminosas-promovem-pavorosa-matanca-com-codigos-proprios.htm>. Acessado em: 22/01/17.

ROUSSEAU, J. J. O Contrato Social. Tradução de Rolando Roque da Silva. Disponível em: <http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/contratosocial.pdf>. Acessado em: 22/01/17.

SENADO FEDERAL. Consulta Pública – PEC 55/2016. Disponível em: <http://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=127337>. Acessado em: 22/01/17.

1O Contrato Social, livro II, capítulo III, página 41.

2O Contrato Social, livro I, capítulo VII, página 29.

3Para um panorama mais preciso desse cenário, uma pesquisa aponta que 59% dos brasileiros são a favor de limitar os gastos do governo federal, conforme diz o Blog do Brother (http://www.blogdobrother.com/2016/11/ibope-72-aprovam-reforma-do-ensino.html). Enquanto que muitos ligam essa informação à PEC 55, apenas 33% afirmam conhecer o texto da PEC, segundo o El País (http://brasil.elpais.com/brasil/2016/12/12/politica/1481569650_222836.html). Além do mais, a pergunta feita pelo MEC através do IBOPE não especifica quais limitações seriam feitas, mas os movimentos sociais deixam patente que esses congelamentos não deveriam ter sido feitos na educação e na saúde. Logo, o resultado da pesquisa não tem nexo necessário com a atitude do governo de congelar gastos nessas áreas, pois os que estavam a par da mudança não gostavam dela, enquanto a maioria ignorava os detalhes.

4O Contrato Social, livro II, capítulo VIII, página 61-62.

5Blog do Brother, .

7O Contrato Social, livro II, capítulo VI, página 53.

8Sobre como interesses particulares podem desestabilizar gravemente o governo, basta que se lembre do que aconteceu com Geddel.

9O Contrato Social, livro III, capítulo X, página 119.

11O Contrato Social, livro I, capítulo VII, página 28.

12Novamente, isso é ilegal, mas, numa situação extrema, é preciso imaginar o cenário de quebra em massa de leis para propósitos de especulação.

13O Contrato Social, livro III, capítulo I, página 81.

14O Contrato Social, livro III, capítulo X, página 121.

15Digo “suponhamos” porque não há consenso e não é meu objetivo fazer um artigo só com minha opinião.

16O Contrato Social, livro II, capítulo III, página 40.

17O Contrato Social, livro II, capítulo III, página 41.

18O Contrato Social, livro II, capítulo III, página 42.

19O Contrato Social, livro III, capítulo XV, página 130.

20O Contrato Social, livro III, capítulo XV, página 131.

21De um ponto de vista mais técnico, a coisa poderia funcionar mais ou menos da seguinte maneira: cada indivíduo tem uma conta de usuário, cada conta só pode votar uma vez em cada lei. O sítio só pode ser acessado por um endereço brasileiro, o que requereria um levantamento de dados junto aos provedores. Após acessado, criar uma conta requereria um cadastro de pessoa física. Quando o CPF fosse inserido, o sistema perguntaria de quem é aquele CPF. Assim, o indivíduo, além de colocar o CPF, precisaria colocar seu nome completo, conforme consta no registo da Receita Federal, letra por letra. Depois de obter essas duas informações, o sítio verificaria se aquele nome está realmente ligado àquele CPF através do banco de dados da Receita Federal (a Plataforma Lattes, do CNPq, é capaz disso), a propósito de verificação. Assim, se eu soubesse um CPF, mas não o nome ligado ao CPF, ou vice-versa, a criação da conta seria inviabilizada. Isso serve para evitar que pessoas façam múltiplas contas utilizando CPFs aleatórios. Mesmo depois de criada a conta, só se poderia votar numa lei através de um endereço de protocolo de Internet brasileiro, para evitar que pessoas de fora do país, ao obter controle sobre a conta de algum brasileiro, pudessem votar, o que seria uma violação da nossa democracia. Para evitar esse tipo de abuso, um IP pode votar apenas uma vez em cada lei. As limitações práticas disso é que não é possível ao brasileiro votar se estiver no exterior e não seria possível, mesmo com contas diferentes, votar a partir de um mesmo computador. Nenhum membro do executivo, fora o povo, que estaria na qualidade de executivo, pode votar nesta etapa. A lei ficaria disponível para votação por um mês e, quando o período de votação acabasse, a lei prosseguiria ao Senado se a maioria dos votos fosse favorável a isso. Se um membro do executivo (fora o povo) interfere, se um computador brasileiro fornece contas e endereços IP para pessoas do exterior votarem em leis brasileiras, se o sistema é invadido e adulterado ou abusado de alguma forma, todos os envolvidos em território nacional devem ser punidos por crime hediondo. Os administradores do sistema seria escolhidos por concurso público. Se a classe dos deputados não fosse extinta por isso, este sistema poderia pelo menos representar um passo adicional antes da aprovação, com o povo votando e, se favorável, passando a lei à Câmara e, da Câmara, ao Senado.

22O Contrato Social, livro III, capítulo IX, página 118-119.

23“Os números da economia são muito ruins: 60 milhões de brasileiros e 4 milhões de empresas estão inadimplentes. Isso nunca aconteceu no país.”, diz Paulo Felmann (https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2017/01/05/uol-confere-governo-temer-distorce-dados-economicos-em-propaganda.htm)

5 de janeiro de 2017

Anotações sobre os fundamentos da desigualdade entre os homens.

  1. O livro foi escrito pra responder uma pergunta de época: por que não somos iguais perante a sociedade? A desigualdade é natural?
  2. Para Rousseau, no estado de natureza, todos são iguais. A desigualdade só existe na sociedade.
  3. O amor à pátria é mais o amor à terra do que às pessoas.
  4. O interesse do povo e o do governante deveriam ser o mesmo. Mas isso só é possível se povo e governante fossem a mesma pessoa. Por causa disso, o governo democrático acaba sendo o melhor que temos, pois a vontade geral é supostamente o soberano.
  5. O ideal seria que as leis fossem feitas no próprio estado e submetessem todos, de forma que ninguém poderia estar acima da lei ao mesmo tempo que o estado não precisaria reconhecer leis feitas fora dele.
  6. A liberdade é como um vinho forte: só toma quem aguenta.
  7. O poder legislativo, idealmente, deveria ser o próprio povo. Se isso não possível, é melhor que ele seja relacionado ao povo de alguma forma.
  8. A posse de armas não necessariamente ameaça a paz e muitas vezes a garante.
  9. Na deliberação legislativa, os magistrados e os chefes de estado não deveriam ser excluídos. Também são povo, de certa forma.
  10. Mudar leis com frequência faz o povo a não levar as leis a sério.
  11. O estado é feito de pessoas. A manutenção do estado começa pela manutenção pessoal. Não se deve crédito a doutores em filosofia que atacam o estado como uma ideia abstraída dos elementos que o compõem, a ponto de não saber de quem é a culpa por nossa política não funcionar.
  12. Na falta de leis, não há liberdade. Lembrando que Rousseau faz distinção entre liberdade natural e liberdade civil. Aqui, ele fala da civil.
  13. Quem diz que a política vai mal quando vai bem (ou muito mal quando não vai tão mal) é como um cachorro que deveria latir só à noite, quando vê os ladrões, mas late o tempo todo sem necessidade.
  14. A educação tem que ser completa. É preciso trabalhar e pensar.
  15. A sorte das mulheres, diz Rousseau, é governar os homens. Cara, que vontade de nunca mais sair do meu quarto.
  16. O estudo mais importante é o do próprio ser humano, mas esse estudo é o que menos avança, diz Rousseau. O comportamento, as emoções e os desejos humanos, será que existe ciência que lida com esse objeto suficientemente bem? Faz pouco tempo que se sistematizou um estudo sobre isso: a psicologia.
  17. O passar do tempo e a vida em sociedade levam o ser humano a não mais reconhecer seu estado natural. Você olha para um nativo e se espanta.
  18. Será que é possível conhecer o ser humano através do estudo sistemático?
  19. O primeiro passo para o estabelecimento da desigualdade foi a rejeição de alguns ao estado de natureza, enquanto outros preferiram mantê-lo.
  20. O que é natural ao ser humano e o que é artificial?
  21. A sociedade é sustentada por princípios duvidosos, tais como “lei natural”. Só uma pequeníssima porção da humanidade entende o que esse termo quer dizer e é capaz de apontar que lei é natural e qual não é. O fato de os pensadores estarem em contradição entre si sobre o assunto da lei natural mostra que esse é um objeto obscuro.
  22. Existem dois sentimentos que nos guiam naturalmente no trato com os outros, segundo Rousseau: o amor próprio e a empatia. Então, a procura pelo direito natural deve começar desses dois princípios.
  23. A razão pode, diz Rousseau, apagar esse sentimentos. Mas como são necessários, ela acaba tendo que restabelecê-los se chegar ao extremo de eliminá-los. Se a razão elimina algo natural ao ser humano, ela não pode reestabelecê-lo naturalmente, precisando de meios artificiais para recuperar o que lhe foi dado naturalmente.
  24. Os livros de ciência nos ensinam sobre o homem como foi feito, não como ele se modifica ao longo de sua ação na Terra, em um sentido ético e político.
  25. O amor próprio tem preferência à empatia, no estado de natureza.
  26. Rousseau defende que o ser humano tem deveres a cumprir com os animais. Assim, podemos considerar Rousseau como um precursor do movimento que hoje luta pelos direitos dos animais. Lembrando que ele defende a dieta vegetariana no Emílio.
  27. Nós não fazemos mal ao outro porque ele é racional, e sim porque ele sente dor. Se os animais sentem dor, merecem empatia. Então, diz Rousseau, não se deve infligir a um animal sofrimento “inútil”. Levando em consideração que hoje as camadas mais elevadas podem ter alimentação variada, pelo menos os que têm renda decente deveriam abrir mão do consumo de carne.
  28. A desigualdade trabalha contra o princípio de empatia. Poderosos oprimem fracos, ricos oprimem pobres.
  29. Existem dois tipos de desigualdade: a natural e a social. A desigualdade natural é aquela que se apresenta na idade, no gênero, na altura, no peso, nas capacidades mentais, a desigualdade que aparece naturalmente, sem a necessidade da interação com outros (se todos vivessem isolados, ainda assim haveria pessoas altas e pessoas baixas, mesmo que se não percebesse).
  30. A desigualdade social consiste no aumento dos privilégios sociais às custas dos outros. É a opressão, por exemplo, ou o tratamento diferenciado dado pelo governo, ou escolas de tempo integral que inviabilizam a educação para quem trabalha e estuda… É esse abismo entre as camadas sociais. Uns só mandam, outros só obedecem.
  31. Não há relação necessária entre desigualdade natural e social. A mulher é naturalmente mais fraca, mas isso não quer dizer que, no âmbito social, essa fraqueza lha impeça de ter direitos iguais ou equivalentes aos dos homens. Pessoas ditas “especiais” não deveriam ser excluídas da educação, mesmo que tivessem que ser educadas em outros lugares. Crianças, mesmo sem ser responsáveis por seus atos, deveriam ser sujeitos de direitos. Alunos pobres não deveriam ficar sem aula de sociologia ou filosofia.
  32. A prova de que os naturalmente fortes são socialmente beneficiados é de que os fortes são pedreiros que recebem pouco e vivem mal, enquanto que os fracos são políticos que só trabalham quando querem e recebem muito. E não necessariamente são mais inteligentes, como o George Bush. Então, existem pessoas naturalmente desprovidas de força ou com inteligência medíocre que sobem na escala social. Isso mostra que a desigualdade natural não é uma base necessária à desigualdade social.
  33. O estado de natureza provavelmente nunca existiu. Contraste com os Tratados.
  34. O ser humano não tem a força nem a agilidade dos outros animais, mas ele se vira sem elas.
  35. Essa força e essa agilidade não fazem falta. O ser humano subsistiria na natureza sem essas coisas.
  36. Uma sociedade mal constituída mata os filhos antes de nascerem; já estão programados pra viver mal.
  37. Em Esparta, os fortes ficavam mais fortes e os fracos morriam. Isso era lei.
  38. As ferramentas amolecem o corpo. Se não tivéssemos carro, teríamos pernas mais fortes. Claro que existem ferramentas que nos suprem de habilidades que não temos naturalmente, como o computador. Mas a maioria das ferramentas serve para facilitar tarefas que podemos realizar sem elas. O abuso dessas ferramentas empobrece o corpo. Como elas são necessárias hoje e não se pode passar sem elas, a educação física acaba se tornando tão necessária quanto.
  39. Um selvagem robusto, munido de um pedaço de pau e algumas pedras, pode enfrentar uma besta como o tigre de igual pra igual. Se o ser humano incivilizado, isto é, que não adere aos padrões de sociabilidade europeus, é o mais fraco dos animais, então os índios reclusos não deveriam mais existir. O ser humano em estado de natureza não é tão fraco como se pensa só porque não tem garras ou presas.
  40. Espécies mais fracas subsistem. Se um animal mais forte sempre mata o mais fraco, a extinção de espécies ocorreria mais rapidamente.
  41. O combate entre espécies nem sempre acontece. Com esperteza e agilidade, o ser humano pode evitar o combate.
  42. O ser humano não tem predadores naturais. Um animal não atacaria sem razão um ser humano.
  43. É mais fácil morrer de doença do que ataque de animal selvagem.
  44. É mais fácil adoecer na cidade do que na floresta.
  45. A infância humana é bem longa. Mas o seu tempo total de vida, comparado ao de outros animais, também é bem longo. Então compensa.
  46. Se o velho tiver uma vida mais saudável, nem sentirá que está velho.
  47. Destruímos nosso corpo de bom grado em nome do prazer.
  48. Estudar a história das doenças deveria começar pelo estudo da civilização. Com efeito, pessoas civilizadas adoecem mais.
  49. O uso irresponsável de remédios pode causar doenças até então desconhecidas.
  50. Animais selvagens adoecem menos que humanos.
  51. Quem inventou as roupas, inventou algo desnecessário: ele podia viver sem roupas até o instante em que as inventou. Só é necessário aquilo que nos mata se for ausente.
  52. Há mais diferença entre dois homens do que um animal e um homem. Isso porque partilhamos de funções biológicas comuns aos animais. Mas naquilo que divergimos dos animais tendemos também a diferir entre nós mesmos.
  53. Os animais têm ideias, pois têm sentidos.
  54. O ser humano, tanto como indivíduo como quanto espécie, muda de comportamento mais rápido que os outros animais.
  55. Nós nos tornamos mais perfeitos por causa dos problemas. Se nossa vida fosse perfeita, não iríamos procurar melhorar.
  56. Se o ser humano estivesse em estado de natureza nem pensaria na morte. No máximo pensaria na dor, mas não na morte.
  57. O progresso é obra das paixões. Nossas emoções e sentimentos nos impulsionam a lidar com uma necessidade. Afinal, existem necessidades que não temos vontade de satisfazer, mesmo quando reconhecemos que é necessário fazê-lo.
  58. As nossas operações mentais devem muito à linguagem. Quanto mais sofisticada ela é, mais longe nossas ideias alcançam. Tente pensar sem palavras ou símbolos.
  59. Por que a linguagem foi inventada? Rousseau parece ignorar que o ser humano é social por natureza. De seu ponto de vista, o homem natural basta a si mesmo, então não teria necessidade de se comunicar, logo não precisava da linguagem. Mas se o ser humano nunca precisou da linguagem, por que ela apareceu? Supondo que o ser humano pudesse sobreviver sozinho, precisaria do outro pelo menos para se sentir bem na prática do amor ou do sexo. Então, há necessidade de comunicação. Além de que é mais fácil sobreviver às bestas em grupo. Para Rousseau, é melhor que o ser humano não se corrompa na sociedade e cita vários benefícios da solidão no Emílio.
  60. A linguagem é invenção familiar. Mas não deveria ser muito avançada nem assim, entre os naturais, porque Rousseau supõe que a existência da família não necessariamente garante sua união. O pai poderia deixar a mãe pra ter outra esposa e o filho poderia abandonar a mãe quando tivesse idade. E realmente, não é verdade que todas as famílias são unidas, infelizmente.
  61. Rousseau diz que a linguagem é obra mais dos filhos do que dos pais, porque os filhos precisam comunicar necessidades que seus pais não têm. Mas ele adiciona que isso não explica como se formam os idiomas, uma vez que o natural que Rousseau supõe é nômade. Mas explica, sim. Como as famílias criam pequenos idiomas próprios, é mais fácil ao filho satisfazer suas necessidades sempre com a mesma pessoa, a qual seria talvez a única que o entende. Assim, as famílias que conviverem acabarão partilhando palavras por necessidade também, havendo essa exportação e importação de palavras. A razão de uma família se relacionar com a outra pode ser a facilidade de sobrevivência; embora Rousseau diga que o ser humano não tem necessidade dos outros pra sobreviver, é mais fácil que humanos sobrevivam juntos. Por causa disso, as palavras são trocadas entre as famílias. O nomadismo poderia ocorrer, então, mesmo que em grandes caravanas de faladores do mesmo idioma.
  62. A primeira palavra foi o grito.
  63. Na falta de palavras, há o gesto. As primeiros idiomas deviam ser muito gesticulares.
  64. Numa situação em que as palavras são poucas, cada palavra tem o significado de uma frase inteira. É como dizer “cuidado” esperando que se entenda “cuidado com o objeto que cai.”
  65. Os adjetivos foram talvez muito difíceis de bolar. “Homem gordo“, num idioma em que as palavras se referem apenas a coisas concretas, é uma expressão difícil de formar, porque não se vê o “gordo” por aí, só homens. Adjetivos são abstratos. São palavras que se referem à qualidades que podem ser consideradas separadas do substantivo.
  66. Tal como eram difíceis abstrações, generalizações talvez fossem também estranhas. Cada particular tinha um nome. Não se chamavam as árvores de “árvores”, mas esta árvore de “A”, essa árvore de “B”, aquela árvore de “C”…
  67. Rousseau ama fugir do assunto em maior ou menor grau.
  68. Não é possível pensar uma essência sem seus acidentes. Se você pensar numa árvore “pura” ainda precisará pensar em sua cor, altura e tipo de folhagem. Se você realmente se esforçar e tentar pensar somente naquilo que as árvores têm em comum, a imagem formada não parecerá uma árvore.
  69. A vida do primitivo precisava de pouco trabalho. Por causa disso, seu desenvolvimento filosófico e científico era lento.
  70. O que veio primeiro? O ovo ou a galinha? A sociedade ou o idioma?
  71. Para muitos, a vida com poucos recursos é miserável. Mas será que é realmente miserável se o espírito está em paz, se o corpo tem saúde e se o sujeito é livre? Assim, saúde, paz e liberdade contribuem para a felicidade, não os bens materiais ou as ciências. Esses são meios. A felicidade não está neles, mas no que se obtém com esses tais, se é o que você quer. De fato, nossa sociedade usa esses meios para obter aquilo que o selvagem hipotético de Rousseau pode obter sem tais meios.
  72. Não se vê índios se suicidando. A miséria é coisa da cidade.
  73. Não é preciso conhecer a virtude para fazer o bem. Então, o homem natural não é necessariamente mau só porque nunca pensou em virtude. Provavelmente a pratica sem saber.
  74. No estado de natureza, ser forte é ser independente.
  75. Para Rousseau, todas as virtudes vêm da piedade. Se o ser humano não tivesse piedade, seria um monstro.
  76. O que nos impede de fazer o mal é não saber como fazê-lo.
  77. Desejar que alguém não sofra é desejar sua felicidade.
  78. É possível sentir muita comiseração, mas só com certos objetos. Também é possível sentir comiseração em muitas ocasiões, mas em pouca intensidade.
  79. A comiseração é mais forte quanto mais identificação ocorrer. Eu me importo mais com a felicidade daqueles que se assemelham a mim. Isso leva muitos a crer que a comiseração se origina do fato de eu saber que o que acontece com o outro pode acontecer comigo também. Ninguém sabe o dia de amanhã.
  80. A razão excessiva trabalha contra a comiseração. Se eu estiver certo de que estou seguro e que o que acontece com outro não acontecerá comigo, a empatia fica prejudicada.
  81. Se deve fazer o bem fazendo o mínimo de mal possível.
  82. Quanto mais forte é a emoção, mais rígidas têm que ser a leis para contê-la. Mas será que a própria lei não pode causar essas emoções? Aliás, elas subjugam suas vítimas com frequência, mostrando que as leis que deveriam contê-las são insuficientes. Exemplo: cultura do estupro.
  83. Quando os animais entram no cio, a espécie entra em alvoroço. É o único instante do ano ou da estação em que se pode ter sexo. É preciso aproveitar. Isso causa brigas entre os machos. Como o ser humano não entra no cio, não haveria necessidade de brigas entre os machos selvagens, especialmente se a instituição do casamento não houver sido instituída; qualquer um pega quem quiser, quando quiser. Pra quê brigar por isso então?
  84. Se não existe emprego, não há necessidade de astúcia. Se não existe sedução, não há necessidade de beleza. Se não há necessidade, diferenças não importam.
  85. A opressão é coisa da sociedade. No estado de natureza, se alguém me oprime, eu posso fugir ou matar o opressor. A opressão civil, porém, muitas vezes encontra amparo legal.
  86. A lei do mais forte só vale enquanto uma pessoa depender de outra. Se eu não depender do mais forte pra sobreviver, fugirei dele. Ora, mas na sociedade, não há quem não dependa do outro. É o ambiente propício à opressão.
  87. A sociedade civil começa com a propriedade privada.
  88. Por natureza, os frutos são de todos e a terra não é de ninguém.
  89. A ideia de propriedade privada só deve ter surgido quando o estado de natureza começava a ficar insustentável.
  90. A ideia de propriedade privada só deve ter surgido depois que os humanos naturais estavam avançando tecnologicamente para melhor satisfazer suas necessidades (depois que inventaram o anzol, as roupas de peles, que aprenderam a usar galhos e pedras como armas, por exemplo).
  91. Quando o ser humano se deu conta de sua superioridade em relação às bestas, imaginou se não era possível ser superior aos seus semelhantes. Nasce assim o orgulho.
  92. As primeiras “casas” foram construídas por aqueles que eram fortes o bastante para proteger um território. Então os fracos, em vez de desalojar os fortes, resolveram fazer casas pra fracos também. Melhor salvaguardar um território vazio do que tentar remover alguém mais forte de um território por este ocupado.
  93. As habilidades mais desenvolvidas causam inveja nos outros, os quais almejam por sua vez reconhecimento. Nasce assim a vergonha.
  94. A desigualdade civil começa mesmo com o desenvolvimento das habilidades do ser humano. Alguns se desenvolvem melhor nisso e outros naquilo. Dependendo da tarefa estimada, os mais habilidosos mandarão nos menos habilidosos na sua execução. Assim nasce a relação entre senhor e subordinado, pois um quer a habilidade do outro para alcançar um fim comum.
  95. O crime é mais cruel quanto mais ultrajado se sente o criminoso. As pessoas que se vingam com mais ferocidade são as arrogantes.
  96. Antes da lei, o que impedia os crimes era o medo da vingança.
  97. As primeiras leis severas eram para os crimes que se comete com mais frequência.
  98. Para Rousseau, a desigualdade se desenvolve quando uma pessoa utiliza outra como meio para obter um supérfluo. Assim nasce o trabalho de um sujeito para um senhor, como dito na nota 94. Se o indivíduo trabalha só para si, tudo bem. Mas o trabalho coletivo implica hierarquia.
  99. A invenção da agricultura e da metalurgia acabou com o estado de natureza de uma vez por todas. Uma sem a outra não causa estrago. Mas adotar ambas no mesmo território é revolucionário.
  100. Se os talentos fossem todos iguais, a desigualdade não aconteceria, contudo. Estranho. No Emílio, Rousseau parece o tipo de cara que seria a favor da reforma do ensino médio como empurrada por Temer. Mas nos Fundamentos, ele parece que se manifestaria contra. Afinal, se a diferença de talentos é causa de desigualdade, o grau de igualdade aumentaria se os talentos fossem nivelados, através da educação igual pra todos. Isso não quer dizer ser bom e todas as matérias, o ensino médio nunca foi assim. Bastava ser bom na maioria e as notas boas de uma disciplina cobririam o fracasso noutra.
  101. Sucesso não é só habilidade. É também sorte. Ninguém chega “lá” só com esforço, especialmente se você for pobre. Pra não falar dos que chegam “lá” por meios ilícitos.
  102. O rico precisa de serviço. O pobre precisa de auxílio.
  103. Para fazer mal aos outros sem receber represália, dê a isso um caráter benevolente. Diga que é um “mal necessário” ou que “é pro nosso próprio bem” ou que “é ruim só na aparência” ou que é “para grande justiça”.
  104. Com o nascimento da riqueza e da propriedade privada, nasceu também o roubo.
  105. Ricos têm aquilo de que os pobres necessitam. Sua existência já é afronta à igualdade. Se têm demais, é porque tiram de alguém, mesmo que de forma lícita. Esse é o espírito do capitalismo.
  106. O pedreiro pode trabalhar para si, mas o rico, que não tem essa habilidade, precisa de pedreiros pra suas obras. Ele é assistido por múltiplas mãos. “Eu construi este muro”, ele diz. Não, você pagou pra alguém construir pra você. E o dinheiro que você usou foi recebido de outra pessoa. Então é rico é extremamente dependente. Ele, mais que todos, devia agir com humildade.
  107. O selvagem de Hobbes é um estado posterior ao selvagem de Rousseau.
  108. O contrato social foi proposto pelos ricos.
  109. Não se deve imolar a liberdade no altar da paz, diz Rousseau.
  110. O pai só é senhor do filho enquanto o filho depender dele. Se o filho se torna independente, pai e filho tornam-se iguais. O filho ainda deve respeitar o pai, mas ele pode desobedecê-lo, diz Rousseau.
  111. Quando o governo se torna arbitrário, se instaura a lei do mais forte (no caso, o governo). Um governo assim é ilegítimo.
  112. O povo paga pelos erros do governo. Se o governo está errando muito, o povo deve se rebelar.
  113. Quando o governo se torna arbitrário, é necessária uma revolução para destrui-lo ou colocá-lo de volta no eixo devido.
  114. As leis contém as pessoas, mas não as mudam.
  115. Existem três graus de desigualdade: rico e pobre, poderoso e fraco, senhor e escravo.
  116. Por que os ricos não têm pena dos pobres? Porque sua felicidade se sustenta na miséria causada aos pobres, diz Rousseau. Se os pobres deixassem de ser pobres, os ricos deixariam de ser ricos, pondo sua felicidade em perigo. É por isso que não se deve buscar o prazer na riqueza ou na fama.
  117. Quando há excesso de corrupção, a única lei é a do mais forte. E o mais forte é o governo. A menos, claro, que os cidadãos lutem.
  118. É preciso expulsar o Temer.
  119. Não é que o selvagem é preguiçoso; ele só não precisa trabalhar.
  120. É contrário à razão que alguém mais novo governe o mais velho, que uns poucos vivam no supérfluo enquanto os muitos morrem de fome, que um imbecil governe um país. Mas tudo isso ocorre. A política, ao menos em sua forma atual, principalmente nesta gestão, é uma grande palhaçada.

26 de dezembro de 2016

O que aprendi lendo “O Contrato Social”.

O Contrato Social” foi escrito por Jean-Jacques Rousseau. Abaixo, o que aprendi lendo seu texto.

  1. Não são os políticos que escrevem sobre política: estando no cargo, validam seu pensamento com suas ações, não com palavras.
  2. Se eu fosse político, não escreveria sobre política; eu faria política.
  3. Todos os que participam de uma sociedade devem refletir sobre política.
  4. A primeira sociedade é família.
  5. A dependência entre familiares é, a princípio, natural.
  6. A família pode continuar existindo quando não há mais dependência um do outro, mas, nesse caso, a família só existe por convenção e não por necessidade.
  7. Ninguém abdica de sua liberdade se não ganhar algo em troca disso.
  8. Quem é escravo faz tempo não anseia mais a liberdade.
  9. Os primeiros escravos foram feitos escravos pela força. mas os escravos que vieram depois foram feitos escravos pelo costume.
  10. Todos têm igual direito a governar.
  11. O monarca que quiser evitar conspirações, rebeliões ou guerras civis faria bem em se desfazer totalmente de seu povo.
  12. Obedecer à força não é um ato de moral, mas de prudência.
  13. Se não há, portanto, opção de desobediência, não há moralidade.
  14. Se o mais forte tem sempre razão, então eu tenho que ser forte.
  15. Eu só posso desobedecer ao forte sendo mais forte que ele.
  16. Um povo se aliena (se vende) porque espera disso algum benefício.
  17. O rei tira sua subsistência dos súditos; somos nós quem sustentamos o governo.
  18. Ninguém trabalha de graça.
  19. Numa guerra, há inimizade entre governos, não entre povos, que só matam porque são mandados.
  20. Não existe escravidão em sentido pleno.
  21. Entre humanos, o povo preexiste ao governo.
  22. O contrato social é a renúncia à liberdade natural em prol de uma liberdade convencional estabelecida de mútuo acordo visando a obtenção dos benefícios da vida em sociedade.
  23. Existe uma “vontade geral”, manifesta nas leis decididas de comum acordo e asseguradas pelo contrato.
  24. É injusto ter só direitos e nenhum dever.
  25. Quem se recusar a obedecer à vontade geral, será forçado a isso pelo todo.
  26. A vida em sociedade permite o desenvolvimento do ser humano ao governo distante do animal.
  27. Existem dois tipos de liberdade em Rousseau: a natural e a civil.
  28. A liberdade civil é caracterizada pela propriedade privada: cedo parte de minha liberdade natural em nome da liberdade de ter coisas só minhas.
  29. Obedecer às próprias regras é liberdade também.
  30. Os primeiros monarcas não eram senhores de terras, mas de nações, isto é, senhores de pessoas.
  31. A natureza fez todos diferentes, mas o contrato social implica tornar todos iguais, não pela natureza, mas pelo direito.
  32. A vontade geral é a única que dirige uma sociedade para seu fim comum, que é o bem-estar de todos.
  33. Se existe uma coisa que todos querem, o governo deve garantir essa coisa para manter o povo unido.
  34. Se ordenando para esses pontos de convergência da vontade dos súditos, a vontade geral, o governo pode se ordenar para a igualdade, pois estará literalmente atendendo a todos.
  35. Quem cala, consente.
  36. A verdade sozinha não traz riqueza.
  37. A vontade geral pode errar quando o povo é levado a desejar o que é ruim pra si mesmo.
  38. Isso pode ser feito mentindo pro povo.
  39. Vontade geral é a soma de todas as vontades, excluindo as que se contradizem, restando, efetivamente, aquilo que todos querem.
  40. É possível destruir a livre manifestação da vontade geral num ambiente democrático fazendo as pessoas votarem contra o que todos querem em prol de uma vontade particular (através de manipulação mediática, voto de cabresto, compra de votos, entre outros).
  41. Para que a vontade geral se manifeste de maneira pura, é preciso que cada um vote por si mesmo e não pelo grupo ao qual pertence, porque o interesse da maioria emerge quando todos votam segundo seus próprios interesses.
  42. O governo não pode exigir de um particular nada que não sirva ao bem do todo, porque é pelo bem do todo que o governo deve zelar.
  43. Não se deve julgar politicamente usando critérios que os outros impõem: a decisão política implica critérios próprios.
  44. Votar por si próprio já é votar pelo todo.
  45. A vontade geral sempre diz respeito ao todo.
  46. Para salvar nossa vida, às vezes temos que arriscá-la.
  47. Falta de informação pode matar.
  48. Se você violar as leis de seu governo, está sujeito à punição prevista.
  49. Por outro lado, se você não gosta dessas leis, pode procurar outro país com leis mais a sua cara.
  50. Um governo que mata muitos é um mau governo.
  51. Quanto mais crimes cometidos, mais impunidade; quanto mais impunidade, mais crimes cometidos.
  52. Não existe um país em que não haja criminalidade.
  53. Todos têm senso de justiça, mas a justiça só acontece se houver reciprocidade.
  54. Existem leis que favorecem os maus e prejudicam os bons.
  55. Leis naturais não são leis civis.
  56. Não se pode legislar para uma pessoa só.
  57. O ato de governar implica fazer o ser humano agir de maneira que não é natural.
  58. Quem faz as leis não deve ser o soberano.
  59. O sábio não será entendido pelo vulgo sem adotar sua linguagem.
  60. Existem ideias complexas demais pra serem traduzidas em linguagem coloquial.
  61. Legislar é algo muito sério.
  62. Isso é algo tão sério que as primeiras leis eram inseparáveis da religião.
  63. Não se deve fazer leis que o povo não pode aceitar.
  64. Existem povos viciosos com leis boas às quais não se submetem.
  65. Existem nações que prosperam com leis consideradas ruins.
  66. Cada povo tem sua especificidade; costumes estrangeiros podem não pegar aqui.
  67. É mais fácil manter um povo forte se ele for pequeno: quanto mais pessoas, mais difícil manter todos unidos.
  68. Governos grandes requerem degraus de poder: o presidente não pode governar todo o país sozinho se o país é enorme.
  69. Países que não têm recursos o bastante se veem forçados a conquistar o território dos outros.
  70. Se o povo estiver desesperado, aceitará qualquer lei.
  71. O desafio da lei não é instaurar um novo bem, mas destruir um mal já conhecido.
  72. A liberdade não pode subsistir sem igualdade: se todos começam em condições iguais, estão habilitados a exercer sua liberdade em igual medida e ninguém poderá reclamar que estava em desvantagem.
  73. Ninguém deve ser tão rico a ponto de poder comprar uma outra pessoa ou tão pobre a ponto de vender-se.
  74. As leis devem zelar pela igualdade.
  75. Se o país não consegue produzir suas próprias riquezas pela agricultura, deveria investir em outros meios de fazer dinheiro, tal como o comércio de bens artísticos ou culturais.
  76. A impunidade permite que os criminosos legislem.
  77. O povo pode, pelo seu desejo, destruir leis boas: se o povo deseja sua destruição, quem pode pará-lo?
  78. Toda a ação depende de dois elementos: vontade e poder.
  79. A vontade do governo é o legislativo e o poder do governo é o executivo.
  80. Quando um poder tenta fazer as vezes do outro (quando o legislativo tenta agir como executivo ou vice-versa) ou quando o povo se recusa a obedecer às leis, ocorre despotismo ou anarquia.
  81. Quanto maior o povo, menos poder político cada súdito tem.
  82. Quanto mais forte é o governo, menos liberdade se tem.
  83. Matemática não serve para medir a ação política.
  84. Não é o número de pessoas que faz a revolução, mas a ação desse número.
  85. A vontade do governante, enquanto governante, deve ser a vontade geral: ele deve zelar pelo interesse do povo.
  86. Se o povo ou o governo tiverem que se sacrificar, que seja o governo, não o povo.
  87. Soberana é a vontade geral.
  88. Um desejo é mais forte quanto mais é pessoal.
  89. Por causa disso a vontade geral se impõe menos que o interesse particular.
  90. Se o governo for todo entregue nas mãos de uma pessoa só, a tentação será grande demais, o potencial de corrupção será muito alto.
  91. Um governo exercido por um só seria altamente ativo.
  92. Cada integrante do governo tem poder político em si, mas o povo, mesmo sendo soberano em um governo democrático, não tem poder político a menos que se una.
  93. Dividindo o poder em diferentes pessoas, não completamente separadas, mas dependentes entre si, como no regime democrático, o risco de passar o interesse particular à frente é menor.
  94. Mesmo num governo democrático, nem todos participam da democracia.
  95. Não é bom que o executor das leis seja o legislador.
  96. Se um povo se governa bem, não precisa de governo e pode viver bem sem um.
  97. A democracia perfeita nunca existiu por uma variedade de empecilhos que tornam a democracia representativa (que não é perfeita) mais cabível.
  98. O luxo corrompe ricos (pelo cuidado em não perder a riqueza) e pobres (pelo desejo de obter a riqueza).
  99. É natural que o governo democrático não permaneça muito tempo na mesma condição.
  100. A democracia é um modelo perfeito e justamente por isso que ela não pode ser perfeitamente administrada por seres imperfeitos como seres humanos.
  101. Numa aristocracia, existem duas vontades gerais: a do povo e a dos governantes.
  102. Aristocracias podem existir em três sabores: natural, eletiva e hereditária.
  103. O melhor homem não necessariamente é o mais rico, já que riqueza não compra virtude.
  104. Na política, é preciso fazer as coisas moverem dando a impressão de estarem imóveis.
  105. O interesse do monarca é que seu povo dependa dele, então é preciso mantê-lo sempre com certo grau de debilidade.
  106. A obra de Maquiavel deveria ser lida por leigos pra que eles saibam como os governantes operam, a fim de se defender.
  107. Quem se esforça para chegar ao poder por meios duvidosos atesta que não pode chegar lá por meios legítimos.
  108. É mais fácil conquistar um território do que administrá-lo.
  109. O exemplo dos pais pode ser abandonado pelo filho dependendo do caminho que ele quiser seguir.
  110. Os melhores reis não receberam educação pra serem reis.
  111. Se o governo é ruim e nada pode ser feito, o melhor que se pode fazer é sofrer até o fim do mandato.
  112. As três formas de governo não funcionam sempre em todos os territórios: a monarquia nunca vai funcionar em determinados países, tal como existem alguns que rejeitam a democracia de caso pensado.
  113. É preciso que um país fique com a forma de governo que melhor lhe convém.
  114. O supérfluo de cada um produz o necessário de todos.
  115. É preciso que o trabalhador tire lucro de seu trabalho, ou o país será pobre.
  116. Quando o governo começa a falhar, uma revolução pode colocá-lo de volta nos eixos.
  117. O excedente de produção de uma tarefa difícil é menor.
  118. A alimentação sem carne é superior, se você variar os alimentos que consome.
  119. É possível viver bem comendo pouco.
  120. Os alimentos dos locais quentes são mais gostosos.
  121. Não dá pra saber qual tipo de governo é o melhor, mas é possível saber quando um povo está sendo bem ou mal governado.
  122. Não é possível saber qual tipo de governo é o melhor porque o conceito que cada um tem de “bom governo” varia.
  123. O poder tende a corromper.
  124. Por causa desse fenômeno, não existe governo humano que dure pra sempre.
  125. Essa “morte natural” do governo pode ocorrer por dois caminhos: quando o governo é restrito (isto é, quando uma democracia se torna uma aristocracia ou uma aristocracia se torna uma monarquia) ou quando o governo se dissolve.
  126. Ele pode se dissolver de duas formas: quando o governo passa a tomar decisões fora da lei ou sem consultar o povo ou quando cada membro do governo usurpa poder para si.
  127. Em situações como essa, o povo é forçado a obedecer, mas não é obrigado, porque ninguém pode tirar do povo o direito de revolta.
  128. Se o governo se dissolve, entramos em anarquia.
  129. “Tirano” é governador ilegítimo.
  130. O comportamento típico do déspota (tirano que governa uma democracia) é agir como se estivesse acima da lei.
  131. Pra fazer algo bem é preciso não tentar o impossível.
  132. Cada corpo político tem as causas de sua própria destruição.
  133. Para fazer algo estável, é preciso abdicar da pretensão de fazê-lo durar pra sempre.
  134. O corpo humano é obra da natureza, mas o corpo político é obra dos humanos.

  135. É possível fazer o governo durar mais e mais tempo, mas ele eventualmente cairá, o que não quer dizer que devamos descuidar dele.

  136. O poder legislativo é o coração do governo, enquanto que o poder executivo é seu cérebro.

  137. Só não acredita em liberdade quem se fez escravo.

  138. Não se deve considerar o futuro antes de considerar o presente.

  139. Liberdade e sossego nem sempre andam juntos.

  140. Se as pessoas se ocupam demais em negócios privados, é porque o governo não é capaz de lhes prover o bastante.

  141. Abundância de serviços públicos trabalha contra a iniciativa privada.

  142. Se o governo é ruim, não dá gosto votar.

  143. Boas leis levam a melhores leis.

  144. Más leis levam à piores leis.

  145. Quando as pessoas não se importam mais com política ou com governo, a política morreu.

  146. Se o povo puder falar por si mesmo, não há necessidade de eleger representantes pra criar leis (no caso, o povo seria o congresso, anulando a necessidade de deputados e senadores).

  147. Só é lei se o povo seguir: não adianta fazer uma lei que todo o mundo vai quebrar.

  148. Se submeter a um governo injusto é covardia.

  149. Não exija dos outros o que você não pode fazer.

  150. Nenhum ato particular deve constituir lei.

  151. O governo democrático é o mais fácil de instaurar se não houver nenhum já em vigor no local.

  152. Seria interessante se qualquer membro do executivo pudesse ser tirado de lá pela vontade do povo.

  153. Impedir manifestações populares é uma tentativa de calar a vontade geral.

  154. Atacar assembleias populares periódicas é se declarar contra o povo.

  155. Agir contra a vontade geral é dizer que o mal público pode ser compensado por uma conquista particular.

  156. É possível mascarar interesses privados sob uma máscara de luta pelo bem público.

  157. O governo prefere que o direito de opinar, discutir e debater questões políticas seja dele somente, tanto que o debate popular tem zero efeito no governo.

  158. A liberdade é inalienável ao ser humano.

  159. Se há dúvida sobre o que a vontade geral deseja, uma votação deve ser o bastante.

  160. Um governo ruim pode durar vinte anos, na medida em que subverte as regras do governo sem encontrar oposição.

  161. A ostentação da riqueza pode se tornar causa de pobreza.

  162. Antigamente, o voto secreto visava permitir que a pessoa votasse numa opção injusta sem sofrer vexame público.

  163. Quando um governo se torna corrupto, só pode subsistir de duas formas: ou se remove a corrupção (purificação) ou se promulga leis corruptas (decadência total).

  164. Excesso de crimes revela leis inúteis.

  165. Os grilhões de Roma não vinham de Roma, mas de seu exército.

  166. Os primeiros governos eram teocráticos.

  167. Isso porque, no governo de natureza, parecia inconcebível que um ser humano se tornasse senhor sobre outros humanos; só um ser sobre-humano deveria governar o ser humano.

  168. Embora haja deuses parecidos entre diferentes povos, não são o mesmo deus se manifestando a diferentes povos.

  169. A razão de os cristãos serem perseguidos é que Jesus separou religião e governo.

  170. Mas, com o passar do tempo, o cristianismo se corrompeu.

  171. Na Europa, depois do cristianismo, religião e política são coisas diferentes.

  172. A fusão entre igreja e governo cria uma situação na qual, efetivamente, é a igreja que governa, porque é pior ir pro Inferno do que pra cadeia.

  173. A religião é perigosa ao governo: amor ao próximo, humildade, desapego aos bens materiais, relutância em matar, castidade, o governo tem interesse no oposto de todas essas coisas.

  174. Os preceitos de Jesus, por exemplo, trabalham contra a economia, o crescimento populacional e o exército.

  175. Ao fundir religião e governo, o fiel passa a ver outras nações, que têm leis diferentes, como inimigas de Deus.

  176. O cristianismo não é a religião pregada por Jesus.

  177. Sendo um modelo perfeito, a sociedade de cristãos verdadeiros não duraria muito tempo, porque as nações vizinhas se aproveitariam de sua debilidade militar (o cristão não pode matar).

  178. “República” e “cristão” são termos que se excluem mutuamente: não é possível imaginar que um governo pautado sobre os ensinamentos de Jesus possa subsistir, principalmente em situação de guerra.

  179. Formar um exército a fim de matar numa guerra é violar o preceito cristão de interdição ao assassinato.

  180. Não cabe ao governo se preocupar com a alma dos cidadãos.

  181. É preciso que o governo faça leis que estimulem a sociabilidade entre cidadãos.

  182. O governo não pode obrigar ninguém a crer em uma religião, porque fé é algo pessoal.

  183. Se há intolerância religiosa no país, os sacerdotes da religião dominante se tornam governantes, pois, numa situação em que religiões se combatem, os sacerdotes têm crédito redobrado.

  184. O sacerdote que diz que só será salvo quem for da igreja dele está se colocando acima do governante local.

12 de dezembro de 2016

Anotações sobre o “Emílio”, do Rousseau.

Filed under: Livros, Passatempos — Tags:, , , , — Yurinho @ 21:07

“Emílio” foi escrito por Jean-Jacques Rousseau. Abaixo, algumas anotações feitas sobre esse texto.

  1. O assunto da educação é tão batido que impressiona o fato de ela ainda funcionar mal.
  2. Não basta se opor ao que já existe se você não sugere o que poderia substitui-lo.
  3. Quando um livro é escrito para o público em geral, ele precisa ter fator formativo; de nada adianta escrever um livro com informação que ninguém usará.
  4. Se você não pode formar adultos, volte-se às crianças.
  5. O professor deve conhecer seus alunos, ao menos satisfatoriamente.
  6. O livro é seu quando você escreve sobre suas ideias e não sobre as de outros.
  7. Pensar por conta própria não é digno de censura.
  8. Quando um escritor faz uma afirmação, ele está dizendo o que ele pensa, não necessariamente está dizendo algo que é verdade.
  9. Antes de empreender algum projeto, verifique o quão útil ele é, depois verifique o quão fácil ele é de executar.
  10. Utilidade é critério sólido, mas facilidade é critério contingente, variando segundo circunstâncias.
  11. A natureza é perfeita, mas nós não somos.
  12. Se não somos perfeitos, é normal que nossas tentativas de transformar a natureza resultem em monstruosidades.
  13. Características propriamente humanas só aparecem graças ao convívio em sociedade.
  14. A socialização também pode destruir um ser humano por ela formada e, quando o faz, não lhe dá nada melhor em troca de sua humanidade.
  15. A educação caseira tem mais efeito do que a educação escolar.
  16. Você sabe se educou bem o seu filho quando você fica velho: se ele não quiser ajudar você na sua velhice, você está pagando pela educação ruim que deu ao seu filho.
  17. A mãe não deve construir paredes ao redor do seu filho.
  18. Plantas são podadas, homens são educados.
  19. Porque nascemos frágeis, aceitamos a educação dos mais fortes.
  20. Antes estragar o filho do que matá-lo.
  21. Há três fontes de educação: as coisas, a natureza e o convívio com outras pessoas.
  22. As diferentes fontes têm que ser harmônicas.
  23. É fácil ser educado errado, então: não temos controle sobre a natureza e apenas controle parcial sobre as coisas e sobre o convívio.
  24. Educar perfeitamente depende de habilidade e de sorte.
  25. É necessário se orientar para a educação natural, porque ela não depende de nós.
  26. Quando começamos a sentir, temos nossas primeiras noções de prazer e de dor.
  27. As três fontes de conhecimento ensinam coisas diferentes, mas não devem ensinar coisas contraditórias, ou a educação será afetada negativamente por isso.
  28. O homem natural é todo para si, mas o homem civil só tem valor com os outros.
  29. A cidadania é anti-natural: é normal que queiramos viver juntos, mas as regras de cidadania nos levam a assumir comportamentos que não são naturais e não seriam aprendidos de outra forma, como ficar feliz com a morte dos filhos, porque lutaram numa guerra de boa causa.
  30. Tentar exercer um comportamento natural em um meio civil é não ser nem natural e nem civil.
  31. O natural é determinado: fala o que pensa e age como fala.
  32. É possível ser natural em casa e civil no trabalho.
  33. Platão, ao conceber sua sociedade perfeita, precisou conhecer a natureza humana a fim de tirar vantagem nela.
  34. A educação na época de Rousseau formava hipócritas.
  35. A educação que nos leva para longe da natureza é prejudicial.
  36. Existem bons professores, mas os professores, enquanto submetidos ao Estado ou ao chefe, se vêem forçados a perpetuar o modo de pensar estabelecido para não perderem o emprego, ou seja, ensinam o que não acreditam.
  37. A educação no tempo de Rousseau não era para formar um homem de potencialidades, isto é, que poderia crescer e fazer o que quisesse.
  38. Os professores têm que formar pessoas, não empregados.
  39. A boa educação consiste em ensinar o indivíduo a tirar proveito dos bens e suportar bem os males.
  40. Os primeiros professores são os pais.
  41. A criança precisa de uma prioridade pedagógica: o pai e o professor não devem ter igual valor.
  42. Se o mundo muda, é preciso ensinar a lidar com a mudança.
  43. É preciso ensinar a criança a se proteger quando os pais não estiverem lá.
  44. Se você protege a criança, mas não a ensina a usar suas faculdades plenamente para si mesma, está a tratando como uma planta.
  45. Quem tem mais idade não necessariamente viveu muito.
  46. O recém-nascido precisa de movimento: seus músculos não se desenvolverão bem se ele não exercitá-los.
  47. Limitar os movimentos do recém-nascido por meio de amarras ou faixas para mantê-lo sempre na mesma posição é quase perpetuar seu estado de feto.
  48. Impedir o movimento infantil completamente é frustrar o desenvolvimento do pequeno.
  49. Se o recém-nascido não pode se mover, pois enfrenta resistência das condições, ele chora, claro.
  50. Se você não gostaria de usar uma camisa de força, então não vista seu filho em uma.
  51. A mãe que deixa o filho com a babá pra ir se divertir longe de casa é uma péssima mãe.
  52. Uma criança é fraca demais pra se machucar gravemente com os próprios movimentos, então ela não precisa de supervisão total.
  53. Ser mãe é uma escolha que não deve ser feita irresponsavelmente.
  54. Se a mãe não ama o filho, o pai deve priorizar o filho em lugar da esposa.
  55. Se o leite da mãe é inadequado, o bebê deveria mamar de outra pessoa.
  56. Porém, se essa pessoa se recusa a amamentar os próprios filhos, não é adequada para substituir a mãe no aleitamento.
  57. A ama de leite raramente ama o protegido.
  58. O filho bem criado por uma babá terá amor por ela, especialmente se negligenciado pela mãe verdadeira.
  59. Punir o filho por gostar da babá mais do que da mãe aumenta o ódio do filho pela mãe, consequentemente aumentando o amor pela babá.
  60. Filhos criados por pais abusivos não estão nem aí para o fato de terem sido gerados por seus pais.
  61. Como a mãe é o primeiro exemplo do filho, educar bem as mães equivale a educar bem os filhos.
  62. A falência da mãe é também a falência da família.
  63. Não negligencie seu filho só porque todo mundo faz isso.
  64. Apesar de amar os filhos, os pais não devem protegê-los demais.
  65. O filho deve crescer forte, mas ele só pode ser forte experimentando dor e frustração, então ele precisa sentir as consequências dos seus atos.
  66. A criança criada delicadamente, protegida de tudo, enfaixada, morre mais cedo.
  67. Não se deve esconder da criança o fato de que ela pode adoecer, se ferir ou morrer.
  68. Devemos criar nossos filhos pensando em que tipo de adulto eles poderão ser.
  69. As crianças geralmente sofrem menos.
  70. Não se deve castigar a criança sem explicar onde ela errou.
  71. Uma criança que não recebe uma boa educação em casa acabará de ser estragada na escola.
  72. A pessoa pode receber educação profissional e acadêmica, mas, sem formação humana, ela será viciosa e contribuirá para a falência da sociedade.
  73. Não largue seu filho, mantenha-o sob sua tutela (a tutela dos pais), até que ele seja independente dos pais.
  74. Os deveres do pai e os da mãe devem ser acertados de mútuo acordo, para evitar que o filho use as contradições a seu favor.
  75. O melhor professor é um pai sábio.
  76. A mãe que não alimenta o filho, achará desnecessário que o pai o eduque.
  77. O pai não deve se ocupar demais com o trabalho, para não descuidar da educação do filho.
  78. Os filhos que despendem tempo demais longe dos pais ficam sem apego.
  79. A base da família é a casa.
  80. O pai tem tríplice responsabilidade: formar um ser humano, formar um cidadão, formar um ser civil, na mesma pessoa.
  81. Quem não puder arcar com as responsabilidades de ser pai, não tem o direito de ser pai.
  82. Um bom governante não se vende.
  83. Há deveres tão nobres que é indigno desempenhá-los por dinheiro.
  84. Se seu filho prefere a sua educação mais do que a educação do professor, você está indo bem.
  85. Se não puder ser pai, seja pelo menos amigo.
  86. Se um homem não cria filhos, mesmo que os tenha adotado, falhou em ser homem plenamente.
  87. Como dar a meu filho a educação que eu não tive?
  88. Se você quiser um amigo, eduque seu filho para ser seu amigo.
  89. Sugerir que façamos algo impossível não é contribuir.
  90. Se a educação do primeiro filho foi ruim, o pai pode se sentir desencorajado de arrumar um segundo filho.
  91. O bom professor deve fazer com que o aluno encontre a resposta sozinho, conduzindo-o, como Sócrates fazia.
  92. Você só conhece o aluno depois que o adota como aluno, não antes.
  93. Partir de um ponto central para só então ir a um dos extremos.
  94. Se o solo é pobre, o agricultor trabalha mais e valoriza mais o trabalho; se o solo é fértil, o agricultor pode trabalhar menos e valoriza mais o tempo livre.
  95. O pobre se vira com a educação que a vida lhe dá, enquanto que o rico frequentemente aprende o que não quer aprender.
  96. O pobre amadurece sozinho, mas, estranhamente, os filhos ricos não conseguem fazer isso.
  97. Honrar pai e mãe não é o mesmo que obedecer pai e mãe, como quer Hobbes.
  98. Não assuma a responsabilidade que não pode cumprir, ou será culpado por não desempenhar bem a função.
  99. O corpo precisa de vigor para obedecer à alma.
  100. Exagerar no prazer e exagerar na abstenção de prazer, ambos estragam o corpo.
  101. O corpo bem disciplinado obedece ao cérebro.
  102. Devemos nos afastar do medo da morte.
  103. Algumas doenças têm que ser toleradas.
  104. Alguns tratamentos matam mais que certas doenças.
  105. Os animais, na natureza, parecem adoecer menos.
  106. O melhor estilo de vida disponível é o estilo de vida dos povos que vivem mais tempo.
  107. Atividade física está relacionada à longevidade: os povos mais que vivem mais tempo são os que mais trabalham manualmente e mais toleram a fadiga.
  108. Se quer uma coisa bem feita, faça você mesmo.
  109. Longevidade parece estar relacionada ao baixo consumo de carne.
  110. O leite materno amadurece com o filho.
  111. Enquanto as coisas seguem sua ordem natural, é fácil fazer o bem.
  112. Uma mãe de leite ruim é um perigo.
  113. A criança que passa de mãe para babá e de babá para babá recebe diferentes instruções, sem se aprofundar em nenhuma.
  114. A criança deve reconhecer autoridade, a autoridade paterna, mas é preciso que a autoridade não se torne autoritarismo.
  115. Se pai e mãe derem instruções diferentes, a criança tomará vantagem disso.
  116. Mudanças súbitas prejudicam a saúde.
  117. Não conserte o que não está quebrado.
  118. Não coma fritura se você amamenta.
  119. Muita gente junta permite fácil propagação de doenças.
  120. A zona rural é mais saudável do que a zona urbana.
  121. Os primeiros banhos da criança devem ser com água morna.
  122. O berço do recém-nascido tem que ser grande, as fraldas não devem ser apertadas.
  123. Quando a criança começar a engatinhar, deixe-a no chão, para que engatinhe livremente ao longo do térreo.
  124. Proteger demais uma criança usando faixas para coibir o recém-nascido é frequentemente tido por uma medida de segurança, mas não é o que acontece: as mães faziam isso porque podiam pendurar os filhos em cabides ou colocá-los no canto dos berços e então sair para fazer outra coisa, ou seja, não era uma medida de segurança, mas preguiça da mãe.
  125. Nascemos sem saber de nada, mas nascemos com capacidade de aprender.
  126. Se nascessem adultos, ainda teriam que aprender a andar e falar.
  127. Não sabemos até onde nós podemos ir.
  128. As primeiras sensações são o prazer e a dor.
  129. Um pássaro que foge da gaiola não consegue voar, porque nunca voou.
  130. É ruim comer por hábito, sem estar com fome
  131. O medo se instaura quando ocorre uma situação desagradável de grande intensidade.
  132. O fato de o bebê tentar pegar objetos que estão fora do alcance da mão, como se não percebesse sua real distância, mostra que é o nosso movimento que nos dá a ideia de extensão.
  133. Chorar é normal, é a forma que a criança tem de dizer que precisa de algo.
  134. Os bebês têm uma linguagem própria.
  135. Quem convive com bebês sabe o que cada choro ou balbucio significa.
  136. Para se comunicar, o bebê também usa gestos e expressões faciais, para suprir a falta de palavras.
  137. Nunca se deve irritar uma criança de propósito.
  138. Não contrarie a criança sem razão, para que ela não aprenda a fazer isso com os outros e com você.
  139. Os primeiros choros são pedidos, mas, se a criança é atendida sempre prioritariamente, entende que seus pais cedem ao choro e tranforma seu choro em um meio de ordenar os pais.
  140. Alguns bebês frustrados gritam às coisas, como se as coisas as entendessem e devessem satisfação.
  141. Quando o filho quiser alguma coisa, não leve a coisa a ele, mas o contrário: leve-o à coisa, para que ele não pense que é possível conseguir o que quer ficando parado.
  142. A maldade vem da fraqueza.
  143. A criança não destrói por maldade, mas por diversão.
  144. Atender aos desejos fúteis da criança o tempo todo a torna mimada e egocêntrica.
  145. Não dê à criança um direito do qual ela possa abusar.
  146. A educação deve ser ministrada de uma forma que a criança precise do mínimo possível de ajuda e seja capaz de fazer as coisas sozinhas: não faça por ela, ensine-a a fazer.
  147. Assim, ela aprenderá a querer apenas o que puder ter com seu esforço.
  148. Se a criança está chorando por birra, a fim de conseguir algo que você não pode dar, deixe que chore até se cansar.
  149. Se a criança chora sem estar doente, sem estar com fome, sem estar com sede, sem estar com sono, sem estar apertada (ou já suja), sem estar triste, sem estar com medo, sem estar com raiva, sem estar ferida, então ela não tem razão pra chorar.
  150. A criança só deve deixar de mamar quando os dentes começarem a crescer.
  151. Se os dentes estão nascendo, a criança quererá mastigar.
  152. Os brinquedos devem ser baratos (bola amadora, carrinhos, lápis de cor) ou mesmo gratuitos (galhos de árvore, cocos secos), mas jamais caros.
  153. Com o aparecimento dos dentes, chega a hora de introduzir a criança aos alimentos sólidos.
  154. Fale com a criança no idioma que ela usará, não em balbucios.
  155. As primeiras palavras que a criança deve aprender são as que se referem aos objetos sensíveis com que ela convive.
  156. A criança tem uma linguagem muito poética, ela faz comparações e alusões que os adultos não pensariam em fazer.
  157. A menos que esteja lendo, não há necessidade de corrigir a pronúncia infantil.
  158. A criança não deve pronunciar rapidamente e não deve também ser estimulada a falar antes da idade certa.
  159. Se a criança convive só com o pai, ele acabará entendendo o que cada balbucio quer dizer, mas, convivendo com outros, a criança precisa se esforçar para pronunciar de maneira inteligível, porque os outros não estão acostumados à linguagem que ela usa em casa com o pai.
  160. Quando você fala e não é entendido, você provavelmente está falando errado.
  161. Não se deve envergonhar a criança por pronunciar errado, porque isso pode torná-la tímida quando precisar falar em público.
  162. Às vezes a criança fala uma coisa querendo dizer outra, porque não entende o verdadeiro significado de determinado termo.
  163. A criança que aprende a falar chora menos, porque terá outros meios de comunicar o que sente.
  164. Se a criança se machuca quando está sozinha, pode ser que não chore.
  165. A criança aprende a temer o que os pais temem.
  166. Se a criança está sozinha num amplo terraço, onde só há brinquedos, não vai morrer.
  167. Dê a criança ensinamentos que ela possa usar.
  168. Não precisa ensinar a criança a andar, ela vai fazer isso sozinha.
  169. A criança precisa do espaço para brincar, esse espaço deveria ser amplo.
  170. Melhor uma criança machucada e feliz do que uma triste criança limpa.
  171. A criança que brinca e desenvolve suas forças físicas pelo jogo se queixa menos, pois seu corpo é mais capaz.
  172. A educação deveria servir ao presente mais do que ao futuro.
  173. A educação errada e os cuidados errados levam pais bem intencionados a matar seus filhos, pensando que lhes fazem bem.
  174. Existem coisas que a criança aprende que atrapalham ela na vida adulta.
  175. Algumas crianças fazem besteira porque os pais mandaram.
  176. Não se deve fazer alguém infeliz a fim de que ele seja feliz no futuro; a pessoa deve ser feliz desde agora.
  177. Não se deve estragar a criança, mas não se deve torná-la infeliz.
  178. Para Rousseau, tudo está misturado nesta vida, de forma que não é possível experimentar felicidade sem também experimentar algum sofrimento.
  179. A pessoa mais feliz é, simplesmente, a que sofre menos.
  180. A miséria, então, é desejar o que não se pode obter, porque o desejo já é um sofrimento.
  181. Um ser absolutamente feliz seria aquele que pode conseguir tudo aquilo que quer.
  182. A miséria, então, vem do fato de que desejamos além da nossa capacidade de satisfazer nossos desejos.
  183. Superar a miséria é desejar somente aquilo que está ao meu alcance.
  184. Se a força ultrapassa nossa necessidade, somos fortes.
  185. Pondo as coisas dessa forma, é forte quem se contenta com o que se é, o que se tem e o que está ao alcance.
  186. Quem se conforma não se queixa.
  187. Todos os animais têm apenas o que lhe basta para sobreviver.
  188. Se você desejasse somente estar vivo, seria automaticamente feliz durante toda a sua vida.
  189. Males físicos podem passar… ou te matar.
  190. A medicina salva muitas vidas, mas o engano médico também tira muitas vidas.
  191. É preciso saber sofrer.
  192. É cruel que um velho morra sem ter vivido.
  193. O presidente não é tão poderoso se ele precisa das mãos de outras pessoas para efetivar sua vontade.
  194. Mais vale liberdade do que autoridade.
  195. Deve-se ensinar a criança a desejar somente o que puder ter.
  196. “Fantasia” é qualquer desejo que não podemos satisfazer sozinhos e que não dizem respeito à necessidades reais (eu não vou morrer se não satisfazer uma fantasia).
  197. Dar à criança mais necessidades é viciá-la.
  198. A criança deve pedir, mas não mandar.
  199. Se o pai manda a criança fazer alguma coisa que não lha ensina nada, está educando errado.
  200. A vontade de pular, correr e gritar que as crianças têm é natural e, quando satisfeita, exercita e fortalece o corpo.
  201. Se a criança chora para conseguir algo (depois que aprende a falar), não conceda esse algo, a menos que seja necessário à sua sobrevivência.
  202. Nem mau, nem fraco, o pai deve ser justo.
  203. O uso das “palavras mágicas” por favor, obrigado, desculpe-me, não deve ser pervertido.
  204. Melhor ser mau educado do que arrogante.
  205. A nossa fraqueza é que nos torna capazes de empatia.
  206. Se você diz que não dará o doce a uma criança acostumada a ter tudo o que quer, ela não chora porque está sem o doce, mas porque foi contrariada, o que é sinal de que a criança já é orgulhosa.
  207. Se a criança é acostumada a ter tudo o que quer, verá todos como escravos.
  208. A criança mimada é infeliz no instante em que percebe que não pode obter tudo o que quer.
  209. A criança mimada, tendo muitos desejos, é frustrada com frequência.
  210. A criança mimada será massacrada na vida adulta.
  211. Só se deve dar a criança o que ela pede quando é algo de que ela precisa.
  212. Prazer também é necessário, então a criança precisa brincar pra se desenvolver bem.
  213. Castigar uma criança que insiste em fazer algo que os pais consideram errado é incentivá-la a fazer escondido.
  214. Os pais só deveriam fazer proibições de coisas que a criança pode sentir que são erradas (colocar o dedo na tomada, pular refeições, beber água sanitária, ficar sem dormir…).
  215. Leis prejudicam o sábio.
  216. A criança não deve sequer sonhar que o pai está sendo autoritário.
  217. Se você diz “não” a uma criança, é ponto final.
  218. Manter o “não” ensina resignação.
  219. Não se deve ensinar a não ter vícios permitindo que a criança experimente o vício.
  220. Não force uma criança a pedir desculpas ou ela aprenderá a pedir desculpas por qualquer coisa, sem estar arrependida (ou seja, ela fará de novo).
  221. A criança aprenderá que alguns de seus comportamentos são errados quando crescer, de qualquer maneira.
  222. A maldade depende da intenção.
  223. Se a criança quebra um vaso sem querer, a culpa é do pai que deixou o vaso ali.
  224. A criança deveria fazer a decoração de seu quarto.
  225. Se alguma coisa quebra enquanto a criança brinca, não reclame disso, ou ela pode acabar concluindo que é possível te atingir quebrando objetos.
  226. O educador não precisa ensinar a verdade, mas precisa afastar do engano.
  227. Não tente ensinar o que o aluno não pode entender.
  228. Se a correção se faz necessária, não a dê agora, se não for fazer mal à criança que ela persista no engano por mais um tempo.
  229. É preciso conhecer o aluno antes de educá-lo.
  230. Esse tempo de conhecer a criança é a primeira infância.
  231. O médico apressado mata mais facilmente o paciente.
  232. A educação é uma coisa de professor e aluno, então não interfira.
  233. Não é possível educar sem ter sido educado.
  234. Deve haver intimidade entre professor e aluno, para que o aluno goste do professor.
  235. Algumas pessoas pobres não precisam de dinheiro, mas de consolo.
  236. Ame e será amado.
  237. Se você ensina várias coisas a uma criança, é claro que ela aprenderá pelo menos uma coisa de forma errada, isso normal.
  238. Se a criança tem raiva, ela atacará aquilo que não pode se defender: as coisas.
  239. Deixe que a criança se vingue nas coisas, desde que sejam as coisas dela.
  240. Para ensinar a ideia de propriedade, é preciso que a criança tenha propriedade.
  241. Se a criança quer bater em alguém agora, quererá matar quando for adulta.
  242. Um bom meio de discutir propriedade é incentivando a criança à jardinagem.
  243. As crianças facilmente esquecem o que ouvem, mas raramente esquecem o que fazem ou vêem, então ensine com o exemplo.
  244. Se a criança quebrar algum objeto útil à casa, não o substitua imediatamente: deixe que a criança sinta a falta do objeto quebrado.
  245. Castigo é uma boa ideia, mas não deve ser administrado sem dizer a razão dele.
  246. Uma promessa que não vale mais a pena cumprir será quebrada.
  247. Se a criança faz algo errado, a punição padrão seria sempre fazê-la sentir as consequências de seus atos.
  248. Existem dois tipos de mentira: de fato (mentir sobre o que aconteceu) e de direito (mentir sobre o que acontecerá, como fazer uma promessa que não vai cumprir).
  249. As crianças não mentem por natureza, mas o fazem porque têm que obedecer e a obediência é penosa.
  250. Uma pessoa pode lembrar que fez uma promessa, mas nem sempre entende a importância de cumpri-la.
  251. É mais fácil ensinar uma criança a não mentir se você não ensiná-la a dizer a verdade.
  252. A criança tem mais interesse em cumprir promessas se ela vê os benefícios disso desde já.
  253. Se você sabe que a criança fez algo errado, não pergunte “foi você quem fez isso?”, para não incentivá-la a mentir.
  254. Se você cobra o cumprimento de uma promessa com frequência, você irrita o outro.
  255. Não force a criança a ser religiosa ou ela terá ódio de religião.
  256. Em vez de forçar a criança a participar dos rituais, faça os rituais de forma que ela possa vê-los, para que ela fique curiosa e queira participar.
  257. A caridade é fazer ao próximo o que eu gostaria que fosse feito a mim (Mateus 7:12).
  258. Se a criança não entende o valor do dinheiro, fazê-la praticar caridade dando esmolas de dinheiro não ensina nada.
  259. Devolver à criança aquilo que ela doou não ensina caridade: isso a estimula a dar apenas aquilo que ela sabe que receberá de volta.
  260. A lição mais importante que se pode ensinar a uma criança é a de não fazer mal a ninguém.
  261. É mais fácil ser bom sozinho e mais fácil ser mau em companhia.
  262. Não se deve ter altas esperanças sobre o desenvolvimento da pessoa.
  263. Não se apresse a educar uma criança, pois ela irá aprender errado se o conhecimento que se quer ministrar exceder suas capacidades.
  264. Brincar, para a criança, não é perda de tempo e ela exercita o corpo assim.
  265. Muitas vezes a criança fala o que não entende.
  266. A criança aprende sensorialmente.
  267. As crianças raciocinam sobre o que é sensível e presente.
  268. As crianças não prestam atenção no que não diz respeito ao presente.
  269. A criança precisa aprender o que precisa usar.
  270. As palavras serão vazias se não se reportarem às coisas reais.
  271. A geografia escolar raramente fala de lugares que a criança pode visitar e de sua relação com o lugar onde ela vive de forma que a geografia escolar não serve ao aluno que quer pegar um trem pra cidade vizinha.
  272. A história deve ser ensinada junto com as razões por trás de cada fato histórico.
  273. Antes de ensinar uma palavra, mostre ao aluno o objeto a que a palavra se refere.
  274. Se elas aprendem palavras com dificuldade e você diz que isso é ciência, elas têm a impressão de que ciência é aprender palavras difíceis.
  275. A criança não deve memorizar nada à força.
  276. Entender uma fábula, especialmente em estilo poético, requer uma bagagem cultural.
  277. A fábula clássica usa elementos com os quais a criança não convive.
  278. Se a criança dá crédito às fábulas, dará crédito à qualquer coisa.
  279. O sarcasmo confunde as crianças.
  280. O adulador vive às custas de quem o escuta.
  281. A moral da história, se não for revelada, não é captada.
  282. Se exposta aos exemplos ruins que as fábulas podem dar (pois muitos personagens se dão bem com astúcia), as crianças ficarão mais viciosas com elas, em vez de virtuosas.
  283. A fábula ensina sua moral pondo o ouvinte no lugar do prejudicado, mas a criança se porá no lugar de quem prejudica (a fábula do corvo e da raposa, por exemplo, deveria ensinar a não se deixar adular, mas a criança acaba aprendendo que pode tirar vantagem dos outros usando a adulação).
  284. A criança só deve aprender a ler quando sentir que isso lhe seria útil.
  285. Se a criança é forçada a aprender matemática e acha isso chato, ela não quererá progredir: se ela progredir, as questões seguintes serão mais difíceis.
  286. Se a criança não ver utilidade no que aprende, não irá aprender de boa vontade e seu rendimento será pior.
  287. Aprender não é tanto uma questão de método como uma questão de desejo.
  288. Caligrafia é desnecessária: com o tanto que entendam o que eu escrevo, não importa se escrevo bonito.
  289. Se não houver pressa em aprender, pode ser até que se aprenda mais rápido (se houver interesse).
  290. A pressa de aprender, o tédio e a sensação de que se está aprendendo algo que não será útil podem afastar alguém de um conhecimento para sempre.
  291. Se o aluno não está aprendendo nada com o professor, seja por falta de método ou desinteresse, ele aprenderá de outra pessoa ou sozinho.
  292. Proibir a criança de brincar a leva à fraqueza.
  293. Se a criança é sempre controlada pelos pais, não desenvolverá seu próprio juízo, então ela tem que aprender a ter autonomia.
  294. O espírito não necessariamente se opõe ao corpo.
  295. Se a pessoa só faz o que lhe mandam, fará a mesma coisa a vida toda.
  296. A pessoa que nunca teve alguém para lhe dar ordens, por outro lado, raciocina o tempo todo, porque só pode contar consigo própria.
  297. A pessoa que só faz o que lhe mandam também torna-se preguiçosa e lenta.
  298. A criança deve bastar a si mesma na medida do possível.
  299. Dizer à criança “agora você vai aprender”, como se houvesse um instante para aprender, já lhe dá tédio.
  300. Não é que a criança não preste atenção, é só que ela presta atenção em um monte de coisas ao mesmo tempo.
  301. Os melhores sábios foram moleques na infância.
  302. Se o professor tem que fechar acordos com a criança, ele não tem autoridade.
  303. É mais fácil a criança conhecer o professor do que o contrário.
  304. A criança pode fazer o que quiser, mas o professor deve ser capaz de fazer com que a criança queira somente aquilo que ele quer, para que a criança pensa que é livre.
  305. Uma das primeiras preocupações da criança é descobrir o ponto fraco de seus superiores.
  306. Se a criança tem o hábito de procurar defeitos nos outros para se defender deles, crescerá astuta e insubordinada.
  307. A criança caprichosa o é por má educação.
  308. Às vezes a criança é irritante somente porque se diverte com nossa raiva, de forma que ela para se ver que você não está se importando.
  309. Quando a mãe é fraca e diz que o filho deve ser obedecido, os próprios professores que são pagos pela mãe acabam tendo que se subordinar também.
  310. A criança obtém seus primeiros conhecimentos comparando o mundo com ela própria, visando maximização do prazer e minimização da dor.
  311. É preciso fortalecer o corpo porque ele é nossa ferramenta de interação com o mundo, o qual está à serviço da razão, o que deveria ser o bastante para tornar a educação física uma disciplina obrigatória.
  312. Um corpo bem cuidado resiste melhor às injúrias e às doenças.
  313. Não ensine a seu filho o que ele pode aprender sozinho.
  314. O cuidado com o corpo é negligenciado pela educação institucional.
  315. As roupas devem permitir o livre movimento, não devem ser apertadas.
  316. Os defeitos mentais e físicos da criança muitas vezes vêm de uma mesma causa: a pressa dos pais em fazer a criança se comportar como adulta.
  317. A criança escolhe bens de consumo por sua aparência atraente, o que é natural; a criança é atraída pelo que é bonito.
  318. Se a criança passa a escolher um brinquedo porque é caro, isso já não é natural, mas aprendido.
  319. Se você pune a criança fazendo-a usar roupas mais modestas ou a recompensa com roupas bonitas, ela tende a julgar os outros pelas roupas que usam.
  320. Quanto mais jovem é a criança, de menos roupas precisa.
  321. Beber quando tem sede, comer quando tem fome, dormir quando tem sono…
  322. Dormir à noite é melhor: a temperatura e a luminosidade favorecem o sono.
  323. Quando o sol se por, se deve se preparar pra dormir.
  324. Quando o sono vier, se deve ir pra cama imediatamente.
  325. Não se deve levantar da cama antes do nascer do sol.
  326. A regra número um de qualquer sistema social: se deve quebrar as outras regras sempre que for necessário e sempre que for possível se safar disso.
  327. Se você tem uma rotina cansativa, vai dormir mais facilmente independente da cama.
  328. Se a criança não quiser dormir na hora certa, faça que ela tenha desgosto de estar acordada.
  329. Se a criança está brincando, não sentirá a dor de se machucar (na maioria das vezes).
  330. Muitas virtudes que se mantém depois de adulto são aprendidas na infância por hábito.
  331. Pra que ensinar equitação… se natação é mais barato e muito mais útil?
  332. Só é possível ser temerário na frente de outra pessoa.
  333. Não faça seu filho fazer uma coisa que é tão perigosa que nem você faria.
  334. Não se deve empregar meios para fazer uma coisa cujo efeito não é conhecido.
  335. Não se deve fazer um esforço que não vale a pena.
  336. A criança pode se beneficiar de aprender a se orientar no escuro.
  337. O cego pode guiar na escuridão alguém que vê perfeitamente quando há luz.
  338. Se orientar pelo tato e pela audição, sem a visão, requer tempo e prática.
  339. Algumas coisas se percebe melhor de olhos fechados.
  340. Tememos o escuro porque nosso melhor sentido está inútil.
  341. Não tememos aquilo com que aprendemos a conviver diariamente.
  342. O medo do escuro é melhor enfrentado em grupo.
  343. Jogos no escuro são uma boa ideia.
  344. Uma criança que tem boas memórias de jogos no escuro, especialmente em grupo, apreciará a noite quando adulto.
  345. Assustar a criança no escuro a fim de “curá-la” de seu medo tem efeito contrário.
  346. Se algo te surpreende no escuro e você não sabe o que é, desça o cacete.
  347. Se não conhecemos bem um objeto olhando pra ele, senti-lo com as mãos frequentemente sana muitas dúvidas.
  348. Se apoiar demais na visão prejudica o desenvolvimento dos outros sentidos.
  349. Nada de errado em andar descalço em casa, se ela estiver limpa.
  350. Se o prêmio não for grande, o competidor não se esforçará tanto.
  351. Melhor passear no campo que na cidade.
  352. Sucessivas vitórias em um esporte mantém o interesse do esportista.
  353. O esporte também ensina, embora não de maneira teórica, coisas como lógica, medição e probabilidade.
  354. A prática artística também serve para refinar os sentidos, a coordenação motora e a atenção.
  355. O dom artístico é desenvolvido sem professor.
  356. Só é possível saber o verdadeiro uso de um órgão tendo-o empregado.
  357. As crianças são capazes de desenvolver seu corpo a ponto de se tornarem tão capazes quanto adultos.
  358. O som depende de movimento, pois é o movimento que agita o ar.
  359. É possível saber se um raio caiu longe ou perto verificando a latência entre a luz e o som.
  360. Sinal distintivo de quem sabe música é a capacidade de compor música.
  361. Não se deve complicar uma arte sem necessidade, ainda mais quando não compensa.
  362. Arte deve ser aprendida com prazer.
  363. Quando mais cedo se começa a beber, mais cedo se acostuma ao álcool.
  364. Alimentos de adulto não necessariamente convém às crianças.
  365. Não se deve contrair hábitos difíceis de quebrar.
  366. A criança é facilmente comandada pela boca.
  367. A melhor dieta é a vegetariana.
  368. Se você deriva leite de uma vaca e ovos de uma galinha, é ingratidão comer esses animais depois.
  369. A carne em seu estado puro causa nojo, ela tem que ser preparada antes.
  370. Uma alimentação regrada demais leva a criança a desejar mais comida.
  371. A criança que come por compulsão, porém, pode ser distraída de seu desejo de comer (que não é fome) por jogos e brincadeiras.
  372. Essa distração não pode ser o estudo, se a criança não gosta de estudar.
  373. Encare a história não como uma descrição do passado, mas como um livro de fábulas no qual se deve procurar a moral da história.
  374. O prazer causado por um cheiro depende das ideias associadas a ele também.
  375. Associar cheiros bons a sensações ruins faz o olfato perder crédito.
  376. As crianças têm pouca concentração, de forma que um longo questionário as faz perder o foco e responder mal.
  377. O mesmo ocorre com longas perguntas.
  378. Fraqueza é a diferença entre desejo e força, se resulta positiva.
  379. Se deve estudar aquilo que melhora nossa condição.
  380. Entre os dez e os doze anos a criança terá, se educada corretamente, excesso de capacidades físicas e mentais para satisfazer os poucos desejos que tem, de forma que esse excesso pode ser empregado em tarefas mais complexas.
  381. Devemos ensinar à criança o que é útil a ela.
  382. Melhor não aprender do que aprender errado.
  383. Se deve ensinar primeiro o que é necessário, depois o que é útil (mas não necessário) e depois o que é gostoso (mas nem útil e nem necessário).
  384. No máximo possível, permita que a criança responda sozinha às suas perguntas.
  385. O conhecimento acadêmico deve começar pelo que cerca a criança.
  386. A criança deve ver os objetos de estudo antes de estudá-los.
  387. Não ajude a criança a estudar nem explique os objetos de estudo a menos que ela faça perguntas que te levem a essas explicações.
  388. Se deve mostrar os objetos, não representações deles, a menos que isso seja extremamente necessário.
  389. Se a criança dispor do método correto, perceberá seus próprios erros e se corrigirá.
  390. Não ensine o certo, se limite a evitar o engano.
  391. Em vez de transformar o menino num sábio, o transforme num autodidata.
  392. Se a criança te faz uma pergunta que não tem condições de responder sozinha, responda apenas o bastante para que a dúvida seja satisfeita.
  393. Se a criança pergunta demais, não responda; pode ser que ela esteja fazendo isso só pra te irritar.
  394. Física para crianças se ensina em casa.
  395. Não ensine por meios difíceis o que se pode aprender de forma fácil.
  396. Não é porque a criança agora está usando o cérebro de forma mais séria que ele vai descuidar do corpo.
  397. Usar uma ferramenta não melhora nossas capacidades naturais, mas fazer uma ferramenta requer domínio da função que ela prestará.
  398. Alguns são filósofos sem perceber.
  399. A felicidade natural é viver sem sofrer.
  400. A criança deve aprender o que é útil a ela agora, não o que só será útil depois.
  401. Se a criança faz perguntas demais, pergunte por que ela quer saber o que está perguntando e, dependendo da resposta, você pode escolher se responderá ou não.
  402. Só descreva alguma coisa se não puder mostrá-la.
  403. Situações práticas, mesmo que fingidas, interessam a criança.
  404. Não compare a criança com outras: se ela for melhor, será orgulhosa e arrogante; se ela for pior, será invejosa e cínica.
  405. A criança só deve ser comparada consigo mesma (seu “antes” com seu “agora”).
  406. A criança não deve ter tantos livros a ponto de não poder terminar de ler todos.
  407. Os livros que a criança tem devem ser sobre assuntos que lha interessem, para que ela leia sem ser obrigada e pegue gosto pela leitura.
  408. Se as coisas forem julgadas segundo sua utilidade, teremos menos preconceitos.
  409. Enquanto procuramos somente o nosso sustento, nos suprimos a nós mesmos em nosso estado natural.
  410. Uma hora de trabalho vale mais que um dia de explicação sobre o trabalho.
  411. Você só vai aprender a andar de bicicleta tentando andar.
  412. O que torna muitas coisas caras é o fato de serem alvo de estima dos ricos.
  413. Se as coisas mais tolas são as mais caras, então ao menos o necessário se pode obter facilmente.
  414. Se a criança se torna consumista, a educação está perdida.
  415. O conhecimento das coisas é útil, mas é mais útil o conhecimento das pessoas.
  416. Faz parte da sabedoria distinguir o que é sábio do que não é.
  417. A criança deve aprender a ter juízo em casa, sem com isso herdar os juízos dos pais.
  418. Rousseau fala que as coisas necessárias valem mais que as supérfluas, mas isso não implica dizer que o necessário deva custar mais caro.
  419. A ciência que todos deveriam conhecer é a agricultura.
  420. Quando ensinar um assunto que você gosta, não suponha que o aluno gosta do assunto tanto quanto você.
  421. Há troca em todas as sociedades, mas a troca justa pressupõe um tipo de medida comum: o dinheiro.
  422. O abuso do dinheiro ocorre quando as leis e o estado são fracos.
  423. A criança deve aprender as leis, mas só as que lhe dizem respeito em seu cotidiano.
  424. Dinheiro não precisa ser metal.
  425. Primeiro ensine o uso (lícito) e depois ensine o abuso (ilícito), um para aproveitar e o outro para evitar.
  426. Um bom meio de fazer alguém refletir é perguntar quantos empregados trabalharam em determinado objeto comprado: quanto será que cada um recebe e quantos morreram na confecção?
  427. Não há problema em uma criança beber vinho sob supervisão dos pais (exceto os de ordem legal).
  428. É triste trabalhar pelo prazer do outro sem tirar disso algum prazer.
  429. Muitos prazeres dos ricos são análogos a certos prazeres de pobres, se julgarmos por sua utilidade.
  430. A criança deve tratar igualmente homens e mulheres.
  431. Se um jantar for fino, requintado, mas as pessoas à mesa são chatas e irritantes, é melhor comer num lugar mais modesto.
  432. Educar bem uma criança requer conhecer seu temperamento.
  433. Conhecer o todo para saber onde vai cada parte é coisa do homem prudente, de bom senso, mas conhecer muito bem só uma parte é coisa do homem sábio.
  434. Não é possível que um só saia do estado de natureza e sobreviva: é necessário levar outros consigo.
  435. Se é pra não morrer, não existe lei humana que me pare.
  436. Devemos continuar sendo homens mesmo quando somos azarados.
  437. Não aprenda somente uma profissão.
  438. A herança que se dá ao filho não deve ser tanta a ponto de permiti-lo viver sem trabalhar; é injusto.
  439. Viver sem trabalhar é como ser ladrão.
  440. É mais difícil ficar sem renda se você é capaz de produzir sozinho o que venderá.
  441. O mais útil ofício: agricultura.
  442. Ser pobre é ruim, ser escravo é ruim, mas ser pobre e escravo é o pior possível, fora morrer.
  443. Não há necessidade de trabalhar mais do que o bastante pra sobreviver.
  444. Se um trabalho é de utilidade pública, é um trabalho legítimo e digno de respeito.
  445. A criança deve aprender os ofícios de sua escolha, mas somente na medida em que o ofício que ela quer exercer seja útil aos outros.
  446. O talento e a determinação produzem efeitos semelhantes.
  447. Há diferença entre gostar de uma tarefa e ser indicado para ela.
  448. Se você tem condições físicas e mentais de fazer um trabalho, a única razão de você não ser um mestre nesse trabalho é por falta de prática, então pratique pra continuar melhorando.
  449. Rousseau não escreve o Emílio para se desculpar de seus erros passados (ter abandonado cinco filhos no orfanato e depois escrito um livro sobre educação de filhos e alunos), mas para que os outros não cometam os mesmos erros que ele.
  450. Existem trabalhos que mulheres não topariam exercer.
  451. Não se deve ter vergonha de exercer um ofício digno.
  452. Dentre os ofícios lícitos, o jovem deve escolher aquele que mais lhe convém.
  453. A criança que tem gosto pela ciência e pela filosofia deveria se voltar a essas áreas, se não encontra nenhum ofício artesanal ou técnico que lhe agrade.
  454. Se a criança aprende um ofício novo, seria interessante que seus outros professores (ou seus pais) aprendessem também esse ofício.
  455. Aprendiz não é aluno: o aluno aprende um ofício tão-somente, enquanto o aprendiz aprende o ofício para exercê-lo.
  456. O salário deve ser dado segundo o produto, não segundo a reputação do operário.
  457. A prova de que a pessoa sabe exercer um ofício é o produto que ela fez.
  458. Trabalhar como camponês, pensar como filósofo.
  459. O segredo da educação é fazer com que o aluno tenha prazer em aprender.
  460. A grandeza da razão é a capacidade de comparar ideias.
  461. É mais fácil errar ao julgar e comparar sensações do que ao descrevê-las.
  462. Se eu descrevo o que eu vejo, não posso errar, mas, se eu digo que o que eu vejo realmente é o que parece ser, posso estar enganado.
  463. Se você não julgar, não errará.
  464. Não ensine a verdade, ensine a encontrar a verdade.
  465. As mudanças na adolescência não são somente exteriores.
  466. As paixões adolescentes e a puberdade, em sua manifestação exterior, são naturais e ordenadas por Deus.
  467. A natureza também tem suas leis, escritas pelo próprio Deus: a sexualidade é natural, então é parte do plano divino que a tenhamos.
  468. Não se deve impedir a sexualidade de crescer.
  469. Somos apegados ao que nos permite ficar a salvo, pois o amor próprio é o primeiro amor.
  470. O que nos torna boas pessoas é termos poucas necessidades e não nos compararmos aos outros.
  471. A vida em sociedade cria novas necessidades e nos expõe à opinião pública.
  472. O primeiro amor é ocasião para ambas as dependências do mal: precisamos de outra pessoa e precisamos ser preferíveis às outras pessoas.
  473. Queremos ser amados e essa é uma necessidade muito forte, o que nos torna tão suscetíveis à opinião que os outros têm de nós.
  474. A puberdade não precisa começar sempre na mesma idade.
  475. Esconder a sexualidade, purificar o lar e a família, fingir que sexo não existe, essas coisas têm efeito contrário: quanto mais se tenta afastar a criança da sexualidade, mais interessada ela fica em exercer sua sexualidade.
  476. Esconder a sexualidade faz com que as perguntas que surgem tenham que ser respondidas pelo próprio adolescente na prática.
  477. Se a criança desenvolver curiosidade e lhe perguntar sobre sexo, responda.
  478. Se a criança pergunta sobre sexo, deve receber uma resposta verdadeira.
  479. Existem coisas que não é possível esconder pra sempre.
  480. Use termos ofensivos se necessário: “pênis”, “vagina”, “ânus”, são palavras sujas, mas não se deve evitar usá-las se for necessário ao entendimento.
  481. Ser inocente é não ter vergonha de nada.
  482. Se o menino te perguntar “de onde vêm os bebês?”, veja lá como vai responder: a resposta pode afetar os hábitos, pensamentos, ansiedades, medos e até higiene das crianças.
  483. Não responder a pergunta ou dizer que a criança saberá quando for mais velha só faz sentido se ela sempre é respondida dessa forma.
  484. Se a criança que sabe ler não tem suas perguntas respondidas, procurará as respostas nos livros (ou, no caso de hoje, na Internet).
  485. O primeiro apego humano não é o amor, mas a amizade.
  486. Nossas fraquezas nos aproximam.
  487. Se uma pessoa com que nos identificamos está triste, temos pena e queremos confortá-la.
  488. Só é possível sentir empatia por quem vemos sofrer.
  489. Só é possível sentir inveja por quem goza de uma situação que nos é vetada.
  490. É mais fácil sentir empatia por alguém que passa uma miséria que nós podemos passar algum dia.
  491. Não sentimos empatia por pessoas que sofrem “pouco” segundo nosso julgamento.
  492. Não é o dinheiro que traz infelicidade, é seu abuso que traz.
  493. Uma vaia no meio dos aplausos basta pra ferir o orgulho.
  494. A criança mimada é humilhada pelo mundo na vida adulta.
  495. Só tem pena dos outros quem sofreu ou sente que sofrerá.
  496. A pessoa alegre pode muito bem ser infeliz.
  497. Não é possível se irritar com a própria condição quando não sabemos como poderia ser melhor.
  498. O excesso de prazer produz o tédio.
  499. É possível saber o temperamento da pessoa pelas suas marcas de expressão facial.
  500. Mesmo quando a pessoa tenta esconder, seu corpo denuncia seu estado de espírito.
  501. Se a criança é acostumada com o sofrimento, não sente mais comiseração.
  502. O filho bem cuidado, bem educado e bem sucedido é grato a seus pais.
  503. A lei que não se baseia em alguma necessidade humana é uma fantasia.
  504. É fácil sentir inveja quando estamos sempre nos comparando aos outros.
  505. Se deve fazer aos outros o que eu gostaria que fosse feito a mim (Mateus 7:12).
  506. Ética e política devem ser estudadas juntas, pois não é possível compreender o comportamento coletivo do ser humano sem compreender seu comportamento individual.
  507. A justiça e o código moral civil podem ser usados como meio de opressão e frequentemente são usados pela classe dominante minoritária contra a classe trabalhadora majoritária.
  508. A lei existe pra favorecer o forte, o qual impõe a lei.
  509. O indivíduo é digno de estima, não a multidão.
  510. Se deve julgar pelo que é feito, não pelo que é dito.
  511. A história parece dar mais atenção ao declínio e aos fatos ruins do que ao sucesso.
  512. As políticas mais bem-sucedidas são as de que menos se fala.
  513. Com tanta notícia ruim, é fácil pensar que o ser humano é um caso perdido e que todo o mundo deveria votar nulo.
  514. Narrar um fato verdadeiro sob um ponto de vista condicionado não implica aceitação completa.
  515. Julgar pelos fatos, não por conjectura.
  516. A história deve apresentar fatos, mas não deve julgá-los.
  517. A criança não deve generalizar o comportamento dos outros.
  518. Há mais razões para uma guerra do que aquelas que a história conta.
  519. Não devemos interpretar as coisas segundo um sistema, mas interpretar as coisas segundo elas mesmas e depois verificar se elas se adequam ou não ao sistema.
  520. A história não acompanha seus personagens em sua intimidade.
  521. Nosso verdadeiro eu se mostra na vida cotidiana.
  522. O objetivo conquistado revela o desejo que se tinha.
  523. Não se deve estudar história se isso significa lamentar-se por ser você mesmo.
  524. Seja você mesmo, porque você não pode ser ninguém mais.
  525. Ficamos apaixonados pelo que não conhecemos bem.
  526. O mau era infeliz ou se tornará infeliz.
  527. Às vezes, censuramos nos outros o que gostaríamos de imitar.
  528. Os três requisitos para conhecer o que é um ser humano são: curiosidade, imparcialidade, sensibilidade.
  529. A educação deve também se ocupar do corpo.
  530. A boa educação e a felicidade não devem ser razão de arrogância.
  531. A vaidade é quase indestrutível.
  532. Avise sua criança antes dela fazer uma besteira.
  533. Não zombe da criança depois que a besteira está feita.
  534. Não precisa dizer algo como “eu te avisei.”
  535. Para fazer alguém lembrar de uma lição, finja que esqueceu que a deu.
  536. Se você avisou e a criança foi lá, fez assim mesmo e se lascou, não termine de esmagá-la, mas levante-a e seja bonzinho com ela.
  537. Essa, sim, seria uma boa hora pra contar uma fábula que se associa ao engano cometido.
  538. Não existe conhecimento moral que não se possa tirar da própria experiência ou da dos outros.
  539. Depois que a criança se ferra por ter feito uma besteira, você pode invocar o exemplo de outras pessoas que fizeram o mesmo e tiveram o mesmo resultado.
  540. Se você for claro, talvez não precise dizer tudo.
  541. Fábulas não precisam de “moral da história” no final.
  542. As crianças, em geral, não aplicam o que aprendem nas fábulas.
  543. Alguns bens materiais chegam a valer mais que nossa força de trabalho.
  544. O conhecimento prático de alguma coisa deve anteceder o conhecimento especulativo.
  545. O adolescente chegará ao mercado de trabalho sem preparo se não tiver nenhuma experiência antes.
  546. A empatia é natural, mas é eliminável pela má educação.
  547. Aprenda com o engano dos outros.
  548. A criação dá testemunho de Deus.
  549. Estudos espirituais devem ser os últimos a ser feitos.
  550. O andar da ciência é partir dos corpos particulares para os conceitos gerais.
  551. Agir na contramão desse andar serve somente pra estabelecer o materialismo.
  552. As coisas materiais produzem ideias imediatas.
  553. Acostumar uma pessoa a dizer coisas que não entende é torná-la suscetível de dizer o que nós quisermos que ela diga.
  554. Os primitivos pensavam que fenômenos naturais eram deuses por tais fenômenos serem mais poderosos que o simples homem.
  555. A ideia do Deus único só apareceu na mente das pessoas quando elas perceberam que a existência deveria ter um ponto de partida.
  556. A criança, ao ouvir falar de Deus e que este deve ser adorado, pode acabar adorando um deus de que faz uma ideia errada, ou seja, adorando o deus errado.
  557. A criança não está pronta pra conceber a natureza divina (nem adultos estão).
  558. Se tentar aprender alguma coisa cedo demais, pode acabar nunca aprendendo.
  559. A criança compreende tão pouco o que querem que ela acredite que ela pode mudar de crença dependendo de quem diz no que ela deve acreditar.
  560. Existem pessoas que não estão prontas pra verdade.
  561. Deus é assunto sério.
  562. Não force a religião à criança; deixe-a curiosa para que queira aprendê-la.
  563. Qualquer bem genuíno é bem-vindo.
  564. Não há moral pra quem só quer sobreviver.
  565. Talvez não seja possível tornar alguém virtuoso, mas talvez seja possível impedi-lo de se tornar vicioso.
  566. É mais fácil educar alguém sendo amigo dele.
  567. A dúvida sobre algo importante é dolorosa.
  568. Por orgulho, se sustenta algo que se sabe ser mentira.
  569. Nem todos os filósofos buscam a verdade.
  570. Quando não se pode contar com mais ninguém, conte consigo mesmo.
  571. Julgar e sentir não são a mesma coisa.
  572. Outras pessoas praticam a dúvida hiperbólica.
  573. Não controlamos o que sentimos, mas controlamos o exame das sensações.
  574. A verdade não está em nós.
  575. O estado natural da matéria é o repouso.
  576. A matéria não se move sozinha.
  577. As leis da natureza não são coisas objetivas.
  578. A origem do movimento não está na matéria.
  579. As causas não podem ser infinitamente traçadas.
  580. Para imaginar como Deus movimenta a universo pela sua vontade, basta verificar como nosso braço move sempre que lhe damos ordem pra mover.
  581. Não é possível, cientificamente, conceber efeito sem causa.
  582. Não é possível refutar uma opinião que não faz sentido.
  583. Se a natureza segue regularidade, então ela é ordenada, mas ordem só pode ser dada por um ser inteligente.
  584. Mesmo que se diga que Deus é causa da regularidade da natureza e de seu movimento, não podemos saber quais as razões por trás dos atos divinos.
  585. Se não há Deus, de onde vem a regularidade da natureza?
  586. A hipótese de o universo ter saído do acaso é tão improvável que pode ser seguramente tida por mentira.
  587. A matéria não sente, de forma que intelecto, memória e outras faculdades mentais devem ser imateriais, embora habitem no corpo.
  588. A razão tem limites.
  589. A razão mostra que há um Deus, mas a natureza de Deus é questão de .
  590. Se alguém me protege, não devo a esse alguém o meu amor?
  591. Só um ser que pensa pode chegar à conclusão de que não pensa.
  592. Suponhamos que um surdo negue a existência dos sons, por acaso os sons deixam de existir?
  593. Não temos liberdade total, mas temos liberdade.

  594. Se há liberdade, não há destino.

  595. Os atos humanos não são culpa de Deus.

  596. O mal que o ser humano faz recai sobre ele mesmo sem afetar permanentemente a criação.

  597. A origem do mal é o abuso de nossa liberdade.

  598. Ninguém sofre pra sempre.

  599. A perseguição de bens artificiais, como fama e riqueza, nos leva a vários males bem reais.

  600. Quem não sabe sofrer sofre mais.

  601. Uma vida desregrada leva à falta de saúde.

  602. A existência do mal é culpa nossa.

  603. Os males advindos da vida desregrada tornam esta vida um inferno.

  604. Se a alma é imortal, incorpórea, como pode “queimar” no Inferno?

  605. Se o mau pode ser feliz, o bom também pode.

  606. Também as pessoas más são nossas irmãs (comparar com Mateus 5:45).

  607. Nada vem do nada.

  608. Se Deus nos deu a vida, não devemos pelo menos obediência a ele?

  609. Nossa moral é pessoal.

  610. Se o instinto não é inato nos animais, quem os ensinou a se comportar como se comportam?

  611. Só gostamos da injustiça quando ela nos faz bem.

  612. As leis muitas vezes nos tiram o direito de proteger uns aos outros.

  613. O prazer da bondade e a dor da maldade são atemporais.

  614. Embora os costumes variem de sociedade em sociedade, todas elas têm um conceito análogo à beleza, à justiça, à utilidade, à bondade.

  615. Existir, em nível pessoal, é sentir.

  616. Se algo é lógico, mas o contrário é verificável sensivelmente, então o lógico é suspeito.

  617. É possível ser homem sem ser sábio.

  618. É possível, pelo hábito, não sentir mais peso na consciência.

  619. O bem é bom para todos, enquanto o mal é bom só pra quem dele se beneficia.

  620. Os laços que fazemos com a vida tornam a morte mais penosa.

  621. Só se pensa na ética quando se percebe o vício.

  622. Queremos ser felizes, mas não sabemos como.

  623. Não se deve orar por mudanças na ordem cósmica.

  624. Existe uma religião não revelada que é a religião natural, o deísmo.

  625. A religião é a moral, não a cerimônia, e a moral pode ser inferida racionalmente.

  626. Adorar Deus com ato moral, isto é, espírito e verdade, não com cerimônia, não é oposto à revelação (João 4:23-24).

  627. A religião é interior.

  628. Afirmar revelação divina muitas vezes é presunção.

  629. Qual é a religião certa?

  630. Quem disse que sua religião é a certa?

  631. A salvação não é questão de escolher a igreja certa, mas de mérito pessoal.

  632. A religião verdadeira deve ser procurada pela via da razão.

  633. Não se deve abdicar da razão em nome da fé só porque alguém diz que se deve.

  634. Uma religião de “mistérios” é suspeita.

  635. Deus não fez o ser humano racional pra lhe proibir de usar a razão.

  636. A religião não deveria, por causa disso, tornar o ser humano mais ignorante.

  637. Se você diz que a razão é inválida, não pode se valer da razão pra provar isso.

  638. Consenso da maioria, ou mesmo do todo, não necessariamente estabelece a verdade.

  639. Não se deve julgar uma contradição verificando somente um lado.

  640. As línguas originais da Bíblia Sagrada são desconhecidas para o leigo.

  641. Será que Deus condenaria as pessoas que nunca receberam pregação ou nunca tiveram acesso à Bíblia?

  642. O fato de os cristãos não examinarem as objeções dos judeus revela fé fraca.

  643. Mesmo depois da pregação, pode demorar pra alguém aceitar o que foi dito e se converter.

  644. Os que morrem sem saber de Cristo serão condenados?

  645. Se só há uma religião verdadeira e não sabemos qual, deveríamos examinar todas as que existem, em vez de ficar com a primeira que se propõe.

  646. Proceder dessa forma é perigoso: há o risco de só achar a religião verdadeira quando for tarde demais.

  647. O fato é que nós ficamos com a religião na qual nascemos, em nossa maioria.

  648. Se Sócrates fosse um sofista ou um orador retórico qualquer, como Protágoras, que crê que as coisas são questão de ponto de vista e que a verdade é relativa, ele teria mudado de discurso pra escapar da morte.

  649. A pessoa justa que Platão imaginou parece muito com Jesus, que viria séculos depois.

  650. Dizem que Sócrates inventou a moral, mas ela já existia antes, embora não como estudo sistemático.

  651. Há menos registro histórico de Sócrates do que de Jesus.

  652. Devemos nos preocupar com a moral, não com a teologia.

  653. Uma igreja cristã não é melhor que a outra por sua teologia.

  654. O culto principal é o pessoal (João 4:23 / Mateus 18:20).

  655. Não cabe a nós dizer quem vai pro Inferno; isso é pretexto pra odiar, quando deveríamos amar.

  656. Quanto mais alta a posição, mais poder se tem e mais mal se pode fazer.

  657. O ensino do Evangelho é mais razoável e frutífero que o da igreja.

  658. Que todos vivam em paz dentro de seus credos.

  659. Não precisa falar abertamente de sua religião se não for perguntado.

  660. Fora da revelação, todas as questões religiosas são questão do tipo “eu acho”.

  661. A reflexão é preferível à discussão, pois o debate incita a obstinação e o orgulho.

  662. O ceticismo é dogmático ao afirmar enfaticamente que não há verdade absoluta, fora a verdade de que não há verdade, se é que me entende.

  663. Desacreditar da verdade retira o freio que nos impede de cometer excessos e tira a esperança dos pobres miseráveis.

  664. A verdade não pode ser nociva ao gênero humano.

  665. O fanatismo mata mais que o ateísmo.

  666. A criança que sofreu muitas privações será rebelde na adolescência.

  667. A exposição excessiva à religião na infância, às lições da fé, lha dão tédio e desgosto.

  668. Nada de errado em manter a virgindade por muito tempo.

  669. Não se deve instruir alguém quando essa pessoa não está em condições de tirar proveito da instrução (quando está com raiva, por exemplo).

  670. Se acabar com a religião, o que porá em seu lugar?

  671. As grandes revoluções foram operadas mais pela paixão do que pela razão.

  672. Se puder mostrar, não fale.

  673. A razão não opera sem o corpo.

  674. É preciso pensar, mas também fazer.

  675. Antes de dar uma aula, excite a imaginação do aluno.

  676. O professor não deve parecer sentir tédio do que ele ensina.

  677. É besta quem acha um sentido obsceno em tudo.

  678. A obscenidade muitas vezes está na cabeça de quem vê, ouve ou sente.

  679. Muitos amam o vício mais do que a vida.

  680. Você é realmente visto como professor quando seu aluno acha seguro contar pra você os segredos dele.

  681. Avise seu filho que continuar sob ordens do pai depois de adulto pode ser inconveniente e que ele provavelmente vai se libertar desse jugo sozinho.

  682. Ser professor ou pai é muito difícil.

  683. Amor não é só coisa de adulto.

  684. O menor que ouve que “menores são incapazes de amar” eventualmente percebe que essa frase é mentira.

  685. Use as paixões joviais como ponto de partida para uma lição sobre como bem conduzi-las.

  686. Uma criança não é naturalmente má, mas se torna má pelo exemplo dos outros.

  687. O fato de algumas regras serem facilmente quebradas depois de adulto leva alguns a pensar que moral é coisa infantil, de quem ainda tem que obedecer aos pais.

  688. Alguns não gostam de praticar o mal, mas o fazem por hábito ou por medo de passar vergonha.

  689. Os jovens, não querendo ser “escravos” dos pais, se escravizam às más companhias.

  690. Para não se incomodar com a zombaria dos outros, lembre por qual razão zombam de você e o que esperam com isso.

  691. Quando uma mulher acredita que tudo é lícito, não aceita que seu marido pense da mesma forma.

  692. Quem se acostuma a fingir que não vê certos delitos eventualmente terá que ser forçado a não ver nada mais, porque o delito, quando não é punido, acarreta outros e se torna mais frequente.

  693. Como a identificação é importante para a educação, o aluno precisa ver que o professor é humano.

  694. Às vezes se erra menos quanto menos se tenta ser perfeito.

  695. Os jovens passam a juventude respeitando os velhos, os velhos deveriam respeitar os jovens também.

  696. Muitas pessoas fingem ter virtudes que não têm por questão de educação.

  697. Gosto é a faculdade de julgar o que agrada.

  698. O “bom gosto”, então, é um consenso de maioria.

  699. “Gosto” e “não gosto” seguem critérios pessoais.

  700. Gosto varia conforme sexo, caráter, idade, cultura, território, determinação biológica, valores e uma série de outras disposições e critérios, tornando inútil discussões do tipo “quem tem o gosto mais refinado”.

  701. Moda não coincide com gosto: posso estar na moda sem gostar do que visto.

  702. Observe como muitas coisas de bom gosto são coisas às quais não prestamos atenção: se eu vejo uma mulher bonita, não é pro brinco que eu vou olhar.

  703. O julgamento emitido pelos outros não deve ser acatado como lei, mas como meio de formar nosso próprio julgamento.

  704. Não se diga herói; mostre o que você fez para ser digno do título de herói.

  705. Apresente primeiro a boa cultura, depois a ruim.

  706. É preciso ser sábio e sensível.

  707. Para sentir prazer, é preciso estar saudável.

  708. Frutas de época são mais gostosas.

  709. O tédio é próprio da vida sedentária.

  710. Se quer algo bem feito, faça você mesmo.

  711. Só peça ajuda para o que você não pode fazer sozinho.

  712. Sexo não é tudo na vida.

  713. Parte do charme de um jantar é a companhia dos amigos.

  714. Se eu sou meu servo, sou senhor de mim mesmo.

  715. O que nos aproxima é a humanidade.

  716. Homens e mulheres são diferentes e devem exercer sua diferença.

  717. O sexo também é ferramenta de destruição.

  718. Negar sexo como forma de punição domestica o parceiro, bem como usar sexo para recompensar o comportamento desejado.

  719. As mulheres reivindicam sua fraqueza quando convém a elas.

  720. Não basta ser fiel: é preciso também parecer fiel.

  721. Os “defeitos” das mulheres são apenas diferenças necessárias, não são realmente defeitos.

  722. Se a educação doméstica fosse boa, não haveria necessidade de escola.
  723. A mulher que se iguala ao homem é menos atraente ao sexo oposto.

  724. Qualquer um pode aprender o que quiser.
  725. A primeira educação é a do corpo.

  726. A mulher tem que ter um corpo que possibilite a boa geração.

  727. A mulher saudável é mais bonita.

  728. A mulher não deve usar roupas apertadas, as quais prejudicam sua respiração e, consequentemente, sua saúde.

  729. Brincar de boneca estimula o desejo de ser mãe.

  730. O filho segue os exemplos que tem em casa.
  731. A aula tem que ser interessante o bastante pra que o aluno queira ir, mesmo que só quando não tiver coisa melhor pra fazer.

  732. É preciso que a criança ame seus pais sem ser mandada a isso, para não amar falsamente.
  733. Se a criança não odiar seus pais, provavelmente os amará.

  734. O desejo por novidade tem que ter limites.

  735. Se a criança perceber que pode fazer você dizer “sim” se ela perturbar muito, vai fazer isso o tempo todo.

  736. Não se deve abandonar um bom recurso porque pessoas más podem usá-lo de forma errada.

  737. Enfeites demais, maquilagem demais, roupas muito atraentes, tudo isso serve para esconder defeitos.

  738. Quando a roupa cai bem, não há necessidade de acompanhar a moda.

  739. Em vez de dizer “como você está linda” para uma menina que está com a cara pintada e bem vestida, se deveria perguntar “será que você não ficaria mais bela sem isso?”.

  740. Caso o uso desses artifícios seja extremamente necessário, não devem ser artifícios caros: o uso de maquilagem e roupas caras faz a pessoa parecer exibida e babaca.

  741. Se não puder ser bonito, seja rico.

  742. Se a pessoa sabe escolher roupas que combinam com ela, sempre andará bonita, mesmo usando as mesmas quatro roupas.

  743. A moda é inventada pelos feios.

  744. Sedução é mais linguagem corporal e atitude do que aparência.

  745. O tempo de fazer besteira é a infância.

  746. A mulher educada rigorosamente não interessa ao homem.

  747. Se o casamento não for atraente, ninguém quererá casar.

  748. Se a mulher fosse mais amável, o marido não precisaria procurar diversão fora de casa.

  749. Cada membro da família deve contribuir para o divertimento do outro.

  750. Se uma pessoa está aprendendo algo por diversão, o professor não deve se mostrar severo, nem teria qualquer necessidade disso.

  751. Usar o mesmo método em todas as situações mostra que não se sabe o que se está fazendo.

  752. O primeiro juiz de arte é o próprio artista.

  753. O ensino religioso mal ministrado leva ao ateísmo ou ao fanatismo, mas nunca à fé que se deve ter.

  754. Religião não deve ser ensinada formalmente em uma classe, não deve ser tornada obrigação para a criança.

  755. Se a criança for tragada às orações longas, como o rosário (terço), ela vai ficar com tanto tédio que não quererá fazer aquilo nunca mais.

  756. Não ordene tarefas religiosas às crianças se você mesmo não faz essas tarefas.

  757. Para ensinar artigos de fé, deve-se usar instrução direta, em vez de perguntas e respostas.

  758. A criança deve responder o que pensa, não necessariamente o que lembra como sendo a resposta que o professor disse antes.

  759. Deve haver um catecismo diferente para as crianças.

  760. Se conhece Deus pelas obras dele.

  761. Questões teológicas não têm relevância na conduta do fiel (Mateus 19:17-19 / Marcos 10:17-19 / Lucas 10:25-28 / Lucas 18:18-20).

  762. Os pais são obrigados a ensinar as crianças a se amarem umas às outras.

  763. Se a mulher quiser ter vários parceiros sem que um elimine o outro, deve convencer cada um de que é o favorito.

  764. A pessoa que tem vários parceiros está mais preocupada consigo própria do que com os parceiros.

  765. Se você quer algo que não pode conseguir, faça que outros queiram a mesma coisa e dividam com você.
  766. A pessoa que não foi bem educada pela mãe, não quererá educar bem os seus filhos.

  767. Algumas mulheres se casam pensando já no benefício da separação.

  768. A vida na cidade nem sempre é melhor pra pessoa do campo.

  769. Quem não comete o mal porque é impedido já é culpado.

  770. Mudar por amor é provar que não se é amado pelo que se é ou mostrar que você não acredita em seu amado quando ele diz que você é bom do jeito que você é.

  771. Se a mulher é boa companheira, não precisa ser bela.

  772. Não precisa seguir a moda.

  773. Desgraça é ser infeliz por sua própria culpa.

  774. A felicidade do filho é um bem além da aprovação pública.

  775. É fácil se frustrar procurando a pessoa perfeita pra namorar.

  776. Quem ama a virtude, quererá um parceiro virtuoso.

  777. Para alguns, se casar é pior que morrer.

  778. Às vezes é preciso baixar o nível pra conseguir companhia.

  779. Os casamentos não devem ser arranjados por motivo social ou econômico, mas por amor entre os parceiros.

  780. Se um não gosta do outro, nem a riqueza de ambos tornará essa companhia tolerável.

  781. Pai é quem cria.

  782. Não é preciso saber o que é virtude pra ser virtuoso.

  783. O homem que pensa deve se casar com uma mulher que pensa, para que não conduza os afazeres da família sozinho.

  784. A vida é curta, mas tem gente que reclama que o tempo passa devagar.

  785. Filósofo que é filósofo anda a pé.

  786. Só é curioso quem sabe de sua ignorância.

  787. Quem recebe visitas com pouca frequência pode ser mais hospitaleiro.

  788. Se amo alguém, não quererei envergonhar esse alguém com meu comportamento.

  789. O marido deve ensinar à esposa filosofia ou ciência na medida em que isso lha for útil.

  790. O pai não deve saber tudo sobre os relacionamentos dos filhos.

  791. Homens que têm mais de uma mulher são mais ciumentos.

  792. Aos dez anos, se quer doce; aos vinte anos, se quer mulher; aos trinta anos, se quer prazer; aos quarenta anos, se quer fama; aos cinquenta anos, se quer dinheiro; quando se quer sabedoria?

  793. Ser adulto não significa deixar de lado tudo o que se fez e pensou na infância.

  794. Quem é moderado, não anseia sempre a novidade.

  795. Aprender a se frustrar por um objetivo maior faz parte de ser adulto.

  796. Um organismo debilitado pela fome não pode ser saudável.

  797. Você só entende o que enfrenta um pobre depois de participar de sua labuta.

  798. Não é moral se valer do dinheiro para desonrar um compromisso.

  799. A mulher sensata não deveria julgar o marido sem antes ouvi-lo.

  800. A causa do mal é a infelicidade.

  801. O medo de perder o que se tem nos leva a não aproveitar bem as nossas conquistas.

  802. Quem tem como única lei os próprios desejos se torna mau.

  803. Bondade e virtude não crescem na mesma proporção.

  804. Só permanece virtuoso quem tem prazer na prática da virtude.

  805. É virtuoso o homem que domina suas paixões e que ouve sua razão.
  806. Não escolhemos o que sentimos vontade de fazer, mas podemos escolher opor resistência ao desejo.
  807. Os pais têm que estar prontos para a morte dos filhos e vice-versa.
  808. Se casar às pressas é por vezes reflexo de uma dupla mentira: “o amor nunca se engana” e “nunca terei ódio de quem amo”.
  809. Será que essa pessoa te ama tanto quanto você a ama?
  810. E se você descobrir como ela realmente é só depois de casar?
  811. A mulher não deve engravidar antes da vida adulta.
  812. Ter um filho muito cedo é ruim para mãe e criança.
  813. Ler demais não garante muito conhecimento.
  814. Relatos de viagem feitos sobre um mesmo lugar podem se contradizer.
  815. Existem escritores que mentem deliberadamente em seus livros.
  816. Não é possível dizer que se conhece o gênero humano se você nunca viajou.
  817. Você só pode dizer que conhece o gênero humano de forma decente se já viajou pra pelo menos dez países.
  818. Quanto mais lugares você conhecer, com maior exatidão poderá escolher onde pode viver melhor.
  819. O sangue humano se vende mais barato na capital.
  820. Trabalhar é se disciplinar.
  821. Fazer profissão do assassinato é admitir pra si próprio que não se serve pra outra coisa.
  822. Embora uma esposa e um terreno sejam coisas que fazem a felicidade de muitos, não é algo que todos têm.
  823. Dessas duas coisas, terreno é mais fácil obter.
  824. Mais difícil do que ser rico é viver de uma forma que a riqueza não seja necessária pra se sentir satisfeito.
  825. Ter terreno cultivável, onde se possa plantar e colher frutas e verduras diversas, elimina uma das principais necessidades da sociedade, que é a de comprar alimento.
  826. Mesmo assim, há o risco de o Estado confiscar sua terra.
  827. Antes de formar família, tenha um lugar pra ela.
  828. Estado não-democrático é grande escravatura.
  829. A personificação da vontade geral (o que todo o mundo quer) são as leis, enquanto que a personificação da vontade particular (o que cada um quer) é o costume.
  830. Quanto maior o povo, menos força têm as leis.
  831. Se o Estado faz com que os súditos queiram deixar o país, ele está se arruinando, porque não existe Estado sem súditos.
  832. Ter muito dinheiro em grandes cidades e quase nada em outros lugares enfraquece o comércio.
  833. A forma de expressar emoções varia conforme país.
  834. Manter correspondência com amigos de outros países nos ajuda a quebrar preconceitos nacionais.
  835. É estranho que as pessoas se submetam umas às outras visando a independência.
  836. Pátria e país não são sinônimos.
  837. Quem ama fazer o bem provavelmente odeia a cidade, onde há abundância de maus.
  838. O nível de maldade nas cidades se deve ao fato de que são populosas demais.
  839. Se o nível de felicidade que se tem ao altar fosse mantido ao longo de todo o casamento, a quantidade de separações seria menor.
  840. Para manter um casamento, deve-se continuar a agir como se fossem namorados.
  841. Excesso de fidelidade rompe o casamento.
  842. Se o casamento se tornar uma responsabilidade muito pesada, outras relações serão mais agradáveis e tomarão o lugar do casamento.
  843. Amar a casa bem arrumada é, por extensão, amar a mulher que a arruma.
  844. A educação do pai e do professor termina no casamento do filho ou do aluno.
  845. O trabalho do pai e do professor recomeça com o neto ou com o filho do aluno.

%d blogueiros gostam disto: