Analecto

18 de novembro de 2019

This is my last post in English.

Filed under: Notícias e política — Tags:, — Yurinho @ 15:24

Most of my audience is Brazilian and I have written in Portuguese for most of my days online. I really like to write in my native language, it’s much better for me and it’s easier for me to use a tone that isn’t so dry. When writing in English, I always end up being far too formal. That distances me from the audience. And, probably because I learned English in a school setting, I end up being stuffy when writing in English, like, saying the same thing over and over and sometimes producing long paragraphs. That makes my writing boring.

However, when I write in Portuguese, even when I write about age of consent reform, the positive response is much better, the traffic is faster and more consistent and I receive comments on occasion, though likes are more common than comments. Matter of fact, when I write about age of consent reform, in Portuguese, the responses are always neutral to positive. I don’t get comments, but likes are common. My notes about Rivas’ Positive Memories were liked by people who can be regarded as “normies”. That shows that positive feedback on this stuff can be given by regular people, at least here. That’s probably because the moral panic about adult/minor sex is weaker here: the age of consent is 14 and was almost lowered to 12 in 2011, and, provided that the adult is kind and the relationship is watched by the parents, a lot of people would tolerate this kind of relationship, perhaps more than they would tolerate a peer-aged homosexual relationship involving their child. Yes, depending on where you are in Brazil, adult/child sex (or rather, adult/adolescent sex) is better accepted than homosexuality, in a particular case, even though there are general suspicions.

I think that’s because, in the collective unconscious, there’s the belief that something needs to be harmful to be considered a crime. And, in a particular case, it may be the case, that is, parents, knowing the relationship of their child with a trusted adult, only intervene if damage is clear. All that I’m doing is making sure that statistical evidence and, specially, anecdotal evidence gets in the right hands.

So far, posting in English (in this blog) has brought me less results than writing in Portuguese. However, I noticed that the English version of the MAP Starting Guide, ever since it was posted to Ipce, attracts a lot of attention, but only to that text alone. That means that there are more people reading the stuff I have on Ipce than the stuff I have here, when it comes to English language. So, I was thinking of sending my translations to Ipce or other blogs with better exposure and in English language, such as Heretic TOC, Our Love Frontier and things alike, while leaving my blog only with stuff in Portuguese language.

This decision was also taken because, with the current political climate in Brazil, I feel like the age of consent reform must be put aside; there are more pertinent things to take care of. Our forests are burning, our seas are being polluted, people are hating each other over things that are imagined, rather than real, to the point of families being torn apart and lifelong friends no longer talking to each other. Everyone has become either a fascist or a communist, even though neither side knows what both words mean. With social media, people are also becoming more absorbed in their circle of supporters, causing them to no longer tolerate diverging opinions regarding government and institutions, specifically. Let me tell something funny: while none of the stuff about age of consent reform that I posted received any hate at all, the only time I criticized the president over his economic agenda got hate two days after I published the post containing the criticism. If you are in United States, you may probably find it hard to believe. This is a country where the left (whom they call “communists”) can be more hated than adult/minor sex. The left is subjected to blind hate nowadays, while age of consent reform is open for debate at the same time. Quirky, huh?

I sometimes wonder if that’s because the right-wing is having it’s time in Brazil and the right-wing in Brazil is a carbon copy of the worst things in the North-American right-wing. I would not be surprised if it was riddled full with resentful incels. That makes me also question if the first serious attack on the age of consent is going to come from the right-wing, rather than the left. I like to mention that “whether the left wants to legalize adult/minor sex or not, the fact is that the right can not wait”, because most of the adult/minor sex scandals involve people who position themselves at the right: religious authorities, Bolsonaro supporters, people like that. The right is already doing it. One guy who supported Bolsonaro (I forget if he was an army man or a policeman) was public against adult/minor sex and, yet, was arrested for child porn possession. Another, more recent: a music teacher, who is a Bolsonaro supporter, was arrested and convicted of statutory rape (yes, in a place where the age of consent already is 14, people are still willing to go after people who are younger than that).

But, if the right were to do an attack on the age of consent, wouldn’t the left react? I think that, since the left isn’t particularly concerned with sexualization of minors in Brazil, the reaction would be small. Even experts have a hard time talking to laymen in social media, because people with positive childhood sexual experiences, when given the opportunity, are outspoken about it. That causes experts to concede that those experiences can be positive, but are quick to add that they are “exceptional” and have to rely on emotion to make an absolute ban on such relationships acceptable. By the way, the most outspoken people in that regard, in Brazil, are women. Bruce Rind should come down here and study our ladies, cause I’m sure he would get a smaller rate of negative experiences, compared to the same rates in United States. Summed to that, we have the fact that feminists are a vocal minority here. Most women don’t identify as feminists and many despite it. That being said, a reaction against a possible right-wing attempt at lowering the age of consent would be weak, perhaps null. When the left proposed an age of consent reduction from 14 to 12, people were quick to retaliate. But nowadays, in the current climate, anything that comes from the right meets immediate support from fanatics (almost 30% of our population sides with the president no matter what) and would attain some support from more open-minded people. If the right were to do the same thing, today, it would work, perhaps even with some support from the left.

To sum up, I will stop publishing English texts in this blog and stick with my native language only. My English texts will be sent to other places, where they will likely get more exposure. I would prefer to use my blog to talk only to my people, from now on, about diverse topics, rather than sticking only with age of consent reform.

3 de novembro de 2019

A Bíblia Sagrada e o neoliberalismo.

A Bíblia Sagrada dá vários exemplos de como cristãos deveriam ser caridosos com o próximo, de como a riqueza é algo se deve desprezar como secundário e de como a conduta correta é a repartição, preferencialmente igualitária, da riqueza e dos bens. Apesar disso, os evangélicos elegeram Jair Bolsonaro como presidente da república. Ora, Jair tem um programa de governo neoliberal. Isso só pode ter acontecido porque os evangélicos mantém noções erradas da palavra de Deus e também porque aqueles que querem um sistema justo de distribuição de riqueza ignoram o valor da Bíblia Sagrada e da religião em geral como dispositivos para o avanço dessas pautas.

O voto cristão e Bolsonaro.

Bolsonaro foi eleito com apoio dos evangélicos. Isso não é surpreendente? Como podem pessoas que afirmam se guiar pela escritura sagrada votar em tal sujeito? Que foi feito da ideia de que temos que ler e interpretar a Bíblia Sagrada nós mesmos? Quem são esses fiéis? Não parece haver resposta certa para estas perguntas. Mas teorias existem. E a minha é de que as forças do progresso e da ordem desprezam o potencial da Bíblia Sagrada. É pela torção das sagradas letras que pastores ficam milionários. Por que não usar seu texto em sentido claro para tornar mais fácil a vida dos pobres?

Bolsonaro tem um projeto de poder neoliberal, alavancado pelo seu ministro da economia, Paulo Guedes. Nada é mais anticristão do que o neoliberalismo econômico. Se a oposição tivesse insistido neste ponto, talvez o resultado eleitoral fosse diferente. E quanto à legalização da posse e do porte de armas? Jesus aprovaria isso? Alguém pode argumentar que Bolsonaro é conservador nos costumes, como a Bíblia Sagrada também é. Mas as traduções mais tradicionais da Bíblia Sagrada trazem os onze primeiros versos do capítulo oito do Santo Evangelho Segundo São João, onde é dito que não cabe a um pecador julgar outro pecador. Só pode atirar a pedra quem está sem pecado. Então, não cabe a mim julgar o comportamento do outro, porque também eu cometo erros. Logo, eu não posso condenar um homossexual, por exemplo, tanto quanto não posso condenar um adúltero ou mentiroso. Não cabe a mim condenar. O Novo Testamento não sanciona isso. Então não se deveria votar em alguém que diz que bateria em dois homens vistos se beijando na rua.

Não estou dizendo que deve haver uma fusão entre igreja e governo, porque acredito que o governo só deve proibir aquilo que faz mal ao povo e que a república democrática é o melhor modelo político disponível no momento. Não cabe ao governo cuidar da alma do povo. O que estou dizendo é que a Bíblia Sagrada pode e deve ser usada como dispositivo para justificar a justa repartição de riqueza. E este é o objetivo deste texto, a saber, mostrar como fazer isso. No entanto, para evitar produzir um texto muito longo, me focarei unicamente na pauta econômica, mais especificamente na defesa de um sistema de distribuição de riqueza, no qual a coleta de impostos é convertida em serviços públicos de interesse geral, como educação, saúde, segurança, moradia, sustento, entre outros, de forma que a pobreza não seja impedimento à vida ou à aquirição de emprego. Para garantir isso, deve haver interferência estatal na economia e uma gorda receita tributária (preferencialmente escalonada para que os ricos paguem mais que os pobres).

Só a fé salva?

Em se tratando de evangélicos, temos que lembrar que eles, como protestantes, têm suas doutrinas fundamentais ancoradas ou baseadas no trabalho da juventude de Lutero. Nesse trabalho, podemos destacar duas doutrinas frequentes. A primeira diz que a fé, sem as obras, basta para salvar, e que a prescrição de mandamentos pela sagrada escritura tem como única finalidade nos mostrar que nossas próprias forças não bastam para nos salvar. A fé seria então a única virtude verdadeiramente cristã e o cristão deveria se ocupar somente dela, sem se importar com nada mais (seja porque ele não tem, como ser humano, forças para fazer o que Deus manda, seja porque nenhuma boa obra pode conduzir à salvação do crente). Isso se liga à segunda doutrina, segundo a qual estamos salvos “de graça”. Como pode? Porque o ser humano, incapaz de fazer o bem por conta própria, só pode fazer o bem pela ação divina em sua pessoa. Logo, nenhuma boa ação que ele venha a fazer é mérito dele, mas de Deus, que age nele. Se é assim, não merecemos a salvação e nada do que façamos nos fará merecê-la. Só podemos ser salvos pela graça divina, a qual, como veremos no parágrafo seguinte, parece excluir as obras. Vemos então que a doutrina segundo a qual somente a fé é a virtude própria do cristão (a única) e a doutrina segundo a qual a graça de Deus nos salva (porquanto nenhuma boa ação é mérito nosso) se complementam.

Alguém pode se perguntar se tais doutrinas encontram amparo bíblico. Aparentemente, todo o amparo bíblico para essas doutrinas vêm das epístolas paulinas, particularmente a Epístola de São Paulo aos Romanos. No primeiro capítulo, Paulo diz que todos os males morais que acometem os destinatários da carta vêm da idolatria. Por exemplo: a carta diz, categoricamente, que a imundície é consequência da idolatria. Isso implica dizer que acreditar (veja aqui o papel que tem a fé) em coisas erradas leva a uma degeneração comportamental, porque Deus abandona o idólatra à concupiscência. Por outro lado, a mesma carta também diz que acreditar em Cristo como o único salvador e acreditar que ele ressuscitou dos mortos proporciona a salvação. Em vários pontos da carta aos romanos, a capacidade de justificação pelas obras, particularmente as obras da lei de Moisés, é esvaziada, porque Paulo apresenta a graça e as obras como tendo valor soteriológico mutualmente excludente. Isso apesar de Jesus condicionar a salvação à observância dos dez mandamentos, que fazem parte da lei de Moisés. Na Epístola de São Paulo aos Efésios, é dito que, por causa da fé, a graça de Deus nos salva.

Se você também se pergunta como podem cristãos modernos cometer grandes atrocidades, aí está sua resposta. Se espera que pelo cultivo da fé, Deus aja na pessoa do crente e mude seu comportamento. Enquanto isso não acontece, a única coisa com que devo me preocupar é minha fé. É preciso ser crente, não necessariamente bom, porque, se eu for crente, se espera que serei bom por consequência, já que a divindade agirá em mim e me impulsionará a ser bom. Este é o raciocínio implícito.

Surge uma dúvida: como é possível tal interpretação em face das palavras de Tiago, para quem “a fé sem as obras está morta”? A história responde: Lutero não considerava a Epístola Católica de São Tiago como canônica. Assim, a carta de Tiago, que põe pesada ênfase nas obras, na prática do bem, no trato igual entre os homens e na repartição de bens com os necessitados (como viúvas e órfãos), não foi considerada por Lutero como sendo inspirada por Deus. Isso acontece porque Lutero não queria incluir na sua versão da Bíblia Sagrada nenhum texto deuterocanônico. Saem, portanto, a Epístola de São Paulo aos Hebreus, a Segunda Epístola Católica do Apóstolo São Pedro, a Segunda Epístola Católica do Apóstolo São João, a Terceira Epístola Católica do Apóstolo São João, a Epístola Católica de São Judas, e o Apocalipse de São João, além da já mencionada carta de Tiago.

Se a fé basta para salvar, como podemos convencer tais pessoas de que seu proceder é errado? Se o ser humano é incapaz de praticar o bem com suas próprias forças, de que adianta dizer para alguém mudar de comportamento? E a dúvida que deve ter surgido na mente do leitor cristão: como harmonizar a exortação de Tiago e as palavras de Paulo? Chegaremos em breve a esse ponto.

Para quê ir à igreja?

Mas se a fé basta para salvar, qual é o sentido de ir à igreja? Bastaria crer para ser salvo. O Santo Evangelho Segundo São João, tão citado pela direita (o famoso “e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”, mas observe o contexto deste verso), também diz que haverá tempos em que templos se tornarão obsoletos. Deus é espírito, e convém que ele seja adorado em espírito e em verdade. Qual, portanto, é o sentido de ir à igreja? Não há necessidade de ir à igreja. Ir à igreja faz sentido para um católico, o qual sente que precisa dos rituais, dos sermões, das vigílias, dos jejuns. Mas o protestante e, consequentemente, o evangélico tem como sua única virtude redimidora a fé.

Suponhamos que Lutero esteja correto e suponhamos que a fé habilita o intuito divino a se manifestar em você, melhorando seu comportamento ou, talvez, sua vida em geral. Lembre que no primeiro capítulo da carta aos romanos, Paulo atribui todos os males da população romana à idolatria. Ora, idolatria é adorar algo que não é Deus. Nutrir uma crença falsa. Pense: sua vida melhorou por você ir à igreja? Se sua vida continua a mesma coisa ou piorou, então, segundo essa interpretação da carta aos romanos, você está acreditando em algo errado. Se você nutre crenças erradas, nenhuma quantidade de fé mudará sua vida. Mas como determinar se eu nutro crenças erradas?

Jesus diz que pelos frutos se conhece a árvore e que não pode uma árvore boa dar maus frutos. Veja a atitude dos seus líderes religiosos ou da organização religiosa com que você está envolvido. Por acaso é uma instituição que só se preocupa com dinheiro, que exige dízimo de certa quantia? Ninguém deveria ser forçado a dar o dízimo, muito menos em certa quantidade. Uma igreja que faz do dízimo seu evento central, que vende bens em seus cultos, tem, logo, o lucro como objetivo. Ora, o amor pelo dinheiro é a raiz de todo o mal. Um pastor que só se importa com o dinheiro tem em si a raiz do mal. Uma árvore com tal raiz só pode ser má e uma árvore má só pode dar maus frutos. Saia dessa igreja. Sua vida nunca melhorará por causa de sua permanência nela.

O compromisso cristão com os pobres.

Felizmente, vários evangélicos não agem de acordo com a doutrina protestante tradicional e acreditam que as obras têm seu valor, tanto quanto a fé. Isso é ótimo. Porém, os evangélicos, ao menos em sua maioria, estão preocupados com condutas meramente pessoais em seu caminho para a salvação. Não estão interessados em condutas que afetam positivamente o próximo. Por exemplo: o evangélico pode não ter dificuldade em guardar a pureza sexual, mas ter muita dificuldade em dar uma esmola. No entanto, como vemos na carta de Tiago, a fé sem as obras está morta. As obras que Tiago menciona são, por exemplo, visitar os órfãos e as viúvas em suas adversidades. Isso é tão importante quanto guardar-se imaculado do mundo. Não basta fazer bem a si mesmo. É preciso fazer bem aos outros. Essa é uma fé que dá frutos. Essa é a verdadeira religião.

Se uma árvore, para ser considerada boa, precisa dar bons frutos, então a fé, se é genuína, precisa das obras. Uma pessoa é julgada boa por suas ações. Uma fé verdadeira vem acompanhada das obras. Uma igreja “correta”, se é que há alguma, precisa colocar ênfase nas obras, tanto quanto coloca na fé; ênfase na edificação e no amparo do próximo, tanto quando no cuidado consigo próprio. As obras que o cristão deve fazer são aquelas ordenadas por Jesus, o qual exalta os pobres a todo momento e olha também para os ricos que aos pobres ajudam. Se você crê que a fé correta muda o comportamento, considere se essa é a fé correta: não basta crer, é preciso também ser bom e não apenas bom para si, mas também para os outros. Ora, um sistema de repartição de riqueza que garante que os ricos terão compromisso com os mais pobres e que os pobres, apesar de sua pobreza, não passarão necessidade de vestimenta, comida ou abrigo, tal sistema é defendido pela esquerda. A abdicação do excedente de vestimenta e a repartição da comida eram, inclusive, condições impostas por João Batista para o batizado. Alguém pode argumentar que o governo, se por um lado não pode proibir a homossexualidade, por outro não pode exigir que haja um sistema de repartição de riqueza “cristão”. No entanto, um sistema de repartição de riqueza bom também é uma reflexão civil. Além disso, embora Jesus não tenha nos obrigado a atacar pecadores (pelo contrário), ele nos ordenou a não acumular usura quando podemos usar nossos recursos para ajudar outros que precisam do excedente mais que nós. Logo, se o cristão não deveria votar em homofóbico, ele poderia, se o programa econômico fosse convincente, votar num socialista.

Ciente disto, sujeitos que se levantam contra o neoliberalismo deveriam se apropriar da Bíblia Sagrada tanto quanto os neoliberais dela se apropriam. Primeiramente para criar uma cultura de caridade entre as pessoas, em seguida para mostrar que é a caridade que motiva a economia igualitária. Queremos dar uma oportunidade a todos de ter educação, saúde, segurança e trabalho, não apenas aos ricos, mas também aos pobres, que se voltam para os serviços públicos para obter tais recursos. Não é como faz o neoliberalismo econômico, para quem cada um merece apenas aquilo pelo que pode pagar.

Versos seletos.

A lei de Moisés também estava preocupada com o estímulo à caridade. Um exemplo icônico é a ordem para não recolher a comida que cai durante o transporte após a colheita (Levítico 19:10). Após fazer a vindima, se algum fruto caísse, o dono da vinha deveria deixar o que caiu para trás, porque um outro, mais necessitado, poderia aparecer. Assim, a comida que caísse após a colheita ficava automaticamente para quem a encontrasse primeiro. Afinal, o dono da vinha já teria o bastante para si mesmo. Orientação similar pode ser encontrada em outro verso, no qual é dito que, durante a colheita, o dono da vinha não deveria colher tudo, mas sempre deixar um pouco por colher, para que outros, ao passarem necessidade, pudessem entrar na vinha e colher para si, direito garantido também aos estrangeiros (Levítico 23:22).

O compromisso com o próximo também está em outros livros da lei. Por exemplo, a lei também diz que eu não devo endurecer meu coração ou fechar minha mão para o pobre (Deuteronômio 15:7-11). Pelo contrário: eu devo lhe emprestar o que lhe bastar para que supra sua necessidade. Este texto é interessante por usar o termo “emprestar” em vez de “dar”. Porque se houver pleno emprego, uma pessoa, ao se levantar de sua necessidade, poderá coletar recursos para si mesma e também para retribuir a beneficência prestada. Eu só posso devolver o que me foi emprestado se eu tiver como. Podemos então entender este verso como uma dupla exortação à caridade e também ao trabalho. No assunto do emprego, é fácil fazer um paralelo entre o que diz a lei e a rejeição, por exemplo, à aprovada reforma trabalhista. Porque a escritura diz que o chefe não deve oprimir quem trabalha para ele (Deuteronômio 24:14). Muitas pessoas vão à igreja aos domingos, por exemplo. Não seria uma opressão a essas pessoas se elas tivessem que trabalhar também no domingo, como quer a medida provisória da liberdade econômica?

Essas, porém, são recomendações aos súditos. E quanto aos governantes? Sabemos que um governo que desfavorece os pobres é reprovável a Deus (Isaías 3:14-15). É difícil ler algo assim e não pensar na reforma da previdência. Por pouco ela não foi fatal. O texto aprovado pelo congresso ainda é bem ruim, mas teria sido pior com o regime de capitalização, entre outras coisas removidas em um processo de “desidratação“. Uma reforma que tira de quem não pode se defender é uma pilhagem.

Diga-se de passagem, a opressão aos necessitados foi uma das razões por trás do incidente em Sodoma! É muito interessante que quase todo o mundo, ao lembrar de Sodoma e Gomorra, só recordem dos residentes que tentaram estuprar os anjos recebidos por Ló, quando a própria escritura diz que o pecado de Sodoma foi, ao mesmo tempo, a abundância de riqueza e a opressão aos pobres (Ezequiel 16:49). Ora, pobres só podem existir em uma cidade abastada se a riqueza não estiver sendo justamente distribuída. Considere o Brasil: uma enorme arrecadação tributária, que poderia ser convertida em serviços que todos, pobres e ricos, poderiam usar, mas, especialmente agora, se tira dos pobres para dar aos ricos. Sodoma é aqui. Lembremos que o pecado traz consequências, mas cada um sofre pelos pecados que comete (Ezequiel 18:10-19). Muitos dos que votaram em Bolsonaro, especialmente os chamados “pobres de direita”, já se arrependeram. Se atentarmos para os mais necessitados que nós e deixarmos o emprego da violência, seremos menos dignos de punição. Quem já se arrependeu do voto que deu, bem fez. Faça melhor nos anos seguintes.

Novamente, ainda nos profetas, a escritura diz que o nosso próximo é digno não do nosso desprezo, mas da nossa piedade, misericórdia e juízo justo. Não devemos piorar a vida dos pobres, mas nos comiserarmos (Zacarias 7:9-10). Poderia ser você a passar necessidade. Em um sistema de justa repartição de riqueza, você não perderia acesso ao necessário por ter empobrecido. Quem é misericordioso é também digno de misericórdia. Ao permitir que o pobre tenha educação, saúde, segurança e emprego, também você terá permissão a essas coisas caso você venha a ser pobre depois.

Ao ser perguntado sobre o que fazer para obter a vida eterna, Jesus respondeu com os últimos seis mandamentos e o mandamento de amar ao próximo como a si mesmo. Porém, Jesus também diz que, se quisermos ser “perfeitos”, devemos também vender o que temos e dar o dinheiro aos pobres. A razão para isso é que tudo aquilo que sacrificamos nesta vida nos será dado de volta, talvez em dobro (Mateus 19:17-29). Este verso é interessante porque implica que a vida futura não será igual para todos. Mesmo que a observação do decálogo proporcione a salvação, a vida futura será melhor dependendo do quanto você ajudou o próximo nesta vida. E Jesus fala especificamente de dinheiro. É ajuda material. Novamente vemos aqui que Deus se opõe à opressão aos pobres. Em adição, vemos aqui que a observância do decálogo permite a salvação. Isso porque o decálogo, que ulteriormente se resume no amor devido a Deus e no amor devido ao próximo, é aquilo que fundamenta toda a lei (Mateus 22:37-40). Se admitimos que as obras são necessárias à fé, as obras de que precisamos são aquelas que edificam o próximo, inclusive materialmente.

O amor ao próximo é também importante por outra razão. A escritura diz que o amor devido a Deus e o amor devido ao próximo é mais importante que os holocaustos e sacrifícios (Marcos 12:29-33). Na lei de Moisés, os sacrifícios servem para expiar pecados. Se o amor é mais importante que o sacrifício, pode o amor perdoar pecados? Logo após ensinar a oração-modelo, que diz “perdoa-nos nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos que nos devem”, Jesus diz que o perdão ao próximo nos habilita ao perdão divino. Então, sim, o amor, e o perdão é uma manifestação de amor, proporciona perdão pelos pecados cometidos. Então, quem muito ama tem muitos pecados perdoados. Ame seu próximo, portanto.

E quem é meu próximo? A escritura diz que o amor ao próximo salva, mas, caso alguém queira se justificar, talvez seja necessário saber quem é esse próximo. O próximo é quem mais precisa de nós (Lucas 10:27-37). Novamente, misericórdia, compadecimento, mas também ajuda material. Eis outro gancho para a discussão sobre a distribuição de riqueza contra o neoliberalismo.

Se a Bíblia Sagrada tem se mostrado vermelha agora, os Atos dos Santos Apóstolos, Escritos pelo Evangelista São Lucas vão ainda mais adiante. Há vários princípios de repartição de riqueza na esquerda. Entre eles está “de cada um segundo sua capacidade, a cada um segundo sua necessidade“, assegurando que, ao menos potencialmente, tudo fosse de todos (ou tudo fosse “comum”, daí o termo “comunismo“). Ora, a segunda parte desse lema, “a cada um segundo sua necessidade”, ocorre duas vezes neste livro, uma vez em Atos 2:44-45 e outra em Atos 4:30-34. Na igreja de Jerusalém, pouco tempo depois da partida de Jesus, os devotos vendiam suas posses, davam o dinheiro aos apóstolos, os quais, por sua vez, adquiriam aquilo de que os devotos precisavam e distribuíam os bens segundo a necessidade de cada um. Se alguém precisasse de determinado bem mais que outro, o bem seria cedido ao que dele mais precisasse. Se os apóstolos não fossem uma classe diferente de indivíduo (de forma que havia classes sociais, apesar de os apóstolos se recusarem a ser tratados com reverência) e se Deus não governasse a igreja (de forma que havia, portanto, governo, logo estado), a igreja de Jerusalém seria uma sociedade comunista. É um absurdo que os comunistas da atualidade não estudem este assunto. Esse também é o livro que conta como Tabita, mulher cheia de boas obras e que dava esmolas, foi ressuscitada (Atos 9:36-42) e como um centurião que também dava esmolas foi digno de ser visitado por um anjo (Atos 10:1-4). Novamente, fazer bem aos que precisam. Se alguém precisa de ajuda material, outra ajuda não serve. Fazer bem ao próximo também é uma boa obra e o cristão não deve limitar suas boas obras somente a si mesmo. Essas pessoas davam seu excedente a quem mais precisava e receberam o favor de Deus.

Somos exortados a não tratar as pessoas com diferença (Tiago 2:1-8). Por que um a pessoa que se diz cristã votaria em um projeto de governo que trata diferentemente pessoas de um mesmo segmento, como militares de diferentes patentes? E mesmo que o governo tivesse que taxar o povo de forma diferente, por que taxar mais os que têm menos? O ideal seria tratar todos de maneira igual (homens e mulheres, por exemplo, deveriam se apostentar com a mesma idade e tempo de contribuição), mas, como isso muitas vezes é impossível, não faz sentido tirar de quem pode não sobreviver sem esse dinheiro. É o caso dos pobres.

Orientações.

Este texto, repito, não deve ser visto como uma defesa da união entre igreja e governo. Isso porque um governo cristão deverá elevar o evangelho ao grau de política pública. Um governo que tenta tal coisa, se torna vulnerável e será tomado por outras nações. Ele também se tornará pobre e sua população diminuirá aceleradamente. Esses problemas são expostos por Rousseau em seu Contrato Social, no qual ele diz, sucintamente, que o evangelho, ao pregar a castidade, o desapego aos bens materiais (lembre que é mais fácil um camelo passar pelo olho de uma agulha do que um rico pelas portas do paraíso) e o pacifismo, diminui a população e empobrece o estado, o qual também se vê obrigado a abrir mão de suas forças armadas. Também por esta razão, sempre se deve suspeitar de qualquer governante que se diga cristão: cedo ou tarde, ele terá de escolher entre seu povo e Cristo. A menos que a pessoa pense que exercer função de governante, legislador ou juiz provavelmente (especialmente em tempos de paz) não o colocará em confronto com suas crenças, aconselho que nenhum cristão se candidate a cargo político ou jurídico.

No entanto, a escritura também diz que quem pode fazer o bem e não faz, peca por omissão. Então, de um ponto de vista estritamente pragmático, seguindo o princípio de que devemos fazer bem, inclusive materialmente, ao próximo, devemos votar no projeto de governo que proporcionará o maior bem-estar para o maior número de cidadãos. E este é o uso que eu gostaria que fosse feito deste texto: fazer as pessoas verem que, ao menos no que diz respeito à economia, a Bíblia Sagrada não pode ser usada como fundação de apoio à direita política neoliberal.

As forças de esquerda não estão sabendo como utilizar esse dado. A direita usa a escritura para descreditar as pautas sociais de esquerda, mas não se vê a esquerda usar o mesmo texto para descreditar a direita socialmente e também, principalmente, economicamente. Isso é um problema num país onde o cristianismo é hegemônico e onde o protestantismo ganha cada vez mais espaço. O socialista ou comunista que vê a religião como inimiga já está derrotado no Brasil. O que se deve fazer é usá-la inteligentemente para trazer os cristãos de volta ao amor ao próximo. A direita usou um verso bíblico como seu bordão. A esquerda também poderia adotar um (se não os candidatos, ao menos os eleitores). Tal verso poderia ser Tiago 4:17.

%d blogueiros gostam disto: