Analecto

28 de setembro de 2018

What I learned by reading the “Phaedo”.

Filed under: Livros — Tags:, , — Yure @ 21:16

“Phaedo” was written by Plato. Here are some things I learned from reading his book.

  1. The book tells of Socrates’ speech before his death.
  2. After Socrates’ trial, he was imprisoned for a few more days before finally taking the poison.
  3. Many people watched Socrates die …
  4. Socrates died happy.
  5. Some of those present were also happy, others were sad, but most did not know what to feel.
  6. Pleasure and pain follow each other, like a pendulum.
  7. If our life belongs to God, we have no right to take our own lives.
  8. It is good not to accept others’ opinions so easily.
  9. People who practice philosophy tend to care less about the body and more about the soul.
  10. Our senses are limited so we can not give them full credit.
  11. Truth is attainable by thought, not by body.
  12. The body provides pain, which harms our ability to reason.
  13. Beauty, justice, goodness are things that can not be seen or heard and can only be studied by thought, not through the senses.
  14. You are too attached to your body, if you are too scared of death.
  15. Some people who claim to be “virtuous” are just sacrificing some pleasures in favor of other pleasures that are indulged in private, vices that could be more vicious than those that are openly avoided.
  16. The senses get close to the truth, but can’t touch truth.
  17. To forget is to lose knowledge.
  18. We are body and thought.
  19. Philosophy teaches how to refuse satisfaction to bodily appetites, when such is needed.
  20. Socrates had full faith in his words: he was convinced that death would not harm him.
  21. Hatred for words and hatred for mankind, both come from the same place: disappointment.
  22. Most people are a middle ground between good and bad.
  23. Extremes are rare.
  24. When encountering arguments that are opposed to yours, may you feel tempted to become skeptical of all answers, as you may realize that no answer is 100% accurate.
  25. Seek the truth for yourself and share, but don’t expect everyone to agree with you.
  26. Convincing others is a consequence, but should never be the goal of rational thought.
  27. Anaxagoras said that the mind or intelligence commanded all things, but when it comes to explaining the things of our world, he never resorts on that concept of intelligence, preferring to explain phenomena using natural causes.
  28. I’m sitting because I want to.
  29. The famous “navigations”: the first itinerary consists in seeking to know things sensually and the second consists in using only the reason.
  30. What makes beautiful things beautiful is the presence of a quality called “beauty”: to say why something is beautiful, we must define what beauty is in itself.
  31. Socrates accepted the spherical model of the Earth, although he thought it was in the middle of the universe.

26 de setembro de 2018

Is social justice a legitimate movement?

So these days, the Linux Foundation decided to adopt the Contributor Covenant , which caused great anger in the developer community. The news seem optimistic about it, while the community itself is furious. As the news seem to offer only one side of the story, I would like to offer a Brazilian insight into what is happening in a country that is not my own but that produces a lot of software that I use.

For developers, the code of conduct adopted by the foundation, based on a document produced elsewhere, represents a political intrusion into fully objective and functionality-driven business, in this case programming. The code would, a priori, be unnecessary, since many of its policies are already adopted without its presence. Finally, the code is highly relative and vague, allowing virtually anyone to expel another person from the Linux project with allegations of harassment or discrimination, which may have hurt only feelings. This is aggravated by the fact that the people who contribute most to the code are not minorities, so that people who contribute less can eliminate those who contribute the most. The community argues that this has happened in other large projects that have adopted similar policies, which they summarize as “diversity over skill”, causing deterioration of services provided. The response from the most active developers was threatening to remove the parts of the Linux code that were contributed by them from the project, which would hurt both clients (like me, as I use Manjaro, and Android users) and servers (since most of the popular sites today, even pornographic ones, are powered by Linux).

That is an extreme attitude, but, in my opinion, understandable. I have been thinking about this for some time and I published a short comment elsewhere in English about what is happening and I decided to put these ideas here for my six or so readers. But before going into detail, I have three trans friends and I go as far as referring to them using desired pronouns (although they themselves do not mind being referred to by their biological sex), and although I do not consider myself left, I am not right-leaning either. In fact, still lean left. And that is why I worry about social justice, but not because I think it is good: social justice does not cease to shame the left.

Let me explain: Contributor Covenant allows minority groups to attack major groups for small or even hypocritical reasons, which actually increases the majority’s hatred towards the minorities. This is because social justice has an original sin inherited from feminism, which is the quest for equality by the consideration of just one side of the scale. That is why it is called “feminism”: only women’s problems are taken into account. Everything for feminism is a women’s issue. Men and boys only enter these discourses as oppressive entities, even if real men and boys you meet on the streets are not oppressors. But to make an analogy, can we balance a scale without knowing the contents in the other side, especially when all we do is put more and more weight on the side we priorize? No, the tendency is that the side we pay attention to will become increasingly heavy, eventually tipping the scale to it’s side, rather than balancing it. Social justice is, perhaps inadvertently, the application of the same principle to all minorities. That is why there is no social justice for men, for example.

The point I want to make is that the social justice movement is ruining more and more things because it is not assessing the costs of its actions. Evergreen University lost three teachers, had a 40 percent drop in enrollment, and lost millions of dollars in funds because enraged students expelled a white teacher from the classroom during a special protest day in which no white people could enter the campus. This, of course, is just an example. But does not it seem strange that a movement that preaches equality and justice has approved and perhaps suggested a “special day” in the academic calendar in which no white person, whether student or teacher, could enter the campus? For me, this is hypocrisy, but it is also injustice . Thus, a movement that speaks of social justice gains hypocritical outlines. This legitimizes the reaction of the majority groups. But now comes the key question: How many people who are against these attitudes blame the movement as a political entity and how many people blame the minorities that such a movement claims to protect?

Again, the example of feminism: this movement claims to represent the best interest of all women, although most women are not feminist. Thus, an attack on feminism can be interpreted as an attack on women and is readily labeled as misogyny. The problem is that the use of such language and meanings reinforces the connection between feminism and women in general, giving rise to the emergence of true misogyny. The same is true for social justice. With a movement that behaves this way, the tendency is for more and more people to blame blacks, women, immigrants, trangenders and other minority groups for all the bad things that happen. They do not blame the movement or ideology, but their visible material causes, which are the ones that make up the movement, whose attitudes are generalized, because they claim to act in the best interest of the groups they represent. To check my theory, just look at voting intentions surveys in Brazil: Bolsonaro, leader of the far right, has a serious chance of winning. Thus, the social justice movement strengthens the right wing, because, by acting in a fundamentally unjust and hypocritical way, it feeds reactionary attitudes. And yes, the social justice movement was imported by the Brazilian media and inoculated into the general population, so much so that citizens in a nation where everyone is mixed are able to point out who is “black” and who is “white” when our very genes, which descend from Europeans, Africans and indigenous people, betray these labels. There are no “pure races” in Brazil. Yet, there has never been so much racism here.

Suppose that the protest of the developers takes place and a lot of lines of code are removed from the Linux kernel, we can prepare ourselves for the falency of the Internet. Linux is the safest kernel today, which is why many servers use it. Removing Linux code represents the removal of security from various sectors of the Internet. To illustrate how serious this is, do you remember shellshock ? Well, shellshock was a bug in the GNU Bourne Again Shell , better known as bash , which allowed arbitrary code execution from remote sources by using environment variables. In layman’s language, this means that anyone who discovers a way to pass environment variables to a server would take control of it. This would not have caused the panic it caused if most Internet servers did not run Linux, after all bash is shipped in distributions of that kernel. Imagine if the developers who solved this problem took back the solution they implemented. The vulnerability would return. Thus, with the damage caused by social justice and the rage accumulated against this movement, the population would stand on the side of developers. I would stand by their side, because one should not mix politics and science, politics and programming: that the most skilled be able to contribute, this does not harm diversity, but prioritizing diversity may exclude the skilled. This is meritocracy, but I am forced to admit that it is the meritocracy that made Linux suitable to power Tumblr.

To sum up: social justice as a radical movement acts against the interests of minorities that it claims to represent and, by claiming to act in the best interest of all these minorities, it increases hatred against those minorities at every clearly unjust or hypocritical act, fueling reactionary discourses and giving power to right wing, all because its fundamental premise, of considering only one side without assessing the costs of its actions, harms everyone. So the question I wanted to ask is: Is social justice a legitimate movement? I don’t think so. The social justice movement is likely to be a “false flag” operation. I know this sounds like a conspiracy theory, but just imagine: what if key people in social justice movements are actually proponents of the right, who instrumentalize people from the left to achieve their goals? Maybe I am wrong, but the fact is that social justice has been the right wing’s greatest ally in this decade.

I urge that minorities who stand against the extreme acts of the social justice movement to vocalize their displeasure at these actions, to publicly repudiate what is happening. Again, the example of feminism: more and more women and girls are leaving feminism upon realizing that it is unfair to men and boys, as well as harmful for their desires to build relationships (as more and more men are avoiding women ) . After all, if the public sees that not all minorities are in favor of extremism, the tendency to attack the ideology, not those that are “protected” by such ideology, will be greater, and there will be bilateral pressure against such ideology. It doesn’t mean that minorities should abandon hopes of acceptance, but that no attitude in that direction should be taken without regard to the other side of the scale or without considering the social damage that could be caused as consequence of such attitude (in this case, the implementation of Contributor Covenant by the Linux Foundation may put Linux users at risk with or without the developers’ protest). Second, I humbly ask to the Linux Foundation to create its own code of conduct, rather than adopting one that comes from outside, and that the creation of the code itself should be done in a democratic way, with the voices of the developers being heard in the process, aiming at the best interests of those who use the kernel. In the worst case scenario, fork the kernel. Finally, we all should appraise the consequences of our acts and also of the acts of others, so that we know which brands of activism are worth supporting and which are not. After all, if the consequence of an attitude is harmful even to the one who proposes the attitude, the person is either a fool… or a troll.

É a justiça social um movimento legítimo?

Então, esses dias, a Fundação Linux resolveu adotar o Contributor Covenant, o que causou grande ira na comunidade de desenvolvedores. As notícias parecem otimistas em relação a isso, enquanto que a comunidade em si parece furiosa. Como as notícias parecem oferecer apenas um lado da história, eu gostaria de oferecer uma visão brasileira sobre o que está acontecendo num país que não é o meu, mas que produz um monte de software que eu uso.

Para os desenvolvedores, o código de conduta adotado pela fundação, baseado num documento produzido fora de seu âmbito, representa uma intrusão política em negócios totalmente objetivos e orientados por funcionalidade, no caso, a programação. O código seria, a priori, desnecessário, porquanto muitas de suas políticas já são adotadas sem sua presença. Por último, o código é altamente relativo e vago, permitindo que virtualmente qualquer pessoa possa expulsar outra do projeto com alegações de assédio ou discriminação, as quais podem ter ferido apenas sentimentos. Isso é agravado pelo fato de que as pessoas que mais contribuem com o código não são minorias, de forma que pessoas que contribuem menos poderão eliminar do projeto aqueles que contribuem mais. A comunidade argumenta que isso aconteceu em outros grandes projetos que adotaram políticas parecidas, as quais eles sumarizam como “diversidade sobre habilidade”, causando deterioramento dos serviços prestados e retardamento no andar do desenvolvimento. A resposta dos desenvolvedores mais ativos foi ameaçar remover as partes do código Linux que foram contribuídas por eles do projeto, o que prejudicaria tanto clientes (como eu, que uso Manjaro, e usuários de Android) e servidores (porquanto a maioria dos sites mais usados hoje, mesmo os pornográficos, são hospedados em máquinas com Linux).

Essa é uma atitude extrema, mas, na minha opinião, compreensível. Eu venho pensando nisso faz algum tempo e eu publiquei um pequeno comentário em outro lugar, em inglês, sobre o que está acontecendo e resolvi colocar essas ideias aqui para leitores brasileiros. Mas antes de entrar em detalhes, tenho três amigos trans aos quais eu me refiro com os pronomes que eles desejam (embora eles mesmos não se importem em ser referidos por seu sexo biológico) e, embora eu não me considere mais esquerda, não sou direita também. De fato, ainda tendo à esquerda. E é por isso que me preocupo com a justiça social, mas não porque acho que ela é boa: a justiça social não cessa de envergonhar a esquerda.

Deixa eu explicar: o Contributor Covenant permite que grupos minoritários ataquem grupos majoritários por razões pequenas, ou mesmo hipócritas, o que, na verdade, aumenta o ódio que a maioria tem da minoria. Isso acontece porque a justiça social tem um pecado original herdado do feminismo, que é a busca pela igualdade pela consideração de apenas de um lado da balança. É por isso que se chama “feminismo”: somente os problemas da mulher são levados em consideração. Tudo para o feminismo é problema da mulher. O homem e o menino só entram nesses discursos como entidades opressoras, mesmo que homens e meninos particulares não sejam opressores. Mas, para fazer uma analogia, podemos equilibrar uma balança sem saber o conteúdo do outro lado, especialmente quando tudo o que fazemos é colocar cada vez mais peso no lado para o qual olhamos? Não, a tendência é que o lado sobre o qual prestamos atenção fique cada vez mais pesado. A justiça social é, talvez inadvertidamente, a aplicação do mesmo princípio para todas as minorias. É por isso que não existe (ou parece não existir) justiça social para homens, por exemplo.

O ponto em que quero chegar é que o movimento da justiça social está arruinando cada vez mais coisas, porque ele não está avaliando os custos de seus atos. A universidade Evergreen perdeu três professores, teve uma queda de 40% no número de matrículas e perdeu milhões de dólares em fundos porque alunos enfurecidos expulsaram um professor branco da sala, durante um dia especial, aprovado pela direção, em que brancos não poderiam entrar no campus. Esse, claro, é apenas um exemplo. Mas não parece estranho que um movimento que pregue a igualdade e a justiça tenha aprovado e talvez sugerido um “dia especial” no calendário acadêmico no qual nenhum branco, seja aluno ou professor, poderia entrar no campus? Para mim, isso é hipocrisia, mas também é injustiça. Assim, um movimento que fala de justiça social ganha contornos hipócritas. Isso legitima a reação dos grupos majoritários. Mas agora vem a pergunta-chave: quantas pessoas que são contra essas atitudes culpam o movimento como entidade política e quantas pessoas culpam as minorias que tal movimento afirma proteger?

Novamente, o exemplo do feminismo: esse movimento afirma representar o melhor interesse de todas as mulheres, apesar a maioria das mulheres não ser feminista. Assim, um ataque ao feminismo pode ser interpretado como um ataque à mulher e é prontamente rotulado como misoginia. O problema é que o uso dessa linguagem e desse significado reforça a ligação entre feminismo e mulheres em geral, dando oportunidade ao surgimento de misoginia verdadeira. O mesmo ocorre com a justiça social. Com um movimento que se comporta dessa forma, a tendência é que cada vez mais pessoas culpem negros, mulheres, imigrantes, trangêneros e outros grupos minoritários por tudo de ruim que acontece. Não culpam o movimento ou a ideologia, mas suas causa materiais visíveis, que são os que compõem o movimento, cujas atitudes são generalizadas por estes afirmarem agir no melhor interesse dos grupos que representam. Para verificar minha teoria, basta olhar para as pesquisas de intenção de voto no Brasil: Bolsonaro, líder da extrema direita, tem chances sérias de ganhar. Assim, o movimento da justiça social fortalece a direita, porquanto, ao agir de forma fundamentalmente injusta e hipócrita, fomenta atitudes reacionárias. E sim, o movimento da justiça social foi importado pela mídia brasileira e inoculado na população geral, a ponto de uma nação de mestiços ser capaz de apontar quem é “negro” e quem é “branco”, quando nossos genes descendentes de europeus, africanos e indígenas traem essas denições. Nunca houve tanto racismo aqui.

Suponhamos que o protesto dos desenvolvedores se efetue e um monte de linhas de código sejam removidas do núcleo Linux, podemos nos preparar para a falência da Internet. Linux é o núcleo mais seguro da atualidade, razão pela qual vários servidores o usam. Remover código do Linux representa a remoção da segurança de vários setores da Internet. Para ilustrar como isso é grave, você lembra do shellshock? Bom, o shellshock foi uma falha no GNU Bourne Again Shell, mais conhecido como bash, que permitia a execução de código arbitrário de fonte remota utilizando variáveis de ambiente. Em língua de leigos, isso significa que qualquer pessoa que descobrisse um meio de passar variáveis de ambiente para um servidor tomaria controle dele. Isso não teria causado o pânico que causou se a maioria dos servidores da Internet não executasse Linux, afinal o bash é incorporado em distribuições desse núcleo. Imagine se os desenvolvedores que resolveram esse problema tirassem dali a solução que eles implementaram. A vulnerabilidade voltaria. Assim, com os danos causados pela justiça social e a raiva acumulada contra esse movimento, a população que soubesse do ocorrido daria razão ao desenvolvedor. Eu daria razão ao desenvolvedor, porquanto não se deve misturar política e ciência, política e programação: que o mais habilidoso seja capaz de contribuir, isso não prejudica a diversidade, mas priorizar a diversidade pode excluir o habilidoso. Isso é meritocracia, mas sou forçado a admitir que é a meritocracia que sustenta o núcleo sobre o qual se assenta o Tumblr.

Resumindo: a justiça social como movimento radical age contra os interesses das minorias que afirma representar e, por afirmar agir no melhor interesse de todas essas minorias, aumenta o ódio por essas minorias a cada ato claramente injusto ou hipócrita, alimentando discursos reacionários e favorecendo a direita, tudo isso porque sua premissa fundamental, de considerar apenas um lado sem avaliar custos de suas ações, prejudica a todos. Assim, a pergunta à qual eu queria chegar: a justiça social é um movimento legítimo? Cuido que não. É provável que o movimento da justiça social seja uma operação de “bandeira falsa”. Eu sei que isso soa como uma teoria da conspiração, mas imagine só: e se pessoas-chave da justiça social forem, na verdade, proponentes da direita, que instrumentalizam pessoas da esquerda para agir contra seus interesses? Talvez eu esteja errado, mas o fato é que a justiça social tem sido o maior aliado da direita nesta década.

Para encerrar, peço que as minorias que se posicionam contra os atos extremos do movimento da justiça social se juntem e vocalizem seu desgosto por essas ações, que publicamente repudiem o que está acontecendo. Novamente, o exemplo do feminismo: cada vez mais mulheres e meninas estão deixando o feminismo ao perceber que ele é injusto com os homens e com os meninos, além de impedi-las de construir relacionamentos desejados (já que cada vez mais homens evitam mulheres). Afinal, se o público ver que não são todas as minorias a favor do extremismo, a tendência a atacar a ideologia, não aqueles a quem a ideologia afirma proteger, será maior, e haverá pressão bilateral contra a ideologia. Isso não quer dizer abandonar as esperanças de aceitação ou de igualdade, mas que nenhuma atitude nessas direções pode ser tomada sem considerar o outro lado da balança ou sem considerar os danos sociais causados pela atitude (no caso, a implementação do Contributor Covenant pela Fundação Linux pode colocar usuários de Linux em risco com ou sem o protesto dos desenvolvedores). Segundo, peço que a Fundação Linux crie seu próprio código de conduta, em vez de adotar um que venha de fora, e que a criação do código próprio seja democrática, com as vozes dos desenvolvedores sendo ouvidas no processo, visando o melhor interesse daqueles que usam o núcleo. Se isso não for acatado, que se derive (fork) o núcleo. Por último, que todos verifiquem as consequências de seus atos e também dos atos dos outros, para que saibamos quais ativismos são lícitos e quais não são. Afinal, se a consequência de uma atitude é prejudicial até mesmo para aquele que toma a atitude, essa é uma atitude tola… ou trollagem.

24 de setembro de 2018

For better or for worse, the MAP Starting Guide has been rewritten.

Filed under: Organizações, Passatempos — Tags:, — Yure @ 15:59

One year after its original publication, the MAP Starting Guide has been rewritten. The message is the same, but now it is written in different words. Before, the explicit message was “you’re not a monster, even though society sees you as such.” Now the same message is written as “you were born in the wrong society.” In the original text, I made several emotional appeals and the text had a very personal charge. I was talking to you and comforting you like I would comfort a friend. Now the text is more academic, though still quite personal. The original version was kept in Portuguese and the Russians translated the original text as well, which can be read at Right to Love . As I doubt the new text is better than the old one, I cautioned the owner of Right to Love so he would not translate the new version, as the original version is “cute” enough for the younger to understand better.

The revision was necessary because a number of criticisms were not addressed as they should, notably with regard to definitions. Also, I was not being completely unbiased and I wanted the text to be appreciated regardless of the reader’s political orientation (whether pro-contact or anti-contact). The text tried not to sound pro-contact, but failed here and there. If the text has a “therapeutic” purpose, it should reach as many people as possible and professing a specific alignment would undermine that goal. In the current text, where it was necessary to say something that sounded pro-contact, I had to readily offer counter-arguments in vogue, especially with regard to the issue of informed consent. But why would anything pro-contact be necessary? Well, I needed, in order to reiterate my point that the guilt and shame felt by the target audience stemmed from a dissonance between the attraction and the socio-political orientation of the West, to show that there are places or there were times when such relationships were or are normal and desirable as well as they can be engaged in a healthy way for both parties. It was strange that shortly after the section statistics and anecdotes I struck the reader with a “children not consent”, but even that expression came to be reduced to essential terms and demystified.

Finally, this version of MAP Starting Guide will be updated as I learn more about it. Unlike the first version, this one is “rolling release”. Any information that assists in the well-being of the target audience will be reviewed and included in a neutral way.

For those who are worried, I have not become anti-contact. I am preparing a large textual aberration affectionately called lolipill. Of course this is the working title, not the definitive name. I was advised not to translate this text into English and also advised to publish it as a book, but I do not know if I will follow that advice, because, if this text resonates in Brazil, the resonance will be mitigated by the international reaction. So the text needs to find readers in other countries for collective resistance. If third world countries listen, as well as more open-minded first-world countries, the more conservative countries may be “cornered” by this pressure, which may be exerted by Islamic, immigrant, and youth groups in these conservative territories as well. In addition, publishing a book guarantees that the speed of propagation will be lower and its range would be very narrow, since few people read books regularly in Brazil.

But when the text is released, I will make a more polished version of it to publish as a book. This more polished version will not be translated, at least not at first.

Para bem ou para mal, o “MAP Starting Guide” foi reescrito.

Um ano depois de sua publicação original, o MAP Starting Guide foi reescrito. A mensagem do texto é a mesma, mas agora está escrita com palavras diferentes. Antes, a mensagem explícita era “você não é um monstro, apesar de a sociedade ver você como tal”. Agora, a mesma mensagem está escrita como “você nasceu na sociedade errada”. No texto original, eu fazia vários apelos emocionais e o texto tinha uma carga muito pessoal. Eu estava falando com você e consolando você como eu faria a um amigo. Agora o texto está mais acadêmico, se bem que ainda bastante pessoal. A versão original foi mantida em português e os russos traduziram o texto original também, que pode ser lido no Right to Love. Como eu estou em dúvida sobre o texto novo ser ou não melhor que o antigo, eu acautelei o dono do Right to Love para que ele não traduzisse a nova versão, porquanto a versão original é “fofa” o bastante para que os mais jovens a compreendam melhor.

A revisão foi necessária porque um número de críticas não foram adereçadas como deviam, notavelmente no que diz respeito às definições. Além disso, eu não estava sendo completamente imparcial e eu queria que o texto pudesse ser apreciado a despeito da orientação política do leitor (se pró-contato ou anti-contato). O texto tentava não soar pró-contato, mas falhava aqui e ali. Se o texto tem finalidade “terapêutica”, ele deveria atingir tantos quanto fosse possível e professar um alinhamento específico prejudicaria esse objetivo. No texto atual, onde foi necessário dizer algo que soasse pró-contanto, eu tinha que prontamente oferecer contra-argumentos em voga, principalmente no que diz respeito à questão do consentimento informado. Mas por que falar algo pró-contato seria necessário? Bom, eu precisava, para reiterar meu ponto de que a culpa e a vergonha sentidas pelo público-alvo eram oriundas de uma dissonância entre o sentimento e a orientação sociopolítica do Ocidente, mostrar que há locais ou houve tempos em que tais relacionamentos eram ou são normais e desejáveis, bem como eles podem ser engajados de forma saudável para ambas as partes. Foi estranho que, logo após a seção statistics and anecdotes eu enfiasse um “criança não consente”, mas mesmo essa expressão veio a ser reduzida a termos essenciais e desmistificada.

Por último, essa versão do MAP Starting Guide será atualizada conforme eu aprendo mais sobre esse assunto. Diferente da primeira versão, esta não é um trabalho fechado. Qualquer informação que auxilie no bem-estar do público-alvo será revista e incluída, de forma neutra.

Para aqueles que estão preocupados, não me tornei anti-contato. Eu estou preparando uma aberração textual de grandes proporções afetuosamente chamada lolipill. Claro que esse é o nome de trabalho, não o nome definitivo. Eu fui aconselhado a não traduzir esse texto pro inglês e também aconselhado a publicá-lo como livro, mas eu não sei se eu seguirei ambos os conselhos. É que, se esse texto tiver ressonância no Brasil, a ressonância será mitigada com a reação internacional. Então, é preciso que o texto encontre ouvintes em outros países para que haja resistência coletiva. Se os países de terceiro mundo ouvirem, bem como os países de primeiro mundo com mentalidade mais aberta, os países mais conservadores poderão ser “sitiados” por essa pressão, que talvez seja exercida por grupos islâmicos, imigrantes e de jovens nesses territórios conservadores. Além disso, publicando como livro, a velocidade de propagação do texto será menor e seu alcance seria muito baixo, uma vez que pouca gente lê livros regularmente no Brasil.

Mas quando o texto for solto, eu farei uma versão mais polida dele para publicar como livro. Essa versão mais polida não será traduzida, ao menos não num primeiro momento.

%d blogueiros gostam disto: